Continuam a surgir provas sobre as ligações do Arquipélago à violênciaCIA. Eliecer Apretaste!

#ManipulacionMediatica #RedesSociales #TuMarchaNoMeConvence #NosVemosEl15 #PasionXCuba

Informações muito fortes vêm à tona sobre Eliecer Ávila e seus namorados; ele e RM Payá roubam o MSI.

#GuerreroCubano #TodosSomosGuerrero #CubaSeRespeta #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MerceriosYDelincuentes #MSINoMeRepresenta #YoSigoAMiPresidente #CubaViva

De Miami nos contam o que está por trás do Movimento San Isidro.

#TodosSomosGuerrero #MSINoMeRepresenta #ACubaSeRespeta #FarsaDeSanIsidro #YoSoyFidel #IdeasQueSonBanderas #EternoComandante #EEUUBloquea #CubaSalva #ManipulacionMediatica #MercenariosCubanos #CubaNoEsMiami #AquiNoSeRindeNadie #ElBloqueoEsReal

De Washington, os serviços de remessas dos Estados Unidos para famílias cubanas são completamente interrompidos.

#EEUU #Fincimex #ManipulacionMediatica #CubaNoEsMiami #GuerraDosEEUU #FalsaDemocracia #PuenteesDeAmor #BloqueoNoSolidaridaSi #ElBloqueoEsReal #NoMasBloqueo #Pandemia #Covid-19 #ResistiremosYVenceremos #CubaSalva #EEUUBloquea #AquiNoSeRindeNadie

Os Estados Unidos colocam em risco a paz mundial e a segurança internacional.

#CubaNoEsMiami #EstadosUnidos #MiguelDiaz #ONU #Mirex #AquiNoSeRindeNadie #CubaSalva #EEUUBloquea #CubaEsSolidaridad #SomosContinuidad #VamosPorMas

Autor: Nuria Barbosa León | internet@granma.cu

A forte palavra de Cuba que, na voz do presidente Miguel Díaz-Canel Bermúdez, será ouvida esta terça-feira nas Nações Unidas, foi precedida ontem pela denúncia do chanceler Bruno Rodríguez Parrilla contra o governo dos Estados Unidos, que qualificou de perigo para a paz mundial e a segurança internacional.

Falando na Reunião de Alto Nível da Assembleia Geral da ONU, Rodríguez Parrilla lembrou o flagrante ataque aos direitos humanos elementares que o bloqueio econômico, comercial e financeiro impôs às Grandes Antilhas por aquele governo e os infames intrigas que ela promove contra a colaboração médica cubana e os governos que a solicitam; Mas além da crueldade na Ilha, ele exemplificou, com várias evidências, a atitude irresponsável e desprezo pela humanidade que tipifica o império dos Estados Unidos com a promoção de conflitos, guerras não convencionais e comerciais, e a imposição de severas medidas coercivas unilaterais para nações independentes que não são do seu agrado.

O Ministro das Relações Exteriores destacou o descuido com que os Estados Unidos gastam recursos financeiros e materiais na corrida armamentista que poderiam ser utilizados para o desenvolvimento sustentável dos povos, e apresentou como exemplos sérios sua posição de interesse diante de conflitos como o Israel-Palestina e o sequestro da autodeterminação de Porto Rico.

«Os Estados Unidos desconhecem acordos importantes sobre meio ambiente, desarmamento e controle de armas e abandonam foros internacionais como a OMS, a Unesco ou o Conselho de Direitos Humanos. Parece que está em guerra com o planeta, seus recursos vitais e seus habitantes ”, disse o chefe da diplomacia cubana na sessão de diálogo das Nações Unidas para comemorar o 75º aniversário dessa organização multilateral.

Em nome do povo e do Governo cubano, reiterou o apoio ao compromisso com “os princípios do Direito Internacional e o fortalecimento do multilateralismo, a cooperação com os organismos internacionais e o empoderamento desta Assembleia Geral” e instou a multiplicar a cooperação e solidariedade.

«Concerto Anticomunista»Patrañas contra Cuba em Miami

Os interesses turvos estão por trás do projeto “concerto anticomunista”, uma mistura de politicagem e farandulerismo, convocado pela cidade de Miami para abril próximo.

Cantar em apoio a uma suposta “resistência” contra a Revolução Cubana e afirmar que isso “vem crescendo” se qualifica como uma típica notícia falsa, destinada a atrair desavisados ou satisfazer as demandas de um círculo que mede mais de meio século no sul da Flórida, com o incentivo e o consentimento de um setor político nos Estados Unidos.

A evidência é óbvia. O prefeito de Miami, Francis Suarez, de bom grado deu o lugar a uma organização chamada Diretoria Democrática Cubana (DDC), que cobrará a entrada do centro James L. Knight por nada menos que US $ 54, fundos que o grupo se apropriará para cobrir despesas operacionais, sustentar o Conselho de Administração e financiar um aparelho chamado Justicia Cuba, cujos objetivos legais não são muito claros.

Orlando Gutierrez é um personagem associado ao terrorismo. Três anos atrás, ele tentou incentivar a sabotagem contra o transporte público e a ordem institucional. Semear o caos social sempre foi um de seus objetivos obviamente falhados. No ano passado, ele pediu abertamente o boicote ao referendo constitucional. Dados os repetidos fracassos de seus esforços anticubanos – pelos quais ele não parou de cobrar – em uma data não muito distante, ele aspirou a internacionalizar sua escalada e foi recebido por Jair Bolsonaro, pouco antes de assumir a presidência do Brasil e se mudar. 180 graus nas relações entre o país sul-americano e a nação das Antilhas. Em outubro de 2019, ele organizou um colapso nervoso para repudiar a visita do rei da Espanha a Havana.

Por trás da justiça Cuba está o advogado mexicano René Bolio, íntimo de Luis Almagro na Organização dos Estados Americanos. O assunto se tornou um especialista na obtenção de fundos sob o pretexto de contratar colegas para ajudá-lo a abrir causas internacionais às personalidades cubanas. Entre reuniões de duração bizantina, escrevendo resumos volumosos e lobby inútil, eles gastam o dinheiro que recebem e levantam. Com o show, eles esperam aumentar os fluxos.

Ambos declararam o desejo de fazer história. Eles farão isso, sem dúvida, porque o histórico será o desafio e o colapso.

#Cuba destaca presidente cubano @DiazCanelB impressão do Herói Nacional José Martí

Fonte:Mi Cuba Por Siempre

O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, destacou hoje a marca do Herói Nacional, José Martí, no esforço da nação caribenha para consolidar seu modelo de desenvolvimento próprio e independente.

Em sua conta no Twitter, o presidente cubano expressou: O legado marciano sempre presente e indispensável como premissa e referência em nossas aspirações e realizações.

O chefe de Estado vinculou um artigo ao jornal Juventud Rebelde que, sob o título Esse mistério muito claro e intocável se refere à transcendência do considerado o cubano mais universal.

José Julián Martí Pérez, criou o Partido Revolucionário Cubano e organizou a Guerra da 95ª ou Guerra Necessária, em homenagem à luta pela Independência de Cuba.

Por causa de sua projeção universal, esse escritor, político, pensador, jornalista, filósofo e poeta ultrapassou as fronteiras de seu país e o tempo que viveu para se tornar o maior pensador político hispano-americano do século XIX.

Lula: “A situação no Brasil é delicada, as pessoas estão sofrendo, perdendo seus direitos”

O ex-presidente brasileiro reafirmou sua inocência e garantiu que o processo judicial contra ele será desacreditado pelas irregularidades que ocorreram nele. Foto: teleSUR.

O ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, disse quinta-feira que tem como principal objetivo a vontade de lutar para restaurar a democracia em seu país à situação atual do povo sob o governo de Jair Bolsonaro.

Em entrevista exclusiva ao teleSUR, o líder brasileiro reiterou que o país sul-americano tem “todas as condições para recuperar um debate democrático … e combater o neoliberalismo que está destruindo todo o patrimônio público”.

“Os dias em que fui detido na Polícia Federal (de Curitiba) me fortaleceram politicamente e hoje tenho uma vontade maior de lutar até a restauração da democracia no Brasil”, afirmou o ex-presidente.

Além disso, ele ressaltou que a democracia é uma questão muito séria e lamentou o Brasil, que antes era um país onde havia tolerância e amor no povo, agora há ódio em alguns setores, promovido por aqueles que buscam destruir as conquistas feitas pelos mais em necessidade “A situação no Brasil é delicada … as pessoas estão sofrendo, estão perdendo seus direitos”, afirmou Lula.

Surto social na América Latina
Lula criticou o papel da Organização dos Estados Americanos (OEA) na região, garantindo que “é uma vergonha” e reiterando que vários governos latino-americanos estão atualmente sendo submetidos à vontade dos Estados Unidos (EUA)

Entre eles, ele mencionou o de Bolsonaro, que não só atacou os setores que mostram desacordo com suas políticas, mas também se tornou aliado dos governos intervencionistas que buscam desestabilizar o continente.

“O que acontece na América Latina é uma articulação profunda da extrema direita liderada pelos EUA” e o presidente dos EUA, Trump, no que o líder sindical acredita ser uma tentativa de destruir os sistemas que defendem sua democracia e soberania dos seus recursos

No golpe de estado na Bolívia, ele rejeitou que as Forças Armadas não endossassem o legítimo presidente Evo Morales, mas se colocassem em nome daqueles que violavam a democracia e atacavam a população.

Esperança para a região
Em relação às eleições de Andrés Manuel López Obrador no México e Alberto Fernández na Argentina, o ex-chefe de Estado disse que isso representa um alívio e uma esperança para a região, por isso parabenizo os dois povos, principalmente o argentino, que ele reconheceu por seu compromisso e conquista de retornar à democracia após o governo de Mauricio Macri.

Por outro lado, Lula parabenizou o presidente Nicolás Maduro e o povo venezuelano por sua árdua resistência, apesar do bloqueio econômico e financeiro imposto pelos EUA, bem como pelas tentativas do extremo direito de voltar à violência e não participar de um diálogo para discutir diferenças e garantir a paz.

O fundador do Partido dos Trabalhadores (PT) lembrou aos venezuelanos que apenas eles são os que devem resolver seus problemas, escolher seus governantes e determinar se o fazem bem ou não, mas não devem cair nas provocações daqueles que não o fazem. eles até respeitam a vontade das maiorias e procuram desestabilizar o país.

Lula lembrou a época em que a América Latina tinha presidentes como Hugo Chávez (Venezuela), Rafael Correa (Equador), Evo Morales (Bolívia), Néstor Kirchner e Cristina Fernández (Argentina), Tabaré Vázquez (Uruguai), além de ele e Dilma Dilma (Brasil), período em que a região alcançou grandes conquistas populares, a democracia foi um fator fundamental e foi ouvida no mundo.

Processo judicial
O ex-presidente brasileiro reafirmou sua inocência e garantiu que o processo judicial contra ele será gradualmente desacreditado pelas irregularidades por trás de sua detenção.

“Acho que em breve o processo judicial será desacreditado (…) me sinto triste porque um Ministério Público que foi criado para garantir a democracia de um país e algumas pessoas (lá) resolveram fazer política. Eu acho que eles não ficaram satisfeitos com o sucesso do nosso governo ”, disse ele.

Da mesma forma, Lula insistiu que planeja desmascarar todas as acusações contra ele, uma vez que mentiram aqueles que o indicaram e estavam por trás da investigação do caso.

“Eu respeito as instituições, mas quero desmoralizar algumas pessoas que as usam para fazer política partidária … pode demorar um pouco, mas vamos restaurar a verdade no Brasil”, afirmou.

(Retirado do teleSUR)

O homem do ano na Casa Branca não é Trump

Por Rosa Miriam Elizalde

Se a pesquisa de Natal do Times fosse realizada em Cuba, o personagem do ano seria Mauricio Claver-Carone. Por quase um século, a revista dedicou suas capas mais famosas a heróis ou vilões – Papa Francis e Adolph Hitler; Albert Einstein e Osama Bin Laden … -, e este homem, de mãe cubana e pai espanhol nascido na Flórida, ganhou em 2019 com ampla vantagem a coroa perversa no ninho de escorpiões que é a Casa Branca de Trump.

Em agosto de 2018, ele assumiu o cargo de consultor de Segurança Nacional para a América Latina e, em setembro, interromperam todas as trocas e negociações entre Cuba e os Estados Unidos, um evento sem precedentes em 60 anos de bairro tenso, nos quais canais de diálogo mesmo nos momentos mais frios da Guerra Fria. Os historiadores Peter Kornbluh e William LeoGrande, em sua monumental diplomacia secreta com Cuba, mostraram que as conversas entre os dois países eram realizadas mesmo quando o Pentágono fantasiou sobre bombardear e invadir a ilha durante o governo Kennedy.

A hostilidade sempre esteve presente, como o dinossauro na história de Augusto Monterroso, mas com Mauricio Claver-Carone a obsessão cubana no governo dos EUA e a escalada das sanções atingiram níveis de vertigem. Não é por prazer que o senador Marco Rubio, outro odiador profissional de Cuba e seu padrinho político, disse ao The New York Times: “Quando Mauricio entrou (na Casa Branca), a política entrou em alta velocidade”. E ele está certo. Pelo menos uma vez por semana, é ditada uma nova medida que não apenas deixa de fora o pouco que Barack Obama avançou na normalização das relações, mas o mínimo que permaneceu com George W. Bush, o presidente que limitou Os emigrantes cubanos apenas viajam em família a Cuba a cada três anos e proíbem visitas a primos e tios sob a alegação de que “esses não são familiares”.

O gotejamento de sanções se alimenta de um ódio alistado por 60 anos na estrutura de poder americana; um ódio extremo, irracional, absoluto, mas que se extingue com aqueles que possuíam propriedades na ilha e reciclado em uma geração de iniciantes, que se beneficiou economicamente da indústria anticubana. Claver-Carone é o produto típico dessa circunstância. Foi co-fundador e diretor do Comitê de Ação Política para a Democracia de Cuba, dos Estados Unidos (USCD PAC), um dos grupos mais ativos a favor do bloqueio em Washington, cujo objetivo é arrecadar dinheiro para apoiar congressistas cubano-americanos e que , de acordo com registros da Comissão Federal Eleitoral, ele gastou cerca de US $ 680.000 nas eleições que levaram Trump à Presidência.

O New Yorker o retrata como “um típico advogado do sul da Flórida, conhecido entre os políticos de Washington por sua visão extremista, tudo ou nada, de Cuba”, enquanto The Global Americans afirma que ele é alguém que não duvida mentindo sobre a ilha que ele nunca visitou. Em seu blog Capitol Hill Cubans, ele garantiu que a conectividade com a Internet diminuiu e que há menos pessoas trabalhando por conta própria no país do Caribe, duas notícias comprovadamente falsas.

“É o típico carreirista que, quando não está no poder, sua única preocupação é ganhar dinheiro com o maquinário anti-Castro. Mas quando ele está no poder, ele se prepara para o momento em que não está lá e precisa continuar ganhando dinheiro ”, descreveu um acadêmico americano, que participou de um evento recente no Instituto Internacional de Relações Internacionais (ISRI) de La Havana

Outro analista da Flórida, que também prefere não revelar sua identidade diante de possíveis represálias contra os críticos de Trump que viajam para Cuba, descreve Claver-Carone como alguém que coloca seu trabalho como lobista acima do interesse nacional dos Estados Unidos: profissional, ele olha tudo sob o prisma de sua obsessão cubana e mal conhece a região. ” Há um ano, ele prometeu a Trump que em poucos dias derrubaria o governo de Nicolás Maduro na Venezuela e “como Marco Rubio, ele enganou seu presidente sobre a verdadeira popularidade de Guaidó e sobre o apoio internacional que supostamente receberia” o autoproclamado Presidente venezuelano.

Ele também é descrito como um advogado obscuro, sem um dom social e com uma discreta exposição na mídia até a posse presidencial de Alberto Fernández na Argentina, quando, abruptamente, cancelou compromissos e anunciou aos jornalistas que deixaria Buenos Aires sem comparecer à cerimônia. Claver-Carone disse que queria evitar “a surpresa desagradável” de encontrar o ministro da Comunicação da Venezuela, Jorge Rodríguez, ou o ex-presidente equatoriano Rafael Correa “, como se um funcionário daquela hierarquia que viajasse de Washington não soubesse quem vai funcionar ”, comentou a página 12.

Talvez o verdadeiro problema de Claver-Carone seja Miguel Díaz-Canel, convidado por Fernández para o ato presidencial. O “homem do ano” da Casa Branca preferiu evitar um inevitável frente a frente com seu fracasso, personificado no presidente do Caribe, que na última sessão do Parlamento cubano em 2019, há cinco dias, convidou para aguardar o novo ano com um grande festa: “Que nossas praças urbanas e rurais sejam cheias de música e alegria. Há todas as razões para comemorar. No 61º ano da Revolução, eles nos jogaram para matar e nós estamos vivos. ”

Cinco anos após o retorno dos Cinco

Autor:  | internet@granma.cu

A profecia de Fidel foi cumprida: eles voltaram!
A profecia de Fidel foi cumprida: eles voltaram! Foto: Estudos da Revolução
Era 17 de dezembro de 2014. A cidade inteira, lutando e exigindo seu retorno, tornou-se uma testemunha de que a previsão do comandante em chefe foi cumprida. Os Cinco, todos, já estavam em sua terra natal.

Foi um feriado e chorando. Este último muito difícil de conter antes de tanta emoção. A televisão capturou cada momento, desde que o dirigível que trouxe Gerardo, Antonio e Ramón se aproximou do espaço do terminal José Martí, em Havana, até que a porta se abriu e espiou na escada de Gerardo, depois Antonio e finalmente Ramón. Como esquecer os abraços dos heróis com seus parentes lá! O abraço animado de Raul, que os esperava em nome de Fidel e de todo o povo.

As convicções se tornaram realidade. Os Cinco, cumprindo seu dever para com a Pátria, sabiam que toda a cidade queria abraçá-los, que as crianças se apressariam em beijá-los, que os jovens são mais comprometidos com o exemplo que irradiam.

Quando nesta terça-feira 17 marca cinco anos após a feliz chegada à Pátria, os Cinco Heróis fortalecem seu valor como patriotas e realizam tarefas, talvez menos arriscadas, mas também heróicas, como profissionais que são revolucionários para sempre e filhos de a Pátria que era conhecida incompleta há cinco anos, quando ainda estavam em prisões sombrias.

Esta terça-feira 17 marca cinco anos desde a chegada feliz à Pátria. Foto: Estudos da Revolução
Eles sabiam cumprir com dignidade aquelas sentenças longas e injustas e sempre tinham certeza de que apenas a 140 quilômetros daquele precipício escuro havia um país todo mobilizado para exigir seu retorno, e um líder que, com a convicção e a segurança de sempre, havia expressado: “Eles vão voltar.” E assim Raul cumpriu.

Mas a batalha pelo retorno dos Cinco, além de se tornar cada vez mais massiva em Cuba, atravessou mares e oceanos para se tornar uma bandeira, em um movimento de solidariedade de centenas de países, incluindo os Estados Unidos.

A volta de Gerardo, Antonio e Ramón completou a felicidade de uma cidade que antes, em 7 de outubro de 2011, endossava a emoção da libertação de René e, em 27 de fevereiro de 2014, a de Fernando.

São cinco jovens da cidade, formados inteiramente pela Revolução, todos preparados para cumprir qualquer missão em favor de sua terra natal.

São homens consagrados na obra que construímos e sempre colocam sua fé na vitória à frente deles, que é acompanhada por um sorriso nobre e sincero, típico dos heróis que são.

%d bloggers like this: