joe biden

Sem limite de custos. Pagar ao papa Binde .

É assim que o dinheiro dos contribuintes americanos é desperdiçado, pagando as luxuosas viagens da OtaOla a Washington.

Caravana a Washington D. C. de Otaola. Casi listo - YouTube
Categories: ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, joe biden, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Protestos em Cuba: o que é a agitação social e o que a está realmente a causar?

Categories: # Cuba, # yo voto vs bloqueo, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #solidaridadvs bloqueo, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contrarevolucion, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba: a obsessão de EE. UU, CubavsBloqueo, joe biden, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Redes sociais | Deixe um comentário

O governo cubano denunciou novas sanções coercivas dos EUA.

Categories: #Estados Unidos, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, bloqueio econômico, BLOQUEIO VS CUBA, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, Cuba, fake news, joe biden, Redes sociais, SANCIONES, solidariedade | Deixe um comentário

Favor Flaco? Joe Biden oferece vacinas e Internet a Cuba .

O presidente dos EUA salienta que a crise em Cuba se deve ao facto de o comunismo ser um sistema falhado. Num encontro com a chanceler alemã Angela Merkel, o presidente assegurou que procura ajudar o povo cubano sem que o governo possa ter lucro. Uma das suas propostas foi enviar “quantidades significativas” de vacinas anti-vírus para Cuba. O analista político Breno Altman acredita que Joe Biden mantém a política de asfixia económica contra Cuba.

Categories: # Cuba, #Cuba #CIA, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Estados Unidos, #salud, #Salud en Cuba, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, joe biden, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, Vacinação | Deixe um comentário

O que eles não dizem sobre #Cuba . .#CubaNoEstaSola #EliminenElBloqueoYa #PatriaOMuerte

Por Rosa Miriam Elizalde

Estamos a viver, em pleno andamento, uma guerra de informação ao estilo antigo dos falcões que sussurram ao ouvido dos presidentes dos EUA. Não começou com Biden, deve ser dito. Desde 2017 que têm vindo a martelar a falácia de uma explosão social em Cuba com a sua solução mágica, “intervenção humanitária”, enquanto Trump avançou com a sua ladainha de sanções adicionais ao bloqueio, 243 para ser exacto, que a actual administração tem mantido incólume.

Em Fevereiro de 2020, os amigos do Secretário-Geral da OEA Luis Almagro e os congressistas da Florida, entre selfie e selfie com as facas mais odiosas da direita transnacional, lançaram a campanha em redes “Crise em Cuba: repressão, fome e coronavírus”. Nessa altura, não havia um único caso de Covid19 na ilha. Também não houve, como agora, falta de alimentos ou medicamentos, apesar dos sucessivos golpes nas finanças, da pressão sobre os bancos, da perseguição aos petroleiros, do abrupto corte de remessas, do cancelamento de voos regulares a partir dos Estados Unidos e muitos mais.

Lo que no dicen de Cuba | Cubadebate

Como o escritor cubano René Vázquez Díaz recordou nestes dias, imagine o exército de funcionários do governo dos EUA que trabalharam lealmente, desde 1960, para fazer sofrer as crianças cubanas, os idosos e doentes, as mulheres e os homens de um pequeno país que nunca assaltou o seu tormento a ponto de sofrer um sofrimento indescritível. “Imagine o número maciço de funcionários públicos que, agora mais do que nunca, continuam a realizar este trabalho diário”.

Imagine por um momento quanto custou esta guerra de espectro total, operando no ciberespaço, onde ligam e cruzam toda a informação dos operacionais “em tempo real” para assegurar que a explosão social passe da promessa machista para algo que se parece com ela, sem qualquer menção à mão que abalou e embalou o berço. E sem revelar, evidentemente, que a maioria da população cubana não participou nos incidentes e não aceitará de forma alguma a “intervenção humanitária” e as bombas e fuzileiros que a acompanham.

Quando o governo apelou ao seu povo para que se defendesse, então a batida dos tambores nas redes sociais e nos meios de comunicação transnacionais deu o sinal para transformar o Presidente Miguel Díaz-Canel num criminoso. Esqueceram-se de mencionar que ele não chamou o exército para disparar contra os cidadãos, nem lhes ordenou que arrancassem os olhos, nem que usassem bastões eléctricos, nem tanques de água com ácido, nem gás lacrimogéneo, nem qualquer outra arma além do peito daqueles que sabem quem é o criminoso nesta história, como nos recordou o diplomata cubano Eugenio Martinez. E saíram para defender a Revolução, mesmo antes de Díaz-Canel explicar no domingo à tarde o que estava a acontecer e chamar para acalmar as pessoas que têm sido bombardeadas dia após dia por oceanos de informação tóxica e notícias falsas de todo o tipo através de redes sociais. Ao escrever isto, a CNN en Español apresentou uma manifestação de apoio à Revolução pelos trabalhadores no Ministério da Economia em Havana, como se fosse um protesto anti-governamental. Para a tornar mais realista, acrescentaram a canção “Libertad” do empresário de Miami Emilio Estefan.

Maitor@Mayner2012

FAKE NEWS DE CNN

No se cansan de engañar, igual lo hacian (y hacen) con Siria.

Esta imagen es de trabajadores y directivos del Ministerio de Economía de Cuba en un acto de apoyo a la Revolución. No se dejen engañar !

Imagen

O que eles não dizem sobre Cuba é que há quase dois anos que documentam a participação de empresas e sítios digitais da Florida na organização desta campanha, com financiamento do governo dos EUA. Também não falam da utilização da última geração de grandes sistemas de dados e inteligência artificial contra a ilha, tais como os utilizados para justificar o golpe na Bolívia, por exemplo, e da presença de cibertropos digitais que coordenam acções nas redes e utilizam estes sistemas de inteligência informática para gerar uma câmara de eco barulhenta contra o governo cubano.

O investigador espanhol Julián Macías Tovar mostrou como estes cibertroops organizados no Twitter amplificaram milhões de mensagens e deram instruções para o assédio coordenado de influenciadores com o objectivo de dar volume à hashtag #SOSCuba. As tácticas utilizadas, típicas das operações de guerra cibernética, destinavam-se a gerar artificialmente a ilusão de um consenso em grande escala contra o governo cubano através de uma operação de força bruta cuidadosamente planeada em plataformas sociais, que combina todas as características da guerra irregular ou híbrida desenhada pelos EUA na era da Internet, que se encontra em prática há quase 20 anos.

Lo que no dicen de Cuba

Quando em 2003 o Departamento de Defesa dos EUA declarou o ciberespaço como um novo território a conquistar, fê-lo para definir a guerra central em rede, ou operações de guerra cibernética, descritas como “condução e preparação para conduzir operações militares de acordo com princípios relacionados com a informação”. Significa perturbar, se não destruir, os sistemas de informação e comunicação, amplamente definidos para incluir também a cultura militar, da qual um adversário depende para se “conhecer”: quem é, onde está, o que pode fazer, quando o pode fazer, pelo que está a lutar, quais as ameaças a combater primeiro, etc.”.

A desinformação, fraude e manipulação não só tentam transformar os distúrbios criados nos laboratórios americanos em agitação social, mas também transformar os espectadores em cúmplices de um crime contra milhões de cubanos. Há muitas coisas que permanecem por dizer sobre Cuba, mas esta é sem dúvida a principal.

Categories: # Cuba, #Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Marco Rubio e #Bob Menendez ., #Trump, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, joe biden, MARCO RUBIO | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

A resposta contundente de #Putin que silenciou um jornalista da BBC .

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, A guerra dos Estados Unidos, alemanha, China, EUROPA, Guerra Económica, GUERRA FRIA, Guerra sem Fronteiras, Injerencia De EEUU, joe biden, Putin, REINO UNIDO, RUSIA, vladimir putin | Deixe um comentário

#Cuba: Nota de #Prensa del #MINREX .

Categories: # Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Acciones contra Cuba, fake news, BLOQUEIO VS CUBA, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, campanha anti-cubana, joe biden, MINREX, SANCIONES | Deixe um comentário

O gasoduto que abala a política mundial: porque é que o Nord Stream 2 divide aliados e une rivais?

Categories: #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Bruselas, Donald Trump, EUROPA, Europa postura intervencionista, Injerencia De EEUU, joe biden, Joseph Goebbels, ministro de Pueblo Popular y Propaganda de la Alemania de Adolfo Hitler, Putin, RUSIA, RUSSIA, SANCIONES, UNION EUROPEA, vladimir putin | Deixe um comentário

Prioridades da administração norte-americana e relações com #Cuba .

Por Redacción Razones de Cuba

Na apresentação da estratégia de segurança nacional, o Presidente Joe Biden divulgou as Orientações Estratégicas Interinas, nas quais anuncia os seus objectivos. O seu antecedente mais imediato conhecido é o seu artigo publicado na revista Foreign Affairs, no qual anunciou que iria tomar medidas para que, mais uma vez, os Estados Unidos liderassem o mundo.

Na mesma linha, o Secretário de Estado António Blinken afirmou no seu discurso inaugural que o mundo é incapaz de se organizar, e que quando os EUA se retiraram de algum lugar, outro país tentou ocupá-lo, e não promover os interesses dos EUA. Também argumentou que em nenhum outro momento da sua carreira as distinções entre política interna e externa dos EUA desapareceram devido à renovação e força da América.

Sem sequer precisar de questionar a validade ou viabilidade das afirmações acima referidas, o leitor concordará que tais ideias têm muito poucas novidades, e são congruentes com o antigo e há muito proclamado mito “americano” que representa os EUA como o campeão da igualdade de oportunidades e a excepcionalidade de um povo que, escolhido por Deus, recebeu do criador, como “destino manifesto”, o dom de governar o mundo, para o fazer à sua imagem e semelhança.

Estos son los planes de Joe Biden para América Latina | Las noticias y  análisis más importantes en América Latina | DW | 13.01.2021

Mas acontece que o mundo que os EUA pretendem liderar, com as suas políticas (interna e externa) e as suas prioridades, é o mundo da crise do capitalismo neoliberal pós-globalização, cuja manifestação mais evidente é a sua crise sistémica e o seu declínio acelerado.

É o mundo em que os fundamentalistas do mercado viveram (alguns ainda vivem) convencidos da auto-regulação pela “destruição criativa” Schumpeteriana e pela “nova teoria monetária”; subestimaram os danos que as suas políticas causaram à economia, cujos défices assumiram poder ser cobertos pela “flexibilização quantitativa” através da emissão de dinheiro e dívida, de tal forma que é várias vezes superior ao Produto Global Bruto, com resultados finais previsivelmente catastróficos. Para se ter uma ideia, e apenas para o caso dos EUA, basta assinalar que a sua dívida federal ascende a Para se ter uma ideia, e apenas para o caso dos EUA, basta assinalar que a sua dívida federal ascende a 28,07 triliões de dólares, enquanto o seu Produto Interno Bruto é de 21,6 triliões; ao mesmo tempo, a sua dívida total (incluindo hipotecas, empréstimos estudantis, cartões de crédito…), atinge 82 triliões de 699 mil milhões de dólares, números que aumentam a cada segundo.

E falando de prioridades, a primeira teria a ver com a resolução, de alguma forma, da profunda divisão e polarização nos EUA entre Democratas e Republicanos, globalistas e nacionalistas, os supremacistas anglo-saxões brancos e protestantes e “negros, amarelos e castanhos”, também entre velhos e novos e não tão novos imigrantes, com o seu racismo estrutural, desigualdades abismais, negação científica e desinformação desenfreada.

As prioridades da nova administração são deter a pandemia e a sua transmissão, que, embora todos saibamos que é impossível sem cooperação à escala global, os EUA insistem no controlo local egoísta.

Também uma prioridade é inverter a deterioração da economia do país. Isto deve começar com uma reforma fiscal que elimine os cortes fiscais que tornaram “os ricos mais ricos para os ricos” pelas administrações anteriores (Democrática e Republicana) e com a implementação de políticas – fiscais e monetárias – que, ao mesmo tempo, lhes permitem ter os triliões (biliões em espanhol) de dólares necessários para financiar a luta contra a pandemia; a recuperação pós-pandémica e o sistema de saúde, também relacionado com a pandemia, e a economia real (que envolve muito mais do que o crescimento da bolsa de valores), o que envolveria também a modernização das infra-estruturas em deterioração, o combate ao aquecimento global e a melhoria da educação prometida durante a sua campanha.

Caravanas en ciudades de Estados Unidos y Canadá: Contra el bloqueo, por  más Puentes de amor (+Videos) | Cubadebate

Mas, claro, assumindo sempre “excepcionalidade” e seguindo o discurso de Blinken, o acima referido só seria alcançado “assegurando que a economia global proporciona segurança e oportunidades ao maior número possível de americanos a longo prazo”, com “políticas apropriadas” tais como “o pacote de ajuda que o Presidente está a promover” e gerindo: “a economia global de uma forma que beneficie realmente o povo americano” (as aspas sugerem o papel dos EUA, de acordo com Blinken).

Uma vez que, para Blinken, as “lições aprendidas” pelos defensores do comércio livre moldariam a economia mundial “da forma que desejávamos”, os acordos comerciais (a propósito, algo já imposto por Trump ao México e ao Canadá) que foram assinados pelos EUA deveriam ser revistos com base no liberalismo e na teoria clássica do comércio internacional de que todos beneficiariam com eles. Só que também é claro que, para a revisão dos acordos a seu contento, os EUA teriam de contar com os signatários, incluindo a China.

Tudo isto, a nova administração terá de o fazer através da recuperação do poder de compra dos salários dos trabalhadores que, segundo todos os cálculos, e para os igualar aos dos anos 50 do século passado, deverá mais do dobro da proposta do Presidente durante a sua campanha. E isto, sem a enorme emissão de dólares Fiat, necessária para financiar tudo o acima referido, não continuando a depreciar a moeda que ainda hoje é a moeda mais utilizada, porque isto faria com que os EUA perdessem o privilégio de ter o resto do mundo a financiar a sua economia, uma vantagem de que desfruta na actual ordem mundial (ou desordem?).


Entre as prioridades da política externa está sem dúvida o que os EUA consideram o seu “quintal”. Na declaração de 16 de Março de 2021 do Almirante-Chefe do Comando Sul dos EUA, ele “alerta” para a necessidade de combater a influência de nações estrangeiras como a China, Rússia e Irão…, e também Cuba pela “sua influência corrosiva em regimes autocráticos inspiradores no hemisfério” (Sic) no que ele chama de “nosso bairro”.

Joe Biden- RTVE.es

Também incluídas entre as “prioridades” estão a “renovação da democracia ameaçada pela ascensão do autoritarismo e do nacionalismo (na qual, como vimos, Cuba está incluída); o estabelecimento de um sistema migratório (que será certamente selectivo e garantirá a fuga de cérebros); a revitalização do sistema de aliança, reinventando as parcerias que foram criadas há anos, para que se adaptem aos desafios de hoje e de amanhã” (no que Blinken chama de interesse próprio esclarecido); a crise climática, promovendo a revolução da energia verde e garantindo a liderança na revolução tecnológica global actualmente em curso, que hoje parece inatingível.

E já que estamos a falar de prioridades, é necessária uma reflexão final. Os pequenos jornalistas – e ainda piores políticos – gabam-se nos EUA quando insistem que Cuba não é uma prioridade, e é por isso que não há interesse na actual administração em retomar as relações interrompidas por Trump, os seus promotores e bajuladores. Claro que é difícil saber o que pensam os responsáveis políticos dos EUA, mas o que sabemos é que nós merecemos os cubanos – e isso inclui a grande maioria dos que vivem nos EUA e no resto do mundo – somos guiados pelos ensinamentos de Martí: “A melhor maneira de se fazer servir é fazer-se respeitar a si próprio. Cuba não anda pelo mundo como uma mendiga: anda como uma irmã, e age com a autoridade de uma irmã. Ao salvar-se a si próprio, salva”.

Embora não saibamos se somos ou não uma prioridade, sabemos como impediram a nossa independência de Espanha, quantas foram as intervenções militares, como perdemos parte do nosso território… Precisamente por causa de tudo isto e mais, e independentemente da história de relações conflituosas que durante a nossa história comum encorajaram – e nas quais nós cubanos demonstrámos a convicção espartana – é que também aspiramos a relações com o mundo, e com os Estados Unidos, que sejam respeitosas, civilizadas e mutuamente vantajosas.

É por isso que nós cubanos estamos interessados, e confiamos, que nas relações que mais cedo ou mais tarde manteremos com os Estados Unidos, seremos capazes de aprender o melhor uns com os outros, Podemos aprender o melhor uns com os outros: sobre os direitos humanos, em particular comparando os problemas a resolver em matéria de discriminação racial; sobre os direitos das mulheres, como o aborto, salário igual para trabalho igual para mulheres e homens; também sobre as proporções de cada ser humano na população economicamente activa e em todas as profissões ou ofícios, incluindo licenciados universitários e cientistas; sobre os direitos das crianças, a qualidade da educação e da saúde, o seu custo e o seu acesso… aqui e ali.

A nossa resiliência, o nosso prestígio, a nossa relação com o mundo, baseada no respeito, o declínio do império e a nossa capacidade de produzir ciência e serviços turísticos e médicos altamente competitivos, poderiam certamente, e numa data muito precoce, tornar o mercado “americano” dispensável para Cuba, apesar da sua proximidade e das imensas possibilidades para ambos. Esta também não será a nossa decisão.

Extraído de Granma

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #salud, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, Coronavirus, CoronaVirus, Política, CubavsBloqueo, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Injerencia De EEUU, joe biden, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, Profesionales e la Salud | Deixe um comentário

O Presidente #Biden enfrenta a pressão sobre #Cuba .

Por Redacción Razones de Cuba

O Presidente dos EUA Joe Biden enfrenta hoje pressões para definir a sua política em Cuba, relata The Hill.
A Casa Branca dá poucas pistas sobre como irá abordar a sua política com o país das Caraíbas, num cenário em que existem considerações políticas opostas, incluindo as de um trio de republicanos do Senado que procuram impedir Biden de retirar Cuba da lista de patrocinadores estatais do terrorismo.

EE.UU. ofrece el TPS a birmanos por golpe de Estado | El Mundo | DW |  13.03.2021

Apesar de ter prometido, durante a sua campanha presidencial, restabelecer os laços com a maior das Antilhas, o presidente ainda não definiu como irá abordar a questão, apesar de vários democratas defenderem uma política mais aberta, salientando os potenciais benefícios para os antigos adversários da Guerra Fria, relata The Hill.

Alguns, como Geoff Thale, presidente do Gabinete de Washington para a América Latina, acreditam que na aproximação os americanos podem ser os melhores embaixadores de todos aqueles valores que os republicanos estão a utilizar para manter o bloqueio.

Marco Rubio y Bob Menéndez impiden que Roberta Jacobson sea Embajadora en  México | cubanaycatracha

Uma mudança na política de Cuba não está actualmente entre as principais prioridades do Presidente Biden, disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, num briefing realizado no início deste mês.

Mas para muitos legisladores, o tempo é essencial, incluindo o Deputado Jim McGovern (D-Mass.), que defende um regresso às acções iniciadas durante a administração Obama.

“Não cometamos o erro de nos movermos lenta e progressivamente. Precisamos de agir agora”, disse o legislador.

Por outro lado, à oposição dos senadores republicanos Ted Cruz (Texas) e Marcos Rubio (Florida) junta-se Robert Menendez (D-New Jersey), presidente da Comissão de Relações Externas do Senado, que há muito se opõe a qualquer mudança na dura posição de Washington em relação a Cuba.

Fulton Armstrong, professor na Universidade Americana e antigo director de Assuntos Interamericanos no Conselho de Segurança Nacional (CNS), acredita que é a posição destes legisladores que é a razão pela qual a administração Biden não pode esperar para estabelecer a sua política para Cuba.

A Casa Branca e o seu Departamento de Estado devem assumir a liderança e não deixar a política de Cuba nas mãos desse sector. Se há uma coisa que os cães políticos de ferro-velho sabem fazer, é encher os aspiradores de liderança”, disse ele.

As sanções unilaterais quase nunca funcionam, e falharam miseravelmente em Cuba’, disse o Senador Patrick Leahy (D-Vt.) numa declaração recente, na qual culpou a administração Trump por fazer recuar as políticas de Obama ‘a favor dos eleitores da Florida’.

A América pode envolver-se activamente ou ver os nossos concorrentes preencher o vácuo, como já estão a fazer, Leahy avisou.

Extraído de Prensa Latina

Categories: # Cuba, #Bob Menéndez e #Marco Rubio, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #Marco Rubio e #Bob Menendez ., Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, joe biden, Ley Helms Burton, MIAMI, Washington | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: