O FBI retirou cerca de 12 caixas da mansão de Trump, na Florida.

#DonaldTrumpCulpable #ManipulaciónPolítica #EstadosUnidos #Florida

Removido do perfil de Francisco Escamilla.
Isto foi confirmado pela advogada do ex-presidente, Christina Bobb, que detalhou que os agentes federais estavam a investigar possíveis violações de leis relacionadas com a má gestão de material classificado, relatou o “The Washington Post”.

Fotografia tirada da internet

disse que o FBI lhe deixou uma cópia do mandado mostrando que tinha autorização do tribunal para entrar na casa de Trump.
Uma pessoa familiarizada com a investigação consultada pelo jornal disse que os agentes estavam a realizar uma busca autorizada pelo tribunal relacionada com o processo contra o antigo presidente por levar documentos classificados para a sua residência após deixar a Casa Branca.
Em Janeiro, a Administração dos Arquivos e Registos Nacionais recuperou após dois meses 15 caixas de documentos e outros itens da residência Mar-a-Lago que os funcionários disseram que deveriam ter sido entregues quando Trump deixou a Casa Branca.
É um crime ocultar ou destruir registos governamentais. Qualquer pessoa condenada por violação de uma lei americana chamada Government Records Act poderia ser impedida de exercer um cargo federal e enfrentar até três anos de prisão.

Análise Internacional de Cuba.

#DonaldTrump #Elecciones #Partidos #Afganistan #Terrorismo #Capitolio

O Procurador-Geral de NY encontrou provas de fraude no negócio familiar de Donald Trump.

#DonaldTrump #EEUU #Capitolio #Terrorismo

Análise de #Cuba, um evento que faz com que todos se apaixonem.

#Cuba #PuentesDeAmor #ElBloqueoEsReal #SolidaridadConCuba #EEUUBloquea #CubaSalva #Sanciones #DonaldTrumpCulpable #LeyHelmsBorton

#Cuba reconhece acções a nível mundial para exigir o fim do bloqueio dos #EstadosUnidos.

#CubaSalva #EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #EstadosUnidos #JoeBiden #Sanciones #DonaldTrumpCulpable #Asia #Oceanía #África #América #Europa.

Autor: Granma | internet@granma.cu

O Presidente da República de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, elogiou as mais de 21.000 assinaturas que apelam à administração de Joe Biden para pôr fim ao bloqueio dos EUA contra a maior das Antilhas.

Através da sua conta oficial no Twitter, o chefe de estado destacou o apoio a esta iniciativa do projecto Pontes de Amor nos Estados Unidos, promovido por cubanos que vivem no estrangeiro.

bloqueo

A carta aberta a Biden, para além de exigir o fim do bloqueio comercial e financeiro imposto à ilha durante mais de 60 anos, solicita a reabertura da embaixada de Washington em Havana e a restauração do programa de reunificação familiar, suspenso pelo antigo Presidente Donald Trump desde 2017.

Defende também o estabelecimento de “políticas compassivas e humanas” em relação a Cuba, autorizando remessas ilimitadas e encorajando as relações financeiras e comerciais, entre outras propostas.

Por outro lado, o canal YouTube Europa para Cuba confirmou a 21 de Março que o seu apelo à solidariedade com a ilha terá lugar a 27 e 28 de Março em cerca de 40 nações em todo o mundo, exigindo o fim do cerco económico dos EUA.

Os dias de solidariedade serão alargados a toda a Ásia, Oceânia, África, América e Europa.

O bloqueio é o maior obstáculo ao desenvolvimento de Cuba e uma violação dos direitos humanos. Os prejuízos acumulados em seis décadas ascendem a 144,413 milhões de dólares, e entre Abril de 2019 e Março de 2020, a acção causou prejuízos da ordem dos 5,570 milhões de dólares, um valor recorde durante um ano.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

#Biden assina uma ordem executiva pondo fim à emergência nacional na fronteira com o #México.

#DonaldTrumpCulpable #Impeachment #Mexico #MuroFronterizo #PoliticaExterior #EstadosUnidos #JoeBiden

#Guaidó e a rota do dinheiro da #Venezuela.

#EstadosUnidos #Venezuela #AmericaLatina #AutoproclamadoGuaido #PDVSA #InjerenciaDeEEUU #DonaldTrumpCulpable #MikePompeo #BCV #ElBloqueoEsReal

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Um personagem como Juan Guaidó só poderia ser fabricado pelo governo dos Estados Unidos. O montante multimilionário de dinheiro necessário ao projeto, elaborado no Departamento de Estado, foi concebido, desde o início, com base na apropriação do patrimônio do Estado venezuelano, depositado em bancos daquele país, bem como na subsidiária do petroleira PDVSA, que, sob o nome de Citgo, reside nos Estados Unidos.

Tratava-se de criar uma espécie de “governo paralelo” e ignorar e torpedear o legítimo, chefiado por Nicolás Maduro; desenvolver uma guerra econômica de possível alcance militar, e que o dinheiro para este andaime intervencionista venha dos recursos do país bolivariano.

O ex-presidente Donald Trump, e seu colaborador mais próximo, Mike Pompeo, sabiam que privar a Venezuela do dinheiro obtido com seu petróleo era a melhor maneira de deter o boom revolucionário, o desenvolvimento social e, de acordo com seus planos, o caminho para o colapso da Revolução Bolivariana .

Para se ter uma ideia de até onde chegaram os Estados Unidos e Juan Guaidó, tomemos um exemplo: A petroleira PDVSA tinha um acordo com a Itália para que, no país europeu, fossem realizados transplantes de medula óssea em crianças venezuelanas como único caminho para salvar suas vidas. Porém, quatro deles morreram enquanto aguardavam a viagem, já que o dinheiro para custear essas operações deveria ser enviado pela subsidiária da Citgo, mas como Trump o apreendeu e proibiu o uso de seus recursos, o único destino dos bebês era o morte.

“Aquele programa de Saúde com a Itália era executado pela Citgo, confiscado pelos EUA, a Venezuela mandou os fundos pela PDVSA e eles ficaram retidos no Novo Banco, em Portugal, graças às sanções e ao bloqueio criminoso”, relatou então, em um tweet, o Ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza.

Na mensagem, publicou também as ordens de pagamento emitidas pela estatal venezuelana e os recibos das operações rejeitados pelo banco português. A vice-presidente, Delcy Rodríguez, apontou diretamente para Juan Guaidó ter entregue o Citgo aos Estados Unidos. “Esse roubo levou ao assassinato de crianças beneficiadas por nobres programas de saúde”, afirmou.

Muitos outros danos têm causado o desfalque ou congelamento de dinheiro venezuelano por entidades estrangeiras, e milhões desses recursos foram para o bolso de Guaidó e seus acólitos e, sobretudo, para as carteiras de seus promotores.

La CNN recuerda que el 25 de enero de 2019, EE. UU. «autorizó a Juan Guaidó para controlar las cuentas del Gobierno o del Banco Central de Venezuela, depositadas en el Banco de la Reserva Federal en Nueva York u otra institución bancaria asegurada en Estados Unidos”. Foram 340 milhões de dólares confiscados ao executivo de Caracas.

A própria fonte cita que “assim que Juan Guaidó se autoproclamou presidente interino da Venezuela, em 23 de janeiro de 2019, o secretário de Estado, Mike Pompeo, emitiu um comunicado oferecendo apoio à transição na Venezuela”. Como essa empreitada não poderia ser realizada com os cofres vazios, o próprio Departamento de Estado concedeu 20 milhões de dólares ao “governo de Guaidó”, que jamais poderia influir internamente, mas que foi sacado internacionalmente com o saque de contas do país, no meio da guerra que é travada sobre ele.

O Washington Post revelou uma investigação que vincula o círculo de oposição venezuelana a atos de corrupção nos Estados Unidos, como ações vinculadas ao manejo irregular de ativos venezuelanos no exterior, recuperadas em aliança com o governo Trump.

Outra direção da busca do dinheiro venezuelano nos bancos estrangeiros foi encenada com as 31 toneladas de lingotes de ouro (2 bilhões de dólares) do país sul-americano mantidas no Banco da Inglaterra. Essa entidade recusou entregá-los ao Banco Central da Venezuela, com base no reconhecimento, pelo governo britânico, de Guaidó como presidente interino.

O litígio continua e, junto com a rota do dinheiro venezuelano confiscado ou roubado pelos Estados Unidos, o povo daquele país está privado de usar seus recursos para adquirir medicamentos e alimentos, em meio a uma pandemia que, junto com O bloqueio Os avanços econômicos da América entraram em colapso nas últimas duas décadas.

Sem Trump na Casa Branca, a comunidade internacional espera que o novo governo reprima essa posição criminosa e intrometida.

Mais de 50 organizações pedem que Biden mude a política com Cuba.#ElBloqueoEsReal

#ElBloqueoEsReal #Cuba #CubaSAlva #EEUUBloquea #PuentesDeAmor #JoeBiden #EstadosUnidos #SolidaridadConCuba #BloqueoNoSolidaridadSi #DonaldTrumpCulpable #Sanciones #LeyHelmsBurton

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Uma carta enviada na terça-feira por mais de 50 organizações norte-americanas exorta o governo do presidente Joe Biden a cumprir a promessa de campanha de reverter as políticas fracassadas de Trump em relação a Cuba.

A carta, assinada por grupos ambientalistas, acadêmicos, organizações religiosas, defensores dos direitos humanos e empresariais, pede ao governo Biden-Harris que inicie uma política mais construtiva em relação às Grandes Antilhas, e afirma que é do interesse dos Estados Unidos e do povo cubano caminha rapidamente para uma normalização das relações.

“O embargo de quase 60 anos é uma relíquia do passado que deve ser substituída por uma política de engajamento mais construtiva que nos permita abordar tanto nossos interesses comuns quanto nossas diferenças”, diz ele.

Caricatura bloqueo contra Cuba

O texto insta o Congresso a implementar ações legislativas que acabem com as restrições e abram o caminho para o fim total do embargo norte-americano.

Quanto às medidas arbitrárias e unilaterais tomadas pelo governo Trump, sugerem que o atual governo “pode ​​e deve simplesmente reverter essas medidas” e qualificar como ações mal consideradas e prejudiciais, a decisão de permitir ações judiciais privadas contra investidores de terceiros países em Cuba sob Título III da Lei de Liberdade Cubana e Solidariedade Democrática de 1996, bem como a decisão de reincorporar Cuba à lista de Estados que Patrocinam o Terrorismo.

Lisa Haugaard, codiretora da Força-Tarefa para a América Latina, garantiu que o governo Biden-Harris “tem o poder de colocar a política cubana de volta no caminho certo de uma só vez”.

A esse respeito, Geoff Thale, presidente do Escritório de Washington para a América Latina, disse que “as políticas da era Trump nada faziam para promover nem a relação entre os Estados Unidos e Cuba nem o bem-estar do povo cubano”.

O académico americano referiu ainda o crescente apoio que existe no seu país a favor da normalização das relações entre os dois países, o que “abriria um espaço de cooperação e diálogo em questões que vão desde o ambiente e as alterações climáticas à aplicação da lei, saúde cooperação e direitos humanos.

Os signatários destacaram seu apoio ao documento, que faz parte do esforço para normalizar as relações entre os Estados Unidos e Cuba.

Desde a chegada à Casa Branca do governo democrata, inúmeras personalidades, das artes, da política, dos empresários e de outros diversos setores daquele país, manifestaram o desejo de retomar os laços iniciados pelo presidente Barack Obama e acabar com o bloqueio , que há mais de 60 anos causa enormes prejuízos ao povo cubano.

Relatório revela arbitrariedade de Trump em relação aos supostos “ataques sônicos” em Havana.

#CubaSeRespeta #FalsosAtaquesSonicos #DonaldTrumpCulpable #Impeachment #Capitolio #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #CubaSalva #EEUUBloquea #ConCubaNoTeMetas

Autor: Redacción Internacional | internacionales@granma.cu

Um relatório secreto do Departamento de Estado dos Estados Unidos indica que a decisão do governo Trump de desativar os serviços da Embaixada daquele país em Havana, em face dos supostos “ataques sônicos” perpetrados contra seus diplomatas, foi um ” resposta “política prejudicada por má gestão, falta de coordenação e não cumprimento de procedimentos.

Resultado de imagen de imagenes sobre el ataque sonico

O documento, divulgado a pedido do Arquivo de Segurança Nacional dos Estados Unidos, mostra que o ex-presidente tomou a medida sem ter nenhuma prova de que Cuba estava por trás dos misteriosos problemas de saúde que afetaram seus funcionários.

A esse respeito, a vice-diretora-geral da Direção do Ministério das Relações Exteriores dos Estados Unidos, Johana Tablada, escreveu no Twitter: “Depois de quatro anos de denúncias, o Governo dos Estados Unidos não conseguiu demonstrar que algo aconteceu em Cuba , muito, a menos que os ataques tenham ocorrido. ‘ (Redação Internacional)

Donald Trump está chateado com o desempenho de seus advogados .

#DonaldTrumpCulpable #Impeachment #Capitolio #EstadosUnidos

%d bloggers like this: