Ex-assistente da Casa Branca revela as acções de Trump a 6 de Janeiro.

#Capitolio #EleccionesEEUU #DonaldTrumpCulpable

“O bloqueio contra Cuba está a ser utilizado para ganhar votos nos EUA”

#Cuba #InjerenciaDeEEUU #ManipulaciónMediática #AméricaLatina #ElBloqueoEsReal

Candidato de Trump na Geórgia se distancia nos EUA.

#EstadosUnidos #Politica #DonaldTrump #DavidPerdue

Washington, 27 jan (Prensa Latina) O ex-senador David Perdue está distante do governador da Geórgia, Brian Kemp, na candidatura interna dos republicanos para liderar aquele estado norte-americano, revelou hoje uma pesquisa da Universidade Quinnipiac.

A pesquisa descobriu que 43% dos prováveis eleitores republicanos apoiam Kemp, enquanto 36% são a favor de Perdue, um favorito do ex-presidente Donald Trump, que o endossou no mês passado.

Segundo alguns observadores, essa é a vingança do ex-presidente contra Kemp depois que ele se opôs à violação da lei estadual para apoiar o esforço para reverter sua derrota nas eleições presidenciais de 2020.

No chamado Estado Peach, o vencedor das primárias republicanas deve enfrentar o desafio da ex-deputada estadual Stacey Abrams nas eleições gerais, até agora a única que concorre pelos democratas.

Abrams, citado entre os possíveis candidatos à vice-presidência dos Estados Unidos para acompanhar o democrata Joe Biden em 2020, perdeu uma disputada eleição para governador em 2018 contra Kemp.

Uma avaliação do jornal The Hill descobriu que as primárias do Partido Republicano estão se preparando para ser uma corrida competitiva, e alguns naquela tenda temem que a batalha interna possa prejudicar o partido quando a corrida passar para as eleições gerais.

Trump, em seu apoio, disse que “Kemp tem sido um governador muito fraco” e que os “RINOs” – um acrônimo para “republicanos apenas no nome” – “o ignoraram quando se trata de integridade eleitoral e mais”.

O atual governador está bem posicionado no financiamento depois de arrecadar sete milhões de dólares entre 1º de julho e 9 de janeiro para chegar a 12 milhões até a proibição de obter recursos durante a sessão legislativa, que começou no dia 10 deste mês.

A pesquisa, realizada de 19 a 24 de janeiro, entrevistou 666 prováveis eleitores republicanos, com margem de erro de 2,4 pontos percentuais.

jf/lb/jcfl

O que é a supressão de votos nos Estados Unidos e quem é afectado?

#EstadosUnidos #Elecciones

Por Dalia González Delgado

“Uma pessoa, um voto” tem sido a aspiração e um lema de luta para muitos americanos. A afirmação faz sentido, se pensarmos no complicado sistema do Colégio Eleitoral que dilui a vontade das maiorias, e em consequência do qual, por exemplo, em 2016 Donald Trump ganhou a presidência apesar de ter obtido menos votos populares do que Hillary Clinton.

Acontece que nem todos os votos têm o mesmo peso no resultado final. E isto é para aqueles que chegam às urnas. O problema é mais grave para aqueles que estão privados dos seus direitos, um fenómeno conhecido como supressão de votos, que é tão antigo nos Estados Unidos como o próprio país.

As comemorações do aniversário de Martin Luther King esta semana foram marcadas por apelos contra a supressão de votos. A família do activista dos direitos civis, que foi assassinado em 1968, liderou a marcha anual em Washington D.C. na segunda-feira para prestar homenagem ao seu legado. Nesta ocasião, os participantes exigiram que o Congresso aprovasse legislação que protegesse o direito de voto face a movimentos de certos sectores para limitar a afluência dos eleitores.

Os Democratas no Capitólio, com o apoio de um Joe Biden ansioso por cumprir algumas das suas promessas de campanha, estão a pressionar duas peças legislativas: a “Lei da Liberdade de Voto” e a “Lei da Promoção do Direito de Voto de John Lewis”, que procuram remover algumas das actuais restrições. Expandir-se-iam as votações antecipadas e ausentes, fariam do Dia das Eleições um feriado bancário e travariam o gerrymandering.

Mas num contexto de crescente polarização e partidarismo dentro do Congresso, esses projectos de lei foram rejeitados pelos republicanos. Na quarta-feira à noite, estas propostas foram bloqueadas no Senado. E não é uma questão de certo ou errado aqui, mas de custo ou benefício para ambas as partes. Os mecanismos de repressão eleitoral atingem mais duramente algumas minorias, negros, latinos, mulheres, os pobres, que tendem a apoiar principalmente os candidatos democratas.

Este fenómeno tem uma longa história, que podemos seguir, como disse, até à própria emergência dos Estados Unidos como um país independente. Nós, o povo, a frase inicial da Constituição, nunca incluímos todas as pessoas.

Inicialmente só os homens brancos com bens podiam votar, num sistema eleitoral concebido para perpetuar certos sectores, nessa altura as elites do sul, no poder. A exigência de propriedade foi gradualmente eliminada, mas passaram muitos anos até que os negros e as mulheres pudessem votar. Para não falar dos índios, despojados das suas terras, que só foram considerados cidadãos americanos em 1924.

O primeiro obstáculo é que os Estados Unidos não têm uma lei eleitoral federal. Por conseguinte, a forma como todo o processo é realizado depende dos regulamentos de cada um dos Estados. Como o historiador Eric Foner deixa claro, a Constituição não dá explicitamente a ninguém o direito de voto; os Estados determinam a elegibilidade, e as suas regras e procedimentos variam muito. Ao longo do tempo, as emendas constitucionais procuraram impedir os Estados de limitar o sufrágio.

Após a Guerra Civil, a 15ª Emenda, ratificada em 1870, proibiu os Estados de negar o direito de voto por motivos raciais. Anos mais tarde, em 1920, a 19ª Emenda tornou possível o voto das mulheres. Mas num cenário em que as eleições e as suas regras são locais, desenvolveram-se múltiplas formas de limitar a participação.

A 15ª Emenda foi desrespeitada com as chamadas leis Jim Crow, que institucionalizavam a segregação racial e a supremacia branca com “separados mas iguais”. Muitos Estados, especialmente no Sul, começaram a exigir tudo, desde testes de alfabetização até ao pagamento de um imposto para que as pessoas pudessem votar – uma forma velada de impedir os afro-americanos ou os pobres de exercerem o seu direito constitucional. Houve também mecanismos menos subtis, tais como membros do Ku Klux Klan e outros grupos de ódio que impediram potenciais eleitores afro-americanos de chegar às urnas através de intimidação ou violência armada.

Após uma longa luta e quase 100 anos de história, a Lei dos Direitos de Voto foi aprovada em 1965. Desde então, os mecanismos de supressão de votos foram transformados mas persistem, com o mesmo objectivo que tinham desde o seu início: manter certos grupos no poder, impedindo a participação de outros.

UMA DECISÃO DO SUPREMO TRIBUNAL DE 2013 DERRUBOU UMA PARTE FUNDAMENTAL DA LEI HISTÓRICA ’65, LIBERTANDO OS ESTADOS DO SUL DA SUPERVISÃO FEDERAL DAS SUAS LEIS ELEITORAIS. TAL SUPERVISÃO TINHA SIDO POSTA EM PRÁTICA PARA EVITAR QUE OS ESTADOS QUE TINHAM LEIS JIM CROW UTILIZASSEM OUTROS MECANISMOS PARA REPRIMIR O VOTO NEGRO. MAS O TRIBUNAL DECIDIU QUE TAL REGULAMENTAÇÃO ERA DESNECESSÁRIA.

Para lhe dar uma ideia do que isso significa na prática, a União Americana das Liberdades Civis (ACLU) partilhou uma lista de alguns dos métodos actualmente utilizados para impedir certas pessoas de votar.

Uma das formas mais comuns é restringir os termos e requisitos de registo de eleitores; exigir documentos que provem a cidadania ou identificação; ou limitar o período de tempo em que os eleitores se podem registar. Por exemplo, de acordo com a ACLU, em 2011 o Kansas manteve uma lei que exigia aos residentes que apresentassem documentos de “prova de cidadania” para se registarem para votar, tais como um passaporte ou uma certidão de nascimento. Como resultado, a lei bloqueou os registos de mais de 30.000 pessoas.

Outros Estados vão mais longe, e impuseram requisitos absurdos e sanções severas para intimidar os eleitores. Na Geórgia, é um crime oferecer comida e água aos eleitores à espera nas filas de votação, filas que nesse estado são rotineiramente longas para as comunidades afro-americanas onde há menos locais de votação.

Em alguns Estados, as pessoas condenadas por crimes não podem votar, o que também afecta mais negros ou latinos, que constituem a maioria da população prisional naquele país. As eleições são realizadas num dia da semana e reduziram as possibilidades de votação antecipada e postal. Há também o efeito do redistritamento e do gerrymandering, sobre o qual já comentamos neste espaço.

De acordo com dados da ACLU, alguns grupos são mais afectados. Por exemplo, os condados com maiores populações minoritárias têm menos locais de votação e trabalhadores por eleitor; 25% dos americanos negros em idade de votar não têm identificação fotográfica como exigido em alguns locais; 18% dos eleitores com deficiências físicas relataram dificuldades em votar pessoalmente em 2020.

Estes são apenas alguns exemplos para resumir um fenómeno extremamente complexo nos Estados Unidos, um país que questiona e até sanciona sistemas eleitorais estrangeiros, ao mesmo tempo que impede milhões dos seus cidadãos de exercerem o seu direito de voto.

Extraído de Cubadebate.

Análise Internacional de Cuba.

#DonaldTrump #Elecciones #Partidos #Afganistan #Terrorismo #Capitolio

Criminosos nos EUA, opositores políticos em Cuba.

#Capitolio #EstadosUnidos #DonaldTrumpCulpable

Por Arthur González

Para os Estados Unidos, o assalto ao Capitólio Nacional a 6 de Janeiro de 2021 foi uma insurreição violenta levada a cabo por “criminosos” descritos como “extremistas violentos”. Nenhum meio de comunicação lhes chama dissidentes ou opositores políticos, apesar do facto de o motivo da agressão ter sido a campanha em curso do Presidente Donald Trump de acusações de fraude nas eleições presidenciais, o que a torna inteiramente uma acção política.

Contudo, nos últimos seis meses, a imprensa ianque e europeia não deixou de repetir que os actos de vandalismo que tiveram lugar em Cuba a 11 de Julho foram uma “revolta política”, escondendo os ataques violentos contra agentes da polícia, os seus carros de patrulha, a pilhagem de centros comerciais e até mesmo a tentativa de assalto a uma esquadra de polícia com o lançamento de cocktails Molotov, actos pelos quais estão agora a ser julgados e punidos.

A cruzada mediática anti-cubana visa vitimizar criminosos puramente comuns, muitos deles com registos criminais, estimulados através de redes sociais por meio de algoritmos concebidos em Miami, acções que foram tecnicamente comprovadas e denunciadas pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano, Bruno Rodríguez, com provas suficientes para demolir esta cruzada mediática.

É assim que os Estados Unidos estão a tentar estabelecer uma cortina de fumo sobre a situação interna crítica que sofrem, evitando a todo o custo a formação de uma oposição política interna, quer seja a luta contra a discriminação racial, a regulamentação da venda de armas de fogo ou alterações ao seu sistema eleitoral antidemocrático, como evidenciado na última corrida presidencial, e mesmo a possível proposta de elaboração de uma nova constituição para substituir a actual, que tem mais de 200 anos.

Nos Estados Unidos, eventos com evidentes conotações políticas são imediatamente rotulados como actos criminosos, como foi o caso dos protestos sobre o assassinato de George Floyd, onde três polícias ainda não foram julgados.

Prova do tratamento legal aplicado pelos Yankees é o julgamento recentemente realizado na Florida contra Robert Scott Palmer, descrito como um “agitador”, que a 6 de Janeiro durante o ataque ao Capitólio atacou a polícia com um extintor de incêndio, uma tábua de madeira e um poste, pelo qual foi agora condenado a cinco anos de prisão.

Para aqueles que mancham páginas inteiras nos jornais contra a Revolução Cubana, deveriam fazer uma pausa para ler o que a juíza distrital Tanya Chutkan disse ao proferir a sentença:

“Todos os dias ouvimos relatos de facções antidemocráticas, e de pessoas que planeiam actos de violência. Deve ficar claro para eles que aqueles que atacam as forças da lei e da ordem serão punidos”.

Os grupos contra-revolucionários e os seus advogados que os defendem devem também estar seguros de que em Cuba existem leis semelhantes às dos Estados Unidos e de outras nações, e aqueles que as violam terão de pagar pelos seus actos criminosos, aqueles que o Norte está agora a tentar disfarçar de políticos.

Porque é que a imprensa ianque não descreve os acontecimentos no Capitólio como actos de protesto político, se o que eles pediam era uma mudança no sistema?

Uma avaliação recente desse assalto pelo Departamento de Segurança Interna, o FBI, a Polícia Nacional do Capitólio e outras agências de aplicação da lei reconhece que houve uma conspiração para lançar as sementes de uma possível fraude eleitoral, mas não rotula os seus promotores como actores políticos, mas sim como “extremistas violentos” que instigaram actos de violência.

Mas aqueles que cometeram actos violentos em Cuba, agitados a partir do estrangeiro, são descritos como “opositores políticos” que querem mudar o sistema, apesar de os vídeos exibidos na televisão cubana provarem a natureza criminosa de muitos dos participantes, que foram agora detidos e julgados.

O assalto ao Capitólio em Washington foi um acontecimento político de conotação internacional e não criminoso como os Yankees querem fingir, já que o objectivo era anular os resultados das eleições presidenciais de 2020, nas quais o democrata Joe Biden conquistou o republicano Donald Trump.

Nos Estados Unidos há mais de uma centena de presos à espera de julgamento, foram violentamente reprimidos e as sentenças serão pesadas, mas as organizações de direitos humanos financiadas para atacar Cuba e o Parlamento Europeu não dizem uma palavra sobre o assunto, porque quem paga o flautista chama a música e a Revolução socialista não pode ser perdoado pela sua audácia em resistir à guerra mais longa e brutal conhecida pela humanidade, que já durou 63 anos insistindo em matar a sua população através da fome e da doença, um povo que não desiste, vive e conquista.

José Martí tinha razão quando disse:

“A verdade continua incólume a sua marcha através da terra”.

REVEALS! A fobia de Ota Ola De que tem ela medo, qual é o seu pior pesadelo? Emigração em Perigo.

#ManipulacionPolitica #MafiaCubanoAmericana #SubversionContraCuba #CubaSeRespeta #CubaVive #CubaNoEstaSola #LaRazonEsNuestroEscudo

EUA-eleições: O Trump estará de volta?

#DonaldTrump #JoeBiden #Afganistan

Trump en campaña

O New York Journal comentou na quarta-feira que as novas sondagens mostram uma inversão para o Presidente Joe Biden.

A investigação de Rasmussen Reports mostrou que se as eleições presidenciais se realizassem agora, o vencedor seria o ex-presidente Donald Trump.

Sublinha que “a maioria dos eleitores não votaria para reeleger o Presidente Joe Biden, e um número significativo daqueles que votaram nele em 2020 lamentam agora a sua escolha”.

Entretanto, o site de notícias Real Clear Politics também estima que se as eleições se realizassem imediatamente, 37% votariam em Biden, 43% no ex-Presidente Donald Trump e 14% em algum outro candidato”.

Uma sondagem Gallup confirma que a taxa média de aprovação de Biden é inferior a 50%, o mais baixo dos seus mandatos até à data.

Além disso, Reuters-Ipsos mostrou-o a 46% na passada terça-feira, ligando-o ao caos no Afeganistão.

O referido jornal de Nova Iorque diz que Biden enfrenta actualmente os casos crescentes da COVID-19, o aumento de imigrantes na fronteira com o México e a retirada das tropas no Afeganistão.

E assinala que Donald Trump está a tirar partido desta situação para atacar o seu adversário.

Os especialistas acreditam que embora as sondagens não sejam o equivalente a verdades absolutas, o que elas revelam também não pode ser ignorado.

Tirada de CubaSí

#Trump não vai poder correr em 2024 graças ao seu passado, prevê o especialista em sondagens .

#EstadosUnidos #Elecciones #DonaldTrump #Capitolio #DonaldTreumpCulpable #ForaTrump

Por Redacción Razones de Cuba

As hipóteses de Donald Trump se tornar novamente o candidato presidencial republicano em 2024 são muito reduzidas devido à “bagagem” que acumulou durante a sua presidência, de acordo com um perito político que previu com precisão a sua vitória em 2016.

A alegação vem de Allan Lichtman, historiador político da Universidade Americana que classificou com precisão o resultado de sete das oito eleições nos EUA nos últimos 30 anos.

“Tem mais de 400 milhões de dólares em empréstimos vencidos. A sua marca está a falhar. Os seus negócios estão a falhar. Ele tem uma enorme auditoria do IRS. Ele está fora de funções. Ele perdeu o seu feed do Twitter”, disse Lichtman ao jornal Miami Herald.

“Isso é muita bagagem para alguém se candidatar à presidência”.

Lichtman, um notável analista político e historiador, tem feito previsões para cada eleição desde 1984. O único resultado em que se enganou foi em 2000, quando a sua previsão de uma vitória de Al Gore se revelou inexacta, por uma margem de manobra de cabelo.

Lichtman diz que as suas previsões se baseiam numa série de “13 chaves”, ou perguntas que usa para analisar se um candidato ganhará uma eleição presidencial, que revelou em pormenor no seu recente livro, Predicting the Next President.

Para além de ser um dos poucos analistas a prever a vitória de Trump em 2016, também previu correctamente que o republicano perderia em 2020.

Falando sobre o que poderia acontecer em 2024, Lichtman disse que mesmo que Trump continue a atacar os Democratas e se mantenha na política, os seus recursos estarão “grandemente diminuídos” por altura das próximas eleições.

Acrescentou que enquanto ainda é cedo, Joe Biden iniciou a sua presidência “incrivelmente bem”, aprovando ordens executivas e projectos de lei sobre direitos de voto, alterações climáticas e alívio do coronavírus. Biden tem uma taxa de aprovação acima dos 50%, disse ele, algo que Trump nunca alcançou durante a sua presidência.

Do lado Democrata, Lichtman disse que o Vice-Presidente Kamala Harris era uma “escolha óbvia”, mas acrescentou: “Eu não excluiria Biden”.

Falando antes das eleições de 2020, Lichtman disse que o seu modelo previa uma vitória de Biden e explicou a lógica por detrás da mesma.

“Em 2016, Trump foi o desafiante. Calculei que exactamente seis chaves se viraram contra o partido em exercício, os Democratas”, disse ele ao US News em Outubro. “Eu disse que isto ia ser uma eleição de balanço: qualquer republicano genérico venceria qualquer democrata genérico”.

Lichtman disse que apesar de manter a liderança até 2019, tudo mudou para Trump em 2020 “com a pandemia e os gritos de justiça social e racial”.

Tirada de CubaSì

Ao contrário dos #EstadosUnidos, #Cuba não interfere no processo eleitoral de nenhum outro Estado.

#Cuba #SomosContinuidad #SomosCuba #CubaViva #CubaSalva #EEUUBloquea #InjerenciaDeEEUU #ElBloqueoEsReal #YoSigoAMiPresidente

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

“Os representantes do Trump mais uma vez mentem, difamam e divulgam informações falsas. É uma calúnia”, disse o Presidente da República, Miguel Díaz-Canel, na sua conta do Twitter, na qual descreveu como acusações totalmente falsas de interferência de Cuba nas eleições americanas.

bandera cubana

Estas falácias, nascidas do ódio e do oportunismo, fazem parte da guerra suja contra a ilha. Na ausência de argumentos reais e desprovidos de ideias saudáveis e construtivas, recorrem à difamação com o objectivo de azedar qualquer contacto positivo entre as duas nações.

Em Novembro passado, quando um grupo de advogados próximos de Trump falou pela primeira vez de uma possível interferência cubana nas eleições, o Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano Bruno Rodríguez Parrilla rejeitou essas alegações, chamando-lhes “pura calúnia”, acrescentando que, ao contrário da política dos EUA, o país antilhano não interfere no processo eleitoral de outros países.

Recentemente, Carlos Fernández de Cossío, director-geral dos EUA no Ministério dos Negócios Estrangeiros cubano, afirmou que o próprio governo dos EUA confirmou a mentira de tais afirmações, enquanto José Ramón Cabañas, chefe do Center for International Policy Research, publicou no Twitter o texto de uma avaliação de Segurança Nacional dos EUA sobre o assunto, que salienta que é muito improvável que Cuba tenha promovido actividades relacionadas com uma narrativa anti-republicana e pró-democracia.

%d bloggers like this: