De terror! Espiões russos na Colômbia causam estragos … na grande mídia colombiana 🤦‍♀️ 🤦‍♂️

#AhiLesVa #Rusia #Colombia #Venezuela #Cuba #Espionaje #Periodismo #RT

Caracas rejeita as condições da UE para observar os parlamentares de 6 de dezembro.

#Venezuela #EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal #CNE #UnionEuropea #EleccionesVenezuela

Arreaza: EUA critica a CNE da Venezuela, mas limita o voto da minoria.

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, rejeitou as declarações intervencionistas do governo dos Estados Unidos (EUA) nos assuntos internos do país sul-americano, desta vez relacionadas à nomeação do novo Conselho Nacional Eleitoral (CNE).

Arreaza sostuvo en respuesta a Mike Pompeo: "La plutocracia podrida de EE.UU. restringe el voto afro y latino..."

Pompeo questionou a nomeação pela Câmara Constitucional do Supremo Tribunal de Justiça (TSJ) dos novos reitores da CNE e tentou desqualificar uma decisão legítima e soberana.

“A podridão da plutocracia dos Estados Unidos restringe o voto afro e latino, mas há a possibilidade de questionar o novo Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela para tentar fugir da vontade de nosso povo”, disse o chefe da diplomacia americana.

“Eles preferem um sistema eleitoral que apóie seus golpes de Estado, como na Bolívia”, disse Arreaza no Twitter.

O ministro das Relações Exteriores compartilhou na rede social as recentes declarações do Secretário de Estado Pompeo, que desqualifica o TSJ e se refere à designação da nova CNE como “primeiros passos para manipular as próximas eleições”.

A Câmara Constitucional do TSJ declarou a omissão constitucional da Assembléia Nacional, que está em desdém desde 2016, na nomeação dos membros da CNE.

Por meio de uma sentença, a instância se declarou competente para ouvir e resolver a demanda.

O processo da AN por omissão legislativa foi apresentado pelos líderes dos partidos da oposição Solutions for Venezuela, Let’s Change, Movement To Socialism (MAS), Advanced Progressive, Comitê de Organização Política Eleitoral Independente (Copei) e Hope for Change.

As organizações mencionadas solicitaram esse recurso após a assembléia ter tentado finalizar a nomeação das novas autoridades da CNE há um ano, mas isso não foi possível porque são necessários dois terços da legislatura.

Com a nomeação da nova CNE, o Estado aspira a continuar avançando na renovação de seu calendário eleitoral, o mais rapidamente possível para cumprir as eleições da AN previstas para este ano de 2020.

“Os EUA não têm um chefe de Estado, mas um gangster”

O diplomata iniciou seu discurso aludindo às palavras do presidente dos EUA, que disse quarta-feira que “cercou” o país sul-americano “em um nível que ninguém sabe”.

Fracassadas tentativas de golpe de Estado na Venezuela financiadas pelo governo Trump.

As ações da oposição venezuelana deixaram numerosos atos de violência em 2019 e dividiram a comunidade internacional em dois campos: os que apoiam Juan Guaidó e os que apóiam a ordem constitucional. O golpe de estado fracassado na Venezuela se caracterizou pela organização de vários distúrbios, sabotagem do sistema elétrico, intenção de invadir o cofre do banco central e treinamento de grupos para atacar Caracas, entre outros.

O capitão detido afirma que Goudreau se encontrou com Guaidó na Casa Branca para coordenar a incursão marítima na Venezuela.

Os congressistas exigem que o governo Trump explique a Operação Gideon.

O Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados do Congresso dos Estados Unidos pediu na terça-feira ao governo Donald Trump informações sobre uma incursão marítima armada na Venezuela em 3 de maio.

El congresista Engel expresó que el Congreso necesita saber si las leyes fueron quebradas por ciudadanos y empresas estadounidenses.

O congressista republicano Eliot Engel, presidente do comitê, exigiu que o governo Donald Trump respondesse ao planejamento da Operação Gideon, que visava um golpe na Venezuela e o seqüestro do presidente da República, Nicolás Maduro.

“O Congresso precisa de respostas e precisamos delas agora. Precisamos saber se as leis dos EUA foram violadas por cidadãos e empresas dos EUA e se algum elemento do governo dos EUA estava ciente do que estava acontecendo”, escreveu Engel nas mídias sociais.

O congressista republicano Eliot Engel, presidente do comitê, exigiu que o governo de Donald Trump respondesse ao planejamento da Operação Gideon, que endossou um golpe na Venezuela e o ex-presidente da República, Nicolás Maduro.

“O Congresso precisa de respostas e precisamos delas agora. Precisamos saber ler dois fóruns norte-americanos violados por empresas e empresas nos EUA e algum elemento do governo dos EUA sabia que isso estava acontecendo”, disse Engel na mídia social.

Eliot Engel disse que o secretário de Estado Mike Pompeo se recusou a fornecer detalhes sobre o ataque marítimo armado em 3 de maio.

A pedido do Comitê do Congresso, Pompeo disse que seu país não teve uma “participação direta” e afirmou que não “dirigiu”, “guiou” ou “liderou” a tentativa frustrada de golpe de Estado na Venezuela.

Até o momento, as autoridades venezuelanas capturaram 40 envolvidos na Operação Gideon, que tinham o objetivo de seqüestrar e subsequentemente assassinar o presidente constitucional do país, Nicolás Maduro, além de outros líderes que fazem parte do Executivo.

Tags

E, novamente, o presidente Donald Trump está envolvido em uma agressão militar.

Para Maduro, esse testemunho confirmaria que o DEA “era a parte operacional e logística dessa conspiração”, por meio dos cartéis de drogas na Colômbia e na Venezuela. Por esse motivo, o presidente ordenou ao ministro do Interior, Néstor Reverol, que investigasse todos os elementos concedidos por ‘Pepero’ em suas confissões.

O governo venezuelano recebeu inúmeros sinais de apoio e solidariedade, inclusive da Rússia, China e do Congresso Nacional Africano, em face da agressão americana.

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, expressou sua gratidão ao Congresso Nacional Africano (CNA), partido governante da África do Sul, que condenou os novos ataques do governo dos Estados Unidos (EUA) contra o país sul-americano.

En la imagen de archivo, aparecen líderes del gobernante Congreso Nacional Africano (CNA) de Sudáfrica.

Em uma mensagem em sua conta na rede social do Twitter, o ANC publicou uma declaração na qual condenava o intenso ataque do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, “contra o povo da Venezuela e seu governo eleito democraticamente”.

Em outro tweet, Arreaza expressou: “Agradecemos ao histórico Congresso Nacional Africano de Nelson Mandela, líder da aliança que governa na África do Sul, por sua solidariedade com o povo e o governo da Venezuela diante da agressão americana”.

Juntos derrotaremos o imperialismo! Ngiyabonga !! (Obrigado em Zulu) ”, disse o ministro das Relações Exteriores da Venezuela.

Caracas sustenta que as agressões que Washington está enfrentando têm o objetivo de derrubar o governo bolivariano.

O governo Trump ofereceu uma recompensa milionária ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e a outros líderes do país sul-americano, acusados de supostos laços com o narcotráfico, além de propor uma “oferta” para formar um governo de transição, que foi rejeitado pelas autoridades venezuelanas.

O governo venezuelano recebeu nos últimos dias inúmeros sinais de solidariedade, incluindo o da Rede de Defesa da Humanidade (REDH) e as autoridades da Rússia e China, entre outros.

Em meio à pandemia de Covid-19, os Estados Unidos descartam a flexibilização de sanções contra Cuba, Venezuela e outras nações, apesar das exigências internacionais.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, rejeitou nesta terça-feira a possibilidade de amenizar as severas sanções de seu país contra Cuba, Venezuela, Irã e outras nações, considerando-o desnecessário.

El jefe de la diplomacia norteamricana Mike Pompeo cree innecesario levantar sanciones económicas contra Cuba, Venezuela e Irán.

Com essa declaração, Washington desconsidera as múltiplas demandas internacionais de organizações e figuras que instaram o governo Donald Trump a suspender bloqueios, restrições e sanções contra os três países afetados.

Em meio à crise de saúde global desencadeada por Covid-19, o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu na semana passada o levantamento de restrições para garantir o acesso a alimentos, suprimentos e assistência à saúde.

Em comunicado divulgado na semana passada, várias organizações americanas pediram ao governo Trump que facilitasse o fluxo de suprimentos humanitários e médicos para Cuba em meio à pandemia.

Ver imagen en Twitter

Eles também reconheceram que, embora existam subsídios humanitários no âmbito do bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto por Washington a Havana, na prática, existem limitações e sérios obstáculos para prestar assistência humanitária a Cuba.

Nesta terça-feira, Hilal Elver, relator especial da ONU sobre o direito à alimentação, expressou que “a imposição contínua de sanções econômicas prejudiciais à Síria, Venezuela, Irã, Cuba e, em menor grau, Zimbábue, para citar os casos mais destacados compromete seriamente o direito fundamental dos cidadãos comuns a alimentação adequada e adequada ”.