governo de transição na Venezuela

Guaidó chega inesperadamente na Colômbia e se encontrará com Mike Pompeo

O deputado venezuelano da oposição, recebido pelo presidente colombiano Iván Duque, participa na segunda-feira da III Cúpula Hemisférica de Combate ao Terrorismo, em Bogotá.

Vice-venezuelano Juan Guaidó com o presidente da Colômbia, Iván Duque, em Bogotá, Colômbia.
O vice da oposição venezuelana Juan Guaidó participa na segunda-feira, juntamente com o presidente da Colômbia, Iván Duque, e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em uma homenagem oficial feita a estudantes de uma escola de cadetes na Colômbia que morreram. após um ataque de um ano atrás e em uma cúpula interministerial contra o terrorismo.

Guaidó, que está na Colômbia, participa da III Cúpula Hemisférica de Combate ao Terrorismo, da qual Pompeo também participa. Anteriormente, ele homenageou os alunos da Escola de Cadetes da Polícia Geral de Santander, na capital colombiana, que morreram no ataque em 17 de janeiro de 2019 e que é a sede dessa reunião interministerial.

Nesta reunião, onde participam os ministros das Relações Exteriores de 25 países, eles abordarão questões como cooperação internacional na luta contra o terrorismo e “a transição para eleições livres na Venezuela”, disse Duque.

A esse respeito, o ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, escreveu em seu relato de Tuiter que Pompeo “tem dificuldade em entender que, como marionetista, ele e seu trabalho foram um fracasso monumental na Venezuela”.

Chegada surpresa
No domingo passado, um tweet do deputado da oposição venezuelana, onde informou que havia chegado ao país vizinho, acabou com as especulações sobre uma viagem que não havia sido anunciada.

“Já na Colômbia, grato ao presidente Iván Duque por seu apoio à luta do povo venezuelano”, escreveu o parlamentar na manhã de domingo, pesando cerca de sete investigações abertas pelo Ministério Público e uma ordem para proibir a saída do país. emitida pelo Supremo Tribunal de Justiça (TSJ).

Esta é a segunda viagem à Colômbia, na fronteira com a Venezuela, depois que o deputado da oposição assumiu o cargo de “presidente encarregado” há um ano.

Como foi recebido?
Na tarde de domingo, o presidente colombiano informou em sua conta do Twitter que havia realizado uma reunião de trabalho “muito produtiva” com o deputado, que havia compartilhado “avanços na atenção aos migrantes sediados na Colômbia” e que ambos destacavam “o importância de restaurar a democracia no país vizinho “.

Em uma série de imagens compartilhadas pelo presidente colombiano, é evidente que o deputado venezuelano da oposição foi recebido com honras militares no país vizinho.

Bogotá apoiou Guaidó em sua autoproclamação e desconhece o presidente venezuelano Nicolás Maduro, que ele considera ilegítimo e ditador.

Queixa de Wilfredo Cañizares, diretor da Fundação Progresar, no Norte de Santander, com imagens do deputado junto com membros da organização criminosa “Los Rastrojos”, considerado um dos mais perigosos da Colômbia

Após a última visita à Colômbia, foi revelado um escândalo de corrupção, revelado pela publicação digital PanAm Post, que alertou em uma investigação jornalística sobre a suposta apropriação de fundos para “ajuda humanitária” pelos colaboradores do deputado em Cuba. esse país Os promotores venezuelano e colombiano abriram investigações.

Escalada de tensão
A tensão entre os dois países atingiu seu ponto mais alto quando Duque recebeu o deputado da oposição em Cúcuta para realizar a tentativa fracassada de obter “ajuda humanitária” dos EUA em 23 de fevereiro.

Um dia antes da realização de um concerto na fronteira, organizado pelo bilionário Richard Branson, que supostamente arrecadaria dinheiro para a população venezuelana mais desassistida, sem ainda informar sobre o destino dos fundos.

Anteriormente, o governo venezuelano havia ordenado o fechamento de sua fronteira diante das “ameaças graves e ilegais” do governo colombiano, contra “a paz e a soberania da Venezuela”, disse Maduro na época.

Antes da chegada de Guaidó, Duque e seu então ministro das Relações Exteriores, Carlos Holmes Trujillo, haviam feito repetidas ligações às Forças Armadas Bolivarianas da Venezuela (FANB) para permitir a entrada de “ajuda humanitária” e ignorar Maduro e treinar. parte da “transição”.

As diferenças entre os dois governos se tornaram intransponíveis após o fracassado ataque contra Maduro em agosto de 2018. Caracas disse que Bogotá havia participado e treinado mercenários em seu país, com apoio da oposição venezuelana, para realizar ações desestabilizadoras contra o governo venezuelano.

Por seu lado, a Casa de Nariño responsabilizou Miraflores por receber membros de grupos armados colombianos em seu território, por ser a causa da migração de venezuelanos para o país vizinho e por ser um fator desestabilizador da região.

O deputado da oposição deve se reunir nesta quarta-feira em Bruxelas (Bélgica) com o alto representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros, Josep Borrell, e depois participar do Fórum Econômico Mundial em Davos (Suíça).

Categories: # Venezuela, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Caracas, Golpe de Estado, Militar,#Nicolás Maduro Moros, #Venezuela, #China#EEUUDonald TrumpFondo Monetario Internacional (FMI)Ivan Duque, #COLOMBIA#MéxicoCarlos MesaComandante Che GuevaraCompañía Minera Huanchaca, #Colombia, Ejército de Liberación Nacional (ELN), Guerrilla, Paz, #Venezuela, #Donald Trump, #Estados Unidos, #EUA contra uma possível intervenção militar na# Venezuela, #Nicolás Maduro, #Nicolás Maduro Moros, #Trump, @Trump, agressão internacional contra a Venezuela,, Andrés Manuel López Obrador, Bolivia, estados unidos, Evo Morales, Grupo de Lima, Luis Almagro, Mexico, Nicolás Maduro, Red Europea de Solidaridad con la Revolución Bolivariana, venezuela, antilatinoamericana agenda geopolítica belicista e Donad Trump alinhados, Assembléia Geral da ONU, Colômbia, Organização das Nações Unidas (ON, Bruno Rodríguez Parrilla, Colombia, Cuba, Detenciones, Diálogos de Paz, Ejército de Liberación Nacional (ELN), Iván Duque Márquez, Política, Caracas, #Estados Unidos, Golpe de Estado, #Mike Pence, Militar, #Nicolás Maduro Moros, #Venezuela, CIA Mike Pompeo, Colômbia, COLOMBIA ACUERDO DE PAZ, confrontar Donald Trump da câmara baixa, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., Donald Trump, Donald Trump liderou um golpe de estado na nação bolivariana, Donald Trump,, Donald Trump, Estados Unidos, EE. UU insiste em desestabilizar a Venezuela, Estados Unidos Venezuela, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Estados Unidos, Nicolás Maduro Moros, Política, Rússia, Sociedade, Venezuela, EUA contra a Venezuela na ONU, FORA TRUMP, fronteira com a Colômbia., governo de transição na Venezuela, Guaidó nomeia "embaixadores" ilegais, Guaidó, um "presidente" sem território, Pompeo,, promovendo a autoproclamação do deputado Juan Guaidó como "presidente encarregado, relações bilaterais, o governo Donald Trump, secretario de Estado, Michael Pompeo, secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo,, Tiene Colombia moral para enjuiciar a Venezuela, Trump Google, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump, Uncategorized, Venezuela Cancilleria Comunicado EE.UU. Gobierno Titere, Venezuela tras la autoproclamación de Guaidó | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

#Venezuela rejeita intervenção do #EEUU em seus assuntos internos

Fonte:Mi Cuba Por Siempre

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, rejeitou no domingo a intervenção do governo americano de Donald Trump nos assuntos internos da Venezuela e de suas instituições.

Por meio de uma mensagem divulgada na rede social Twitter, Arreaza disse que a nação bolivariana é um país independente e soberano, que o governo dos Estados Unidos não entende direito.

“Eles devem lidar com o desastre que pretendem provocar com novas guerras do petróleo”, escreveu o chefe da diplomacia venezuelana na plataforma de comunicação.

Em outra mensagem, o chanceler denunciou as reações dos ‘satélites da região’ dos governos sobre a atual situação política do país, enfatizando que é o mesmo roteiro, falso e interferência.

As declarações do ministro das Relações Exteriores da Venezuela são baseadas nas mensagens emitidas no Twitter pelo secretário assistente adjunto do Gabinete de Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado dos EUA, Michael Kozak.

O funcionário dos EUA tenta garantir que a sessão da Assembléia Nacional (AN), desprezada, não tenha um quorum legal, de modo que Juan Guaidó – ex-chefe do Parlamento – é o presidente interino do país.

Essas declarações de Kozak surgem após a tomada de posse da nova diretiva AN para o período legislativo 2020-2021, liderada por Luis Parra, do Primeiro Partido da Justiça, como presidente do Parlamento.

Franklyn Duarte (Comitê Independente de Organização Política Eleitoral-Copei) foi empossado como primeiro vice-presidente, enquanto José Gregorio Noriega (Vontade Popular) é o segundo vice-presidente e Negal Morales (Ação Democrática) o secretário.

O novo conselho de administração foi apoiado por 81 votos dos 150 deputados presentes, dos quais 30 pertencem à oposição do país.

Após a tomada de posse, Parra denunciou Guaidó pelos obstáculos impostos à realização das eleições, por não atingir os votos necessários para ser reeleito.

Categories: # Argentina, #Canadá, #Caracas, #Colombia, Grupo de Lima, #Jorge Arreaza, #Perú, #venezuela, # Venezuela, #10 de enero, #Asamblea Nacional Constituyente, #Nicolás Maduro, #Tribunal Supremo de Justicia, #venezuela, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #EUA contra uma possível intervenção militar na# Venezuela, #Venezuela, #Nicaragua, A Venezuela que a mídia nos diz, agressão internacional contra a Venezuela,, ALBA, ALBA-TCP, Cuba, Fidel Castro Ruz, Hugo Chávez Frías, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Caracas, #Estados Unidos, Golpe de Estado, #Mike Pence, Militar, #Nicolás Maduro Moros, #Venezuela, Estados Unidos Venezuela, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Estados Unidos, Nicolás Maduro Moros, Política, Rússia, Sociedade, Venezuela, EUA contra a Venezuela na ONU, governo de transição na Venezuela, guerras não convencionais do século XXI, interessados na Venezuela?, invasão militar contra a Venezuela, Los impulsores de la intervención norteamericana en Venezuela, MNOAL_Venezuela, Nicolás Maduro Moros, Revolución Bolivariana, Venezuela, O golpe na Venezuela e a ascensão da nova ditadura mundial, ONU continuará trabalhando com a Venezuela, Uncategorized | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Filho de Bolsonaro pede para criar um governo de transição na Venezuela

El diputado federal Eduardo Bolsonaro, hijo del presidente de Brasil Jair Bolsonaro

O deputado federal e filho do presidente do Brasil, Eduardo Bolsonaro, sugeriu que a Assembléia Nacional da Venezuela deveria criar um governo de transição, alternativo ao atual presidente, Nicolás Maduro. A declaração vem depois que a Assembléia venezuelana, com maioria de oposição, declarou ilegítima a nova presidência de Maduro.

“O retorno da democracia na Venezuela passa pela nomeação e reconhecimento de um governo de transição, de modo que as últimas eleições fraudulentas na Venezuela não podem ser reconhecidas.” Desde 10 de janeiro, Nicolás Maduro iniciou um novo mandato presidencial, mas é o fim! “, escreveu Eduardo Bolsonaro em sua conta no Twitter.

Eduardo Bolsonaro

B @BolsonaroSP

RetornoO retorno da democracia à Venezuela passa pela nomeação e reconhecimento de um GOVERNO DE TRANSIÇÃO. Assim, as últimas eleições frágeis da Venezuela não podem ser reconfirmadas a partir do dia 10 / JAN @Nicolasmaduro não inicia um novo mandato presidencial, mas sim acabou!
Rumbo Libertad

R @Rumbo_Libertad

# 07Ene Pedimos aos nossos seguidores para espalhar esta mensagem forte e continuar a pressão para realizar o seu trabalho e nomear o Governo de Transição. Nesta semana decisiva e temos que superar a agenda do MUD-PSUV. #LibertadOnada # RumboALaTransición

O Parlamento venezuelano foi declarado em desobediência pelo Supremo Tribunal do país em agosto de 2016 e, um ano depois, suas funções legislativas foram assumidas pela Assembléia Nacional Constituinte convocada pelo governo. Tanto as eleições para a Assembléia Constituinte e as que buscaram a reeleição de Maduro foram boicotadas pela oposição que denuncia violações dos direitos políticos de dezenas de cidadãos venezuelanos, fraude eleitoral e favoritismo em favor dos candidatos apoiados pelo governo.

No dia 4 de janeiro, os 13 países latino-americanos que compõem o Grupo Lima decidiram não reconhecer o novo mandato de Nicolás Maduro. O governo da Venezuela acusou o grupo de incentivar um golpe com o apoio dos EUA e reafirmou que Maduro assumirá seu novo mandato em 10 de janeiro.

Categories: Filho de Bolsonaro, governo de transição na Venezuela, nicolas maduro, Uncategorized | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: