Um guião anti-cubano para os inescrupulosos.

#MafiaAnticubana #RedesSociales #USAID #NED #CIA #MercenariosYDelincuentes #CubaNoEsMiami #CubaSoberana #SomosContinuidad #TenemosMemoria

Por Redacción Razones de Cuba

Autor: Miguel Febles Hernández

Embora não faltem provas publicadas sobre como a agitação no arquipélago foi concebida, organizada e financiada pelos Estados Unidos, continuam a surgir novas provas, tais como a recentemente apresentada por Las Razones de Cuba.

Não é surpreendente saber que, nas últimas duas décadas, os governos dos EUA atribuíram quase 250 milhões de dólares a programas de subversão nas Grandes Antilhas, canalizados principalmente através do National Endowment for Democracy (NED) e da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID).

Os novos “estrategas” da guerra não convencional e o golpe suave estabeleceram, como nova prioridade, o financiamento de projectos de mudança de regime em Cuba, para os quais foi necessário elaborar primeiro um guião para uma presumível explosão social.

Orlando Gutiérrez Boronat, líder da organização contra-revolucionária no estrangeiro, Directorio Democrático Cubano, e o congressista cubano Lincoln Díaz Balart, foram responsáveis por estas tarefas e realizaram uma reunião para avaliar as acções até Dezembro, com o objectivo de desestabilizar o governo da ilha.

Nem poderia a infame Brigada 2506, sob a liderança de Johnny López de la Cruz, que assinou um memorando de entendimento com Gutiérrez Boronat, cujo um dos objectivos é “salvar países sob regimes comunistas na América Latina”, estar ausente do convite anti-cubano.

Ambas as organizações ligadas ao terrorismo enviaram aos seus seguidores um desenho para um movimento de desobediência civil, no qual estabeleceram os passos para derrubar a Revolução, com base em estudos realizados na Roménia, Jugoslávia e outros países europeus.

O “manual” elaborado contra Cuba concebe, em várias fases, acções destinadas a gerar um clima de agitação, levando a cabo campanhas de direitos humanos, acusando o governo de totalitarismo, promovendo protestos violentos e intensificando a guerra psicológica, e chegando mesmo ao ponto de solicitar uma intervenção militar.

Luis Zúñiga Rey, membro de longa data de organizações terroristas, também participou nestes “estudos sobre os processos de mudança social”.

Os motins e actos de vandalismo ocorridos a 11 de Julho do ano passado revelam uma análise meticulosa do contexto sócio-económico local, marcado por elevados números de casos COVID-19, as interrupções no serviço de electricidade causadas por falhas nos sistemas de geração e os efeitos da intensificação da guerra económica contra o país.

Em poucas horas, a matriz de opinião da crise humanitária foi suplantada pela exigência de liberdades, o fim do comunismo e as denúncias de repressão, elementos que foram amplificados por grandes meios de comunicação como a cnn, as estações de televisão da Florida em conjunto com plataformas digitais financiadas por Washington, a imprensa de direita espanhola e a empresa Twitter.

Apoiado por cenas construídas de uma revolta popular em Cuba, o Presidente da Câmara de Miami, Francis Suarez, foi rápido a anunciar: “Estamos a pedir uma intervenção internacional liderada pelos EUA para proteger o povo cubano de um banho de sangue. Tenho estado em contacto com o Departamento de Estado e eles estão a acompanhar os protestos pacíficos em Cuba”.

Quase simultaneamente, Rosa María Payá Acevedo e Liudmila Santiesteban Cruz, membros do projecto inimigo Cuba Decide, sempre prontos a agir contra o país onde nasceram, emitiram instruções à sua base operacional em Cuba para se juntarem à suposta rebelião popular.

Las razones de Cuba relata que o apelo para se juntar às manifestações e o incitamento ao motim, usando o álibi da sociedade civil local, foi o foco do discurso de elementos contra-revolucionários como Yamila Betancourt García.

O youtuber Alexander Otaola Casal, o líder do projecto Somos más, Eliécer Ávila Sicilia, e os influentes Manuel Milanés Pisonero e Alain Lamber Sánchez, conhecidos como Cuban Paparazzi, todos baseados fora da ilha, também se juntaram ao aparelho de comunicação social.

A 11 de Julho, William Cabrera González (Willy), líder da Nova Nação Cubana em Armas, e Jorge Luis Fernández Figueras, chefe do projecto Lobos Solitários, realizaram uma transmissão em directo via Internet, na qual anunciaram uma alegada infiltração militar na parte ocidental de Cuba.

Para este fim, numa operação assegurada pela Direcção e Brigada Democrática de Cuba 2506, desde o início deste ano, a Nova Nação Cubana de Armas começou a recrutar homens através de redes sociais, todas promovidas a partir do território dos EUA, com total impunidade.

Vestido com uniforme militar, Willy, juntamente com Fernández Figueras, foi visto na sala de estar da sua casa, assegurando claramente aos seus seguidores com total descaramento: “Vamos para sul, como dissemos, vamos para a nossa terra, e quem tiver o seu ferro, quem tiver a sua máquina, nós estamos prontos, meu irmão”.

Das palavras aos actos… Algo semelhante aconteceu a Karel Fernández Sánchez, auto-denominado presidente do projecto inimigo do Partido Cubano Martiano, que disse aos seus seguidores que estava a caminho de embarcar num barco com destino a Havana, uma promessa que nunca cumpriu.

Em instruções precisas aos seus “comandos” em diferentes províncias, estas personagens incitam-nos a atacar agentes da lei, destruir carros de patrulha, incendiar esquadras de polícia e atirar cocktails Molotov a círculos infantis, escolas e policlínicas, entre outras instituições sociais.

As “ordens” chegaram ao ponto de sugerir o assassinato dos principais líderes cubanos: “Essa seria uma questão que o próprio desenvolvimento da luta nos dirá tudo o que tem de ser feito. Isto é o que se chama “na mosca”. Descobriremos qual é a oportunidade e o método para eliminar isto e aquilo”.

Tais declarações expõem os verdadeiros interesses do império, que através da manipulação de imagens e informações para fins políticos, a adulteração do conteúdo dos meios de comunicação cubanos, o ataque cibernético a vários deles e a utilização de sistemas de inteligência artificial e Big Data, revelam as acções grosseiras de interferência.

Na sua qualidade de Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano, Bruno Rodríguez Parrilla encarregou-se de acusar o governo dos EUA de estar directamente envolvido, e de ter sérias responsabilidades pelos incidentes que tiveram lugar. Até agora, um silêncio estrondoso tem sido a resposta.

“Proibido esquecer”, dizem em #Miami aos traidores .

#Cuba #SubversionContraCuba #RedesSociales #MnaipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDeluincuentes

A #CasaBranca exclui mudança de atitude de #Washington em relação a #Cuba.#

#Cuba #EstadosUnidos #JoeBiden #ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #Sanciones #DonaldTrumpCulpable #PuentesDeAmor

Autor: Granma | internet@granma.c

A porta-voz da Casa Branca Jen Psaki disse na terça-feira que Washington não planeja modificar suas restrições a Havana no curto prazo, observando que “uma mudança de política em relação a Cuba não está atualmente entre as principais prioridades do presidente Biden, mas estamos comprometidos em tornar os direitos humanos uma prioridade pilar da política dos EUA. “

joe biden

As declarações de Psaki foram feitas uma semana depois que um grupo de 80 congressistas democratas enviou uma carta a Joe Biden, solicitando uma mudança nas políticas e restrições cruéis impostas por Washington à Ilha durante o governo Donald Trump.

Durante sua campanha, Biden garantiu que suspenderia algumas das restrições de viagens e comércio entre os dois países e que renovaria as negociações diplomáticas. No entanto, isso pode encontrar a rejeição de setores fortes no Congresso.

Os congressistas democratas insistem em termos humanitários e econômicos, e apontam que ordens executivas implementadas pela administração Trump apertaram as sanções a níveis não vistos há décadas, a agência Europa Press expande.

O pretexto sônico: Entre a #CIA e #MarcoRubio (Parte II)

#Cuba #EstadosUnidos #CIA #FalsosAtaquesSonicos #DonaldTrumpCulpable #FakeNewsVsCuba #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes CubaNoEsMiami #CubaSeRespeta

Por Rafael Gonzalez Morales Redacción Razones de Cuba

Após sete meses sem revelar publicamente os supostos incidentes acústicos, e encerrado o processo de revisão da política em relação a Cuba, Marco Rubio considerou que era o momento ideal para pressionar com o objetivo de que esses fatos fossem do conhecimento de todos. Foi um cálculo político perverso baseado no facto de estes “ataques sonoros”, uma vez revelados, constituírem o pretexto perfeito para se conseguir uma deterioração progressiva das relações entre os dois países que conduziria praticamente ao desmantelamento das respectivas embaixadas.

Não se contentava com um retrocesso parcial, como o incluído no memorando de Trump, precisava gerar um clima bilateral rarefeito e tinha certeza de que essa questão tinha esse potencial. Em sua lógica maliciosa, com uma série de diplomatas americanos “afetados por uma arma poderosa de tecnologia desconhecida”, o governo dos Estados Unidos não teve escolha a não ser responder agressivamente.
Segundo investigação da publicação New Yorker, Marco Rubio “começou a cair nas reuniões que sabia o que se passava em Cuba. Funcionários do governo temiam que ele vazasse a informação a qualquer momento.

Ataque Sónico

Nesse contexto, em 9 de agosto, o jornalista da CBS Steve Dorsey perguntou ao porta-voz do Departamento de Estado: Você pode nos contar sobre os incidentes que estão acontecendo em Havana e que afetaram funcionários do governo dos Estados Unidos? O funcionário, no essencial, disse-lhe: «Temos conhecimento do que aconteceu lá. Funcionários do governo dos Estados Unidos que trabalhavam em nossa embaixada em Havana relataram alguns incidentes que causaram diversos sintomas físicos […] Não temos uma resposta definitiva sobre a origem ou causa dos incidentes.

O momento almejado pela extrema direita havia chegado para impor sua agenda sem obstáculos. Em 15 de setembro, cinco senadores republicanos do Comitê Seleto de Inteligência do Senado liderado por Marco Rubio enviaram uma carta ao então Secretário de Estado Rex Tillerson. Na carta, pediam-lhe que declarasse imediatamente todos os diplomatas cubanos nos Estados Unidos como pessoas indesejáveis ​​e, caso Cuba não tomasse medidas tangíveis, fechasse a embaixada dos Estados Unidos em Havana.

Em 29 de setembro, Tillerson anunciou a decisão de reduzir significativamente o pessoal diplomático de sua embaixada em Havana e remover todos os familiares. No comunicado, ele especificou que “até que o governo de Cuba possa garantir a segurança de nossos diplomatas”, só restará o pessoal de emergência. Além disso, emitiram um alerta de viagem aos cidadãos norte-americanos sugerindo que evitassem viajar para a ilha. Horas depois desse anúncio, Donald Trump, diante de uma pergunta de um jornalista sobre esses acontecimentos, apontou em sua linguagem típica: “Houve um grande problema em Cuba. Eles fizeram coisas muito ruins.

Nesse mesmo dia, Marco Rubio divulgou um comunicado que afirmava: “É absurda a ideia de que Cuba não saiba como esses atentados foram cometidos e quem os executou […] Até que os responsáveis ​​por esses atentados sejam levados à justiça, Estados Unidos deve expulsar imediatamente igual número de diplomatas cubanos, rebaixar a embaixada dos Estados Unidos em Havana à Seção de Interesses e considerar a inclusão de Cuba na lista de países patrocinadores do terrorismo.

Olla de grillos? (+Línea de Tiempo) (+Ilustraciones) - Cuba en Noticias

Em 3 de outubro, o Secretário de Estado indicou por meio de um comunicado à imprensa que haviam decidido que 15 funcionários da embaixada cubana em Washington deveriam deixar os Estados Unidos. Em menos de uma semana, o governo Trump adotou medidas com implicações muito negativas para as relações entre os dois países. Em termos práticos, ocorreu um desmantelamento das missões diplomáticas.

A suspensão da emissão de vistos na sede dos EUA comprometeu o cumprimento dos acordos de imigração e afetou as viagens por motivos familiares aos Estados Unidos. A cooperação em questões de interesse comum e a implementação dos 22 instrumentos bilaterais existentes também foram colocadas em risco. Portanto, o pretexto dos “ataques sônicos” começou a valer a pena e a deterioração progressiva das relações começou.

Ao contrário da posição manifestada pelo governo dos Estados Unidos de manipular esta questão por motivos políticos, as autoridades cubanas, desde que foram informadas da ocorrência destes eventos em fevereiro de 2017, deram-lhe a máxima prioridade e envolveram-se imediatamente no seu esclarecimento. Criaram um grupo de trabalho permanente responsável pelo processo de investigação no qual intervieram diversas especialidades do Ministério do Interior. Além disso, foi constituída uma comissão de especialistas composta por especialistas de alto nível dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Saúde Pública, tendo em consideração a natureza dos acontecimentos notificados.

Depois que o governo dos Estados Unidos divulgou publicamente essa situação, um debate crescente começou sobre esses eventos. Cientistas de renome internacional, de várias áreas do conhecimento, pertencentes a prestigiosas universidades e centros de pesquisa dos Estados Unidos e da Europa, têm sustentado várias hipóteses que lançam dúvidas sobre a ocorrência dos alegados ataques acústicos. Esses especialistas consideraram improvável que a grande variedade de sintomas fossem causados ​​por equipamentos conhecidos e que o tipo de som gravado provavelmente não causasse danos cerebrais.

Multimedia - Cuba en Noticias

Em 8 de janeiro de 2018, a agência de notícias AP revelou que a Divisão Operacional de Tecnologia do FBI emitiu um relatório afirmando que após investigar as ondas sonoras abaixo do alcance da audição humana (infra-som), aquelas que podem ser ouvidas (acústica) e aquelas que estão acima No campo auditivo (ultrassom), concluiu que não havia causa sonora para os sintomas físicos vividos pelos diplomatas norte-americanos em Havana. Em essência, a instituição especializada nos Estados Unidos legalmente autorizada a realizar esse tipo de investigação determinou que não havia evidências dos “ataques acústicos”.

Como parte de sua obsessão anticubana, Marco Rubio convocou uma audiência em 9 de janeiro na Comissão de Relações Exteriores do Senado sobre os incidentes de saúde. Seu objetivo era fazer um show político para responsabilizar o governo cubano. O legislador argumentou que era irrelevante saber se os ataques foram realizados com um dispositivo acústico ou de micro-ondas porque, em última análise, a verdade era que “24 americanos ficaram feridos”.

Ele acrescentou que o que aconteceu foi fruto de uma tecnologia tão sofisticada que os especialistas nos Estados Unidos ainda não entendem. Como o nosso cinismo sem limites, afirmou: “os responsáveis ​​por estes atentados querem introduzir atritos nas relações bilaterais”.

Retirado do contexto latino-americano

#BobMenéndez exige que #Biden coloque condições políticas em #Cuba.

#Cuba #RevolucionCubana #PuentesDeAmor #ElBloqueoEsReal #EstadosUnidos #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #Congreso #Capitolio #DonaldTrumpCulpable #FakeNewsVsCuba #Cuba SeRespeta #PatriaOMuerte #CubaNoEsMiami

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Enquanto 80 congressistas democratas, autoridades de mais de 15 cidades, organizações religiosas, acadêmicos e movimentos sociais americanos pediam expressamente ao presidente Joe Biden que normalizasse as relações de seu governo com Cuba, o senador Bob Menéndez exigia que o presidente condicionasse uma eventual negociação com ele. “melhorias na situação dos direitos humanos e das liberdades políticas”.

Menéndez, novo presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, foi um dos principais críticos, dentro do Partido Democrata, da aproximação entre as duas nações promovida pelo governo Barack Obama.

O pronunciamento do político anticubano ocorreu em recente evento organizado pela Fundação Inspire America, instituição sem fins lucrativos cujo objetivo é “promover a mudança de regime em Cuba”.

robert menendez

A atividade contou com a presença dos mais proeminentes animais de direita de Miami, incluindo o senador republicano da Flórida, Marco Rubio; o deputado republicano Mario Díaz-Balart, e a também republicana María Elvira Salazar, que, segundo a carta dos 80 deputados democratas a Biden, reagiu com o tom típico de sua obstinação contra a Revolução: o que eles “têm que enviar é um carta exigindo o fim da repressão ”, disse, referindo-se ao mais desgastado dos argumentos fabricados pela máfia política anticubana.

Bob Menéndez, considerado “o mais republicano dos democratas”, tem se destacado por suas ações contra Cuba e Venezuela, sendo o arquiteto, junto com Marco Rubio, de muitas das “iniciativas” propostas para prejudicar as duas nações.

Nos últimos sete anos, Robert tem estado na mira das autoridades norte-americanas por crimes de conspiração, tráfico sexual, fraude e suborno.

Em 2017, ele foi acusado de 18 acusações de fraude e suborno. Segundo o Ministério Público, o senador recebeu US $ 750 mil em doações, brindes, viagens de avião particular e férias luxuosas pagas por um benfeitor.

Anteriormente, o político ultraconservador se envolveu em um escândalo com prostitutas dominicanas. Segundo um remetente, identificado como Peter Williams, que alertou o FBI, Menéndez contratou e fez sexo com quatro adolescentes naquele país.

Os autos de acusação indicam que, entre agosto de 2006 e janeiro de 2013, o político se hospedou várias vezes em um resort na República Dominicana, conhecido por ser um refúgio exclusivo do Caribe na província de La Romana, na costa sudeste daquele país, onde Acredita-se que ele teve o referido encontro com prostitutas.

Um grande júri federal concluiu que o político usou seu gabinete senatorial para favorecer projetos “em troca de doações e favores”, para motivar declarações falsas sob juramento de trabalhadoras sexuais menores de idade e para defraudar o sistema de saúde dos Estados Unidos.

Bob também tem um histórico de permitir a propagação da prostituição, jogos de azar e extorsão de gângsteres, enquanto era prefeito de Union City, uma cidade perto de Nova York.

Recentemente, alguns meios de comunicação dos Estados Unidos classificaram o colega cubano-americano Ted Cruz, senador pelo estado do Texas, como o pior dos políticos cubano-americanos, ainda “pior que Marco Rubio”, embora, sem dúvida, entre “joias”. Como. é você, é difícil escolher.

Conversando com Cristina Escobar sobre…Igualdade trancada? “

#Cuba #CristinaEscobar #Mujer #EstadosUnidos #PuentesDeAmor #BloqueoNoSolidaridadSi #ElBloqueoEsReal #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #España #MujerCubana #Obama #RaulCastro #JoeBiden #DonaldTrumpCulpable

Cuba e a arma sônica de James Bond .

#Cuba #SubversionContraCuba #Diplomati#Embajada #FalsosAtaquesSonicos #JameBond #DonaldTrumpCulpable #ElBloqueoEsReal

Quem está por trás das políticas de sufocamento contra Cuba?

#Cuba #EstadosUnidos #JoeBiden #Política #BobMenendez #CongresoAntiCubano #ElBloqueoEsReal #CubaVsBloqueo #Sanciones

Marcos mais importantes em 123 anos de agressão dos #EUA contra #Cuba.

#PalabraPrecisa #EEUU #Cuba #FlsosAtaquesAcusticos #FalsosAtaquesSonicos #EstadosUnidosMiente #ElBloqueoEsReal

Eles usam a figura de José Martí para manipulação e subversão contra #Cuba.

#CubaSeRespeta #ConCubaNoTeMetas #CubaNoEsMiami #RedesSociales #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosMadeInUSA #LaFarsaDeSanIsidro #CubaViva #SubversionContraCuba

Por Redacción Razones de Cuba

O pensamento e a obra de José Martí foram escolhidos por um grupo de contra-revolucionários para questionar as ações do governo cubano. Eles o manipulam, descontextualizam e inventam frases, na tentativa de confrontar a ideologia do Apóstolo com seu próprio povo.