Confissões da USAID: nova fase de pressão e interferência contra a Venezuela.

#ElBloqueoEsreal #CubaPorLaPaz #AmericaLatinaUnida #InjerenciaDeEEUU #USAID #NED #TerrorismoMadeInUSA

Por Redacción Razones de Cuba

A 15 de Setembro, Marcela Escobari, a actual administradora assistente para a América Latina e Caraíbas da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), deu um testemunho perante a Comissão de Relações Externas do Senado dos EUA, no qual avalia a política de Washington em relação à Venezuela, mais especificamente, a da referida agência.

Como sabemos, a USAID, através de apoio financeiro e programas de formação, faz parte do aparelho intervencionista dos EUA e tem influenciado os assuntos internos da Venezuela durante vários anos, com cada vez menos discrição.

Imagen de Razones de Cuba

O ponto mais relevante no testemunho de Escobari é aquele que mostra as acções que a agência irá tomar a partir de agora, tendo em conta o fracasso da operação Guaidó, por um lado, e as medidas tomadas pelo governo venezuelano para restaurar a ordem política e conseguir alívio no sector económico, mesmo no meio de medidas coercivas unilaterais.

Antes disso, Escobari defende que, segundo a USAID, o governo dos EUA deve continuar a financiar a interferência “humanitária” na Venezuela. É claro que os dados ou são arbitrários (utilizando o seu próprio sistema de fontes) ou retirados do contexto, mas conhecer os mais importantes dar-nos-á uma melhor visão dos elementos que continuarão a ser explorados como uma narrativa contra o país.

CAMPANHAS DE MENTIRAS PARA JUSTIFICAR O PRÓXIMO PASSO
O primeiro destes aborda a situação económica actual. A USAID tenta minimizar o progresso do Estado venezuelano nesta questão, o que se tem reflectido numa taxa de câmbio parcialmente estável, na recuperação da actividade comercial e na erradicação da hiperinflação.

De acordo com o FMI, a economia da Venezuela contraiu-se de 352,2 mil milhões de dólares em 2012 para 46,5 mil milhões em 2021, um declínio de 86,8 por cento. Mesmo que a economia crescesse de acordo com a estimativa do regime de 10% em 2022 – e isso é improvável – o declínio continuaria a ser de 85,5%.

A parte acima citada utiliza dados do FMI (o organismo que se recusou a dar à Venezuela 5 mil milhões de dólares em direitos de saque especiais que seriam utilizados para combater a pandemia e que, desde o início, legitimou a taxa do dólar contra o bolívar no mercado paralelo ilegal) para sublinhar a ideia de que a Venezuela não está a sofrer qualquer recuperação económica e que é necessária “intervenção”.

Uma afirmação que é fácil de desmantelar, uma vez que existem dados suficientes de organismos independentes para apoiar a tese de que as erradas “sanções” emitidas pelos Estados Unidos, e também pela União Europeia, prejudicaram a economia venezuelana e afectaram a situação humanitária, especialmente no que diz respeito à alimentação e à saúde. O relatório da Relatora Especial da ONU, Alena Douhan, é um deles. As conclusões sobre a situação na Venezuela foram apresentadas após entrevistas com actores institucionais e vários sectores políticos.

Outra questão abordada pela avaliação da USAID é a migração. Apresenta números desproporcionados sobre a migração venezuelana (e não menciona nada sobre o sempre crescente afluxo de venezuelanos de regresso ao país) e, tirando partido do contexto da guerra na Ucrânia, faz uma comparação que manipula ambos os casos de migração e torna o venezuelano mais urgente. Algo semelhante foi feito pelo anti-Chavismo com a Síria. David Smolansky, líder do partido Voluntad Popular, faz sempre comparações que procuram exagerar a situação migratória na Venezuela.

Recordemos quem a administração Biden pôs a cargo da USAID. Samantha Power, a primeira promotora da intervenção militar na Líbia e da interpretação mais violenta da doutrina R2P (responsabilidade de proteger), acrescentou novos ingredientes à narrativa da diáspora venezuelana, incluindo a exploração mediática das travessias migratórias através da selva de Darien, entre a Colômbia e o Panamá, e do Rio Bravo, entre o México e os Estados Unidos, para manter viva a narrativa. Não é, portanto, surpreendente que um dos tópicos da avaliação de Escobari sobre a Venezuela esteja enraizado na suposta crise migratória.

Finalmente, um parágrafo é dedicado à habitual deslegitimação das instituições venezuelanas, acusando o governo de Maduro de “corrupção, censura e coerção”. A ênfase é colocada na alegada perseguição política e detenções, e é apoiada por relatórios questionáveis da OEA e da Missão “Independente” da ONU sobre a Venezuela, bem como por defensores auto-nomeados dos direitos humanos que frequentemente recebem financiamento da própria USAID.

O governo venezuelano forneceu todos os instrumentos para o Tribunal Penal Internacional (TPI) determinar a situação dos direitos humanos na Venezuela, tendo mesmo conseguido que a instituição abrisse um escritório em Caracas para mais ligações.

Do mesmo modo, desde 2019, tem implementado mecanismos de cooperação e assistência técnica com o Gabinete do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos e tem-lhe permitido realizar o seu trabalho em total liberdade.

Os relatórios resultantes de ambas as articulações contrastam com a campanha de mentiras que procuram criminalizar a Venezuela e com os relatórios publicados pelo antigo Alto Comissário da ONU, Michel Bachelet, antes de trabalhar em coordenação com o governo venezuelano.

O ROTEIRO E ALGUNS CENÁRIOS
A última parte do documento é a mais valiosa (“apoio à transição democrática”), como dissemos no início, uma vez que expõe as principais características do plano da USAID na Venezuela. Refere-se a “três áreas para promover a unidade da oposição e pressionar para a melhoria das condições eleitorais”. Diz que continuará a apoiar o “governo interino”, mas também apoiará a iniciativa de uma primária eleitoral para a participação subsequente nas eleições presidenciais.

A USAID admite abertamente que irá apoiar a formação de um candidato anti-Chavista para concorrer naquilo a que chama desde o início “eleições não livres”. Nesta fase do jogo político, sabemos que quando diz “apoio” significa ajustar um que segue os requisitos da Casa Branca.

Neste sentido, a agência declara a sua intenção de financiar meios de comunicação e ONGs que queiram servir de plataforma para dar maior profundidade à questão da “crise migratória” e da “violação dos direitos humanos”.

Isto não é algo que a USAID não tenha tentado antes. Desde há duas décadas, cada campanha eleitoral na Venezuela tem sido acompanhada por milhões de dólares, fornecidos pela agência norte-americana aos meios de comunicação e ONGs, para reforçar os candidatos anti-Chavista ou alimentar a narrativa de “fraude eleitoral”, conforme o caso. Em 2021, por exemplo, foi criado um novo recurso de interferência estrangeira (Monitor Venezuela) com a Universidade Católica Andrés Bello (UCAB), o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Imprensa (SNTP) e a associação civil Súmate, cujo objectivo era conspirar e desinformar sobre as eleições regionais e municipais.

Outro precedente que deve ser observado: no contexto do golpe de Estado de 2002, a USAID começou a financiar um projecto de apoio a grupos da oposição na Venezuela, sob o pretexto da promoção da democracia. A agência nem sequer tentou esconder que se tratava de um programa de mudança de regime; foi baptizada de “Gabinete de Iniciativas de Transição (OTI)”. Guaidó também funcionava com a ajuda desse escritório.

O governo dos EUA está a reajustar a sua estratégia face à nova paisagem venezuelana. O documento da USAID é um sinal, assim como a participação de alguns presidentes da região da América Latina durante os debates da 77ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas. Influenciados pela sua relação com os Estados Unidos, Jair Bolsonaro (Brasil) e Gabriel Boric (Chile) exploraram a questão da migração venezuelana, enquanto Mario Abdo Benítez (Paraguai) falou em liderar uma investigação sobre alegadas violações dos direitos humanos na Venezuela.

O reforço da manipulação perceptual contra o país, através da migração venezuelana e dos direitos humanos, poderia também servir de desculpa para o governo dos EUA sabotar o diálogo político, o que adiaria as sessões de diálogo entre o governo e a oposição no México. Isto seria útil para mais pancada na economia venezuelana, que está a mostrar sinais prematuros de recuperação. Desta forma, haveria um ambiente mais favorável para produzir um novo consenso e percepção sobre o dossier venezuelano.

Há muitos cenários possíveis nesta reedição da agenda de pressão contra a Venezuela, e a urgência e o desespero são ainda maiores, dado que o país, contra todas as probabilidades, conseguiu responder e sair da guerra não convencional contra ela com distinção.

Extraído de Misión Verdad

A USAID financia novo ataque à colaboração médica cubana.

#MédicosCubanos #ManipulaciónMediática #MafiaCubanoAmericana #USAID #NED #CubaPorLaSalud #CubaPorLaPaz

Por Redacción Razones de Cuba

Os inimigos da Revolução não cessam nos seus esforços para demerir as mais altas realizações do processo de emancipação. Isto é demonstrado pelas provas apresentadas pelo analista mexicano Katu Arkonada na sua conta do Twitter, sobre um novo episódio na campanha contra a colaboração internacionalista de médicos das Grandes Antilhas.

Desta vez, a tentativa anti-cubana está centrada no senador mexicano Julen Rentería del Río, membro do Partido de Acção Nacional. Com a ajuda da Agência para o Desenvolvimento Internacional (USAID) e da corrente reaccionária em Miami, Rentería está a atacar a colaboração médica utilizando duas linhas de mensagem principais. Segundo o membro do Conselho de Coordenação Política do Senado da República, a presença dos especialistas “não é necessária” e à chegada ao seu país, eles seriam enviados para zonas de conflito.

Imagen de Razones de Cuba

Ambas as afirmações são falsas. Procuram reforçar a campanha do governo dos EUA e da máfia de Miami para prejudicar a imagem da colaboração internacionalista cubana, numa vulgar tentativa de a associar ao tráfico de seres humanos.

Quem é Julen Rementería?

Este personagem já tinha tido contacto com os interesses da máfia de Miami e do governo dos EUA em 2020, quando denunciou a alegada contratação ilegal de uma brigada de pessoal médico cubano que chegou à nação vizinha para ajudar no confronto com o Covid 19. Utilizou documentos falsificados para apoiar as suas declarações, um sinal claro dos negócios obscuros e da falta de credibilidade desta figura política.

O senador Julen Rentería del Río lidera nova tentativa de campanha contra Cuba

Rementería tem ligações directas com o terrorista Orlando Gutiérrez Boronat, líder do Directorio Democrático. Esta organização desempenhou um papel importante no incitamento à violência durante os motins de 11 de Julho de 2021 na ilha e juntou-se ao coro da campanha maliciosa em torno da hashtag SOSCuba. Está também ligado à chamada Fundação para os Direitos Humanos em Cuba (FDHC), há muito activa contra a medicina cubana e a sua influência positiva na região.

Segundo fontes próximas do gabinete senatorial, uma delegação das FDHC visitou o México de 15 a 18 de Novembro do ano passado, com o objectivo de se encontrar com a Rementería del Río. Entre os membros do comité encontravam-se nada mais nada menos que Pedro Rodríguez, antigo director da Fundação Nacional Cubana Americana terrorista, e Hugo Acha Melgar, participante numa tentativa de assassinato contra o ex-presidente boliviano Evo Morales. Juntamente com Erick Cartelle do FDHC e a política da oposição Margarita Zavala, celebraram os resultados da campanha contra os médicos cubanos.

O papel da USAID e do governo dos EUA

Margarita Guerra, Directora de Programa do escritório da USAID para a América Latina e Caraíbas, coordena e gere o financiamento para este novo ataque a Cuba. Os dados apontam para uma extensão do financiamento com novos fundos, em Outubro de 2021 e Setembro do corrente ano.

Para confirmar a filiação das acções do político mexicano, vozes da extrema direita sediada nos Estados Unidos juntaram-se à campanha, tais como Ibrahim Bosch, do chamado Partido Republicano de Cuba, e Rosa María Payá, porta-voz desacreditada da ala mais radical dos interesses anti-cubanos.

Repetem a mesma velha mensagem, apelando aos profissionais para que abandonem as suas respectivas missões. O mesmo cão com a mesma coleira, poderíamos dizer.

A colaboração de Cuba e do México estende-se também ao sector da saúde.

Desde o triunfo revolucionário, mais de 400.000 cubanos prestaram cooperação médica internacional em mais de 130 países. Estes incluem muitos países das Américas, tais como Brasil, Nicarágua, El Salvador, Honduras, Bolívia, Venezuela, Haiti, Belize, Peru, Guatemala e México.

No contexto da luta global contra a pandemia de Covid 19, a ilha de Antillean estendeu também a sua mão de solidariedade aos cantos do mundo que a solicitaram. É o caso da Itália e Andorra, que apesar de serem nações desenvolvidas, reconheceram a qualidade e dedicação dos médicos cubanos e solicitaram os seus serviços.

Mais tarde, em meados de Julho de 2022, um contingente de sessenta especialistas de saúde chegou à nação asteca para atender aos sectores mais vulneráveis. Mais uma vez, a vocação humanista da Revolução Cubana, juntamente com o profundo laço de colaboração estabelecido entre os dois países ao longo da história, é evidente.

No que diz respeito às campanhas difamatórias contra o internacionalismo cubano no sector da saúde, é apropriado retomar as declarações do nosso Ministério dos Negócios Estrangeiros:

O ACESSO À SAÚDE É UM DIREITO HUMANO. O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS COMETE UM CRIME QUANDO TENTA PRIVAR AQUELES QUE RECEBEM ESTES SERVIÇOS GRAÇAS AOS ACORDOS BILATERAIS ASSINADOS LIVRE E SOBERANAMENTE ENTRE CUBA E DEZENAS DE GOVERNOS, E COMO RESULTADO DO TRABALHO PROFISSIONAL, DEDICADO, ALTRUÍSTA E SOLIDÁRIO DE CENTENAS DE MILHARES DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE CUBANOS.

Neste momento, é claro quem é o verdadeiro terrorista, quem está a atacar o bem da humanidade.

Novo capítulo da acção federal contra Cuba, mais asfixia e mais terror.

#MédicosCubanos #CubaPorLaSalud #CubaPorLaPaz #RedesSociales #ManipulaciónMediática #USAID #MafiaCubanoAmericana

Un “TABO” en Miami.

#CubaEsJusta #CubaViveYTrabaja #LaVerdadDeCuba #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes

O MIAMI tem muito disto para dispensar… certo?

#CubaViveYTrabaja #CubaNoEsMiami #MafiaCubanoAmericana #CubaNoEstaSola

Miami cockatoo, Frank Calzon esmagado pelos cubanos.

#MafiaCubanoAmericana #ManipulaciónMediáticas #MercenariosYDelincuentes #ConCubaNoTeMetas #RememberGirón

Os palhaços vêm, eles vêm a palhaços por aí. São até mágicos, desaparecem as vacinas.

#SOSViolenciaEnUSA #ViolenciaEnMiami #CubaVive #CubaNoEsMiami #CubaEsSegura #SubversionContraCuba

Presidente de Cuba critica duplo padrão da política dos EUA.

#CubaNoEsMiami #ManipulaciónMediática #EEUUBloquea #CubaSalva #DerechosHumanos

Havana, 26 jan (Prensa Latina) O presidente cubano Miguel Díaz-Canel criticou hoje os dois pesos e duas medidas do governo dos Estados Unidos em suas tentativas de bloquear a ilha caribenha e denegrir seu governo e seu povo.

Em seu relato no Twitter, o presidente destacou que “a duplicidade de critérios do império não tem limites”, em referência às tentativas de Washington de acusar Cuba de supostas violações dos direitos humanos das crianças, enquanto que nos próprios Estados Unidos há violações flagrantes.

A este respeito, Díaz-Canel descreve como “alarmante” o relatório The State of America’s Children 2021, publicado pelo Child Defender Fund, uma organização sem fins lucrativos de defesa das crianças com sede em Washington, com escritórios na Califórnia, Minnesota, Mississippi, Nova Iorque, Ohio, Carolina do Sul e Texas.

O estudo observa que “as crianças americanas continuam a ser criminalizadas a um ritmo alarmante e as disparidades persistem”.

Observa que particularmente crianças em situação de pobreza, crianças de cor, crianças com deficiências, crianças com problemas de saúde mental e abuso de substâncias, crianças sujeitas a abuso e/ou outra violência, ou crianças de comunidades LGBTQ são empurradas para fora de suas escolas e lares e para os sistemas de justiça juvenil ou justiça criminal de adultos.

Entre muitos outros fatos, o relatório lista que em 2019, mais de 696.000 jovens foram presos nos EUA, e em uma única noite naquele ano 653 foram encarcerados em prisões para adultos.

Os Estados Unidos são também o único país onde um menor pode ser condenado a prisão perpétua.

mem/rc/bm

Os corajosos microfones e a polícia de Espanha estão a observar mercenários de recarguitas?

#CubaNoEsMiami #CubaSeRespeta #SubversionContraCuba #EliminaElBloqueoYa #PorLaFamiliaCubana

Janeiro chega e todos lutam pelas suas bolsas e fundos, o peixe-dourado telescópio varre Rosa María Payá.

#MafiaCubanoAmericana #ManipulacionMediatica #CubaVive #EliminaElBloqueo #PuentesDeAmor #CubaViveYVence

%d bloggers like this: