O Presidente Nicolás Maduro diz que os EUA e a UE optaram pelo suicídio económico.

#Venezuela #InjerenciaDeEEUU #UniónEuropea #EconoíaMundial

Alerta Máximo! A noite está a chegar à UE!

#Rusia #Espanha #ReinoUnido #InjerenciaDeEEUU #Sanciones #Economía #GuerrasDeEEUU #Ucrania

A China “roubou” a América Latina aos EUA enquanto Biden olhou para a Europa e Taiwan.

#EconomíaMundial #InjerenciaDeEEUU #Americ Latina #China #Europa

O Presidente colombiano apela a melhores parcerias e menos justificações.

#ONU #Colombia #Drogas #EstadosUnidos #Economía

Cuba não aceita notas de 20 e 50 libras retiradas pela Inglaterra

Desde 19 de setembro, Cuba não aceita notas de 20 e 50 libras esterlinas, as únicas de seu cone monetário que circulam atualmente em papel, que foram retiradas de circulação pelo Banco Central da Inglaterra.

O Banco Central de Cuba, em seu site, informa que a Inglaterra tomou a decisão de aplicar essa medida a partir de 30 de setembro.

De acordo com o jornal Excelsior, o Banco da Inglaterra estimou que aproximadamente 7 bilhões de notas de papel de 20 libras e 10,5 bilhões de notas de 50 libras permaneceram em circulação.

“Nos últimos anos, mudamos nossas notas de papel para polímero, porque esses designs são mais difíceis de falsificar, além de mais duráveis”, disse o chefe do Banco da Inglaterra.

Se após a data os bilhetes em papel ainda estiverem guardados, já não podem ser utilizados em lojas ou estabelecimentos comerciais; no entanto, muitos bancos no país os aceitam apenas para depósito, assim como alguns correios, diz Excelsior.

Billetes de 20 y 50 Libras Esterlinas que ya no se aceptan en Cuba Foto: Banco Central de Cuba
Billetes de 20 y 50 Libras Esterlinas que ya no se aceptan en Cuba Foto: Banco Central de Cuba

GRANMA

Semana de alto nível da ONU arranca hoje em formato presencial.

#ONU #Política #Rusia #Ucrania #InjerenciaDeEEUU #EconomíaMundial #Covid-19

Jornal de Angola

A semana de alto nível da 77.ª Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), que reunirá líderes de todo o mundo em Nova Iorque, arranca hoje presencialmente, com atenções concentradas na crise internacional desencadeada pela invasão russa na Ucrânia.

© Fotografia por: DR | ARQUIVO

Após dois anos em formato virtual e híbrido devido à Covid-19, esta nova sessão da Assembleia-Geral decorrerá de forma totalmente presencial, apesar de a pandemia ainda marcar o quotidiano em várias partes do mundo, e ainda estar no radar das discussões previstas para o evento.

Contudo, e apesar dos protocolos básicos de saúde definidos para a Assembleia-Geral, poucos eventos paralelos ocorrerão no recinto da ONU em Manhattan.

Segundo a Lusa, entre as figuras políticas aguardadas esta semana em Nova Iorque estão o Presidente norte-americano, Joe Biden, o chefe de Estado do Brasil, Jair Bolsonaro, ou o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov.

Apesar de o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, não deixar o seu país para se deslocar a Nova Iorque, as Nações Unidas autorizaram que faça um discurso pré-gravado na sessão de alto nível, uma excepção à exigência de que todos os líderes falem pessoalmente.

Portugal estará representado pelo primeiro-ministro, António Costa, que se deslocará a Nova Iorque para participar na Assembleia-Geral pela segunda vez desde que é líder do executivo português.

Apesar da tentativa de restabelecer a normalidade pós-pandemia, o funeral da Rainha Isabel II alterou a ordem habitual dos trabalhos, uma vez que vários chefes de Estado e de Governo tiveram de alterar as suas viagens para poderem comparecer às cerimónias fúnebres em Londres e depois deslocarem-se para Nova Iorque.

Um desses casos é o dos Estados Unidos – país anfitrião do evento e que tradicionalmente se apresenta em segundo lugar na abertura do debate da Assembleia-Geral -, mas que só discursará na quarta-feira devido à presença do chefe de Estado, Joe Biden, no funeral da monarca britânica.

Como habitual, será o Brasil a abrir os discursos de alto nível na Assembleia-Geral, através do Presidente, Jair Bolsonaro, na manhã de hoje.

A abertura da 77.ª Assembleia-Geral ocorre num momento em que o planeta é assolado por crises em várias frentes: guerra russa na Ucrânia, as crises alimentar, energética e climática, as tensões entre China e Estados Unidos ou questões nucleares.

%d bloggers like this: