Honduras empossará a primeira mulher presidente do país.

#Honduras #Elecciones #InjerenciaDeEEUU

Tegucigalpa, 27 Jan (Prensa Latina) A primeira mulher eleita presidente em Honduras, Xiomara Castro, assumirá hoje esse cargo, cercada por importantes personalidades de todo o mundo e com uma crise política gerada pelo estabelecimento de dois conselhos de administração no Congresso Nacional.

A disputa pelo cargo mais alto do corpo legislativo, poucos dias antes do ato de investidura, não nos permite vislumbrar com certeza quem será a autoridade encarregada de tirar a promessa de lei do Estádio Tegucigalpa e com a bandeira turquesa, uma cor estabelecida em 1866.

O presidente ignorou a nomeação para a chefia do hemiciclo de Jorge Cálix, ex-deputado do Partido Libertad y Refundación (Libre) e considerado um traidor por desrespeitar o acordo firmado com a organização política Salvador de Honduras (PSH), antes da Assembleia Geral eleições.

Mas, embora tenha aceitado a moção a favor do parlamentar do PSH Luis Redondo como presidente daquele poder estadual e o tenha convidado de seu perfil nas redes sociais para a cerimônia de posse em 27 de janeiro, ainda não se sabe quem vai empossar o vencedor eleitoral. .

Entre as peculiaridades do ato, os especialistas destacam a presença da vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, já que o país não recebia um alto funcionário de Washington desde 1986, quando George Bush, então vice-presidente da nação do norte, assistiu à posse de José Azcona.

É também a primeira vez na era democrática, em quatro décadas e 10 governos, que uma figura desse nível não pertence ao Partido Nacional ou Liberal, mas ao Libre, organização formada após o golpe contra Manuel Zelaya em 28 de junho. 2009.

mem/dgh/jcfl

Honduras tem o seu Guaidó? Um Congresso com dois presidentes (e Xiomara Castro ainda não tomou posse)

#Honduras #XiomaraCastro #AmericaLatina

Adeus à ‘narco-ditadura’: #Honduras’ primeira presidente feminina de esquerda | eleições hondurenhas.

#Elecciones #Honduras #Narcotrafico

Hugo Carvajal entre o tráfico de droga, a CIA e o legado do Guaidó.

#Venezuela #EstadosUnidos #CIA #NED #USAID #Drogas #Colombia

Em 2019 Carvajal, também conhecido como “El Pollo”, tinha fugido da prisão domiciliária em Madrid após o sistema judicial espanhol ter aprovado a sua extradição, meses depois de ter deixado a Venezuela para a Europa e reconhecido Juan Guaidó como “presidente interino” da República Bolivariana e promovido a invasão da USAID do território colombiano em território venezuelano.

A mudança política de Carvajal foi aparentemente repentina, canalizada para a estratégia de “mudança de regime” dos EUA, enquanto ele estava a ser perseguido pela DEA e pelo sistema de justiça dos EUA.

Uma investigação de La Tabla publicada em Fevereiro de 2017 revela os meandros da acusação contra o antigo deputado e antigo membro do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), e coloca-o à margem de uma conspiração que envolve a CIA e as suas linhas de tráfico de droga na região.

Um avião e a CIA
O antigo procurador Preet Bharara no Tribunal Distrital Sul de Nova Iorque tinha acusado Carvajal em relação a um carregamento de 5,6 toneladas de cocaína apreendido no Aeroporto Internacional Ingeniero Alberto Acuña Ongay na cidade de Campeche, México, a 10 de Abril de 2006, “dentro de um avião DC-9 que há sérios indícios de que era propriedade ou controlado pela CIA”, relata La Tabla.

A ligação venezuelana provém da informação de que o avião chegou ao Aeroporto Internacional Maiquetía Simón Bolívar a 5 de Abril de 2006, “de acordo com os testemunhos oferecidos pelos funcionários da empresa de serviços aéreos” que o recebeu, diz o jornal, “registado pelo terceiro tribunal do estado de Vargas, que estava encarregado da investigação na Venezuela”.

O número de registo do avião é N900SA, registado nos Estados Unidos, e de acordo com “informações recolhidas pelo jornalista Daniel Hopsicker, que se dedicou a investigar as ligações entre os serviços secretos norte-americanos e o tráfico de droga, só pode pertencer à CIA”.

Este avião, após a apreensão, foi renomeado “Cocaine One” porque, segundo Hopsicker, “foi pintado para ser indistinguível dos aviões oficiais do governo dos EUA do Departamento de Segurança Interna”.

O Tablet expande os detalhes sobre a origem da aeronave:

As despesas foram pagas pelo piloto Carmelo Vasquez Guerra e a facturação foi feita à empresa Royal Sons Inc, domiciliada em Clearwater, estado da Florida, e proprietária da aeronave de acordo com o registo da Federal Aviation Administration (FAA).

Royal Sons é dirigido por Frederic J. Geffon, e foi a pessoa que contratou o piloto venezuelano Alberto Damiani para trazer o avião de São Petersburgo para Maiquetía e entregá-lo a Vásquez Guerra, de acordo com o seu testemunho perante o CICPC.

Entre as informações que Hopsicker destaca para ligar o DC9 à CIA estão as ligações públicas de Brent Kovar a importantes líderes do Partido Republicano, incluindo o senador Tom Maley e o ex-governador da Florida Jeb Bush.

Jeb Bush, da família dos presidentes texanos, petrolíferos e financeiros, teve uma vertiginosa ascensão ao poder financeiro e político na Florida “acompanhado por uma série de cadáveres, bancos falidos e instituições de poupança e empréstimo acusados de lavagem de dinheiro para a CIA”, informou o jornalista de investigação norte-americano Wayne Madsen em 2015.

O próprio Madsen conta que Jeb Bush foi um dos principais operadores financeiros do Texas Commerce Bank em Caracas no final dos anos 70, quando o seu pai George H. W. Bush era chefe da CIA e, não oficialmente, o banco era “a principal ligação financeira da CIA à indústria petrolífera venezuelana e aos cartéis de narcóticos colombianos”, um escândalo pouco divulgado na altura. A história completa pode ser lida aqui.

Segue-se o Tablet, sobre os proprietários dos aviões DC-9:

Kovar dirige um conglomerado de empresas chamado Sky Way Communications Holding, do qual Geffon era um dos principais accionistas. Entre estas empresas encontra-se a Sky Way Aircraft, cujo nome foi estampado no DC9, imitando o emblema dos aviões do governo dos EUA.

Em 2005, Kovar pediu a falência da Sky Way Communications Holding e Geffon foi em frente para entrar num acordo como um suposto credor que lhe permitiu manter três aviões, incluindo o DC9.

Esta acção foi oposta por outros credores, que obtiveram uma injunção para impedir a Geffon de vender ou exportar o avião. Apesar disso, conseguiu obter toda a documentação sem problemas para que no dia 5 de Abril de 2006 a aeronave pudesse voar para a Venezuela. E, além disso, a sua acção não foi investigada nem sancionada pelas autoridades.

E, pior ainda, o facto de o seu avião ter sido capturado com drogas avaliadas em mais de 100 milhões de dólares no país vizinho não foi sequer investigado.

Mas, como se isso não fosse suficiente, Geffon conseguiu que o registo da FAA registasse uma transferência do “Cocaine One” para um comprador desconhecido na Venezuela, que teve lugar a 13 de Abril de 2006, três dias após a sua apreensão em Campeche.

A passagem do DC-9 por Maiquetía deu origem a ataques dos Estados Unidos ao governo de Hugo Chávez na altura, alegando ligar o estado venezuelano ao tráfico de droga.

A fim de limpar os meios de comunicação social de qualquer ligação entre funcionários dos EUA, traficantes de droga e esta empresa com negócios obscuros, “a história da apreensão no México foi modificada e a existência de um alegado comprador venezuelano ou mexicano identificado como Jorge Corrales foi trazida à luz”, afirma La Tabla. Na reconstrução acomodativa, acabaram por envolver o traficante de droga e o homem de negócios Walid Makled nos meios de comunicação social”.

“El Pollo” em molho
Embora os meios de comunicação anti-Chávez e o governo dos EUA tenham tentado envolver a Venezuela numa espécie de história de fantasia que liga terrorismo, tráfico de droga e ditadura, os factos ditam que Hugo Carvajal, directamente envolvido ou não na acusação perante o Tribunal de Nova Iorque, não é tão inocente em termos das suas ligações com elementos da CIA e do seu negócio da droga.

O próprio Hopsicker, no seu livro Barry and the Boys, conta a história de Barry Seal, um contrabandista e traficante americano com ligações à CIA que foi assassinado em 1986, depois de ter ameaçado publicamente publicar e testemunhar sobre o envolvimento das instituições norte-americanas e do governo federal nos narcóticos globais. “O governo dos EUA move mais drogas do que os narcos latino-americanos”, disse Hopsicker, de acordo com a sua investigação, num programa de RT em 2014.

Uma investigação anterior da Missão Verdade tinha rastreado todos os elementos que mostram que os EUA são governados por um narco-Estado, com a CIA e a DEA a desempenhar um papel de liderança, especialmente se recordarmos os detalhes do papel das agências de inteligência e segurança dos EUA no caso Irão-Contra.

Assim, as potenciais ligações de Carvajal ao narcotráfico e à CIA não parecem tão rebuscadas à luz das investigações.

La Tabla relata uma entrevista com Walid Makled pelo jornalista anti-Chávez Casto Ocando, na qual este último afirma ter pago “associados próximos” de “Pollo” para contrabandear carregamentos de droga através do aeroporto de Maiquetía quando o antigo general venezuelano era chefe da DGCIM.

“Para vos dar um exemplo, falemos do General Dalal Burgos, dei ao General Dalal Burgos uma quota semanal de 200 milhões de Bolívares Fuertes, 100 milhões foram para o General Hugo Carvajal e 100 milhões foram para o General Dalal Burgos”, disse Makled.

A este respeito, é pertinente salientar que Carvajal não possui registos que indiquem que possui bens no estrangeiro. Isto foi verificado exaustivamente nos Estados Unidos, Espanha e Panamá.

Por outro lado, o antigo general Haissam Dalal Burgos está listado como director de uma empresa criada em 2010 no Panamá.

Embora a entrevista esteja cheia de dados ambíguos sobre empresas de tráfico de droga e números do governo venezuelano, com ênfase em Carvajal, La Tabla conseguiu confirmar não só os dados acima mencionados mas também lançar dúvidas sobre a versão americana, a acusação de que a rampa quatro em Maiquetia (utilizada pelos aviões presidenciais venezuelanos) foi utilizada pelos aviões DC-9.

Por outro lado, a versão sobre a utilização da rampa quatro ou rampa presidencial não tem qualquer base, e pelo contrário, os testemunhos dos trabalhadores da empresa NF04 que prestaram assistência ao avião no Aeroporto Internacional Simón Bolívar referem-se apenas à utilização da rampa sete. O mesmo é válido para os técnicos das companhias aéreas LASER que efectuaram informalmente reparações no DC-9.

Além disso, os meios de investigação jornalística puderam confirmar através do Gabinete Nacional Anti-Droga (ONA) que era impossível que a carga apreendida no México em 2006 pudesse ter sido carregada na Venezuela.

Por outro lado, não há provas de que as drogas, que estavam em malas colocadas nos assentos, tenham sido carregadas em Caracas. E as autoridades da ONA determinaram que o avião foi desviado para a Colômbia, aterrou em Barranquilla e carregou as cinco toneladas e meia de cocaína. Também reabasteceu (pois não transportava combustível suficiente) e continuou a viagem para o México.

Mas há mais:

A investigação assinala, de acordo com uma reportagem da revista mexicana Proceso, que o avião chegou a 10 de Abril ao aeroporto de Ciudad del Carmen, Campeche, às 11:45 da manhã, reflectindo um tempo de voo de aproximadamente sete horas.

De acordo com os investigadores venezuelanos, isto é impossível: “O avião não tem um intervalo de voo de sete horas”. Sob esta lógica, de acordo com o relatório dos serviços secretos, “tinha de aterrar algures para reabastecer e poder chegar ao México. Tudo isto foi motivado pelo facto de o combustível que ele carregou na Venezuela não ser suficiente”.

Há mais razões: “O tempo de voo da Venezuela para Ciudad del Carmen (México) é de três horas, com uma diferença de quatro horas restantes. O capitão (Miguel Vicente Vázquez Guerra) marcou uma rota aérea específica no Plano de Voo, que não estabeleceu a passagem pelo território colombiano, e ele próprio se desviou utilizando uma rota que passa pelo espaço aéreo colombiano”.

Isto é corroborado por uma gravação entre os pilotos do DC-9 e a torre de controlo em Barranquilla, Colômbia, na qual solicitam autorização para aterrar, presumivelmente para outra emergência, e fazem-no nesse terminal, de acordo com o relatório do Gabinete Nacional Anti-Drogas da Venezuela, “o carregamento de cocaína que chegou ao México foi carregado, escondido em mais de 100 malas”.

Esta versão faz muito mais sentido, tendo em conta que a Venezuela não é um território produtor de cocaína, sendo a Colômbia o maior do mundo.

Face à acusação de tráfico de droga dos Estados Unidos, Carvajal tinha confirmado em Fevereiro de 2017 “a minha firme decisão de ir aos Estados Unidos para testemunhar enquanto o mandado de captura emitido contra mim for previamente levantado”.

A reputação de Carvajal caiu não só devido às acusações de tráfico de droga, mas também devido ao seu apoio à estratégia americana cristalizada no “projecto Guaidó”, cujo legado tem sido atacar e roubar a República Bolivariana de todos os flancos possíveis. Embora o anti-Chavismo queira impor ao Governo Bolivariano os crimes que “Pollo” possa ter cometido, responde à agenda dos EUA e contra o Estado venezuelano.

Tirada de CubaInformación

Protestos no #Paraguai em meio à segunda onda de coronavírus. ‘Marito’ Abdo vai superar esta crise?

#SaludMundial #Paraguay #GrupoDeLima #Covid-19 #Politica

Conexão Global 24/02: #Venezuela dá ao embaixador da UE 72 horas para deixar o país .

#Venezuela #UnionEuropea #NacionesUnidas #InjerenciaDeEEUU #Washington #Guatemala

#ONU alerta para agravamento da fome na #AméricaCentral .

#ONU #AmericaCentral #PAM #Covid-19 #Epidemia #SaludMundial

Segundo o Programa Alimentar Mundial (PAM) das Nações Unidas, o número de pessoas em situação de insegurança alimentar, que em 2018 era de cerca de 2,2 milhões em El Salvador, Honduras, Guatemala e Nicarágua, quase quadruplicou para atingir oito milhões.

Entre esses oito milhões, 1,7 milhões de pessoas necessitam de ajuda alimentar de urgência, precisou o PAM em comunicado, no qual também apela a um maior envolvimento dos doadores.

A agência da ONU sublinhou que a região, onde vários anos de seca e de alterações climáticas perturbaram a produção alimentar, sofreu particularmente os efeitos dos furações de 2020, que destruíram colheitas vitais.

“Os furacões Eta e Iota, que atingiram a América Central em Novembro de 2020, afectaram a vida de 6,8 milhões de pessoas que perderam as suas habitações e o seu ganha-pão”, sublinha a organização internacional.

“Atendendo ao nível de destruição e aos problemas com que se confrontam as pessoas afectadas, calculamos que a recuperação seja longa e lenta”, considerou Miguel Barreto, chefe do PAM para a América Latina e Caraíbas.

Antes da chegada dos furacões, a pandemia tinha já atingido fortemente a população dos quatro países, onde um elevado número de núcleos familiares registou quebra de rendimento ou perda de emprego.

Segundo os inquéritos do PAM, o número de famílias na Guatemala que afirmam não possuir o suficiente para comer duplicou em relação ao período anterior à pandemia, e o número aumentou mais de 50% nas Honduras.

“As comunidades urbanas e rurais da América central tocaram no fundo”, advertiu Miguel Barreto.

“A crise económica provocada pelo coronavírus já tinha tornado inacessíveis os alimentos disponíveis nos mercados para as famílias mais vulneráveis, que ainda foram mais afectadas pelos furacões Eta e Iota”, acrescentou.

“Muitos não têm onde viver e refugiaram-se em abrigos temporários onde sobrevivem com menos que nada”.

Devido à destruição de muitas habitações e quintas, as reservas alimentares ameaçam esgotar-se e as oportunidades de trabalho escasseiam, e perto de 15% das pessoas inquiridas pelo PAM afirmaram pretender emigrar, contra 8% em 2018.

O PAM apelou aos doadores internacionais para intensificarem a sua ajuda indicando necessitar de mais de 47 milhões de dólares (38,7 milhões de euros) para ajudar 2,6 milhões de pessoas nos quatro países e durante os próximos seis meses.

As Honduras de JOH: um narco-estado que saiu do controle dos EUA?

#EstadosUnidos #Hoduras #Narcotrafico #InjerenciaDeEEUU #Aliados #AmericaLatina

Um documento da Promotoria de #NovaYork confirmaria a investigação contra o presidente de #Honduras por suas ligações com o #Narcotráfico.

#Honduras #EstadosUnidos #TraficoDeDrogas #Miami

Retirado do RT .

Um documento da Promotoria de Nova York confirmaria a investigação contra o presidente hondurenho Juan Orlando Hernández por supostas ligações com o tráfico de drogas.

O documento, ao qual teve acesso o El Heraldo de Tegucigalpa, certificaria as provas sobre o tráfico de cocaína e o uso de armas, por meio do traficante Geovanny Fuentes Ramírez, a quem o presidente teria protegido em troca de uma quantia significativa.

Un documento de la Fiscalía de Nueva York confirmaría la investigación contra el presidente de Honduras por sus vínculos con el narcotráfico

De acordo com o documento judicial, em 2013 e 2014, Fuentes Ramírez e o atual presidente hondurenho – na época deputado – realizaram uma série de reuniões nas quais supostamente concordaram em subornar para que o Governo concordasse em mobilizar forças de segurança, com o objetivo de proteger os negócios de drogas ilícitas.

Naquela época, o presidente de Honduras era Porfirio Lobo e Hernández trabalhava na campanha para sucedê-lo na primeira magistratura de 2014.

O texto, que não cita explicitamente Juan Orlando Hernández, mas sim o identifica como “CC-4” (conspirador número 4), assegura que o político utilizou o “narcotráfico para ajudar a ganhar poder e controle em Honduras”.

Na segunda-feira passada, a Presidência de Honduras emitiu um comunicado no qual negava as acusações contra o chefe de Estado: “A alegação de que o presidente Hernández supostamente aceitou dinheiro da droga de um Geovanny Daniel Fuentes Ramírez, ou deu proteção ou coordenação aos narcotraficantes, é 100% falso, e parece basear-se nas mentiras de criminosos confessos que buscam vingança e redução da pena ”, diz a mensagem postada no Twitter.

Fuentes Ramírez foi preso em 1º de março de 2020 em Miami e enfrentará em Nova York no próximo mês de março a acusação, entre outros atos ilícitos, de produzir “centenas de quilos por mês” dessa droga – também consta do escrito do Ministério Público. como ordenando o assassinato de várias pessoas para proteger suas atividades criminosas.

%d bloggers like this: