Cerco cubano de basebol: Puxar o rufia, culpar a vítima .

#Deporte #RoboDeTalentos #SubversionContraCuba #ElBloqueoEsReal

Por José Mazaneda .

Excepto se o país for… os EUA. E a lei não é cubana, mas sim americana. Aí serão obrigados a cumprir estas condições: não ter residência em Cuba nem pagar um único dólar de impostos nesse país, apagar qualquer relação com a Federação Cubana de Basebol e a sua equipa nacional e confirmar que não pertencem ao Partido Comunista (3). E assim sim: serão bem-vindos ao País dos Livres.

Mas será que lemos na imprensa internacional, na imprensa desportiva, por exemplo, denúncias inflamadas de um tal acto de politização do desporto? Nem um único.

93552-asedio-al-beisbol-cubano-jalear-al-maton-culpabilizar-a-la-victima-deutsch

Há alguns dias, um grupo de jogadores sub-23 cubanos deixou a sua equipa nacional com a intenção de jogar nos EUA. Para o fazer, estavam dispostos a cumprir todas as condições acima referidas (4).

E como é que a grande imprensa o explica? Ao dizer que, na realidade, estes atletas “escaparam” “para fugir do regime comunista”. E que a sua “fuga” é “uma vergonha para Havana” (5), “outro golpe para a ditadura”, “outra bofetada face à demagogia comunista” (6).

A verdade é que toda esta mentira, todo este “espectáculo” não existiria, e estes atletas poderiam estar a jogar hoje nos EUA, se a máfia de Miami não tivesse pressionado Donald Trump a anular o acordo histórico, autorizado por Barack Obama, entre a Liga Principal de Basebol dos EUA e a Federação Cubana de Basebol (7). Um acordo que o governo de Joe Biden ainda não reactivou e que poria fim a estas “fugas” teatrais em direcção à “liberdade”.

Um acordo pelo qual Cuba teria recebido 10% do montante das fichas, para poder reparar estádios, comprar bolas e tacos, e continuar a treinar a sua piscina de desportistas brilhantes (8) (9).

Um inaceitável 10% para aqueles que trabalham dia e noite para criar novas carências e novos sofrimentos para o povo cubano. Contando, para isso, com a colaboração de media cobardes e jornalistas dedicados a encobrir as suas mentiras e a apoiar os seus crimes.

Cerimónia de boas-vindas para a delegação cubana que participa nos Jogos Olímpicos de #Tókio 2020.

#PatriaOMuerte #ACubaPonleCorazon #DeporteCubano #Tokio2020

Messi diz adiós a F.C. Barcelona .

#LeonelMessi #Futebol

#MijainLopez Fala comSuo presidente #MiguelDiazCanel .

#Deportes MijainLopez #DiazCanel #ACubaPonleCorazon #FidelCastro #MiMoncadaEsHoy #PatriaOMuerte

Ao Comandante Invicto do Chefe #FidelCastro .

#Deporte #MijainLopez #RevolucionCubana #FidelCastro #CubaSoberana

As vacinas contra COVID-19 são uma prioridade para o COI.

#COI #tOQUIO2020 #Deportes #Covid-19

Autor: Redacción Deportes | deportes@granma.cu

O integrante do Comitê Olímpico Internacional (COI), Richard Pound, declarou que priorizar as vacinas contra o COVID-19 para os atletas participantes do Tóquio-2020, será a melhor forma de garantir o encontro de verão que acontecerá este ano.

Los creadores de Sputnik V afirman que la vacuna es eficaz contra las nuevas mutaciones del coronavirus
Una ampolla con la vacuna Sputnik V.

O COI expressou várias vezes este ano seu compromisso de que o maior número possível de participantes estrangeiros seja vacinado antes dos Jogos, mas que não fique à frente da lista de países que mais precisam da vacina. Pound negou que priorizar a vacinação dos atletas, para garantir que a competição na capital asiática continue, vá causar clamor público.

“Tomar 300 ou 400 vacinas de vários milhões, para que o Canadá seja representado em um evento internacional deste tamanho, caráter e nível, não acho que vá gerar qualquer tipo de protesto público”, disse o gerente à Sky News.

Pound acrescentou que as decisões sobre os programas de vacinação são de responsabilidade de cada nação e que, mesmo que haja gente incomodada com a ordem das listas, vacinar os atletas é a melhor forma de garantir os Jogos.

Peronista, amigo de Fidel Castro e admirador de ‘Che’ Guevara: as ligações de Maradona com o lado canhoto da política..

#DiegoArmandoMaradona #IdeasQueSonBanderas #EternoComandante #JovenesDeIzquierda #EvoMorales #HugoChavez #NicolazMaduro #AMLO

Retirado do RT.

Nascido em Villa Fiorito, bairro humilde da cidade portenha de Lomas de Zamora, o ídolo argentino Diego Armando Maradona, falecido nesta quarta-feira aos 60 anos, nunca esqueceu suas origens. “Cresci em um bairro particular de Buenos Aires. Privado de eletricidade, água, telefone”, disse ironicamente em 2004, em uma de suas frases mais memoráveis.

Peronista, amigo de Fidel Castro y admirador del 'Che' Guevara: Los vínculos de Maradona con el lado zurdo de la política

Talvez por isso, e apesar das fortunas que conquistou como jogador, sempre se expressou politicamente ao lado dos pobres, contra a desigualdade e a favor da justiça social.

É que, fora dos campos, Diego sempre se mostrou um homem com consciência de classe, comprometido com as ideias socialistas e, na Argentina, com o peronismo, com todas as suas complexidades.

As ideias do ídolo, que também provocam rejeição nos setores conservadores, não eram apenas conhecidas por suas próprias afirmações, mas marcadas na pele. No braço direito, o argentino usava e exibia com orgulho uma tatuagem do líder da Revolução Cubana, também o argentino Ernesto ‘Che’ Guevara.

Mas a ilha também foi unida por uma profunda amizade com Fidel Castro, que o recebeu em seu país para tratamento de saúde entre 2000 e 2005.

O destino faria com que morresse no mesmo dia que seu “comandante”, como Maradona chamava Castro, falecido em 25 de novembro de 2016.

Maradona e o Socialismo do Século XXI

Sua posição política também o aproximou de outros líderes latino-americanos, como o ex-presidente venezuelano Hugo Chávez, o líder boliviano Evo Morales, o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva ou seus compatriotas Néstor Kirchner e Cristina Fernández de Kirchner.

O apoio apaixonado de Diego Armando aos dirigentes do chamado Socialismo do Século XXI o levou a compartilhar uma viagem de trem com Chávez e Morales, em 2005, quando se realizou a lembrada ‘contra cimeira’ ou III Cúpula na cidade de Mar del Plata. de los Pueblos, em que foi rejeitado o acordo de livre comércio, conhecido como ALCA, que excluía Cuba.

Esse evento foi organizado em oposição à Cúpula das Américas, da qual participou o ex-presidente dos Estados Unidos George Bush. “Tudo o que Fidel e Chávez fizerem será para mim a maior coisa neste mundo que o assassino de Bush, o demônio, quer governar, como lhe disse o professor”, apontou então um Maradona que jogava politicamente de esquerda.

Após a morte de Chávez, o argentino manteve sua relação com o governo bolivariano da Venezuela por meio de Nicolás Maduro, a quem inclusive ofereceu ajuda para enfrentar a crise.

Os ‘irmãos’ Evo e Diego

Com Evo Morales, o vínculo foi além da política e se estendeu ao esporte. Em 2008, o ex-campeão mundial no México de 1986 jogou uma partida no Estádio Olímpico de La Paz, exigindo que a proibição da FIFA de jogar partidas internacionais a mais de 2.750 metros acima do mar fosse suspensa.

No campo esportivo, sempre criticou a liderança do órgão regulador do futebol mundial. Suas acusações de corrupção nos mais altos escalões do órgão tiveram correlação com o escândalo do ‘portão da FIFA’, pelo qual vários ex-diretores foram condenados.

Em novembro do ano passado, o astro expressamente rejeitou o golpe na Bolívia em suas redes sociais. E o ex-presidente lamentou a morte de seu “irmão” na quarta-feira, como ele considerou de sua conta no Twitter.

Sempre peronista

Na Argentina, onde é venerado pela maioria por ter conduzido a Seleção Albiceleste à sua consagração máxima, o compromisso de Maradona com o progressismo suscita repulsa em alguns setores da direita, especialmente o antiperonismo, embora haja quem prefira separar sua posição ideológica do que Esportes.

“Fui, sou e serei sempre um peronista”, foi uma das últimas frases políticas do ex-técnico de Ginástica e Esgrima La Plata, por ocasião do Dia da Fidelidade que o movimento celebra todo dia 17 de outubro.

Seu apoio constante a Cristina Kirchner e ao atual presidente Alberto Fernández -com quem se reuniu em dezembro, logo após a posse-, bem como as duras críticas que fez ao ex-presidente Mauricio Macri, aumentaram o amor e o ódio de ambos os lados da chamada. ‘crack’ que divide os argentinos.

Fernández decretou nesta quarta-feira três dias de luto e disponibilizou a Casa Rosada para o maciço velório do maior ídolo esportivo da Argentina que ali se realizará, e da cidade de Nápoles, na Itália, onde os torcedores fizeram vigília para despedir o ‘ rei’.