Manipulacion

Muito sério! #Otaola compara os opositores em #Cuba a uma vaca.#GuerreroCubano

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Redes sociais | Deixe um comentário

O relatório do Departamento de #Saúde dos #E.U.A. reconhece que fez lobby para impedir a vacina #Sputnik, ajuda #MédicaCubana.

Por Redacción Razones de Cuba

Também insistiu na presença de médicos cubanos, que se deslocam a diferentes países para prestar assistência.

Os dados, tal como revelados hoje em Buenos Aires pelo jornal Página 12, aparecem no relatório anual do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (OGA, pela sua sigla em inglês, o equivalente a um ministério).

“A OGA coordenou com outras agências governamentais dos EUA para reforçar as relações diplomáticas e oferecer assistência técnica e humanitária para dissuadir os países da região de aceitar a ajuda destes Estados mal-intencionados”, afirma o relatório.

O relatório, por exemplo, reconhece ter apelado às “relações diplomáticas” bilaterais entre Washington e Brasília para forçar o gigante sul-americano, um dos mais afectados pela pandemia de Covid-19, a recusar a autorização de utilização do Sputnik V, do centro russo Gamaleya.

De acordo com o documento dos EUA, as suas recomendações destinavam-se a evitar que a Rússia “aumentasse a sua influência” na região da América Latina e das Caraíbas, informou a Telesur, embora não tenham sido fornecidos mais pormenores. Numa secção do relatório intitulada “Combater as influências malignas nas Américas”, revelada na Página 12, o relatório explicava que o objectivo era evitar que países como a Rússia, Venezuela e Cuba “aumentassem a sua influência” na região através da vacina anti-covida russa e das brigadas médicas internacionalistas de Cuba.

A vacina e os médicos cubanos actuariam “em detrimento da segurança dos Estados Unidos”, de acordo com o documento.

O relatório foi divulgado esta semana enquanto os Estados Unidos pairavam em torno do número de meio milhão de mortos da pandemia como resultado da política do ex-Presidente Donald Trump, um apoiante de “deixar morrer aqueles que têm de morrer”, como ele disse.

E o Brasil, por seu lado, com a política de saúde do Presidente Jair Bolsonaro alinhada com a de Trump, atingiu esta semana o número arrepiante de 290.000 mortes por coronavírus no total e 3.150 mortes por dia, em média.

No caso do Panamá, os Estados Unidos teriam oferecido assistência técnica do Centro de Controlo de Doenças (CDC) ao país centro-americano para rejeitar uma oferta de médicos cubanos para combater a epidemia de Covid-19.

Segundo o Telesur da Venezuela, apesar da oposição geopolítica à sua utilização, a vacina russa Gamaleya foi autorizada em cerca de 24 países, vários dos quais na América Latina e nas Caraíbas.

Também apesar da campanha contra, a cooperação médica cubana espalhou-se por três continentes e cerca de 30 países durante a pandemia de Covid-19.

“Que morram os que têm de morrer”.
Pressões dos EUA sobre a América Latina na pandemia.

Como Washington se manobrou para impedir a venda da vacina Sputnik na região e para bloquear as actividades das brigadas médicas cubanas. As coincidências de Trump e Bolsonaro e os guinchos de Mauricio Macri.

Luis Bruschtein – Página 12

Com o aumento de onze por cento de contágios em todo o país e de 19 por cento no CABA, os infectologistas que aconselham o governo avisaram que a Argentina pode estar às portas de uma segunda vaga de infecções, como aconteceu na Europa no final do Verão e ainda está a acontecer em alguns países. A chegada dos primeiros carregamentos de vacinas flexibilizou as medidas de precaução no país e a vigilância sanitária nas fronteiras. Embora não tenha anunciado quaisquer medidas concretas, o Presidente Alberto Fernandez utilizou a rede de rádio e televisão na quinta-feira para emitir um aviso aos argentinos. Se o número de contágios aumentar, terão de ser tomadas novas precauções sanitárias.

Durante as férias, muitos argentinos viajaram para o Uruguai, Brasil e Chile, que estão a viver uma onda muito forte de contágios. O perito sanitário José Carlos Escudero segue os índices mundiais da epidemia, tomando como base os relatórios periódicos publicados pelo Washington Post e pelo The New York Times.

Para descrever situações é por vezes conveniente não usar números”, diz Escudero na sua parede FB. Para o dizer sem números: hoje em dia, o risco de adoecer de coronavírus é duas vezes maior no Uruguai do que na Argentina. O risco de morrer de coronavírus é duas vezes maior no Chile do que na Argentina. O risco de morrer de coronavírus é mais de três vezes maior no Brasil do que na Argentina.

No Brasil há ainda mais de 7.000 argentinos que foram de férias no meio da epidemia, e muitos mais viajaram desde Dezembro. O próprio chefe do governo da CABA, Horacio Rodríguez Larreta, tirou ali as suas férias, num exemplo do que um político que normalmente é tomado como referência pelos seus seguidores não deve fazer.

Como no início da epidemia do ano passado, os distritos CABA com mais infecções não são os mais pobres, mas os mais ricos: Recoleta, Palermo e Belgrano, onde vivem aqueles que viajaram para o estrangeiro. Isto inclui o México, de onde os 77 estudantes infectados com o coronavírus voltaram da sua viagem de graduação.

As ramificações políticas relacionadas com a epidemia têm sido chocantes. Durante a semana, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (equivalente ao Ministério da Saúde) divulgou um relatório no qual reconhece que durante 2020 pressionou os governos latino-americanos a não comprar a vacina russa Sputnik V e menciona os governos do Panamá e do Brasil.

Numa secção do relatório, intitulada: “Combater as influências malignas nas Américas”, explicam que utilizaram a diplomacia para impedir países como a Rússia, Venezuela ou Cuba, “aumentar a sua situação difícil” na região através da vacina anti-vírus russa e das brigadas médicas internacionalistas de Cuba. A vacina e os médicos cubanos actuariam “em detrimento da segurança dos Estados Unidos”, de acordo com o documento.

O relatório foi divulgado esta semana enquanto os Estados Unidos pairavam em torno do meio milhão de mortos pandémicos em resultado da política “deixar morrer quem tem de morrer” de Donald Trump. E o Brasil, o país que a Casa Branca estava a bloquear o acesso a um remédio estratégico, atingiu esta semana o número arrepiante de 290.000 mortes do coronavírus no total e 3.150 mortes por dia.

A diplomacia de Donald Trump pressionou o governo de Jair Bolsonaro a aprofundar esta política de armas dobradas face à pandemia, graças à qual aquele país é o terceiro no mundo em termos do número de infecções (depois dos Estados Unidos e da Índia) e o segundo em termos do número de mortes (depois dos Estados Unidos).

O país que foi pressionado a não comprar vacinas está a sofrer “o maior colapso sanitário e hospitalar da sua história”, de acordo com a Fundação Oswaldo Cruz, o maior centro de investigação científica da América Latina. Em 19 capitais brasileiras, as unidades terapêuticas já ultrapassaram 90 por cento da sua capacidade e as mortes aceleraram devido à falta de espaço. A crise levou Bolsonaro a ceder e a mudar o seu ministro da saúde. Retirou o General Eduardo Pazuello, que nada sabia sobre o assunto, e substituiu-o pelo cardiologista Marcelo Quiroga.

Trump e Bolsonaro concordaram naquela frase tremenda sobre a morte daqueles que têm de morrer. Uma metáfora malthusiana para justificar o sacrifício (evitável) de milhares de pessoas, entre pessoas saudáveis de todas as idades, com mais de 60 anos e pacientes com doenças como diabetes, coronárias, respiratórias ou imunocomprometidas.

Esta frase tinha estatuto local na altura, quando no meio da quarentena rigorosa da primeira fase, o ex-Presidente Mauricio Macri comunicou com o Presidente Alberto Fernandez para expressar o seu desacordo com a quarentena porque aqueles que tinham de morrer ainda iam morrer.

Quando se realizaram as primeiras marchas anti-quarantinas, Macri tinha dito que estava “orgulhoso dos milhares de argentinos que ontem saíram para dizer não ao medo e ao abuso, e sim ao trabalho, ao respeito e à liberdade”. No mesmo sentido, ele tinha feito declarações na Europa. As palavras de Macri a Alberto Fernández repetiram o que ele tinha dito: “deixemos todas as pessoas na rua, deixemos morrer aqueles que têm de morrer”. Esse parentesco ideológico entre Trump, Bolsonaro e Macri, induz a visualizar o Brasil e os Estados Unidos como o cenário de tragédia humanitária que poderia ter sido a Argentina se essa ideia tivesse prevalecido.

“Lamento por aqueles que perderam entes queridos, mas isso é vida”, respondeu o presidente brasileiro no ano passado a um grupo de jornalistas que lhe perguntou sobre as vítimas da epidemia. “Eu sou o Messias – pelo seu nome do meio – mas não faço milagres. É assim que é a vida. Amanhã serei eu e espero que venha da forma mais digna possível e deixe uma boa imagem”.

A divulgação do balanço anual do Departamento de Saúde dos EUA mostrou que a epidemia e as vacinas tornaram-se factores na geopolítica mundial. Face à aceitação mundial do Sputnik V, os Estados Unidos voltaram à língua da velha Guerra Fria e o Presidente Joe Biden chamou ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, um assassino.

Assim como o Primeiro Ministro britânico Boris Johnson, que anunciou um aumento invulgar da presença militar do império nos seus 14 territórios ultramarinos, como chamam os seus enclaves coloniais, um dos quais são as Ilhas Malvinas. Estes são mecanismos que expõem a dificuldade das potências ocidentais face a um mundo cada vez mais multipolar com a Europa, Rússia e China a emergir face a um Estados Unidos enfraquecido.

Quando Trump descobriu que quanto menos a epidemia era combatida, mais ela afectava a economia, mudou a sua linha, encerrou a exportação de vacinas e começou a açambarcá-las. Sob Biden, essa política não mudou. Os Estados Unidos têm contratos para 1,5 mil milhões de vacinas e tem 300 milhões de habitantes. Os seus contratos com a Pfizer, Moderna e Johnson são cinco vezes superiores ao número de habitantes, no entanto, não permitem que nenhuma vacina saia das suas fronteiras.

A vacinação nos Estados Unidos é tão generosa que muitos mexicanos ricos viajam para o país vizinho para se vacinarem porque não requerem cidadania ou residência. O contraste com o México vizinho, que tem problemas em obter vacinas como a maior parte do resto do mundo, é acentuado. O Papa Francisco empenhou-se pessoalmente em conversações com Biden para que, no mínimo, as sobras de vacinas possam ser desviadas.

Na Argentina, o cenário continua: as autoridades do CABA afirmam que recebem menos vacinas do que outros distritos. Da província de Buenos Aires eles respondem que é o contrário porque recebem mais do que os outros. A realidade é que no distrito de Buenos Aires a vacinação progrediu nos anos 60, professores, trabalhadores da saúde e pessoal da polícia, enquanto que no CABA não se termina com os anos 80. A distribuição da vacina é super controlada e uma distribuição desigual seria muito fácil de detectar. Não há problemas de distribuição, mas sim diferentes políticas de saúde.

Extraído de Cubainformaciòn

Categories: #America Latina, #Brasil, #Brasil se alinha aos #EUA, #Brasil, Corrupción, #Jair Bolsonaro, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #salud, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Injerencia De EEUU, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Profesionales e la Salud, RUSSIA, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Conferência de Imprensa #MINREX desacredita o espectáculo mediático contra #Cuba .

Categories: # Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, MINREX | Deixe um comentário

#AlexisValdés em apuros.

Categories: # Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Intelectuales, Política, Red de Intelectuales y Artistas en Defensa de la Humanidad (REDH), Soberanía, Venezuela, Los artistas del Imperio, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, MUSICA CUBANA, Redes sociais | Deixe um comentário

#MaríaElviraSalazar, uma história de hostilidade contra #Cuba .

Categories: # Cuba, # yo voto vs bloqueo, #Daniel Ortega Saavedra, #Nicaragua, #USAID, #Estados Unidos, #solidaridadvs bloqueo, #USAID Dexis Consulting Group and ChemonicsFrente Sandinista de Liberación Nacional (FSLN)Fu, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, CubavsBloqueo, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Injerencia De EEUU, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, usaid | Deixe um comentário

#Vacinas para a idade pediátrica em #Cuba e outros esclarecimentos necessários.

Categories: # Cuba, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #salud, #Salud en Cuba, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, CIENCIA, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, epidemia, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Profesionales e la Salud, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Plantados, outro bodrio anti-Cubano .

Autor: Rolando Pérez Betancourt | internet@granma.cu

O ódio e a arte nunca estiveram ligados.

Aconteceu com Andy García e Guillermo Cabrera Infante e aquele embuste chamado A Cidade Perdida (2005), eviscerado por críticos internacionais.

Eis uma amostra do que foi dito sobre esse filme na altura, neste caso da crítica espanhola Beatriz Maldivia: “O filme é, em suma, uma série de diálogos intermináveis, mal escritos, sem ligações entre eles e sem maior objectivo do que Andy García e Cabrera Infante perpetrarem uma espécie de ensaio sobre Cuba que seria rejeitada em qualquer jornalismo infantil. É cinematograficamente – não apenas ideologicamente – nulo.

Após uma vasta publicidade durante a sua fase de preparação, e após ter sido anunciado que seria o filme mais caro preparado pelo exilado cubano (ler contra-revolução), Plantados, realizado por Lilo Vilaplana e com um guião de Ángel Santiesteban, Juan Manuel Cao e o próprio realizador, foi lançado em Miami.

O tema: recriar, a partir da ficção, “a galanteria e a resistência dos presos políticos cubanos dos anos 60 e 70 face às atrocidades do regime prisional comunista castrista”.

Em 24 horas o filme foi colocado em redes sociais, algo invulgar para um filme de estreia, e caro, que deveria continuar a ser apresentado em festivais de todo o mundo para tentar vender-se e recuperar fundos, como tentou fazer, sem sucesso, com A Cidade Perdida, rejeitado aqui e ali como infame.

Alguém nas redes achou estranho este desprendimento de lançar o filme na mosca sem recuperar um cêntimo e comentou: “Mas porque é que o fazem e não tentam obter benefícios económicos com ele?

Há dois objectivos óbvios neste lançamento precipitado dos dados: em primeiro lugar, para acrescentar à campanha subversiva contra Cuba, apresentando uma imagem propagandística e unidimensional do assunto que tratam, sem fazer referências às causas – não poucas delas criminosas – que levaram aqueles homens à prisão e, em segundo lugar, o sonho vaidoso dos cineastas de pensarem que faturaram uma obra-prima, capazes de responder – como declararam – ao que foi exposto em The Wasp Network (Olivier Assayas, 2019), um filme que os escandalizou por apresentarem verdadeiros heróis contrários aos mandamentos do império, o oposto dos “heróis” que agora tentam refazer do passado como uma “mensagem de rebelião”, dirigida a gerações que não viveram aqueles dias.

O truque de reescrever a história e deixar no caixote do lixo o que não é conveniente é um truque antigo: os Estados Unidos perderam a guerra no Vietname, mas anos mais tarde tiveram o seu Rambo, capaz de ganhar outra invasão vingativa por si só e assim dar conforto aos nostálgicos.

A contra-revolução perdeu, durante mais de 60 anos, o seu propósito de reconquista por sangue e fogo, e manobras de todo o tipo, e agora recorre ao truque habitual proporcionado pela ficção de um filme para reunir, sentimentalmente, os factos à sua conveniência.

Já no campo artístico – e os críticos profissionais darão conta disso, se lhe derem alguma atenção – Plantados permite apreciar as consequências negativas de um péssimo melodrama que confunde os tempos narrativos, divide os protagonistas em tipos muito bons e sanguinários, com diálogos verbais que procuram eficácia com cada expressão, um guião reiterativo e repleto de lugares comuns à exaustão, música sapienta e cenas de espancamentos e assassinatos em prisões e campos de trabalho que cobrem grande parte das suas quase duas horas de filmagens; O cinema espesso marcado pelos tons lacrimosos dos conflitos, e a falta de habilidade na formação de um acto de vingança contemporâneo, que deve muito à pior Hollywood, apesar do filme ter um orçamento de milhões de dólares.

Algumas mentes lúcidas no Festival de Cinema de Miami, onde o filme estreou há alguns dias, devem ter-se apercebido de que Plantados era uma lixeira e, embora o tenham aceite, não lhe deram – segundo o realizador Lilo Vilaplana- a importância que o filme merecia.

Vilaplana escreveu, na sua conta do Facebook, que o Festival tinha dado ao filme “um tratamento de quinta categoria”, que não o tinha apoiado “nem em publicidade nem em nada; é um filme feito no exílio, com artistas daqui, deveria ter-lhe sido dada outra importância”.

E indignado – e talvez também antecipando o fracasso artístico tão doloroso para qualquer criador – ele levantou a parada política: “O desrespeito do Miami Film Festival pelo exílio histórico e a sua cumplicidade com a ditadura de Castro é uma ignomínia.

E para que não houvesse dúvidas quanto às intenções do filme, escreveu que a organização do Festival não gosta de filmes como Plantados, que “gostam daqueles que constroem pontes, que dizem que devemos unir-nos, mas com a ditadura não negociamos”.

E concluiu: “Aqueles filmes que vos convidam a ir a Cuba são materiais cúmplices da ditadura, e esse regime tem de ser derrubado, porque fez muito mal aos cubanos… Eles (os realizadores do Festival) não queriam que o filme lá estivesse, e eu sentia que mesmo nas pessoas que estavam a assistir ao Festival, eles estavam chateados por o filme lá estar.

O filme encontrará o seu público num sector fervoroso da comunidade exilada e não faltarão aqueles que o promoverão como uma “obra reveladora”, sem dar crédito à manipulação das emoções que exibe, como um princípio básico de uma propaganda contra-revolucionária sujeita a um plano subversivo que não descansa.

Mas o ódio e a arte nunca estiveram ligados. Boa sorte no campo artístico da próxima vez, director, e livra-te dele.

Categories: ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Cine, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, cultura, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Intelectuales, Política, Red de Intelectuales y Artistas en Defensa de la Humanidad (REDH), Soberanía, Venezuela, Los artistas del Imperio, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Marcos Rubio, SENADOR OU PIRATO?

Categories: #Bob Menéndez e #Marco Rubio, #Marco Rubio e #Bob Menendez ., Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Injerencia De EEUU, Manipulacion, Manipulacion Politica, Marco Rubiob, MIAMI, Redes sociais | Deixe um comentário

Liberdade de expressão em Miami? Com uma arma para o templo #5Mar

Nos últimos meses, artistas de Cuba fizeram vários vídeos musicais de tema político. “Unblock me”, de Raúl Torres, denuncia o bloqueio dos Estados Unidos. (1). “No te metas”, do humorista Virulo, denuncia a interferência da Casa Branca na ilha (2). Mas será que interessaram à imprensa internacional, à imprensa espanhola, por exemplo? De modo algum.

Mas se, de Miami, lançam uma canção contra o governo cubano, então sim.

Temos inúmeras notícias e uma semana inteira de entrevistas em jornais, rádio e televisão (3) (4). Este é o caso de “Patria y Vida”, cujo autor, Yotuel Romero, foi convidado para uma sessão do Parlamento Europeu por dois deputados de direita que defendem a destruição do actual Acordo de Diálogo e Cooperação União Europeia-Cuba (5). Romero anunciou que o faria – ouve bem, isto não é brincadeira – “em nome de toda a Cuba” (6).

La imagen tiene un atributo ALT vacío; su nombre de archivo es censura_libertad_expresion-2-820x400.jpg

Foi também recebido no Congresso espanhol (7), e afirmou que “tudo o que aprendi sobre a liberdade de expressão foi em Espanha” (8). Foi na mesma semana em que o rapper catalão Elgio (9) foi condenado a seis meses de prisão, e continuaram os protestos contra a prisão de outro artista, Pablo Hasél (10). Yotuel Romero deu dezenas de entrevistas: acha que alguém lhe perguntou sobre isso?

“Patria y Vida” é uma operação mista de marketing discográfico e propaganda política: alguns artistas cubanos, baseados em Miami, procuram um impulso económico para as suas carreiras num ano sem concertos; por outro lado, a ultra-direita cubano-americana está a utilizá-los para continuar a pressionar Joe Biden e evitar uma repetição do “caminho Obama” do diálogo com Havana (11).

“Patria y Vida” é uma operação mista de marketing recorde e propaganda política. Fotos: Internet

As petições do sinal contrário nos EUA, as que lhe pedem para levantar as sanções contra Cuba, são muitas mais: organizações religiosas (12), emigração cubana (13), ONGs e grupos de solidariedade (14), gabinetes de prefeitos (15), congressistas (16) … Mas há notícias ou entrevistas sobre o assunto na imprensa corporativa? Praticamente nenhum.

Lemos manchetes que confundem desejo e realidade (17): “‘Patria y vida’, la canción que ha puesto contra las cuerdas al gobierno cubano” (18), “La controversa canción que puso a temblar al régimen cubano” (19) (20). O mesmo anúncio de Willy Chirino quando lançou a sua canção “Nuestro día ya viene llegando” (O nosso dia está a chegar) … 30 anos atrás! (21).

E muita, muita vitimização: “A imprensa estatal cubana ataca a canção que apela à mudança na ilha” (22), “O governo chama a Yotuel Romero um ‘jinetero'” (23). Uma mentira absoluta, porque o termo “jinetero” pertence a um meme, muito retweetado na ilha, vindo de uma conta privada, não do governo (24). “Se algo acontecer à minha família, responsabilizo o governo cubano”, titulava vários meios de comunicação social, criando uma notícia sobre algo – alegadas “represálias” – que não aconteceu (25). (25) Os mesmos meios de comunicação social que não publicaram uma linha sobre a perseguição sistemática, em Miami, de artistas da ilha. No ano passado, o gabinete do presidente da câmara dessa cidade declarou dois cantores de salsa, Paulito FG (26) e Haila María Mompié (27), persona non grata, causando o cancelamento dos seus concertos nos EUA (28). (28). Tudo por iniciativa do apresentador e youtuber Alex Otaola (29). Uma personagem chave para compreender a participação no clip “Patria y Vida” de Gente de Zona e Descemer Bueno. Recordar.

“As petições de levantamento das sanções contra Cuba, há muitas mais (…) Mas há alguma notícia ou entrevista
sobre o assunto na imprensa empresarial? Praticamente nenhum”.

Há um ano, Alex Otaola lançou uma campanha de assinatura para os EUA para retirar a carta verde ou residência permanente aos membros da dupla Gente de Zona (30), que também foram vetados pelo Presidente da Câmara de Miami no concerto de Ano Novo (31). Em Outubro, Otaola conseguiu entrevistar, para o seu programa, o próprio Presidente Donald Trump (32), e deu-lhe uma “lista vermelha” de cubanos a serem impedidos de entrar no país (33). Entre eles, os membros de Gente de Zona e as suas famílias. O pecado? Tendo saudado o Presidente Miguel Diaz-Canel durante um concerto em Havana (34). Durante a noite, a dupla – que tinha dupla residência em Miami e Havana – perdeu tudo. A sua participação na canção “Patria y Vida” é agora a sua “expurgo”. Tal como as suas declarações, vindas do nada, contra o governo cubano: “Quando se cresce num regime como o cubano, habituamo-nos a viver com medo”, acabam de declarar (35). Compreendem “viver com medo”, não é verdade?

O caso de Descemer Bueno, outro dos intérpretes do clip, é quase idêntico. Os seus elogios à cooperação médica de Cuba e a sua condenação do bloqueio dos EUA (36) colocaram-no, há um ano atrás, no alvo de Alex Otaola. (36) colocaram-no, há um ano, na mira de Alex Otaola que, em meses, conseguiu boicotar os seus concertos em Miami e destruir a sua carreira (37). Descemer Bueno resistiu, levou o apresentador a tribunal… (38). Mas ele perdeu a batalha (39). E depois veio a expurgo: sem um único acontecimento, começou a atacar o governo cubano (40) e ajoelhou-se perante Otaola, felicitando-o mesmo pela sua entrevista com Donald Trump e pela sua luta pela “liberdade de Cuba” (41). E agora vem… “Patria y Vida”.

Outro dos artistas, Maykel Osorbo, não se parece com um convertido. Há alguns meses atrás, sabe o que ele perguntou a Donald Trump? Ouça: “Sou a favor de uma invasão neste momento. Vai invadir Cuba? Vem para aqui” (42). É por isso que declarou, aos mesmos meios de comunicação social que silenciam as suas desculpas pelo terrorismo mais atroz contra o seu país, que a canção “Patria y Vida” é “um hino de guerra” (43).

Outro dos intérpretes (…) declarou aos mesmos meios de comunicação que silencia o seu pedido de desculpas pelo terrorismo mais atroz contra o seu país, que a canção “Patria y Vida” é “um hino de guerra” (43).
o terrorismo mais atroz contra o seu país, que a canção “Patria y Vida” é “um hino de guerra” (43).

“Vou dizer-vos algo, nesta foto (a foto promocional de “Patria y Vida” com Descemer Bueno, Gente de Zona e Yotuel Romero) resume o trabalho que temos vindo a fazer neste programa durante quatro anos”: foi assim que Alex Otaola mostrou, no seu programa, exultante, o resultado da sua persistência mafiosa.

Quer que seja mais claro?

José Manzaneda – Cuba

Categories: "Liberdade", "democracia", "racismo" e "direitos humanos", ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, cultura, Derechos Humanos, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, MUSICAS, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Media Batalha no Palco Virtual de #Cuba .

Categories: # Cuba, #CubaCoopera, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #salud, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, bloqueio econômico, BLOQUEIO VS CUBA, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, Coronavirus, CoronaVirus, Política, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, Cuba, fake news, CubavsBloqueo, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, Ley Helms Burton, Manipulacion, Manipulacion Politica, Profesionales e la Salud, SANCIONES, Trump procura reforçar o bloqueio | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: