Pandemia da insanidade.

#SOSMiami #SOSEstadosUnidos #SOSViolenciaEnUSA #FalsaDemocracia #SeViolanLosDDHHEnUSA

Por Rebelión

Realidades da violência pós-covisão, da cidade de Nova Iorque

“Toda a guerra é um sintoma do fracasso do homem como um animal pensante”. -John Steinbeck

“Não deve ser uma vítima, não deve ser um perpetrador, mas sobretudo, não deve ser apenas um espectador” -Yehuda Bauer

A fantasia que sempre aterrorizou os nova-iorquinos, um ataque ao metro, materializou-se esta semana em Brooklyn. A notícia chegou-me quando escrevia sobre o sentimento de violência no ar. Nova Iorque nunca foi um paraíso, mas as coisas mudaram. Não apenas aqui, mas em todo o país e em todo o planeta, que está sob ameaça de guerra nuclear pela primeira vez em décadas. A pandemia, aquele momento sombrio e cinzento da história que destruiu vidas e economias enquanto muitos de nós olhavam para os ecrãs, era opaco. Agora que podemos estar a celebrar o seu aparente recuo, outra pandemia parece ter começado, a da insanidade. Da agressão monótona e invisível do Covid passamos a fotografias a cores de cadáveres. Pow! Bang! Como uma banda desenhada do Batman, a humanidade rende-se à extemporaneidade da violência física. Só que agora não estamos a combater um vírus. Lutamos uns contra os outros.

O episódio de Will Smith no Oscar foi apenas um símbolo de uma tensão que se exprime diariamente no país. Algumas estatísticas falam por si: de acordo com o New York Times, nos primeiros três meses deste ano, os tiros na cidade subiram de 260 para 296 em comparação com o primeiro trimestre do ano passado. 2021 marcou o maior número de homicídios em 10 anos. O número de crimes “maiores” aumentou 47% em relação a 2019, de acordo com dados da cidade, incluindo mais 54% de roubos e mais 22% de violações. Isto não é apenas em Nova Iorque, com cidades como Houston e Filadélfia a reportarem números relativos ainda mais alarmantes.

Durante 2021, os combates de trânsito causaram mais de 700 mortes no país, um registo que ilustra o sentimento de violência no ar que descrevo. A um nível anedótico, sofri algumas agressões, algo que não me acontecia há décadas. Uma mulher no metro, que me viu a ler em espanhol, disse-me para voltar “para onde eu vim”, e um locutor afro-americano de rua repreendeu-me porque os meus antepassados assassinaram os seus antepassados. Isto não é acidente: a cidade assistiu a 131 incidentes raciais contra asiáticos em 2021, enquanto 28 foram relatados em 2020 e três em 2019. A Liga Anti-Defamação relatou cerca de 1.200 incidentes de anti-semitismo nos EUA em 2022, mais 10% do que no ano anterior. Parecia que a pandemia tinha dado à humanidade um momento positivo de reflexão, mas deixou evidentemente algo para trás que apela às nossas reacções mais primitivas e miseráveis.

O novo presidente da câmara de Nova Iorque, Eric Adams, um afro-americano com laços estreitos com o estabelecimento policial, promete diariamente inverter o actual estado de coisas e também dar uma resposta aos milhares de pessoas sem abrigo que vivem ao ar livre ou no metro. A sua administração encontra-se numa frigideira quente: a frase “defundir a polícia” é um slogan proeminente da organização Black Lives Matter, a ponta de lança da luta anti-racista. A raça (que implodiu durante os motins de 2020), as minorias de género, o desmantelamento do financiamento policial e a defesa do aborto legal (agora em xeque) são as questões no centro de uma batalha cultural que continua a dividir o país.

As franjas conservadoras estão em modo de resistência, exigindo a protecção dos valores tradicionais e o apoio à força policial. Os media e as redes são o território desta guerra, favorecendo a replicação dos chamados tantrums performativos (uma moda aperfeiçoada por Trump que criou uma escola) e enchendo os bolsos das cabeças falantes (apresentadores de televisão) que descarregam com mais raiva e impetuosidade. A raiva está nas ruas, mas também nos ecrãs, num feedback de provocações e insultos que os argentinos também sofrem.

Polícia e bombeiros: uma cidade em constante estado de alerta.

A violência tem crescido a par de distúrbios psicológicos. Tomando o caso dos muito jovens como exemplo, o Grupo de Serviços Preventivos do país acaba de propor que o rastreio da ansiedade e depressão em crianças a partir dos 8 anos de idade se torne uma prática médica de rotina, devido à prevalência actual destas perturbações que, segundo o chefe de saúde pública do país, duplicaram entre os adolescentes. Esta tendência precede a pandemia: já em 2019, 1 em cada 3 alunos do ensino secundário relatou sintomas de depressão, mais 40% do que em 2009. Covid não inventou o problema, mas parece tê-lo aprofundado significativamente: de acordo com The Guardian, estima-se que foram acrescentados globalmente mais 76 milhões de casos de ansiedade e 53 milhões de casos de depressão. Em cidades como Nova Iorque, onde os serviços de saúde mental têm sido progressivamente desmantelados, o impacto é evidente.

No YouTube podemos ver os vídeos carregados pelo profeta da verdade88. Este é Frank James, o arguido no ataque à estação de metro de Brooklyn. Muito articuladamente, James afirma que o sistema de saúde mental dos EUA, que o tratou por transtorno de stress pós-traumático, tornou-o inimaginavelmente mais perigoso. Nos seus delírios insulta os brancos, negros, hispânicos e homossexuais, mas entre os seus delírios ressoam algumas frases: “É preciso que haja um reinício da humanidade na fábrica, somos animais de quinta escravos, selvagens e ferozes. Temos de pagar pelo que foi feito, desde o abate dos povos indígenas até à escravatura. Merecemos ser dizimados. Estamos danificados. Não há saída, a única solução é a autodestruição”. Forte, eh.

Frank James, suspeito de tiroteio subterrâneo detido.

Entre as notícias de destaque sobre a guerra na Ucrânia, duas notícias internas chamaram-me a atenção: a inflação subiu de 1,8% em 2019 para 8,5% nos dias de hoje. Oops. Pergunto-me quanto combustível ao fogo da raiva este fertilizante de despossessão e frustração pode acrescentar. Li também que mais de 43.500 pontes nos EUA estão suficientemente deterioradas para serem consideradas “estruturalmente deficientes”. Penso que há sempre quem os dinamite e quem os constrói. Hoje em dia, trata-se de outras pontes, as que precisamos de apoiar, as ligações que precisamos de nutrir, a sanidade que precisamos de preservar, as provocações que precisamos de ignorar. Hoje, mais do que nunca, precisamos de estar acordados para não fazer parte da pandemia da insanidade. Já tivemos mais do que suficiente de Covid.

O relatório mostra uma perspectiva sombria para os negros americanos.

#EstadosUnidos #DerechosHumanos #Racismo #BlackLivesMatter

PorCubasí

A Liga Nacional Urbana divulgou o seu relatório anual sobre o Estado da América Negra na terça-feira, e as suas conclusões foram sombrias. O Índice de Igualdade deste ano mostrou que os negros ainda conseguiram apenas 73,9% do que estava disponível para os brancos.

Embora os negros tenham ganho em saúde e progresso económico, têm ficado atrás dos brancos na educação, justiça social e participação cívica desde que o índice começou em 2005. O estudo, que combina pontuações médias por raça em muitos aspectos da vida, mostra como é difícil para as pessoas de cor superar o racismo sistémico, disse a organização de direitos civis.

La desigualdad en los EE.UU afecta a a la comunidad afrodescendiente y minorías étnicas.

“Estes números variam muito pouco e muito lentamente. Isso diz-me que esta disparidade institucional baseada na raça parece fazer parte da sociedade americana”, disse o presidente da National Urban League, Marc Morial, numa entrevista.

O índice mostra que não só o rendimento mediano dos negros, $43.862, 37% inferior ao dos brancos, $69.823. Além disso, é menos provável que os negros beneficiem da propriedade da casa própria, o motor da riqueza geracional nos Estados Unidos. Os dados do censo mostram que os casais negros têm o dobro da probabilidade de ser negado aos casais brancos um empréstimo hipotecário ou um empréstimo para melhoria da habitação, o que significa que a sua riqueza imobiliária é apenas 59 por cento da dos agregados familiares brancos, e apenas 13 por cento da sua riqueza.

“Nessa área da riqueza, temos visto pouca ou nenhuma mudança desde os dias dos direitos civis”, disse Morial. “A disparidade de riqueza tem aumentado”.

Entre dezenas de estatísticas de saúde, destaca-se uma: a esperança de vida diminuiu ligeiramente para os afro-americanos, de modo que se estima que uma criança negra nascida hoje em dia viva 74,7 anos, quatro anos menos do que um bebé branco. E a desigualdade continua ao longo da vida: as mulheres negras têm 59% mais probabilidades de morrer em resultado da gravidez, e 31% mais probabilidades de morrer de cancro da mama. Os homens negros são 52% mais propensos a morrer de cancro da próstata.

As overdoses afectam ambos os lados de forma semelhante, enquanto que os brancos têm 55% mais probabilidades de se matarem por beber, cirrose ou doença hepática crónica. No grupo etário 15-24, os brancos têm o dobro da probabilidade de cometer suicídio, enquanto os negros têm nove vezes mais probabilidade de morrer por homicídio.

As lacunas educativas são numerosas: os alunos da pré-escola a preto e branco estão preparados de forma mais ou menos semelhante, mas as salas de aula em que aprendem são muito diferentes.

As escolas com mais alunos minoritários têm mais probabilidades de ter professores inexperientes, menos instruídos e mesmo não acreditados. Menos destes estudantes escolhem estudos científicos que possam conduzir a empregos mais bem pagos. Os estudantes negros têm menos probabilidades de se licenciarem na universidade.

O índice utiliza estatísticas do Departamento de Justiça dos EUA para identificar disparidades de justiça social, observando que os negros têm o dobro da probabilidade de sofrer ameaças ou o uso da força nas interacções com a polícia, e têm três vezes mais probabilidades de serem encarcerados se forem presos. Em 2020, eram 93% mais propensos a serem vítimas de um crime de ódio.

Em termos de participação cívica, o índice assinala que, segundo o Censo de 2020, os brancos têm cerca de 5% mais probabilidades de serem eleitores recenseados e votarem do que os negros.

Morial decidiu apresentar o relatório em Atlanta, onde uma concentração de faculdades e universidades tradicionalmente de maioria negra há muito que representa um grande feito para os afro-americanos, em parte porque a sua sondagem mostra uma perda de fé entre os jovens que o voto faz qualquer diferença. A Liga Urbana respondeu com uma campanha de sensibilização intitulada “Recupere o seu voto”.

“A Geórgia é ground zero para a supressão de votos. As acções do legislador após 6 de Janeiro foram enormes na sua agressividade para suprimir a votação”, disse Morial. “Temos de permanecer determinados, para combater isto. Não podemos ceder. Não podemos desistir.

Crianças negras são as mais visadas

Escolas públicas inflingem castigos severos a estudantes negros e com deficiência, revela reportagem do “New York Times”

Mais de 106 mil crianças foram fisicamente punidas em escolas públicas dos Estados Unidos da América du-rante o ano lectivo de 2013-14, o mais recente a ser analisado pelas estimativas nacionais do Gabinete de Direitos Humanos do Departamento de Educação norte-americano.

Apesar do número representar uma diminuição, ao longo dos anos, de casos registados, os pesquisadores descobriram que estudantes negros portadores de deficiência continuam a ser os que foram fisicamente pu-nidos numa proporção maior do que a dos outros seus colegas.
Depois de alguns fracassos na implementação de alguns projectos de lei que propõem a proibição total de castigos corporais, o Tennessee e a Louisiana alteraram as leis para proteger crianças portadoras de deficiência.
Segundo revela uma reportagem do “New York Times”, a punição corporal nas escolas ainda é legal em 19 Estados, sobretudo os que ficam a sul dos Estados Unidos.
Ali, os alunos são frequentemente espancados com réguas de madeira que podem medir até dois metros de comprimento e vários centímetros de largura. Continuar a ler “Crianças negras são as mais visadas”

%d bloggers like this: