#Fidel mais presente a cada dia …

#PorSiempreFidel #FidelEntreNosotros #EternoComandante #PCC

Cuba Sim, Yankee Não , Solidariedade Internacional com a #Revolução .

#Cuba #Solidaridad #FidelCastro #RevolucionCubana

A Universidade de Havana realizou uma cerimónia de graduação para estudantes angolanos.

#Cuba #Angola #EstudiantesAngolanos #CubaCoopera #FidelCastro

A Universidade de Havana (UH), tendo em conta a situação epidemiológica actual na capital, realizou esta manhã, 20 de Agosto, na Aula Magna, de forma excepcional, simples, mas sentida, a cerimónia de atribuição de diplomas a estudantes de nacionalidade angolana, licenciados do curso 2021 desta casa de estudos superiores.

Apesar do panorama adverso que existe há vários meses, as universidades em Cuba têm-se mantido activas, desenvolvendo um importante conjunto de tarefas para enfrentar o Covid-19, e a atenção às linhas estratégicas de desenvolvimento. Em particular, a atenção e o cuidado dos estudantes estrangeiros no nosso país, incluindo os 21 estudantes angolanos que concluíram com sucesso os seus estudos e estão agora a formar-se na pátria de José Martí e Fidel Castro.

A cerimónia foi presidida pelo Dr. C. Miriam Nicado Garcia, membro do Comité Central do Partido Comunista de Cuba e Reitor da Universidade de Havana; Sr. Elio dos Santos, Primeiro Secretário da Embaixada de Angola em Cuba; Dr. C. Marian Hernandez Colina, Vice-Reitor de Formação; Dr. C. Zareska Martinez Remigios, Secretário-Geral e Jose Julian Diaz Perez, Presidente da Federação dos Estudantes Universitários da Universidade de Havana.

Também estiveram presentes directores universitários, pessoal diplomático, reitores e vice-reitores das faculdades com licenciados (Faculdade de Contabilidade e Finanças, Faculdade de Comunicação, Faculdade de Economia e Faculdade de Direito).

Após receber o diploma de licenciatura, Domingos Carlos da Conceição Rodrigues, licenciado em Direito, disse no seu discurso em seu nome:

Foi um período difícil, longe da família, aprender uma nova língua, e as exigências da carreira que tínhamos escolhido; mas tudo foi superado graças ao apoio dos professores que nunca abandonaram o seu principal objectivo: formar futuros profissionais.

A formação dos profissionais angolanos em Cuba data de 1976, e os laços de amizade entre a República de Cuba e a República de Angola reforçam-se a cada ano, com base na solidariedade e fraternidade entre os dois povos, um legado que nos exaltou durante décadas, contribuindo para a melhoria do indivíduo, tanto a nível profissional como pessoal.

Agradeceu também ao governo angolano por confiar neles e ao governo cubano por os acolher.

Posteriormente, a Dra. C. Marian Hernández Colina, Vice-Reitora de Educação da Universidade, fez as observações finais, nas quais afirmou que no ano académico em curso, 2021, há 29 países representados na UH, com 162 estudantes estrangeiros que decidiram empreender a sua formação no nosso país. Hoje, 21 estudantes angolanos completaram os seus estudos de um total de 42 estudantes daquela nação irmã que se encontram nas nossas salas de aula. No final do seu discurso e felicitando os licenciados, a Vice-Chanceler salientou: A sua Universidade de Havana, como a sua Alma Mater, terá sempre os braços abertos para novos estudantes e para reforçar a formação que está a concluir hoje.

(Extraído do website da Universidade de Havana)

Ser Fidel e ser Fidel agora .

#YoSoyFidel #FidelEntreNosotros #FidelPorSiempre #Salud

Quebrando a solenidade do momento, como uma onda a ganhar força, o clamor cresceu mais alto e, pouco a pouco, a Plaza de la Revolución tornou-se um coro gigante com uma única frase: Eu sou Fidel.

Era terça-feira, 29 de Novembro de 2016, e o povo de Havana, representando toda a Cuba, tinha-se ali reunido para prestar homenagem ao Comandante invicto que partia para a imortalidade.

À medida que nos unimos uns atrás dos outros na aclamação colectiva, a emoção cresceu e era urgente deixar claro que o homem que tantas vezes levantou a sua voz daquele mesmo lugar não partiria, nem o seu legado seria perdido para sempre. Foi correcto e oportuno dizer ali, e depois repetir de uma ponta à outra da ilha, que seríamos como ele, que estaríamos no seu lugar, mas será que compreendemos bem o que isso significa?

Fidel, que pediu e quase exigiu que, após a sua partida, nenhum monumento fosse erguido em sua honra, nem o seu nome fosse usado com bombástico retórico, só teria aceite com prazer o significado deste slogan se, na sua expressão prática, aqueles de nós que o repetem fizessem também a sua parte, com a mesma força, confiança na vitória e sentido do dever que ele colocou em cada esforço.

Não se poderia ser Fidel e continuar a ignorar o que está mal feito, ou fazer um pacto com ociosidade; não se poderia ser Fidel e distanciar-se das urgências do povo, sem os ouvir atentamente, juntando-se a eles nos seus esforços diários para avançar; não se poderia ser Fidel se na hora do dever formos para o lado onde a vida é melhor e, do nosso conforto individual, olhamos para as urgências colectivas, como egoístas perfeitos em tempos em que só a solidariedade pode salvar.

Nem poderíamos ser Fidel se quebrarmos a unidade, que é e será o nosso principal antídoto contra a tentativa permanente de nos esmagar, ou se enfraquecermos as nossas defesas contra inimigos que mudarão os seus rostos ou os seus métodos, mas nunca as suas intenções anexas ou neo-coloniais.

Para ser Fidel, no termo que significa o slogan vigoroso, é necessário compreender que, aqui e agora, que o engenho e a estratégia que o levaram a triunfar sobre adversidades e limitações de todo o tipo são extremamente necessários. Hoje é COVID-19, pois mais tarde pode ser um ciclone, o fardo da seca, e mesmo novas e mais viciosas medidas de bloqueio, juntamente com intenções agressivas de todo o tipo. Em todos os casos, se mantivermos a convicção de agir como ele, a derrota será impossível.

Temos muitos exemplos de como é possível ser fiel ao juramento simbólico que vem com ter dito e continuar a dizer que somos Fidel. Basta olhar para a dedicação sem limites da liderança do país, com o Presidente na linha da frente, face a cada problema; a incansável incansável dos cientistas; a tenacidade e humanismo dos médicos que não desistem; os sucessos desportivos que nos enchem de orgulho; aqueles que produzem e semeiam, e os milhares de jovens que estão onde são mais necessários.

Devemos repetir este slogan, e sobretudo torná-lo realidade, como a melhor homenagem àquele que nos mostrou que a rendição é a única opção que nunca devemos considerar.

#FidelPorSiempre

#FidelEntreNosotros #YoSoyFidel #EternoComandante

Recordando #Fidel, Adverte sobre o desastre ecológico do #Brasil em 1992 …

#FidelEntreNosotros #YoSoyFidel #EternoComandante

De 5 de Agosto de 1994 até hoje: #FidelCastro e a política como contra-campo.

#VictoriaDePueblo #PatriaOMuerte #FidelEntreNosotros #AlMaleconConFidel #ACubaPonleCorazon

Por Iroel Sánchez

Em Cuba, no Verão de 1994, as perspectivas económicas após o impacto do desaparecimento do comércio com a URSS, que tinha eliminado mais de 70% das receitas em divisas do país, não podiam ter sido piores: Os cortes de energia duraram mais de 12 horas, um abastecimento alimentar em declínio transformou uma ladainha da novela do dia – “menina, diz olá ao teu namorado” – num sinónimo de arroz e feijão, o prato mais frequentemente disponível, juntamente com invenções crioulas tais como picadillo de soja e pasta de ganso, enquanto o acesso às poucas cafetarias que vendiam hambúrgueres era distribuído pelo CDR, com prioridade dada às mulheres grávidas e aos idosos. Os transportes públicos tinham praticamente desaparecido, para serem substituídos pelo uso massivo de bicicletas, em contradição com uma dieta que tinha vindo a diminuir de dia para dia. Latas solitárias de amêijoas nas montras das lojas foram o último testemunho de um mercado estatal em pesos cubanos que em tempos tinha complementado satisfatoriamente a chamada libreta de abastecimiento.

Desde 26 de Julho de 1993, o dólar tinha sido descriminalizado, e a minoria com acesso a ele teve um tempo ligeiramente melhor, embora os cortes de energia tivessem um impacto igual sobre todos. Os parlamentos dos trabalhadores, assim chamados por Fidel com toda a intencionalidade de classe, tinham aprovado uma série de medidas que acabariam por revalorizar o peso cubano, que nessa altura estava a negociar a 150 para o dólar, e tornar possível a recuperação; Mas nesse momento, o desespero, a irritação e o descontentamento poderiam criar massa crítica para o que Miami anseiava há décadas, e um jornalista, que ainda tem a dureza facial de continuar a publicar artigos em meios de comunicação como o El Nuevo Herald, pensou que faria um nome ao escrever um livro intitulado A Última Hora de Fidel Castro.

Durante várias semanas, os sequestros de barcos encorajados pelas emissões radiofónicas dos Estados Unidos tinham vindo a criar uma situação tensa nos municípios próximos do porto de Havana. Na manhã de 5 de Agosto de 1994, na sede do Comité da UJC na província, discutimos apaixonadamente se devíamos ou não passar da denúncia à mobilização, quando a realidade impôs o seu ritmo e decidimos dirigir-nos ao Comité Nacional da nossa organização, localizado mesmo à entrada da Avenida del Puerto.

O primeiro tremor foi quando vi uma mulher a gritar com alguém que passou à nossa frente na rua San Lázaro, em direcção a Old Havana, no sidecar de uma mota:
“Tira essa pulóvia, eles vão matar-te”. Ela pensou sem dúvida que nessas circunstâncias, as palavras escritas nas roupas do homem poderiam fazer a diferença entre a vida e a morte, e eu, que estava a usar uma camisa às riscas, mas que muitas vezes tinha gritado o que o pulôver do homem dizia, olhei para ela por um momento, não sem medo, pensando que as palavras nas roupas do homem poderiam fazer a diferença entre a vida e a morte, não sem medo, pensando que o logotipo exposto no veículo em que estávamos a viajar poderia ter o mesmo destino que o que o apavorado transeunte previa para o passageiro do motociclista que nos tinha precedido pelas ruas anteriormente tranquilas do centro de Havana.

Alguns caixotes do lixo, presumivelmente colocados por aqueles que começaram os tumultos, estavam a tentar bloquear o trânsito, mas chegámos ao nosso destino. Nas proximidades do Comité Nacional da UJC (Avenida de las Misiones, Prado e Avenida del Puerto, e Parque Máximo Gómez) havia muitas pessoas que, obviamente, pelo que gritavam, não estavam do nosso lado; outras, no papel de espectadores, observavam silenciosamente, e um polícia solitário disparava para o ar, enquanto protegia o seu carro patrulha, estacionado ao lado do Castillo de La Punta.

Fidel Castro enfrentó en Cuba hace 27 años la protesta conocida como “El  Maleconazo” | Internacional | Noticias | El Universo

O grupo que ali se tinha reunido – quadros e trabalhadores de diferentes ramos da UJC, incluindo eu próprio – começou a mover-se por aí a gritar slogans revolucionários, o mais repetido dos quais era Viva Fidel! Ainda na minoria, vimos como estávamos a ganhar terreno, alguns assistiram em silêncio e outros recuaram, choveu pedras à nossa volta, mas ninguém nos confrontou directamente, e assim chegámos à esquina de Prado e Malecón, onde vimos chegar camiões do Contingente Blas Roca, um dos seus membros que mais tarde soubemos que perdeu um olho nesse dia, atingido por objectos atirados para ele a partir de um edifício próximo.

Andando pelo Prado, a situação era confusa. Milhares de pessoas estavam a ocupar a rua, quando várias vozes começaram a falar da vinda de Fidel por esse caminho. Foi apenas alguns segundos antes, de facto, que os três jipes verde-oliva, cobertos de tecido e absolutamente vulneráveis a qualquer violência, desembarcaram no meio do tumulto, e o Comandante saiu do segundo deles. Como por magia, as pedras desapareceram e um enorme rugido inundou as nossas gargantas, agora com a certeza da vitória para sempre: “Fidel, Fidel! No meio dessa massa descontrolada, qualquer pessoa podia aproximar-se a um metro dele para lhe fazer violência e desencadear o ódio inoculado durante tanto tempo por mentiras e propaganda, mas lá estava ele: sereno, falando devagar e em silêncio, perguntando sobre a situação noutros lugares próximos, dizendo que era melhor deixar-nos os mortos, e certamente já pensando no contra-ataque que daria ao império, para mais uma vez transformar o contratempo em vitória. Foi aí que ele iniciou uma ofensiva sistemática contra a política dos EUA em relação a Cuba, que continuaria em várias aparições televisivas que colocariam o governo de Bill Clinton na defensiva e o forçariam a assinar um acordo de imigração em curto prazo.

Apenas uma semana mais tarde, a 13 de Agosto, no seu aniversário, a UJC organizou um concerto na mesma esquina de Prado e Malecón no qual vários dos músicos participantes terminaram as suas actuações com a mesma ¡Viva Fidel! que tinha ressoado dias antes nessas horas terríveis. No primeiro aniversário desses eventos, falando no mesmo local, o Comandante encerrou uma marcha que, como parte do Festival Internacional da Juventude Solidária Cuba Vive, tinha viajado ao longo da costa de Havana da Rua G até La Punta. Nas suas palavras, apelou a um regresso aos Festivais Mundiais da Juventude e dos Estudantes como palco da luta pela paz e da solidariedade anti-imperialista. Os jovens presentes, como no Cuba Vive, ficariam nas casas dos residentes de Havana, e partilhariam com eles uma semana de actividades políticas e sociais. O contra-ataque fidelista continuou a avançar e, como de costume, não se contentou em resistir ao imperialismo ou em derrotá-lo em Cuba. O seu campo de batalha era o mundo, e ali estava mais uma vez a disputar a hegemonia.

A 11 de Julho passado, lembrei-me que a 5 de Agosto, quando, na esquina da Galiano e Neptuno em Havana, vi uma fotografia de Fidel chegar e ser retido – juntamente com aqueles de nós que, liderados pelo Herói da República e coordenador nacional dos CDRs, Gerardo Hernández, defendiam ali a Revolução: Os aplausos totais e o nome repetido há 27 anos atrás em Prado e Malecón rebentaram com a mesma força de então, e não estou a mentir se disser que vi, perante a imagem do Comandante rodeado de bandeiras cubanas, um grupo daqueles que tinham acabado de falhar na sua tentativa de tomar o Capitólio em Havana recuar e desistir de subir a Rua Neptuno.

E o facto é que o contra-ataque Fidelista ainda está vivo e de boa saúde e acompanha-nos nas batalhas de hoje. Fui novamente lembrado disso quando, nos Jogos Olímpicos de Tóquio, Julio César La Cruz disse exactamente o que aquele pulôver usado pelo camarada desconhecido que foi gritado “eles vão matar-te”: Pátria ou Morte! Vamos ganhar!

Os jovens marcharam ao longo do Malecón de Havana em apoio ao processo revolucionário.

#CubaSoberana #VictoriaDePueblo #FidelEntreNosotros #ACubaPonleCorazon #AlMaleconConFidel

Fidel: Hoje é um dia feliz para a Pátria. #MiMoncadaEsHoy

#MiMoncadaEsHoy #PonleCorazon #YoSoyFidel #CubaSoberana

Rendirán homenaje en Santiago de Cuba a los mártires del 26 de Julio  (+Audio)

Estudando a história da autodefesa de Moncada e Fidel, compreendemos o seu sentimento: “O nome 26 de Julho deve pesar muito profundamente no coração de cada um de nós”. Temos um vislumbre da razão pela qual ele continuou a luta e tomou o destino da nação sobre os seus ombros. Compreendemos que Moncada abriu o caminho para uma maior união e mobilização do povo rumo à vitória. Afirmamos que o Dia da nossa Rebelião Nacional não pode ser outro.

“HOJE, EMBORA SEJA VERDADE QUE POR UM LADO NOS ENTRISTECE A MEMÓRIA DAQUELES QUE CAÍRAM; EMBORA SEJA VERDADE QUE É IMPOSSÍVEL VISITAR ESTA CIDADE E NÃO EVOCAR OS NOMES DE TANTOS CAMARADAS QUERIDOS QUE DESAPARECERAM, TAMBÉM É VERDADE QUE HÁ NAS SUAS FAMÍLIAS, COMO NOS SEUS CAMARADAS E EM TODO O POVO, A SATISFAÇÃO DE TEREM LUTADO POR ALGO ÚTIL, DE TEREM SIDO COMO A SEMENTE QUE LEVOU A CABO ESTE TRABALHO, QUE GRAÇAS A ELES O POVO ESTÁ FELIZ; GRAÇAS A ELES AS CRIANÇAS ESTÃO FELIZES, E É POR ISSO QUE, AO VENCER ESTA BATALHA HOJE, ESTA BATALHA SEM MORTES, ESTA BATALHA SEM CADÁVERES E SEM FERIDOS, ESTA BELA BATALHA, ESTA TOMADA DO QUARTEL DA MONCADA SEM SANGUE, HOJE TEMOS DE NOS SENTIR REALMENTE COMOVIDOS E TEMOS DE NOS SENTIR REALMENTE FELIZES. HOJE SANTIAGO ESTÁ FELIZ; HOJE TODA A CUBA ESTÁ FELIZ; HOJE OS NOSSOS MORTOS ESTÃO FELIZES; HOJE É UM DIA FELIZ PARA A PÁTRIA”.

Tirada de CubaDebate

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

A cultura política e a cultura da política .

#Cuba #ManipulacionPolitica #ArtistasDelImperio #Cultura #RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #HistoriaDeCuba #RevolucionCubana

Autor: Gustavo Robreño Dolz | internet@granma.cu

Entre as mais importantes contribuições teóricas que fazem parte das ideias substanciais que, verificadas na prática, têm acompanhado a Revolução Cubana desde o seu início, está o que Armando Hart catalogou como “a cultura de fazer política”, colocando José Martí e Fidel Castro como os seus expoentes mais destacados e relevantes, e apontando ambos como representantes “daquele fruto mais puro e mais útil da história das ideias cubanas”.

Não se trata de cultura política, que é – naturalmente – a fonte essencial da qual a imensa sabedoria de ambos foi alimentada, mas das formas práticas da sua materialização e das formas de ultrapassar com sucesso os obstáculos que surgem antes de qualquer projecto de mudança transcendente.

Sigamos a definição de política de Marti como “a arte de inventar um recurso para cada novo recurso dos adversários, de transformar os reveses em fortuna, de se adaptar ao momento presente, sem a adaptação que custa sacrifício, ou a diminuição do ideal que se persegue; de desistir para ganhar impulso, de cair sobre o inimigo antes de ter os seus exércitos alinhados e a sua batalha preparada”.

É, portanto, uma categoria de prática que deve combinar sabiamente o radicalismo com a harmonia e ser governada por princípios éticos. É assim que se expressa na identidade nacional cubana, tendo no seu cerne a cultura política e educativa presente na nossa tradição intelectual.

Obra Arcángeles del Alba, de Nelson Domínguez.

As ideias pedagógicas e filosóficas cubanas, desde Caballero, Varela e Luz até aos nossos dias, têm dois séculos de história e têm estado ligadas às constantes aspirações e necessidades do povo. A ciência e a cultura nunca foram colocadas em contradição com as crenças divinas.

Existe, portanto, uma vasta cultura a partilhar e divulgar que, abraçada pelas novas gerações de cubanos, pode continuar a exercer uma influência política, filosófica e cultural de repercussões profundas e de longo alcance no futuro.

Como Hart reiterou em mais de uma ocasião, é necessário saber diferenciar, e ao mesmo tempo relacionar a ideologia – entendida como a produção de ideias – com a ciência, a ética e a política. Em outras partes do mundo, confundiram estas categorias ou não sabiam como relacioná-las.

O capitalismo, pragmático e perverso na sua forma de segmentar a realidade, não o pode fazer, e só um pensamento dialéctico e materialista o pode fazer: diferenciar e relacionar as realizações concretas do ser humano. Isto também requer inteligência, sensibilidade, conhecimento e cultura, integrando o esforço generalizado do povo para enfrentar este imenso desafio.

Para a Revolução Cubana, ao longo de mais de um século e meio de lutas ininterruptas, a ideia chave tem sido banir o desastroso slogan de “dividir para conquistar”, praticado pelos impérios, e exaltar o princípio democrático, popular e justo de “unir para conquistar”, juntamente com o cumprimento da sentença de Marti de que “o poder de associar é o segredo do ser humano”.

É, nos tempos actuais, um humanismo que relaciona cultura e desenvolvimento, e permite assumir com a ciência e a ética o mundo globalizado confuso – e também digitalizado – do presente e do futuro.

A CULTURA DE MARTI E A CULTURA FIDELISTA DE FAZER POLÍTICA

Com base na melhor tradição e nos ensinamentos de Marti, Fidel Castro desenvolveu, no século passado e até hoje, a ideia revolucionária de “unir para vencer”, superando, nas condições cubanas, o velho lema reaccionário de “dividir para conquistar”, que emergiu do coração da sociedade feudal ao longo da história da chamada civilização ocidental dominante.

Tal como o Partido Revolucionário Cubano de Martí pela organização e retomada da guerra da independência, desta vez foi o culminar de um longo e difícil caminho, onde se manifestou, de forma extraordinária, aquilo a que Hart chamou “cultura fidelista de fazer política”, ou seja, poder catalisador e harmonizador, sentido humanista, fugir e evitar exclusões; “nem tolerante nem implacável”, foi o curso invariável e a semente semeada, sendo colhida até ao presente.

Quando Fidel afirmou, nas suas memoráveis palavras na sala principal da Universidade Central da Venezuela, que “cada revolução é filha da cultura e das ideias”, colocou ambas as componentes como prioridade máxima no cenário político, colocou-se na vanguarda ideológica mundial e colocou a cultura – criação humana engenhosa – no centro da política e da luta de ideias. A vida mostra-nos isto constantemente.

No caso cubano, a melhor tradição de dois séculos de ideias integradas no património cultural da nação representa a nossa força e coesão, e apresenta-nos ao mundo com as nossas próprias características muito definidas como sociedade e como país.

Chegados aos nossos dias, “a cultura de fazer política” é reiterada como o fruto mais original e útil das ideias cubanas, alcançando na prática uma contribuição única para a história das ideias políticas universais, pensando como um país.

Estreitamente relacionado com o acima exposto, o Presidente Miguel Díaz-Canel afirmou perante a Assembleia Nacional: “As organizações políticas e de massas são chamadas a ser mais proactivas e inclusivas. Nunca negligenciar a importante componente social no seu trabalho político-ideológico e trabalhar com todos, não só com os convencidos, mas também com os apáticos, em cuja indiferença aqueles de nós que não foram capazes de os unir têm uma quota-parte de responsabilidade?

A contribuição de José Martí para as ideias políticas baseou-se em iluminar e clarificar, com a sua imensa cultura e a sua múltipla erudição, as formas práticas de fazer política.

Com base na tradição dos ensinamentos de Martí – na segunda metade do século XX -, Fidel forjou a unidade do povo cubano para fazer a Revolução, defendê-la, desenvolvê-la e ultrapassar todos os obstáculos que impediram o seu progresso.

Este legado, como um todo, constitui a cultura de fazer política, concebida como uma categoria de prática que, fundamentalmente, consiste em derrotar a divisão e a regra, e estabelecer a ideia revolucionária de unir para vencer, sobre bases éticas que incorporam a grande maioria da população.

Numa época repleta de perigos, mas também de enormes possibilidades de luta em prol do mundo melhor a que milhões de pessoas em todo o planeta aspiram, é necessário, como nunca antes, investigar, estudar e promover este princípio de Martí e Fidel Castro.

A cultura política – em si importante – pode ser insuficiente ou incompleta para atingir os objectivos mais elevados se “a cultura de fazer política” não a acompanhar. A vida e a história já mostraram exemplos suficientes nesse sentido, e continuam a fazê-lo.

%d bloggers like this: