Graças ao Piquete do CON FILO, com programas como este a guerra é ganha, não há mais mentiras.

#DerechosHumanos #ManipulacionPolitica #SubversionContraCuba

A crise da hegemonia dos EUA .

#EstadosUnidos #DerechosHumanos #TerrorismoMadeInUSA #HegemoníaDeEEUU #EconomiaMundial

Há consenso sobre o declínio da hegemonia dos EUA. É uma questão de especificar a natureza e profundidade desse declínio. Desapareceram os dias dos Mitos e Realidades do Declínio Americano, um livro de Henry Nau, um grande sucesso não há muito tempo: 1992.

O raciocínio baseou-se na liderança económica da América no mundo, uma afirmação indiscutível do autor, que mal escondia a continuidade do “destino manifesto” do país. Contudo, os Estados Unidos já tinham aderido ao modelo neoliberal, que se destinava a arrastar toda a economia mundial, com consequências desastrosas em termos de baixo crescimento e criação de emprego. A economia mundial já tinha entrado num novo e longo ciclo de recessão.

Contudo, outro movimento já estava em curso no mundo: o crescimento recorde da economia chinesa. No início, os Estados Unidos não acreditavam que a China fosse um concorrente económico para eles. Não só foram presos pelo seu dogma de que só as economias de mercado livre têm dinamismo económico, como também acreditavam que o crescimento da China se devia ao seu enorme atraso. Não podiam ter imaginado que dentro de algumas décadas a China se tornaria a segunda maior economia do mundo, estando na iminência, nesta década, de se tornar a primeira.

Mas, acima de tudo, a crise e o declínio dos EUA não foi apenas económico. Os Estados Unidos sempre basearam a sua superioridade global na sua força militar. Este tem sido o caso desde o fim da Segunda Guerra Mundial, quando tiveram a experiência, que para eles permaneceu um exemplo, da derrota do Japão. Não poderia haver um país mais distante como cultura e como trajectória histórica. No entanto, com duas bombas atómicas, os Estados Unidos derrotaram o Japão e fizeram dele um aliado estratégico leal.

Com todas as diferenças que esta experiência teve em relação a outras posteriores – Vietname, Iraque, Afeganistão, entre outros – os EUA, com a sua reconhecida incapacidade de analisar cada experiência no seu contexto histórico, incorporaram definitivamente a estratégia de impor a superioridade militar como forma de resolução de conflitos.

A derrota no Vietname, um país com uma economia agrícola, presa teoricamente fácil para os EUA, foi simbólica. Foi uma derrota militar contra a estratégia de guerra de um povo, a vitória de um povo organizado, uma derrota política que evidenciou as fraquezas da estratégia dos EUA. Mas foram em frente, ou porque sentiram que era devido à situação comprometida que herdaram das derrotas japonesa e francesa, ou porque não analisaram em profundidade como 700.000 tropas e a colocação de minas em grande parte do território vietnamita poderiam ser vencidas.

A crise de 2008 marcou um ponto de viragem na economia internacional, apontando para o esgotamento definitivo do modelo neoliberal. Ao mesmo tempo, os EUA reproduziram a estratégia de impor a sua superioridade militar como uma forma de tentar resolver as crises em que estavam envolvidos. Este foi o caso no Iraque, Síria, Líbia e Afeganistão.

Assim, a crise económica foi agravada pela crise militar, a incapacidade dos EUA em resolver crises através da força dos seus militares. Esta fraqueza foi inevitavelmente projectada na sua força política baseada nas tropas, que também foi afectada. O fracasso no Afeganistão é mais um exemplo de como, após envolver os seus aliados europeus na aventura de invasão do país, projectou a erosão do fracasso sobre eles, enfraquecendo ainda mais a hegemonia política dos EUA, mesmo com os seus aliados europeus tradicionais. Uma sondagem mostra como os seus aliados, se sujeitos à alternativa de lealdade para com os EUA ou a China, prefeririam estes últimos.

A China não só tem vindo a reforçar a sua economia e relações comerciais em todo o mundo – da Ásia à América Latina e à Europa – como os seus investimentos em todas estas regiões têm vindo a consolidar a sua presença económica. Tanto que a indústria automóvel alemã se tornou directamente dependente da indústria chinesa, estabelecendo necessidades mútuas e trocas estreitas entre elas. Tecnologicamente, a China começa a competir com os Estados Unidos em áreas-chave para o futuro económico mundial, começando por todas as áreas de inteligência artificial e automatização.

A força americana no mundo sobrevive no estilo de vida americano, no que eles chamam o “American way of life”. Um modo de vida que já tinha sido exportado nas décadas de 1950 e 1960, com a presença de grandes empresas multinacionais americanas em todo o mundo, com os seus produtos como símbolo de progresso económico e bem-estar social, desde electrodomésticos a automóveis. Possuir estes bens tornou-se o sonho da classe média e de sectores cada vez mais amplos da sociedade.

A sofisticação tecnológica diversificou-se cada vez mais no arco dos produtos de consumo que acompanhavam o estilo de vida americano, exportados para a Europa, América Latina e mesmo Ásia. O estilo de vida americano tornou-se universalizado. O marketing foi responsável pela divulgação da associação destes produtos com sucesso na vida e bem-estar social.

Na própria China, os supermercados reproduzem as suas versões ocidentais, embora maiores e mais bonitas, exibindo os mesmos produtos aí produzidos pelas mesmas multinacionais americanas. Isto fecha o ciclo da globalização do estilo de vida americano.

A tentação de recusar globalmente o acesso ao consumo na Revolução Cultural e no Kampuchea foi derrotada. Apenas a alternativa da sociedade de consumo permaneceu.

Mesmo nos governos progressistas da América Latina não havia nenhuma forma diferente de sociabilidade. A exigência era a inclusão de todos no domínio do consumo, do qual foram excluídos. O acesso a produtos sofisticados, a restaurantes frequentes, a viagens, onde as compras eram uma parte essencial, significava o acesso ao consumo.

Não houve formulação de um tipo alternativo de sociabilidade, que incluísse o acesso a necessidades básicas mas sem a centralidade do consumo, marcas, modas de produtos, na busca frenética de acompanhar os últimos produtos lançados e promovidos pelo marketing. Um desafio pendente: a formulação de uma espécie de sociabilidade alternativa.

Esta é a única forma de tirar partido da crise da hegemonia americana para a derrotar também nas esferas ideológica, cultural e de vida. Depois será enfraquecida definitivamente.

(Publicado no Diario.es, 31 de Agosto de 2021)

Bien vale un SOS Florida ¿Se rebela un artista?

#SOSMiami #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #CubaNoEsMiami #RedesSociales #MercenariosYDelincuentes

Para compreender como os protestos de 11/07 foram orquestrados em Cuba, a Verdade precisa de nós.

#CubaSoberana #MafiaCubanoAmericana #RedesSociales #CubaNoEsMiami #MercenariosYDelincuentes #TerrorismoNuncaMas

Os #EUA deixam o #Afeganistão: qual é o legado de 20 anos de guerra… e os que restam? .

#Afganistan #EstadosUnidos #Guerras #IntervencionHumanitaria #OTAN

E assim começaram as campanhas de ódio financiadas pelos congressistas norte-americanos contra #Cuba.

#UnionEuropea #ManipulacionMediatica #MafiaCubganoAmericana #MercenariosYDelincuentes #RedesSociales #CubaNoEsMiami #EEUUBloquea

Alto e claro, Bonifacio Byrne.

#Cuba #HistoriaDeCuba #RedesSociales #ManipulacionMediatica #SubversionContraCuba

Autor: Madeleine Sautié | madeleine@granma.cu

Ele era um poeta patriótico. Por isso, depois que estourou a Guerra Necessária, mudou o rumo de seus textos modernistas e escreveu sobre a luta Mambisa que Cuba travava contra a colônia espanhola.

Ele era jornalista e fundou jornais. Ele foi um narrador e também escreveu teatro. Por ser justo, elogiou a coragem de um amigo, também patriota, que foi baleado em 1895.

Para tomar partido, foi para o exílio e, dos Estados Unidos, participou de uma campanha de proselitismo em busca da independência. Em Tampa, ele criou o Clube Revolucionário e foi seu secretário. Colaborou em Patria, El Porvenir e El Expedicionario.

Sua natureza bárdica o levou ao soneto e ele foi o autor de muitos em que a façanha vibrou. Mas há um poema, que ele escreveu em serventesios de fogo, que o eternizou para sempre. Nele sintetiza os sentimentos de um povo que, por mais que ouça, recite, leia ou lembre, só sabe sentir mais profundamente.

Foi quando vinha de “uma costa distante, com a alma de luto e tristeza” que, procurando a sua bandeira, viu outra acenando ao seu lado.

Ao contemplar em El Morro que a bandeira americana estava sendo hasteada ao lado do cubano, o Poeta da Guerra trouxe à tona, como uma rajada imparável, a sensação mais limpa que se pode sentir quando um ser inteiro macula a terra onde nasceu.

Bonifacio Byrne, nascido há 160 anos hoje, disse então que sua bandeira era a mais bela que existia e argumentou com “profunda energia” que para representar Cuba bastava a estrela solitária.

Ele se lembrou dela nos campos com os heróis, e com orgulho extasiado disse que a nossa nunca tinha sido uma mercenária.

Como o poema termina não é necessário atestar. Guardamos em nossa memória aqueles versos como seus e como nossos.

Como se não bastasse, a voz de Camilo Cienfuegos, cantando-os, é um dos mais belos legados que temos.

Aliás, em dias em que se tentou indigná-la, as estrofes que nasceram de um poeta foram cantadas como nunca e hoje vivem no coração de um povo inteiro:

Se se partir em pedacinhos / um dia se tornar a minha bandeira … / os nossos mortos a levantar os braços / ainda saberão defendê-la …

#ElGuerreroCubano Otaola, eles arrastaram a bandeira cubana intencionalmente coloquei provas. Cuba

#ElGuerreroCubano #SubversionContraCuba #RedesSociales #ManipulacionMediatica #CubaViva

Análise do show da mídia em 27 de janeiro contra #Cuba.

#Cuba #RedesSociales #ManipulacionMediatica #SubversionContraCuba #MINCULT #CubaEsCultura #CubaSeRespeta #CubaNoEsMiami #MafiaCubanoAmericana #InjerenciaDeEEUU #MediosIndependientes