O que não disse Mailen.

#ManipulaciónMediática #MafiaCubanoAmericana #FakeNews #CubaEsSalud #CubaSalva #Solidaridad

Para Cuba, as crianças são o Futuro da Revolução, tudo para elas….

#CubaSalva #EEUUBloquea #NoTeMetasConCuba #CubaNoEstaSola #EnLasRedesEstamos #DefendiendoCuba

O Ministério do Comércio Doméstico informou na segunda-feira que a comercialização da quota de Novembro de leite em pó para crianças dos 0 aos 6 anos, 11 meses e 29 dias, dietas médicas para mulheres grávidas e doenças crónicas da infância está garantida.

A este respeito, a Ministra do Comércio Interno, Betsy Díaz Velázquez, afirmou esta segunda-feira no Noticiero del Mediodía durante uma visita a Guantánamo, que houve uma interrupção na distribuição de leite para crianças a partir do 5º dia, um processo que está em curso.

Extraído de Cubadebate

“Hoje em dia está assegurada a continuidade do leite para o mês para crianças de zero a um ano de idade e até aos sete anos de idade. Quero confirmar à população a prioridade que está a ser dada ao produto, apesar das dificuldades que têm existido na chegada ao país do que precisamos neste mês de Novembro. Isto também já aconteceu em meses anteriores”, disse o ministro.

Ela também reiterou que em locais como Havana, durante o fim-de-semana, o produto tinha de ser transportado de outras províncias. “Hoje em dia o leite está disponível para todas as crianças.

Díaz Velázquez disse que outro dos produtos que teve dificuldades na entrega foi o frango, que está actualmente a ser transportado dos portos para as províncias para o mês de Outubro, para os consumidores que o recebem. Em Novembro, o frango para esse mês será também distribuído.

Ela disse que o arroz, o açúcar, o café e os produtos para o mês de Dezembro foram assegurados.

Cuba: acção, reflexão, autocrítica .

#XCubaYo #PasionXCuba #UnaSolaRevolucion #CubaLibreYSoberana

Por Ángel Guerra Cabrera

Há quase três meses, a 11 de Julho, os meios de comunicação hegemónicos previram o fim da revolução cubana, supostamente esmagados por protestos populares “pacíficos”. Na verdade, o que aconteceu naquele dia foi a derrota murcha pelo povo cubano de um plano contra-revolucionário que levou anos a preparar os Estados Unidos (EUA).

Sim, houve protestos pacíficos com exigências legítimas, compatíveis com as amplas liberdades garantidas pelo Estado de direito socialista. No entanto, à velocidade da luz, a contra-revolução apátrida, que durante meses tinha usado mecanismos sofisticados de envenenamento (https://bit.ly/3mocMZq) nas chamadas redes sociais para apelar a protestos nas ruas, lançou os seus mercenários, oleados com milhões de dólares americanos, num exercício cego e brutal de espancamentos contra a polícia e civis desarmados enquanto grupos de criminosos se envolviam na pilhagem e vandalização de propriedade pública e privada. Se não fosse a mobilização revolucionária nas ruas pedida pelo Presidente Miguel Díaz-Canel, o caos e uma espiral de derramamento de sangue ter-se-iam gerado. Mas os revolucionários, civis ou membros desarmados, insisto, das forças públicas, dissolveram a tentativa do inimigo e a ofensiva popular começou uma ascensão, que atravessa horizontalmente e transversalmente através de cada vez mais sectores e territórios do país.

Onde houve manifestações de descontentamento? Em bairros vulneráveis, terrivelmente atingidos pelo bloqueio de décadas, apertado por Trump durante o seu mandato e que Biden mantém intacto, a fim de cortar todas as fontes de moeda estrangeira à ilha e agravar cruelmente o sofrimento causado pela pandemia. Estas são populações não suficientemente servidas ou negligenciadas pelo governo, pois a revolução é uma obra humana com imperfeições. Isto foi agravado pela quarentena prolongada, que reduziu ao mínimo o trabalho político nas comunidades, com todas as forças revolucionárias dirigidas a enfrentar a propagação do vírus e a cuidar dos doentes. No meio disso, uma onda de apagões em resultado de dificuldades na aquisição de peças sobressalentes para a indústria da electricidade.

É por isso que Díaz-Canel tem tanta razão quando afirma: se a perversidade da política genocida do governo dos EUA se manifestou em qualquer coisa, foi em ter mantido o bloqueio, intensificado pela administração Trump em condições pandémicas, sufocando, sufocando um povo, condenando-o à morte.

A situação complexa actual exige então – acrescentou ele numa recente reunião com todos os presidentes municipais do Poder Popular – muita sensibilidade, muito trabalho diferenciado de pessoa para pessoa, muita atenção aos problemas da população, às suas propostas, das quais o actual trabalho de revitalização dos bairros é um exemplo. Mas reflectiu também: “e porque não fizemos o que estamos a fazer agora há anos… Porque estávamos em estado de letargia”. Cuba revolucionária nunca teve uma vida fácil. Daí que o presidente e líder do partido tenha recordado, a título de lição, o “sim, nós podemos” de Raúl Castro, que sacudiu a letargia no meio da monumental crise económica que se seguiu ao desaparecimento da URSS, também agravada pela intensificação da asfixia económica de Washington, uma das muitas situações extremas que o povo cubano teve de enfrentar.

A partir do 11/11, as acções revolucionárias multiplicaram-se. Apesar dos enormes sacrifícios e dificuldades impostos pelo cerco americano e da paralisia económica causada pela covida, Cuba está a promover a reabertura da economia, incluindo o turismo vital, através da vacinação, com os seus próprios medicamentos, que já cobre 97% da população com mais de dois anos de idade com uma dose e 55,7% com um calendário de vacinação completo; ao mesmo tempo, está a manter medidas preventivas. Ao mesmo tempo, está a reforçar o poder popular e a democracia participativa a nível comunitário, promovendo a produção alimentar através de medidas como o incentivo às pequenas e médias empresas, e encorajando o debate nacional sobre o projecto muito avançado de Código de Família, que reconhece e protege a diversidade e heterogeneidade da sociedade actual e os direitos das crianças, avós e avôs.

Na referida reunião, Díaz-Canel advertiu que o bloqueio vai continuar e que, ao mesmo tempo que o denunciava, “devemos continuar a ser capazes, com um bloqueio, de avançar mais, e avançar com os nossos próprios esforços e com o nosso próprio talento”.

O presidente argumentou que os inimigos da revolução estão amargurados pela estabilidade e governabilidade existentes no país e continuam a campanha para desacreditar Cuba em busca de outros 11 em que serão bem sucedidos. É por isso que é tão importante hoje em dia manter uma vigilância revolucionária.

Outro Giron .

#CubaSeRespeta #ACubaPonleCorazon #PuentesDeAmor

Por Redacción Razones de Cuba

Era Setembro de 1973, o 11º. Presidente Salvador Allende foi morto pela sua própria arma e pela intenção de outra pessoa no chão do Palácio Moneda no Chile. Muito tem sido dito sobre a ofensiva da CIA nesse país para eliminar o bastião de esquerda do governo sul-americano.

Foi o 11 de Setembro, desta vez em 2001. Dois aviões embateram nos edifícios do World Trade Center em Nova Iorque. Os controversos ataques terroristas custaram a vida a mais de 2000 pessoas e deixaram um país perplexo, chocado com a dor.

Que tem o número 11, tão propenso a arrastar datas tristes e verdades incómodas? Também houve alguma alegria num dia como este? Certamente. É bem conhecido como a realidade pode variar de um canto do mundo para outro, mesmo com uma brutal pandemia a varrer o planeta.

Foi também o 11 de Julho, mas a 11 de Julho, quando a realidade cubana sofreu um choque dramático. Milhares de cubanos saíram à rua, não só para expressar o seu descontentamento com a situação do país num contexto de pandemia e o aperto do bloqueio. Foram também vítimas de confusão e manipulação por parte daqueles que querem mudar o sistema em Cuba e pagar por ele com o sangue de outros.

Muito se tem escrito sobre esse dia, sobre as preocupações daqueles que expressaram legitimamente as suas opiniões e daqueles que vandalizaram ou exerceram violência sobre os seus compatriotas por um punhado de dólares. Há ainda muito a investigar sobre o evento, que não pode ser reduzido a simplificações vazias ou visões apocalípticas estrangeiras. Mas uma verdade é certa: os Estados Unidos foram atingidos na sua própria cara quando pediram aos cubanos que virassem as costas à sua própria Revolução.

Raúl e Díaz-Canel lideram o acto patriótico a 17 de Julho. Foto: http://www.radiocubana.icrt.cu

Não há mãos suficientes para contar todos aqueles que caíram em infâmia, é verdade. Mas as imagens falam por si, e a grande maioria da população da ilha apoia o seu presidente, o sistema social pelo qual votaram a 24 de Fevereiro de 2019.

“Cuba é um estado socialista de direito e justiça social, democrático, independente e soberano, organizado com todos e para o bem de todos”, lê-se no primeiro artigo da Carta Magna, aprovada por mais de 80% dos habitantes da ilha que foram às urnas. No dia seguinte, 12 de Julho, o povo cubano, as forças da lei e da ordem e o seu governo tinham posto fim à tentativa de promover o pânico e a violência nas ruas. A paz habitual tinha voltado a cada esquina, por muito que a imprensa internacional e as plataformas “independentes” insistissem em afirmar o contrário. Se houvesse alguma dúvida sobre o seu total desrespeito pela verdade, aqui estão mais provas

Que não haja dúvidas, há dois meses o povo cubano experimentou outra Baía dos Porcos, derrotou o imperialismo, misturado nas suas próprias fileiras, em menos de 48 horas. Permanecerá como uma experiência, sobre as virtudes e erros que sabemos como reparar. A rua pertence aos revolucionários, disse Díaz-Canel, e foi ecoada por milhões de vozes.

Entrevista com Raúl Capote Fernández .

#CubaSoberana #TenemosMemoria #SomosContinuidad #RevolucionCubana #Genesis #YoSoyFidel #MiMoncadaEsHoy #AquiNoSeRindeNadie #NoMasGolpeBlando #PatriaOMuerte

Cuba continua a desmascarar #FakeNews .

#CubaSoberana #RevolucionCubana #FakeNewsVSCuba #CubaNoEsMiami

Previsivelmente, os responsáveis devem pagar.

#CubaNoEstaSola #MercenariosYDelincuentes #PuentesDeAmor #AmorYNoOdio

#Díaz-Canel reitera que #Cuba vai continuar a construir com os esforços de todos .

#CubaEsDeTodos #CubaViva #MiMoncadaEsHoy #EconomiaCubana #ElBloqueoEsReal

Edição especial sobre os eventos do Ministério da Cultura – 27 de janeiro de 2021.

#HacemosCuba #MinisterioDeCultura #Cuba #SubversionContraCuba #ManipulacionMediatica #Provocações #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #FakeNewsVSCuba #CubaNoEsMiami #TenemosMemoria #SomosContinuidad #YoSigoAMiPresidente #CubaSeRespeta #CubaViva #CubaEsCultura

%d bloggers like this: