joe biden

A resposta contundente de #Putin que silenciou um jornalista da BBC .

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, A guerra dos Estados Unidos, alemanha, China, EUROPA, Guerra Económica, GUERRA FRIA, Guerra sem Fronteiras, Injerencia De EEUU, joe biden, Putin, REINO UNIDO, RUSIA, vladimir putin | Deixe um comentário

#Cuba: Nota de #Prensa del #MINREX .

Categories: # Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Acciones contra Cuba, fake news, BLOQUEIO VS CUBA, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, campanha anti-cubana, joe biden, MINREX, SANCIONES | Deixe um comentário

O gasoduto que abala a política mundial: porque é que o Nord Stream 2 divide aliados e une rivais?

Categories: #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Bruselas, Donald Trump, EUROPA, Europa postura intervencionista, Injerencia De EEUU, joe biden, Joseph Goebbels, ministro de Pueblo Popular y Propaganda de la Alemania de Adolfo Hitler, Putin, RUSIA, RUSSIA, SANCIONES, UNION EUROPEA, vladimir putin | Deixe um comentário

Prioridades da administração norte-americana e relações com #Cuba .

Por Redacción Razones de Cuba

Na apresentação da estratégia de segurança nacional, o Presidente Joe Biden divulgou as Orientações Estratégicas Interinas, nas quais anuncia os seus objectivos. O seu antecedente mais imediato conhecido é o seu artigo publicado na revista Foreign Affairs, no qual anunciou que iria tomar medidas para que, mais uma vez, os Estados Unidos liderassem o mundo.

Na mesma linha, o Secretário de Estado António Blinken afirmou no seu discurso inaugural que o mundo é incapaz de se organizar, e que quando os EUA se retiraram de algum lugar, outro país tentou ocupá-lo, e não promover os interesses dos EUA. Também argumentou que em nenhum outro momento da sua carreira as distinções entre política interna e externa dos EUA desapareceram devido à renovação e força da América.

Sem sequer precisar de questionar a validade ou viabilidade das afirmações acima referidas, o leitor concordará que tais ideias têm muito poucas novidades, e são congruentes com o antigo e há muito proclamado mito “americano” que representa os EUA como o campeão da igualdade de oportunidades e a excepcionalidade de um povo que, escolhido por Deus, recebeu do criador, como “destino manifesto”, o dom de governar o mundo, para o fazer à sua imagem e semelhança.

Estos son los planes de Joe Biden para América Latina | Las noticias y  análisis más importantes en América Latina | DW | 13.01.2021

Mas acontece que o mundo que os EUA pretendem liderar, com as suas políticas (interna e externa) e as suas prioridades, é o mundo da crise do capitalismo neoliberal pós-globalização, cuja manifestação mais evidente é a sua crise sistémica e o seu declínio acelerado.

É o mundo em que os fundamentalistas do mercado viveram (alguns ainda vivem) convencidos da auto-regulação pela “destruição criativa” Schumpeteriana e pela “nova teoria monetária”; subestimaram os danos que as suas políticas causaram à economia, cujos défices assumiram poder ser cobertos pela “flexibilização quantitativa” através da emissão de dinheiro e dívida, de tal forma que é várias vezes superior ao Produto Global Bruto, com resultados finais previsivelmente catastróficos. Para se ter uma ideia, e apenas para o caso dos EUA, basta assinalar que a sua dívida federal ascende a Para se ter uma ideia, e apenas para o caso dos EUA, basta assinalar que a sua dívida federal ascende a 28,07 triliões de dólares, enquanto o seu Produto Interno Bruto é de 21,6 triliões; ao mesmo tempo, a sua dívida total (incluindo hipotecas, empréstimos estudantis, cartões de crédito…), atinge 82 triliões de 699 mil milhões de dólares, números que aumentam a cada segundo.

E falando de prioridades, a primeira teria a ver com a resolução, de alguma forma, da profunda divisão e polarização nos EUA entre Democratas e Republicanos, globalistas e nacionalistas, os supremacistas anglo-saxões brancos e protestantes e “negros, amarelos e castanhos”, também entre velhos e novos e não tão novos imigrantes, com o seu racismo estrutural, desigualdades abismais, negação científica e desinformação desenfreada.

As prioridades da nova administração são deter a pandemia e a sua transmissão, que, embora todos saibamos que é impossível sem cooperação à escala global, os EUA insistem no controlo local egoísta.

Também uma prioridade é inverter a deterioração da economia do país. Isto deve começar com uma reforma fiscal que elimine os cortes fiscais que tornaram “os ricos mais ricos para os ricos” pelas administrações anteriores (Democrática e Republicana) e com a implementação de políticas – fiscais e monetárias – que, ao mesmo tempo, lhes permitem ter os triliões (biliões em espanhol) de dólares necessários para financiar a luta contra a pandemia; a recuperação pós-pandémica e o sistema de saúde, também relacionado com a pandemia, e a economia real (que envolve muito mais do que o crescimento da bolsa de valores), o que envolveria também a modernização das infra-estruturas em deterioração, o combate ao aquecimento global e a melhoria da educação prometida durante a sua campanha.

Caravanas en ciudades de Estados Unidos y Canadá: Contra el bloqueo, por  más Puentes de amor (+Videos) | Cubadebate

Mas, claro, assumindo sempre “excepcionalidade” e seguindo o discurso de Blinken, o acima referido só seria alcançado “assegurando que a economia global proporciona segurança e oportunidades ao maior número possível de americanos a longo prazo”, com “políticas apropriadas” tais como “o pacote de ajuda que o Presidente está a promover” e gerindo: “a economia global de uma forma que beneficie realmente o povo americano” (as aspas sugerem o papel dos EUA, de acordo com Blinken).

Uma vez que, para Blinken, as “lições aprendidas” pelos defensores do comércio livre moldariam a economia mundial “da forma que desejávamos”, os acordos comerciais (a propósito, algo já imposto por Trump ao México e ao Canadá) que foram assinados pelos EUA deveriam ser revistos com base no liberalismo e na teoria clássica do comércio internacional de que todos beneficiariam com eles. Só que também é claro que, para a revisão dos acordos a seu contento, os EUA teriam de contar com os signatários, incluindo a China.

Tudo isto, a nova administração terá de o fazer através da recuperação do poder de compra dos salários dos trabalhadores que, segundo todos os cálculos, e para os igualar aos dos anos 50 do século passado, deverá mais do dobro da proposta do Presidente durante a sua campanha. E isto, sem a enorme emissão de dólares Fiat, necessária para financiar tudo o acima referido, não continuando a depreciar a moeda que ainda hoje é a moeda mais utilizada, porque isto faria com que os EUA perdessem o privilégio de ter o resto do mundo a financiar a sua economia, uma vantagem de que desfruta na actual ordem mundial (ou desordem?).


Entre as prioridades da política externa está sem dúvida o que os EUA consideram o seu “quintal”. Na declaração de 16 de Março de 2021 do Almirante-Chefe do Comando Sul dos EUA, ele “alerta” para a necessidade de combater a influência de nações estrangeiras como a China, Rússia e Irão…, e também Cuba pela “sua influência corrosiva em regimes autocráticos inspiradores no hemisfério” (Sic) no que ele chama de “nosso bairro”.

Joe Biden- RTVE.es

Também incluídas entre as “prioridades” estão a “renovação da democracia ameaçada pela ascensão do autoritarismo e do nacionalismo (na qual, como vimos, Cuba está incluída); o estabelecimento de um sistema migratório (que será certamente selectivo e garantirá a fuga de cérebros); a revitalização do sistema de aliança, reinventando as parcerias que foram criadas há anos, para que se adaptem aos desafios de hoje e de amanhã” (no que Blinken chama de interesse próprio esclarecido); a crise climática, promovendo a revolução da energia verde e garantindo a liderança na revolução tecnológica global actualmente em curso, que hoje parece inatingível.

E já que estamos a falar de prioridades, é necessária uma reflexão final. Os pequenos jornalistas – e ainda piores políticos – gabam-se nos EUA quando insistem que Cuba não é uma prioridade, e é por isso que não há interesse na actual administração em retomar as relações interrompidas por Trump, os seus promotores e bajuladores. Claro que é difícil saber o que pensam os responsáveis políticos dos EUA, mas o que sabemos é que nós merecemos os cubanos – e isso inclui a grande maioria dos que vivem nos EUA e no resto do mundo – somos guiados pelos ensinamentos de Martí: “A melhor maneira de se fazer servir é fazer-se respeitar a si próprio. Cuba não anda pelo mundo como uma mendiga: anda como uma irmã, e age com a autoridade de uma irmã. Ao salvar-se a si próprio, salva”.

Embora não saibamos se somos ou não uma prioridade, sabemos como impediram a nossa independência de Espanha, quantas foram as intervenções militares, como perdemos parte do nosso território… Precisamente por causa de tudo isto e mais, e independentemente da história de relações conflituosas que durante a nossa história comum encorajaram – e nas quais nós cubanos demonstrámos a convicção espartana – é que também aspiramos a relações com o mundo, e com os Estados Unidos, que sejam respeitosas, civilizadas e mutuamente vantajosas.

É por isso que nós cubanos estamos interessados, e confiamos, que nas relações que mais cedo ou mais tarde manteremos com os Estados Unidos, seremos capazes de aprender o melhor uns com os outros, Podemos aprender o melhor uns com os outros: sobre os direitos humanos, em particular comparando os problemas a resolver em matéria de discriminação racial; sobre os direitos das mulheres, como o aborto, salário igual para trabalho igual para mulheres e homens; também sobre as proporções de cada ser humano na população economicamente activa e em todas as profissões ou ofícios, incluindo licenciados universitários e cientistas; sobre os direitos das crianças, a qualidade da educação e da saúde, o seu custo e o seu acesso… aqui e ali.

A nossa resiliência, o nosso prestígio, a nossa relação com o mundo, baseada no respeito, o declínio do império e a nossa capacidade de produzir ciência e serviços turísticos e médicos altamente competitivos, poderiam certamente, e numa data muito precoce, tornar o mercado “americano” dispensável para Cuba, apesar da sua proximidade e das imensas possibilidades para ambos. Esta também não será a nossa decisão.

Extraído de Granma

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #salud, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, Coronavirus, CoronaVirus, Política, CubavsBloqueo, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Injerencia De EEUU, joe biden, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, Profesionales e la Salud | Deixe um comentário

O Presidente #Biden enfrenta a pressão sobre #Cuba .

Por Redacción Razones de Cuba

O Presidente dos EUA Joe Biden enfrenta hoje pressões para definir a sua política em Cuba, relata The Hill.
A Casa Branca dá poucas pistas sobre como irá abordar a sua política com o país das Caraíbas, num cenário em que existem considerações políticas opostas, incluindo as de um trio de republicanos do Senado que procuram impedir Biden de retirar Cuba da lista de patrocinadores estatais do terrorismo.

EE.UU. ofrece el TPS a birmanos por golpe de Estado | El Mundo | DW |  13.03.2021

Apesar de ter prometido, durante a sua campanha presidencial, restabelecer os laços com a maior das Antilhas, o presidente ainda não definiu como irá abordar a questão, apesar de vários democratas defenderem uma política mais aberta, salientando os potenciais benefícios para os antigos adversários da Guerra Fria, relata The Hill.

Alguns, como Geoff Thale, presidente do Gabinete de Washington para a América Latina, acreditam que na aproximação os americanos podem ser os melhores embaixadores de todos aqueles valores que os republicanos estão a utilizar para manter o bloqueio.

Marco Rubio y Bob Menéndez impiden que Roberta Jacobson sea Embajadora en  México | cubanaycatracha

Uma mudança na política de Cuba não está actualmente entre as principais prioridades do Presidente Biden, disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, num briefing realizado no início deste mês.

Mas para muitos legisladores, o tempo é essencial, incluindo o Deputado Jim McGovern (D-Mass.), que defende um regresso às acções iniciadas durante a administração Obama.

“Não cometamos o erro de nos movermos lenta e progressivamente. Precisamos de agir agora”, disse o legislador.

Por outro lado, à oposição dos senadores republicanos Ted Cruz (Texas) e Marcos Rubio (Florida) junta-se Robert Menendez (D-New Jersey), presidente da Comissão de Relações Externas do Senado, que há muito se opõe a qualquer mudança na dura posição de Washington em relação a Cuba.

Fulton Armstrong, professor na Universidade Americana e antigo director de Assuntos Interamericanos no Conselho de Segurança Nacional (CNS), acredita que é a posição destes legisladores que é a razão pela qual a administração Biden não pode esperar para estabelecer a sua política para Cuba.

A Casa Branca e o seu Departamento de Estado devem assumir a liderança e não deixar a política de Cuba nas mãos desse sector. Se há uma coisa que os cães políticos de ferro-velho sabem fazer, é encher os aspiradores de liderança”, disse ele.

As sanções unilaterais quase nunca funcionam, e falharam miseravelmente em Cuba’, disse o Senador Patrick Leahy (D-Vt.) numa declaração recente, na qual culpou a administração Trump por fazer recuar as políticas de Obama ‘a favor dos eleitores da Florida’.

A América pode envolver-se activamente ou ver os nossos concorrentes preencher o vácuo, como já estão a fazer, Leahy avisou.

Extraído de Prensa Latina

Categories: # Cuba, #Bob Menéndez e #Marco Rubio, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #Marco Rubio e #Bob Menendez ., Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, joe biden, Ley Helms Burton, MIAMI, Washington | Deixe um comentário

#Cuba, #Biden e o idílio .

Por Redacción Razones de Cuba

Como é habitual na “democracia” liberal, após a contagem dos últimos votos, a campanha eleitoral e o que nela foi dito fica para trás. Embora nos seus comícios e entrevistas Biden tenha prometido relutantemente uma mudança de política em relação a Cuba e o regresso dos avanços de Barack Obama, a verdade é que, em relação a Cuba, o que realmente conta é a situação, os interesses políticos e os cálculos de governabilidade, especialmente no Congresso, ao que se junta a amargura histórica de ambos os partidos pela rebelião da ilha.

Quando as cortinas da era Trump começaram a fechar-se, os obstáculos que a direita mais reaccionária dos Estados Unidos estava a começar a interpor-se para impedir Washington de se virar para Havana já estavam à vista.

Todos nos Estados Unidos estavam cientes da firmeza de Cuba na defesa da sua soberania, e tudo o que restava era fabricar novos pretextos para, pelo menos, atrasar qualquer decisão de Biden relativamente às medidas criminosas de asfixia económica implementadas por Donald Trump contra o povo cubano.

Biden y Cuba

As acções foram concebidas em torno de dois eixos fundamentais: os direitos humanos e o terrorismo, temas profusamente de blockbuster na rede de meios de comunicação social articulados contra a ilha durante mais de 60 anos.

Em Havana, mesmo no meio da devastação causada pelos efeitos do bloqueio e da pandemia da COVID, num contexto também marcado pelos esforços de todo o país das Caraíbas para salvar vidas, não só cubanas mas de todo o mundo, grupos subversivos desenvolveram um espectáculo mediático para afectar a imagem do país e das suas instituições e “mostrar” ao mundo a “intolerância” do governo presidido por Miguel Díaz-Canel.

O esquálido grupo de San Isidro, constituído por elementos criminosos financiados pelo erário público norte-americano, criou as condições para a intervenção das autoridades cubanas, facto que foi demonstrado ao mundo como uma acção de alegada repressão. A verdade é que nem uma única pessoa foi torturada, nem uma única pessoa desapareceu, nem sequer uma delas foi julgada pelas suas acções mercenárias, provocatórias e ilegais.

Esta exposição foi a razão pela qual, através das redes sociais e seguindo os contornos mais básicos dos manuais de golpe suave, se tentou uma “demonstração”, que não foi além de algumas centenas de jovens e não tão jovens, em frente ao Ministério da Cultura de Cuba, “exigindo” mais facilidades para os “artistas”. O que pouco foi dito é que Cuba foi provavelmente o país da região que mais fez pela cultura do seu povo e que entre os promotores dessa segunda encenação anti-governamental e pró-EUA se encontravam funcionários reconhecidos das estruturas norte-americanas dedicadas ao financiamento da subversão na ilha, que chegaram ao ponto de apelar a uma intervenção armada contra o seu próprio povo.

Tudo para dar curso ao guião pré-estabelecido, destinado a alimentar o falso mito da violação dos direitos humanos em Cuba, um país do terceiro mundo onde os direitos fundamentais da população são mais respeitados e venerados.

O segundo eixo da campanha, o terrorismo, veio da mão do principal aliado dos EUA na América Latina: a Colômbia.

Após décadas de esforços de Cuba na busca da paz naquele país sul-americano, esforços reconhecidos pela ONU, União Europeia, Rússia, China e o resto dos países da região, o governo colombiano bateu a porta à ajuda da diplomacia da Índia Ocidental ao exigir a extradição da delegação de paz da guerrilha ELN, destacada em Cuba, sede das negociações, a pedido do governo que antecedeu o actual presidente colombiano, Ivan Duque.

O pedido invulgar e ilegal do presidente colombiano foi um dos argumentos “mais fortes” utilizados por Trump para devolver Cuba à lista de países que supostamente não colaboram na luta contra o terrorismo, o que implica consequências económicas e políticas adicionais para o povo cubano.

Face a estes factos consumados, todos milimetricamente construídos e com o apoio dos meios de comunicação social, a porta-voz da Casa Branca anunciou recentemente que uma mudança na política em relação à ilha não se encontra entre as prioridades da administração Biden.

Sem dúvida, Washington está a observar cuidadosamente a possibilidade de uma explosão social em Cuba no meio das duras limitações económicas e financeiras; e não querem deixar cair esta oportunidade de ver a ilha rebelde e digna. Em suma, Obama decidiu tomar as poucas medidas que tomou em relação a Cuba no último ano do seu segundo mandato, mas sem fazer uma única concessão.

A intenção de “democratizar” Cuba, que nada mais é do que destruir o mais belo e mais humano projecto socialista alternativo jamais construído no mundo, tem sido um anseio dos falcões democratas e republicanos, uma vez que era também um anseio da administração Obama, da qual Biden foi o seu vice-presidente.

Ao mesmo tempo, ouvem-se vozes que, como aconteceu nos anos 90 do século passado, exigem concessões de Cuba para aliviar o bloqueio e as medidas criminosas que dificultam a vida quotidiana dos cubanos, uma posição injusta, uma vez que a ilha é a atacada, a mesma ilha que, como nenhum outro país, estendeu a mão ao mundo durante os momentos mais duros da pandemia da COVID.

A guerra económica dos EUA contra Cuba tem de parar porque é criminosa e anacrónica e porque é eticamente insustentável. Esperemos que Biden, que acaba de autorizar um bombardeamento contra o povo sírio e adopta a mesma política que Trump em relação ao Irão, seja suficientemente honrado para pôr fim a este e outros crimes cometidos por sucessivas administrações do seu país. Entretanto, aqueles que acreditavam no idílio, terão de começar a abrir novamente os olhos e apostar na luta e resistência contra o império.

Extraído de La Pupila Insomne

Categories: # Cuba, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #salud, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, joe biden, mentiras construídas em Washington contra Cuba, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, SANCIONES, Washington | Deixe um comentário

#Trump slams A política de imigração de #Biden como ‘ultrajante’, apela ao fim do muro fronteiriço em meio a uma crise humanitária nos #EUA. #EstadosUnidos #DonaldTrumpCulpable #JoeBiden #Covid-19 #Migracion #SaludMundial

O ex-presidente americano Donald Trump na quinta-feira durante uma entrevista sobre o programa “The Ingraham Angle” descreveu como “escandalosa” a política de imigração da actual administração depois de Joe Biden o ter acusado de deixar “morrer à fome” crianças migrantes no lado mexicano da fronteira entre os dois países.

Trump tacha de "indignante" la política migratoria de Biden y llama a terminar el muro fronterizo en medio de la crisis humanitaria en EE.UU.

Pouco antes, Biden realizou a sua primeira conferência de imprensa desde que tomou posse, durante a qual disse: “Quando uma criança desacompanhada acaba na fronteira, não a deixaremos morrer à fome e ficar do outro lado. Nenhuma administração anterior o fez, excepto Trump. E eu não o vou fazer”.

Trump, pela sua parte, respondeu que era “exactamente o oposto”. “Quando terminámos o que estávamos a fazer [na fronteira], muito poucas pessoas vinham porque sabiam que não iam conseguir passar. Parámos [a política de] “captura e libertação”, o que foi um desastre. O mais importante era que tínhamos a política de ‘Permanência no México’, e isso significa que não permitimos que as pessoas esperassem no nosso país até serem totalmente controladas … e regressassem ao seu país”, disse o ex-presidente.

“Se as crianças pequenas estivessem com os pais, mas muitas vezes, não estavam, e nós cuidaríamos delas, mas […] o que elas estão a fazer agora é escandaloso. E devem terminar a parede”, acrescentou Trump.

O ex-presidente também acusou a maioria democrata de “destruir” os EUA. “Não lhes pode ser permitido destruir o nosso país, e na fronteira sul estão a destruir o nosso país e os preços do gás estão a subir. Somos independentes da energia. Eu criei isso”, afirmou Trump.

A administração Biden está no meio de uma crise humanitária devido ao aumento do fluxo de migrantes, embora a Casa Branca rejeite rotulá-la como tal. O número de migrantes, incluindo crianças não acompanhadas, que chegam à fronteira EUA-México este ano está no bom caminho para ser o mais elevado em duas décadas. Biden comprometeu-se a inverter muitas das políticas fronteiriças da linha dura de Trump, mas acabou por seguir alguns dos passos do seu antecessor, tais como a reabertura de uma instalação para crianças migrantes no Texas.

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #salud, Coronavirus, CoronaVirus, Política, Emigracion, IMIGRANTE, joe biden, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud | Deixe um comentário

As fotos de #Migrantes que #Biden não queria ver .

Por Redacción Razones de Cuba

A administração do Presidente Joe Biden tenta há várias semanas impedir o público de ver imagens como as divulgadas segunda-feira de crianças imigrantes sob custódia federal a dormir em tapetes-cama, cobertas com cobertores isolados e separadas em grupos por cobertores de plástico.

Os funcionários governamentais têm-se recusado firmemente a descrever a detenção de mais de 15.000 menores migrantes, ou a situação em que vivem, como uma crise. No entanto, bloquearam a maior parte dos esforços dos observadores independentes.

As autoridades proibiram os advogados das organizações não governamentais que realizavam inspecções de entrar numa tenda de Patrulha de Fronteiras onde se encontravam milhares de crianças e adolescentes. Além disso, as agências federais negaram ou ignoraram dezenas de pedidos dos meios de comunicação social para entrar nos centros de detenção. O acesso foi concedido em várias ocasiões pela administração do Presidente Donald Trump, que se distinguiu por medidas de imigração altamente restritivas.

O novo presidente enfrenta críticas crescentes, inclusive por parte de alguns democratas, pela aparente falta de transparência na fronteira.

O conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, disse segunda-feira que “a administração tem um compromisso de transparência para garantir que a imprensa tenha a oportunidade de relatar todos os aspectos do que está a acontecer na fronteira”.

A secretária de imprensa da Casa Branca Jen Psaki acrescentou que estão a trabalhar com funcionários da segurança interna e do Departamento de Saúde e Serviços Humanos para “finalizar detalhes” e que esperava ter uma actualização sobre a situação “nos próximos dias”.

Na segunda-feira, Axios publicou uma série de fotografias tiradas do interior do maior centro de detenção da Patrulha de Fronteira, uma enorme instalação de tendas na cidade de Donna, no sul do Texas. As fotografias foram divulgadas pelo Deputado Democrático Henry Cuellar, que representa a cidade fronteiriça de Laredo, Texas.

Cuellar disse ter divulgado as fotografias em parte porque o governo se recusou a permitir a entrada dos meios de comunicação social na cidade das tendas de Donna. Disse também querer chamar a atenção para os desafios enfrentados pelos agentes fronteiriços que devem cuidar de tantos menores, por vezes durante mais de uma semana, apesar de a Patrulha de Fronteiras estabelecer uma detenção máxima de três dias para menores.

“Devemos cuidar destas crianças como se fossem as nossas”, disse Cuellar.

Thomas Saenz, presidente do Fundo Mexicano Americano de Defesa Legal e Educação (MALDEF), disse que os EUA deveriam permitir o acesso da imprensa às instalações fronteiriças, respeitando a privacidade dos migrantes detidos. Destacou o risco de partilhar fotografias de crianças, que já passaram por situações traumáticas, sem autorização.

“Temos de estar cientes destas condições”, disse Saenz. “As pessoas precisam de os ver para poderem avaliar a situação desumana e, talvez, avançar para políticas mais humanas”.

A Casa Branca orgulha-se da sua implementação metódica de medidas nos seus pouco mais de 50 dias de mandato, mas os assistentes presidenciais reconhecem que foram apanhados de surpresa pela vaga de migrantes na fronteira sul e pelo furor subsequente dos meios de comunicação social.

Tirada de CubaSì

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #salud, Coronavirus, CoronaVirus, Política, Donald Trump, Estados Unidos, joe biden, relações bilaterais, o governo Donald Trump | Deixe um comentário

#DonaldTrump estará por detrás dos conselheiros de #JoeBiden?

Por Arthur González Razones de Cuba .

À beira de alcançar os seus primeiros 100 dias na Casa Branca, Joe Biden parece ser aconselhado pelo próprio ex-Presidente Donald Trump, como a linha política assim o supõe.

Com Cuba prometeu na sua campanha que eliminaria parte das medidas cruéis impostas por Trump, incluindo permitir remessas familiares e viagens para os cubanos que vivem nos Estados Unidos, bem como retomar outras medidas aprovadas sob a presidência de Barack Obama, na qual participou como vice-presidente, mas as suas declarações mais recentes indicam que continuará com as sanções, embora não seja inteiramente claro se é por sua própria decisão ou pelas pressões do grupo de mafiosos anti-cubanos com assento no Congresso.

Quanto às relações com a China e a Rússia, a sua retórica é a mesma que a de Trump, porque tanto os Democratas como os Republicanos temem o desenvolvimento económico de ambas as potências, que na aliança estratégica enfrentam as sanções dos EUA.

Internet

A hostilidade irracional só prejudica os Estados Unidos, uma situação que os conselheiros de Biden não pesam, porque o ódio cega a sua razão e expõe o presidente a uma posição muito desconfortável perante os seus aliados europeus, que não partilham inteiramente a política da guerra económica, devido aos efeitos que isso implica para os seus cidadãos.

As acções contra a China sobre a questão de Hong Kong e Taiwan, mostram uma continuidade à falta de jeito de Trump, fingindo ignorar o poder chinês e a sua antiga sabedoria, intrometendo-se nos seus assuntos internos, uma situação que os Estados Unidos não tolera no caso de Porto Rico, É por isso que se opõem sempre ao apoio de Cuba à sua independência, sendo mesmo um tema de discussão histórica nas conversações entre Washington e Havana, discutidas em reuniões privadas entre o próprio Fidel Castro e altos funcionários norte-americanos, como as realizadas em Janeiro de 1980 com Peter Tartoff, Robert Pastor e Wayne Smith.

Porque é que os ianques se opõem à descolonização de Porto Rico e procuram a separação de Hong Kong do território da China?

Irão os Yankees permitir que Pequim estimule os protestos populares entre os porto-riquenhos e apoie com dinheiro campanhas pela independência semelhantes às de Hong Kong?

Os conselheiros de Joe Biden parecem ser recrutados por Trump, com o objectivo de fazer dele um tolo perante o mundo, empurrando-o para uma guerra fria com Moscovo, como foi recentemente confirmado na entrevista concedida à rede noticiosa americana ABC, no seu programa Good Morning America, onde o Presidente Biden, sem pensar no que dizia, se deixou provocar pelo jornalista George Stephanopoulos, que acusou maliciosamente o presidente russo de “ter autorizado uma campanha de interferência digital nas eleições, para prejudicar Biden”.

O presidente respondeu imediatamente: “A Rússia pagará as consequências dessa acção”, e como se o guião das perguntas tivesse sido concebido pessoalmente por Trump para evitar um impedimento entre as duas potências, Stephanopoulos respondeu com outra pergunta provocadora: Pensa que Putin é um assassino?

Biden, apesar da sua vasta experiência política, caiu na armadilha e talvez devido à sua idade avançada foi incapaz de a analisar e de a contornar.

A sua resposta foi politicamente fatal para a sua imagem e a da sua própria nação, assegurando as câmaras de televisão:

“Ele não tem alma, ele tem”.

Mas os erros não param, projectam a impressão de que o próprio Donald Trump sussurra ao seu ouvido o que ele deveria dizer publicamente.

Agora Joe Bidel e os seus funcionários reafirmam o que o ex-presidente disse, que “houve fraude no processo eleitoral e as eleições foram roubadas”, porque na sua obsessão de manchar, a todo o custo, a imagem da Rússia, Irão, Cuba e Venezuela, dizem, sem uma única prova legal, que um relatório das agências de inteligência dos EUA assegura que “houve campanhas de interferência digital nas eleições para prejudicar Biden, e Putin é o responsável”.

Biden não parou para pensar que alegar tal coisa, reforça ainda mais a imagem de Trump e enfraquece-o aos olhos do seu próprio povo? Donald Trump estava certo nas suas acusações de fraude?

Quem poderá estar por detrás do alegado relatório elaborado pelo Conselho Nacional de Informações, constituído por sete agências e outros ministérios, responsáveis pelo processamento da recolha de informações, para que o presidente esteja ciente do que se passa?

Nem uma única prova foi apresentada pelos Yankees sobre a interferência inventada, um método que eles repetem como parte da sua estratégia de acusar os outros e assim justificar as sanções que impõem, acreditando serem eles próprios os senhores do mundo com o poder de punir aqueles que não se curvam.

Putin, mais jovem e mais inteligente do que Biden, respondeu magistralmente à descrição de Biden como um assassino:

“Todos vêem a outra pessoa como ele próprio se vê. Desejo a Biden boa saúde.

A sua resposta a isto foi chamar o embaixador russo em Washington para consultas, para analisar calmamente o caminho da melhoria das relações entre os dois países, porque, como Maria Zakharova, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, declarou:

“Moscovo está interessada em evitar uma degradação irreversível dessas relações e espera que os americanos se apercebam dos riscos relacionados com isso”.

Biden escolheu um caminho terrível, sem se aperceber que poderia facilitar o regresso de Trump à Casa Branca e mesmo recuperar o Congresso, se não rever primeiro o seu corpo de conselheiros com uma lupa, pois parece estar a cavar a sua sepultura política, mostrando estas reacções irracionais, típicas de um presidente sem talento suficiente para liderar uma potência nuclear, que alimentam os comentários de que sofre de uma certa demência senil.

José Martí foi esclarecido quando disse:

“Aquele que degrada os outros degrada-se a si próprio”.

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #China#EEUU#Iran#Nicaragua.barco hospital naval Arca de la Paz, #China#EEUUDonald TrumpFondo Monetario Internacional (FMI)Ivan Duque, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Fidel, #solidaridadvs bloqueo, #YoSoyFidel, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, China, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, CubavsBloqueo, joe biden, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, RUSIA, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump, Washington | Deixe um comentário

A tensão com a Rússia e a #China marca dois meses de administração de #Biden .

Categories: #China#EEUU#Iran#Nicaragua.barco hospital naval Arca de la Paz, #China#EEUUDonald TrumpFondo Monetario Internacional (FMI)Ivan Duque, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, China, joe biden, RUSSIA, vladimir putin | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

<span>%d</span> bloggers like this: