Porque é que o #SAUDIARABIA nos vai preocupar neste DECADE?

#EstadosUnidos #Terrorismo #OrienteMedio

Três aniversários .

#EstadosUnidos #Terrorismo

Por: David Brooks

Posted in: Curiosidades Americanas

“A urgência feroz de agora. Agora não é o momento para nos darmos ao luxo de calma ou de tomar a droga calmante do gradualismo. Agora é o momento de cumprir as promessas da democracia”, declarou o Reverendo Martin Luther King Jr. dos passos do Lincoln Memorial no culminar da histórica Marcha pelo Emprego e Liberdade em Washington em 1963.

Apenas 58 anos depois, no sábado passado, milhares de pessoas marcharam para o mesmo local e em cerca de 40 cidades por todo o país, com veteranos do grande movimento de justiça racial do Rei – que evoluiu para incorporar a luta contra a injustiça económica do capitalismo e do militarismo imperial – abraçados pelas novas gerações, ecoando as suas palavras e compromisso moral.

A EXIGÊNCIA CENTRAL E UNIDA DO MOSAICO DESTA MOBILIZAÇÃO FOI ALGO QUE NÃO É SENÃO ESPANTOSO DENTRO DO PRÓPRIO PAÍS QUE NUNCA DEIXA DE SE PROCLAMAR O “FAROL DA DEMOCRACIA” NO MUNDO: O PLENO DIREITO AO VOTO.

O Reverendo William Barber, que com outros ressuscitou a Campanha do Pobre Povo – a última iniciativa do Rei antes de ser assassinado – comentou nos eventos do aniversário que “todo o americano deve estar pré-ocupado… pode já ser uma oligarquia civil e não uma democracia, e o passo seguinte é uma autocracia”. Liderar marchas, manifestações e acções de desobediência civil em todo o país para defender os direitos de voto face a quase 400 iniciativas lideradas pelos Republicanos para suprimir o voto, especialmente para as minorias e os pobres, em 48 estados (pelo menos 18 estados já implementaram legislação para esse fim). Barber observou que as mesmas forças que estão a suprimir o voto, “estão a suprimir o salário vivo, os cuidados de saúde universais, os direitos dos imigrantes… tudo isto está ligado”.

Ao mesmo tempo, o 20º aniversário do 11 de Setembro e a proclamação da “guerra ao terror” está prestes a ser assinalado. Como Howard Zinn avisou na altura, o termo é absurdo, uma vez que “toda a guerra é terrorismo”. Além disso, a aparentemente eterna declaração de guerra foi também uma declaração de guerra contra as liberdades civis e os direitos humanos dentro deste país e em qualquer parte do mundo onde Washington quisesse operar conduzindo detenções em massa arbitrárias, lançando novos sistemas de espionagem em massa de cidadãos, desaparecimentos, tortura, e campos de concentração (Guantanamo), assassinatos e mais – tudo supostamente proibido por lei. E o medo utilizado para justificar tudo isto.

QUARENTA ANOS MAIS TARDE, TODOS TESTEMUNHAM O FIM DESASTROSO DA AVENTURA DE GUERRA DOS “NÓS” NO AFEGANISTÃO, A PRIMEIRA FRENTE NESSA GUERRA CONTRA O “TERROR”. CIRCULA UMA PIADA: “SE ALGUMA VEZ SE SENTIREM INÚTEIS, LEMBREM-SE QUE FORAM PRECISOS 20 ANOS, MILHARES DE MILHÕES DE DÓLARES E QUATRO NÓS PRESIDENTES PARA SUBSTITUIR OS TALIBÃS PELOS TALIBÃS”.

Ao mesmo tempo, em mais um lembrete da emergência da mudança climática, o mega-furacão Ida está a devastar a região devastada pelo furacão Katrina exactamente há 16 anos atrás neste domingo.

Ao contrário do Katrina, o Ida chega agora a um território sitiado pelo Covid-19. Em Nova Orleães, os hospitais não conseguiram evacuar os doentes para outras partes da região porque não há espaço, relata Ap. Se a tempestade obrigar as pessoas a refugiarem-se em centros maciços como da última vez, os especialistas em saúde pública prevêem um pesadelo de contágios. Como sempre, as consequências mais graves das alterações climáticas, como a pandemia, são suportadas pelos mais pobres e mais vulneráveis.

Três aniversários marcam a conjuntura americana. É como se os fantasmas do passado se tivessem juntado para enviar uma mensagem clara e directa ao presente: ataques aos direitos democráticos, guerras e alterações climáticas estão a colocar o futuro de todos em perigo.

Aqueles que sempre resgataram este país de baixo precisam mais do que nunca da solidariedade das forças progressistas de todo o mundo para agirem face a esta “urgência feroz do presente”.

Tirada de CubaDebate

Afeganistão: Outra fraude feita nos EUA?

#EstadosUnidos #URSS #AlQaeda #CIA #OrienteMedio #DonaldTrump #TerrorismoDeEEUU #OTAN #Afganistan


Por Redacción Razones de Cuba

Por NÉSTOR NÚÑEZ DORTA

Se é um daqueles que gosta de mergulhar na história contemporânea, deve ter-se deparado com este julgamento de vários “think tanks” americanos: de hoje e para o futuro, quem “dominar a Eurásia dominará o mundo”. Isto implica, em linguagem rotunda, que as forças que se instalam definitivamente nesses quintais poderão mais do que satisfazer os seus apetites supremacistas… e o Afeganistão é uma parte substancial dessa receita.

A história deste embaraço remonta aos anos 70, quando os serviços de inteligência americanos, sionistas, ocidentais e vários serviços regionais e parceiros regionais conspiraram para derrubar o progressivo governo afegão, fomentando grupos armados liderados por vários senhores da guerra. O então Conselheiro de Segurança Nacional polaco Zbigniew Brzezinski, por exemplo, promoveu a partir de Julho de 1979 “assistência maciça aos chamados mujahedin para dois objectivos fundamentais: destituir as autoridades nacionais e promover o envolvimento militar soviético a fim de dar a Moscovo “o seu próprio Vietname”.

De facto, em Dezembro desse mesmo ano, as tropas da URSS atravessaram as fronteiras ao apelo de Cabul, apenas para se envolverem num conflito que só deixariam nove anos mais tarde, em Maio de 1988, com os EUA contentes por terem sido apanhados na armadilha. Nessa altura, Brzezinski admitiu a estreita aliança de Washington com grupos terroristas como a Al Qaeda ao minar os soviéticos e argumentou, quando questionado pela imprensa, que “armar e apoiar um par de muçulmanos fanáticos” valia bem a pena se isso significasse dar um duro golpe no Kremlin.

Em 1994, porém, o Afeganistão tinha-se tornado uma manta de retalhos virtual de gangues e senhores da guerra que se lançavam ao poder, enquanto outras “dificuldades” chegavam à mesa da Sala Oval. O influente consórcio de energia americano UNOCAL, um dos seus principais conselheiros foi o afegão-americano Zalmay Khalilzad, intimamente ligado à CIA e à Casa Branca, exigia “estabilização” no Afeganistão para que pudesse mover os seus oleodutos e gasodutos através do país a caminho do Oceano Índico.

E, neste contexto, os Talibãs, extremistas maioritariamente treinados em madrassas paquistanesas e amigos leais de Osama Bin Laden e da Al Qaeda, foram escolhidos por Washington para a assustadora tarefa de “reunificação”. Com uma força e poder de guerra sem precedentes, os “jovens estudantes” ocuparam imediatamente grandes extensões do Afeganistão, sob os olhos alegres dos Estados Unidos e dos seus aliados, apenas que três anos mais tarde a tarefa não tinha sido cumprida, e a UNOCAL estava de volta com a sua insatisfação. Assim, a tentativa oficial gringo de uma “coligação” de autoridade nacional como uma nova opção para o Afeganistão desagradou grandemente a Osama Bin Laden e aos Talibãs, que resolveram morder a mão dos seus antigos licitantes.

O resto é bem conhecido: os ataques de 11 de Setembro de 2001, a invasão “anti-terrorista” do Afeganistão e de grande parte do Médio Oriente e da Ásia Central, a saga que presumivelmente pôs fim à vida do líder da Al Qaeda e deixou intacta a possibilidade de “continuar a colaborar” de mãos dadas com essa entidade e com os seus descendentes no Iraque, Líbia e Síria, e de promover outros agrupamentos extremistas regionais, tais como o brutal Estado islâmico…

Partir… mas ficar
Há duas décadas que as tropas norte-americanas e aliadas “fazem o seu trabalho” no Afeganistão (onze anos mais do que os “agressores” soviéticos), e à medida que aparentemente começam a sua retirada, o país permanece tão confuso, cortado em pedaços e instável como no virar do século passado. Nesse tempo, diz-se que mais de 100.000 nacionais perderam a vida e que a economia diminuiu significativamente. Entretanto, uma cadeia de violência toma o lugar do que deveria ter sido a paz e o progresso.

O egocêntrico Donald Trump, que prometeu na sua campanha pôr fim às “guerras sem sentido” da América em todo o mundo, levou os seus quatro anos no cargo para finalmente apelar aos Talibãs, sem consulta prévia às autoridades de Cabul, para negociarem a sua retirada unilateral, num gesto que não poucos se identificam com a ideia de que tudo será permitido aos outrora favoritos da Casa Branca, que de imediato iniciaram a tarefa de atacar as capitais regionais, ocupando províncias inteiras, e tornando-a muito difícil para as potências oficiais.

E estas não são disquisições ociosas. Acontece que nas últimas semanas, em declarações ao website canadiano Global Research, Lawrence Wilkerson, antigo chefe de gabinete do Secretário de Estado Colin Powell entre 2001 e 2005, afirmou claramente que o que tem acontecido no Afeganistão com a suposta retirada militar dos EUA é apenas uma mudança na direcção da guerra, que agora apontará “para a China, Rússia, Paquistão, Irão, Síria, Iraque e Curdistão”. É, disse ele, uma luta pelo petróleo, água e energia em geral. Portanto, a presença dos EUA no Afeganistão vai crescer… não vai diminuir. Uma conclusão muito distante das afirmações do Ministro da Defesa russo Sergey Shoigu, que afirmou que o movimento das tropas dos EUA até agora destacadas no Afeganistão mostra que não se trata de um “acto firme” mas sim de uma tentativa de “criar raízes” na região da Ásia Central.

É bem conhecido que após o anúncio da implementação do “programa de paz” com os Taliban, os funcionários de Washington tentaram convencer as nações limítrofes do Afeganistão e das antigas repúblicas soviéticas na Ásia a permitir a presença de contingentes militares nos seus respectivos territórios. Por seu lado, analistas e estudiosos concordaram que, embora a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e os próprios Estados Unidos reconheçam o fracasso da sua longa intervenção militar em solo afegão, não abandonaram certamente os seus planos agressivos e expansionistas numa área de enorme importância geoestratégica para os planos hegemónicos dos EUA atingidos.

O que é certo é que após duas décadas de conflito, a morte de dezenas de milhares de civis, a destruição material maciça e o aumento dos níveis de violência e de tráfico de droga são o único legado de Washington e dos seus aliados para a população afegã despedaçada. E não podemos deixar de notar energicamente que, de acordo com notícias dos media internacionais, “a partida das tropas norte-americanas chega numa altura em que o grupo armado talibã controla cada vez mais território, tornando legítimo considerar a possibilidade de os fundamentalistas poderem regressar ao poder com a ajuda encoberta da Casa Branca” e a presença adicional no país das tropas estatais islâmicas derrotadas trazidas da Síria por Washington.

Extraído da Boémia

¿Del SOS Cuba al SOS Miami?

#CubaPorLaSalud #EEUUBloquea #EliminaElBloqueo #PuentesDeAmor #CubaSeRespeta #NoTeDejesConfundir

OEA em foco: décadas de duplicidade de padrões e interferência selectiva reacendem a controvérsia.

#OEA #EstadosUnidos #AmericaLatina #OTAN #GuerraFria #DerechosHumanos

IAPA e Amnistia Internacional: Os dois estão deitados um na garganta do outro.

#MafiaCubanoAmericana #ManipulacionMediatica #MercenariosYDelincuentes #FakeNewsVSCuba #ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea

Em Cuba e na América Latina, temos material suficiente sobre ambas as instituições para as conhecer e definir… e, ao mesmo tempo, para as repudiar.

A IAPA, ou seja, a Associação Interamericana de Imprensa, sempre foi um porta-voz dos proprietários da grande imprensa, dos monopólios de informação, estreitamente aliada ao poder daqueles que nela têm uma retaguarda segura para a defesa dos seus interesses económicos.

Com este endosso, logicamente, não poderia ser deixado de fora do grande espectáculo provocatório para alterar a ordem em Cuba. A sua tarefa era clara: entrar na ofensiva contra o governo cubano e, supostamente, fazê-lo com base na “defesa do jornalismo independente”.

A agência noticiosa espanhola EFE estava encarregada de expressar as suas opiniões com os seus despachos de Miami: “a situação em Cuba merece decisões urgentes por parte da comunidade internacional”.
Esta foi a opinião expressa pelo Presidente da SIP Jorge Canahuati e pelo presidente do Comité para a Liberdade de Imprensa e Informação, Carlos Jornet, numa declaração sobre três alegados jornalistas detidos em Camagüey após os motins de 11 de Julho.

Pediram nada menos que a Comissão Interamericana dos Direitos Humanos – a outra parte desta mesa – para “conceder urgentemente medidas cautelares a favor dos “três jornalistas detidos e mantidos incomunicáveis”.

Outra notícia, esta da CNN americana em espanhol, recorre a uma montagem grosseira e argumenta que “os jovens cubanos avisam que vão continuar nas ruas apesar do sangue que manchou a sua bandeira”.

Neste caso, entrevistam uma personagem bastante obscura na região, Erika Guevara Rosas, directora para as Américas da Amnistia Internacional, que se considera uma especialista em direitos humanos.

Ela disse à estação de televisão que desde domingo tem vindo a monitorizar o uso excessivo da força e detenções arbitrárias em protestos espontâneos que rapidamente se espalharam por 58 localidades em todo o país.

Neste caso vale a pena salientar o “uso excessivo da força”, as “detenções arbitrárias” e as “58 localidades” do país onde as manifestações tiveram lugar.

Tais mentiras são muito fáceis de combater, porque os únicos que usaram força excessiva foram as pessoas violentas cheias de ódio, que partiram montras de lojas, esmagaram edifícios, esmurraram, feriram pessoas com pedras e paus, destruíram carros estatais e privados e até atacaram um hospital infantil.

Todas as detenções que tiveram lugar foram feitas sob regras estritas de respeito pela lei e pela integridade dos cidadãos, e onde cada detido tem os direitos legais estabelecidos.

Quanto às 58 localidades, não conheço o mecanismo de contagem que a CNN tem de ser tão exacto ao fazer esta declaração.

Esta estação de televisão ecoa a afirmação do funcionário da Amnistia Internacional que, além disso, foi capaz de contar uma mentira grosseira ao dizer que “o governo cubano está a pressionar ou a recrutar jovens, incluindo menores, para se manifestarem a seu favor, até mesmo para chocar com aqueles que protestam”.

E, como parte do esquema de desinformação, noutra entrevista à BBC Mundo, Guevara-Rosas denunciou que “registaram pelo menos 247 pessoas que foram detidas ou estão desaparecidas”.

Os representantes das agências e outros meios de comunicação social sabem muito bem que em Cuba não há detenções arbitrárias nem pessoas desaparecidas. Em qualquer caso, os meios de comunicação em questão e o vedet entrevistado têm o país errado: Cuba não é o Chile e os seus carabineros; a nossa força policial não é constituída por supremacistas brancos que matam ou ferem pessoas negras todos os dias nos Estados Unidos, para dar apenas dois exemplos.

Denunciam novas ações violentas contra #Cuba financiadas pelo exterior.

#Cuba #AccionesViolentas #RedesSociales #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #CubaSeRespeta #TerrorismoMadeInUSA

Cuba: Eles celebrarão virtualmente a Marcha das Tochas.

#Cuba #JoséMartí #MarchaDeLasAntorchas #TenemosMemoria #SomosContinuidad #AmericaLatina

“A América vive a loucura dos supremacistas que odeiam o povo” .

#NicolasMaDURO #Venezuela #Capitolio #EstadosUnidos #ForaTrump #NoMoreTrump #DonaldTrumpCulpable #InjerenciaDeEEUU #TerrorismoMadeInUSA

Direitos Humanos nos Estados Unidos: Esterilização Forçada.

#DerechosHumanos #DDHH #EstadosUnidos #DonaldTrumpCulpable #ForaTrump #NoMoreTrump #AmericaLatina #EEUUBloquea #CubaSalva #ElBloqueoEsReal

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Um novo crime abala a opinião pública mundial pela dose de insensibilidade que demonstra e pelo caráter desumano e racista de seus executores.

O Serviço de Controle de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos, ICE por sua sigla em inglês, foi acusado de remover o útero de imigrantes sob custódia daquela instituição.

A denúncia foi apresentada ao Escritório do Inspetor Geral (OIG) do Departamento de Segurança Interna (DHS) pelo Project South, Georgia Detention Watch, Georgia Latino Alliance for Human Rights e South Georgia Immigrant Support Network.

Os querelantes foram atingidos pelo alto índice de mulheres no Irwin County Detention Center (ICDC) na Geórgia – operado pela La Salle Corrections, uma empresa privada de prisão – submetidas a histerectomia nos últimos meses, cirurgia em aquele que remove todo ou parte do útero.

El Servicio de Control de Inmigración y Aduanas de Estados Unidos, ICE por su sigla en inglés, ha sido acusado por la extirpación del útero a inmigrantes bajo custodia de esa institución

As mulheres imigrantes que se submeteram ao procedimento foram enganadas sob a promessa de receber atendimento médico para resolver diversos problemas de saúde, noticia o jornal The New York Times.

Mas o caso não para por aí. Todos os dias, novos depoimentos de mulheres esterilizadas continuam a aparecer em diferentes centros de detenção, o que constitui uma violação da autonomia do corpo e dos direitos reprodutivos das detidas.

Cerca de 173 legisladores federais dos Estados Unidos enviaram uma carta ao Inspetor Geral do Departamento de Segurança Interna exigindo uma investigação imediata das queixas feitas: “Estamos horrorizados ao ver relatos de histerectomias massivas realizadas em detidos sem consentimento completo e informado.”

Porém, esse tipo de prática não é novidade naquele país. As autoridades norte-americanas em diferentes períodos da história as utilizaram, sobretudo, contra afrodescendentes, mexicanos, indígenas e prisioneiros.

No início do século 20, leis eugênicas foram promovidas em 32 estados, o que permitiu a esterilização de mais de 60.000 mulheres consideradas mentalmente deficientes ou mentalmente fracas e, mais recentemente, nas prisões da Califórnia 150 mulheres foram vítimas dessa prática entre 2006 e 2010.

O US Government Accountability Office publicou um relatório em 1976 sobre esterilizações realizadas em mulheres pertencentes a povos indígenas. Em quatro das 12 regiões investigadas, 3.406 operações foram realizadas entre 1973 e 1976 sem o consentimento das mulheres.

Em 1962, o Corpo de Paz dos Estados Unidos realizou a histerectomia forçada de mulheres indígenas na América Latina, aproveitando a boa fé, a ignorância e a necessidade das populações empobrecidas.

Mulheres guatemaltecas foram utilizadas em experimentos com produtos químicos e outros procedimentos que causam infertilidade permanente, financiados pela organização internacional Population Council, de acordo com o relatório Do controle da natalidade ao genocídio, elaborado pelo médico espanhol Alfredo Embid, coordenador do a Associação de Medicina Alternativa da Espanha.

No relatório do Dr. Embid, afirma-se que essas foram políticas implementadas pelos Estados Unidos em países do terceiro mundo, e detalha casos nas Filipinas, Indonésia, Índia, Bangladesh, Colômbia, República Dominicana, Porto Rico, El Salvador, Panamá, Bolívia, Brasil e Peru.

Essas práticas do governo dos EUA violam não apenas os princípios éticos e morais, mas também os direitos humanos das vítimas.