Culturales

Tania Bruguera: do ego e da manipulação contra Cuba.

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, 60º aniversário do triunfo revolucionário, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Contrarevolucion, Contrarrevolucion, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, cultura, Culturales, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Injerencia De EEUU, Intelectuales, Política, Red de Intelectuales y Artistas en Defensa de la Humanidad (REDH), Soberanía, Venezuela, Los artistas del Imperio, Manipulacion, Manipulacion Politica, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Quando o ego dobra a lucidez (ou resposta a um jovem dramaturgo)

Por Redacción Razones de Cuba –

Meus companheiros mais próximos, eles não me deixam mentir; no começo, defendi Yunior García Aguilera. Ele o representou como um jovem desses tempos, irreverente e com critério. Um artista de Holguin que deu os primeiros passos no mundo da arte com o apoio da AHS, formou-se na ENA, com especialização em Atuação, e na ISA, na especialidade Dramaturgia, que se distanciou publicamente das posições mais recalcitrantes do chamado MSI e que se autoproclamou revolucionário, após estrelar o protesto 27N. Que compõe um hino rebelde em P4 e que diz que quer exatamente isso, dialogar, cantar o seu próprio hino.

La política cultural de la Revolución cubana en los 60

Embora não entendesse porque, se considerava o Mincult um interlocutor válido e foi um dos primeiros a exigir uma reunião com o Ministro, recusou-se a participar do 5D, na primeira sessão de diálogos da mais alta Direção do Ministério com os jovens artistas e intelectuais, realizado no Teatro Abelardo Estorino desta instituição. Eu o considerei obrigado a alinhar-se com a moda, com a moral da moda, com manifestos, com aqueles que o encorajaram com um Bravo, Yunior!, Que todo artista aprecia. Eu me perguntava: por que se mostrar afetado por um compromisso ético com aqueles que conheceram há apenas um mês, através das redes, e atacar, sem piedade, aqueles que há muito tempo vêm realizando projetos e sonhos compartilhados? É um desejo de destaque que não se satisfaz no teatro? Por que ser a voz de um movimento político e não da juventude de seu sindicato?

E continuei a acreditar, mas mais do que na honestidade de suas propostas, nos ensinamentos de Fidel. No dirigente que em 30 de junho de 1961, logo após o ataque mercenário a Girón e quando —como acaba de recordar Silvio Rodríguez—, “nas colinas das três principais cordilheiras de Cuba havia uma atividade guerrilheira contra-revolucionária, à qual os aviões Os americanos jogaram armas, suprimentos e equipamento de rádio em pára-quedas “, declarou:

“Ninguém jamais supôs que todos os homens ou todos os escritores ou todos os artistas devam ser revolucionários, assim como ninguém pode supor que todos os homens ou todos os revolucionários devam ser artistas, nem que todo homem honesto, pelo fato de que ser honesto, tem que ser revolucionário. Revolucionário também é uma atitude em relação à vida, revolucionário também é uma atitude em relação à realidade existente. E há homens que se resignam a essa realidade, há homens que se adaptam a essa realidade; e há homens que não conseguem se resignar ou se adaptar a essa realidade e tentar mudá-la: por isso são revolucionários ”.

Fazia parte de suas “Palavras aos Intelectuais”, da qual é extraída apenas uma frase, distorcida, com a qual o líder histórico refletiu sobre a intervenção de Eliseo Diego, sobre “se ele pudesse interpretar de sua ponto de vista idealista de um determinado problema, ou se ele poderia escrever uma obra defendendo aqueles pontos de vista dele ”. Fidel respondeu que a Revolução deveria aspirar a que “não apenas todos os revolucionários marchem ao lado dela, não apenas todos os artistas e intelectuais revolucionários”. “A Revolução deveria apenas renunciar àqueles que são incorrigivelmente reacionários, que são incorrigivelmente contra-revolucionários.” A Revolução teve que entender esse setor de artistas honestos e dar-lhes um campo para se expressarem. E daí passou à definição mais polêmica de seu discurso, a uma fórmula de mobilização inclusiva que desde então tem guiado a política cultural: “Isso significa que, dentro da Revolução, tudo; contra a Revolução, nada. Nada contra a Revolução, porque a Revolução também tem seus direitos e o primeiro direito da Revolução é o direito de existir e, contra o direito da Revolução de ser e de existir, ninguém. Porque a Revolução entende os interesses do povo, porque a Revolução significa os interesses de toda a Nação, ninguém pode reivindicar com razão um direito contra ela.

Fidel Castro: lo primero que hay que salvar es la cultura. Noticias en CMBQ  Radio Enciclopedia

Nada a ver com aquela frase exclusiva do fascista Mussolini: “Tudo dentro do Estado, nada fora do Estado, nada contra o Estado” que alguém muito mal intencionado certamente ditou ao jovem dramaturgo. Como aquelas denúncias difamatórias e relatos de obscuridades e manchas, que ele acabou de enfocar em um post recente em seu mural do Facebook e que motivaram Silvio Rodríguez a propor:

“É triste que alguém na casa dos 20 anos escreva sobre a história do nosso país sem realmente saber, repetindo o que leu em calúnias e em artigos de outros que também não viveram e que por sua vez leram e repetiram a mesma canção . Por isso, também me parece triste que um querido colega tão rechonchudo traz escritos que o que fazem é repetir a várias gerações as experiências de terceiros, às vezes tidas como tendenciosas, intencionalmente. Trabalhei na revista Verde Olivo. Já estava maduro quando alguém chamado Leopoldo Ávila publicou alguns artigos desafiando Heberto Padilla. Mas dizer que ‘Pelas páginas daquela revista se tentou assassinar a reputação de qualquer artista ou intelectual cubano que fizesse a menor crítica ao poder’, pelo menos, é um exagero.

Diante da alusão do jovem dramaturgo ao medo de Virgílio Piñera, por uma suposta “arma na mesa”, El Necio Trouvador compartilhou que os muitos participantes daquele encontro que mais tarde conheceu nunca foram ouvidos a dizer que Fidel fez aquele discurso com uma arma em cima da mesa. “Para mim”, acrescentou Silvio, “esse é um símbolo que alguém usava com mau humor e a ignorância de alguns, a ingenuidade de outros e o leite azedo de terceiros, hoje gostaria de o fazer história. Posso atestar que nunca ouvi ninguém dizer isso absolutamente, dos muitos presentes naquele encontro que conheci. Fidel foi um revolucionário, mas também um intelectual. As armas mais poderosas que ele tinha eram suas idéias.

Fidel Castro Rankings Opinions - Free Photos

“Inside the Revolution” significava estar em trânsito para o reino da justiça. Como Fidel a definiu, a Revolução deve ser entendida: “como caminho de melhoria, como caminho incessante de avanço rumo à justiça, como caminho incessante de avanço rumo à fraternidade, como caminho incessante de solidariedade, de amor entre semelhantes, como um caminho incessante para a felicidade ”.

Naquele dia, já em 17 de março de 1959, Fidel compartilhava com os jovens “instrutores revolucionários”, que mais tarde reiterou na Biblioteca Nacional. O dever da Revolução, para aqueles que não são amigos nem inimigos, é torná-los “não inimigos, mas amigos e revolucionários”. “O dever de um revolucionário é vencer, o dever de um revolucionário é vencer; o dever do revolucionário é persuadir, fortalecer incessantemente a Revolução e não enfraquecê-la incessantemente; e há pessoas que têm modos tão odiosos que o que fazem é fazer inimigos da Revolução e amigos dos inimigos da Revolução ”. Um conceito de mobilização, política e ética, muito próximo ao de José Martí.

Por que apenas manchas de sol? Por que drenar o veneno de outrem, um jovem artista com respaldo institucional, com discurso crítico e que não tem experiência de censura? Por que atrapalhar sua jornada até o cume intelectual de Lezama e Piñera e se embriagar de ressentimentos emprestados? Por que, diante de um caminho repleto de conquistas concretas a favor da cultura e da arte contemporânea, apenas apontar o cinzento quinquênio ou a UMAP? Por que falar dos poucos que saíram e não dos muitos que decidiram ficar ou “ficaram para trás”, fazendo obras? Por que congelar e divulgar censuras e erros, e não retificações ou restaurações?

Antón Arrufat permaneceu em Cuba e seu trabalho foi publicado. As obras de Lezama Lima são reeditadas e muitas das investigações e ensaios sobre seu legado são apresentados nas Feiras do Livro; em 2010 o seu centenário foi celebrado com a participação de várias instituições culturais. Da mesma forma, circula a obra de Virgilio Piñera e seus textos continuam sendo montados por nossos grupos de teatro subsidiados. Os herdeiros de Reinaldo Arenas e Guillermo Cabrera Infante são aqueles que não autorizaram a publicação de suas obras.

Para ser justo e Martí, como o jovem dramaturgo afirma ser, ele deveria aprender mais. E lembre-se daqueles que sussurram tudo o que a Revolução fez pela cultura. E contrastar com a desatenção que instituições e artistas tiveram durante a “República do Papel” de 1902 a 1958. A deplorável situação denunciada por Jorge Mañach —que fundou a Diretoria de Cultura em 1934—, em artigo publicado na Boêmia, em dezembro de 1947, com o título de “Feira do livro e farsa”, onde destacava: “Você não acredita na cultura, pior ainda: não quer acreditar nela. Suas zonas de criação não são protegidas pelo mesmo motivo que não são protegidos em sua zona de ensino. A cultura em geral é um empecilho ”.

Ministro de Cultura no dialogará con personas que reciben financiamiento y  apoyo del Gobierno de Estados Unidos

Lembre-se que, na Declaração de intelectuais e artistas, de 28 de janeiro de 1959, a vanguarda artística intelectual cubana descreveu o Triunfo Revolucionário como “o momento mais belo de nossa história republicana, quando parece que todos os sonhos de regeneração da pátria vão ser realizada, porque sempre foi o desejo mais vivo dos homens criativos do nosso país, a ligação íntima da história e do espírito ”. Entre as valiosas ideias contidas no documento, considero pertinente atualizar este apelo: “Devemos renunciar a qualquer fato externo que conduza a cultura para a dimensão luxuosa, mundana ou simplesmente espetacular”.

Eu o acreditava “revolucionário” até que certos dados e comportamentos me informavam, até que o ator também se desviava da minha representação, até que o vi encenando um roteiro pouco lúcido, incoerente, com retalhos muito rudes, que parecia escrito por outros, mais velhos e mais ressentidos. Até que li no Diario de Cuba, num pastiche onde seu amigo Pin Vilar fazia o papel de entrevistador e lhe perguntava o que ele já sabia. Numa construção, já cantada, com a qual se pretende armar a três (Luis Manuel Otero, Carlos Manuel Álvarez e o próprio Yunior García) o cubano Václav Havel. Uma, mais uma entrevista, como descobri depois entre as tantas concedidas à escandalosa tribo do jornalismo (in) dependente. Nesse ponto, seu perfil já havia mudado, a fachada da casinha onde Martí nasceu de Yunior “sentado na periferia do bairro”.

Sua devassidão reativa, sua posição de porta-voz dos ativistas, mais desafiadora que o diálogo, acabaram por embasar a lógica de seu comportamento. É um antecedente obscuro que já circulava nas redes e que o Dr. Ernesto Limia acaba de incluir em sua documentada cronologia de Pátria e Cultura em Tempos de Revolução.

De 12 a 14 de setembro de 2019, Yunior García participou de uma das oficinas do projeto Diálogos sobre Cuba, como parte do programa de formação de lideranças organizado pelo NED, realizado na Universidade Sant Louis-Campus de Madrid, instituição jesuíta americana vinculada ao Exército, no qual os soldados estacionados em Madrid são ensinados em inglês e concluem os seus estudos. O workshop foi coordenado pelas cientistas políticas Laura Tedesco e Rut Diamint, que questionaram, pouco antes, em artigo publicado em 2 de maio de 2019 no openDemocracy – site britânico financiado pela Open Society e pela Fundação Ford: “Os membros pensam do Partido Comunista e dos membros das Forças Armadas Revolucionárias de Cuba (FAR), que poderão manter a estabilidade política e a paz social em meio a uma estagnação econômica que pode piorar quando o regime venezuelano entrar em colapso total? ”

Fidel Castro : una revolución sólo puede ser ... Catálogo en línea

Um dos palestrantes do Workshop foi, nada mais nada menos, que Felipe González, “um homem que assumiu a direção do Partido Socialista Operário Espanhol graças à ajuda da CIA e da Inteligência de Franco, e após assumir a presidência do país criado em outubro de 1983, e sob o pseudônimo de X – conforme revelado por documentos desclassificados pela CIA – os Grupos de Libertação Antiterrorista que por quatro anos sequestraram, torturaram, assassinaram e enterraram 27 supostos militantes do ETA em território francês ” . Junto com a jovem dramaturga, os recalcitrantes contra-revolucionários Manuel Silvestre Cuesta Morúa e Reynaldo Escobar (marido de Yoani Sánchez), e a mais jovem co-fundadora Yanelis Núñez Leyva, junto com seu ex-sócio Luis Manuel Otero Alcántara, do desrespeitoso Museu de Dissidência em Cuba.

Muito tem que ser documentado Yunior García. Silvio e outros membros do fórum da Segunda Cita, recomendaram-lhe alguns textos. Muito esclarecedor, principalmente em relação aos “Gray Five”. São as conferências organizadas, no início de 2007, pelo Centro Teórico Cultural Desiderio Navarro e publicadas com o título: A política cultural do período revolucionário: memória e reflexão. Aí fica muito clara a posição crítica do Mincult, na figura do então Ministro Abel Prieto, a respeito daquele período e o apoio institucional aos intelectuais que protestavam contra o aparecimento na televisão de ex-líderes culturais associados ao dogmatismo e à censura.

Como afirmava o intelectual lúcido Alfredo Guevara: «A primeira diretriz, a primeira premissa para atingir um mínimo de lucidez é conhecer a realidade tal como ela é. Não o adoça, não admita as peneiras que embelezam ou feio a realidade. Você tem que saber exatamente. Você não pode transformar a realidade sem conhecê-la completamente. Isso requer, acima de tudo, proximidade com o ser humano, porque a realidade das paredes que estão caindo ou que parecem esplêndidas não é realidade. A realidade é o ser humano, um a um, não convertido em grupo, mas um a um ».

Retirado do Jiribilla

Categories: "Liberdade", "democracia", "racismo" e "direitos humanos", #CIA, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #EEUU#PNRAgencia Central de Inteligencia (CIA)National Endowment for Democracy (NED)The New York Times, #Fidel, #YoSoyFidel, ações subversivas, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), arte, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, BLOQUEIO VS CUBA, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, cultura, Culturales, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

COM CUBA VOCÊ NÃO ENTRA.

Categories: # Cuba, CUBA - ESTADOS UNIDOS, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, CULTURAIS, Culturales, MUSICA CUBANA, MUSICAS | Deixe um comentário

Desmascarando os traidores, Cuba e nosso legado cultural são respeitados.

Categories: # Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, CULTURAIS, Culturales, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Subversão contra Cuba, Subversión | Etiquetas: | Deixe um comentário

As raízes de um povo que cresce em todo o mundo #DeCaminoAlDíaDeÁfrica.

Uma amiga cubana compartilhou isso no mural dela e eu queria compartilhar com o meu blog. #DeCaminoAlDíaDeÁfrica uma iniciativa da EmbaCuba na Nigéria para apresentar um Zentangle dedicado a este amado continente. Desenhada pela artista Ana Chavely Bauza Pino, atualmente em Abuja e seu pai.
O Zentangle é uma reflexão artística que apóia relaxamento, concentração e inspiração e pode ser um maravilhoso ritual diário.
Nesse caso, convidamos os amantes da África a comentar esse desenho, no qual ocultam uma série de atributos, culturais, espirituais e de sua flora e fauna. Descubra-os, mencione-os e curta #AfricaEnLaSangre.

A imagem pode conter: 1 pessoa, desenho

Categories: 25 de maio celebra-se no Dia Mundial de África, Africa, África, sempre digna, CUBA - ÁFRICA, cultura, Culturales, DIA MUNDIAL A MULHER AFRICANA, Uncategorized, União Africana | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Vencedores do Oscar 2020

Neste domingo, a 92ª edição do Oscar foi realizada no Dolby Theatre, em Los Angeles (EUA). As estatuetas de ouro foram divididas em um total de 24 categorias.

Estes são os que ganharam o prestigiado prêmio este ano:

Melhor filme: ‘Parasites’
Melhor Diretor: Bong Joon Ho, por ‘Parasites’
Melhor Atriz: Renée Zellweger, por ‘Judy’
Melhor Ator: Joaquin Phoenix, por ‘Joker’
Melhor Atriz Coadjuvante: Laura Dern, por ‘Story of a Marriage’
Melhor Ator Coadjuvante: Brad Pitt, por ‘Era uma Vez … em Hollywood’
Melhor Filme Estrangeiro: ‘Parasites’ (Coréia do Sul)
Melhor edição: ‘Ford v Ferrari’
Melhor edição sonora: ‘Ford v Ferrari’
Melhor Mixagem de Som: ‘1917’
Melhor Canção Original: ‘(I’m going) Love Me Again’, de Elton John e Bernie Taupin, em ‘Rocketman’

Estos son los ganadores de los Óscar 2020
Melhor Trilha Sonora: ‘Joker’, composta por Hildur Gudnadottir
Melhor Roteiro Original: ‘Parasites’, escrito por Bong Joon Ho
Melhor Roteiro Adaptado: ‘Jojo Rabbit’, escrito por Taika Waititi
Melhor design de produção: ‘Era uma vez … em Hollywood’ (‘Era uma vez em Hollywood’, na América Latina)
Melhor documentário: ‘American Factory’
Melhor Curta-Metragem: ‘A Janela dos Vizinhos’, de Marshall Curry
Melhor documentário curto: ‘Aprendendo a andar de skate em uma zona de guerra (se você é uma garota)’
Melhor Curta de Animação: ‘Hair Love’
Melhor filme de animação: ‘Toy Story 4’
Melhor fotografia: Roger Deakins, para ‘1917’
Melhores efeitos visuais: ‘1917’
Melhor figurino: Jacqueline Durran, para ‘Little Women’
Melhor maquiagem: ‘Bombshell’ (‘O escândalo’)

Categories: cultura, CULTURAIS, Culturales, Uncategorized | Etiquetas: , , , , , , | Deixe um comentário

Macri hizo destruir una escalera histórica de la Casa Rosada y le echan la culpa a la Comisión de Monumentos

Por Sergio Kiernan

Agora que a Casa Rosada tem novos ocupantes, alguns coelhos estão pulando que o macrismo escondeu ordenadamente. Nesta semana, soube que, em algum momento de seu governo, Mauricio Macri enviou para demolir uma escada histórica do edifício, aparentemente porque não se encaixava em nenhum plano decorativo de Cambiemos. Quando os que saíram perguntaram como eram essas liberdades em um prédio com a mesma definição de patrimônio, os macristas mentiram. Enquanto circulava nas redes, eles disseram que a Comissão Nacional de Monumentos, Lugares e Patrimônio Histórico havia autorizado a demolição. Bem, não é verdade: em 2016, a Comissão proibiu por escrito que as escadas fossem demolidas. O que eles fizeram foi demolir o mesmo.

Casa Rosada.

Casa Rosa
Imagem: Alejandro Leiva

Nos dias 17 e 25 de outubro de 2016, os arquitetos Andrea Morello, Mariana Quiroga e María Turull inspecionaram a Casa Rosada, enviada pela Comissão presidida por Teresa de Anchorena. A Administração de Serviços Gerais da Presidência da Nação, encarregada da Casa Rosada, solicitou orientação para as intervenções que planejavam realizar no porão, no primeiro e no segundo andar e no terraço do edifício. Como o monumento histórico é uma figura jurídica, é rigoroso pedir uma opinião à Comissão antes de colocar as mãos nos edifícios. As inspeções resultaram em um relatório de 25 páginas enviado pelos arquitetos e aprovado pela Comissão.

Longe de permitir a demolição das escadas demolidas, o relatório recomendava a limpeza de agregados que, apesar das sucessivas restaurações da Casa, continuam afogando muitas áreas. O terraço, por exemplo, é blindado com antenas, cabines, cabos e caixas de todos os tipos, sem mencionar oficinas e outros agregados. Em todo o interior, continua a ser apreciada a tendência imparável do estado de sucuche, a constante subdivisão de ambientes em succuchos, quase sempre por divisões com painéis. E a Casa Rosada é uma ótima amostra de intervenções desajeitadas feitas com materiais impróprios. O relatório é uma longa lista desses capangas que é recomendável remover.

E no final, na página 25 que resume as conclusões, ele diz que é recomendável manter a escada e “componentes ornamentais, carpintaria, ferragens, pisos, molduras de gesso, degraus de mármore, trilhos de ferreiro, luminárias, acabamentos de superfície, etc. , que a caracterizam ”. Como você pode ver, a lista é exageradamente detalhada, uma precaução normal para que eles não digam que, como os degraus de mármore não eram, por exemplo, eles entenderam que poderiam tirá-la.

Mas os responsáveis da Casa naquele momento a ignoraram e as escadas estavam carregadas. Agora eles culpam a Comissão, que rapidamente divulgou o relatório, para deixar claro quem foram os que destruíram o patrimônio e, de passagem, violaram a lei.

Categories: # Argentina, #Canadá, #Caracas, #Colombia, Grupo de Lima, #Jorge Arreaza, #Perú, #venezuela, #Argentina, argentina, Culturales, MACRI, Mauricio Macri, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

Que a dança continue a nos unir!

Gala Cultural em homenagem a Suas Majestades, os Reis da Espanha, no Grande Teatro de Havana Alicia Alonso, como parte das atividades de sua visita oficial ao nosso país

Autor: Enrique Moreno Gimeranez | internet@granma.cu

Gala en Honor a sus majestades los Reyes de España, en el Gran Teatro de La Habana Foto: Ariel Cecilio Lemus

Como ponto culminante do dia de terça-feira, Suas Majestades, os Reis da Espanha, Dom Felipe VI e Dona Letizia, desfrutaram de uma gala em sua homenagem realizada no Grande Teatro de Havana Alicia Alonso, como parte das atividades de sua visita oficial Para o nosso país.

Foto: Ariel Cecilio Lemus

A atividade cultural, preparada pelo Ministério da Cultura e pelo Conselho Nacional de Artes Cênicas, contou com apresentações do Ballet Nacional de Cuba (cenas do segundo ato de Giselle), da empresa Acosta Danza (coreografia Não há nada), o Ensemble Folclórica Nacional (coreografia de Rumberos), Companhia de Dança Lizt Alfonso Cuba (coreografia De Novo e Fuerza y Compás), Orquestra de Failde e Escola de Dança Lizt Alfonso Cuba (coreografia que se apega aos clássicos).

Dessa forma, a Gala foi uma amostra do diversificado e representativo de uma das manifestações artísticas que mais bebeu de nossas origens: a dança. Além disso, ele demonstrou como as raízes espanholas, entre outras, fazem parte da tradição cultural do povo cubano.

Da mesma forma, a mostra exibiu o resultado das conquistas do sistema nacional de educação artística e, por sua vez, o processo de assimilação do melhor da cultura mundial, transformado em cubano.

O vice-presidente cubano Roberto Morales Ojeda e outros membros das delegações dos dois países acompanharam os monarcas espanhóis nessa atividade cultural, que terminou com grandes ovações do público.

«Como fiesta de unión y hermandad se hace esta Gala… ¡y que la danza nos siga uniendo», refiere el programa entregado a los asistentes a la jornada.

Categories: # Cuba, CULTURAIS, Culturales, España, Uncategorized | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Três imagens que aspiram a ganhar The Comedy Wildlife 2019

Um domingo especial com três das imagens apresentadas ao The Comedy Wildlife 2019: o prêmio pelas fotografias mais engraçadas da vida selvagem.

O concurso anunciará os vencedores no dia 13 de novembro. O concurso A comédia da vida selvagem, além de divertida, tem como objetivo destacar a importante mensagem da conservação da vida selvagem. Estes pareciam bons para o show.

Isso é vida!

Eu lhe digo, o menino não tem listras. Será o burro?

Não me diga que não.Eu vi você com essa cacatua. Foto: Vlado Pirsa

Categories: Culturales, Uncategorized | Etiquetas: , | Deixe um comentário

Grupos carnavalescos são aconselhados a evoluirem ao associativismo para terem condições de participar condignamente

Por Manuel Albano |

O encontro, que vai juntar investigadores, historiadores, promotores e associações culturais, tem como propósito, de acordo com o secretário-geral da Associação Provincial do Carnaval de Luanda (APROCAL), António de Oliveira “Delon”, transformar a maior manifestação cultural nacional num produto turístico atractivo, através de formas de financiamento no quadro das mudanças estruturais e estéticas que se prevê na organização.

Durante os debates, disse, as abordagens e reflexões devem assentar na necessidade de se reajustar o regulamento do Entrudo e na criação de políticas de marketing incentivadoras a parcerias com os mecenas. “Precisamos encontrar formas de tornar o Carnaval no país, num produto que possa atrair investimentos e a criar emprego”, disse.
Promovido pelo Gabinete Provincial da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos, o encontro resume-se aquilo que são as ideias dos associados sobre o que se pretende para transformar o Carnaval numa manifestação de interesse comum, inclusivo, harmónico, inovador e produto lucrativo em todas as esferas.

António de Oliveira explicou ainda que já é momento de mudanças estruturais na estética e organização do Entrudo, num processo que deve engajar toda a sociedade. Para isso, argumenta, há também a necessidade dos grupos carnavalescos evoluírem, cada vez mais, para o associativismo.

Categories: Culturales, Uncategorized | Etiquetas: | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: