Hugo Carvajal entre o tráfico de droga, a CIA e o legado do Guaidó.

#Venezuela #EstadosUnidos #CIA #NED #USAID #Drogas #Colombia

Em 2019 Carvajal, também conhecido como “El Pollo”, tinha fugido da prisão domiciliária em Madrid após o sistema judicial espanhol ter aprovado a sua extradição, meses depois de ter deixado a Venezuela para a Europa e reconhecido Juan Guaidó como “presidente interino” da República Bolivariana e promovido a invasão da USAID do território colombiano em território venezuelano.

A mudança política de Carvajal foi aparentemente repentina, canalizada para a estratégia de “mudança de regime” dos EUA, enquanto ele estava a ser perseguido pela DEA e pelo sistema de justiça dos EUA.

Uma investigação de La Tabla publicada em Fevereiro de 2017 revela os meandros da acusação contra o antigo deputado e antigo membro do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), e coloca-o à margem de uma conspiração que envolve a CIA e as suas linhas de tráfico de droga na região.

Um avião e a CIA
O antigo procurador Preet Bharara no Tribunal Distrital Sul de Nova Iorque tinha acusado Carvajal em relação a um carregamento de 5,6 toneladas de cocaína apreendido no Aeroporto Internacional Ingeniero Alberto Acuña Ongay na cidade de Campeche, México, a 10 de Abril de 2006, “dentro de um avião DC-9 que há sérios indícios de que era propriedade ou controlado pela CIA”, relata La Tabla.

A ligação venezuelana provém da informação de que o avião chegou ao Aeroporto Internacional Maiquetía Simón Bolívar a 5 de Abril de 2006, “de acordo com os testemunhos oferecidos pelos funcionários da empresa de serviços aéreos” que o recebeu, diz o jornal, “registado pelo terceiro tribunal do estado de Vargas, que estava encarregado da investigação na Venezuela”.

O número de registo do avião é N900SA, registado nos Estados Unidos, e de acordo com “informações recolhidas pelo jornalista Daniel Hopsicker, que se dedicou a investigar as ligações entre os serviços secretos norte-americanos e o tráfico de droga, só pode pertencer à CIA”.

Este avião, após a apreensão, foi renomeado “Cocaine One” porque, segundo Hopsicker, “foi pintado para ser indistinguível dos aviões oficiais do governo dos EUA do Departamento de Segurança Interna”.

O Tablet expande os detalhes sobre a origem da aeronave:

As despesas foram pagas pelo piloto Carmelo Vasquez Guerra e a facturação foi feita à empresa Royal Sons Inc, domiciliada em Clearwater, estado da Florida, e proprietária da aeronave de acordo com o registo da Federal Aviation Administration (FAA).

Royal Sons é dirigido por Frederic J. Geffon, e foi a pessoa que contratou o piloto venezuelano Alberto Damiani para trazer o avião de São Petersburgo para Maiquetía e entregá-lo a Vásquez Guerra, de acordo com o seu testemunho perante o CICPC.

Entre as informações que Hopsicker destaca para ligar o DC9 à CIA estão as ligações públicas de Brent Kovar a importantes líderes do Partido Republicano, incluindo o senador Tom Maley e o ex-governador da Florida Jeb Bush.

Jeb Bush, da família dos presidentes texanos, petrolíferos e financeiros, teve uma vertiginosa ascensão ao poder financeiro e político na Florida “acompanhado por uma série de cadáveres, bancos falidos e instituições de poupança e empréstimo acusados de lavagem de dinheiro para a CIA”, informou o jornalista de investigação norte-americano Wayne Madsen em 2015.

O próprio Madsen conta que Jeb Bush foi um dos principais operadores financeiros do Texas Commerce Bank em Caracas no final dos anos 70, quando o seu pai George H. W. Bush era chefe da CIA e, não oficialmente, o banco era “a principal ligação financeira da CIA à indústria petrolífera venezuelana e aos cartéis de narcóticos colombianos”, um escândalo pouco divulgado na altura. A história completa pode ser lida aqui.

Segue-se o Tablet, sobre os proprietários dos aviões DC-9:

Kovar dirige um conglomerado de empresas chamado Sky Way Communications Holding, do qual Geffon era um dos principais accionistas. Entre estas empresas encontra-se a Sky Way Aircraft, cujo nome foi estampado no DC9, imitando o emblema dos aviões do governo dos EUA.

Em 2005, Kovar pediu a falência da Sky Way Communications Holding e Geffon foi em frente para entrar num acordo como um suposto credor que lhe permitiu manter três aviões, incluindo o DC9.

Esta acção foi oposta por outros credores, que obtiveram uma injunção para impedir a Geffon de vender ou exportar o avião. Apesar disso, conseguiu obter toda a documentação sem problemas para que no dia 5 de Abril de 2006 a aeronave pudesse voar para a Venezuela. E, além disso, a sua acção não foi investigada nem sancionada pelas autoridades.

E, pior ainda, o facto de o seu avião ter sido capturado com drogas avaliadas em mais de 100 milhões de dólares no país vizinho não foi sequer investigado.

Mas, como se isso não fosse suficiente, Geffon conseguiu que o registo da FAA registasse uma transferência do “Cocaine One” para um comprador desconhecido na Venezuela, que teve lugar a 13 de Abril de 2006, três dias após a sua apreensão em Campeche.

A passagem do DC-9 por Maiquetía deu origem a ataques dos Estados Unidos ao governo de Hugo Chávez na altura, alegando ligar o estado venezuelano ao tráfico de droga.

A fim de limpar os meios de comunicação social de qualquer ligação entre funcionários dos EUA, traficantes de droga e esta empresa com negócios obscuros, “a história da apreensão no México foi modificada e a existência de um alegado comprador venezuelano ou mexicano identificado como Jorge Corrales foi trazida à luz”, afirma La Tabla. Na reconstrução acomodativa, acabaram por envolver o traficante de droga e o homem de negócios Walid Makled nos meios de comunicação social”.

“El Pollo” em molho
Embora os meios de comunicação anti-Chávez e o governo dos EUA tenham tentado envolver a Venezuela numa espécie de história de fantasia que liga terrorismo, tráfico de droga e ditadura, os factos ditam que Hugo Carvajal, directamente envolvido ou não na acusação perante o Tribunal de Nova Iorque, não é tão inocente em termos das suas ligações com elementos da CIA e do seu negócio da droga.

O próprio Hopsicker, no seu livro Barry and the Boys, conta a história de Barry Seal, um contrabandista e traficante americano com ligações à CIA que foi assassinado em 1986, depois de ter ameaçado publicamente publicar e testemunhar sobre o envolvimento das instituições norte-americanas e do governo federal nos narcóticos globais. “O governo dos EUA move mais drogas do que os narcos latino-americanos”, disse Hopsicker, de acordo com a sua investigação, num programa de RT em 2014.

Uma investigação anterior da Missão Verdade tinha rastreado todos os elementos que mostram que os EUA são governados por um narco-Estado, com a CIA e a DEA a desempenhar um papel de liderança, especialmente se recordarmos os detalhes do papel das agências de inteligência e segurança dos EUA no caso Irão-Contra.

Assim, as potenciais ligações de Carvajal ao narcotráfico e à CIA não parecem tão rebuscadas à luz das investigações.

La Tabla relata uma entrevista com Walid Makled pelo jornalista anti-Chávez Casto Ocando, na qual este último afirma ter pago “associados próximos” de “Pollo” para contrabandear carregamentos de droga através do aeroporto de Maiquetía quando o antigo general venezuelano era chefe da DGCIM.

“Para vos dar um exemplo, falemos do General Dalal Burgos, dei ao General Dalal Burgos uma quota semanal de 200 milhões de Bolívares Fuertes, 100 milhões foram para o General Hugo Carvajal e 100 milhões foram para o General Dalal Burgos”, disse Makled.

A este respeito, é pertinente salientar que Carvajal não possui registos que indiquem que possui bens no estrangeiro. Isto foi verificado exaustivamente nos Estados Unidos, Espanha e Panamá.

Por outro lado, o antigo general Haissam Dalal Burgos está listado como director de uma empresa criada em 2010 no Panamá.

Embora a entrevista esteja cheia de dados ambíguos sobre empresas de tráfico de droga e números do governo venezuelano, com ênfase em Carvajal, La Tabla conseguiu confirmar não só os dados acima mencionados mas também lançar dúvidas sobre a versão americana, a acusação de que a rampa quatro em Maiquetia (utilizada pelos aviões presidenciais venezuelanos) foi utilizada pelos aviões DC-9.

Por outro lado, a versão sobre a utilização da rampa quatro ou rampa presidencial não tem qualquer base, e pelo contrário, os testemunhos dos trabalhadores da empresa NF04 que prestaram assistência ao avião no Aeroporto Internacional Simón Bolívar referem-se apenas à utilização da rampa sete. O mesmo é válido para os técnicos das companhias aéreas LASER que efectuaram informalmente reparações no DC-9.

Além disso, os meios de investigação jornalística puderam confirmar através do Gabinete Nacional Anti-Droga (ONA) que era impossível que a carga apreendida no México em 2006 pudesse ter sido carregada na Venezuela.

Por outro lado, não há provas de que as drogas, que estavam em malas colocadas nos assentos, tenham sido carregadas em Caracas. E as autoridades da ONA determinaram que o avião foi desviado para a Colômbia, aterrou em Barranquilla e carregou as cinco toneladas e meia de cocaína. Também reabasteceu (pois não transportava combustível suficiente) e continuou a viagem para o México.

Mas há mais:

A investigação assinala, de acordo com uma reportagem da revista mexicana Proceso, que o avião chegou a 10 de Abril ao aeroporto de Ciudad del Carmen, Campeche, às 11:45 da manhã, reflectindo um tempo de voo de aproximadamente sete horas.

De acordo com os investigadores venezuelanos, isto é impossível: “O avião não tem um intervalo de voo de sete horas”. Sob esta lógica, de acordo com o relatório dos serviços secretos, “tinha de aterrar algures para reabastecer e poder chegar ao México. Tudo isto foi motivado pelo facto de o combustível que ele carregou na Venezuela não ser suficiente”.

Há mais razões: “O tempo de voo da Venezuela para Ciudad del Carmen (México) é de três horas, com uma diferença de quatro horas restantes. O capitão (Miguel Vicente Vázquez Guerra) marcou uma rota aérea específica no Plano de Voo, que não estabeleceu a passagem pelo território colombiano, e ele próprio se desviou utilizando uma rota que passa pelo espaço aéreo colombiano”.

Isto é corroborado por uma gravação entre os pilotos do DC-9 e a torre de controlo em Barranquilla, Colômbia, na qual solicitam autorização para aterrar, presumivelmente para outra emergência, e fazem-no nesse terminal, de acordo com o relatório do Gabinete Nacional Anti-Drogas da Venezuela, “o carregamento de cocaína que chegou ao México foi carregado, escondido em mais de 100 malas”.

Esta versão faz muito mais sentido, tendo em conta que a Venezuela não é um território produtor de cocaína, sendo a Colômbia o maior do mundo.

Face à acusação de tráfico de droga dos Estados Unidos, Carvajal tinha confirmado em Fevereiro de 2017 “a minha firme decisão de ir aos Estados Unidos para testemunhar enquanto o mandado de captura emitido contra mim for previamente levantado”.

A reputação de Carvajal caiu não só devido às acusações de tráfico de droga, mas também devido ao seu apoio à estratégia americana cristalizada no “projecto Guaidó”, cujo legado tem sido atacar e roubar a República Bolivariana de todos os flancos possíveis. Embora o anti-Chavismo queira impor ao Governo Bolivariano os crimes que “Pollo” possa ter cometido, responde à agenda dos EUA e contra o Estado venezuelano.

Tirada de CubaInformación

#Guaidó irá votar (com #Maduro no poder) nas eleições regionais: o que mudou para que isso acontecesse?

#Venezuela #Elecciones #Politica #ManipulacionPolitica #OposiciónVenezolana

Nova ronda de diálogo entre o governo e a oposição face aos progressos eleitorais da #Venezuela.

#Venezuela #EstadosUnidos #Elecciones #Democracia #GolpeDeEstado #Politica

#Guaido e o seu roubo de capital assistido pelos #EUA.

#Guaido #Venezuela #UnionEuropea EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal

O Presidente #NicolasMaduro denuncia o #Guaidó por fingir roubar a mdd.

#Venezuela #NicirasMaduro #AutoProclamadoGuaido #InjerenciaDeEEUU #AmericaLatina

O Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, durante o acto de comemoração do XII Aniversário da Milícia Bolivariana e do Dia da Dignidade Nacional, denunciou o plano liderado por Juan Guaidó de confiscar bens venezuelanos detidos nos Estados Unidos (EUA).

“O Guaidó destinava-se a roubar milhões de dólares. Foram apresentados vídeos e provas do esquema de corrupção”, denunciou o Presidente venezuelano.

El jefe de Estado declaró que el exdiputado Sergio Gergerbara firmó el contrato para invadir Venezuela.

O presidente rejeitou a alegação de roubo de recursos ao país pelo sector mais extremista da oposição venezuelana, referindo-se à cadeia de roubos da “Assembleia Nacional” ilegal que, sob a liderança de Juan Guaidó, faz pedidos de financiamento para instituições inexistentes e promove campanhas violentas no país.

O Chefe de Estado disse que o Presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Jorge Rodríguez, apresentou “provas irrefutáveis” ligando o grupo liderado por Guaidó no roubo de 50 milhões de dólares da nação, que os EUA têm sob o seu poder ilegalmente.

O chefe de Estado declarou que o antigo deputado Sergio Gergerbara “assinou o contrato para invadir a Venezuela e matar venezuelanos”. O presidente bolivariano disse que Sergio Gergerbara também tratou do dinheiro.

Da mesma forma, o presidente constitucional da Venezuela recordou que “estamos em vésperas da designação constitucional do novo conselho eleitoral que irá reger os processos eleitorais de 2021 a 2028 (7 anos) das eleições que se avizinham no futuro”.

A #Venezuela acrescenta informação em processo judicial contra os #EUA na ICC .

#Venezuela #EstadosUnidos #Sanciones #InjerenciaDeEEUU #ElBloqueoEsReal #DerechosHumanos #UnionEuropea

Retirado do teleSUR .

O governo venezuelano acrescentou informações no recurso apresentado ao Tribunal Penal Internacional (TPI), em 2020, contra as autoridades dos Estados Unidos (EUA) por crimes contra a humanidade, informou quarta-feira o Ministério dos Negócios Estrangeiros venezuelano.

Numa declaração, o Ministério dos Negócios Estrangeiros revelou que o Ministro dos Negócios Estrangeiros venezuelano Jorge Arreaza informou sobre a consignação ao Gabinete do Procurador do TPI do relatório preliminar da relatora da ONU, Alena Douhan, contra as medidas coercivas unilaterais impostas pelos EUA contra o país sul-americano.

Venezuela pidió a la CPI que determine si una o más personas deben ser acusadas de la comisión de crímenes de lesa humanidad.

Além disso, foi acrescentado o relatório do U.S. Government Accountability Office (GAO), no qual se reconhece que as sanções devem limitar as fontes de rendimento da Venezuela, disse o comunicado de imprensa.

Numa mensagem publicada na sua conta do Twitter, Arreaza mencionou que esta informação “foi entregue para actualizar a base para o encaminhamento apresentado pela República Bolivariana da Venezuela ao ICC em Fevereiro de 2020.

O chefe da diplomacia venezuelana disse que a informação adicional foi apresentada ao procurador do TPI, Fatou Bensouda, a 10 de Março de 2021.

Em Fevereiro de 2020, a Venezuela apresentou uma exposição de factos e solicitou ao TPI, um tribunal com sede em Haia, Países Baixos, que iniciasse uma investigação sobre crimes contra a humanidade alegadamente cometidos no território da Venezuela, a fim de determinar se uma ou mais pessoas deveriam ser acusadas da prática de tais crimes.

Na sua referência, o Governo da Venezuela declarou que os crimes contra a humanidade são cometidos “como resultado da aplicação de medidas coercivas ilegais adoptadas unilateralmente pelo Governo dos Estados Unidos da América contra a Venezuela, pelo menos desde 2014”.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros, na sua declaração, explicou que o GAO, uma agência do poder legislativo que audita o governo dos EUA no passado 8 de Fevereiro, admite os elementos subjectivos do crime contra a humanidade e reconhece o impacto negativo gerado pelas sanções na economia da Venezuela e nos direitos humanos do seu povo.

Comentou também que o relatório preliminar de Douhan, publicado a 12 de Fevereiro após dez dias de trabalho no terreno, “confirma as consequências devastadoras das medidas impostas pelas autoridades do governo dos EUA e dos seus países aliados sobre as vidas e outros direitos humanos da população civil da Venezuela”.

2 anos após a tentativa de invasão com falsa #AjudaHumanitária na #Venezuela.

#Venezuela #Colombia #Almagro #Guaido #EstadosUnidos #OEA #ElBloqueoEsReal #DerechosHumanos

#Guaidó e a rota do dinheiro da #Venezuela.

#EstadosUnidos #Venezuela #AmericaLatina #AutoproclamadoGuaido #PDVSA #InjerenciaDeEEUU #DonaldTrumpCulpable #MikePompeo #BCV #ElBloqueoEsReal

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Um personagem como Juan Guaidó só poderia ser fabricado pelo governo dos Estados Unidos. O montante multimilionário de dinheiro necessário ao projeto, elaborado no Departamento de Estado, foi concebido, desde o início, com base na apropriação do patrimônio do Estado venezuelano, depositado em bancos daquele país, bem como na subsidiária do petroleira PDVSA, que, sob o nome de Citgo, reside nos Estados Unidos.

Tratava-se de criar uma espécie de “governo paralelo” e ignorar e torpedear o legítimo, chefiado por Nicolás Maduro; desenvolver uma guerra econômica de possível alcance militar, e que o dinheiro para este andaime intervencionista venha dos recursos do país bolivariano.

O ex-presidente Donald Trump, e seu colaborador mais próximo, Mike Pompeo, sabiam que privar a Venezuela do dinheiro obtido com seu petróleo era a melhor maneira de deter o boom revolucionário, o desenvolvimento social e, de acordo com seus planos, o caminho para o colapso da Revolução Bolivariana .

Para se ter uma ideia de até onde chegaram os Estados Unidos e Juan Guaidó, tomemos um exemplo: A petroleira PDVSA tinha um acordo com a Itália para que, no país europeu, fossem realizados transplantes de medula óssea em crianças venezuelanas como único caminho para salvar suas vidas. Porém, quatro deles morreram enquanto aguardavam a viagem, já que o dinheiro para custear essas operações deveria ser enviado pela subsidiária da Citgo, mas como Trump o apreendeu e proibiu o uso de seus recursos, o único destino dos bebês era o morte.

“Aquele programa de Saúde com a Itália era executado pela Citgo, confiscado pelos EUA, a Venezuela mandou os fundos pela PDVSA e eles ficaram retidos no Novo Banco, em Portugal, graças às sanções e ao bloqueio criminoso”, relatou então, em um tweet, o Ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza.

Na mensagem, publicou também as ordens de pagamento emitidas pela estatal venezuelana e os recibos das operações rejeitados pelo banco português. A vice-presidente, Delcy Rodríguez, apontou diretamente para Juan Guaidó ter entregue o Citgo aos Estados Unidos. “Esse roubo levou ao assassinato de crianças beneficiadas por nobres programas de saúde”, afirmou.

Muitos outros danos têm causado o desfalque ou congelamento de dinheiro venezuelano por entidades estrangeiras, e milhões desses recursos foram para o bolso de Guaidó e seus acólitos e, sobretudo, para as carteiras de seus promotores.

La CNN recuerda que el 25 de enero de 2019, EE. UU. «autorizó a Juan Guaidó para controlar las cuentas del Gobierno o del Banco Central de Venezuela, depositadas en el Banco de la Reserva Federal en Nueva York u otra institución bancaria asegurada en Estados Unidos”. Foram 340 milhões de dólares confiscados ao executivo de Caracas.

A própria fonte cita que “assim que Juan Guaidó se autoproclamou presidente interino da Venezuela, em 23 de janeiro de 2019, o secretário de Estado, Mike Pompeo, emitiu um comunicado oferecendo apoio à transição na Venezuela”. Como essa empreitada não poderia ser realizada com os cofres vazios, o próprio Departamento de Estado concedeu 20 milhões de dólares ao “governo de Guaidó”, que jamais poderia influir internamente, mas que foi sacado internacionalmente com o saque de contas do país, no meio da guerra que é travada sobre ele.

O Washington Post revelou uma investigação que vincula o círculo de oposição venezuelana a atos de corrupção nos Estados Unidos, como ações vinculadas ao manejo irregular de ativos venezuelanos no exterior, recuperadas em aliança com o governo Trump.

Outra direção da busca do dinheiro venezuelano nos bancos estrangeiros foi encenada com as 31 toneladas de lingotes de ouro (2 bilhões de dólares) do país sul-americano mantidas no Banco da Inglaterra. Essa entidade recusou entregá-los ao Banco Central da Venezuela, com base no reconhecimento, pelo governo britânico, de Guaidó como presidente interino.

O litígio continua e, junto com a rota do dinheiro venezuelano confiscado ou roubado pelos Estados Unidos, o povo daquele país está privado de usar seus recursos para adquirir medicamentos e alimentos, em meio a uma pandemia que, junto com O bloqueio Os avanços econômicos da América entraram em colapso nas últimas duas décadas.

Sem Trump na Casa Branca, a comunidade internacional espera que o novo governo reprima essa posição criminosa e intrometida.

O que se pode esperar da América Latina, do Caribe e dos EUA em relação ao falso presidente Guaidó?

#Venezuela #PDVSA #COVID19 #AutoProclamadoGuaido #Pertopark #NicolasMaduro #AmericaLatina #EstadosUnidos #Elecciones #JoeBiden #Paraguay #ElBloqueoEsReal #Congreso

Juan Guaidó: um fracasso muito vantajoso? As razões por trás do longo apoio dos EUA, Colômbia, UE ..

#JuanGuaido #Venezuela #EstadosUnidos #UnionEuropea #Colombia #Brasil #GrupoDeLima #Autoproclamado #CITGO #Monomeros #IvanDuque #DonaldTrumpCulpable #Washington