Razões para #Cuba, dez anos mais tarde .

#cUBA #EstadosUnidos #Cia #SubversionContraCuba #RevolucionCubana #CincoHeroes

Por Redacción Razones de Cuba

Por: Ismael Francisco, Yurina Piñeiro Jiménez

Nestes dias de Março, mas há dez anos, a série televisiva “Razões para Cuba” revelou seis agentes da Segurança do Estado cubano, infiltrados, até então, em organizações e grupos contra-revolucionários, ao serviço do governo dos Estados Unidos.

Depois da revelação televisiva, uma filha que beija o pai como sinal de orgulho, uma esposa com a mão na cabeça como que para dizer: “O que é isto?”, amigos que pedem perdão pelos insultos que um dia disseram àqueles a quem chamaram “vermes”, um povo que sai à rua para agradecer aos seus heróis, que estavam no anonimato?

Esta quarta-feira, a liderança nacional do Comité de Defesa da Revolução (CDR), em nome das famílias cubanas, agradeceu mais uma vez o trabalho daqueles que, antes, com as suas missões secretas, e agora, a partir de uma posição pública, contribuem para salvaguardar a soberania da Pátria.

Dez anos mais tarde, os protagonistas de “Razones de Cuba” ratificam o seu compromisso com o presente e o futuro do povo cubano.

Dalexi González Madrugas, o agente Raúl. Foto: Ismael Francisco/ Cubadebate.

PENSAR SEMPRE: QUEM PAGA, O QUE É QUE ELE QUER?

Dalexi González Madrugas (agente Raúl)

“Antes de mais, aconselho os jovens cubanos a obterem informações de várias fontes. Quando tiver uma notícia, não vá para a primeira que vê ou para a mais sensacionalista porque, geralmente, os seres humanos tendem a procurar a notícia que está de acordo com o nosso pensamento, com a nossa ideia. Consulte diferentes fontes, porque pode cair num engano. E avalie a realidade, e depois, como diz Taladrid, tire as suas próprias conclusões.

Penso que se deve utilizar a tecnologia ao máximo e saber que nem sempre é necessário ter a tecnologia mais recente para fazer algo de bom, algo com qualidade. A maior parte da tecnologia é colocada por si, ou seja, a tecnologia não é nada sem o ser humano.

Sabendo que cada passo que dás pode transformar-te em algo, talvez, que não queiras e pode, como um burro a perseguir uma cenoura, levar-te a um lugar a que não querias chegar. Tem sempre de pensar: o que quer a pessoa que paga, quais são os interesses da pessoa que paga?

Frank Carlos Vázquez, Agente Robin da Segurança do Estado Cubano. Foto: Ismael Francisco/ Cubadebate.

A INTELLIGENTSIA CUBANA E A SUBVERSÃO IMPERIALISTA

Frank Carlos Vázquez (Agente Robin)

“Neste momento existe um trabalho muito forte de subversão do governo dos Estados Unidos contra artistas e intelectuais cubanos. Este não é um trabalho recente, já dura há muitos anos, há mais de quinze anos a trabalhar em projectos específicos e agora estão a ver os resultados. Evidentemente, eles fazem uma caracterização de muitos dos nossos artistas e escolhem aqueles que têm fraquezas ideológicas e apego ao dinheiro, ao mercado, depois, com base nessa premissa, fazem insinuações e recrutam-nos para os seus programas.

Lembro-me que costumava ir a uma actividade na Secção de Interesses dos EUA, e havia o que havia de mais valioso e brilhante na cultura cubana, porque Cuba e os EUA têm um programa de intercâmbio cultural muito forte, e nessas actividades estavam gradualmente a influenciar todos esses artistas. No entanto, nenhum deles cedeu aos ideais da Revolução. Apenas Tania Bruguera, que eu conheço do programa de intercâmbio. Ela e eu fomos a Chicago durante muitos anos e conheci-a, no seu meio, e percebi que era uma pessoa muito gananciosa, que tinha um grande desejo de ser famosa e que faria tudo o que estivesse ao seu alcance para o conseguir.

Aos artistas e intelectuais digo: confiem na Revolução, confiem nas instituições revolucionárias, não se deixem enganar pelas canções das sereias, não se preocupem com o mercado, porque se a obra for autêntica, terá o valor que merece.

Carlos Serpa Maseira, agente Emilio. Foto: Ismael Francisco/ Cubadebate.

ANEDOTA ÉPICA DE ¡PÁTRIA OU MUERTE! POR “RADIO MARTÍ”.

Carlos Manuel Serpa Maseira (Agente Emilio)

“Precisamente a 26 de Fevereiro de 2011, quando foi decidido tornar pública a minha identidade como agente dos Órgãos de Segurança do Estado cubano, depois de ter sido infiltrado durante dez anos nas fileiras dos inimigos históricos da Revolução, despedi-me da estação de rádio mal designada “Radio Martí”, – numa emissão ao vivo -, como se segue:

Agentes de segurança do Estado impediram-me de viajar para a capital cubana no dia 26 de Fevereiro(…) Também quero aproveitar esta oportunidade para denunciar a brutal campanha que o imperialismo norte-americano está a travar contra a Revolução Cubana. Viva Fidel! Viva Raúl! Liberdade para os Cinco! Pátria ou Morte! Vamos ganhar!

E este é o Agente Emilio, dos Órgãos de Segurança do Estado Cubano”.

Moisés Rodríguez Quesada, agente Vladimir. Foto: Ismael Francisco/ Cubadebate.

PARA A PÁTRIA, TUDO, ATÉ MESMO O SACRIFÍCIO DE HONRA

Moisés Rodríguez Quesada (Agente Vladimir)

-Se tivermos de voltar a fazer o que fizemos, apesar de todos os sacrifícios, voltamos a fazê-lo. O compromisso de um cubano para com a Pátria não é negociável. Creio que para a Pátria, quando é necessário, é preciso fazer o sacrifício necessário, mesmo o sacrifício de honra.

Estive lá durante quase 30 anos e quando nos dedicamos a uma profissão como esta, primeiro temos de estar dispostos a perder tudo e há alguns de nós que perderam tudo, além disso, perdendo tudo sem recuperar nada depois. Muito poucas coisas, de um ponto de vista familiar e emocional, é possível recuperar. No entanto, há passos que se dão na vida que são irreversíveis e este é um deles.

Hoje mais do que nunca, hoje todos sabemos que Cuba está sob pressão. Muitos cubanos estão confusos, por isso o nosso trabalho é duplo, triplo, quádruplo… E temos de continuar a alertar o povo, ensinando o povo: há um inimigo muito forte e poderoso à nossa frente que quer varrer os cubanos para longe.

Dr. Manuel Collera, agente Gerardo. Foto: Ismael Francisco/ Cubadebate.

ORGULHOSO GERARDO DE GERARDO

José Manuel Collera Vento (Agente Gerardo)

“Fui agente infiltrado durante 36 anos, mas em 2005 o oficial dos serviços secretos cubanos que cuidou de mim disse-me que tinha de mudar o meu pseudónimo, que eu próprio devia fazer uma proposta, e imediatamente o nome de um dos Cinco Heróis passou-me pela cabeça. Mas eu pensei: não, essa é a minha audácia, mas ele insistiu e eu disse-lhe: Gerardo.

E sabem que mais, Adriana tentou contar a Gerardo, porque na prisão em que ele estava, não conseguia receber um sinal de onda curta e não conseguia ouvir o programa de Arleen e Barbarita, mas conseguia falar com Adriana.

Houve também, de um ponto de vista de trabalho, uma ligação importante devido ao facto de eu ter sido o primeiro contacto de Alan Gross em Cuba, que teve a ver com o processo de discussões diplomáticas e com o regresso de Gerardo, Antonio e Ramón dos Estados Unidos. Então, vê-lo hoje a liderar o CDR, que é a organização familiar cubana, vê-lo com a sua mulher, os seus filhos… Imagine isso.

Raúl Capote Fernández, agente Daniel. Foto: Ismael Francisco/ Cubadebate.

BOA VONTADE DO GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS?

Raúl Capote Hernández (agente Daniel)

“Estão a tentar desmobilizar a maior força que o país tem, que são os seus pensadores, os seus intelectuais, que têm a particularidade de não pertencerem a uma elite de classe, são uma elite nascida do povo, são pessoas do povo e essa característica dos intelectuais cubanos é o que os torna fortes, mas ao mesmo tempo estão a tentar transformá-los em reaccionários.

Quando nos encontramos algures, digo aos jovens que existem dois documentos fundamentais que os cubanos devem dominar e conhecer de cor: O Plano Bush e a Lei Helms-Burton. Quando alguém quiser saber exactamente o que o governo dos EUA está a propor contra Cuba, leia esses documentos; é absolutamente claro lá o que vai acontecer, o que nos vai acontecer. E temos a obrigação de garantir que isto chegue ao povo e se torne conhecimento quotidiano, pois significaria o fim completo da existência da nação cubana.

Acredito que a cultura de resistência do nosso país, que se expressa na arte, que se expressa em todos os aspectos da vida quotidiana, é a nossa principal forma de enfrentar a “boa” vontade do governo dos Estados Unidos.

Em Cuba não se pode falar de uma cultura se não se pensar primeiro na Pátria, na identidade do nosso povo, porque a outra alternativa que existe, a que nos é apresentada pelo inimigo, significa simplesmente o desaparecimento do próprio conceito de Pátria”.

Gerardo Hernandez Nordelo, Herói da República de Cuba, no encontro com agentes da Segurança do Estado, que foram revelados há dez anos no programa “Razones de Cuba” (Razões de Cuba). Foto: Ismael Francisco/ Cubadebate.

Tirada de CubaDebate

Heróis vivem para sempre

Augusto César Sandino disse uma vez: “Eu não estou disposto a entregar minhas armas no caso de todo mundo fazer. Eu morrerei com os poucos que me acompanham, porque é preferível nos fazer morrer como rebeldes e não viver como escravos. “Esses sentimentos fazem com que sua memória não seja facilmente extinta. É um herói impecável

Augusto César Sandino, un nicaragüense que amó profundamente la libertad. foto: archivo de granma

Augusto César Sandino, um nicaraguense que amava profundamente a liberdade. foto: arquivo granma Foto: arquivo Granma

Os heróis são reais. Eles não carregam essa condição como um banner para ser notado. Eles são nobres, porque, porque eles não podem permanecer em silêncio contra a injustiça, e assim defendeu este homem de carne e osso, não mármore, recebendo respeito e admiração por ser um verdadeiro herói. Continuar a ler “Heróis vivem para sempre”