Cuba da perspectiva das estratégias de Segurança Nacional dos EUA: Contenção.

#Cuba #EstadosUnidos #ElBloqueoMata #EliminaElBloqueo #PorLaFamiliaCubana

Por Alejandra Brito Blanco

Durante a administração de John F. Kennedy (1961-1963), uma série de eventos transcendentais teve lugar na dinâmica bilateral, tais como a derrota na Playa Girón, a Operação Mangustoé e a Crise de Outubro. Este último, na opinião de Ramírez e Morales (2014), representa “o acontecimento mais transcendental do período, tanto pelo seu impacto na política mundial como pelo nível de perigo que atingiu nas relações internacionais nesses anos, tanto hemisféricas como globais” (p.373).

Os períodos de relativa desanuviamento nas relações bilaterais estão ligados à dinâmica da Guerra Fria.

Como parte da chamada Doutrina de Reacção Flexível, Kennedy propôs a inclusão do estado das Caraíbas nas “pontes construídas” para o campo socialista. A decisão não implicava a aceitação do sistema cubano, mas sim uma abordagem diferente para o derrubar, utilizando métodos diferentes. Procurava distanciar-se de Cuba, da União Soviética e da América Latina. Isto estava de acordo com a projecção internacionalista da Revolução para o Terceiro Mundo, com destaque para o caso particular do continente americano.

Durante a presidência de Richard Nixon (1969-1974), houve sinais claros do fim do isolamento diplomático de Cuba na região. Nixon recebeu exigências internacionais e nacionais, do próprio Congresso, para fazer progressos nas relações. Apesar de ter iniciado um processo de desanuviamento com a China e a URSS, o presidente persistiu na sua “linha dura” em direcção às Grandes Antilhas e só veio à mesa de negociações para discutir questões específicas, tais como um acordo assinado a 15 de Fevereiro de 1973 contra a pirataria aérea (LeoGrande e Kornbluh, 2014).

Divergência nas relações bilaterais?

Como parte da iniciativa Kissinger, entre 1974 e 1976, a ideia de normalização começou a ser novamente discutida. Aconteceu no final da presidência de Nixon, quando o então Secretário de Estado iniciou discretos movimentos em direcção a Cuba, aparentemente inconscientemente (LeoGrande e Kornbluh, 2014). O próprio Kissinger eliminou as conversações em 1976, com a justificação da presença militar cubana em Angola. Desta forma, torna-se evidente uma acção que ainda hoje está em vigor: condicionar qualquer progresso às concessões feitas por Cuba no seu activismo internacional.

As tentativas de desanuviamento ganharam algum ímpeto durante a administração Gerald Ford (1974-1977). No entanto, os maiores avanços ocorreram durante a presidência de Jimmy Carter (1977-1981), uma vez que se realizaram negociações sobre uma vasta gama de questões de interesse bilateral. Como parte do intercâmbio, as Secções de Interesse de cada lado foram abertas na nação vizinha em 1977. Autores como LeoGrande e Kornbluh (2014) estimam que Carter “aspirou a ser o primeiro presidente pós Guerra Fria numa época em que a Guerra Fria ainda não tinha terminado” (p. 224).

A interacção de factores internacionais e domésticos; a sabotagem do avião que transportava atletas cubanos de Barbados, juntamente com outros actos de terrorismo; e a reorientação da administração Carter para a reeleição em 1980, puseram fim à melhoria das relações.

Crise migratória da Mariel

Incentivar a migração ilegal tem sido um denominador comum das acções do governo dos EUA em relação a Cuba. Foto: New York Times.

A dinâmica de aproximação a Cuba começou a ser vista como um sinal de fraqueza em relação ao comunismo. Foi revitalizada uma retórica de condenação de alegadas violações dos direitos humanos, encorajando a emigração ilegal (Arboleya, 2015, p. 44, 45).

A situação agravou-se ao ponto de, entre 12 de Agosto de 1980 e Outubro de 1981, o governo cubano ter aberto o porto de Mariel. Cerca de 125.000 cubanos chegaram à Florida em barcos privados.

Aos cidadãos cubanos, pela primeira vez desde o triunfo revolucionário, não foi automaticamente concedido o estatuto de refugiado, mas sim “aos candidatos cubano-hatianos (estatuto pendente)”. Os “Marielitos” encontraram-se no limbo legal, isentos de quaisquer privilégios. Foram detidos em centros especiais, campos. Os considerados “excludentes”, por alegados crimes cometidos em qualquer um dos países, foram encarcerados indefinidamente. Estima-se que cerca de 60.000 pessoas passaram por este processo (Barbería, 2010; Arboleya, 2015).

Como parte da dinâmica da Guerra Fria, os EUA plantaram o “medo do comunismo” na sua população para justificar uma cruzada contra a ideologia. Imagem: El País.

Em geral, durante o período da Doutrina de Contenção, a aproximação efectiva entre países vizinhos não se concretizou, em primeiro lugar devido à relação directa com o conflito multilateral Leste-Oeste. Como o processo foi afectado pelo eixo de confrontação Washington-Moscovo, não se verificaram mudanças radicais. Por outro lado, as tentativas de condicionar as negociações ao custo de limitar o activismo internacional de Cuba, especialmente em África e Porto Rico, minaram a sua autodeterminação em termos de política externa e, portanto, nunca seriam aceites (Ramírez e Morales, 2014).

Mais hostilidade para uma mudança

Imagem tirada da Presidência de Cuba.

O comportamento agressivo durante a presidência de Ronald Reagan (1981-1989) atingiu níveis particularmente significativos. O governo associou a influência socialista de Cuba ao surto de movimentos de libertação na América Central. A acção militar contra Cuba, “a fonte de tudo”, foi considerada mas nunca se concretizou por medo de “outro Vietname”, desta vez na região. As agressões também tomaram forma na esfera dos media, com o início das emissões da Rádio Martí em 1985.

No entanto, no final do seu segundo mandato, tinham sido assinados acordos de notável importância sobre migração (intercâmbios de 1984 e 1986) e África Austral (participação nas conversações quadripartidas, juntamente com Angola e África do Sul). A odisseia de Reagan em relação a Cuba não respondeu a uma mudança essencial no antagonismo. Foi motivado por um reconhecimento da existência de interesses mútuos, que só puderam ser promovidos através da cooperação.

O colapso da União Soviética, juntamente com o consequente fim da Guerra Fria, marcou um ponto de viragem na projecção da política externa dos EUA à escala planetária. No caso cubano, as circunstâncias reavivaram um sonho há muito acarinhado desde os anos 60: inverter a Revolução.

Quem são os verdadeiros saqueadores de lojas em Cardenas? Desespero, loucura, falta de controlo.

#CubaNoEsMiami #MafiaCubanoAmericana #CubaViveYTrabaja #VamosConTodo #GuerrerosDePatriaOMuerte

Cuba exige que os EUA fechem o centro de detenção de Guantánamo.

#Cuba #Guantánamo #EstadosUnidos #ElBloqueoEsReal

O Presidente Miguel Díaz-Canel denunciou na terça-feira a arbitrariedade sistemática e os abusos cometidos na base naval americana, repudiada pelo mundo, que se encontra em território ilegalmente ocupado em Guantánamo, uma província situada no leste de Cuba, e apelou também ao seu encerramento.

“Foram agora 20 anos de abusos escandalosos em território cubano ilegalmente ocupado na Baía de Guantánamo pelos maiores violadores dos direitos humanos do mundo”, escreveu o chefe de estado cubano na sua conta do Twitter.

Esta terça-feira, duas décadas após a chegada dos primeiros prisioneiros à prisão que o governo dos EUA mantém na base militar, apesar das exigências das autoridades locais para o regresso do território.

Esta denúncia surge na sequência da publicação de vários peritos em direitos humanos das Nações Unidas que condenam os abusos cometidos nesta prisão.

Os relatores independentes das Nações Unidas (ONU) sublinharam que nesta prisão há violações implacáveis e contínuas das garantias fundamentais dos prisioneiros, o que constitui uma mancha em Washington em questões como o Estado de direito.

Rejeitaram as detenções arbitrárias sem julgamento e a tortura ou maus-tratos aí cometidos. “Estas são práticas inaceitáveis para qualquer governo, mas particularmente para um governo dos EUA que afirma ser um protector dos direitos humanos”, sublinharam.

Além disso, criticaram a impunidade de que gozam aqueles que praticam estes actos e afirmaram que a Base Naval é um símbolo da sistemática falta de responsabilização e proibição da tortura patrocinada pelo Estado.

Os relatores exigiram o encerramento das instalações e o regresso dos detidos às suas casas ou a países terceiros seguros, e apelaram à reparação das pessoas torturadas e detidas arbitrariamente pelos seus agentes e à responsabilização dos responsáveis pela tortura.

Por seu lado, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Bruno Rodríguez, salientou no seu perfil que já são “20 anos de ignomínia” e recordou que 780 prisioneiros passaram em algum momento pela base norte-americana, “arbitrariamente detidos, sem julgamento ou devido processo”.

Denunciou também “tortura e tratamento degradante” contra estes prisioneiros.

Os Estados Unidos regem apenas com sanções .

#EEUUBloquea #UnblockCuba #EliminaElBloqueoYa

Por Arthur González

Desde o século passado, os governantes dos Estados Unidos têm utilizado uma política de sanções contra países que não são do seu agrado, ignorando as normas estabelecidas pelas Nações Unidas e as múltiplas convenções que regem as relações multilaterais.

Como senhores e senhores do mundo, pretendem pressionar e influenciar o comportamento de todos aqueles que não aceitam as suas regras e põem em perigo a subordinação de outros países, e por isso construíram uma estratégia para sancionar indivíduos, entidades jurídicas, governos estrangeiros e organizações internacionais, a fim de lhes lembrar a todos o que podem sofrer se desobedecerem às suas regras.

Esta diplomacia ilegal de coacção é levada a cabo através do controlo e acusação do Office of Foreign Assets Control, OFAC, uma agência do Departamento do Tesouro que recebe um grande orçamento para perseguir esses países, organizações e indivíduos incluídos nas suas listas negras.

Desde 1962, data oficial do início da guerra económica, comercial e financeira contra Cuba, a OFAC foi designada para controlar as sanções administrativas impostas pelo governo dos EUA contra outros Estados.

Para justificar sanções contra aqueles que não actuam sob as suas regras, os Estados Unidos utilizam pretextos forjados, entre eles a proliferação de armas de destruição maciça, direitos humanos, ataques informáticos à cibersegurança e apoio ao terrorismo, quando o mundo sabe perfeitamente que os Yankees são os principais fabricantes destas armas, utilizam computadores para espionar e danificar indústrias, patrocinam o terrorismo internacional e têm o maior mercado interno de drogas, sem nunca falar das máfias que o gerem naquele país.

Há um longo registo da formação de organizações terroristas preparadas pela CIA contra Cuba, entre elas Alfa 66, CORU e muitas outras, que levaram a cabo planos de terrorismo e assassinatos de dirigentes, todos aprovados ao mais alto nível governamental.

O escândalo Irão-Contra na sua guerra suja para derrubar o Sandinismo na Nicarágua, os golpes militares que derrubaram governos nacionalistas em muitas nações, a criação e financiamento de organizações contra-revolucionárias em Cuba, Nicarágua, Angola, Venezuela, Síria, Iémen e dezenas de outros países, são provas irrefutáveis das acções dos Estados Unidos na promoção do terrorismo de Estado, endossadas por documentos secretos da CIA.

Washington arrogou-se à direita para sancionar outros à esquerda e à direita, arrastando vergonhosamente ao longo dos seus aliados europeus, que obedecem como ovelhas ao senhor.

As sanções económicas, comerciais e financeiras são a principal arma utilizada para torcer o braço daqueles que não se ajoelham aos seus pés, para os quais estabelece dois grupos: as sanções gerais e as sanções específicas, sendo a OFAC encarregada de administrar o programa de tais punições, concebido de acordo com a política externa aprovada e os seus objectivos de Segurança Nacional.

Com esta autoridade, a OFAC designou um grupo de especialistas para controlar as transacções financeiras dos países da sua lista negra, congelar activos sob jurisdição dos EUA e impedir qualquer negociação para asfixiar as nações sancionadas.

As sanções gerais proíbem qualquer importação, exportação, financiamento, comercialização de produtos ou serviços, ou qualquer tipo de transacção entre o país sancionado e os EUA, a menos que a operação seja licenciada ou autorizada pela OFAC. Cuba, a República Islâmica do Irão e a Coreia do Norte estão incluídas neste grupo, o que demonstra a natureza política destas sanções, uma vez que não aceitam a pressão dos EUA.

Relativamente às sanções específicas, não contemplam uma proibição geral, mas apenas restringem a execução de certas operações com um país. Neste grupo encontram-se a Venezuela e a Nicarágua, ambas proibidas de explorar e comercializar petróleo de certos países, transacções ou operações para financiar qualquer entidade norte-americana ou os seus cidadãos, especialmente com títulos da PDVSA, ou por qualquer entidade estatal, o que expõe a natureza criminosa das medidas para estrangular as suas economias e fomentar o ressentimento do povo contra os seus governantes, devido às dificuldades causadas.

Este grupo também sanciona as pessoas que contribuem ou recebem bens e/ou serviços em benefício de pessoas cujos bens ou interesses são bloqueados pelos EUA, que também são proibidas de entrar no país.

O caso de Cuba é um exemplo da crueldade de ter defendido a sua soberania, um sistema socialista e resistido durante 62 anos à mais terrível e permanente guerra económica, comercial e financeira da história. Apesar da rejeição de quase todos os Estados do mundo, os Yankees reforçam-no sistematicamente, com o sonho de matar pela fome e pela doença um povo inteiro que resiste estoicamente a esta política desumana.

Barack Obama, apesar de ter aplicado uma política de “bons vizinhos” e de ter restabelecido relações diplomáticas, entre 2009 e 2016, aplicou 52 multas, fundamentalmente a bancos estrangeiros por violação dos regimes de sanções contra Cuba e outros países, num montante de 14.404 milhões 358.605 dólares.

Informações oficiais do governo cubano afirmam que, de Janeiro de 2009 a Junho de 2014, a administração Obama tinha obrigado 36 entidades norte-americanas e estrangeiras a pagar quase 2,6 mil milhões de dólares pelas suas relações com Cuba e outros países sancionados.

Nos últimos anos, a Rússia e a China também sofreram sanções dos EUA destinadas a minar o seu desenvolvimento económico e a impedir a concorrência comercial sob diferentes justificações, todas elas de natureza política, tendo a administração democrata Obama intensificado tais medidas, tal como fez contra a Venezuela ao assinar, em Dezembro de 2014, fortes sanções, incluindo um congelamento de bens e uma proibição de vistos para os funcionários venezuelanos acusados de “violação” dos direitos humanos.

Um ano mais tarde, Obama declarou, por ordem executiva 13692, uma “emergência nacional” devido ao “risco extraordinário” que a situação na Venezuela representa para a segurança dos EUA, ainda em vigor em 2021.

Os Estados Unidos reforçaram a sua guerra de sanções ao incluir recentemente 34 empresas por ligações com a China, Irão e Rússia. No caso da China, passou de 31 para 59 empresas acusadas de apoiarem o complexo militar e de segurança da China.

Frustrada por não conseguir pôr a China de joelhos, a administração do Presidente Joe Biden propôs aos seus aliados europeus e outros aliados continentais boicotar os Jogos Olímpicos de Inverno do próximo ano em Pequim, uma medida apoiada pelo parlamento britânico.

A Guerra Fria está viva e a dar pontapés mais forte do que nunca, produzindo um confronto que afecta apenas milhões de seres humanos, incluindo o povo americano, por não reconhecer o direito de outras nações a escolherem o seu destino.

José Martí não estava errado quando disse:

“Levantar a fronte é muito mais bonito do que baixá-la”.

A população civil cubana e a moral do Parlamento Europeu .

#Cuba #EstadosUnidos #Europa #LeyHelmsBurton

Por René Vázquez Díaz

Os co-religionistas políticos dos Estados Unidos promoveram a inclusão de um ponto de debate acusatório contra Cuba na sessão plenária do Parlamento Europeu de 16 de Setembro. Não deveria o Parlamento Europeu discutir como a Lei Helms Burton, contrária ao direito internacional, afecta a população civil inocente em Cuba?

Com o Helms Burton Act, os Estados Unidos tentam derrubar um governo mergulhando um povo inteiro na desolação e na ruína.

O bloqueio dos EUA intercepta, torna impossível, sanciona, penaliza e paralisa praticamente todas as transacções cubanas no estrangeiro. É uma actividade imperial doentiamente diligente, viciosa e vingativa contra a população civil de um pequeno país. Os navios que atracam em portos cubanos são proibidos de tocar nos portos dos EUA durante 6 meses. Cuba é uma ilha com poucos recursos. Isto cria dificuldades intransponíveis na aquisição de bens de primeira necessidade. Indivíduos e empresas que investem em Cuba são processados e sancionados nos tribunais dos EUA.

O Professor Harry E. Vanden, Professor de Ciência Política e Estudos Internacionais, Universidade do Sul da Florida, escreveu que o governo dos EUA “impôs deliberadamente condições de vida especificamente calculadas para eliminar fisicamente parte da população cubana” (Health and Nutrition in Cuba: Effects of the US Embargo, Centro Internacional Olof Palme, 1999). No mesmo livro, a Associação Americana para a Saúde Mundial relata como o bloqueio impede os cubanos que sofrem de leucemia ou que necessitam de diálise renal de receberem tratamentos essenciais para prolongar a vida, uma vez que a aquisição destes medicamentos por Cuba é sancionada pelo bloqueio. Hoje a situação é ainda pior, depois da administração de Donald Trump ter lançado mais de 200 novas medidas punitivas contra Cuba no meio das dificuldades letais da pandemia. Biden continua a seguir a mesma política de “guerra sem soldados e bombas contra Cuba”, mas com o mesmo efeito destrutivo.

Então o Parlamento Europeu vai isolar ainda mais as crianças, mulheres, homens e idosos inocentes de Cuba? Isto mina o moral de todos os envolvidos no Parlamento Europeu; é também um escárnio da Comunidade Internacional e uma violação dos Direitos Humanos. De que lado está então o Parlamento Europeu, do lado da população civil inocente de Cuba, ou apoia a guerra económica genocida extra-territorial dos EUA?

Tirada de CubaDebate

Cuba: democracia ou sistema multipartidário?

#Cuba #ManipulacionMediatica #CubaSeRespeta #EEUUBloquea #Sanciones #ElBloqueoEsReal #LeyHelmsBurton

Além do bloqueio …

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #EliminaElBloqueo

O peixe morre pela boca … Assim diz #CubaNoEsMiami.

#ElBloqueoEsReal #EliminaElBloqueo #LeyHelmsBurton #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #DerechosHumanos

#Cuba e os #EstadosUnidos, uma equação difícil.

#Cuba #EstadosUnidos #LeyHelmsBurton #ElBloqueoEsReal

O que é o bloqueio de Cuba? .

#Cuba #EstadosUnidos #ElBloqueoEsReal #CubaSalva #EEUUBloquea #PuebntesDeAmor

%d bloggers like this: