Sergio Gregori: ‘O Departamento de Estado dos EUA escreveu-me para me dizer que estavam a bloquear o financiamento da multidão do documentário’.

#UnblockCuba #FurorTV #RevolucionCubana #XCubaYo #CubaLibreYSoberana

Por : Manuel Gonzales Gonzales

Sergio Gregori, 24 anos, director da Unblock Cuba, é o chefe visível de um projecto de comunicação, Furor Producciones, no qual vários jovens nos seus primeiros vinte anos de idade têm trabalhado desde os seus dezassete anos. Este projecto inclui uma estação de televisão online, a Furor TV, que começou a funcionar na sala de estar da sua casa de estudantes e que tem atraído uma boa parte da esquerda política e cultural. Possuem agora um local espaçoso e bem equipado.

Sergio Gregori: 'Me escribió el Departamento de Estado de EEUU para decirme que bloqueaban el crowfunding del documental'

Com a idade de 15 anos, Gregori começou a fazer um documentário sobre a vida dos cubanos comuns. “No início, o filme não tinha qualquer intenção política, eu só queria conhecer a realidade de Cuba. Cuba tinha-me alcançado através dos capacetes com o grupo musical Orishas, agora anti-Castro, mas que na altura falava de um ponto de vista social, e então conheci a história da Cuba revolucionária, do Ché Guevara, do Fidel Castro e da revolução dos barbudo. Tudo isso teve um impacto em mim desde muito jovem, uma vez que me tornei político desde muito cedo. Aos 14 anos de idade comecei a organizar-me e a interessar-me pela política, e o tema de Cuba estava muito presente. Mas é verdade que no início o filme não tinha qualquer intenção política. Não tinha um ponto de vista claro sobre o que estava a acontecer em Cuba.

Para financiar o documentário, lançou um projecto de patrocínio e de crowdfunding que enfrentou o bloqueio: “De repente descubro que o Departamento de Estado norte-americano me escreve e me diz que a campanha está bloqueada pela lei norte-americana. Eu era um cidadão europeu, que nada tinha a ver com Cuba e que na realidade queria fazer um filme sem intenção política, e descobri que a campanha estava bloqueada porque a sede de uma das empresas ligadas ao micro-patronato se situava nos Estados Unidos”. O âmbito do bloqueio tinha torpedeado a iniciativa de um adolescente espanhol, mas, paradoxalmente, oito anos mais tarde, este jovem acabou por transformar o documentário numa denúncia detalhada do bloqueio, que ele considera um instrumento não só contra o carácter socialista de Cuba, mas também um meio de assumir o controlo da ilha, proibindo qualquer pessoa de negociar com ela, incluindo aliados da UE.

Tendo encerrado a rota do patrocínio, organizaram um concerto no Auditório Marcelino Camacho, através da mediação de Cayo Lara, que tinha participado na campanha de patrocínio, mas não conseguiram angariar mais do que o dinheiro suficiente para cobrir as despesas. No final, foi a vontade, a imaginação e a ousadia que tornaram possível este filme “0 custo”, nas palavras do seu realizador. Em 2017 e 2019, Gregori e outros colegas da Furor Producciones inscreveram-se como jornalistas na Feira Internacional de Turismo em Havana e utilizaram o seu tempo livre para filmar os testemunhos que aparecem no documentário.

Apresentando credenciais

Eduardo Bolsonaro, hijo del nuevo mandatario brasileño, presentó sus «credenciales» al secretario general de la OEA, Luis Amagro; sus sonrisas lo dicen todo.

Eduardo Bolsonaro, filho do novo presidente brasileiro, apresentou suas “credenciais” ao secretário-geral da OEA, Luis Amagro; Seus sorrisos dizem tudo. Foto: Página 12
Sem perder tempo, Jair Bolsonaro enviou seu filho Edward para Washington, enquanto esperava em casa Trump enviado irá transmitir a mensagem de que apoiar a sua antilatinoamericano rápida ascensão. Continuar a ler “Apresentando credenciais”