A população civil cubana e a moral do Parlamento Europeu .

#Cuba #EstadosUnidos #Europa #LeyHelmsBurton

Por René Vázquez Díaz

Os co-religionistas políticos dos Estados Unidos promoveram a inclusão de um ponto de debate acusatório contra Cuba na sessão plenária do Parlamento Europeu de 16 de Setembro. Não deveria o Parlamento Europeu discutir como a Lei Helms Burton, contrária ao direito internacional, afecta a população civil inocente em Cuba?

Com o Helms Burton Act, os Estados Unidos tentam derrubar um governo mergulhando um povo inteiro na desolação e na ruína.

O bloqueio dos EUA intercepta, torna impossível, sanciona, penaliza e paralisa praticamente todas as transacções cubanas no estrangeiro. É uma actividade imperial doentiamente diligente, viciosa e vingativa contra a população civil de um pequeno país. Os navios que atracam em portos cubanos são proibidos de tocar nos portos dos EUA durante 6 meses. Cuba é uma ilha com poucos recursos. Isto cria dificuldades intransponíveis na aquisição de bens de primeira necessidade. Indivíduos e empresas que investem em Cuba são processados e sancionados nos tribunais dos EUA.

O Professor Harry E. Vanden, Professor de Ciência Política e Estudos Internacionais, Universidade do Sul da Florida, escreveu que o governo dos EUA “impôs deliberadamente condições de vida especificamente calculadas para eliminar fisicamente parte da população cubana” (Health and Nutrition in Cuba: Effects of the US Embargo, Centro Internacional Olof Palme, 1999). No mesmo livro, a Associação Americana para a Saúde Mundial relata como o bloqueio impede os cubanos que sofrem de leucemia ou que necessitam de diálise renal de receberem tratamentos essenciais para prolongar a vida, uma vez que a aquisição destes medicamentos por Cuba é sancionada pelo bloqueio. Hoje a situação é ainda pior, depois da administração de Donald Trump ter lançado mais de 200 novas medidas punitivas contra Cuba no meio das dificuldades letais da pandemia. Biden continua a seguir a mesma política de “guerra sem soldados e bombas contra Cuba”, mas com o mesmo efeito destrutivo.

Então o Parlamento Europeu vai isolar ainda mais as crianças, mulheres, homens e idosos inocentes de Cuba? Isto mina o moral de todos os envolvidos no Parlamento Europeu; é também um escárnio da Comunidade Internacional e uma violação dos Direitos Humanos. De que lado está então o Parlamento Europeu, do lado da população civil inocente de Cuba, ou apoia a guerra económica genocida extra-territorial dos EUA?

Tirada de CubaDebate

Cuba: democracia ou sistema multipartidário?

#Cuba #ManipulacionMediatica #CubaSeRespeta #EEUUBloquea #Sanciones #ElBloqueoEsReal #LeyHelmsBurton

Além do bloqueio …

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #EliminaElBloqueo

O peixe morre pela boca … Assim diz #CubaNoEsMiami.

#ElBloqueoEsReal #EliminaElBloqueo #LeyHelmsBurton #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #DerechosHumanos

#Cuba e os #EstadosUnidos, uma equação difícil.

#Cuba #EstadosUnidos #LeyHelmsBurton #ElBloqueoEsReal

O que é o bloqueio de Cuba? .

#Cuba #EstadosUnidos #ElBloqueoEsReal #CubaSalva #EEUUBloquea #PuebntesDeAmor

O Presidente #Biden enfrenta a pressão sobre #Cuba .

#Cuba #RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #EstadosUnidos #JoeBiden

Por Redacción Razones de Cuba

O Presidente dos EUA Joe Biden enfrenta hoje pressões para definir a sua política em Cuba, relata The Hill.
A Casa Branca dá poucas pistas sobre como irá abordar a sua política com o país das Caraíbas, num cenário em que existem considerações políticas opostas, incluindo as de um trio de republicanos do Senado que procuram impedir Biden de retirar Cuba da lista de patrocinadores estatais do terrorismo.

EE.UU. ofrece el TPS a birmanos por golpe de Estado | El Mundo | DW |  13.03.2021

Apesar de ter prometido, durante a sua campanha presidencial, restabelecer os laços com a maior das Antilhas, o presidente ainda não definiu como irá abordar a questão, apesar de vários democratas defenderem uma política mais aberta, salientando os potenciais benefícios para os antigos adversários da Guerra Fria, relata The Hill.

Alguns, como Geoff Thale, presidente do Gabinete de Washington para a América Latina, acreditam que na aproximação os americanos podem ser os melhores embaixadores de todos aqueles valores que os republicanos estão a utilizar para manter o bloqueio.

Marco Rubio y Bob Menéndez impiden que Roberta Jacobson sea Embajadora en  México | cubanaycatracha

Uma mudança na política de Cuba não está actualmente entre as principais prioridades do Presidente Biden, disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, num briefing realizado no início deste mês.

Mas para muitos legisladores, o tempo é essencial, incluindo o Deputado Jim McGovern (D-Mass.), que defende um regresso às acções iniciadas durante a administração Obama.

“Não cometamos o erro de nos movermos lenta e progressivamente. Precisamos de agir agora”, disse o legislador.

Por outro lado, à oposição dos senadores republicanos Ted Cruz (Texas) e Marcos Rubio (Florida) junta-se Robert Menendez (D-New Jersey), presidente da Comissão de Relações Externas do Senado, que há muito se opõe a qualquer mudança na dura posição de Washington em relação a Cuba.

Fulton Armstrong, professor na Universidade Americana e antigo director de Assuntos Interamericanos no Conselho de Segurança Nacional (CNS), acredita que é a posição destes legisladores que é a razão pela qual a administração Biden não pode esperar para estabelecer a sua política para Cuba.

A Casa Branca e o seu Departamento de Estado devem assumir a liderança e não deixar a política de Cuba nas mãos desse sector. Se há uma coisa que os cães políticos de ferro-velho sabem fazer, é encher os aspiradores de liderança”, disse ele.

As sanções unilaterais quase nunca funcionam, e falharam miseravelmente em Cuba’, disse o Senador Patrick Leahy (D-Vt.) numa declaração recente, na qual culpou a administração Trump por fazer recuar as políticas de Obama ‘a favor dos eleitores da Florida’.

A América pode envolver-se activamente ou ver os nossos concorrentes preencher o vácuo, como já estão a fazer, Leahy avisou.

Extraído de Prensa Latina

Análise de #Cuba, um evento que faz com que todos se apaixonem.

#Cuba #PuentesDeAmor #ElBloqueoEsReal #SolidaridadConCuba #EEUUBloquea #CubaSalva #Sanciones #DonaldTrumpCulpable #LeyHelmsBorton

A política dos E.U.A. permanece inalterada.

#Cuba #EstadosUnidos #PoliticaExterior #CIA #NED #SubversionContraCuba #LeyHelmsBurton #ElBloqueoEsReal

Por Arthur González

Quando o Presidente Eisenhower e o Director da CIA Allen Dulles disseram ao Conselho de Segurança Nacional em 1958 que a vitória de Castro tinha de ser impedida, decretaram qual seria a política dos EUA em relação à Revolução Cubana e o seu esforço permanente para a derrubar, quer um democrata ou um republicano estivesse na Casa Branca.

A vida demonstrou-o durante 62 anos, embora o Presidente Barack Obama tenha ouvido as recomendações do Conselho das Relações Exteriores e da Brookings Institution, para modificar as tácticas de desmantelamento do socialismo, com quatro linhas de trabalho:

Promover uma relação de trabalho construtiva com o governo cubano para construir confiança e resolver disputas, com o objectivo a longo prazo de promover uma melhor relação que sirva os interesses e valores dos EUA.
Facilitar o contacto e o fluxo de informação entre os governos dos EUA e de Cuba para melhorar as respostas dos EUA aos desenvolvimentos internos na ilha que terão um impacto directo no bem-estar do povo cubano e nos interesses dos Estados Unidos.
Apoiar o bem-estar do povo cubano e da sociedade civil, promovendo o contacto directo entre os cidadãos dos dois países, bem como os alicerces da actividade económica de base.
Apoiar activistas dos direitos humanos, jornalistas independentes, e o desenvolvimento da sociedade civil cubana e da democracia de base.
Envolver Cuba num processo de reengagement em organizações multilaterais e regionais, através de iniciativas multilaterais, se cumprir os critérios de reengagement ou de adesão.

Nenhuma destas linhas de trabalho atingiu os seus objectivos, embora tenham feito progressos na transferência de símbolos e valores da sua cultura entre os cubanos.

Donald Trump impôs mais sanções e aumentou a guerra económica como seu trunfo principal, mas terminou o seu mandato sem ver o processo revolucionário cair, porque não compreendem as raízes históricas de independência e soberania de Cuba.

O triunfo de Joe Biden, que foi vice-presidente de Obama, deu a muitas pessoas a ilusão de que ele voltaria à fase do “bom vizinho”, mas a realidade mostra que ele não tem interesse e as pressões de continuar o cerco económico poderiam ser mais eficazes para as velhas aspirações ianques de fazer fracassar o modelo socialista cubano.

Até ao momento, não há sinais de melhoria, nem há qualquer indicação de reabertura do consulado em Havana, uma medida que ajudaria milhares de cubanos que têm familiares nos Estados Unidos, especialmente os 22.000 casos do Programa Cubano de Liberdade Condicional para a Reunificação Familiar, que o Serviço de Imigração (USCIS) tem pendente, desde Trump e a CIA inventaram o romance dos “ataques” acústicos, aos quais se acrescentam 78.228 casos de imigração de famílias cubanas, à espera de uma decisão do Centro Nacional de Vistos, segundo informações do Departamento de Estado, no seu relatório até Novembro de 2020.

Outro elemento que apoia a imobilidade da política em relação a Cuba, foi a posição tomada em 14 de Março de 2021 por Julie Chung, secretária adjunta interina do Gabinete para os Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado, que apelou à libertação do cubano Luis Robles, protagonista de uma provocação numa rua de Havana.

Um exemplo da interferência nos assuntos internos de Cuba, que ratifica aqueles que pagam e dirigem estas acções contra-revolucionárias, foram as palavras deste funcionário: “A liberdade de expressão é um direito humano e ninguém deve ser encarcerado por exibir um cartaz”.

Esta secretária adjunta realizou também uma reunião com os membros do grupo Orishas, autores de uma canção contra a soberania de Cuba, onde descreveu como “corajosos e defensores dos direitos humanos”, os funcionários do grupo de San Isidro, juntamente com as felicitações que enviou às “Mulheres de Branco” pelo Dia Internacional da Mulher; por outras palavras, toda uma cadeia de acções que predizem a invariabilidade da hostilidade ianque em relação a Havana.

Por outro lado, deve ser tido em conta que Antony Blinken, o novo Secretário de Estado, afirmou recentemente: “A política para Cuba não é uma prioridade do novo governo”.

Nesta luta política há aqueles que desejam regressar ao jogo de cenoura de Obama e aqueles que pretendem consolidar o pau utilizado por Trump, entre estes últimos encontram-se os senadores do grupo mafioso anti-Cubano Marco Rubio, Ted Cruz e Rick Scott, que apresentaram nos últimos dias um projecto de lei chamado “FORCE Act”, para impedir Joe Biden, ou o Secretário de Estado de retirar Cuba da lista de países que patrocinam o terrorismo, se este não cumprir primeiro os requisitos estabelecidos na Lei Helms-Burton.

Nessa linha de opositores estão o Senador Robert Menendez e a nova representante para a Florida, Maria Elvira Salazar.

Um elemento que marca a luta política contra a melhoria das relações, foi a nomeação da Embaixadora Pamela Spratlen, como Conselheira Sénior do Grupo de Trabalho sobre Resposta a Incidentes de Saúde, relativamente aos ruídos inventados e “afecções” aos diplomatas que trabalham na Embaixada dos Estados Unidos em Cuba, situação que reavivará o plano concebido pela CIA, sob a então direcção de Mike Pompeo, onde as autoridades da ilha são acusadas de serem responsáveis pelo facto, e assim manter a questão viva entre a opinião pública ianque, que veria a ilha como um lugar perigoso para a sua saúde.

Até agora nada mudou e Cuba irá mais uma vez demonstrar a resistência e unidade que a tornam vitoriosa, porque, como disse José Martí:

“Saber sacrificar é o preço de um sucesso duradouro”.

María Elvira Salazar: “eu, o pior de todos”.

#MafiaCubanoAmericana #EstadosUnidos #InjerenciaDeEEUU #Cuba #ElBloqueoEsReal #PoliticaExterior #SubversionContraCuba #CubaNoEsMiami

Por Raúl Antonio Capote

O lobby anti-cubano nos Estados Unidos tem um novo concorrente na sua corrida frenética para fazer mérito perante o poder imperial, e assim subir posições na política norte-americana. É a congressista recentemente eleita María Elvira Salazar, que ocupa a 27ª sede distrital em Miami.

Ela correu “para impedir o socialismo de se estabelecer e arruinar os Estados Unidos”, declarou ela na sua campanha, algo verdadeiramente absurdo, mas que faz parte do discurso da ultra-direita dos EUA.

Juntamente com Carlos Giménez, Nicole Malliotakis, Albio Sires, Mario Díaz-Balart, Alex Mooney, Anthony González e os senadores Marco Rubio, Ted Cruz e Bob Menéndez, a congressista faz parte do grupo de dez cubano-americanos no Congresso dos Estados Unidos.

Recentemente chegou, começou o seu trabalho com uma lei, co-patrocinada por outros políticos de ascendência cubana, que procura impedir uma normalização das relações entre os Estados Unidos e Cuba.

A proposta procura impedir a administração democrática de Joe Biden de retirar Cuba da espúria lista de países que promovem e financiam o terrorismo, da qual tinha sido excluída pelo então Presidente Barack Obama em 2015.

María Elvira Salazar, com uma longa trajectória anti-cubana, participou durante muitos anos, desde os meios de comunicação social, em todas as campanhas contra a ilha.

Um simples olhar sobre os seus perfis nas redes sociais permite-nos apreciar o seu “activismo”. Os seus tweets abundam com pedidos de mais bloqueio contra Cuba, para o encerramento total das viagens, para impedir a chegada de remessas familiares, etc.

Recentemente apoiou a chamada caravana anticomunista realizada em Miami, e descreveu como “ignorante” um grupo de democratas que defende o levantamento das sanções contra o povo cubano.

A 2 de Fevereiro, lançou, através do Twitter, a calúnia que culpa as autoridades cubanas pelo envenenamento de animais de estimação, dando início a uma campanha de descrédito, mais uma das muitas em que participou num papel de liderança.

O funcionário americano, que é também membro do Comité de Relações Exteriores do Congresso dos EUA, está determinado a desafiar Marco Rubio, Ted Cruz, Bob Menendez e, claro, a “eminência cinzenta” Claver-Carone, presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), pela posição de “o pior de todos os políticos de origem cubana”, posição pela qual Rubio e Ted Cruz estão actualmente a lutar.

É uma competição para ver quem pode vencer o mal proposto pelo outro, quem tem a pior ideia, aquele que pode fazer mais estragos. Não porque dominem ou tenham influência real na política dos EUA em relação a Cuba, já que é evidente que não a desenham, mas sabem que o mestre que lhes paga vigia, aprecia e recompensa os seus esforços.