Um novo messias e uma democracia seqüestrada .

#MafiaCubanoAmericana #ManipulacionPolitica #MercenariosYDelincuentes #SubversionContraCuba

Por Francisco Grass

Onde estão as tentativas vãs de levar Cuba por um caminho falso e duvidoso? A própria pergunta responde, todos eles se despenharam como um avião no meio do deserto, e por isso é nesta tragicomédia, imediatamente risível e dolorosa, que um novo “messias” da contra-revolução interna em Cuba, o novo Judas Iscariotes do povo, Yunior García Aguilera, emerge da poeira imunda da traição.

Talvez tudo faça parte de uma nova peça, talvez Judas esteja a preparar-se para um papel de liderança num novo filme de Hollywood. Ninguém está a retirar o talento ao jovem. É claro que não é apenas o seu mérito. Ele próprio bebeu do seio da Revolução, das suas escolas e universidades. Agora, depois de receber uma educação de qualidade, vai até à equipa oposta, flerta com o inimigo, gosta da relva verde do outro lado da cerca

É incrível como alguém pode gerar uma obra de arte, escrever guiões, agir com originalidade e ao mesmo tempo vender o seu próprio povo por tão pouco. Como pode um actor e argumentista trair a sua pátria e o seu povo de forma tão descarada?

Quem é que este tipo pensa que é? De escrever guiões, tornou-se autor de cartas solicitando marchas pacíficas, refugiando-se na Constituição da República de Cuba, especificamente no Artigo 56, que também fala da Declaração Universal dos Direitos do Homem, Artigo 20.

Parece que Yunior vai finalmente tomar coragem e apelar a uma marcha pacífica contra o bloqueio, depois de ter enviado uma carta ao Presidente dos Estados Unidos Joe Biden exigindo o fim do crime contra a humanidade que afecta a vida dos cubanos há mais de 60 anos, privando-os mesmo do acesso a bens de primeira necessidade e medicamentos nestes tempos de pandemia.

Nem sequer sonhem com esse Yunior, senhoras e senhores! É disso que Cuba precisa, mas a Pátria olha para o seu filho enquanto ele tenta vendê-lo a preço de saldo às piranhas sem coração da Florida, aquelas frustradas que mantêm o sorriso macabro de Batista nas suas carteiras. Outro Bobolón, outro Randy Malcom, outro Alexander, outro Yomil, onde, pergunto-me, onde estão os Maceos e o Fidel?

Yunior, compadre, o artigo 56º da Constituição da República de Cuba garante o direito de reunião, manifestação e associação para fins pacíficos, mas, pergunto-lhe, considera que está no meio de uma guerra híbrida promovida pela primeira potência económica e militar do mundo contra o nosso país? no meio de uma política de bloqueio de ferro intencionalmente intensificada para provocar o desespero na população, no meio de uma pandemia global que custou a vida a milhões de pessoas no mundo e a alguns milhares no nosso país, o momento mais apropriado para apelar à vossa “marcha pacífica”, que ambos sabemos ser uma provocação? , Não, ainda menos depois da experiência de 11 de Julho, e isso não vai acontecer, porque mostrou que está a agir, nunca melhor dito, sob o manual do império e não sob a necessidade sincera de demonstrar pacificamente.

Pode comunicar o que desejar em tempo e forma, mesmo assim, não retira a dupla intencionalidade da acção que afecta directamente a segurança da nação, que usando a democracia tem o direito de considerar se uma “marcha pacífica”, se não for, é necessária para alcançar um diálogo com possíveis sectores da nossa sociedade que queiram envolver-se num diálogo aberto sobre questões que lhes dizem respeito, Isto está actualmente a ser feito, e demonstra por sua vez que, mesmo em situações complexas para a nação, o Estado cubano garante o princípio universal da democracia de acordo com o nosso modelo económico, político e social, que foi ratificado pela grande maioria, o socialismo.

Qual é a intenção por detrás da sua proposta para uma “marcha pacífica”?

A violência que era evidente a 11 de Julho foi importada, é o ódio que se aninha no coração das hienas sanguinárias que habitam na Florida e dos seus lacaios internos contra o seu próprio povo, um ódio visceral, um vestígio da Cuba pré-revolucionária, é o ódio das classes burguesas contra os trabalhadores e os mais humildes, é o ódio dos ricos contra os pobres, esse círculo vicioso que encontrou o seu fim com o triunfo da Revolução a 1 de Janeiro de 1959.

A violência que se tornou evidente a 11 de Julho foi recriada pela primeira vez na mente distorcida de pessoas apegadas a terroristas como Luis Posada Carriles, que usam o povo, manipulam-no, aproveitam as suas dificuldades, aquelas que eles próprios geram, colocam-nos uns contra os outros, dividem cubanos, famílias, criam sentimentos alheios ao significado da cidadania cubana, que é o amor pela pátria, a solidariedade e o espírito de luta pela sua liberdade.

Em Cuba não há prisioneiros políticos, aos actores envolvidos nos acontecimentos de 11 de Julho foram dadas todas as garantias legais, e os seus julgamentos seguem o que está estabelecido na lei de processo penal e na correspondência com os crimes por eles cometidos nos acontecimentos, nenhum crime pelo qual são acusados está associado ao político, mas por desprezo, agressão contra as autoridades, contra as pessoas, destruição de bens sociais, entre muitos outros que serão sujeitos ao quadro punitivo dentro do actual código penal, de acordo com o tipo de crime e as suas tipologias.

Qualquer cubano digno gostaria de resolver os problemas da nossa sociedade de forma pacífica e democrática, até que alguém do seu círculo viciado apareça e proponha o contrário. A vossa chamada marcha pacífica de 5000 pessoas e mais é algo que o Estado não pode permitir tendo em conta a situação actual, existem agora outras prioridades, sobretudo a vida de uma nação que luta contra o Covid-19, no meio de tantas coisas, das quais o vosso enxame “pacífico” não vai resolver nenhuma delas.

Nenhum dos vossos manifestantes “pacíficos” tem qualquer intenção de marchar em apoio às vacinas cubanas, contra o bloqueio, não chamam entre vós para plantar alimentos, não exigem que as famílias cubanas que vivem nos Estados Unidos possam enviar remessas aos seus familiares que vivem na ilha, Em suma, tudo o que afirma ser pacífico, acaba por ser o oposto, porque não se comandam uns aos outros, são peões de outras pessoas que não são nada pacíficas e que brincam cruelmente com o povo humilde e trabalhador de Cuba.

Porque devemos permitir-lhe partir, conhecendo antecipadamente as suas intenções sujas e as dos seus mestres? Sabe do que estão a falar, da sua marcha “pacífica”, à qual pessoas de todos os tipos se juntam livre e ingenuamente, com a cobertura da imprensa “independente”, meios de comunicação como ADN Cuba, Ciber Cuba, Cuba Cute, entre muitos outros que são financiados pelos Estados Unidos para criar uma pseudo-realidade da ilha que serve de prelúdio a uma revolução colorida apoiada pela extrema-direita na Florida e parte da Europa e da América Latina.

Estes meios de comunicação, cujos jornalistas se dizem “independentes” dependem cada vez mais do Departamento de Estado norte-americano e da CIA. O que nos tomam por Judas, deixam a democracia marchar livremente, vocês que a raptaram, não são o messias do povo, são Judas Iscariotes, e nenhum traidor deve falar de democracia ou de marchas pacíficas, as vossas palavras podem dizer isso, mas o veneno sujo do que escondem produz um fedor que pode ser cheirado a quilómetros de distância. Para outro cão com esse osso!

Yunior García Aguilera, o “patriota preocupado”.

Quem ganhou as guerras no #Iraque e no #Afeganistão ?

#EUA #OTAN #ONU #DerechosHumanos #Democracia #Terrorismo #Afganistan #Irak

Por Redacción Razones de Cuba

Durante a guerra de 20 anos contra o Afeganistão, os EUA gastaram mais de 2,2 triliões de dólares em armas. Numa outra guerra, a guerra do Iraque, o Pentágono gastou mais de 1,7 triliões de dólares desde o seu início, em Março de 2003. Em ambos os países, mais de um milhão de pessoas já morreram nos combates e a destruição material inclui danos extensivos a Sítios do Património Mundial.

E tanto no Iraque como no Afeganistão, e acrescentamos a Líbia, também atacada por Washington e pela OTAN, a situação do pós-guerra é de instabilidade, grande afetação económica e social e apropriação dos seus recursos.

Enquanto isto acontece, a despesa militar mundial no ano passado foi de quase dois triliões de dólares, como denunciou o Primeiro Secretário do Partido Comunista de Cuba e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel, perante a Assembleia Geral da ONU. “Quantas vidas teriam sido salvas se esses recursos tivessem sido atribuídos à saúde ou à produção e distribuição de vacinas”, perguntou ele. Argumentou: “As respostas possíveis a essa questão residem numa mudança de paradigma e na transformação de uma ordem internacional profundamente desigual e antidemocrática.

Os exemplos do que aconteceu no Iraque, como no Afeganistão, mostram que os únicos vencedores nestes conflitos foram o Complexo Industrial Militar e os contratantes privados que, sob a égide da CIA ou do Pentágono, enviam dezenas de milhares de mercenários para apoiar e fazer parte dos contingentes militares mobilizados por Washington e pela OTAN.

Quando o Pentágono, sob as ordens do então presidente George W. Bush, se lançou contra o Iraque com milhares de militares e meios de guerra que incluíam armas proibidas como o uso de urânio empobrecido nas suas bombas e foguetes, uma grande parte do investimento multimilionário dedicado à guerra foi parar às mãos de empresas privadas ou contratantes.

Sob o nome Blackwater, a empresa que era considerada o principal exército mercenário do mundo teve mesmo de mudar o seu patronímico face ao óbvio descrédito após o seu envolvimento no assassinato de civis – incluindo crianças iraquianas – e na tortura.

Em 2004, na cidade martirizada de Fallujah, quatro dos seus mercenários foram executados e enforcados na ponte à entrada da cidade, acção reivindicada pela resistência iraquiana, após o assassinato de 17 civis por estes empreiteiros.

Para o trabalho genocida na nação iraquiana, as empresas privadas contratadas receberam, só nos primeiros anos da guerra, mais de 85 mil milhões de dólares, de acordo com dados do Congresso dos EUA.

No Afeganistão, de onde as tropas dos EUA e da OTAN acabam de se retirar em derrota após 20 anos de guerra, os únicos vencedores têm sido os mesmos: empreiteiros privados e o Complexo Industrial Militar dos EUA.

Dos 2,3 triliões de dólares que esta guerra injusta custou aos contribuintes americanos, estima-se que pouco mais de um trilião de dólares foi para as várias empresas privadas que contrataram milhares de mercenários. As empresas com os maiores contratos no Afeganistão, segundo estimativas de Haidi Peltier, director do projecto “20 Anos de Guerra” da Universidade de Boston, citado pela bbc, foram: “14,4 mil milhões-Dyncorp International, 13,5 mil milhões-Fluor Corporation, 3,6 mil milhões-Kellogg Brown Root (kbr), 2,5 mil milhões-Raytheon Technologies e 1,2 mil milhões-Aegis llc”.

Os números cobrem essencialmente o período 2008-2021. Acrescente-se a isto que, entre 2008 e 2017, os EUA perderam, por utilização indevida ou fraude, cerca de 15,5 mil milhões de dólares destinados à reconstrução no Afeganistão, de acordo com o The New York Times.

Hugo Carvajal entre o tráfico de droga, a CIA e o legado do Guaidó.

#Venezuela #EstadosUnidos #CIA #NED #USAID #Drogas #Colombia

Em 2019 Carvajal, também conhecido como “El Pollo”, tinha fugido da prisão domiciliária em Madrid após o sistema judicial espanhol ter aprovado a sua extradição, meses depois de ter deixado a Venezuela para a Europa e reconhecido Juan Guaidó como “presidente interino” da República Bolivariana e promovido a invasão da USAID do território colombiano em território venezuelano.

A mudança política de Carvajal foi aparentemente repentina, canalizada para a estratégia de “mudança de regime” dos EUA, enquanto ele estava a ser perseguido pela DEA e pelo sistema de justiça dos EUA.

Uma investigação de La Tabla publicada em Fevereiro de 2017 revela os meandros da acusação contra o antigo deputado e antigo membro do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), e coloca-o à margem de uma conspiração que envolve a CIA e as suas linhas de tráfico de droga na região.

Um avião e a CIA
O antigo procurador Preet Bharara no Tribunal Distrital Sul de Nova Iorque tinha acusado Carvajal em relação a um carregamento de 5,6 toneladas de cocaína apreendido no Aeroporto Internacional Ingeniero Alberto Acuña Ongay na cidade de Campeche, México, a 10 de Abril de 2006, “dentro de um avião DC-9 que há sérios indícios de que era propriedade ou controlado pela CIA”, relata La Tabla.

A ligação venezuelana provém da informação de que o avião chegou ao Aeroporto Internacional Maiquetía Simón Bolívar a 5 de Abril de 2006, “de acordo com os testemunhos oferecidos pelos funcionários da empresa de serviços aéreos” que o recebeu, diz o jornal, “registado pelo terceiro tribunal do estado de Vargas, que estava encarregado da investigação na Venezuela”.

O número de registo do avião é N900SA, registado nos Estados Unidos, e de acordo com “informações recolhidas pelo jornalista Daniel Hopsicker, que se dedicou a investigar as ligações entre os serviços secretos norte-americanos e o tráfico de droga, só pode pertencer à CIA”.

Este avião, após a apreensão, foi renomeado “Cocaine One” porque, segundo Hopsicker, “foi pintado para ser indistinguível dos aviões oficiais do governo dos EUA do Departamento de Segurança Interna”.

O Tablet expande os detalhes sobre a origem da aeronave:

As despesas foram pagas pelo piloto Carmelo Vasquez Guerra e a facturação foi feita à empresa Royal Sons Inc, domiciliada em Clearwater, estado da Florida, e proprietária da aeronave de acordo com o registo da Federal Aviation Administration (FAA).

Royal Sons é dirigido por Frederic J. Geffon, e foi a pessoa que contratou o piloto venezuelano Alberto Damiani para trazer o avião de São Petersburgo para Maiquetía e entregá-lo a Vásquez Guerra, de acordo com o seu testemunho perante o CICPC.

Entre as informações que Hopsicker destaca para ligar o DC9 à CIA estão as ligações públicas de Brent Kovar a importantes líderes do Partido Republicano, incluindo o senador Tom Maley e o ex-governador da Florida Jeb Bush.

Jeb Bush, da família dos presidentes texanos, petrolíferos e financeiros, teve uma vertiginosa ascensão ao poder financeiro e político na Florida “acompanhado por uma série de cadáveres, bancos falidos e instituições de poupança e empréstimo acusados de lavagem de dinheiro para a CIA”, informou o jornalista de investigação norte-americano Wayne Madsen em 2015.

O próprio Madsen conta que Jeb Bush foi um dos principais operadores financeiros do Texas Commerce Bank em Caracas no final dos anos 70, quando o seu pai George H. W. Bush era chefe da CIA e, não oficialmente, o banco era “a principal ligação financeira da CIA à indústria petrolífera venezuelana e aos cartéis de narcóticos colombianos”, um escândalo pouco divulgado na altura. A história completa pode ser lida aqui.

Segue-se o Tablet, sobre os proprietários dos aviões DC-9:

Kovar dirige um conglomerado de empresas chamado Sky Way Communications Holding, do qual Geffon era um dos principais accionistas. Entre estas empresas encontra-se a Sky Way Aircraft, cujo nome foi estampado no DC9, imitando o emblema dos aviões do governo dos EUA.

Em 2005, Kovar pediu a falência da Sky Way Communications Holding e Geffon foi em frente para entrar num acordo como um suposto credor que lhe permitiu manter três aviões, incluindo o DC9.

Esta acção foi oposta por outros credores, que obtiveram uma injunção para impedir a Geffon de vender ou exportar o avião. Apesar disso, conseguiu obter toda a documentação sem problemas para que no dia 5 de Abril de 2006 a aeronave pudesse voar para a Venezuela. E, além disso, a sua acção não foi investigada nem sancionada pelas autoridades.

E, pior ainda, o facto de o seu avião ter sido capturado com drogas avaliadas em mais de 100 milhões de dólares no país vizinho não foi sequer investigado.

Mas, como se isso não fosse suficiente, Geffon conseguiu que o registo da FAA registasse uma transferência do “Cocaine One” para um comprador desconhecido na Venezuela, que teve lugar a 13 de Abril de 2006, três dias após a sua apreensão em Campeche.

A passagem do DC-9 por Maiquetía deu origem a ataques dos Estados Unidos ao governo de Hugo Chávez na altura, alegando ligar o estado venezuelano ao tráfico de droga.

A fim de limpar os meios de comunicação social de qualquer ligação entre funcionários dos EUA, traficantes de droga e esta empresa com negócios obscuros, “a história da apreensão no México foi modificada e a existência de um alegado comprador venezuelano ou mexicano identificado como Jorge Corrales foi trazida à luz”, afirma La Tabla. Na reconstrução acomodativa, acabaram por envolver o traficante de droga e o homem de negócios Walid Makled nos meios de comunicação social”.

“El Pollo” em molho
Embora os meios de comunicação anti-Chávez e o governo dos EUA tenham tentado envolver a Venezuela numa espécie de história de fantasia que liga terrorismo, tráfico de droga e ditadura, os factos ditam que Hugo Carvajal, directamente envolvido ou não na acusação perante o Tribunal de Nova Iorque, não é tão inocente em termos das suas ligações com elementos da CIA e do seu negócio da droga.

O próprio Hopsicker, no seu livro Barry and the Boys, conta a história de Barry Seal, um contrabandista e traficante americano com ligações à CIA que foi assassinado em 1986, depois de ter ameaçado publicamente publicar e testemunhar sobre o envolvimento das instituições norte-americanas e do governo federal nos narcóticos globais. “O governo dos EUA move mais drogas do que os narcos latino-americanos”, disse Hopsicker, de acordo com a sua investigação, num programa de RT em 2014.

Uma investigação anterior da Missão Verdade tinha rastreado todos os elementos que mostram que os EUA são governados por um narco-Estado, com a CIA e a DEA a desempenhar um papel de liderança, especialmente se recordarmos os detalhes do papel das agências de inteligência e segurança dos EUA no caso Irão-Contra.

Assim, as potenciais ligações de Carvajal ao narcotráfico e à CIA não parecem tão rebuscadas à luz das investigações.

La Tabla relata uma entrevista com Walid Makled pelo jornalista anti-Chávez Casto Ocando, na qual este último afirma ter pago “associados próximos” de “Pollo” para contrabandear carregamentos de droga através do aeroporto de Maiquetía quando o antigo general venezuelano era chefe da DGCIM.

“Para vos dar um exemplo, falemos do General Dalal Burgos, dei ao General Dalal Burgos uma quota semanal de 200 milhões de Bolívares Fuertes, 100 milhões foram para o General Hugo Carvajal e 100 milhões foram para o General Dalal Burgos”, disse Makled.

A este respeito, é pertinente salientar que Carvajal não possui registos que indiquem que possui bens no estrangeiro. Isto foi verificado exaustivamente nos Estados Unidos, Espanha e Panamá.

Por outro lado, o antigo general Haissam Dalal Burgos está listado como director de uma empresa criada em 2010 no Panamá.

Embora a entrevista esteja cheia de dados ambíguos sobre empresas de tráfico de droga e números do governo venezuelano, com ênfase em Carvajal, La Tabla conseguiu confirmar não só os dados acima mencionados mas também lançar dúvidas sobre a versão americana, a acusação de que a rampa quatro em Maiquetia (utilizada pelos aviões presidenciais venezuelanos) foi utilizada pelos aviões DC-9.

Por outro lado, a versão sobre a utilização da rampa quatro ou rampa presidencial não tem qualquer base, e pelo contrário, os testemunhos dos trabalhadores da empresa NF04 que prestaram assistência ao avião no Aeroporto Internacional Simón Bolívar referem-se apenas à utilização da rampa sete. O mesmo é válido para os técnicos das companhias aéreas LASER que efectuaram informalmente reparações no DC-9.

Além disso, os meios de investigação jornalística puderam confirmar através do Gabinete Nacional Anti-Droga (ONA) que era impossível que a carga apreendida no México em 2006 pudesse ter sido carregada na Venezuela.

Por outro lado, não há provas de que as drogas, que estavam em malas colocadas nos assentos, tenham sido carregadas em Caracas. E as autoridades da ONA determinaram que o avião foi desviado para a Colômbia, aterrou em Barranquilla e carregou as cinco toneladas e meia de cocaína. Também reabasteceu (pois não transportava combustível suficiente) e continuou a viagem para o México.

Mas há mais:

A investigação assinala, de acordo com uma reportagem da revista mexicana Proceso, que o avião chegou a 10 de Abril ao aeroporto de Ciudad del Carmen, Campeche, às 11:45 da manhã, reflectindo um tempo de voo de aproximadamente sete horas.

De acordo com os investigadores venezuelanos, isto é impossível: “O avião não tem um intervalo de voo de sete horas”. Sob esta lógica, de acordo com o relatório dos serviços secretos, “tinha de aterrar algures para reabastecer e poder chegar ao México. Tudo isto foi motivado pelo facto de o combustível que ele carregou na Venezuela não ser suficiente”.

Há mais razões: “O tempo de voo da Venezuela para Ciudad del Carmen (México) é de três horas, com uma diferença de quatro horas restantes. O capitão (Miguel Vicente Vázquez Guerra) marcou uma rota aérea específica no Plano de Voo, que não estabeleceu a passagem pelo território colombiano, e ele próprio se desviou utilizando uma rota que passa pelo espaço aéreo colombiano”.

Isto é corroborado por uma gravação entre os pilotos do DC-9 e a torre de controlo em Barranquilla, Colômbia, na qual solicitam autorização para aterrar, presumivelmente para outra emergência, e fazem-no nesse terminal, de acordo com o relatório do Gabinete Nacional Anti-Drogas da Venezuela, “o carregamento de cocaína que chegou ao México foi carregado, escondido em mais de 100 malas”.

Esta versão faz muito mais sentido, tendo em conta que a Venezuela não é um território produtor de cocaína, sendo a Colômbia o maior do mundo.

Face à acusação de tráfico de droga dos Estados Unidos, Carvajal tinha confirmado em Fevereiro de 2017 “a minha firme decisão de ir aos Estados Unidos para testemunhar enquanto o mandado de captura emitido contra mim for previamente levantado”.

A reputação de Carvajal caiu não só devido às acusações de tráfico de droga, mas também devido ao seu apoio à estratégia americana cristalizada no “projecto Guaidó”, cujo legado tem sido atacar e roubar a República Bolivariana de todos os flancos possíveis. Embora o anti-Chavismo queira impor ao Governo Bolivariano os crimes que “Pollo” possa ter cometido, responde à agenda dos EUA e contra o Estado venezuelano.

Tirada de CubaInformación

A crise da hegemonia dos EUA .

#EstadosUnidos #DerechosHumanos #TerrorismoMadeInUSA #HegemoníaDeEEUU #EconomiaMundial

Há consenso sobre o declínio da hegemonia dos EUA. É uma questão de especificar a natureza e profundidade desse declínio. Desapareceram os dias dos Mitos e Realidades do Declínio Americano, um livro de Henry Nau, um grande sucesso não há muito tempo: 1992.

O raciocínio baseou-se na liderança económica da América no mundo, uma afirmação indiscutível do autor, que mal escondia a continuidade do “destino manifesto” do país. Contudo, os Estados Unidos já tinham aderido ao modelo neoliberal, que se destinava a arrastar toda a economia mundial, com consequências desastrosas em termos de baixo crescimento e criação de emprego. A economia mundial já tinha entrado num novo e longo ciclo de recessão.

Contudo, outro movimento já estava em curso no mundo: o crescimento recorde da economia chinesa. No início, os Estados Unidos não acreditavam que a China fosse um concorrente económico para eles. Não só foram presos pelo seu dogma de que só as economias de mercado livre têm dinamismo económico, como também acreditavam que o crescimento da China se devia ao seu enorme atraso. Não podiam ter imaginado que dentro de algumas décadas a China se tornaria a segunda maior economia do mundo, estando na iminência, nesta década, de se tornar a primeira.

Mas, acima de tudo, a crise e o declínio dos EUA não foi apenas económico. Os Estados Unidos sempre basearam a sua superioridade global na sua força militar. Este tem sido o caso desde o fim da Segunda Guerra Mundial, quando tiveram a experiência, que para eles permaneceu um exemplo, da derrota do Japão. Não poderia haver um país mais distante como cultura e como trajectória histórica. No entanto, com duas bombas atómicas, os Estados Unidos derrotaram o Japão e fizeram dele um aliado estratégico leal.

Com todas as diferenças que esta experiência teve em relação a outras posteriores – Vietname, Iraque, Afeganistão, entre outros – os EUA, com a sua reconhecida incapacidade de analisar cada experiência no seu contexto histórico, incorporaram definitivamente a estratégia de impor a superioridade militar como forma de resolução de conflitos.

A derrota no Vietname, um país com uma economia agrícola, presa teoricamente fácil para os EUA, foi simbólica. Foi uma derrota militar contra a estratégia de guerra de um povo, a vitória de um povo organizado, uma derrota política que evidenciou as fraquezas da estratégia dos EUA. Mas foram em frente, ou porque sentiram que era devido à situação comprometida que herdaram das derrotas japonesa e francesa, ou porque não analisaram em profundidade como 700.000 tropas e a colocação de minas em grande parte do território vietnamita poderiam ser vencidas.

A crise de 2008 marcou um ponto de viragem na economia internacional, apontando para o esgotamento definitivo do modelo neoliberal. Ao mesmo tempo, os EUA reproduziram a estratégia de impor a sua superioridade militar como uma forma de tentar resolver as crises em que estavam envolvidos. Este foi o caso no Iraque, Síria, Líbia e Afeganistão.

Assim, a crise económica foi agravada pela crise militar, a incapacidade dos EUA em resolver crises através da força dos seus militares. Esta fraqueza foi inevitavelmente projectada na sua força política baseada nas tropas, que também foi afectada. O fracasso no Afeganistão é mais um exemplo de como, após envolver os seus aliados europeus na aventura de invasão do país, projectou a erosão do fracasso sobre eles, enfraquecendo ainda mais a hegemonia política dos EUA, mesmo com os seus aliados europeus tradicionais. Uma sondagem mostra como os seus aliados, se sujeitos à alternativa de lealdade para com os EUA ou a China, prefeririam estes últimos.

A China não só tem vindo a reforçar a sua economia e relações comerciais em todo o mundo – da Ásia à América Latina e à Europa – como os seus investimentos em todas estas regiões têm vindo a consolidar a sua presença económica. Tanto que a indústria automóvel alemã se tornou directamente dependente da indústria chinesa, estabelecendo necessidades mútuas e trocas estreitas entre elas. Tecnologicamente, a China começa a competir com os Estados Unidos em áreas-chave para o futuro económico mundial, começando por todas as áreas de inteligência artificial e automatização.

A força americana no mundo sobrevive no estilo de vida americano, no que eles chamam o “American way of life”. Um modo de vida que já tinha sido exportado nas décadas de 1950 e 1960, com a presença de grandes empresas multinacionais americanas em todo o mundo, com os seus produtos como símbolo de progresso económico e bem-estar social, desde electrodomésticos a automóveis. Possuir estes bens tornou-se o sonho da classe média e de sectores cada vez mais amplos da sociedade.

A sofisticação tecnológica diversificou-se cada vez mais no arco dos produtos de consumo que acompanhavam o estilo de vida americano, exportados para a Europa, América Latina e mesmo Ásia. O estilo de vida americano tornou-se universalizado. O marketing foi responsável pela divulgação da associação destes produtos com sucesso na vida e bem-estar social.

Na própria China, os supermercados reproduzem as suas versões ocidentais, embora maiores e mais bonitas, exibindo os mesmos produtos aí produzidos pelas mesmas multinacionais americanas. Isto fecha o ciclo da globalização do estilo de vida americano.

A tentação de recusar globalmente o acesso ao consumo na Revolução Cultural e no Kampuchea foi derrotada. Apenas a alternativa da sociedade de consumo permaneceu.

Mesmo nos governos progressistas da América Latina não havia nenhuma forma diferente de sociabilidade. A exigência era a inclusão de todos no domínio do consumo, do qual foram excluídos. O acesso a produtos sofisticados, a restaurantes frequentes, a viagens, onde as compras eram uma parte essencial, significava o acesso ao consumo.

Não houve formulação de um tipo alternativo de sociabilidade, que incluísse o acesso a necessidades básicas mas sem a centralidade do consumo, marcas, modas de produtos, na busca frenética de acompanhar os últimos produtos lançados e promovidos pelo marketing. Um desafio pendente: a formulação de uma espécie de sociabilidade alternativa.

Esta é a única forma de tirar partido da crise da hegemonia americana para a derrotar também nas esferas ideológica, cultural e de vida. Depois será enfraquecida definitivamente.

(Publicado no Diario.es, 31 de Agosto de 2021)

Violam o ciberespaço cubano e criticam-no quando este se defende a si próprio.

#RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #ManipulacionMediaticas #CubaNoEsMiami #USAID #NED #SiAlDecretoLey35

Durante mais de 60 anos, os Estados Unidos iniciaram uma guerra contra Cuba, mesmo antes de se declararem socialistas, apenas por terem decidido deixar de ser uma neocolónia ianque, como tinha sido desde 26 de Fevereiro de 1901, quando o Senado daquele país aprovou a chamada Emenda Platt, um apêndice que os Estados Unidos impuseram à Constituição nascente, juntamente com o Tratado Permanente, que acorrentou a independência da ilha até 1958.

A 17 de Março de 1960, o Presidente Eisenhower aprovou o primeiro Programa de Acção Coberta da CIA contra o governo castrista, que tinha como objectivo: “Fazer com que o regime castrista fosse substituído por outro mais aceitável para os Estados Unidos”.

Uma das suas tarefas era: “Criar uma oposição cubana responsável, atractiva e unificada a Castro”.

Segundo este Programa, era necessário: “Iniciar uma poderosa ofensiva de propaganda em nome da oposição declarada, e o meio fundamental proposto para alcançar este objectivo é uma estação de rádio clandestina que emitirá em onda longa e curta, localizada na Ilha do Cisne.

Assim começaram as agressões ianques, violando todas as leis e normas internacionais, a fim de realizar o seu sonho de derrubar a Revolução.

A sua interferência não conhecia limites, razão pela qual o Presidente Ronald Reagan criou a Comissão Presidencial de Radiodifusão para Cuba por Ordem Executiva a 22 de Setembro de 1981. A 28 de Setembro criaram a organização sem fins lucrativos, “Radio Broadcasting to Cuba, Incorporated”.

Após várias iniciativas legislativas, a Comissão de Relações Exteriores do Senado aprovou a 10 de Setembro de 1983 um plano presidencial para estabelecer uma estação de rádio exclusivamente para Cuba. Como resultado, a 20 de Maio de 1985, a chamada “Radio Martí” foi para o ar para trabalhar ideologicamente com o povo, com mensagens subversivas destinadas a uma revolta popular. Posteriormente, o Congresso aprovou a Lei 98.111 para criar a TV Martí, que começou a emitir em 27 de Março de 1990.

Os Estados Unidos sentem que têm o direito de invadir o éter de Cuba ao abrigo das suas leis, mas agora que Havana aprova o Decreto-Lei 35/2021 para se defender de ataques ilegais através da Internet, lança uma forte campanha para o acusar de querer silenciar “vozes legítimas” da sociedade civil, e não se esconde de dizer que utilizam as redes sociais para apelar à desordem interna contra o governo cubano. Para aqueles que seguem a rima, é aconselhável ler primeiro o Decreto-Lei.

Os Yankees sempre se opuseram ao acesso de Cuba à Internet e obstruíram a utilização dos cabos submarinos que atravessam perto da ilha, dos satélites, e até torpedearam a compra de equipamento informático e telemóveis, apesar das sugestões feitas em 1996 por especialistas da Corporação RAND, do Departamento de Defesa e das opiniões de senadores anti-cubanos.

Com a chegada de Barack Obama à presidência, a política dos EUA mudou de táctica, e permitiu a Cuba o acesso parcial à Internet e começou imediatamente a desenvolver planos subversivos com mais complexidade do que aqueles que já vinha executando, que incluíam a fabricação de bloggers e jornais digitais, financiados com centenas de milhares de dólares através da USAID e da NED, e a sua preparação nas instalações da sua missão diplomática em Havana, em total violação da Convenção de Viena de 1961.

Aqueles que apoiam posições intervencionistas dos EUA parecem esquecer que recentemente os senadores Marco Rubio e Rick Scott apresentaram uma emenda ao orçamento federal para criar um sistema de Internet apenas para Cuba, sem o consentimento das empresas de telecomunicações da ilha, com o objectivo de estimular a agitação através de campanhas subversivas, no âmbito da Guerra Não Convencional, que tem à sua disposição uma vasta gama de tecnologia moderna.

O novo Decreto-Lei sancionará o assédio, a difamação e o estímulo à subversão, uma vez que Cuba tem o direito de se defender contra os ataques contínuos que recebe há 62 anos.

Aqueles que se juntam aos críticos ianques nunca condenaram a interferência da Rádio e TV Martí, nem as centenas de milhares de dólares que os Estados Unidos distribuem, através da NED e da USAID, para formar os chamados “jornalistas independentes”, que recebem ordens do estrangeiro para os seus escritos.

Onde estão as críticas dos Estados Unidos por terem criado, em Janeiro de 2018, uma Task Force da Internet para Cuba, composta por funcionários governamentais e não governamentais com o objectivo de promover informação subversiva?

Os Yankees exigem liberdade de imprensa e liberdade de pensamento, mas quando alguém como o jornalista Julian Assange expõe à opinião pública mundial o que faz, perseguem-no impiedosamente até à exaustão. Para se proteger, em Dezembro de 2010, a CIA organizou uma task force para avaliar o impacto na segurança nacional de milhares de cabos vazados pelo WikiLeaks.

Porque é que aqueles que hoje se juntam aos ataques a Cuba por causa da nova Ordem Executiva não condenam Israel por hacking e realizar ataques cibernéticos instalando ilegalmente software Pegasus para espionar as conversas e e-mails de políticos, jornalistas, activistas dos direitos humanos, executivos de empresas e outras figuras internacionais?

É claro que a CIA não é estranha à ciberespionagem contra os seus rivais e aqueles que têm ideias diferentes, especialmente se são esquerdistas.

Os Yankees são os maiores violadores dos direitos humanos no mundo e as suas acções são repudiadas por milhões de pessoas.

José Martí tinha razão quando disse:

“A vida propia, derecho propio” (à própria vida, ao próprio direito).

Influenciador ou agente político dos EUA?

#RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #USAID #NED #CubaNoEsMiami #ManipulacionMediatica #MiMoncadaEsHoy

Por Redacción Razones de Cuba

Na sexta-feira, 30 de Julho, o Presidente Joseph Biden realizou uma reunião para discutir como o seu governo irá continuar a “apoiar o povo cubano”. O website da Casa Branca relatou a reunião. Uma única pergunta dirigida ao presidente por um dos participantes é incluída no resumo: “Haverá mais sanções contra Cuba ou vai parar com o que fez hoje? De acordo com relatos dos meios de comunicação social, a sala foi frequentada por cubano-americanos com perfis políticos e empresariais, bem como por um rapper.

Biden, que chamou os convidados “especialistas no assunto”, escolheu muito bem os seus convidados para alcançar os seus objectivos. Dias atrás, o Presidente Miguel Díaz-Canel Bermúdez denunciou na sua conta do Twitter que “para agradar a uma minoria reaccionária e chantagista”, Washington é capaz de “multiplicar os danos a 11 milhões de seres humanos, ignorando a vontade da maioria dos cubanos, americanos e da comunidade internacional”.

Em sintonia com o evento, os principais meios de comunicação social corporativos chamaram a atenção para a participação na reunião de um dos autores da canção directamente atribuída aos protestos de 11 de Julho em Cuba. Anteriormente, Yotuel tinha partilhado uma entrevista directa sobre redes sociais com o director da Segurança Nacional para o Hemisfério Ocidental e o conselheiro de Biden sobre questões da América Latina, Juan González. Devido ao seu físico e projecção, o rapper encarna certamente os “seguidos” nas comunidades de jovens cubanos negros, que são vulneráveis devido à sua condição social desfavorável e que o governo dos EUA identificou como alvos para a mudança de regime na ilha.

Pouco depois da reunião, através de um programa audiovisual para plataformas digitais, o rapper tornou-se “porta-voz” e respondeu às questões do mais notório influenciador do Trumpismo e da contra-revolução cubana na Florida. Otaola, que difundiu a ideia de um congelamento na ilha, e insta publicamente o governo dos EUA a condicionar os vistos dos artistas à sua posição política, estava muito interessado nas sanções que Biden poderá vir a aumentar no futuro.

A inclusão de Yotuel na lista de convidados da Casa Branca responde à estratégia de comunicação concebida para aproximar o discurso de Washington do povo cubano, especialmente das gerações mais jovens. Este desenho não é novo em Cuba; foi testado com sucesso noutros cenários, incluindo a própria campanha de Biden para a presidência em 2020, e continua activa durante o meio ano do seu mandato presidencial.

Um artigo originalmente publicado no The New York Times dá conta de como a equipa de comunicação da campanha democrata deu uma volta para alargar o seu alcance nas redes sociais quando Trump parecia ter a maior parte do espaço. Para o efeito, Biden contactou personalidades influentes dos media sociais que validaram a sua estratégia nestas plataformas. Académicos, líderes de minorias, activistas de causas sociais, artistas, influenciadores, youtubers partilharam conteúdos a favor da iniciação. “O nosso objectivo era realmente ir para onde o povo está”, documentou Christian Tom, chefe da equipa de parcerias digitais do então candidato democrata. Seguindo esse horizonte, definiram com precisão as suas audiências, e o conteúdo que lhes interessaria.

As notícias dos últimos meses citam a parceria da Casa Branca com os influentes meios de comunicação social para apresentar as políticas e propostas do Presidente Biden. Desde o Plano de Salvamento Americano até campanhas de incentivo à vacinação entre os jovens, contam com influenciadores como peças da nova estratégia de comunicação digital para alcançar audiências mesmo para além das que seguem os sites oficiais do governo no ambiente online.

Relacionado com estas experiências, um site em espanhol do Massachusetts Institute of Technology publica o estudo de um assistente de investigação no Observatório da Internet de Stanford, que mostra que os jovens são mais propensos a criar e divulgar conteúdos identificados como desinformação se partilharem um sentido de identidade com a pessoa que inicialmente os publicou. “As redes sociais promovem a credibilidade com base na identidade e não na comunidade. E quando a confiança se baseia na identidade, a autoridade muda para influenciadores. Porque se parecem com os seus seguidores e soam como eles, os influenciadores tornam-se os mensageiros de confiança em alguns tópicos sobre os quais não sabem muito. À medida que os jovens participam em mais debates políticos em linha, podemos esperar que aqueles que cultivaram com sucesso esta credibilidade baseada na identidade se tornem líderes comunitários de facto, atraindo pessoas com os mesmos interesses e conduzindo a conversa. (…) Pessoas unidas pela identidade serão vulneráveis a narrativas enganosas que visem precisamente aquilo que as une.

Após reflexão, seria ilusório pensar que tanto a inclusão de um rapper na reunião do Presidente Biden como a recontagem do que aconteceu numa emissão em directo na Internet foram o resultado de um convite cordial ou de uma simples entrevista a um programa audiovisual.

Nas últimas duas décadas, os verdadeiros peritos da Casa Branca acompanharam de perto o avanço da informatização na sociedade cubana. Desde a administração do republicano George W. Bush, os fundos destinados à subversão em Cuba para “programas de mudança de regime” têm beneficiado projectos cuja plataforma de acção é construída no palco digital. Barack Obama continuou a dirigir milhões de dólares para esta estratégia, e com Donald Trump na Sala Oval, em Janeiro de 2018 o Departamento de Estado anunciou um apelo à criação de uma Task Force Internet para Cuba, com o objectivo de promover o livre fluxo de informação no país; frases muito semelhantes àquelas que, após 11 de Julho, foram ouvidas na voz do actual presidente.

No meio deste contexto, o governo cubano acelerou a informatização da sociedade, numa tentativa de alargar o acesso ao conhecimento e às fontes de rendimento. A activação, no início de Dezembro de 2018, do serviço de Internet em telemóveis através de ligação de dados é talvez a prova mais convincente disto.

Estatísticas sistematizadas por sítios de análise digital como We Are Social and Hootsuite mostram porque é que o governo dos EUA mudou a disputa para a arena digital. O relatório mais recente destas agências, publicado em Fevereiro de 2021, afirma que sete milhões de cubanos utilizam a Internet, e 6,60 milhões de utilizadores têm perfis em redes sociais. Outros registos revelam os termos mais pesquisados da ilha, nos quais se destacam os nomes de músicos que cultivam os chamados géneros urbanos. Não seria necessária uma investigação muito rigorosa para descobrir que os jovens são os principais geradores destes dados.

É por isso que, quando ouvimos o rapper ecoar as matrizes de conteúdo geradas a partir de Washington, que ressoam incessantemente na chamada imprensa independente e nos grandes meios de comunicação social corporativos, ninguém poderia duvidar que ele tenha sido incluído no exército de influentes ao serviço do presidente dos Estados Unidos. Yotuel confirma, na sua troca, a tese de que, para tentar cumprir o objectivo adiado por 62 anos, “é preciso tomar atalhos diferentes”. Tal como Trump escolheu os seus peões, Biden está agora a mover as suas peças no tabuleiro, algumas das quais foram posicionadas pelo seu predecessor.

Redescobrindo: Cuba face ao ódio e às falsas notícias .

#CubaSoberana #GuerraMediatica #RedesSociales #ManiopulacionMediatica #FakeNewsVSCuba

Por Redacción Razones de Cuba

Reflexões breves: Cuba e a guerra dos media

Por: Rubén A. Rodríguez Vicente

La Jiribilla

Desde o início da actual pandemia, a formação de estados de opinião desfavoráveis ao governo cubano tem sido acentuada tanto dentro como fora da arena nacional. Estas posições são principalmente promovidas e encorajadas pelos Estados Unidos através dos meios de comunicação não oficiais, que tiram partido do recente acesso da população da ilha à Internet. A partir destas premissas, podem ser colocadas as seguintes questões: Quais são os interesses por detrás da cortina? Como funciona actualmente?

O governo dos EUA estabeleceu-se como a potência hegemónica mundial, a tal ponto que é impossível negar a sua influência sobre o destino de outros países. O seu poder deve-se principalmente ao seu controlo da política mundial através de organizações económicas como o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial. Por outro lado, as empresas multinacionais conseguem materializar os seus interesses económicos através de subornos justificados em doações e patrocínios, quer a figuras políticas específicas, quer a partidos políticos. Cuba tem sido afectada por estas dinâmicas de uma forma peculiar.

A inegável influência do triunfo da Revolução Cubana sobre a maioria da população e as novas promessas de mudança social anunciaram o fim de um período lucrativo para as empresas americanas. Em Agosto de 1960, o novo governo anunciou a decisão de nacionalizar as empresas americanas a fim de dar ao país o controlo da extracção de petróleo, da produção de açúcar e das companhias telefónicas e eléctricas. A resposta dos EUA não demorou muito a chegar; em Outubro do mesmo ano começou a aplicar sanções económicas contra a ilha com o objectivo de “(…) alienar o apoio interno (…) através do desencanto e do desânimo baseado na insatisfação e nas dificuldades económicas. (…) causar fome, desespero e derrubar o governo”[1] Esta medida ainda não alcançou os resultados desejados, mas colocou um pesado fardo negativo sobre a economia do país, que foi marginalizada do mercado global. Este isolamento tem mantido o mercado cubano numa zona virgem relativa. A destruição do Estado e da economia permitiria que o país fosse dividido entre grandes empresas multinacionais.

“LONGE DE FORTIFICAR UMA DEFESA TRADICIONAL E RÍGIDA, A CUBA DEVE CONCEBER ESTRATÉGIAS FLEXÍVEIS E EFICAZES QUE LHE PERMITAM ENFRENTAR OS NOVOS PROBLEMAS COLOCADOS PELA SUA ENTRADA TARDIA NA ERA DIGITAL”.

As guerras dos media são também conhecidas como guerras da quarta geração. Estes procuram, através dos meios de comunicação social, levar o conflito a toda a sociedade, manipulando, agravando e canalizando sentimentos de desânimo e descontentamento entre a população civil, gerando no pior dos casos um estado de ingovernabilidade devido à destruição da confiança da população nos poderes do Estado. [2] A situação de desconfiança encoraja a insurreição e acentua a possibilidade do surgimento de actos de vandalismo, greves, expedições militares e guerras civis que acabam por servir de justificação para acções concretas, tais como intervenções militares ou golpes de Estado. No caso dos EUA contra Cuba, deve ter-se em conta que o segundo tem uma grande vantagem dado o seu poder financeiro, político e cultural, forçando o primeiro a assumir uma posição largamente defensiva e contra-atacante.

As Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) atingiram uma grande profundidade na sociedade e a vida humana está agora intimamente ligada à sua dinâmica. No contexto da guerra dos media contra Cuba, as TIC têm sido utilizadas devido ao seu impacto em todos os níveis da vida quotidiana, como exemplificado pelas redes sociais. Nos últimos anos, o acesso dos cubanos às TIC tem aumentado, um fenómeno que ajuda a explicar porque é que estas plataformas têm sido o cenário de muitas das disputas. Note-se que os EUA afectam anualmente cerca de 20 milhões de dólares para este fim a “programas de democracia”, um orçamento que tende a ir para organizações não governamentais e que por sua vez é utilizado para pagar os salários de bloguistas, jornalistas independentes, representantes e influenciadores que actuam como porta-vozes das mensagens a difundir.

A utilização das TIC trouxe muitas vantagens ao desenvolvimento das sociedades, permitindo o progresso em áreas como a educação e a saúde. Contudo, são igualmente fundamentais para a promoção de políticas hostis e guerras mediáticas, fenómenos que são cada vez mais frequentes no mundo actual. Longe de fortificar uma defesa tradicional e rígida, Cuba deve conceber estratégias flexíveis e eficazes para enfrentar os novos problemas colocados pela sua entrada tardia na era digital.

Notas:

[1] Carta do Secretário de Estado Adjunto para os Assuntos Interamericanos dos EUA, Lester D. Mallory, ao Subsecretário de Estado para os Assuntos Interamericanos, Roy Rubottom Jr. Ver mais em: Mallory, Lester D.: 499 Memorando do Secretário de Estado Adjunto para os Assuntos Interamericanos (Mallory) ao Secretário de Estado Adjunto para os Assuntos Interamericanos (Rubottom). Disponível em: https://history.state.gov/historicaldocument/frus1958-60v06/d499

[2] Executivo, legislativo e judicial.

Guerra dos meios de comunicação, uma ponta de lança para a intervenção
Por Carmen Esquivel Sarría

Havana, 9 de Agosto (Prensa Latina) A guerra dos media norte-americanos contra Cuba e outros países procura preparar as condições subjectivas para legitimar uma intervenção, advertiu hoje o advogado e político boliviano Hugo Moldiz.

Numa entrevista com a Prensa Latina, via Internet, a Moldiz abordou várias questões, tais como a utilização de redes sociais e dos meios de comunicação para atacar governos, a campanha para impor um “corredor humanitário” a Cuba e a cumplicidade da OEA com a estratégia dos EUA para a região.

Os Estados Unidos estão a desenvolver o conceito de guerra total e permanente contra Cuba, Venezuela, Nicarágua e outros países, e uma das suas componentes é a guerra não convencional dos media, na qual a mente se torna o campo de batalha”, disse ele.

É – disse ele – a guarda avançada, a ponta de lança onde estão preparadas as condições subjectivas dentro do país a intervir”.

De acordo com o investigador e jornalista, os distúrbios de 11 de Julho na maior das Antilhas foram uma cabeça de praia para um plano intervencionista, mas tal como em 1961, com o ataque a Girón, o povo demonstrou mais uma vez que pode derrotar a contra-revolução.

Hugo Moldiz condenou as campanhas de promoção de um chamado corredor humanitário através dos hashtags #SOSCuba e #SOSMatanzas, e as declarações do Presidente dos EUA Joe Biden, que descreveu Cuba como um Estado falhado.

Todos sabemos que a proposta de um corredor humanitário faz efectivamente parte de uma estratégia político-militar intervencionista. Esta tem sido uma constante na história dos Estados Unidos na América Latina e no mundo. A política externa dos EUA não costuma variar muito a este respeito”, disse ele.

Para o político boliviano, “os Estados Unidos não acreditam no equilíbrio de poder, como o próprio ex-Secretário de Estado Henry Kissinger reconheceu no seu livro ‘Diplomacia’, e na medida em que não acreditam nisso, acreditam que são os senhores e proprietários da América Latina e das Caraíbas”.

Moldiz referiu-se também às recentes declarações do Alto Representante da União Europeia (UE) para a Política Externa, Josep Borrell, que fez eco à campanha para desestabilizar Cuba.

O que este representante está a fazer é pensar sobre o mundo de um ponto de vista norte-americano. Longe do sonho de um nacionalista de direita como o ex-presidente francês Charles de Gaulle, que dizia que “os europeus devem pensar a partir da Europa e não dos Estados Unidos”.

Moldiz foi ministro do governo da Bolívia em 2015, e após o golpe contra o Presidente Evo Morales em Novembro de 2019 foi obrigado a pedir asilo na embaixada mexicana em La Paz, onde permaneceu durante um ano juntamente com vários funcionários, a quem o regime de facto negou o salvo-conduto para deixar o país.

Na sua conversa com Prensa Latina, reflectiu sobre as recentes declarações do presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, que propôs a substituição da Organização dos Estados Americanos (OEA) por um organismo autónomo, e não por um lacaio de ninguém.

O que o Presidente López Obrador propôs é um desejo latino-americano. A OEA demonstrou ser absolutamente ineficaz e, sobretudo, cúmplice da estratégia norte-americana para o continente”, recordou ele.

Entre os exemplos que citou, conta-se o apoio da OEA aos governos da doutrina de segurança nacional nas décadas de 1960 e 1970 e a sua cumplicidade com as invasões norte-americanas do Panamá, República Dominicana e Granada, bem como com a agressão britânica contra a Argentina nas Ilhas Malvinas.

Face a este cenário, declarou, é necessário reforçar a Comunidade dos Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) como um espaço regional sem a presença do Canadá ou dos Estados Unidos.

O político boliviano defendeu a substituição da OEA por um organismo autónomo que respeite o princípio da não-intervenção, da não-interferência e da autodeterminação dos povos, e que leve por diante uma integração emancipatória e não uma de subordinação.

Tirada de Cuba informationción .

#Venezuela, #Nicarágua e #Cuba como navios de bandeira da esquerda.

#EstadosUnidosBloquea #ElBloqueoEsReal #UnionEuropea #EliminaElBloqueo #Nicaragua #Venezuela #Cuba Sanciones #Russia #China #Washington #ALBA-TCP #CELAC

Joe Biden e o seu caminho para o fracasso.

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #ManipulacionMediatica #RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #NED #MafiaCubanoAmericana #JoeBiden #Usaid #CIA

Por Arthur González

Pressionado por um grupo de pessoas amargas em Miami, o presidente dos EUA aumenta as sanções contra o povo cubano, acreditando no que lhe é dito por aqueles que em 62 anos só conseguiram falhar no seu sonho de derrubar a Revolução, e esse mesmo destino recairá sobre o presidente nas próximas eleições, porque no final, os americanos de origem cubana darão o seu voto ao partido republicano.

Biden está a mostrar muita fraqueza perante os mafiosos no Congresso, quebrando as suas promessas de campanha de que eliminaria algumas das medidas impostas por Trump contra Cuba, e até acrescentou outras para jogar nas mãos da Florida, mas a vida vai mostrar-lhe os seus erros.

No meio da pandemia de Covid-19, deu a sua aprovação para que a máfia e os serviços de inteligência intensificassem as suas acções com vista à execução da chamada guerra não convencional, com a utilização de redes sociais, juntamente com a criminosa guerra económica e financeira que tem a economia da ilha em crise.

Uma destas medidas foi o apelo a protestos, sabendo que aumentariam o número de contágios e, assim, tentariam fazer cair o sistema de saúde cubano, algo verdadeiramente desumano e impiedoso que contradiz a sua suposta preocupação com o bem-estar do povo. O resultado é palpável, o número de pessoas doentes cresceu como nunca antes e quase sobrecarregou as capacidades hospitalares, mas Cuba mostra o seu potencial e não deixa ninguém sem os cuidados adequados, apesar dos recursos limitados.

A solidariedade internacional demonstra apoio à Revolução e alarga a rejeição das políticas dos EUA contra uma pequena nação que luta pela independência.

Biden está sob pressão dos senadores Bob Menendez e Marco Rubio, que o acusam diariamente de não ser mais forte nas suas medidas contra Cuba. É por isso que, numa tentativa de parecer forte, sancionou ridiculamente vários funcionários da ilha que não viajam para os Estados Unidos, nem têm contas bancárias nesse país, mostrando o seu desespero de parecer forte, e até recebeu um pequeno grupo de cubanos da Florida, no seu delírio para ganhar votos no futuro.

Ao mesmo tempo, desencadeou uma pressão invulgar sobre a União Europeia e a OEA para se juntarem aos Estados Unidos no seu ataque a Cuba, sob o pretexto manipulado de “repressão” contra os manifestantes, quando os ianques e os europeus não têm moral porque são eles que reprimem brutalmente os seus cidadãos.

Para criar uma matriz de opinião anti-cubana, tiveram de recorrer a imagens de outros países como se estivessem em Cuba, mentiras que estão gradualmente a ser reveladas, incluindo polícias brasileiros a espancar pessoas no terreno, ou manifestações no Egipto e na Argentina, como se estivessem em cidades cubanas, e publicar imagens das pessoas que apoiam a Revolução, fingindo ser oponentes.

As cruzadas mediáticas contra Cuba realizadas em redes sociais são pagas com dinheiro do NED, USAID, Departamento de Estado e CIA, porque não podem mostrar uma repressão semelhante à que acontece nas cidades ianques, europeias, asiáticas e latino-americanas, onde a polícia assassina e espanca impiedosamente aqueles que exigem direitos que os cubanos gozam, incluindo a saúde, educação, emprego e segurança social.

Porque é que Washington e a União Europeia não condenam as brutais repressões em França contra os coletes amarelos, que protestaram durante um ano, nem se preocupam com as actuais, que se arrastam há três semanas consecutivas, com mais de 200.000 pessoas a exigir liberdade?

Não estão preocupados com as manifestações a que assistimos hoje em dia na Suíça, onde mais de 4.000 pessoas marcharam contra as medidas tomadas pelo governo, que ameaçam as liberdades civis, ou as que se realizaram em Itália?

Onde estavam os senadores Marco Rubio, Bob Menendez, Ted Cruz, Albio Sires e outros senadores “preocupados” que agora se juntam ao espectáculo para atacar Cuba, que não exigiram que o Senado aprovasse uma resolução bipartidária para sancionar os chefes de polícia que permitiram a repressão selvagem contra aqueles que exigiam justiça para os assassinos de George Floyd e outros cidadãos negros?

Face a estes actos condenáveis, a União Europeia permaneceu cúmplice em silêncio, tal como a OEA.

Esta Europa “preocupada” e culta não quer saber dos direitos humanos das pessoas assassinadas na Colômbia, nem dos reprimidos com enorme violência no Chile. É claro que estes governos não são de esquerda.

Joseph Borrell, Alto Representante da União Europeia, aparentemente não se importa com os actuais protestos na Hungria, onde milhares de trabalhadores da saúde se queixam das más condições de trabalho e da deterioração do sistema de saúde pública.

Há muito cinismo neste mundo, porque a OEA não condenou os mais de 300 massacres de camponeses colombianos, nem os detidos e desaparecidos no Chile, Honduras ou Guatemala.

Para esses países o NED não afecta orçamentos para fomentar enormes cruzadas mediáticas, como fazem contra Cuba, atormentadas por falsidades que têm confundido muitas pessoas decentes no mundo.

A máfia anti-cubana assegura que agora é o momento de endurecer as sanções contra o povo cubano, a fim de realizar o seu sonho de destruir o socialismo e Biden, na sua fraqueza política, está a jogar o seu jogo com mais sanções, mais campanhas de imprensa para distorcer a realidade da ilha e pressão diplomática sobre outros países para se juntarem à sua estratégia desumana.

O tempo encarregar-se-á de dissipar as mentiras fabricadas contra Cuba e muitos dos que hoje se juntam às acusações, só porque acreditam no que as redes sociais distorceram e que nunca levantam a voz para condenar a criminosa guerra económica, comercial e financeira a que os cubanos têm resistido durante mais de 60 anos, precisarão de muita humildade para reconhecerem que estavam errados.

Confrontado com factos semelhantes, José Martí disse:

“Esperar é uma forma de vencer”.

SCANNER: Os caminhos do dinheiro para a #Subversão em #Cuba .

#CubaSalva #EEUUBloquea #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuenmtes #RedesSociales #FakeNewsVsCuba #SubversionContraCuba #ElBloqueoEsReal #NED #USAID

Por Redacción Razones de Cuba

Por Orlando Oramas León

A rota do dinheiro para a subversão em Cuba leva à Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) e a outras instituições e organizações que estão abrigadas sob o guarda-chuva da CIA.
A Agência Central de Inteligência dos EUA é considerada como responsável pelos esforços de desestabilização contra a pequena nação vizinha das Caraíbas.

Esta é a opinião do Dr. Manuel Hevia, director do Centro de Investigação Histórica sobre Segurança do Estado do Ministério do Interior cubano.

Hevia partilhou com Prensa Latina informações sobre os numerosos programas implementados a partir de Washington contra Havana, com a participação do que ele chama a “máfia terrorista de Miami”.

Ele reconhece que a história é muito longa e faz parte da política agressiva que a Revolução Cubana tem vindo a enfrentar há mais de seis décadas, que inclui, entre outras modalidades, acções terroristas, ataques armados e biológicos, cerco económico e programas dirigidos directamente à chamada sociedade civil.

USAID, PRINCIPAL FINANCIADOR DA CONTRA-REVOLUÇÃO

“A USAID é um dos pilares da subversão anti-cubana e principal financiador da contra-revolução”, diz, e recorda a implementação do Programa Cuba, que nasceu nos dias mais difíceis do que foi conhecido na ilha como o Período Especial após a queda do campo socialista e a desintegração da União Soviética.

Estávamos nos anos 90. As autoridades cubanas estavam a frustrar os planos de tentativa de vida de Fidel Castro, e em 1996 o Presidente William Clinton assinou a Lei Helms-Burton, o que reforçou o bloqueio económico, financeiro e comercial.

No ano seguinte explodiram bombas em hotéis de Havana, recorda o co-autor do livro The Hidden Face of the CIA.

Surgiu o Programa Cuba da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), que só entre 1998 e 1999 utilizou mais de seis milhões de dólares para realizar centenas de operações ilegais para financiar grupos mercenários.

Para este fim, foram introduzidos em território cubano uma variedade de recursos técnicos sob a forma de computadores, impressão digital, telecomunicações, equipamento de fax, vídeos, assim como literatura contra-revolucionária.

A história da sedição não acaba aí, nem os fundos que excedem os 300 milhões de dólares nas mais de duas décadas que passaram.

Segundo o investigador, entre os anos fiscais de 2001 e 2006, a USAID atribuiu contra Cuba 61 milhões de dólares para cerca de 142 projectos e actividades.

VÁRIAS ESTRATÉGIAS

Só em 2005, a U.S. Interests Section in Havana (USINT) divulgou a distribuição de 4.900 receptores de rádio para encorajar a audiência da chamada Radio Martí, outra estação de rádio norte-americana para subversão.

Além disso, dezenas de equipamentos de vídeo, suportes informáticos, milhares de discos compactos, mais de 100.000 livros e um milhão de panfletos e literatura de natureza contra-revolucionária, recebidos na sua mala diplomática.

Um relatório oficial reconheceu que o volume de importações do SINA entre 2000 e 2005 aumentou 200 por cento com um volume de 70,5 toneladas de carga. Entretanto, emissários de ONG e organizações anti-cubanas chegaram de Miami e fizeram grandes entregas pessoais de dinheiro.

O modus operandi, diz Hevia, tem sido semelhante até hoje, sob a estratégia do que chamam “luta não violenta”, ler golpes suaves, revoluções de cor ou ao estilo da chamada “Primavera Árabe” com a qual os Estados Unidos consolidaram o seu poder em vários países de África e do Médio Oriente.

OPERAÇÕES MILIONÁRIAS

Manuel Hevia insiste em não esquecer os canais de dinheiro. Afirma que entre 2007 e 2013 o Programa Cuba utilizou mais de 120 milhões de dólares para 315 projectos e falou da promoção de uma “Primavera Cubana”.

Com tais propósitos, o projecto ZunZuneo, subsidiado pela Usaid com o envolvimento de ONG, foi criado especialmente para Cuba com o objectivo de estabelecer, sem ser detectado, aquilo a que chamaram uma “plataforma de comunicação horizontal” entre grupos de utilizadores de telemóveis, capaz de os mobilizar num momento apropriado.

Após ter sido abortada, a Rádio e Televisão Martí, que transmitia programação para Cuba, anunciou em 2013 a operação Piramideo, destinada a criar um canal de comunicação entre grupos subversivos.

Seguiu-se a tentativa, também paga por Washington, de estabelecer ilegalmente uma extensa ligação sem fios WIFI dentro do território cubano para os mesmos fins.

O co-autor do livro Los intentos de desmontaje del socialismo en Cuba (Tentativas de desmantelar o socialismo em Cuba) disse que se tratava de operações de milhões de dólares com uma poderosa base tecnológica e um enfoque nos jovens. Uma Análise Crítica .

MÉDICOS CUBANOS NO COLIMADOR

Os Estados Unidos atribuem milhões de dólares num programa destinado a denegrir o trabalho dos cooperantes cubanos internacionais, em particular as brigadas médicas que combatem o Covid-19 no mundo.

Os pretextos, segundo Manuel Hevia, são grosseiros, entre eles colocando Cuba no nível três do tráfico de pessoas sob a alegação de trabalhos forçados de especialistas cubanos em saúde, para quem milhares em diferentes latitudes estão a solicitar o Prémio Nobel da Paz.

Trata-se de uma perseguição nos países que beneficiam da cooperação de Cuba, sob o controlo directo dos escritórios da USAID e das embaixadas dos EUA, em estreita ligação com a CIA e outros serviços especiais.

Inclui monitorização, provocações, incitações à deserção e mesmo ameaças e represálias como as sofridas pelo pessoal médico na Bolívia durante o golpe de estado contra o Presidente Evo Morales em Novembro de 2019.

Tal manobra intervencionista visa prejudicar acordos de cooperação internacional, como no Brasil, Equador e a própria Bolívia, para pressionar a partida de trabalhadores humanitários das Caraíbas, e prejudicar a imagem e prestígio de Cuba como exemplo de solidariedade e altruísmo, disse Hevia.

PODCAST

DESOBEDIÊNCIA CIVIL

Sob a supervisão e financiamento do USINT e mais tarde da Embaixada dos EUA, foram realizados “actos de conteúdo simbólico”, incluindo vigílias, marchas, planos de jejum e outros actos de desobediência civil.

“Muitas destas provocações, inclusive contra as forças da lei e da ordem, são planeadas em casas particulares de membros do grupo ou aproveitando actividades de rua e culturais, entre outras modalidades.

“Sempre com o acompanhamento dos chamados meios de comunicação social independentes, também promovidos e pagos a partir do estrangeiro”.

O director do Centro de Investigação Histórica da Segurança do Estado salienta que tais acções são amplificadas a partir dos Estados Unidos em redes sociais, hoje um dos principais cenários da guerra de ideias e da subversão contra o país das Caraíbas e cujos executores são receptores de fundos para tais fins.

Entre 1997 e 2018, o Programa Cuba da Usaid aprovou cerca de 900 projectos e actividades de amplo carácter contra-revolucionário, fundamentalmente destinados a subverter ideias, valores, símbolos e a instigar a actividade contra-revolucionária interna na juventude e na sua comunidade.

Para apoiar as reivindicações do investigador cubano, o website Cuba Money Project, da jornalista norte-americana Tracey Eaton, afirma que durante a administração do Presidente Donald Trump pelo menos 54 grupos operaram programas com dinheiro da USAID ou do National Endowment for Democracy (NED).

OS PAGAMENTOS NED

Um relatório recente publicado pela NED revela os elevados montantes que atribui a instituições e ONGs para subverter o sistema socialista cubano.

O relatório, publicado no seu website (https://www.ned.org/region/latin-america-and-caribbean/cuba-2020/), inclui instituições latino-americanas e americanas ligadas a elementos que promovem o terrorismo e várias acções para alcançar a mudança de regime.

Por exemplo, o Centro Latino-americano para a Não-Violência, sediado nos Estados Unidos, recebeu em 2020 um total de 48.597 dólares para divulgar as acções de uma organização chamada Coalizão de Trabalhadores Autónomos de Cuba.

É dirigido por Omar López Montenegro, um dos directores da Fundação Nacional Cubana Americana, financiador de actos terroristas e protector de Luis Posada Carriles e Orlando Bosch, responsável pela explosão de um avião cubano com 73 pessoas a bordo em pleno voo, em Outubro de 1976.

Também entre as entidades que recebem dinheiro da NED está Investigación e Innovación Factual A.C., com sede no México e beneficiária de 74.000 dólares em 2020, com o objectivo de seleccionar, formar, aconselhar e formar “jornalistas cubanos independentes”.

SUBVERSÃO por Isaura Diez

O NED é apontado como uma das frentes da CIA, canalizando fundos para grupos que se opõem ao governo em Havana. Para o efeito, distribuiu mais de cinco milhões de dólares em 2020, durante o mandato do Presidente Donald Trump (2017-Janeiro 20, 2021).

A combinação destes financiamentos e acções com as pressões económicas para o aperto do bloqueio, e outras medidas coercivas unilaterais contra Cuba, foram a aposta dessa administração para destruir o sistema social do país das Caraíbas. Todas elas são, e não as únicas formas de subversão.

arb/ lã

(*) Chefe de redacção da redacção nacional da Prensa Latina

Este artigo foi escrito em colaboração com Amelia Roque, editora; Isaura Diez, jornalista da National Newsroom; e o editor da Web Rey Dani Hernández Marreros.

Extraído de Prensa Latina