As Caravanas estão de volta? É isso que Carlos Lazo está a pedir…

#CubaNoEsMiami #PuentesDeAmor #EstadosUnidosBloquea CubaSalva #SolidaridadConCuba #ElCaminoEsLaPaz

As boas pessoas que vão dar Internet a Cuba .

#RedesSociales #Covid-19 #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #CubaNoEsMiami

Por: Rosa Miriam Elizalde

Posted in: Cyberwar

Os utilizadores do GitHub, a maior plataforma de software livre do mundo, publicaram uma lista incompleta de 60 programas informáticos, sítios e serviços restringidos para Cuba pelo irrazoável bloqueio americano*, que segundo o Senador Marco Rubio não existe. A lista inclui tudo, desde a plataforma de videoconferência mais popular nestes tempos de pandemia, Zoom, à maioria das aplicações Google, tais como Código, Nuvem, Mapas e Play Publics.

A lista é parcial porque não inclui serviços bloqueados há algumas semanas, como o Wetransfer, que permite a qualquer pessoa que não viva em Cuba transferir ficheiros informáticos através da Internet e que jornalistas costumavam enviar fotografias, áudios ou vídeos para as nossas redacções. Wetransfer é uma empresa sediada em Amesterdão, que subitamente decidiu cumprir a lei americana e negar o acesso aos cubanos.

O paradoxo é que isto está a acontecer numa altura em que a Casa Branca, sempre tão boa gente com os do Sul, se concentrou em dois eixos do mesmo discurso interferente: irá dialogar com os cubanos (ou seja, Miami) para decidir que novas sanções impor à ilha, e decidiu dotar Cuba de uma nova infra-estrutura de Internet gratuita para nos fazer muito felizes.

O diálogo com os cubanos (em Miami), que não querem conversações com Biden, em quem não votaram e em quem ainda acreditam ter roubado as eleições a Donald Trump, é visto como uma extravagância da política externa dos EUA. David Brooks, correspondente do diário americano La Jornada, referiu-se há alguns dias ao encontro de Biden com um pequeno grupo de cubano-americanos na Casa Branca para ouvir opiniões sobre o que está a acontecer na ilha, embora a maioria dos presentes não tenha pisado o nosso arquipélago há muito tempo. O senador Robert Menéndez, por exemplo, só vê uma palmeira cubana em fotografias, enquanto o empresário Emilio Estefan não sabe como é o candeeiro de rua no Morro de Santiago de Cuba, a terra do seu nascimento, há 58 anos.

Contudo, como afirma Brooks, peritos em política externa e relações bilaterais confirmaram que Cuba é única na medida em que Washington, sob ambas as partes, consulta a diáspora de um país dentro dos EUA para moldar a política em relação a essa nação.

A Internet é ainda mais estranha. Washington acusa o governo cubano de ser o inimigo da Internet, mas bloqueia as aplicações normalmente utilizadas em qualquer parte do planeta. Promete uma nova infra-estrutura com balões estratosféricos e outras variantes surrealistas, mas hoje em dia sujeitou Cuba a todas as variantes possíveis da guerra de informação em rede e da guerra cibernética directa.

Os utilizadores cubanos assistiram a um aumento sem precedentes na distribuição de notícias, fotos e vídeos falsos de sítios de lixo na Florida, que são até reproduzidos por empresas transnacionais de comunicação social. Os vídeos de 11 de Julho foram repetidos ad infinitum como se fossem novos, uma táctica enganosa para dar a impressão de que os protestos continuaram até hoje, embora o país esteja completamente calmo. A utilização de gateways electrónicos (VPN) para contornar a rede pública nacional é encorajada, e em particular a utilização do Psiphon, uma tecnologia desenvolvida e financiada pela United States Agency for Global Media, a agência de propaganda de Washington, é publicitada.

Os media cubanos e os sites institucionais receberam centenas de ataques de negação de serviço em solo americano, onde também foram registados nomes de domínio com palavras grosseiras que redireccionam para páginas da rede nacional. E como se isso não bastasse, vivemos sob o assédio de cibertropos organizados a partir de Miami que utilizam fazendas de trolls e robôs para gerar no Twitter e no Facebook a percepção do caos em Cuba e insultar e até ameaçar matar os principais líderes, jornalistas, artistas e outras figuras públicas, bem como cidadãos comuns que ousam criticar os tumultos, apelam ao senso comum contra a alegada intervenção militar ou simplesmente não exprimem uma rejeição explícita do governo cubano ou se juntam ao fascismo que inunda as redes.

Há números, dados e registos factuais sistematizados que se perdem no meio de todos os flashes diários e gritos anticomunistas nos ouvidos da Casa Branca. Mas o auge de todas estas operações pode ser ouvido num podcast entre os especialistas de Miami, cérebros da comunidade dos serviços secretos e altos funcionários da Comissão Federal de Comunicações dos EUA. Ali, publicamente, estes senhores falam em pressionar a União Internacional de Telecomunicações (UIT) a cometer violações do direito internacional (por exemplo, para fazer vista grossa se os balões forem instalados sobre Cuba); admitem ter introduzido telefones via satélite para espionagem e organização de protestos na ilha; admitem que Psiphon é pago por eles; e prometem dinheiro em espadas às empresas de telecomunicações para violar a lei cubana, entre outras coisas.

O grande argumento é que isto faz com que os EUA pareçam o tipo bom do filme, embora o tema caia por terra quando um jovem cubano quer actualizar o seu telefone ou descarregar um jogo de vídeo. O jovem recebe então um sinal muito educativo no ecrã: vive num país bloqueado.

Cuba e a óleo andaluza .

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #España #Sanciones #DonaldTrumpCulpable

Saiba mais sobre os planos contra a #Maçonaria em #Cuba que estão a ser executados a partir de #Miami.

#Cuba #RedesSociales #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes

Como no dominó, forro e burla com as listas de prisioneiros!!!!

#RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #CubaNoEsMiami #Covid-19 #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor

Interferência renovada contra Cuba .

#RedesSociales #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MiMoncadaEsHoy

Por Redacción Razones de Cuba

Sob o título Cuba Trending Topic: o que aconteceu? a série de encontros virtuais Cuba na actualidade começou na terça-feira, sob os auspícios da Casa de las Américas, do Sindicato dos Jornalistas Cubanos (UPEC), da Uneac, da Associação Nacional de Economistas e Contabilistas de Cuba, da Rede em Defesa da Humanidade, do Centro Memorial Martin Luther King Jr. e da Resumen Latinoamericano, aberto como um espaço de diálogo para analisar o momento que a Revolução Cubana está hoje a viver.

O debate centrou-se na guerra no ciberespaço e em como ela tem sido um instrumento fundamental nas acções subversivas de 11 e 12 de Julho.

Rosa Miriam Elizalde, primeira vice-presidente da UPEC, recordou a Operação Verdade, que em Janeiro de 1959 desmantelou a campanha de difamação contra o governo triunfante cubano, e que é uma prova de como “desde o primeiro dia da Revolução, este país enfrentou calúnias e falsas notícias” da administração norte-americana, um processo que, nas palavras do jornalista, só mudou de época durante seis décadas.

“Agora a guerra tecnológica comunicacional é a primeira arma do imperialismo”, disse ela, e referiu-se ao rearranjo táctico dos Estados Unidos para derrubar o nosso governo.

“Desde 2017 temos sido atacados por dois modelos de máquinas de intoxicação que procuram deslegitimar a Revolução”, expandiu ele. O primeiro é o surgimento de meios de comunicação social privados que têm grande peso na construção de audiências de centro-direita e que sobrestimam os valores jornalísticos profissionais, e o outro são os sítios que foram concebidos para chegar directamente ao público através de redes sociais. “A ideia é fragmentar a população, que está em diálogo com os problemas de comunicação que temos no país, presa em práticas analógicas”.

Elizalde descreveu o contexto em que os motins tiveram lugar: grandes fluxos de pessoas mobilizadas por detrás do grito da direita transnacional “Abaixo o comunismo”, na disputa para captar a atenção há uma batalha muito forte entre o visível e o imaginável, surge uma nova arquitectura mediática que molda cenários políticos, e há um enorme fluxo de notícias falsas que, no caso de Cuba, é uma grande guerra contra a população.

“O 11 de Julho não começou nesse dia, mas muito antes, em Fevereiro de 2020. A maquinaria tóxica estava centrada no fim do comunismo e a expressão extrema da campanha “Crise em Cuba” é vista nas manchetes dos meios de comunicação social que surgiram desde 2020. É por isso que estamos agora numa segunda Operação Verdade”, observou ele.

Por seu lado, o chileno Pedro Santander Molina, professor da Pontifícia Universidade Católica de Valparaíso, disse que estamos perante um novo tipo de invasão que é mais semiótica, cultural. “Cuba está sob ataque permanente, mas num cenário assimétrico”. Para fazer face a esta situação, explicou, é necessário concentrar-se em dois elementos cruciais que foram clarificados no 8º Congresso do CCP: a economia e a comunicação.

O professor descreveu a experiência na ilha como uma “Playa Girón 2.0, que faz parte da quarta geração de guerra e se baseia na quarta revolução industrial.

“O teatro operacional desta batalha é a sociedade civil, porque o que estão a atacar não é mais do que a moral dos cidadãos e a mente do público. O seu objectivo é minar o estado de espírito interior e, como artilharia, utilizam bombas de desânimo. É um combate rápido, digital, de grande alcance, falso, mas credível.

Santander Molina argumentou que Cuba é “um laboratório de ataque comunicacional dentro da guerra cultural, e temos de nos preparar, para o que temos de começar a construir um laboratório de resposta”.

A resposta do campo revolucionário, sublinhou, centrou a sua acção em passar da consternação passiva à construção activa através de um permanente debate multiplataforma sobre eventos, do analógico ao digital, do textual ao visual. Contudo, insistiu que é essencial construir uma agenda própria nos meios de comunicação cubanos, preparar o povo neste flanco de ataque, e ter uma acção sistémica onde a defesa comunicacional seja uma prioridade.

José Ernesto Nováez, coordenador do Capítulo Cubano da Rede em Defesa da Humanidade, e reitor da Universidade das Artes, disse que os motins demonstram a imensa capacidade de subversão das redes sociais como instrumento do imperialismo em Cuba, bem como a complexidade interna da nossa sociedade.

“Vão tentar convocar outro 11 de Julho, na sua ânsia de ligar alguns sectores da população aos herdeiros da burguesia pré-1959, para os quais apelarão constantemente a valores abstractos que parecem dizer muito, mas que na prática não estão comprometidos com um projecto político concreto”.

Helen Yaffe, professora na Universidade de Glasgow no Reino Unido, que viveu no nosso país e estava na ilha quando as acções de desestabilização tiveram lugar, disse que o objectivo destes eventos é criar desinformação a fim de dar uma visão negativa de Cuba e fornecer informações à CIA e ao governo dos EUA para o planeamento de futuras acções contra a nação das Caraíbas.

“O bloqueio é um acto de guerra, é uma violação dos direitos humanos dos cubanos e de todos os cidadãos do mundo (…). É escandalosa a hipocrisia do Presidente dos Estados Unidos, chamando Cuba “um Estado falhado”, quando ele próprio quase não consegue chegar ao poder devido a uma tentativa de golpe de Estado”.

A professora fez duas perguntas com as quais apelou a todos os povos do mundo: “Como podemos fazer com que os nossos próprios governos se recusem a ser cúmplices do governo dos EUA? O que podemos fazer internacionalmente para impedir os EUA de atacar Cuba?

A intervenção do intelectual espanhol Txema Sánchez, anfitrião do canal anti-imperialista TECS Tertulias en Cuarentena, centrou-se no profissionalismo dos meios de comunicação quando se trata de informar ou desinformar as massas, intenções que são apoiadas pelas redes sociais, “uma ferramenta capitalista que, a partir da guerrilha de comunicação de esquerda, podemos utilizar para difundir a verdade e combater o desânimo com criatividade, e reagir às batalhas no plano da comunicação”, insistiu.

Depois de analisar as mortes por 100.000 habitantes nas Grandes Antilhas, segundo dados da Universidade Johns Hopkins, em que compara a situação no Brasil, Estados Unidos, China, Colômbia e outras nações, o intelectual espanhol observou que Cuba é um exemplo para o mundo, apesar da crise provocada pela COVID-19 e dos constantes ataques do imperialismo.

“Na Florida há seis vezes mais mortes do que em Cuba, por isso daqui lanço um S.O.S. Miami (…). Cuba não só exporta médicos e solidariedade, mas também um exemplo”, concluiu ela.

Da mesma forma, a artista visual Lesbia Vent Dumois, o director do Coro Nacional de Cuba, Digna Guerra, e o etnólogo e escritor Miguel Barnet enviaram mensagens virtuais aos participantes no encontro Cuba na actualidade, onde reafirmaram que “temos de saber que desistir de tudo não é um feito, é um facto”, e que “o que nunca podemos alcançar é o neoliberalismo ou o capitalismo selvagem”.

Este primeiro encontro, que foi transmitido nos canais YouTube e Facebook das organizações que promovem este debate, contou com a presença de Abel Prieto, presidente da Casa de las Américas, e Ricardo Roquillo, presidente da UPEC.

¿Del SOS Cuba al SOS Miami?

#CubaPorLaSalud #EEUUBloquea #EliminaElBloqueo #PuentesDeAmor #CubaSeRespeta #NoTeDejesConfundir

SOS Blockade vs Cuba .

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #CubaEsSalud

Por: José Manzaneda

Imagine que a União Europeia impôs um bloqueio económico total à Espanha, proibindo o comércio, as transferências, o turismo, a venda e compra de tecnologia ou medicamentos, a utilização do euro, que – através de ameaças e procedimentos legais – impediu empresas de outras partes do mundo de investir, sancionou companhias de navegação que trazem gás natural ou petróleo e, por sua vez, negou a entrada no território da União Europeia aos nossos cidadãos.

Apesar de sermos um país com um elevado nível de desenvolvimento económico, imagine os efeitos devastadores que isso teria nas nossas condições de vida (em termos de salários, pensões, serviços públicos, transportes, etc.), no meio da crise económica causada pela pandemia. Bem, agora, imagine este bloqueio sobre a população de um país insular e pobre em recursos no Sul, como Cuba.

Assistimos hoje, com perplexidade, a uma operação, na imprensa e nas redes sociais, de negação do bloqueio económico, comercial e financeiro dos EUA contra Cuba, que justifica um crime contra a humanidade e a violação maciça dos direitos humanos de onze milhões de pessoas, sujeitas a uma chantagem brutal: morrer à fome ou derrubar o seu governo.

O impacto do bloqueio em cada uma das fontes de rendimento da ilha é brutal: na ordem de cinco mil milhões de dólares por ano, 430 milhões por mês. Até 2021, 147 mil milhões de dólares em perdas.

Em que consiste o bloqueio de Cuba?
As bases permanentes do cerco económico e financeiro contra Cuba são, entre outras, as seguintes:

O chamado “embargo comercial”. As empresas e cidadãos cubanos não podem vender quaisquer produtos ou serviços no maior mercado do mundo, os EUA, nem podem adquirir os seus produtos ou serviços, com excepções e regulamentos muito rigorosos (certos alimentos e medicamentos, pagos antecipadamente). Isto implica enormes ultrapassagens de custos em absolutamente todas as importações de Cuba, muitas delas provenientes de mercados distantes. Também a impossibilidade de adquirir produtos e tecnologia apenas disponíveis nos EUA.

Os navios que tocam os portos cubanos não podem continuar para os EUA, o que se multiplica, para a ilha, todos os custos de frete e seguro.

A proibição do turismo americano, o que significaria uma injecção imediata de liquidez para a economia da ilha.

Perseguição constante, sanções e pressão extraterritorial sobre empresas e países para impedir o comércio com Cuba. Empresas de países terceiros não podem exportar para os EUA produtos contendo uma única grama de açúcar cubano ou níquel, fechando uma grande parte dos mercados internacionais da ilha. Do mesmo modo, países terceiros não podem vender mercadorias a Cuba com mais de 10% de componentes norte-americanos.

A impossibilidade de Cuba obter créditos de desenvolvimento, devido ao direito de veto ou voto preferencial dos EUA em organizações financeiras multilaterais, tais como o Banco Mundial ou o Banco Interamericano de Desenvolvimento.
243 novas sanções

A estas medidas e a muitas outras não mencionadas, juntam-se 243 novas sanções impostas durante a administração de Donald Trump, das quais mais de 50 foram aprovadas durante a pandemia de Covid-19. Por exemplo:

A proibição das remessas, que tornaram a emigração cubana a única, nos EUA, que não pode enviar dinheiro às suas famílias de forma legal e segura.

O encerramento da imigração, por congelamento de vistos, devido ao encerramento do consulado dos EUA em Havana, algo que procura aumentar o efeito de “panela de pressão” sobre a população cubana. O compromisso, assinado por Barack Obama, de conceder pelo menos 20.000 vistos por ano, é agora letra morta.

A inclusão de Cuba na lista de alegados “países patrocinadores do terrorismo”, o que implica o encerramento quase completo dos bancos internacionais da ilha, e a impossibilidade, há meses, de fazer compras (de alimentos e medicamentos, por exemplo) com os dólares recolhidos.

A perseguição sistemática das companhias de navegação que trazem petróleo venezuelano para Cuba, o que levou a uma redução drástica dos transportes urbanos e das restrições eléctricas.

A restrição ainda maior das muito poucas viagens dos EUA a Cuba autorizadas pela administração Obama, bem como a proibição total de compra de produtos em terra. A proibição de cruzeiros, por exemplo, arruinou numerosos estabelecimentos do sector privado cubano.

A proibição de voos para nove dos dez aeroportos internacionais de Cuba, uma medida que afecta a comunidade cubana nos EUA, o único que não estava anteriormente sujeito a restrições de viagem.

A retirada da única licença de investimento que foi autorizada por Obama: a da empresa hoteleira Marriot.

A plena aplicação da Lei Helms-Burton, que procura afugentar todo o investimento estrangeiro, bem como a activação de dezenas de processos judiciais contra empresas de investimento, principalmente europeias, para as obrigar a abandonar a ilha.

A ruptura – através de pactos com governos aliados, tais como os do Equador e do Brasil – dos seus acordos médicos com Cuba, que lhe permitiram financiar o sistema de saúde pública da ilha. Isto explica em parte a escassez de cuidados de saúde e visa criar uma crise sanitária na ilha.

A abolição de acordos bilaterais esperançosos, como o que foi assinado – e nunca entrou em vigor – entre a Federação Cubana de Basebol e a Liga Principal de Basebol dos EUA, que teria posto fim à “fuga” de atletas e ajudado a financiar o desporto de base em Cuba.

Imagine se eles cortarem a electricidade na sua casa, fecharem as suas portas para manter fora comida e medicamentos, impedi-lo a si e aos seus dependentes de sair para ganhar a vida, e depois culpá-lo pela má gestão da sua casa e chamar-lhe ditador. É o que os EUA fazem com Cuba e o seu povo.

Uma estratégia de seis décadas de asfixia, mais o cerco da guerra económica dos últimos quatro anos, juntamente com a ausência de receitas do turismo devido à pandemia, levaram a uma situação aguda de escassez em Cuba em todas as áreas. O resultado político, esperado durante 60 anos, de uma estratégia que procura matar um povo refém através da fome e da escassez, é muito pobre: tendo conseguido que uma pequena parte da população, cansada e desesperada, ceda e se revolte contra o governo e a Revolução.

Mas a euforia é um mau conselheiro. Estas pessoas não são a maioria. A maioria conhece a causa essencial dos seus problemas, e tem saído à rua por toda Cuba, aos milhares, para defender a soberania do seu país e a Revolução. Os criminosos vão continuar a tentar. Mas Cuba continua a ser um osso duro de roer.

Tirada de CubaDebate

#ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #CubaSalva #EEUUBloquea

#ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #CubaSalva #EEUUBloquea

Infame sondagem nos EUA mente quando diz que a comunidade cubana nos EUA é a favor do bloqueio e das medidas contra Cuba. LIE! A grande maioria é a favor de novas pontes de solidariedade #NoMasBloqueo.

Imagem