“A GUERRA CULTURAL DOS EUA CONTRA CUBA”.

#CubaEsCultura #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #XCubaYo #PasionPorCuba

Ministro da Cultura denuncia campanha contra-revolucionária contra a Bienal de Havana.

#BienalDeLaHabana #PasionXCuba #UnblockCuba #PuentesDeAmor #XCubaYo

O Ministro da Cultura de Cuba, Alpidio Alonso, denunciou hoje a existência de uma campanha contra-revolucionária contra a Bienal de Havana e confirmou que o evento se realizará a pedido dos próprios artistas da ilha.

“Denuncio a partir daqui a campanha contra-revolucionária contra a Bienal de Havana, que compra opiniões e tenta utilizar artistas como operadores políticos. Fá-lo-emos porque foi publicamente solicitado por criadores cubanos em diálogo franco”, disse o chefe da organização.

Imagen

Estas acções, disse, fazem parte de uma campanha contra-revolucionária contra o sector cultural, em paralelo ao bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos, e referiu-se aos planos de subversão orquestrados por Washington com a compra de opiniões e a pressão sobre intelectuais e jornalistas.

Alonso anunciou também que o México será o convidado de honra na 30ª edição da Feira Internacional do Livro de Havana, agendada para Fevereiro de 2022.

A nação asteca tem uma imensa tradição literária, para além do extenso intercâmbio e relações entre os dois países durante vários séculos. Graças à vontade do México de participar neste evento, poderemos aceder ao seu património passado e contemporâneo”, reconheceu ele.

Com este convite, respondemos também à solidariedade historicamente expressa pelo povo mexicano, intensificada nestes dias do Festival Internacional Cervantino, com sede em Guanajuato, e durante a visita do Presidente Miguel Díaz-Canel Bermúdez, em Setembro passado”, assegurou ele.

Cultura e Revolução .

#CubaEsCultura #CulturaNacional #ArtistasEnCuba #FidelCastro #CubaNoEsMiami #MafiaCubanoAmericana #ManipulacionMediatica #MSINoMeRepresenta #YoSigoAMiPresidente #IdeasQueSonBanderas

Não por acaso, o dia 20 de outubro foi eleito o Dia da Cultura Cubana. Lembro com muito orgulho que Armando Hart reiterou a importância de que a data em que o Hino de Bayamo foi cantado pela primeira vez serviu para homenagear os homens e mulheres protagonistas da vida cultural do país. Assim, dizia Hart, a identificação orgânica entre nossos criadores e os ideais patrióticos, antiescravistas e anticoloniais de 1868, posteriormente enriquecidos por Martí, Mella, Guiteras, Fidel, se sintetizou de maneira excelente.
A triunfante Revolução de 1959 recebeu o apoio entusiástico da esmagadora maioria dos artistas e escritores cubanos. Muitos, mesmo, que viviam no exterior, voltaram à Ilha para se juntar à construção de um novo mundo.

El escudo, obra de Alexis Leyva Machado (Kcho)


Embora a agressividade dos EUA tenha começado muito cedo, por meio de pressões e ameaças, ataques, bombardeios, financiamento de gangues armadas e uma feroz campanha na mídia, o governo revolucionário não negligenciou a promoção da cultura: fundou o Icaic, a Casa de las Américas, a Imprensa Nacional e a primeira escola de instrutores de arte, e realizou a Campanha de Alfabetização.
Segundo Carpentier, os tempos de solidão acabaram para o escritor cubano e os de solidariedade começaram. E é que a Revolução formou um público massivo e ávido pelas artes e letras. Também deu espaço às expressões mais genuínas e discriminadas das tradições populares e às pesquisas mais ousadas nos diversos gêneros artísticos.
Incapazes de perceber os vínculos profundos entre a cultura e a Revolução, os ianques insistiram em organizar grupos de “dissidentes” nos círculos intelectuais; mas eles falharam novamente e novamente.
O caso de Armando Valladares foi fruto do desespero: foi apresentado ao mundo como um poeta inválido prisioneiro de consciência. Até publicaram um livro de poemas com grande publicidade e um título dramático: Da minha cadeira de rodas. Mas não era poeta nem paralítico (subiu agilmente a escada do avião quando foi perdoado), teve um passado tenebroso como policial sob a tirania de Batista e fora punido por atividades terroristas.


Agora, muitos anos depois, eles apresentam um suposto “movimento” (San Isidro), um suposto rapper processado por desacato e uma suposta greve de fome de uma dúzia de supostos “jovens artistas”. Eles foram apoiados por uma forte campanha na imprensa estrangeira, na mídia digital paga para subversão e nas redes sociais. Tiveram o apoio imediato de Pompeo, Marco Rubio, Almagro e outros personagens.
Por meio das redes sociais, criou-se um clima rarefeito, de intensa carga emocional, para suscitar expressões de adesão e apoio moral diante de uma hipotética injustiça.
Como tem sido estudado por muitos analistas, apelar para as emoções nas redes envolve as pessoas em comunidades sentimentais transitórias e paralisa a capacidade de raciocinar, julgar e verificar onde estão os limites entre a realidade e a ficção.
Muitos (a maioria) dos que se reuniram no dia 27 de novembro em frente às portas do Ministério da Cultura foram influenciados pela atmosfera criada nas redes. Poucos sabiam o que realmente aconteceu em San Isidro e seus protagonistas. Talvez alguns deles tenham passado por uma ou outra experiência ruim e tenham se sentido magoados. Acho que eles queriam sinceramente dialogar com a instituição.


Outros (uma minoria) participaram com total consciência de um plano contra a Revolução. Eles usaram as redes sociais para amplificar o que estava acontecendo lá e espalhar de forma adulterada. Notícias falsas foram divulgadas em torno de uma repressão imaginária que incluía gás lacrimogêneo, spray de pimenta e supostas emboscadas contra os participantes. Eles sabiam que estavam ajudando a justificar as políticas de Trump contra seu país com mentiras. Eles estavam interessados ​​apenas no “diálogo” para transformá-lo em notícia, em um show, e marcá-lo como uma vitória. Alguns precisavam justificar o dinheiro que recebem.
No entanto, é necessário separar claramente o cartoon das marginais de San Isidro e o que aconteceu no Ministério da Cultura. No segundo caso, existem jovens valiosos que devem ser cuidados.
A política cultural da Revolução abriu um espaço amplo e sem preconceitos para que os criadores possam realizar seu trabalho em total liberdade. É verdade que houve erros, mal-entendidos e erros crassos, mas o próprio processo revolucionário se encarregou de corrigi-los.

As instituições, junto com a Uneac e a Associação Hermanos Saíz, permanecem abertas ao debate franco com artistas e escritores. Se por algum motivo o diálogo for interrompido, existem canais de comunicação apropriados para retomá-lo.
É totalmente legítimo discutir como consolidar os laços entre criadores e instituições, sobre manifestações experimentais da arte ainda não suficientemente compreendidas, sobre a função crítica essencial da criação artística, sobre o “vale tudo” da visão pós-moderna, sobre o liberdade de expressão e muitos outros tópicos.
O que não é legítimo é o desrespeito à lei, a pretensão de chantagem contra as instituições, ultrajando os símbolos do país, buscando notoriedade por meio da provocação, participando de ações pagas pelos inimigos da nação, colaborando com quem trabalha para destruí-lo, mentir para se juntar ao coro anticubano nas redes, incitar o ódio.
Em meio à crise global provocada pela pandemia e pelo neoliberalismo global, Cuba sofre simultaneamente um assédio sem precedentes por parte dos Estados Unidos. É por isso que este momento foi escolhido para financiar programas que oferecem uma imagem desfigurada do país.
Qualquer criador que se aproxima de instituições com objetivos legítimos encontrará interlocutores dispostos a ouvi-lo e apoiá-lo. Com os falsos não há diálogo possível.

Sabor do cubano.Sabor do cubano.

#Cuba #CubaEsCultura #Cafe #LaTierraDeMisAmores #ElMambi #ConLaMismaEstrella

Bom dia amigos, hoje acordei com o som das teclas das maracas e do bomgo. Cafe con sabor a #Cuba …Sabrooooosssooooo

Buenos días | Buenos dias cafe, Sé bueno, Buenos dias

Dia da Cultura Cubana.

#ElMambí #LaTierraDeMisAmores #CubaEsCultura #ConLaMismaEstrella #JornadaPorLaCulturaCubana #SomosContinuidad #TenemosMemoria #FidelCastro

Fragmento retirado do jornal Granma.

Autor: Mailenys Oliva Ferrales | internet@granma.cu

Dedicado a Elpidio Valdés, Alicia Alonso, Sosabravo, Omara Portuondo e aos 18 anos da @universidad_uc Jornada por la Cultura Cubana.

Imagen

Das datas telúricas que fundaram a nação, o 20 de outubro de 1868 elevou a alma cubana na epopéia da canção, quando em uma explosão de emoções se ouviu a letra de um hino, como um clarim. Fruto do espírito pró-independência, La Bayamesa surgiu, disse Martí, “na hora mais bela e solene do país”.

Justo o dia da primeira grande vitória militar e moral dos cubanos – ganhou vida como uma marcha insurgente chamando: Para combater a corrida, Bayamitas, a Pátria se orgulha de vocês! …

No entanto, o hino de todos, ontem o de Bayamo, hoje Hino Nacional, terá sempre o maior reconhecimento nas pessoas que o cantam com a cabeça descoberta e a garganta a arder; porque com ele declara seus princípios, entoa sua cultura, afirma sua soberania.

Celebran en Las Tunas Día de la Cultura Cubana – Tiempo21