A migração de Cuba para os Estados Unidos é induzida.

#EEUUIncumpleAcuerdosMigratorios #Política #Cuba #SubversiónMediática

Por Domingo Pérez

Ao tratar deste assunto, é inevitável, embora possa parecer repetitivo, reafirmar que a emigração de seres humanos de uma região para outra é um fenómeno natural da sociedade, desde a sua própria emergência.

Existem múltiplas causas que provocam o movimento permanente de pessoas entre países, mas em todos os tempos, os conflitos bélicos aceleraram este processo e, de certa forma, induziram-no artificialmente.

Se, por um lado, sufocar um povo inteiro e pintar os EUA como um paraíso na terra, a emigração será apresentada como uma solução para os problemas.

O mesmo se aplica à emigração de Cuba para os EUA, porque a guerra não declarada contra o nosso arquipélago estimula e acelera este processo.

O suposto empenho dos sucessivos governos dos EUA no bem-estar do povo cubano e o dever de salvar aqueles que emigram ilegalmente permitiu à máfia cubana dos EUA criar uma rede complexa que privilegia o emigrante cubano que chega a esse país por essa via em relação ao resto das nacionalidades.

If you, on the one hand, suffocate an entire people, deprive them in different ways of access to basic resources for their normal subsistence, such as medicines, food and fuel, to cite just three examples… If you literally persecute, harass and blackmail those who have an interest in helping us, if you simultaneously unleash a media campaign that presents the disastrous consequences of this commercial, financial and diplomatic siege as a result of the inefficiency and incapacity of the socialist political and social system, presenting the capitalist countries, in particular the USA, as the “paradise on earth”, and in parallel unleashing a media campaign that presents the disastrous consequences of this commercial, financial and diplomatic siege as a result of the inefficiency and incapacity of the socialist political and social system, presenting the capitalist countries, in particular the USA, as the “paradise on earth”, the “paradise on earth”, Os países capitalistas, em particular os EUA, são apresentados como o “paraíso na terra”, pelo que não há dúvida que para muitas pessoas a emigração é a única solução para os seus problemas.

Entretanto, a resistência heróica do povo cubano e as conquistas óbvias do socialismo estão a ser distorcidas e ignoradas. É por isso que a actual estratégia de resistência criativa é um método de trabalho eficaz que apela ao progresso e ao desenvolvimento, apesar das dificuldades.

Equador e #EstadosUnidos para manter um diálogo político alargado.

#EstadosUnidos #Ecuador #Emigración #Política

Quito, 16 de Novembro (Prensa Latina) O Equador e os Estados Unidos vão realizar hoje nesta capital o III Diálogo Político Bilateral Expandido, uma reunião que contará com a presença de Victoria Nuland, Subsecretária para os Assuntos Políticos do Departamento de Estado dos EUA.

O Embaixador dos EUA em Quito, Michael J. Fitzpatrick, ratificou o apoio de Washington à nação sul-americana “na governação democrática, segurança regional, direitos humanos, gestão da migração regional, apoio às populações vulneráveis e alterações climáticas”.

Nuland reunir-se-á com o Presidente equatoriano Guillermo Lasso e o Ministro dos Negócios Estrangeiros Juan Carlos Holguín para discutir prioridades bilaterais e depois assinar um acordo sobre céus abertos, de acordo com informações oficiais.

O pacto procura expandir os voos de passageiros e de carga entre os dois países, facilitando assim o aumento das viagens e do comércio.

O alto funcionário norte-americano, que visitará o Equador na quarta-feira vindo da Jamaica, será acompanhado por Mark Wells, Subsecretário Adjunto para o Hemisfério Ocidental e Assuntos Andinos, e Charisse Phillips, Subsecretária Adjunta do Bureau of Counternarcotics and Law Enforcement Affairs.

Além disso, o Director Adjunto para a América Latina e Caraíbas da Agência para o Desenvolvimento Internacional (USAID), Peter Natiello, faz parte da delegação.

No domingo passado, Quito e Washington aprovaram um acordo de cooperação sobre armas, explosivos e bases de dados partilhadas.

O governo equatoriano espera que a cooperação da Casa Branca contenha a onda de violência na nação andina que, de acordo com a administração, se deve à disputa entre bandos criminosos pelo controlo do tráfico de droga.

Nos últimos dois meses, uma delegação de senadores dos EUA e a chefe do Comando Sul dos EUA, Laura Richardson, também visitaram este país no meio do mundo.

Marco Rubio e María Elvira vão contra Biden, empresas norte-americanas e MPME cubanas.

#EEUUIncumpleAcuerdosMigratorios #CubaPorLaVida #MafiaCubanoAmericana #SubversiónContraCuba

Emigração, uma questão que remonta à história.

#Cuba #AcuerdosMigratorios #EstadosUnidos

Por Yoandi González

Embora o termo migração possa parecer na moda, é tão antigo como o desenvolvimento da humanidade. As pessoas sempre procuraram novas formas de melhorar a si próprias, de sobreviver a certas condições climáticas e outras. Estudos mostram que quando as tribos ficavam sem terra no local onde cultivavam os seus alimentos, eram forçadas a abandoná-la e a procurar outros locais mais rentáveis.

Esta questão é de particular interesse hoje em dia, dada a desigualdade que existe entre os diferentes pólos do mundo.

É necessário reflectir sobre as formas do fenómeno. Os Estados Unidos restringem a migração regular de cubanos, o que faz com que as pessoas se desloquem para o mar, arriscando as suas vidas numa tentativa de realizar o chamado “sonho americano”, e muitas vezes por razões de reunificação familiar.

Milhares morrem no mar todos os anos. Este é outro impacto da actual política dos EUA contra Cuba, o que significa que as pessoas têm de utilizar métodos que ponham em risco a vida para chegar a este país.

Há aqueles que se atiram ao mar sem pensar em tudo o que poderia acontecer. Há amplas provas de que esta rota não é segura. Há o bloqueio, mais vivo do que nunca.

É fácil fazer política e ver os problemas de outra pessoa a partir de uma posição de asfixia em todos os sentidos da palavra. É como se tivéssemos as mãos atadas e quiséssemos agarrar alguma coisa. Será que podíamos mesmo? Alguns pensariam assim, procurando outras formas, e essa é uma das causas actuais de morte de pessoas que tentam emigrar.

Mas não é apenas uma questão de Cuba. As notícias testemunham as crescentes vagas de pessoas que procuram deslocar-se de uma área geográfica para outra.

Cada um é responsável pelas suas próprias acções, mas estamos certos de que é necessário que os EUA mudem a sua política contra Cuba, o que está a prejudicar cada vez mais a população da ilha a cada ano.

Migração irregular na nossa América e no mundo.

#EstadosUnidos #Cuba #Migracion #AméricaLatina

Por Adalberto Santana

A torrente humana de migração irregular na nossa América continua a crescer e assume as características de um grande drama do século XXI. Estamos a referir-nos precisamente às questões do exílio e da migração em que diferentes actores sociais estiveram envolvidos.

Actualmente, um novo exílio que não é tão tradicional como o dos escritores, fotógrafos, pintores, poetas, líderes religiosos ou políticos do século XX está a atingir um nível de expressão mais elevado. No nosso tempo perguntamo-nos se este novo fenómeno social é um exílio ou uma migração?

Migración irregular en nuestra América y el mundo.

Podemos pensar que se trata de segmentos sociais que se exilaram ou migraram economicamente dos seus locais de origem para se inserirem em economias mais desenvolvidas que lhes permitem a mobilidade social, bem como um espaço muito mais amplo de liberdades políticas, e mesmo de segurança face aos novos desafios globais dos conflitos armados e da violência social que permeia diferentes países da nossa região da América Latina e do mundo. Este cenário tem sido intensificado pela nova dinâmica da globalização neoliberal do nosso tempo.

Como resultado, no início do século XXI, numerosos actores sociais na nossa América e no mundo tiveram de recorrer ao exílio, à migração regular ou irregular e ao estatuto de refugiado.

Esta situação é a realidade de milhares de migrantes do Haiti, Honduras, Guatemala, El Salvador, Colômbia, Venezuela e outros países da região e de outras partes do mundo.

Como resultado do seu contexto económico, desemprego, insegurança, bem como danos ambientais e desapropriação das suas terras, tiveram de se exilar ou de se envolver em migração forçada. Em alguns casos, optaram pela mobilidade e deslocação como migrantes irregulares, onde conseguem entrar no país de acolhimento. Desta forma, o ACNUR reconhece isto quando declara:

“Um número crescente de pessoas na América Central está a ser obrigado a abandonar as suas casas. A nível mundial, o número aproxima-se de 597.000 refugiados e requerentes de asilo de El Salvador, Guatemala e Honduras. Estão a fugir da violência (incluindo a violência baseada no género), ameaças, prostituição e extorsão por bandos, bem como do recrutamento para as suas fileiras. LGBTI – lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais – as pessoas estão também a fugir da perseguição. Muitos mais foram deslocados em mais do que uma ocasião dentro dos seus próprios países ou foram deportados de volta para eles (muitas vezes em condições de risco). A pobreza e a instabilidade, combinadas com a devastação das alterações climáticas e o impacto socioeconómico da pandemia da COVID-19, exacerbaram a situação”.

A 20 de Junho de 2022, o Subsecretário dos Direitos Humanos, População e Migração do governo mexicano, Alejandro Encinas Rodríguez, declarou que tanto os migrantes como os requerentes de asilo no México “enfrentam problemas de intolerância, abuso de autoridade, repressão e até, infelizmente, a expressão mais crua, que é o desaparecimento de migrantes no nosso território” (La Jornada, 21/04/22).

Comparando as condições de tratamento e inserção social que os migrantes da nossa região latino-americana recebem, em comparação com outros tipos de migrantes como, por exemplo, a chamada “operação militar especial” da Rússia na Ucrânia. Mais de 30.000 refugiados ucranianos chegaram à fronteira norte do México, que rapidamente conseguiram ser aceites como refugiados nos EUA. O próprio Encinas salientou: “cerca de 30.000 pessoas da Ucrânia que chegaram ao país após o início da invasão russa, já não há praticamente nenhuma em território mexicano, uma vez que a maioria delas conseguiu entrar no país vizinho”.

Outro fenómeno migratório nas Américas é analisado pela Dra. Caridad Massón Sena, no que diz respeito à chamada “fuga de cérebros”. Êxodo de jovens profissionais cubanos para o México”. Na sua análise, aborda um assunto praticamente inexplorado nos círculos académicos: o êxodo de jovens profissionais para outros países. A questão da migração tem sido frequentemente tratada de outros ângulos, mas esta questão tem consequências graves para Cuba, uma nação pequena e subdesenvolvida cujo Estado investiu recursos consideráveis na preparação de profissionais competentes, que depois partem para oferecer os seus serviços e conhecimentos noutros locais, em detrimento do desenvolvimento interno.

Do nosso ponto de vista, o fenómeno da migração, refúgio e deslocação forçada de vários actores sociais de países periféricos que traçam o seu percurso em direcção ao Norte adquire hoje uma nova dimensão e tensão global. Por exemplo, em Outubro de 2022, milhares de venezuelanos foram projectados nos ecrãs de televisão quando tentavam entrar na fronteira sul dos EUA vindos do México, hasteando as suas bandeiras.

Pareceria uma invasão latina dos EUA. Tal como os haitianos em Tijuana ou os centro-americanos na fronteira com Nuevo Laredo em Tamaulipas, México. A “ameaça hispânica” (mais de 40 milhões de mexicanos vivem regularmente e irregularmente no império) está a fazer soar o alarme nos círculos de poder dos EUA e nas eleições de terça-feira, 8 de Novembro, para que os eleitores americanos conservadores se inclinem para o campo republicano.

Os processos de exílio, exílio e refúgio do nosso tempo, ao mesmo tempo, servem de pano de fundo para nomear e dar voz àqueles que foram silenciados, tais como os milhões de migrantes irregulares que procuram desesperadamente entrar no Primeiro Mundo. Nas economias destas nações são rejeitadas e reprimidas, sabendo que necessitam desta mão-de-obra, mas perversamente esta política implica tornar a sua mão-de-obra mais barata.

Este fenómeno do exílio económico ou da migração forçada de milhões de pessoas que procuram deslocar-se da periferia para o centro do mundo desenvolvido é um dos grandes problemas do nosso tempo, da nossa América e do mundo. Não podemos ignorar que precisamos de prestar cada vez mais atenção e sensibilidade à compreensão da dinâmica daqueles milhões de irmãos e irmãs latino-americanos que hoje vivem nos Estados Unidos e que são mais de 65 milhões, “heróis” que, em grande medida, fornecem a maior parte do rendimento que, sob a forma de remessas, chega às nossas frágeis economias latino-americanas.

Extraído da Telesur.

O que aconteceu com o barco Bahia Honda, o que aconteceu com o barco Encrucijada, que semelhante.

#CubaPorUnaMigraciónSegura #CubaPorLaVida #EEUUIncumpleAcuerdosMigratorios

Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano: A retomada dos serviços de imigração dos EUA em Havana seria um passo na direcção certa.

#Cuba #Minrex #EEUUIncumpleLeyesMigratorias #CubaPorUnaMigracionOrdenada

O Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano Bruno Rodríguez Parrilla disse sexta-feira na sua conta do Twitter que o recomeço numa data não especificada e de forma limitada dos serviços de imigração na embaixada dos EUA em Havana “será, quando isso acontecer, um passo na direcção certa”.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano Bruno Rodríguez Parrilla. Foto: Arquivo.

O chefe da diplomacia cubana recordou que “os serviços de migração de Washington em Havana foram encerrados em 2017, como primeiro acto da política de hostilidade do governo Trump”.

Do mesmo modo, Rodríguez Parrilla salientou que essa decisão unilateral dos Estados Unidos se baseava em acusações infundadas de que os diplomatas americanos tinham sido atacados em Cuba.

“As consequências têm sido muito prejudiciais para as famílias cubanas e para as relações entre Cuba e os Estados Unidos em múltiplas esferas”, salientou o ministro dos Negócios Estrangeiros sobre a rede social.

Esta quinta-feira, a embaixada dos EUA em Cuba anunciou que começará a emitir vistos de forma limitada e gradual, após ter sido fechada durante mais de quatro anos, na sequência da retirada da maior parte do pessoal diplomático em Havana.

Denunciado novo caso de tráfico de pessoas em Cuba.

#Cuba #PorUnaMigraciónSegura #MejosSinBloqueo #PorLaFamiliaCubana #CubaPorLaVida

Por Redacción Razones de Cuba

As Nações Unidas definem o contrabando de migrantes como “a obtenção, directa ou indirecta, de um benefício financeiro ou outro benefício material, da entrada ilegal de uma pessoa num Estado Parte do qual a pessoa não é nacional ou residente permanente”.

Tal evento teve lugar no domingo passado 30 de Outubro na baía de Nazabal, Encrucijada, Villa Clara. Nesse dia, uma unidade de superfície das Tropas da Guarda de Fronteira resgatou 26 pessoas a bordo de uma lancha com registo americano. A embarcação naval estava à deriva. A bordo estavam 4 menores, incluindo uma rapariga com sintomas agudos de desidratação.

No domingo passado, 30 de Outubro, teve lugar outro infeliz acontecimento relacionado com o tráfico de pessoas de Cuba para os Estados Unidos.

O barqueiro que abandonou o barco, Rafael López Morales, é um infractor reincidente neste tipo de crime. Ele até contrabandeou um fugitivo da justiça para fora do país.

O actual Código Penal estabelece penas entre 7 e 15 anos para o crime de tráfico de pessoas, que se aplica a qualquer pessoa que “sem estar legalmente autorizada, com fins lucrativos, organiza, facilita, incita ou promove a entrada ou saída de pessoas do território nacional, com o objectivo de emigrar para outro país”.

Para aqueles que lucram à custa de pôr em risco a vida de crianças e adultos, as partidas ilegais são um negócio lucrativo, também associado à circulação de drogas e armas. Esta nunca será uma via apropriada. O elevado número de vidas perdidas no mar é a prova disso.

O principal culpado por estes infelizes acontecimentos continua a ser o governo dos EUA, que mantém uma política hostil em relação à maior das Antilhas. A Lei de Ajuste Cubano funciona como uma engrenagem fundamental na roda destas organizações criminosas, onde o dinheiro, e não a vida, terá sempre a última palavra.

Cuba denuncia o encorajamento dos EUA ao tráfico de seres humanos.

#CubaPorUnaMigraciónSegura #CubaPorLaVida #PorLaFamiliaCubana #MejorSinBloqueo #EEUUIncumpleAcuerdosMigratorios

%d bloggers gostam disto: