“A democracia não pode ser imposta”, diz o Ministro dos Negócios Estrangeiros chinês.

#InjerenciaDeEEUU #Cina #GuerraSinFronteras #ManipulaciónPolítica #GuerraEconomica # Democracia

A economia dos EUA entra em recessão após dois trimestres consecutivos de declínio.

#EconomíaMundial #EstadosUnidos #MercadoFinanciero

CUBADEBATE

A economia dos EUA registou uma queda de 0,9% do PIB no segundo trimestre. Um valor que se soma à contracção de 1,6 por cento nos primeiros três meses do ano. Assim, entrou tecnicamente numa recessão, tendo acumulado dois trimestres consecutivos de declínio. A perspectiva pode tornar-se mais desanimadora se se acrescentar que a Reserva Federal aumentou novamente a taxa de juro de referência em 75 pontos base. Esta é a mesma magnitude que a caminhada de Junho. Desde o início da década de 1990 que não se verificam ajustamentos mensais tão grandes.

Sinal de Wall Street junto à Bolsa de Nova Iorque em Nova Iorque (EUA), 9 de Março de 2020. Foto: Carlo Allegri/Reuters.

Numa conferência de imprensa, o chefe da Reserva Federal, Jerome Powell, reiterou uma mensagem dura. Disse que não hesitará em aplicar todas as medidas contraccionistas necessárias para reconduzir a inflação a 2,0% ao ano. Os últimos dados sobre os preços tinham atingido o seu pico às 9.1. Por outras palavras: as autoridades económicas dos EUA estão preparadas para gerar e suportar toda a recessão necessária para refrear o processo inflacionário.

Contudo, no mundo dos negócios isto não parece ser inteiramente claro e a reacção de Wall Street nas últimas semanas é uma prova disso mesmo. O Dow Jones, o S&P e o Nasdaq acumularam ganhos entre 5 e 10% em Julho. Mas particularmente as empresas de tecnologia e inovação que tinham sentido o impacto do aumento das taxas de juro no primeiro trimestre mostraram impressionantes ressaltos.

Um dos exemplos é a subida das acções da Tesla, que nos primeiros 28 dias de Julho acumularam um aumento de 25%. Este comício permitiu-lhe cortar uma boa parte da queda acumulada do ano. Algo semelhante aconteceu com a Amazónia. Para além dos saltos nas primeiras semanas de Julho, apresentou o seu balanço trimestral. Os ganhos não estavam de acordo com as expectativas, mas as receitas da empresa excederam as expectativas. Após a divulgação dos dados, no comércio pós-mercado, as suas acções subiram mais de 11%.

Os analistas começam a pensar que a Reserva Federal será mais matizada na sua postura e que a política monetária será menos restritiva do que o esperado. Foi assim que foram interpretados os ajustamentos das taxas de Julho. Embora tenha havido um aumento de 75 pontos base, o cenário mais pessimista para os fundos de investimento, que considerava a possibilidade de um aumento de 100 pontos base, não ocorreu.

O pano de fundo é que a decisão de pôr fim ao ciclo do dinheiro barato, que começou em 2008 com a crise das hipotecas subprime, obrigou as autoridades monetárias americanas a enfrentar uma encruzilhada no início deste ano que continua por resolver por agora. Aumentar as taxas mais do que o necessário cria o risco de uma crise difícil de prever, devido ao seu efeito de arrastamento em várias responsabilidades, tais como a dívida das empresas. Mas aumentá-la menos pode fazer com que as expectativas de inflação percam a sua âncora. Esta é a opinião dos consultores de elite e críticos americanos do sistema, tais como o grego Yanis Varoufakis.

De momento, Wall Street parece estar a celebrar o facto de terem dado um primeiro passo para começar a desbloquear a encruzilhada e influenciar o curso da Reserva Federal. Eles acreditam que o aperto monetário será a meio caminho, embora não seja claro o que acontecerá aos preços e ao resto das macrovariáveis.

Os ‘neocons’: quem são eles e o que têm eles a ver com as guerras recentes?

#InjerenciaDeEEUU #ONU #Rusia #GuerraEconómica #Geopolítica

Inna Afinogenova

Lavrov: “A resposta dos EUA não contém qualquer reacção positiva à não expansão da OTAN para leste, a principal questão das propostas de segurança”.

#Rusia #OTAN #EstadosUnidos #GuerraFria #InjerenciaDeEEUU

Militar da Guarda Nacional da Ucrânia é preso após matar 5 pessoas, segundo autoridades.

#Ucrânia #EstadosUnidos #Rusia #InjerenciaDeEEUU #ManipulaciónMediática

SPUTNIK Brasil .

Um militar da Guarda Nacional da Ucrânia abriu fogo contra seus colegas na empresa de mísseis Yuzhmash em Dniepre, deixando cinco pessoas mortas, informou o Ministério do Interior do país.Anteriormente, o Ministério do Interior ucraniano informou que um militar da Guarda Nacional abriu fogo de uma arma Kalashnikov contra seus colegas dentro da empresa Yuzhmash em Dniepre, matando cinco pessoas e ferindo outras cinco. O militar conseguiu escapar armado.

Soldados da Guarda Nacional da Ucrânia durante treinamentos - Sputnik Brasil, 1920, 27.01.2022

“No momento, a área foi isolada e está sendo patrulhada […] As causas e circunstâncias do incidente estão sendo apuradas. Uma investigação foi iniciada. […] Os militares feridos estão recebendo tratamento médico”, afirmou a Guarda Nacional. De acordo com a assessoria de imprensa, após o alerta, as autoridades de Dniepre, juntamente de uma equipe de investigação, peritos criminalistas e outros serviços partiram para o local do crime.

Segundo a mídia local, foi detido o militar da Guarda Nacional que disparou contra os colegas.”No momento, cinco pessoas morreram, incluindo uma mulher. Outras cinco pessoas ficaram feridas […] O militar da Guarda Nacional Artyom Ryabchuk acabou de ser preso na região de Dniepre. Ele vai responder estritamente de acordo com a lei”, informou o Ministério do Interior da Ucrânia.Também foi informado que o militar, de 21 anos de idade, vai ser avaliado pela comissão médica militar, para verificar sua saúde mental no momento da atribuição do porte de armas.

Após a investigação das causas e circunstâncias do incidente, os envolvidos serão responsabilizados.Uma operação foi iniciada em Dniepre e nas regiões próximas em busca do suspeito, que escapou armado após abrir fogo na empresa.

AS GUERRAS DOS ESTADOS UNIDOS .

#GuerrasDeEEUU #China #Economia #Manipulación

BIDEN É O MESMO QUE TRUNFO MAS COM UM DISFARCE DIFERENTE.

#DerechosHumanos #InjerenciaDeEEUU #ONU #OEA

Por Redacción Razones de Cuba

Muito se diz sobre como a administração de Joe Biden é diferente da de Donald Trump, tanto em substância como em forma. Talvez na retórica haja uma mudança de paradigma; no entanto, a mesma postura excepcionalista ainda é transportada como um cartão de visita, um comportamento típico da natureza imperial de qualquer administração da Casa Branca.

Embora tentem distanciar-se formalmente, o presidente democrata demonstra que prossegue algumas das políticas mais controversas do magnata republicano. Especialmente quando se trata de imigração e política externa, mesmo que muitas pessoas ingénuas ainda recitam o catecismo actual dos meios de comunicação social dos EUA.

Tomemos alguns casos e argumentos para mostrar que não existe tal quebra fundamental nas linhas fundamentais dos dois últimos ocupantes da Casa Branca sobre estas duas questões.

IMIGRAÇÃO CRIMINALIZADA
Recentemente, a fotografia de um polícia cowboy a chicotear um imigrante haitiano perto da fronteira sul dos EUA causou indignação (quase) em todo o mundo, pois mostrou que o que a liderança do Partido Democrata criticou a anterior administração republicana por tanta coisa continuava a acontecer sem contrição: o tratamento criminalizante dos imigrantes nos Estados Unidos.

Mas pouco se tem dito sobre os pormenores do caso. Para além da famosa fotografia, a administração Biden mudou-se para expulsar migrantes acampados debaixo de uma ponte em Del Rio, Texas.

Milhares de migrantes, muitos deles originários do Haiti, acamparam em condições esquálidas durante mais de uma semana.

O plano governamental baseia-se numa política controversa da era Trump implementada nos primeiros dias da pandemia para acelerar as remoções. O plano de afastamento baseia-se numa lei de saúde pública raramente utilizada, conhecida como Título 42. As autoridades de imigração dizem que uma ordem de saúde pública dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) permite-lhes afastar rapidamente os migrantes que atravessam a fronteira sem lhes dar uma oportunidade de requerer asilo.

Embora o Presidente Biden tenha tomado posse prometendo um sistema de imigração mais humano, a sua administração continuou a utilizar a política do Título 42 e defendeu-a em tribunal, apesar da crescente pressão dos defensores dos direitos humanos nos EUA.

A administração Trump há muito que defendia que os migrantes que atravessavam a fronteira sul não se qualificavam como refugiados fugidos de perseguições e, por conseguinte, não estavam protegidos pela lei de asilo dos EUA.

Em Março de 2020, com a cobiça a alastrar rapidamente naquele país, o governo de então decidiu invocar o Título 42 para fixar a fronteira.

O governo removeu cerca de 9.000 crianças desacompanhadas que atravessaram a fronteira perante um juiz federal que emitiu uma injunção preliminar em Novembro com o objectivo de pôr termo à prática. O Juiz Emmet Sullivan disse que o Título 42 permite aos funcionários bloquear a entrada de não-cidadãos portadores de doenças, mas não permite a remoção de pessoas. Mas isso não parou de acelerar as remoções.

A administração Biden estabeleceu excepções para as crianças migrantes não acompanhadas. Permitiu que a maioria dos pais e filhos chegassem juntos para pedir asilo. Mas tem continuado a remover muitas outras, incluindo algumas famílias e dezenas de milhares de adultos solteiros que atravessam a fronteira.

Existe um litígio judicial que ordena uma suspensão semelhante sobre a utilização do Título 42 para devolver as famílias com crianças, estabelecendo um prazo de duas semanas para a administração cumprir. A administração Biden está a recorrer dessa decisão.

Enquanto a administração Biden defende a utilização do Título 42 como medida de segurança pública para travar a propagação da covid-19, médicos e defensores dos imigrantes acusaram que tal posição é simplesmente um pretexto para tirar rapidamente os imigrantes do país, sendo o exemplo mais recente aqueles que se abrigam sob a ponte internacional no porto de entrada de Del Rio.

Os defensores dos imigrantes afirmaram que continuarão a lutar em tribunal para pôr fim ao Título 42, afirmando que é particularmente cruel aplicá-lo neste caso, uma vez que o Haiti ainda está a recuperar de um recente terramoto e tumulto político na sequência do assassinato de Jovenel Moïse, no qual as agências norte-americanas terão estado alegadamente envolvidas.

Assim, a administração Biden luta nos tribunais para preservar uma das políticas fronteiriças mais odiadas da administração Trump.

Isto não é surpreendente considerando que o número de imigrantes detidos pela Immigration and Customs Enforcement (ICE) aumentou em 70% sob o mandato de Biden. Quando tomou posse, o número de imigrantes sob custódia federal estava a um mínimo de 20 anos.

Desde o último trimestre de 2001 até ao presente, mais de 5,8 milhões de pessoas foram encarceradas nas prisões de imigração dos EUA.
Não só o número de detidos em questão está a aumentar, como as crianças continuam presas, quase 15.000 por dia, em instalações e bases militares de grande escala. Estas condições têm sido exacerbadas pela pandemia. Os críticos do ICE alegam que pouco tem feito para manter a covid-19 à distância, espalhando infecções não só dentro das prisões de imigração, mas também nas comunidades vizinhas e para outros países através das deportações de milhares de imigrantes.

POLÍTICA EXTERNA A LA CARTE
É verdade que o tom de Donald Trump foi sempre beligerante em relação aos assuntos internacionais, mas ele fez o seu melhor para não iniciar quaisquer novas guerras (embora o assassinato do General Qassem Soleimani em Janeiro de 2020, o furto flagrante de petróleo sírio e o apoio aos sauditas contra o Iémen tenha sido um incitamento ao mesmo no Sudoeste Asiático).

Não sabemos se Biden planeia estabelecer quaisquer novas guerras, para além do pivot para a contenção militar asiática (China-Rússia), mas é verdade que ele cumpriu o mandato estabelecido por Donald Trump para deixar o Afeganistão com os Taliban a tomar as rédeas do governo, acordado em Fevereiro de 2020.

Tanto Biden como Trump foram, durante vários anos, contra a então longa ocupação do Afeganistão; que ambos fizeram da retirada dos EUA desse território geopolítico chave um objectivo da sua administração mostra claramente uma continuidade de políticas na área internacional e militar.

De facto, a administração Biden moveu-se unilateralmente, tal como o seu antecessor, tanto no Afeganistão como noutras arenas, e foi criticada pelos seus pares europeus e mesmo no seio da OTAN, uma vez que os EUA tomaram medidas descoordenadas com os seus aliados em diferentes arenas.

Por exemplo, o anúncio surpresa de um acordo dos EUA, juntamente com a Grã-Bretanha, para ajudar a Austrália a construir submarinos movidos a energia nuclear a serem utilizados contra a China nos próximos anos, provocou a indignação dos franceses, que perderam um contrato lucrativo de 66 mil milhões de dólares para o fornecimento de submarinos movidos a diesel.

Neste caso, diz o jornalista e analista Patrick Cockburn num artigo publicado há alguns dias, “Biden comportou-se na verdadeira tradição Trump de causar maior indignação a um aliado do que consternação a um potencial inimigo”.

“Esta decisão brutal, unilateral e imprevisível faz-me lembrar muito do que o Sr. Trump costumava fazer”, disse o Ministro dos Negócios Estrangeiros francês Jean-Yves Le Drian. “Estou zangado e amargo. Isto não se faz entre aliados. É realmente uma facada nas costas”.

Tanto a retirada precipitada dos EUA do Afeganistão como o novo acordo entre os EUA, Reino Unido e Austrália (chamado AUKUS) são uma imagem clara do que Cockburn descreve:

“Biden, que estava cheio de retórica ‘América está de volta’ no início da sua presidência, está agora a tratar alguns dos seus aliados com a mesma arrogância que Trump alguma vez tratou”.

Existem também outras áreas em que Biden parece estar a seguir as políticas de Trump, tais como a sua relutância em aderir de novo ao acordo nuclear iraniano da JCPOA, que prometeu fazer, e que já deveria ter feito se fosse essa a sua vontade. A eleição de Ebrahim Raisi para a presidência da República Islâmica da linha dura foi uma reacção a isto: o fracasso de Biden em aderir ao acordo.

Agora o governo iraniano está em posição de assumir a liderança em possíveis negociações nucleares num futuro próximo, graças ao Trumpismo de Biden.

Poder-se-ia também argumentar que, independentemente de quem se sentar na cadeira presidencial na Sala Oval, a política externa dos EUA será dominada por outras forças que não representam e apoiam precisamente a diplomacia e o direito internacional, tais como o complexo militar-industrial e os decisores nas agências de segurança e inteligência do tipo CIA e ANS. Este tem sido o caso pelo menos desde alguns anos antes da era Eisenhower, que alertou para os grandes contratos militares que o governo federal e o Congresso estavam a celebrar com grandes empresas privadas, ainda hoje beneficiárias das intermináveis guerras dos EUA.

Mas vale a pena notar que existe uma continuidade, e não uma pausa, como o New York Times e outros meios de comunicação social do império americano, que pode ser vista como um legado de como as coisas são feitas na Casa Branca dos últimos tempos, nas vésperas de um mundo cada vez mais multipolar.

Extraído da Missão Verdade

Quem ganhou as guerras no #Iraque e no #Afeganistão ?

#EUA #OTAN #ONU #DerechosHumanos #Democracia #Terrorismo #Afganistan #Irak

Por Redacción Razones de Cuba

Durante a guerra de 20 anos contra o Afeganistão, os EUA gastaram mais de 2,2 triliões de dólares em armas. Numa outra guerra, a guerra do Iraque, o Pentágono gastou mais de 1,7 triliões de dólares desde o seu início, em Março de 2003. Em ambos os países, mais de um milhão de pessoas já morreram nos combates e a destruição material inclui danos extensivos a Sítios do Património Mundial.

E tanto no Iraque como no Afeganistão, e acrescentamos a Líbia, também atacada por Washington e pela OTAN, a situação do pós-guerra é de instabilidade, grande afetação económica e social e apropriação dos seus recursos.

Enquanto isto acontece, a despesa militar mundial no ano passado foi de quase dois triliões de dólares, como denunciou o Primeiro Secretário do Partido Comunista de Cuba e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel, perante a Assembleia Geral da ONU. “Quantas vidas teriam sido salvas se esses recursos tivessem sido atribuídos à saúde ou à produção e distribuição de vacinas”, perguntou ele. Argumentou: “As respostas possíveis a essa questão residem numa mudança de paradigma e na transformação de uma ordem internacional profundamente desigual e antidemocrática.

Os exemplos do que aconteceu no Iraque, como no Afeganistão, mostram que os únicos vencedores nestes conflitos foram o Complexo Industrial Militar e os contratantes privados que, sob a égide da CIA ou do Pentágono, enviam dezenas de milhares de mercenários para apoiar e fazer parte dos contingentes militares mobilizados por Washington e pela OTAN.

Quando o Pentágono, sob as ordens do então presidente George W. Bush, se lançou contra o Iraque com milhares de militares e meios de guerra que incluíam armas proibidas como o uso de urânio empobrecido nas suas bombas e foguetes, uma grande parte do investimento multimilionário dedicado à guerra foi parar às mãos de empresas privadas ou contratantes.

Sob o nome Blackwater, a empresa que era considerada o principal exército mercenário do mundo teve mesmo de mudar o seu patronímico face ao óbvio descrédito após o seu envolvimento no assassinato de civis – incluindo crianças iraquianas – e na tortura.

Em 2004, na cidade martirizada de Fallujah, quatro dos seus mercenários foram executados e enforcados na ponte à entrada da cidade, acção reivindicada pela resistência iraquiana, após o assassinato de 17 civis por estes empreiteiros.

Para o trabalho genocida na nação iraquiana, as empresas privadas contratadas receberam, só nos primeiros anos da guerra, mais de 85 mil milhões de dólares, de acordo com dados do Congresso dos EUA.

No Afeganistão, de onde as tropas dos EUA e da OTAN acabam de se retirar em derrota após 20 anos de guerra, os únicos vencedores têm sido os mesmos: empreiteiros privados e o Complexo Industrial Militar dos EUA.

Dos 2,3 triliões de dólares que esta guerra injusta custou aos contribuintes americanos, estima-se que pouco mais de um trilião de dólares foi para as várias empresas privadas que contrataram milhares de mercenários. As empresas com os maiores contratos no Afeganistão, segundo estimativas de Haidi Peltier, director do projecto “20 Anos de Guerra” da Universidade de Boston, citado pela bbc, foram: “14,4 mil milhões-Dyncorp International, 13,5 mil milhões-Fluor Corporation, 3,6 mil milhões-Kellogg Brown Root (kbr), 2,5 mil milhões-Raytheon Technologies e 1,2 mil milhões-Aegis llc”.

Os números cobrem essencialmente o período 2008-2021. Acrescente-se a isto que, entre 2008 e 2017, os EUA perderam, por utilização indevida ou fraude, cerca de 15,5 mil milhões de dólares destinados à reconstrução no Afeganistão, de acordo com o The New York Times.

Vá lá Yomil, aqui está o trabalho de casa de hoje.

#MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #ArtistasDelImperio #CubaNoEsMiami

Flórida: o epicentro da pandemia nos EUA. #SOSUSA

#SOSUSA #Salud #Covid-19 #SaludMundial #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmricana

Por Redacción Razones de Cuba

Se a verdade, e não a interferência e o ódio, prevalecesse no nosso mundo, haveria neste momento apelos a uma “intervenção humanitária” no estado da Florida, o actual epicentro do pico da pandemia da COVID-19 nos Estados Unidos.

Esse território, infelizmente, representa quase 25% das hospitalizações da COVID do país esta semana, apesar do facto de a Florida representar apenas 6% da população total do país.

Também é preocupante que Miami-Dade, o condado mais populoso do estado com cerca de 2,7 milhões de pessoas, tenha sido o número um em infecções e mortes durante toda a pandemia, e assim permanece até hoje.

No entanto, depois de a Florida ter atingido 21.683 novos casos no sábado, o governador do estado, o republicano Ron DeSantis, continua a resistir à emissão de uma ordem de utilização obrigatória de máscaras e de um requisito de vacinação por parte dos empregadores.

Mas há mais: o senador republicano da Florida Marco Rubio disse no Twitter na segunda-feira que há “histeria” nos media sobre a COVID, “porque as más notícias vendem”. Ele disse: “A verdadeira história aqui é como, para as pessoas totalmente vacinadas, o risco de doença grave parece ser próximo de zero.

Toman precauciones para enfrentar las grandes multitudes que se esperan en  las playas de Florida - Sur Florida

No entanto, dados da Universidade Johns Hopkins mostram que a Florida é o terceiro estado mais elevado em número de casos e o quarto mais elevado em número de mortes em todos os Estados Unidos, o país mais afectado pela pandemia no mundo, com mais de 35 milhões de infectados e 613 000 mortos, a partir de 1 de Março de 2020.

Para dar uma imagem mais completa da situação na nação, cerca de 72 000 crianças e adolescentes contraíram a doença na semana de 22-29 de Julho, um aumento de cinco vezes em relação ao mês anterior, de acordo com a Academia Americana de Pediatria. E 20 000 destes casos encontram-se na Florida.

Ora, qual é hoje a outra realidade no território: por um lado, o que é descrito acima e que reflecte como a COVID-19 com a sua nova variante Delta está a atingir a população floridiana e, por outro lado, o governo republicano, como é também o caso do Texas, está a adoptar resoluções para que os habitantes, incluindo crianças, não usem máscaras ou tenham de aplicar medidas de distanciamento social, como avisam as autoridades sanitárias.

Na próxima semana, os alunos desse estado retomarão as aulas pessoalmente, e também faz parte do debate político se os alunos devem ou não usar máscaras, uma questão que se tornou um negócio, uma vez que os pais que não aceitam tais medidas são encorajados a transferir os seus filhos para escolas públicas, onde os regulamentos podem ser mais flexíveis.

Por conseguinte, não deve ser surpresa que na Florida, e especificamente em Miami, as praias estejam cheias de pessoas, na sua maioria crianças e jovens, que os bares e outros centros de entretenimento estejam abertos e que este seja o outro lado de uma realidade que, infelizmente, já é letal.

Nesta situação, a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, declarou que enquanto 25% das hospitalizações no país estão na Florida, o governador (DeSantis) tomou medidas que vão contra as recomendações de Saúde Pública. Ele acrescentou: “A situação é demasiado grave, demasiado mortalmente grave, para agir de forma partidária.

Que soluções seriam propostas por aqueles que na Florida pediram ao Presidente Joe Biden uma intervenção humanitária (isto é, militar) contra Cuba. Ou será que os mortos e os infectados na Florida não contam quando se trata de politização, como fazem Marco Rubio e outros promotores febril do ódio, do bloqueio e dos ataques contra a nossa ilha.

Extraído de Granma

%d bloggers like this: