Um fim ao domínio da OEA na América Latina? O México acolhe uma nova cimeira Celac marcada por lideranças progressistas .

#CELAC #OEA #AMLO #CubaEnMexico #ElCaminoEsLaPaz #PuentesDeAmor

A sexta cimeira da Comunidade dos Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) terá lugar este fim-de-semana na Cidade do México, com a presença de 17 chefes de estado ou de governo, dois vice-presidentes e delegações de todos os países membros.

Entre os presidentes que já confirmaram a sua participação estão o argentino Alberto Fernández, o equatoriano Guillermo Lasso, o cubano Miguel Díaz-Canel, o costa-riquenho Carlos Alvarado e o uruguaio Luis Lacalle Pou, bem como o líder do país anfitrião, Andrés Manuel López Obrador.

O Celac foi formado em 2010 pelos 33 países da região com o objectivo de promover uma agenda latino-americana e caribenha e acordar passos concretos para a integração regional.

¿Fin al dominio de la OEA sobre América Latina? México acoge una nueva cumbre de la Celac marcada por los liderazgos progresistas

Na sua fundação, impulsionada por uma onda de governos progressistas, produziu uma mudança política continental, devido à sua tentativa de substituir a Organização dos Estados Americanos (OEA) em importância multilateral, excluindo os EUA e o Canadá e incluindo Cuba, que foi expulsa da primeira em 1962.

Contudo, em meados da década, a chegada dos governos de direita, bem como a morte em 2013 do seu principal promotor, o Presidente venezuelano Hugo Chávez, produziram um enfraquecimento significativo que o levou a desvanecer-se no mapa político do continente. Foi em Janeiro de 2017 quando se realizou a sua última cimeira em Punta Cana (República Dominicana).

O Celac regressa com uma OEA enfraquecida e com novas lideranças regionais como a do presidente anfitrião, Andrés Manuel López Obrador, e mudanças nos governos de países importantes como o Peru e a Argentina.

Nesses anos, a OEA tomou um novo sopro de ar fresco. Com a assunção de Luis Almagro como secretário-geral, levou a cabo uma vigorosa acção contra os governos da Bolívia e da Venezuela da qual não saiu bem devido aos resultados embaraçosos de ambas as campanhas: um golpe de Estado no primeiro (cujo executor Jeanine Añez está na prisão) e a imposição de um bloqueio financeiro e de um governo interino no segundo (cujo executor Juan Guaidó teve de restabelecer as negociações com o governo existente apesar da recusa de Almagro).

Agora, o Celac regressa com uma OEA enfraquecida e com a emergência de novas lideranças regionais como a do presidente anfitrião, Andrés Manuel López Obrador, e as mudanças de sinal nos governos de países importantes como o Peru e Argentina .

López Obrador tem sido um apoiante entusiasta do Celac e é possível que o seu papel como anfitrião lhe permita dar-lhe um impulso.

A 24 de Julho, o presidente mexicano foi particularmente duro nas suas críticas a Almagro e na sua abordagem à OEA, anunciando que pretendia conceber um plano para substituir a organização por um “organismo verdadeiramente autónomo” que fosse “o lacaio de ninguém”.

Revitalizou também o corpo. A 7 de Setembro, e pela primeira vez desde 2014, todos os países tomaram uma posição conjunta no Dia Internacional contra os Testes Nucleares. A presidência pro tempore do México tirou o Celac do seu silêncio.

Independentemente dos resultados, o cenário servirá para visualizar os novos realinhamentos políticos na região.

Agora vem a Cimeira, e todos esperam um evento que assinalará uma mudança ideológica na região, mesmo que não radical, pelo menos altamente simbólica, e um compromisso conjunto com o futuro.

Agenda da Cimeira
O Secretário dos Negócios Estrangeiros do México, Marcelo Ebrard, indicou que a questão da pandemia estaria na vanguarda, mas que havia também dois projectos em cima da mesa: a criação de uma agência inter-espacial da América Latina e das Caraíbas e a criação de um fundo para catástrofes.

No entanto, o governo boliviano propôs discutir a questão da OEA e a necessidade de reforçar o CELAC.

A questão da pandemia é de particular importância, dado que apesar da gravidade económica e da morte de mais de um milhão de pessoas na região, nem a OEA nem o Celac (nem o Grupo de Lima) tentaram, pelo menos, coordenar políticas para abordar conjuntamente a situação.

Independentemente dos resultados, o cenário servirá para visualizar os novos realinhamentos políticos na região.

Ociel Alí López: Ociel Alí López é sociólogo, analista político e professor na Universidade Central da Venezuela. Ganhou o Prémio Municipal de Literatura 2015 com o seu livro Dale más gasolina e o prémio Clacso/Asdi para jovens investigadores em 2004. É um colaborador de vários meios de comunicação social na Europa, Estados Unidos e América Latina.

Desafios enfrentados pelo CELAC na sua VI Cimeira.

#CubaEnMexico #AMLO #CELAC #Covid-19

A criação da Comunidade de Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) permitiu reactivar este mecanismo de integração política, numa situação regional que sabemos ser complexa, disse Anayansi Rodríguez Camejo, vice-ministro cubano dos Negócios Estrangeiros.

Antes da 6ª Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da CELAC no México, o vice-ministro do Ministério dos Negócios Estrangeiros (Minrex) partilhou com a imprensa os desafios e as principais questões que serão abordadas na reunião.

Segundo o sítio Web da Presidência cubana de hoje, Rodríguez Camejo reconheceu que a CELAC passou por momentos complexos em certas ocasiões, no entanto, considerou um facto fundamental o facto de ter sido capaz de preservar o seu acervo ao longo de todos estes anos de existência, nos quais o México desempenhou um papel essencial nos últimos 20 meses em que exerceu a presidência pro tempore.

O diplomata recordou que a unidade tornou possível enfrentar cenários complexos e superá-los como um todo, e valorizou que, no meio das dificuldades, esta Comunidade de Estados, fundada em Fevereiro de 2010, não deixou de cumprir o seu papel de mecanismo de integração genuinamente latino-americano e caribenho.

O facto de a VI Cimeira se realizar desta vez na Cidade do México é também um sinal de que retomámos a cooperação regional a alto nível, embora nos últimos anos as reuniões não tenham deixado de se realizar a diferentes níveis, incluindo parceiros extra-regionais, em particular com a China e a União Africana, disse ele.

No que diz respeito aos principais temas da agenda, Rodríguez Camejo salientou que a pandemia da COVID-19, “estará no centro das nossas discussões, que se concentrarão na procura do que podemos fazer como região para alcançarmos a auto-suficiência em saúde”.

Também estarão em discussão questões transcendentais como a preservação da região como Zona de Paz; a primeira região densamente povoada do planeta livre de armas nucleares; desarmamento geral; a luta contra a pobreza, a desigualdade e as alterações climáticas em preparação para a 26ª Conferência das Partes a ter lugar no Reino Unido.

Da mesma forma, procurará reforçar o papel do CELAC, para que possa ser o verdadeiro e legítimo representante da América Latina e das Caraíbas, através de um debate transparente, aberto e franco entre todas as nações.

Relativamente à participação de Cuba na Cimeira, o chefe adjunto da Minrex confirmou que Cuba está disposta a contribuir para estes esforços do CELAC para que a região possa ter um projecto e iniciativas que permitam o acesso universal às vacinas a preços acessíveis.

Cuba tem toda a disposição para participar neste esforço regional colectivo e contribuir assim para a distribuição e fornecimento de vacinas e serviços a preços acessíveis que garantam o acesso universal para todos, afirmou.

Desde a sua fundação a 23 de Fevereiro de 2010, o CELAC é o fórum mais representativo da região, reunindo os 33 países da América Latina e das Caraíbas, e é o espaço por excelência de diálogo, consulta e cooperação para resolver os desafios enfrentados pela comunidade como um todo.

(Com informação da ACN)

Celac no México: um Grito de Dor contra a OEA .

#EstadosUnidos #OEA #InjerenciadeEEUU #ElCaminoEsLaPaz #CELAC #CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico

Por Enrique Milanés León

Apesar do flagelo da COVID-19 e outras calamidades naturais, 2021 mantém as suas celebrações como o “Ano da Independência e Grandeza do México”, enquanto comemora o 211º aniversário da independência da nação, a 15 de Setembro, e o 200º aniversário da sua consumação, no dia 21. Para acrescentar lustre, a 6ª Cimeira da Comunidade dos Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) terá lugar a meio destas datas na sua capital, no dia 18.

El Grito de Dolores es el gran canto de México.

Pelo segundo ano consecutivo, na terça-feira 15, a reencenação do Grito de Dolores, realizada por Miguel Hidalgo em 1810, irá considerar os protocolos exigidos pela situação sanitária, mas o Presidente Andrés Manuel López Obrador garantiu que seriam criadas condições para que “a maioria dos mexicanos possa participar a partir das suas casas”.

O modelo da pirâmide que comemora os 200 anos da fundação do México-Tenochtitlan permanece na imponente praça El Zócalo, o que significa que as celebrações do Dia da Independência complementarão as já realizadas em honra do nascimento e queda do México-Tenochtitlan.

López Obrador afirmou que o Governo Federal continuará a promover o Grito, considerado o festival cívico mais importante do país. “Temos de continuar a dar ao Grito de Independência, porque o México é um país livre, independente e soberano, e isso é motivo de orgulho”, disse ele.

O tradicional desfile de 16 de Setembro terá também lugar na capital, com as habituais precauções sanitárias. Alguns dos estados da nação não realizarão celebrações ou deslocá-las-ão para locais virtuais.

No início da manhã de 16 de Setembro de 1810, na cidade de Dolores, Guanajuato, Miguel Hidalgo lançou o Grito de Independência contra o governo colonial. O Pai da Nação Mexicana tocou à campainha da igreja chamando o povo a erguer-se em armas.

Uma vez terminada a guerra da Independência, o sino foi preservado como um dos símbolos do início do movimento e a 15 de Setembro de 1896 foi incorporado na celebração da Independência. Hoje, o sino das Dolores pode ser admirado, restaurado, num nicho localizado por cima da varanda central do Palácio Nacional.

Durante as festividades, o Presidente da República toca-a em homenagem ao grande apelo libertário. A celebração da data não foi interrompida, nem mesmo quando o país estava em guerra com os Estados Unidos. Agora não será excepção.

A agenda anunciada de López Obrador inclui o Grito de Independência na terça-feira 15; o desfile militar no dia 16; a recepção no dia 17 para presidentes e chefes de Estado para a Cimeira Celac, evento a realizar no dia 18. Um dia depois, o México hasteará a sua bandeira nacional a meia haste para recordar as vítimas mortais dos terramotos de 1985.

O Celac tem agora uma casa mexicana. Desde a Cimeira da Fundação, realizada em Caracas, Venezuela, a 3 de Dezembro de 2011, os Chefes de Estado e de Governo da região reúnem-se anualmente no país que detém a Presidência Pro Tempore e discutem as questões acordadas nas reuniões dos coordenadores nacionais.

Nesta sexta edição, será discutido um tema transcendental para a América Latina: o futuro da desacreditada Organização dos Estados Americanos (OEA), quer seja para ser completamente reformulada ou substituída.

Marcelo Ebrard, o ministro mexicano dos Negócios Estrangeiros, indicou que os líderes prepararão uma proposta para os Estados Unidos e Canadá, a fim de substituir a OEA interferente por um organismo regional de apoio.

#CELAC: um mecanismo de integração, diálogo e conciliação política em relação à #OEA .

#OEA #GolpeDeEstado #EstadosUnidos #ElCaminoEsLaPaz #CELAC

OEA em foco: décadas de duplicidade de padrões e interferência selectiva reacendem a controvérsia.

#OEA #EstadosUnidos #AmericaLatina #OTAN #GuerraFria #DerechosHumanos

Por que os EUA estão preocupados com a recente lei aprovada na Nicarágua?

#Nicaragua #DanielOrtega #MikePompeoCIA #DonaldTrumpCulpable #OEA #LuisAlmagro #Bolivia #EvoMorales #InjerenciaDeEEUU #ForaTrump #Manipulacion

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Poucos dias depois de o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, pisar na poeira e deixar a Casa Branca para trás de Donald Trump, ele ousou exigir que o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, “mudasse de rumo” em seu país, e afirmou que “Washington não tolerará ameaças à democracia na Nicarágua.”

Esse homem parece esquecer os anos em que a Frente Sandinista e o Comandante Ortega lutaram com armas, até derrotar a ditadura de Anastasio Somoza, e depois, a dura batalha para fazer daquela nação centro-americana um exemplo de independência, com planos sociais que Eles promoveram não apenas o desenvolvimento econômico, mas levaram o país a excelentes taxas de saúde, educação e emprego.

Coronavirus: dónde está Daniel Ortega, el líder de Nicaragua que no aparece  en público - LA NACION

Pompeo poderia dedicar suas “preocupações” a encontrar uma solução para o sistema que representa, doente com metástases e com programa de saúde em coma.

Outros atores americanos atacaram a Nicarágua, como o congressista Albio Sires, que pediu uma “resposta internacional unificada” contra o governo nicaraguense.

Poucos dias antes das ameaças de Pompeo e do pedido do deputado Senhores, o Secretário-Geral da OEA, Luis Almagro, inspirou a campanha de denúncias contra a nação sandinista, chegando a exigir que o Presidente Ortega revogasse a lei recentemente aprovada democraticamente naquele país, com o título de Lei de Defesa dos Direitos dos Povos à Independência, Soberania e Autodeterminação para a Paz.

Especificamente, trata-se de exigir que a Nicarágua renuncie à sua soberania e permita que grupos pagos pelos Estados Unidos e apoiados pela OEA assumam o poder na nação sandinista.

Após o primeiro pronunciamento de Almagro, o embaixador do governo Trump junto à OEA, Carlos Trujillo, “deu todo o apoio de seu governo” à demanda contra Manágua.

A lei que “irritou” Pompeo, Almagro e outros personagens da mesma categoria, foi aprovada pela maioria dos membros da Assembleia Nacional daquele país, e se pronuncia para desqualificar aqueles que “ferem os interesses de supremo da nação, contemplado no ordenamento jurídico.

Daniel Ortega - Noticias, reportajes, vídeos y fotografías - Libertad  Digital

Segundo a Prensa Latina, a legislação, em seu artigo 1º, determina que “os nicaragüenses que liderarem ou financiarem um golpe de Estado, que alterarem a ordem constitucional, perderão o direito político de serem eleitos”.

Da mesma forma, essas limitações terão aquelas que “promovem ou encorajam atos terroristas, que realizam atos que minam a independência, a soberania e a autodeterminação, que incitam a ingerência estrangeira nos assuntos internos”.

Outros sujeitos aos quais o novo corpo jurídico poderá ser aplicado serão aqueles que “solicitarem intervenções militares, e se organizarem com financiamento de potências estrangeiras para realizar atos de terrorismo e desestabilização”.

Por fim, cita, entre os desqualificados, aqueles que “propõem e administram bloqueios de operações econômicas, comerciais e financeiras contra o país e suas instituições, aqueles que exigem, exaltam e aplaudem a imposição de sanções contra o Estado da Nicarágua e seus cidadãos ».

Luis Almagro, el candidato de Pompeo

Almagro, em seu ego servil ao império, encerrou sua declaração dirigida ao presidente da Nicarágua com uma oferta que caracteriza o próprio coração da instituição e de seu chefe: “a OEA está preparada para aconselhar sobre a realização de eleições livres, justas e transparentes”. .

Almagro parece pensar que na região o plano de golpe que a própria OEA, e ele pessoalmente engendrou, contra o governo de Evo Morales e as massas na Bolívia, que causou mortes e feridos e declínio econômico e social para aquela nação que viveu seus melhores anos.

Direitos Humanos nos Estados Unidos: Esterilização Forçada.

#DerechosHumanos #DDHH #EstadosUnidos #DonaldTrumpCulpable #ForaTrump #NoMoreTrump #AmericaLatina #EEUUBloquea #CubaSalva #ElBloqueoEsReal

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Um novo crime abala a opinião pública mundial pela dose de insensibilidade que demonstra e pelo caráter desumano e racista de seus executores.

O Serviço de Controle de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos, ICE por sua sigla em inglês, foi acusado de remover o útero de imigrantes sob custódia daquela instituição.

A denúncia foi apresentada ao Escritório do Inspetor Geral (OIG) do Departamento de Segurança Interna (DHS) pelo Project South, Georgia Detention Watch, Georgia Latino Alliance for Human Rights e South Georgia Immigrant Support Network.

Os querelantes foram atingidos pelo alto índice de mulheres no Irwin County Detention Center (ICDC) na Geórgia – operado pela La Salle Corrections, uma empresa privada de prisão – submetidas a histerectomia nos últimos meses, cirurgia em aquele que remove todo ou parte do útero.

El Servicio de Control de Inmigración y Aduanas de Estados Unidos, ICE por su sigla en inglés, ha sido acusado por la extirpación del útero a inmigrantes bajo custodia de esa institución

As mulheres imigrantes que se submeteram ao procedimento foram enganadas sob a promessa de receber atendimento médico para resolver diversos problemas de saúde, noticia o jornal The New York Times.

Mas o caso não para por aí. Todos os dias, novos depoimentos de mulheres esterilizadas continuam a aparecer em diferentes centros de detenção, o que constitui uma violação da autonomia do corpo e dos direitos reprodutivos das detidas.

Cerca de 173 legisladores federais dos Estados Unidos enviaram uma carta ao Inspetor Geral do Departamento de Segurança Interna exigindo uma investigação imediata das queixas feitas: “Estamos horrorizados ao ver relatos de histerectomias massivas realizadas em detidos sem consentimento completo e informado.”

Porém, esse tipo de prática não é novidade naquele país. As autoridades norte-americanas em diferentes períodos da história as utilizaram, sobretudo, contra afrodescendentes, mexicanos, indígenas e prisioneiros.

No início do século 20, leis eugênicas foram promovidas em 32 estados, o que permitiu a esterilização de mais de 60.000 mulheres consideradas mentalmente deficientes ou mentalmente fracas e, mais recentemente, nas prisões da Califórnia 150 mulheres foram vítimas dessa prática entre 2006 e 2010.

O US Government Accountability Office publicou um relatório em 1976 sobre esterilizações realizadas em mulheres pertencentes a povos indígenas. Em quatro das 12 regiões investigadas, 3.406 operações foram realizadas entre 1973 e 1976 sem o consentimento das mulheres.

Em 1962, o Corpo de Paz dos Estados Unidos realizou a histerectomia forçada de mulheres indígenas na América Latina, aproveitando a boa fé, a ignorância e a necessidade das populações empobrecidas.

Mulheres guatemaltecas foram utilizadas em experimentos com produtos químicos e outros procedimentos que causam infertilidade permanente, financiados pela organização internacional Population Council, de acordo com o relatório Do controle da natalidade ao genocídio, elaborado pelo médico espanhol Alfredo Embid, coordenador do a Associação de Medicina Alternativa da Espanha.

No relatório do Dr. Embid, afirma-se que essas foram políticas implementadas pelos Estados Unidos em países do terceiro mundo, e detalha casos nas Filipinas, Indonésia, Índia, Bangladesh, Colômbia, República Dominicana, Porto Rico, El Salvador, Panamá, Bolívia, Brasil e Peru.

Essas práticas do governo dos EUA violam não apenas os princípios éticos e morais, mas também os direitos humanos das vítimas.

Na Venezuela, uma fraude também é “inventada”

#EleccionesVenezuela #Fraude #CELAC #NoMoreTrump #SaludMundial #JuanGuaido #Coronavirus #Epidemia #FalsaDemocracia #OEA #bOLIVIA #NicolazMaduro

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

O que aconteceu nos Estados Unidos não é único. Trump gritou “fraude” quando as cédulas enviadas pelo correio nem haviam começado a ser contadas, e ele até celebrou sua “vitória” na Casa Branca em um ato que deixou várias dezenas de infectados pelo coronavírus.

Agora, o roteiro, com outros atores, pretende levar para a Venezuela, onde no dia 6 de dezembro haverá eleições parlamentares.

Venezuela: Historia de dos presidentes

As mesmas entidades externas da “democracia”, seja Grupo Lima, oas, Departamento de Estado dos Estados Unidos ou União Européia, além de reconhecerem um “autoproclamado presidente” em comício com algumas dezenas de pessoas, deram as costas a um governo legítimo eleitos democraticamente e por maioria popular, e agora não querem reconhecer o processo eleitoral pelo qual tanto clamavam.

São fatores externos e o eventual caráter interno, funcionários de Washington, cuja face mais visível é a de Juan Guaidó, obcecado com a saída de Maduro e o declínio da Revolução Bolivariana. Eles sabem, uns e outros, que seria impossível aceitar tamanha humilhação da democracia e tamanha ingerência vulgar nos assuntos internos de um país.

Nos últimos dias, Guaidó, diante da incerteza de ficar impotente após a derrota de Trump, propôs aparecer agora, nas próximas eleições parlamentares da República Bolivariana, como “supervisor” das seções eleitorais, em busca de uma “fraude »Isso já previsto.

Ao se reconhecer no final de sua carreira de autoproclamado presidente, ele sente que o plenário está rompendo e decidiu não participar com seu grupo político e alguns de seus seguidores chamados de “oposição” nas próximas eleições, e agora eles estão concentrando suas energias no descrédito a nomeação para as urnas.

En Venezuela se descarta adelantar las elecciones legislativas

É claro que a lógica da oas e de seu secretário-geral Luis Almagro não poderia ser diferente, desde o que se pode esperar de quem organizou e validou o golpe militar contra Evo Morales e outro no ano passado, na Bolívia.

Que valor moral e político se pode atribuir a quem se proclama presidente, a quem organiza e executa golpes de estado ou assume a genuflexão como costume de ação, cumprindo à risca o que lhes é ordenado desde o berço imperial que tenta reaplicar a Doutrina Monroe contra nossos povos?

Talvez seja a hora de a América Latina e o Caribe –unidos– partirem para enterrar a OEA e seus vestígios de entidade antidemocrática, conspiratória e, principalmente, contrária às nações que supostamente representa.

Por que não nos perguntar se o momento que vive nossa região é o de fortalecer uma organização mais jovem, mas com um apoio muito mais moral e solidário aos países do continente: a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), onde eles podem estar todos, não importa a ideologia que apoiem ou o sistema de governo que tenham.

A outra entidade que questiona as eleições na Venezuela é a União Europeia, que, infelizmente, insiste na política de sanções contra a Revolução Bolivariana e seu legítimo presidente, Nicolás Maduro.

Declarações de Johana Tablada, vice-diretora geral dos Estados Unidos do Ministério de Relações Exteriores de Cuba.

Havana, 18 de dezembro de 2019 – Como parte da XVIII edição da Série de Conversas Cubanas na política externa dos Estados Unidos, um evento organizado pela CIPI e ISRI, um painel sobre cooperação médica cubana foi desenvolvido hoje em o mundo para denunciar a perseguição e criminalização deste trabalho humanitário e altruísta pelo governo dos Estados Unidos.

Pouco antes do painel em que os especialistas cubanos e americanos apareceram, soube-se que uma nova tentativa de desacreditar nossa cooperação médica deveria ser feita na sede da Organização dos Estados Americanos, com o apoio de seu presidente, Sr. Luis Almagro .

Cubaminrex então disponibiliza a seus leitores a transcrição das declarações de Johana Tablada, vice-diretora geral dos Estados Unidos do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, que denuncia essa manobra e destaca os princípios de solidariedade e voluntariedade das ações de nossos médicos pelo mundo:

“Seguindo as ordens do governo do presidente Donald Trump, o Sr. Luis Almagro fala ou fica em silêncio quando é ordenado. Ele nunca erra em se opor aos interesses do povo e a serviço dos interesses mais reacionários do governo dos Estados Unidos e das oligarquias nacionais.

Não é de surpreender, mas é incomum e embaraçoso que o Sr. Luis Almagro tenha recursos que não lhe pertencem para atacar programas legítimos de cooperação, mentir e ignorar o impacto real nos indicadores de saúde dos povos, do trabalho nobre e humano dos médicos e pessoal de saúde de Cuba.

Essa cooperação é realizada nas estruturas legítimas da cooperação Sul-Sul e com a participação de governos e forças locais de saúde que em nossa região – e em outras partes do mundo – apreciam e apreciam essa importante atividade.

O governo Trump cruzou todas as linhas vermelhas de decência, participando pela primeira vez em ações de assédio contra a equipe médica cubana. Não apenas reduz a ajuda externa e condiciona-a aos seus interesses políticos mais reacionários, mas também chega ao extremo de ameaçar o trabalho dos médicos cubanos, cujo trabalho nos permite aumentar a qualidade de vida sem interferir nos assuntos internos dos Estados. . Nem uma vez foi perguntado a um paciente sobre sua afiliação política ou ideológica.

Os serviços médicos prestados por meio de contratos individuais nos permitem contribuir para o financiamento de serviços caros do sistema universal de saúde de Cuba, suprimentos, tratamentos contra o câncer, reagentes e equipamentos médicos ”.

Categoria:
Cooperação Lockup
RSS Minrex:

#Cuba relatou ataque da #OEA contra colaboração médica.

“Cuba es pueblo que ama y cree, y goza en amar y creer.” José Martí

Cuba denunciou o novo ataque da Organização dos Estados Americanos (OEA), com Luis Almagro à frente, contra a colaboração médica internacional da ilha.

Esse órgão convocou para quarta-feira em Washington um fórum intitulado “A realidade sombria por trás das missões médicas cubanas” que tem o objetivo de desacreditar a participação de especialistas em saúde cubanos em programas sociais de países do Terceiro Mundo.

A conferência faz parte da campanha difamatória promovida pela Casa Branca para atacar a Revolução Cubana nas áreas em que mais desperta admiração, disse Johana Tablada, vice-diretora geral dos Estados Unidos do Ministério das Relações Exteriores.

O funcionário também definiu como embaraçoso a intenção de atacar uma atividade que beneficia milhões de seres humanos no mundo todos os dias, e faz parte dos esquemas de cooperação Sul-Sul, cobertos pelo Direito Internacional, pelos programas. das Nações Unidas e da Organização Mundial da Saúde.

Ao fazer isso, Almagro mais uma vez se coloca contra o povo e a serviço dos interesses mais reacionários do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, e das oligarquias que o apóiam, disse ele.

Jorge Delgado, diretor da Unidade Central de Cooperação Médica do Ministério da Saúde Pública de Cuba, lembrou que, em 1963, começou uma ampla história de colaboração com nações carentes, na qual dezenas de milhares de profissionais participaram.

Ele afirmou que esses cooperadores oferecem voluntariamente seus serviços, movidos por uma convicção humanista, desinteressadamente, e assumem essa tarefa como um dever internacionalista genuíno.

O Dr. José Luis Aparicio, entretanto, rejeitou a qualificação de “escravos” que pretendem endossar médicos na ilha que prestam serviços em outros países, como parte da campanha de descrédito.

Somos apenas escravos do sagrado cumprimento do dever de salvar vidas e cuidar da saúde dos povos, cujos indicadores de saúde e satisfação hoje são a melhor evidência de solidariedade no sistema de saúde cubano.

Ambos os profissionais participam de um painel sobre cooperação médica da ilha, no Instituto Superior de Relações Internacionais “Raúl Roa”, como parte da edição XVIII da série de conversas Cuba-EUA, onde são discutidos os desafios. Relações atuais entre os dois países.

Fonte