Quanto custa esta consulta ao domicílio?

#Covid-19 #CubaCoopera #CubaPorLaSalud #Italia #BrigadaHenryReeve #EEUUBloquea #CubaSalva #SomosCuba #SomosContinuidad

Autor: Germán Veloz Placencia | german@granma.cu

A velha abriu a porta e não escondeu a surpresa ao ver o médico. “Quanto custa essa visita domiciliar?” Ela perguntou ansiosamente. E quando soube que não haveria nota fiscal, ele recuperou a compostura. Naquele momento, ela olhou nos olhos do visitante e se lembrou de tê-los visto antes, quando um médico cubano, protegido com um terno especial, a ajudou a sair vitoriosa no confronto com o COVID-19. Ele chorou então, em meio ao agradecimento.

O evento faz parte da memória permanente do Capitão Maurio González Hernández, que integra a equipe assistencial do hospital militar Fermín Valdés Domínguez. Por cerca de quatro meses, o jovem fez parte da brigada de 38 médicos e enfermeiras do Contingente Internacional de Médicos Especializados em Situações de Desastre e Epidemias Graves Henry Reeve, que na cidade italiana de Torino ajudou a salvar mais de cem pessoas afetadas pela a pandemia.

Recibimiento de médicos de la brigada Henry Reeve procedentes de México, desarrollado en el aeropuerto José Martí, Boyeros

«Não fiquei surpreendido com a reacção da senhora. Na Itália, os pacientes com alta hospitalar do COVID-19 não têm um tratamento como o do nosso país, que estabelece acompanhamento detalhado nos consultórios médicos de família da área de saúde. Lá, ao sair do hospital, o paciente começa a se preparar para ser avaliado por médicos especialistas. No momento do encontro, a senhora, segundo nos contou, teria que esperar quatro meses para que a consulta solicitada se tornasse realidade.

«A minha visita teve como objectivo avaliar a evolução domiciliária do doente e reajustar o tratamento se necessário. Lembrei que lutamos muito no hospital de campanha para tirá-la do estado crítico em que chegou, e acrescentaram as complicações que o diabetes mellitus que ela sofre acrescentava.

Assim, há motivos para afirmar que a idosa também não esquecerá aquele encontro, fruto da filosofia médica cubana, defensora do método clínico, cuja força está na constante interação com o paciente e na realização do exame físico, num processo acompanhado de franco respeito e querida.

Ele também descreve que uma noite de tenso guarda médico, Enrico Paccini, um paciente de 91 anos, “com sincera gratidão, disse que o salvamos da morte. Seu desejo era continuar vivendo para ver a beleza do mundo, especialmente o triunfo dos médicos cubanos.

Desenvolvimento da pandemia até hoje.

Palavras ditas na recepção remota aos membros da brigada médica Henry Reeve que estavam em Turim, Itália.

Versões verbais – Presidência da República.

Bem-vindos à pátria, irmãos!

Nesta reunião diária do Grupo Nacional Temporário de Enfrentamento ao COVID-19, queremos recebê-los, membros da brigada Henry Reeve que retornam de Turim, Itália, em nome do general do exército Raúl Castro, primeiro secretário do Comitê Central do nosso Partido, em nome do Partido, do Governo e de nosso povo que acompanharam com interesse tudo o que você fez em seu magnífico trabalho de solidariedade enfrentado pela COVID em Turim, Itália, precisamente em um dos dois cenários mais complicados que teve. Aquele país.

Nestes tempos do COVID, já recebemos, via comunicação virtual, o respeito aos protocolos de segurança epidemiológica estabelecidos, diversas brigadas; mas sua recepção hoje tem um significado particular em termos de homenagem: graças aos esforços de médicos como você, do pessoal da Saúde, de nossos cientistas, dos Conselhos de Defesa provinciais e municipais e de todo o trabalho abrangente que com nossos cidade está ocorrendo, hoje foi anunciado, pela primeira vez em todo esse confronto, um dia com zero casos positivos.

Esse resultado, o que não significa que possamos mantê-lo ao longo do tempo, pois sempre haverá alguns casos, demonstra que o comportamento de efetividade que a doença vinha enfrentando nos últimos dias, onde tivemos dois dias com apenas um caso e diminuição de casos críticos e graves, a ponto de não ter nenhum no momento, e também o tempo de trânsito dos críticos e dos graves, a partir da consolidação de nossos protocolos com a aplicação dos medicamentos desenvolvidos por Cuba – mínimo nos últimos casos apresentados -, evolui de uma maneira muito positiva, e que melhor maneira de compartilhar essa alegria, esse triunfo desses resultados, precisamente com você que estrelou uma das missões mais complexas de todos os tempos.

Essa alegria não pode mais ser tirada de nós, porque é o resultado do trabalho de todos, e esse é o melhor prêmio que podemos oferecer a você nesta chegada à terra natal, porque vocês foram os heróis desta batalha.

Portanto, com todo esse entusiasmo, com toda essa alegria e muito conscientes do que ainda temos que fazer, do que temos que continuar a aperfeiçoar, do que temos que continuar a participar para evitar os surtos, uma batalha na qual também estamos cientes de que você se juntará depois de passar pela quarentena, é no sentido em que estamos recebendo você no seu retorno a Cuba.

Agora você passará por um estágio de quarentena, mas, como fizemos com as outras brigadas, após esse estágio estaremos nos vendo, conheceremos e compartilharemos com você as experiências que eles nos trazem, para também aperfeiçoar o trabalho que deve ser feito. desenvolver no futuro, onde já estamos, em meio à recuperação da COVID, implementando uma estratégia econômica e social para impulsionar nossa economia em tempos de crise.

Bem-vindo à pátria e um abraço para todos!

Retorno da Brigada Henry Reeve, que prestou ajuda solidária no Piemonte, Itália.

Retirado da página Embaixada de Cuba em Angola

Brigada médica retorna a Cuba após completar missão na Itália

Os 38 colaboradores cubanos da saúde que ajudaram a enfrentar o Covid-19 por três meses na cidade de Turim, partiram nesta segunda-feira para retornar à ilha em meio a inúmeras demonstrações de apreço e carinho. Embora os membros do Henry Reeve Contingent tenham trabalhado na capital da região de Piemonte, eles fizeram a viagem de volta a Havana a partir do aeroporto de Milão-Malpensa, na vizinha Lombardia, em um vôo direto da companhia aérea Blue Panorama que decolou em hora local.

Italia

Brigada Cubana da Saúde retorna de Turim nesta segunda-feira

A última brigada de médicos cubanos que restou na Itália retornará ao país em 20 de julho, após três meses ajudando a combater a pandemia de coronavírus “de forma solidária e gratuita”, informou o embaixador cubano em Roma, José Carlos Rodríguez. A equipe de 38 médicos e enfermeiros da brigada “Henry Reeve” atua em Turim (norte da Itália) desde 13 de abril e viajará para Milão desde Havana após um período de quarentena e testes para o coronavírus. .

Italia

Em Cuba, a cidadania honorária é concedida à principal brigada médica de Cuba

O Conselho Municipal de Turim concedeu hoje a cidadania honorária daquela capital da região do Piemonte ao Dr. Julio Guerra, chefe da brigada médica cubana que ajudou a enfrentar o Covid-19 lá. O presidente do órgão municipal de controle e direção político-administrativo, Francisco Sicari, e a prefeita, Chiara Appendino, lideraram a cerimônia de entrega do título honorário, da qual também participaram outras autoridades e representantes de instituições e organizações locais.

Turin turin

Obra da brigada médica cubana reconhecida na Itália

A Associação Nacional de Amizade Itália-Cuba (Anaic), o Coordenador Nacional de Residentes Cubanos na Itália (Conachi) e o coletivo de Cuba Va, reconheceram hoje o trabalho da brigada médica da ilha que enfrentou o Covid-19 em Turim. A homenagem foi realizada em uma reunião breve, mas emocionante, nas proximidades do complexo cultural e de convenções da OGR, onde está localizado o hospital temporário, onde os profissionais de saúde das Índias Ocidentais trabalharam com seus colegas italianos por três meses.

Condecoran

Colaboradores de saúde cubanos premiados na Itália

A presidência do Conselho Regional do Piemonte conferiu na segunda-feira uma decoração por mérito civil aos 38 colaboradores cubanos da saúde que enfrentaram o Covid-19 junto com colegas italianos na cidade de Turim por três meses. Na argumentação do reconhecimento publicado pela autoridade regional, “destacam-se o papel desempenhado durante a emergência sanitária de 2020, a dedicação e o alto profissionalismo prestados diariamente no atendimento aos pacientes piemonteses de Covid-19”.

pico Fidel

Homenagem emocional a Fidel Castro da brigada médica de Cuba em Turim

Os 38 colaboradores cubanos da saúde que enfrentaram o Covid-19 junto com colegas italianos em Turim, lembraram hoje o líder histórico da Revolução, Fidel Castro, em um ponto que leva seu nome no Monte Arpone. ‘Pico Fidel’ é chamado o local localizado a 1.600 metros acima do nível do mar na cordilheira alpina, a cerca de 45 quilômetros a noroeste da capital da região de Piemonte, onde médicos e enfermeiros de a nação do Caribe.

plaza

Começam as atividades de despedida da brigada médica cubana na Itália

Com um ato na Plaza Ernesto Ché Guevara, na cidade italiana de Colegno, as atividades de despedida da brigada médica começaram hoje, que por três meses ajudou a enfrentar o Covid-19 em Turim. O prefeito da cidade, com cerca de 50 mil habitantes pertencentes à região metropolitana de Turim, Franceso Casciano, presidiu a reunião emocionante em que os 38 colaboradores cubanos em saúde, o embaixador cubano na Itália, José Carlos Rodríguez e outras autoridades de essa missão diplomática.

A Brigada de Saúde de Cuba retorna de Turim nesta segunda-feira.

Retirado de EFE

A última brigada de médicos cubanos que caiu na Itália retornará ao país em 20 de julho, depois de três meses ajudando a combater a pandemia de coronavírus de “forma solidária e livre”, informou a embaixada cubana em Roma, José Carlos Rodríguez. .

A equipe de 38 médicos e enfermeiros da brigada “Henry Reeve” atua em Turim (norte da Itália) desde 13 de abril e viajará para Milão desde Havana após um período de quarentena e incluindo testes de coronavírus. .

Um primeiro grupo de 52 especialistas, com 37 médicos e 15 pacientes, concluiu minha missão depois de colaborar desde março contra a pandemia na cidade de Crema (norte), na Lombardia, epicentro da crise de saúde na Itália.

As autoridades locais na Itália, segundo o Ministério da Saúde, pediram ajuda a Cuba quando a crise vivia seus piores momentos e seu “sistema de saúde muito tenso”, além de um lembrete embaraçoso em entrevista à EFE.

Acredito que a experiência “tenha sido muito positiva” e “demonstrada” porque os profissionais cubanos trouxeram uma “classificação muito alta” por sua experiência em outros países e na luta contra doenças como o Ebola na África Ocidental.

Por esse motivo, eles foram demitidos na Itália “com grande reconhecimento e grande apreço”, explicou, e o chefe da brigada, Dr. Julio Guerra, foi distinguido como cidadão honorário de Turim.

“São pessoas, médicos e doentes de muito alta capacidade profissional, pessoas que em muito boa forma representam pessoas que foram capazes de ir a outros lugares para ajudar”, ordenou o diplomata.

A Itália foi o primeiro país europeu a solicitar essa assistência de Cuba, estabelecida em 59 países em todo o mundo antes da pandemia, e isso é justificado pela situação que vivia na época, com uma crise de saúde “muito agressiva”, diz ele.

“Não acho que, nessas circunstâncias, seja necessário entender o pedido. É claro que para nós não estamos acostumados a responder a pedidos de apoio à saúde no mundo”, ressalta.

Nesse sentido, o embaixador cubano afirma que a Itália pagou por essa assistência: “Posso decidir de uma maneira muito clara e transparente que nossas brigadas médicas não receberam o menor valor pago pelas autoridades nacionais na Itália”, assegurou.

“Nossas outras brigadas vieram para a Itália em ajuda à solidariedade de emergência”, eu digo, para esclarecer ainda mais que apenas eu aprendi com Cuba e que tudo que eu podia pedir eram os detalhes logísticos sobre a segurança de seus serviços.

“Eles vieram e eu presto serviços de solidariedade gratuitos ao público italiano, o que é mais importante. A Itália não deu, nem mesmo a eles, não pagou”, insistiu.

O diplomata também rejeitou “absolutamente” qualquer tipo de intenção política ou de propaganda nessa cooperação.

“Nenhuma motivação política entra aqui, já que nenhuma motivação política entrou em toda a história da assistência médica cubana oferecida no mundo”, disse ele.

Lembro que em outras ocasiões a ilha tendia a países com governos “nada amigáveis”, como o terremoto de 1972 na Nicarágua, que mais tarde foi liderado pela ditadura de Anastasio Somoza.

“Nunca estabelecemos condições para oferecer essa assistência médica ao mundo. Começamos com convicções muito firmes. Quando há uma necessidade humana, neste caso em termos de saúde, nos sentimos de bom humor e oferecemos nossa assistência e assistência.” nossos outros recursos “, enfatizei.

O embaixador lamentou que houvesse “rebeldes”, como os Estados Unidos, que criticaram os missionários cubanos (desde 1963, eles enviaram mais de 400.000 banheiros em todo o mundo) e atribuíram esses ataques ao fato de “não serem capazes de fazer coisas semelhantes”.

“Às vezes você sente muito desconforto por um exemplo digno de um país pequeno, capaz de dar solidariedade e dar vida”, disse o embaixador cubano. Na sua opinião, o mundo mostrou “fragilidade” nesta fase da pandemia e é por isso que é necessário “fortalecer toda a cooperação, colaboração e solidariedade”.

“Separadamente, os países não serão capazes de enfrentar os importantes desafios que enfrentam diante da humanidade. Separadamente, não serão capazes de enfrentar as conseqüências das mudanças climáticas ou de possíveis epidemias como essa, porque podemos garantir que seja a última”, afirmou.

“Se o bloqueio não existia, as capacidades de desenvolvimento de Cuba naquele momento eram muito mais avançadas e suas capacidades de contribuir para o mundo também eram muito maiores”, concluiu.

#Cuba nas manchetes novamente.

Mais uma vez, Cuba é colocada no topo do pentagrama, graças ao apoio e ao que suas brigadas médicas fazem, o paradigma da revolução cubana.Todos os filhos de Fidel …

#UmaLuzParaCuba ilumina a #MoleAntonelliana como sinal de gratidão a Cuba e a #BrigadaMedica #HenryReeve pela solidariedade e apoio ao povo italiano.

Imagem

Os líderes europeus concordam com o plano de recuperação econômica após a pandemia.

Retirado da RT.

Líderes dos países da União Européia aprovaram nesta terça-feira de manhã um pacote de recuperação econômica para lidar com o impacto da nova pandemia de coronavírus e concordaram em alocar cerca de 750.000 para a luta contra a recessão devido à covid-19 milhões de euros (cerca de US $ 859 bilhões) em doações e empréstimos.

Líderes europeos acuerdan el plan de recuperación económica tras la pandemia

A cúpula entre as 27 nações começou na sexta-feira e deve terminar no sábado, mas profundas diferenças ideológicas entre os líderes forçaram as negociações a aumentar, tornando a reunião uma das mais longas da história da UE.

As negociações colocaram um grupo de cinco países ricos do norte – Holanda, Áustria, Dinamarca, Suécia e Finlândia – contra os países do sul mais afetados pela pandemia, apoiados pela influente França e Alemanha.

O primeiro-ministro da Holanda, Mark Rutte, estava tentando limitar custos e impor garantias estritas de reformas, o que o levou a críticas do presidente francês Emmanuel Macron, Itália e Hungria.

A pandemia mergulhou a UE em uma queda, matando cerca de 135.000 cidadãos e previsões de que a economia do bloco poderia contrair 8,3% este ano.

O Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, propôs um fundo de 750 bilhões de euros, baseado em parte em um mecanismo de empréstimos comunitários, para conceder crédito e ajuda às nações mais necessitadas. A cifra seria um acréscimo ao orçamento de sete bilhões de euros por sete anos, sobre o qual os líderes lutavam antes mesmo de a covid-19 atingir o continente.

O salto histórico para uma maior integração da União é que todos os Estados-Membros, incluindo os mais relutantes, aceitaram finalmente que a comissão emite uma dívida comum garantida pelo orçamento da UE. Para isso, o saldo entre transferências e créditos variou como concessão aos países ‘frugal’: as contribuições para os fundos perdidos diminuem de 500.000 para 390.000 milhões de euros, enquanto os créditos aumentaram de 250.000 para 360.000 milhões.

Espanha e Itália fazem parte de suas reivindicações
A Espanha, um dos três países mais afetados por essa crise, junto com Itália e França, foi um dos grandes beneficiários do acordo finalmente alcançado nesta manhã. Receberá 140.000 milhões de euros, dos quais 72.700 serão em forma de transferências. O presidente espanhol Pedro Sánchez descreveu o acordo alcançado como “um verdadeiro plano Marshall” que supõe uma resposta focada nas “transformações necessárias para alcançar uma economia mais resiliente, verde, digital e inclusiva.

Por seu lado, a Itália receberá 208.000 milhões de euros: 81.400 de transferências (apenas 400 milhões a menos que a proposta da Comissão) e 127.400 de empréstimos. O primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte disse que o plano “é ambicioso e apropriado” e considerou o “dia histórico da Europa e da Itália”

O chanceler afirma que a ajuda de Cuba para a Itália era solidária e gratuita.

Cubaminrex-Prensa Latina

O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, destacou hoje o papel dos colaboradores de saúde da ilha, que prestavam serviços na Itália antes do Covid-19 de forma solidária e gratuita.

Em sua conta no Twitter, o ministro das Relações Exteriores observou que os profissionais chegaram ao país europeu quando este estava em estado de emergência e se tornaram o epicentro mundial da pandemia.

Eles estavam “em solidariedade e livres para salvar vidas”, disse o chefe de diplomacia das Grandes Antilhas, acrescentando que, para esta ação, apenas a gratidão dos cidadãos e das autoridades locais e nacionais foi recebida como pagamento.

Na véspera, o embaixador da nação caribenha na Itália, José Carlos Rodríguez, em entrevista à agência EFE, afirmou que seu país nunca estabeleceu condições para fornecer assistência médica ao mundo.

O diplomata especificou que médicos e enfermeiros pertencentes ao contingente Henry Reeve, agrupados em uma brigada de 52 membros e outro de 38, enfrentaram com êxito a pandemia junto com seus colegas italianos na cidade de Crema, na Lombardia, e na capital do Piemonte, Turim, respectivamente.

“Quando há uma necessidade humana, neste caso no campo da saúde, sentimos o dever e a vontade de oferecer nossa ajuda e apoio sempre que estiver dentro de nossas capacidades”, disse Rodríguez.

A pedido de vários governos, Cuba enviou cerca de 3.600 especialistas em saúde a trinta países para contribuir na luta contra o Covid-19.

Eles se juntam aos mais de 28.000 que estavam servindo em 58 países ao redor do mundo antes do início da emergência causada pelo novo coronavírus.

A contribuição dos colaboradores da ilha nesse cenário, apesar das campanhas de descrédito dos Estados Unidos, tem sido amplamente reconhecida pela comunidade internacional.

Mais uma vez, Cuba é objeto de gratidão e alegria.

Cristiano Ronaldo entrega camisas assinadas pela Juventus a médicos cubanos na Itália !!

O presidente cubano recebe os médicos que combateram o coronavírus na Itália.

Em Cuba, o presidente Miguel Díaz-Canel e o primeiro ministro Manuel Marrero receberam os 52 membros da Brigada Médica Henry Reeve, que combateram o coronavírus na Itália. É o grupo que há mais de dois meses presta serviços na Lombardia, epicentro da pandemia no país europeu.