Os EUA e os seus aliados estão furiosos! Xi Jinping faz um apelo chocante a Putin e à Rússia.

#Rusia #China #EstadosUnidos #India #UnionEuropea #OrienteMedio

Putin chama apressadamente a retirada das tropas americanas do Afeganistão para um “voo”.

#EstadosUnidos #Afganistán #Terrorismo #Rusia

Num discurso em videoconferência por ocasião da cimeira da Organização de Cooperação de Xangai (SCO), o Presidente russo Vladimir Putin salientou na sexta-feira a necessidade de uma estratégia comum devido aos riscos associados à “fuga” dos EUA do Afeganistão.

“A nossa Organização enfrenta agora a tarefa de prosseguir uma linha comum e coordenada, tendo em conta os graves riscos associados à escalada da situação no Afeganistão após a retirada precipitada, para não dizer a fuga, das forças norte-americanas e dos seus parceiros da OTAN do país”, disse Putin.

Putin califica de "huida" la apresurada retirada de las tropas estadounidenses de Afganistán

Apelou à utilização das capacidades da SCO para apoiar “o início do processo de paz interafegão inclusivo” e para “bloquear as ameaças de terrorismo, tráfico de droga e extremismo religioso que emanam do Afeganistão”.

“Os Taliban controlam hoje quase todo o território do Afeganistão, e as novas autoridades afegãs devem ser motivadas a cumprir as suas próprias promessas de estabelecer a paz, normalizar a vida pública e garantir a segurança para todos”, afirmou.

Putin recordou que vários países da SCO partilham uma fronteira com o Afeganistão, pelo que a crise no país da Ásia Central afecta directamente os seus interesses de segurança. Nestas circunstâncias, apelou ao reinício das actividades do grupo de contacto SCO-Afeganistão, dado que este foi criado “precisamente com o objectivo de trabalhar com parceiros afegãos”.

Fortes críticas aos #EUA após a conclusão da retirada das tropas do #Afeganistão.

#EstadosUnidos #Afganistan #Russia #China #Terrorismo #FracasoDeEEUU

Eles querem mudar a história da sua guerra no Afeganistão .

#Afganistan #EstadosUnidos #Terrorismo #OperacionLibertad #OTAN


Por Arthur Gonzalez

A guerra no Afeganistão começou em 2001 com a invasão dos EUA na chamada Operação Liberdade, com um custo de quase 150.000 mortes, segundo a Amnistia Internacional.

As tropas ianques e os seus aliados da OTAN são responsáveis pela morte de cerca de 71.000 civis; 5,3 milhões de pessoas deslocadas, pelo aumento da pobreza, subnutrição e falta de acesso a cuidados de saúde, nesta guerra imperialista contra um país distante do território dos EUA, cuja população civil pagou com a sua vida.

Perante o seu fracasso, querem agora mudar a história e vender uma imagem de “preocupação” com o bem-estar dos afegãos. Foi o que disse o Vice-Presidente dos EUA Kamala Harris numa conferência de imprensa em Hanói, no final da sua visita oficial ao Vietname, onde declarou cinismo:

“Vamos fazer o que pudermos, política e diplomaticamente, com a ajuda dos nossos aliados, para assegurar e continuar o trabalho de protecção das mulheres e crianças no Afeganistão após a retirada das forças dos EUA”.

Será que o Vice-Presidente esqueceu que os Estados Unidos nunca protegeram nenhuma mulher ou criança em vinte anos de uma guerra impiedosa e sem sentido que destruiu aquele país e até permitiu que a produção de heroína aumentasse mais de oito vezes?

Não teria tido acesso aos relatórios das declarações de alguns pilotos, que afirmam que os seus ataques causaram a morte de civis inocentes, incluindo mulheres e crianças, tais como o terrível caso do bombardeamento de uma casa onde se celebrava um casamento, onde poucos ficaram vivos para contar a história?

Várias imagens de casos semelhantes foram divulgadas nos últimos dias pelos meios de comunicação social Connecting Vets, que está a realizar uma investigação que inclui entrevistas com pilotos de guerra, advogados militares e controladores da Força Aérea dos EUA.

Um dos operadores de drones não tripulados, cuja identidade não foi revelada, disse: “Os ataques de drones eram punitivos, matando por matar. Outro reconheceu: “Não estávamos claramente a fazer uma distinção entre militares e civis.

O piloto de um Boeing Insitu ScanEagle admitiu que, por engano, matou dois afegãos e um menor enquanto trabalhava com fuzileiros norte-americanos na província de Hilmand, no sudoeste do país: “Eles estavam numa mota e, por azar, entraram no mesmo cruzamento que o nosso alvo quando o inferno de fogo os atingiu.

Será esta a protecção que planeiam dar às mulheres e crianças, depois de massacrarem milhares de civis inocentes?

Os números oficiais são suficientes para mostrar que os Estados Unidos nas suas guerras imperiais apenas deixam morte, fome e desolação em países que costumavam ter um nível de vida diferente.

Em 2020, o Comando Central das Forças Aéreas publicou estatísticas que revelam um aumento de seis vezes no número de ataques aéreos no Afeganistão em 2018 e 2019. De 900 greves em 2015, aumentou para 7.423 em 2019.

Peritos do Conselho das Relações Externas reconheceram em 2017 que Barack Obama autorizou a utilização alargada de drones no Afeganistão e noutros países como o Iraque e a Líbia, sendo responsável por 542 ataques que mataram 3.797 pessoas.

Basta de enganar e adoçar as guerras dos Estados Unidos, que sob falsos pretextos invadem e roubam os recursos naturais dos atacados.

A Missão de Assistência da ONU no Afeganistão (UNAMA) publicou um relatório a 26 de Julho de 2021, no qual afirma que o número de civis mortos ou feridos na guerra aumentou consideravelmente desde que as tropas norte-americanas e os seus aliados iniciaram a sua retirada daquele país, afirmando que: “Na primeira metade de 2021, 1.659 civis foram mortos e 3.524 feridos, o que representa um aumento de 47% em relação ao mesmo período em 2020”.

Para demonstrar a hipocrisia de Kamala Harris, 46% das vítimas eram mulheres e crianças, numa guerra que não atingiu os objectivos estabelecidos pelos Yankees há 20 anos atrás. De acordo com a UNAMA, 783 pessoas foram mortas e 1.609 feridas entre Maio e Junho, o número mais elevado para o mesmo período desde 2009.

O custo de mortos e feridos para as partes envolvidas é muito elevado, numa guerra injustificada. A isto acresce o dinheiro desperdiçado, que os EUA poderiam ter gasto na melhoria do seu sistema de saúde, que não apoia aqueles que não dispõem de fundos para comprar seguros de saúde.

O custo estimado das guerras no Afeganistão e Iraque, até 2020, ascende a 2 triliões de dólares, que os Estados Unidos financiaram com empréstimos e diz-se que até 2050 os juros a pagar serão superiores a 6,5 triliões de dólares, e serão pagos com os impostos do povo americano, em guerras sobre as quais não foram consultados.

Declarações do governo dos EUA afirmam que irão pagar mais de 2 mil milhões de dólares em cuidados médicos, invalidez, enterro e outros custos para os 4 milhões de veteranos das guerras no Afeganistão e Iraque.

Para ajudar os refugiados afegãos, eles vão conseguir meio bilião de dólares, dinheiro que poderia ter sido evitado se os ianques deixassem de fazer guerra aos outros e aprendessem lições com tantos fracassos.

O único beneficiário destas guerras é o complexo industrial militar, enriquecido pelo sangue que outros derramaram, como na guerra contra o povo iraquiano, executado sobre uma grande mentira, onde um total de 4.490 americanos e outros 4.908 soldados da coligação morreram desde 2003.

É tempo de o povo americano se recusar a continuar a enviar os seus filhos para matar e colocar os seus cadáveres em terras distantes.

É por isso que José Martí disse: “Ele é um criminoso que vê o país ir para um conflito que fomenta a provocação”.

Biden chama à retirada das tropas americanas do Afeganistão um “êxito notável .

#JoeBiden #Afganistan #Kabul #Terrorismo

O Presidente dos EUA, Joe Biden, qualificou na terça-feira a retirada das tropas dos EUA do Afeganistão de “êxito extraordinário”.

Biden califica de "éxito extraordinario" la retirada de las tropas estadounidenses de Afganistán

“O extraordinário sucesso desta missão deve-se à grande habilidade, bravura e coragem altruísta dos militares dos EUA, dos nossos diplomatas e profissionais da inteligência”, disse ele numa conferência de imprensa.

Ao mesmo tempo, Biden disse que de todos os cidadãos americanos que queriam deixar Cabul, 90 por cento conseguiram fazê-lo antes do último voo dos EUA ter descolado a 30 de Agosto. Segundo estimativas, entre 100 e 200 americanos ainda se encontram no terreno no Afeganistão.

“Estávamos preparados.
Biden declarou que os EUA estavam “preparados” quando os 300.000 militares afegãos não resistiram tanto tempo como se esperava quando se tratou de defender o seu país.

Biden também afirmou que não tinha qualquer intenção de prolongar a “guerra eterna” ou a “saída eterna”, adiando a data de retirada do Afeganistão. Ao mesmo tempo, salientou que os EUA continuariam a ajudar os afegãos diplomaticamente e através da assistência internacional.

“Ainda não terminámos consigo.
No seu discurso, o presidente dos EUA referiu-se ao Estado Islâmico da Grande Khorasan e salientou que os EUA ainda “não estão acabados” com eles.

“Aqueles que desejam prejudicar a América [EUA] sabem que a América nunca descansará. Nunca descansaremos. Vamos caçá-los até aos confins da terra e eles pagarão o preço final”, disse ele.

Na passada segunda-feira foi confirmado que as tropas norte-americanas tinham completado a sua retirada após 20 anos em solo afegão. Segundo o Presidente dos EUA Joe Biden, terminar a missão militar dos EUA no Afeganistão foi a melhor forma de proteger a vida dos soldados e de assegurar que os civis possam deixar o país nas próximas semanas ou meses.

Putin: 20 anos de presença dos EUA no Afeganistão “resultaram apenas em tragédias”.

#Afganistán #EstadosUnidos #Rusia #Terrorismo#Biden #Trump #Putin

O Presidente russo Vladimir Putin comentou a situação no Afeganistão. Disse que a presença americana de duas décadas no país tinha resultado apenas em tragédia.

“Durante 20 anos, as tropas americanas estiveram presentes no Afeganistão, e durante 20 anos tentaram civilizar a população local, num sentido mais amplo, para impor as suas próprias normas e padrões, incluindo os relacionados com a organização política da sociedade”, disse Putin numa reunião com crianças em idade escolar no Extremo Oriente.

Putin: La presencia estadounidense de 20 años en Afganistán "solo resultó en tragedias"

Como o líder russo observou, “isto resultou apenas em tragédias, tanto para aqueles que o fizeram, os EUA, como ainda mais para as pessoas que vivem no Afeganistão”. “O resultado é zero, para não dizer negativo”, lamentou ele.

“É impossível impor qualquer coisa do exterior”.
Referindo-se às raízes da actual situação no Afeganistão, Putin salientou que “é necessário compreender que é impossível impor algo do exterior”. Os Estados deveriam prestar assistência a outros países de uma forma civilizada, disse ele.

“Se alguém faz algo em relação a alguém, então deve basear-se na história, cultura, filosofia – no sentido mais lato – da vida destas pessoas. Deve ser abordado com respeito pela sua tradição”, salientou o presidente.

A este respeito, Putin acredita que o cenário exigido “deve amadurecer”. “E se alguém quiser que amadureça mais depressa, melhor, é necessário ajudar as pessoas. Sim, pode e deve ser feito, mas deve ser feito de uma forma civilizada, cuidadosamente, apoiando tendências positivas, sem pressa”, disse ele.

A 15 de Agosto, os Talibãs assumiram o controlo de Cabul, a capital do país, e terminaram a sua ofensiva pelo Afeganistão. O Presidente Ashraf Ghani demitiu-se e deixou o país.

Os avanços da insurreição intensificaram-se durante a última fase da retirada final do contingente internacional liderado pelos EUA, que começou em Abril passado.

  • O movimento Taliban, designado como “organização terrorista” pelo Conselho de Segurança da ONU, é declarado um grupo terrorista e banido na Rússia.

O número de mortos civis sobe para 12 em Cabul após o ataque americano com um carro armadilhado.

#Afganistan #EstadosUnidos #Terrorismo

O número de civis mortos após um ataque aéreo americano a um carro-bomba de uma facção estatal islâmica em Cabul, no domingo, aumentou para 12, incluindo seis crianças, informou um correspondente da Al Jazeera.

Aumenta a 12 el número de los civiles fallecidos en Kabul tras el ataque de EE.UU. contra un coche bomba

Um familiar de alguns dos mortos disse a uma jornalista local que trabalhava com a CNN que nove vítimas – juntamente com os seis menores – eram membros de uma família, com o membro mais novo a perder a sua vida aos dois anos de idade.

Os militares norte-americanos insistem que o ataque ao veículo impediu uma ameaça “iminente” ao aeroporto, mas reconhecem que poderia ter levado a uma “potencial perda de vidas inocentes”. O porta-voz do Comando Central Bill Urban disse que a destruição do carro-bomba causou “explosões poderosas” devido à presença de “uma grande quantidade de explosivos” no seu interior.

Putin: “Não queremos milicianos a aparecer aqui sob o disfarce de refugiados do Afeganistão”.

#EstadosUnidos #Afganistan #Rusia #Putin #Espias #DerechosHumanos

Putin criticou a táctica planeada pelo Ocidente de evacuar os afegãos alojando refugiados nos países da Ásia Central até estes receberem vistos para os EUA e Europa.

O presidente dos EUA disse que o que aconteceu na semana passada em Cabul não foi um fracasso, minimizando as cenas de afegãos a caírem de um avião.

#EstadosUnidos #Afganistan #Terrorismo #OrienteMedio

O Presidente dos EUA Joe Biden defendeu a retirada das forças norte-americanas do Afeganistão, dizendo que não poderia ter sido tratada de uma forma que não conduzisse ao “caos resultante”, na sua primeira entrevista desde que os Talibãs tomaram o controlo de Cabul.

Biden esteve em Camp David durante o fim-de-semana, quando o governo afegão apoiado pelos EUA entrou em colapso e os Talibãs assumiram o controlo. Regressou a Washington na segunda-feira para fazer um discurso, depois de ter começado a circular vídeos assustadores de afegãos agarrados a aviões de carga americanos e de alguns deles terem alegadamente caído para fora. No entanto, não aceitou perguntas da imprensa na altura.

“Isso foi há quatro dias, há cinco dias”, disse a George Stephanopoulos, antigo conselheiro do Presidente Bill Clinton, agora âncora do ABC, durante uma entrevista gravada na quarta-feira e programada para o ar na quinta-feira de manhã.

Perguntado o que pensava quando viu aquelas imagens, Biden respondeu: “Temos de tratar disto. Temos de avançar isto mais depressa. Temos de avançar de forma a podermos assumir o controlo desse aeroporto. E assim fizemos.

Na entrevista ao ABC, o ocupante da Casa Branca repetiu alguns dos pontos do seu discurso de segunda-feira, insistindo que Washington não tinha previsto que o Exército Nacional Afegão entraria em colapso numa questão de dias, oferecendo quase nenhuma resistência.

"No podría haber sido manejado de otra manera": Biden resta importancia a las escenas de afganos cayendo de un avión porque "eso fue hace cinco días"

Stephanopoulos perguntou-lhe se o que aconteceu na semana passada no Afeganistão foi uma falha de inteligência, planeamento, execução ou avaliação da situação. “Olha, não creio que tenha sido um fracasso”, respondeu Biden, interrompendo o anfitrião.

“Olha, foi uma escolha simples”.

“Quando se tinha o governo do Afeganistão, o líder desse governo entrava num avião e descolava e ia para outro país; quando se via o colapso significativo das tropas afegãs que tínhamos treinado, até 300.000 delas, elas apenas deixavam o seu equipamento e descolavam, foi isso, sabem, que aconteceu. Foi exactamente isso que aconteceu”, disse ele.

Além disso, quando o anfitrião questionou se todo o processo poderia ter sido melhor tratado, o líder dos EUA respondeu que não podia.

“Não, não creio que pudesse ter sido tratado de uma forma que – vamos voltar atrás e olhar – mas a ideia de que, de alguma forma, há uma forma de ter saído sem que o caos se instalasse, penso que não. Não sei como isso acontece. Não sei como é que isso aconteceu”, disse Biden.

Depois de inicialmente concordar com Stephanopoulos que o caos estava sempre “incluído no preço” da decisão de retirada, o presidente recuou.

“Olha, uma das coisas que não sabíamos é o que os Talibãs fariam em termos de tentar impedir as pessoas de saírem. O que fariam eles? O que fazem agora? Estão a cooperar, permitindo aos cidadãos americanos sair, ao pessoal americano sair, às embaixadas sair, etc.”, disse ele, antes de admitir que os EUA estavam “a ter mais dificuldades com aqueles que nos ajudaram quando lá estivemos”, nomeadamente tradutores afegãos, empreiteiros e as suas famílias.

Os EUA conseguiram até agora evacuar cerca de 3.200 pessoas do Afeganistão, com o ambicioso objectivo de aumentar esse número para 9.000 ou mais por dia. Biden disse à ABC que o número total que Washington está disposto a tomar era de cerca de 60.000.

Estima-se que 10.000 americanos ainda possam estar no Afeganistão, e ele comprometeu-se a manter uma presença militar no aeroporto de Cabul até que todos os que desejem partir o possam fazer, mesmo que isso signifique exceder o prazo de 31 de Agosto para deixar o país.

A certa altura, segundo transcrições da entrevista do ABC, Biden creditou o seu antecessor Donald Trump por negociar um acordo com os Talibãs sobre a falta de ataques às tropas norte-americanas no Afeganistão.

“Ouço as pessoas dizerem, bem, tinham lá 2.500 pessoas e nada aconteceu. Sabe […] a razão que não estava a acontecer era porque o último presidente tinha negociado um ano antes que partiria a 1 de Maio e em troca não haveria ataques às forças dos EUA. Foi o que foi feito. É por isso que nada estava a acontecer”, disse Biden.

Rota danificada de Joe Biden .

#EstadosUnidos #Afganistan #TerrorismoMadeInUSA #CNN #JoeBiden #SaludMundial #Covid-19

Elecciones EEUU 2020: El Colegio Electoral de Estados Unidos, a punto de  certificar la victoria de Joe Biden como nuevo presidente

A CNN opinou na segunda-feira que Biden enfrenta cinco grandes desafios: Afeganistão, Covid-19, inflação, infra-estruturas e postos fronteiriços.

Notou que à medida que se dirigia e os resolvia, podia ter o controlo do Congresso nas eleições intercalares de 2022.

Também está a sofrer uma ligeira queda no seu índice de aprovação, notou a CNN.

Como sinal óbvio do significado da situação actual, o Presidente interrompeu esta semana as suas férias no estado de Delaware.

Anteriormente, a repórter da CNN Betsy Klein perguntou-lhe na Casa Branca se uma aquisição pelos Talibãs era inevitável.

Biden respondeu: “Não, não é, a probabilidade de os Talibãs ultrapassarem tudo e tomarem conta de todo o país é muito improvável”.

Os observadores acreditam que os EUA estão a caminhar para outro retrocesso revelador na arena internacional.

Ao mesmo tempo, Biden foi confrontada com uma situação alarmante de Covid-19, com um aumento de casos, e mortes, causados pela variante delta.

Segundo dados da Universidade Johns Hopkins dos EUA, no sábado passado, o número de infecções atingiu 36.886.005 e 622.306 mortes.

Extraído de Cuba Si