A #Bolívia apresenta as armas e munições enviadas pela #Argentina e pelo #Equador ao regime de #JeanineÁñez.

#Argentina #Ecuador #Bolivia #GolpeDeEstado #JeanineAñez #EvoMorales

O Ministro do Governo da Bolívia, Eduardo del Castillo, apresentou na segunda-feira as armas e munições enviadas da Argentina, durante a administração de Mauricio Macri, e do Equador, sob o mandato de Lenín Moreno, em Novembro de 2019, à administração de facto de Jeanine Áñez, após o golpe de Estado contra o então Presidente Evo Morales.

“Apenas para a Polícia boliviana entrou irregularmente, sem cumprir os regulamentos legais em vigor, cerca de 27.000 cartuchos de granulados de borracha, 28 gases aerossol, 19 gases aerossol, 55 granadas CN, 53 granadas de gás H, 19 granadas de gás CS”, disse Del Castillo numa conferência de imprensa.

O ministro apresentou uma cronologia da chegada das armas. Recordou que o golpe contra Morales teve lugar a 10 de Novembro e um dia depois já houve “massacres na zona sul de La Paz, deixando mortos e dezenas de feridos e detidos”, devido à repressão da polícia e das forças militares contra a população que se opôs ao golpe.

Segundo o funcionário, nesse mesmo dia, o então embaixador da Argentina, Normando Álvarez García, enviou uma nota ao Ministério dos Negócios Estrangeiros boliviano “solicitando autorização para a entrada de pessoal, material e equipamento a ser utilizado pelo Grupo de Forças Especiais ‘Alacrán’ da Gendarmerie Nacional Argentina no Estado Plurinacional da Bolívia”.

Munições enviadas da Argentina para a Bolívia durante o governo de facto de Jeanine ÁñezFacebook / Eduardo Del Castillo Del Carpio


A 12 de Novembro, Áñez proclamou-se presidente boliviano e no mesmo dia o Instituto Boliviano de Investigação Técnica e Científica da Universidade de Polícia (IITCUP) “autorizou a entrada e o porte temporário na Bolívia de armas de fogo, munições e materiais relacionados ao pessoal do Grupo de Forças Especiais ‘Alacrán’ da Argentina”, disse o ministro.

Nas primeiras horas da manhã seguinte, o material anti-riot chegou a La Paz, num voo de um avião Hercules C-130.

“Há dois tipos de material que entraram no país a 13 de Novembro. Uma foi legalmente autorizada pelo IITCUP com uma nota prévia no Ministério dos Negócios Estrangeiros, especificamente para fornecer segurança à Embaixada argentina, e a outra era de armas anti-motins não autorizadas, que não têm registo formal e não seguiam os procedimentos estabelecidos na Lei 400”, explicou Del Castillo.

O regulamento violado mencionado pelo funcionário, a Lei 400, visa regular, regular e controlar o fabrico, importação, exportação, entrada temporária e outras actividades relacionadas com armas de fogo, munições e explosivos, entre outras, no âmbito da Segurança e Defesa do Estado e da Segurança Cidadã na Bolívia.

O “Gabinete da Morte” e a expedição do Equador
No seu relato, Del Castillo disse que a 14 de Novembro houve uma reunião do gabinete do governo Áñez, que foi apelidado de “o gabinete da morte”, e onde Roxana Lizárraga, designada como Ministra das Comunicações, “obteve o envio de material anti-riot do Equador”. Foi também promulgado o Decreto Supremo 4078, isentando as Forças Armadas de responsabilidade criminal.

A 15 de Novembro, a repressão policial e militar e o massacre tiveram lugar na cidade de Huayllani, no município de Sacaba, no departamento de Cochabamba, quando milhares de camponeses da região do Chapare caminhavam em direcção a La Paz, onde tinham planeado manifestar-se contra a administração Áñez. O resultado deste massacre foi 12 mortos e 125 feridos.

Alguns dias mais tarde, “o governo de Añez providenciou a um avião boliviano o transporte de conchas e granadas anti-riot do Equador”, disse Del Castillo.

A 19 de Novembro, outro massacre teve lugar em Senkata, na cidade de El Alto, quando uma violenta operação policial e militar contra manifestantes matou 10 pessoas.

Roteiro dos EUA
“Até este ponto podemos ver que havia um plano continental para reprimir o povo boliviano”, salientou o ministro do governo.

Ministro do Governo boliviano, Eduardo del CastilloFacebook / Eduardo Del Castillo Del Carpio

Salientou que isto não consistia apenas em encomendar material anti-motim à Argentina e ao Equador após o golpe contra Morales, mas que era um plano que tinha sido organizado desde Julho de 2019 e que envolvia os EUA.

Na conferência de imprensa, Del Castillo referiu-se ao facto de, a 24 de Julho desse ano, o então Secretário de Estado Adjunto para os Assuntos do Hemisfério Ocidental da administração Donald Trump, Kevin O’Reilly, ter chegado à Bolívia e reunir-se com representantes das embaixadas do Peru, Argentina, Brasil, Organização dos Estados Americanos (OEA) e da União Europeia e insinuou a possibilidade de “uma alegada fraude eleitoral nas eleições de Outubro sem apresentar quaisquer provas”.

Depois, a partir de 20 de Outubro de 2019, quando a Bolívia realizou as eleições, em que Morales foi reeleito, iniciaram-se acções e mobilizações políticas por alegada fraude eleitoral “como estipulado no manual”, disse o funcionário, que terminou com o golpe de estado a 10 de Novembro.

Relatório demolidor sobre o governo de #LenínMoreno e os protestos de 2019 no #Equador .

#Ecuador #OEA #UnuionEuropea #InjerenciaDeEEUU #LeninMoreno

O covid-19 e os presidentes da América Latina.

Equador: o “Pichincha” que observa

Uma população cansada de promessas neoliberais saiu às ruas para exigir o fim das chamadas reformas implementadas pelo presidente Lenin Moreno e que acrescentam mais dificuldades e insegurança social a essa nação

Autor: 

 Protestas en Ecuador contra medidas económicas anunciadas por Moreno.

Protestos no Equador contra medidas econômicas anunciadas por Moreno.

O Pichincha observa. Há sangue nas ruas de Quito. Civis e polícia são as vítimas. Novamente, o neoliberalismo é a causa.

Lá, no coração do mundo, um vulcão se tornou parte da herança equatoriana: o ônibus de Pichincha, ou simplesmente Pichincha, cuja história inclui uma lenda popular sobre a rivalidade de dois guerreiros andinos, os vulcões Cotopaxi e Chimborazo, que eles lutaram durante anos com constantes erupções para possuir a bela Tungurahua.

Na luta, que durou vários séculos, o guerreiro Chimborazo venceu, que conquistou o amor da princesa e de sua união nasceu o Guagua Pichincha (filho, filho em Quinchua).

Segundo os nativos, essa seria a explicação porque, após centenas de anos de tranquilidade, os dois vulcões entraram em erupção ao mesmo tempo. Continuar a ler “Equador: o “Pichincha” que observa”