Tal como diz Gerardo Hernandez Nordelo … Hay que tener cara …

#BastaDeHipocresia #NoMasMentiras #LetCubaLive #LacayoPou #Uruguay

Como no dominó, forro e burla com as listas de prisioneiros!!!!

#RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #CubaNoEsMiami #Covid-19 #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor

Eis o que o Império não quer que você veja.

#MiMoncadaEsHoy #ACubaPonleCorazon #CubaEsCierta #NoMasGolpesBlandos #EliminaElBloqueo

O juiz boliviano condena #JeanineÁñez e dois dos seus ex-ministros a quatro meses de prisão preventiva.

#GolpeDeEstado #Bolivia #JeanineAñez #Corrupción

A juíza boliviana Regina Santa Cruz ordenou quatro meses de prisão preventiva para o ex-presidente de facto do país, Jeanine Áñez, bem como para os ex-ministros de facto Álvaro Coímbra e Rodrigo Guzmán.

Embora o Ministério Público do país tivesse pedido seis meses enquanto a investigação estava a decorrer, o Juiz Santa Cruz considerou o tempo de detenção preventiva excessivo.

La medida se toma porque la jurista Santa Cruz considera que existe un alto riesgo de que Áñez huya de la Justicia boliviana.

Áñez e os seus colaboradores que lideraram o golpe em 2019 contra o então presidente boliviano, Evo Morales, são investigados por terrorismo, sedição e conspiração.

A medida é tomada porque o jurista Santa Cruz considera que existe um elevado risco de Áñez fugir da Justiça boliviana tendo em conta que, no momento da sua captura, este tentou fugir escondido numa caixa.

Durante a audiência, que durou mais de 10 horas, tanto Áñez como os seus antigos ministros Coímbra e Guzmán permaneceram num gabinete da Força Especial de Combate ao Crime.

No sábado passado, o Ministro do Governo, Carlos del Castillo, confirmou a detenção do antigo presidente de facto, “informo o povo boliviano que a Sra. Jeanine Áñez foi detida e está agora nas mãos da polícia”, disse o funcionário.

Ministro boliviano afirma que Rússia traz equilíbrio para a América .

#AmericaLatina #Rusia #China #Bolivia #InjerenciaDeEEUU #GolpesDeEstado #GolpesSuaves

O ministro das Relações Exteriores da Bolívia, Rogelio Mayta, garantiu nesta segunda-feira em entrevista a um meio de comunicação internacional que a Rússia tem um papel importante na América Latina, pois pode criar um equilíbrio contra a ingerência dos Estados Unidos (EUA) na região.

El ministro de Relaciones Exteriores, Rogelio Mayta, agregó que la influencia estadounidense en Latinoamérica entorpeció los procesos de integración como la Unasur y Celac.

“Por alguns anos, a Rússia desempenhou um papel importante. É capaz de sustentar os equilíbrios necessários. A América Latina ficou muito mais com uma certa influência dos Estados Unidos”, disse o chefe da diplomacia nacional sul-americana.

O ministro acrescentou que a influência dos Estados Unidos dificultou processos de integração como a União de Nações Sul-Americanas (Unasul) e a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac).

“Os processos de integração que estávamos fazendo, como Unasul ou Celac, foram prejudicados por interesses estrangeiros”, disse Mayta. Além disso, afirmou que “algumas potências” veem na desunião dos países latino-americanos a possibilidade de continuar aproveitando seus recursos.

“Mas a presença da Rússia cria uma tendência para a existência de novos equilíbrios, que são necessários”, reiterou o alto funcionário, que declarou que a Bolívia espera que os EUA modifiquem sua relação com a América Latina antes do surgimento de um mundo multipolar.

“Temos esperança de que neste mundo que está mudando, em que existe uma multipolaridade onde o papel da Rússia e da China é fundamental, os EUA também redefinam sua relação com a América Latina e a Bolívia”, disse Mayta.

Divisão, a arma preferida do inimigo .

#Cuba #RevolucionCubana #FidelEntreNosotros #IdeasQueSonBanderas #SubversionContraCuba #CubaSeRespeta #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana

Por Arthur González

Añejo é o conceito de “dividir para conquistar” e o que os Estados Unidos tentam executar contra todos os movimentos revolucionários e Cuba tem sido um campo de batalha nesse sentido.

Desde antes do triunfo revolucionário de 1959, os Estados Unidos tentaram dividir as forças que lutavam contra a tirania de Fulgencio Batista, por isso promoveram a formação da 2ª Frente Nacional do Escambray e enviaram para ela o agente da CIA, o americano William Morgan e o oficial John Spiritto, com o objetivo de evitar a unidade entre o Movimento 26 de julho, o Diretório Estudantil 13 de março e o Partido Socialista Popular.

Esse propósito foi declarado pelo próprio Spirit ao ser preso em 5 de dezembro de 1962 pela Segurança do Estado cubana.

O governo espanhol também utilizou o mesmo método de divisão interna das forças revolucionárias, o que José Martí denunciou em 28 de maio de 1892 no jornal Pátria, onde afirmava:

“O governo espanhol se costurou na realidade, escolheu seus inimigos um a um, os segue com um homem nos calcanhares … divide os cubanos em que a distribuição pessoal se deve à calúnia e ao hábil cultivo das paixões humanas. ou uma obrigação de classe ou uma companhia mal compreendida, poderia fazer mais do que um dever para com o país ”.

E acrescentou:

“É um dever denunciar para que ninguém se engane, nem por paixão, onde o seu inimigo o queira levar, ou colabore com os pretextos do mal ou do orgulho, a desordem e a derrota do seu país, os métodos especiais e tenazes e ainda frutífero da campanha espanhola. Ninguém se surpreenderá com o mais sutil e eficaz desses métodos, pois, aproveitando as dissensões internas, a Espanha foi capaz de vencer uma guerra que nunca poderia vencer pelas armas.

Golpe blando en Cuba

A CIA nunca deixou de trabalhar neste sentido e já o tentou em várias ocasiões contra a Revolução, chegando mesmo a desenvolver um plano para dividir as Forças Armadas e os comunistas cubanos, pelo qual um suposto oficial da CIA vendeu informações falsas a respeito à suposta traição de um alto militar cubano, com o mesmo interesse da divisão interna, convencidos de que a arma fundamental dos cubanos é sua unidade.

Hoje o trabalho da CIA e de seus colaboradores é justamente erodir essa unidade, por isso seus esforços e o dinheiro aprovado se dirigem à juventude cubana, que segundo o relatório da “Comissão de Assistência a uma Cuba Livre”, conhecida como “Plano de transição para a democracia”, aprovado em 6 de maio de 2004 pelo presidente George W. Bush:

“Alcançar a juventude cubana representa uma das oportunidades mais significativas para precipitar o fim do regime. Esta geração tem o elo mais fraco com a Revolução, sua apatia e descontentamento são endêmicos. Continue isolando o regime de Castro ao mesmo tempo que apóia a oposição democrática e dá poder à sociedade civil emergente.

Os acontecimentos de novembro passado de 2020, realizados por um grupo de jovens em frente ao Ministério da Cultura, estimulados pela artista Tania Brugueras, a principal peça dos ianques para corroer por dentro o setor cultural, é uma amostra de como eles insistem em dividindo o povo cubano com as mesmas artimanhas, agora com o uso das redes sociais, que facilitam o alcance imediato e massivo de muita gente, o que, segundo José Martí, está dividido pela calúnia e pelo hábil cultivo das paixões humanas .

Não é por prazer que encontramos nas redes sociais alguns artigos que visam criar estados de opinião contra a Revolução, afirmando:

“O Estado deve resolver as contradições entre seu discurso político e sua projeção econômica. São os fatos que mostram a direção que as coisas realmente estão tomando. A presença militar na economia, sua impopular dolarização, o freio à iniciativa privada, os hotéis de luxo construídos entre bairros em ruínas e um investimento turístico muito superior ao da agricultura, são apenas algumas das contradições do reformas em um país com graves problemas em termos de alimentos, suprimentos, moradia e direitos civis.

Muito da censura sofrida pelos artistas se deve à abordagem dessas questões, portanto, falar de cultura é impossível sem tocar nesses aspectos.

Entre nossas realidades mais caras está o êxodo massivo de jovens em busca das oportunidades que encontraram em seu país ”.

A criminosa guerra econômica, comercial e financeira que dura 62 anos, nada é mencionada, como se suas ações cruéis de sanções contínuas, a pressão sobre os investidores estrangeiros e as multas pesadas sobre os bancos internacionais, não afetassem adversamente a economia de uma pequena ilha sem recursos naturais e não foram uma causa fundamental de emigração nos últimos 40 anos.

Eles não vão ver o que acontece hoje nas economias europeia e norte-americana, só por causa do fechamento parcial de suas indústrias e centros de serviços por 9 meses?

O que aconteceria nesses países se tivessem que suportar uma guerra econômica cruel como a que os Estados Unidos impuseram contra Cuba durante 60 anos?

Conozca la estrategia del MRS para ejecutar un “golpe suave” en Nicaragua

Eles poderiam manter os níveis de assistência médica, educação, cultura, esportes e seguridade social como faz Cuba?

Essa é a realidade dos planos subversivos da CIA e de seus acólitos que buscam semear ideias distorcidas da realidade nas mentes dos jovens, desmantelar o pensamento socialista e apoiar o processo revolucionário, e fazer o mesmo que a metrópole pretendia. Espanhol, para ganhar uma guerra que nunca poderia vencer pelas armas ”.

Recordemos José Martí, quando em 1892 afirmava:

“Nosso inimigo obedece a um plano: o de nos apodrecer, nos dispersar, nos dividir, nos afogar. É por isso que obedecemos a outro plano: aprender até a nossa altura máxima, apertar, juntar, ser mais esperto. Plano contra plano. Sem um plano de resistência, um plano de ataque não pode ser derrotado ”.

🔥🔥🔥👉Os verdadeiros incitadores do ataque ao Capitólio tentam se esconder sob as pedras💥💥💥

#Cuba #ElGuerreroEsCuba #TodosSomosGuerrero #SubversionContraCuba #TerrorismoMadeInUSA #ManipulacionMediatica #CubaNoEsMiami #EstadosUnidos #ForaTrump #NoMoreTrump #DonaldTrumpCulpable #Capitolio

Como interpretar as vergonhosas cenas do Congresso dos Estados Unidos?

#EleccionesEEUU #DonaldTrumpCulpable #ForaTrump #NoMoreTrump #Congreso #JoeBiden

Moderado e revolucionário.

#Cuba #HistoriaDeCuba #EstadosUnidos #GobiernosTiteres #RevolucionCubana #FidelCastro #ElBloqueoEsReal #InjerenciaDeEEUU #OTAN #EnmiendaPlatt #

Por Ernesto Estévez Rams Razonmes de Cuba .

Elihu Root era um advogado nova-iorquino nomeado Secretário da Guerra pelo presidente McKinley para administrar as novas colônias que haviam “caído” para os Estados Unidos: Porto Rico, Filipinas e Cuba. Foi Root quem propôs Leonardo Wood como governador da Ilha na primeira intervenção. O desprezo de Root pelos cubanos era evidente.

Quando a Assembleia Constituinte começou a redigir a carta que presidiria à República, Elihu escreveu a Wood para informar aos membros da assembléia que “se o povo americano passa a ter a impressão de que os cubanos são ingratos e irracionais, então o povo americano Não seria tão altruísta e sentimental na próxima vez que eles intervirem nos problemas cubanos … ». Isso acabou com a infâmia da Emenda Platt.

Anos depois, em 1929, Rafael Martínez Ortiz, que era Secretário de Estado da Ilha, explicou, ao falar dessas tarefas da Assembleia Constituinte, que nela “se impôs a realidade a todas as consciências capazes de avaliar a natureza do problema . Só os fanáticos continuaram a fazer barulho (…) o povo de pouca cultura; eles tinham que ver as coisas do ponto de vista de seu sentimentalismo. ‘ Para ele, os patriotas contrários à infâmia tinham pouco valor, eram “fanáticos”, ou seja, extremistas, guiados pelo sentimentalismo e não pela racionalidade.

Granma - Órgano oficial del PCC

O moderado Martínez Ortiz, alguns anos antes, ao inaugurar, em dezembro de 1924, a Primeira Conferência Pan-Americana sobre Eugenia e Homicultura, não teve escrúpulos em dizer que, para Cuba, toda imigração deve evitar a entrada de “pessoas ou raças impróprias”. , e concluiu que “duas raças superiores” deveriam ser favorecidas. Para ele, um deles era o Mediterrâneo europeu, e o outro, o saxão

Para o moderado Prío, a exemplo de seu tutor Grau San Martín, o discurso da soberania e do antiimperialismo “leve” durou apenas, como máscara, até chegar à presidência do país.

O jornalista Luis Ortega afirma que, ao entrevistar Prío nos dias posteriores ao golpe, pediu-lhe que intercedesse junto a Batista para que devolvesse um camarote que havia deixado em sua mesa presidencial. A caixa, ele confessou, continha, entre outras coisas, 250.000 pesos com os quais planejava reiniciar sua vida como exilado.

Aquele dirigente moderado que surgira na vida pública após a derrubada de Machado exclamou: “Diga a Batista para me devolver a caixa com tudo o que ela contém, confio no seu cavalheirismo”. Pelo menos já sabemos quanto valia o país para Prío Socarrás.

Fernando Martínez Heredia insistiu, até seus últimos escritos, em acompanhar a Revolução em sua condição de socialista e de “libertação nacional”. Tampouco deixou de convocar a República antes desse triunfo, de república neocolonial burguesa. Ao enfatizar seu caráter socialista, se justifica sua essência de classe, algo, em suma, típico de todo sistema social, mesmo quando os ideólogos capitalistas de vários tipos se esforçam tanto para não mencioná-lo.

Cito Martínez Heredia: «Em Cuba, os tremendos impactos da justiça social exercida e o fim da dominação neocolonial aconteceram juntos – só podiam acontecer juntos – e superaram os velhos discursos nacionalistas e as ideias e práticas reformistas. É por isso que chamo a revolução socialista de 1959 de libertação nacional.

Há pouco favor intelectual para aqueles que querem espanar “velhos discursos nacionalistas” e reformistas sem muita novidade na argumentação gasta, exceto pelo uso ocasional e espirituoso da palavra que esconde o que foi superado, para vendê-lo como uma ideia nova. Ao conseguir apresentar-se como o outro, a alternativa, a superior, ou aquela que se situa moderadamente no centro, trata-se, na realidade, de tornar potável a realidade cubana o retorno ao capitalismo colonizador que, em Cuba, seguirá necessariamente uma derrota da Revolução.

Não é honesto articular reveses em nome dos despossuídos, usando-os como máscaras. Aqueles que disfarçam a restauração capitalista com um ar de pós-modernidade me lembram do trabalho de um lavatório que busca higienizar as partes úmidas da República para realmente oferecê-la ao comprador mais poderoso da hegemonia capitalista global. Eles fazem essa manobra, enquanto acusam aqueles que defendem o radicalismo antiimperialista que reivindicam, por princípio, a soberania nacional como extremistas, como Martínez Ortiz.

Seis décadas de história vinculam nossa independência, como Martínez Heredia apontou, ao socialismo que proclamamos em nossas constituições após o triunfo revolucionário de 1959, endossado em um voto popular esmagador. Qualquer discurso que vise derrotar a revolução socialista de libertação nacional, o Estado que a representa e suas organizações, independentemente da linguagem dos diferentes signos ideológicos com que se reveste, é estritamente contra-revolucionário como manifestação de retrocesso.

A realidade é que o moderado, quer se autodenomine social-democracia, centro ou qualquer outro, nunca foi bom em anti-imperialismo. É por isso que evitam falar sobre isso. Mas é isso o que define a luta de classes em escala global hoje, continua sendo a aposta imperialista colonial contra a aspiração das maiorias a uma ordem socioeconômica que supere o capitalismo. Qualquer proposta que não enfrente este dilema e não tome o partido dos pobres é uma proposta de retrocesso e, portanto, do ponto de vista ideológico, contra-revolucionária.

Oscar Wilde encontrou a maior vileza naquele escravizador que fingia ser humano para tornar a vida mais aceitável para o servo, mas cujo objetivo era esconder a natureza exploradora do sistema de servidão. A relutância ao radicalismo, em nome de uma impossível reconciliação de classes, é exatamente isso: tornar sua condição de servo tolerável e natural para o colonizado.

Nós, revolucionários, também defendemos o fim do ódio, mas vemos que esse fim só é possível com o fim da injustiça social. Todos os nascidos em Cuba devem ser irmãos, mas com base em que ganhemos toda a justiça.

Antes de 1959, descobriu-se que alguns eram mais “irmãos” do que outros. O latifundiário cubano era mais irmão do latifundiário ianque do que do camponês cubano e, para ambos, a falsa condição de irmandade com o camponês acabou quando se trata de lhe pagar uma ninharia, ou quando o apetite incontrolável foi resolvido com o despejo.

A falsa irmandade do senhorio com o inquilino cubano acabou quando foi fixado o aluguel saqueador e, se não fosse pago, não havia nenhuma condição cubana que salvasse a família do despejo, incluindo os filhos, o avô, o cachorro e até o gato . Parece que alguns não gostariam que lembrássemos que a irmandade dos burgueses, por mais cubana que seja, só acontece com seus colegas de classe, sejam eles cubanos ou não.

Parece que alguns também gostariam que não lembrássemos que foram os moderados que se levantaram por conta própria da mesa da Revolução, em seus primeiros anos, assim que ficou claro que o único caminho para a verdadeira emancipação era através do antiimperialismo de raiz. , e quando o cheiro de humilde fortalecido provou ser demais para suas narinas refinadas. Uma coisa é falar da Revolução e outra é fazê-lo.

O bom moderado ensina um caminho de conciliações, enquanto nos diz que a solução para os problemas do mundo não é distribuir o peixe, mas ensinar a pescar. Mas não nos diz que, uma vez que você tenha habilidade para pescar, descubra que neste sistema-mundo capitalista, o dono da vara, do carretel, da rede e do anzol é 1% da população que, Feliz com a sua habilidade de criar riqueza, ela agora o força a entregar a maior parte da captura.

Em uma escala planetária, o sistema imperial global esgota os países pobres até o ponto em que sua capacidade coletiva de continuar entregando riqueza não está ameaçada, e quando eles saem do controle, há empréstimos financeiros de “resgate” para impedi-los de nosso colapso afeta a eficiência de pilhagem do sistema.

Mas o bom moderado não quer nos falar disso, assim como não quer nos dizer que nenhuma social-democracia jamais se ergueu organicamente, para denunciar e combater a depredação econômica imperialista sobre os países pobres. Pelo contrário, acomodam-se convenientemente ao mecanismo colonizador do imperialismo global, servindo-lhe de apoio como foro que necessita da sua cumplicidade ou, sem muito desgosto, pertencente ao exército imperial global, quer sob a sigla de OTAN, quer em alianças militares de “Aqueles dispostos” a atacar algum “canto escuro do planeta” infeliz.

O moderado, como o bom dono de escravos, quer naturalizar a pilhagem global de nós, dando-lhe roupas aceitáveis ​​ou convidando-nos, como se fosse possível para a maioria, fazer parte dos vencedores imperiais. Mas se uma nota dissonante ameaça a orquestra homogeneizadora capitalista, os moderados se afastam para que ganhe destaque o extremo que dizem abominar, mas que consideram necessário como corretivo aos radicais das revoluções. Sufocados os sons estridentes de Spartacus, sob a violência genocida, os piedosos moderados entram, para condenar os excessos dos dois extremos, igualando vítimas e perpetradores, e discursando, mais uma vez, sobre a necessidade da irmandade universal hipócrita dos democracia, assim, sem sobrenomes.

As Mediastintas deveriam implorar a seus aliados que tornassem as coisas mais fáceis para elas. Carlos Saldrigas, sobrinho burguês do ministro da ditadura de Batista, confessou publicamente, não faz muitos anos, como apostou sua fortuna para criar um “embrião de alternativa moderada e centrista” para Cuba. Curiosamente, alguns de seus anfitriões no pátio, durante a era Obama, reivindicaram “a mudança para o centro” como a forma de superar o radicalismo revolucionário anti-imperialista. Eles também precisam, como justificativa acadêmica, acusar a Revolução de ter sido presa no século XX, enquanto (ai, ironia, se houver) apelam para uma constituição da primeira metade do século passado, como referência intransponível. É uma pena que Martínez Heredia, Ana Cairo, Torres-Cuevas e tantos outros historiadores radicais “esmaguem” tantas vezes como, por uma revolução socialista de libertação nacional, o que, embora avançado em sua época, estava ancorado em um passado de reformismo que não conseguiu superar o capitalismo neocolonial.

O moderado de hoje, no campo de batalha da Revolução Cubana, submetido ao bombardeio criminoso do bloqueio que tudo condiciona, nos adverte com ar de sabedoria que a “Cuba possível” está longe dos extremos que, segundo eles, tocam. E enquanto as bombas caem como sanções, pregam que saímos das trincheiras sem armas, para chegarmos à metade, ali mesmo, onde o tiro do inimigo imperial é mais eficaz.

Deve-se lembrar aos moderados que Cuba é uma nação fundada no radicalismo de Martí, Mella, Guiteras e Fidel, e a esse radicalismo revolucionário que nos devemos aos humildes, pelos humildes e por todos os humildes deste planeta. E que, ao contrário da pregação conciliatória, em face do império que ameaça cobrir o sol com suas garras, esse povo radical, se necessário, em vez de se render, continuará lutando nas sombras.

Retirado do Jornal Granma

Guaidó se autoproclama presidente e chefe do Parlamento novamente.

#Venezuela #NicolasMaduro #EstadosUnidos #Guido #PDVSA #CITGO #GPP #InjerenciaDeEEUU

Retirado de Hispantv

Juan Guaidó viola a Constituição venezuelana, proclamando-se mais uma vez presidente com comando do país e também chefe do Parlamento.

A Assembleia Nacional (AN) da Venezuela, eleita em 2015 chefiada pelo líder da oposição, concordou no sábado em prorrogar por mais um ano a legislatura dos atuais deputados, bem como a gestão de Guaidó no cargo de presidente da mesma e “Agente encarregado” do país, em ato contrário à Constituição venezuelana, que dita que os representantes ao Parlamento eleitos pelos venezuelanos durante o processo eleitoral de 6 de dezembro devem ser postos à prova.

El líder opositor venezolano Juan Guaidó (centro), se vuelve a autoproclamar presidente del Parlamento, Caracas, 7 de enero de 2020. (Foto: AFP)

No entanto, a extensão das funções da Assembleia Nacional – desacatada desde 2016 – não teve o aval da Acción Democrática (AD), o segundo maior partido da oposição, decisão tida como um novo sinal da divisão nas frações direito. AD se absteve de votar.

O vice-ministro de Comunicação Internacional do Ministério das Relações Exteriores da Venezuela, William Castillo, condenou o ato e o classificou como o “teatro do absurdo”, estrelado pela direita.

Nesse contexto, Castillo revelou as negociações que o partido Ação Democrática teve que condicionar seu voto a favor das novas arbitrariedades jurídicas cometidas por Guaidó e seus cúmplices, pelas quais pretendiam assumir o controle de negócios lucrativos no país no exterior.

“Dizem que a AD pediu para ser“ dada a CITGO ”(subsidiária da estatal Petróleos de Venezuela ou PDVSA) para votar a favor da farsa que chamam de reforma do Estatuto de Transição, que estende o mandato de Guaidó em Nárnia indefinidamente. Eles negaram e ele se absteve. Este é o teatro do absurdo no mundo da direita ”, afirmou a manchete venezuelana.

Maduro: Se va la Asamblea que detruyó el país por votos del pueblo | HISPANTV

Maduro: Trump levou a oposição venezuelana à loucura.

Nas eleições de 6 de dezembro, a aliança Chavista Gran Polo Patriótico (GPP) venceu com um total de 256 legisladores em 277.

A nova legislatura terá início em 5 de janeiro de 2021, data em que termina o mandato da atual Assembleia Nacional.

Chavismo questiona a atuação dos direitistas nesses cinco anos na AN. Ele denuncia que Guaidó e seus aliados são lacaios do imperialismo e a única coisa que fizeram foi promover sanções contra a Venezuela e prejudicar os interesses do país.