Os contra-revolucionários não terão tribuna em Cuba.

#TuMarchaNoMeConvence #NosVemosEl15 #LaRazonEsNuestroEscudo #XCubaYo #CubaLibreYSoberana

Por Redacción Razones de Cuba

“Não lhes será permitido repetir o que aconteceu a 11 de Julho”, diz Manuel López Castilla, um camponês associado à cooperativa de crédito e serviços Arístides Estévez (CCS) no município de Playa, Havana, um homem, como todos os cubanos que apoiam a Revolução, dos genuínos, que são a maioria.

Esta marcha é a ideia daqueles ali – aponta indignadamente para o norte com o dedo – e aqui os lacaios estão a realizá-la, mas nenhum deles está convencido do fracasso. “Não sei que método lhes resta; Biden diz que Cuba está finalmente a aproximar-se de uma democracia plena e pura, não sei a que democracia ele se refere, ou com que conta”, questiona ele.

O campesinato cubano, reafirma López Castilla, não concorda com a manifestação que nos querem impor para 15 de Novembro, porque este sector sempre esteve do lado de causas justas, e a nossa história é prova disso.

A raíz de una convocatoria lanzada por Miguel Díaz-Canel Bermúdez, Primer Secretario del Comité Central del Partido Comunista de Cuba y Presidente de la República, revolucionarios cubanos salieron a las calles para demostrar el respaldo a la Revolución Cubana y a sus dirigentes, en La Habana, Cuba, el 11 de julio de 2021. ACN FOTO/Omara GARCÍA MEDEROS/ogm

Ele diz sem rodeios: “Sempre acreditámos na unidade entre camponeses e trabalhadores, e eles nunca conseguirão quebrá-la, porque é a nossa espinha dorsal. A primeira missão dos camponeses, para manter a nossa bandeira e realizações elevadas, é continuar a produzir alimentos. Esta deve ser a nossa forma de resolver os problemas que temos hoje.

A sua principal fraqueza, diz López Castilla sobre aqueles que reivindicam o seu “direito de manifestação”, é que não conhecem o povo cubano, porque há anos adquirimos conhecimentos políticos, temos uma ideologia sólida, sabemos que somos os únicos que podemos resolver os nossos problemas; “e a juventude está do nosso lado”. É por isso que – refere-se, pelas suas razões, à voz do Comandante-em-Chefe – não existe aqui nenhuma plataforma para contra-revolucionários.

Esta é também a opinião do presidente da CCS, Yoel Barreto Rodríguez. Na sua opinião, aqueles que foram pagos para manchar a história da Revolução não têm o apoio do campesinato, “porque com a vitória de 1959 o nosso sector ganhou direitos, prestígio e moral. Agora o que temos de fazer é cumprir com a Revolução, produzindo, fornecendo alimentos para o povo”.

Reflecte, sem receio de estar enganado, que eles apelam ao suposto direito dado pela Constituição de se manifestarem, mas isso é quando não limita o direito comum. “Se esta marcha fosse realmente para um benefício social, ou representasse a voz das comunidades, seria admissível, mas sabemos que não é esse o caso, porque os motivos e os protagonistas foram identificados. É por isso que não podemos concordar, nem hoje, nem nunca.

Para Pedro Valdés Pérez, outro associado da CCS Arístides Estévez, e o seu maior produtor de leite, as razões não se alteram. Está também convencido de que aqueles que foram treinados pela Revolução o devem a ela.

“Somos a maioria a favor da obra revolucionária. Estou convencido de que a nossa juventude tem a mesma opinião. Tenho 20 ou 30 jovens a trabalhar comigo, que partilham os meus ideais, porque somos todos formados sob as asas da nossa sociedade socialista, com os seus defeitos, mas indispensáveis”.

Fazem parte dos 168 associados que contribuem para uma cooperativa criada pela Revolução para beneficiar cerca de 135 centros de consumo social, entre os quais as escolas do município de Playa; e conseguiram atingir 123% do que estava previsto até agora este ano, apesar do milhão de dificuldades que o bloqueio significa para a agricultura cubana, mais a crise provocada pela pandemia.

CENPALAB DEFENDE O SOCIALISMO

Para os trabalhadores do Centro Nacional de Produção de Animais de Laboratório (Cenpalab), um nicho essencial para o desenvolvimento da indústria biotecnológica cubana desde a sua criação nos anos 80, a tão desejada marcha, que nada mais será do que outra estratégia, sem qualquer benefício para o povo, também é embaraçosa.

Consideram insultuoso, além disso, que em favor dos seus interesses, usem frases como “regime” para se referirem a um país cujo governo socialista luta todos os dias pelo bem-estar do seu povo. O Cenpalab é um exemplo em primeira mão, porque como instituição essencial para a pré-clínica dos candidatos à vacina da ilha contra a COVID-19, eles testemunharam e aprenderam o acto de fazer muito com pouco.

Miguel Angel Esquivel Perez, chefe do Departamento de Vigilância Tecnológica, está ciente disto, e considera este esforço como mais uma tentativa imperialista de subverter a ordem política no nosso país, e parte de um plano dos nossos inimigos jurados, que ainda não superaram o facto de ter sido construída uma revolução socialista “debaixo dos seus narizes”.

“Tentaram derrotar-nos na Baía dos Porcos e ainda hoje tentam derrotar-nos, com o bloqueio económico e todas as suas medidas, mas não foram capazes de nos derrotar. Eles querem ignorar todos os anos da história e, por essa razão, não aprendem que Cuba não se rende”, disse Esquivel Pérez.

Sobre esta última farsa, a que tenta camuflar-se na nossa Constituição socialista, ela assinala: “O povo de Cuba sabe que não procura a paz nem a liberdade, mas quer aproveitar-se da situação crítica que o mundo atravessa e, sobretudo, o nosso país, face à COVID-19 e ao injusto bloqueio”.

Esta é também a opinião de Daniela Amaranta, uma jovem de 24 anos, que trabalha como especialista em Contabilidade e Finanças no centro, e que viu como os trabalhadores do Cenpalab apoiam o país a partir de muitas trincheiras.

Entretanto, Andrea Armas Torres, outra das jovens mulheres do centro e chefe do Grupo de Assistência Técnica, está indignada com as formas como estes indivíduos têm subvertido, especialmente os jovens. “Nós, como militantes, trabalhadores que têm visto a acção revolucionária e a vocação que o povo cubano tem mantido durante mais de 60 anos, seguiremos sempre os ideais de Fidel”.

Cuba, o seu povo, não jogará com aqueles que são pagos para semear ódio e que querem baixar as bandeiras da soberania, da independência e da dignidade, que custaram tantos sacrifícios.

O MECANISMO DE DEMONIZAÇÃO CONTRA CUBA É REFORÇADO

A máquina dos media do imperialismo norte-americano, na sua terceira geração de guerra contra a Revolução Cubana, propagou-se através dos seus meios de comunicação dominantes (a chamada mainstream), a ideia rebuscada de que o governo cubano violou artigos da nossa Constituição, ao negar a autorização para uma chamada marcha cívica nacional pela mudança. Que mudança?

Tal como aconteceu com a agitação de Julho passado, Washington deu mais uma vez a ordem para atacar. Não esconde a tentativa de impor uma matriz demonizante a Cuba e desacreditar as suas autoridades. O objectivo é legitimar a acção provocadora de mercenários “pacifistas” internos, cegos pelo ódio e pela vingança.

Por exemplo, o canal imperial britânico BBC mostra-o de forma gritante: “Apelando à Constituição, um grupo de activistas tinha pedido ao governo cubano uma autorização sem precedentes para realizar uma marcha de mudança a 15 de Novembro. E apelando à mesma Constituição, o governo cubano negou o direito de protestar”, mas nunca explica que este tipo de estratégia desestabilizadora tenha sido tentada noutros países para incitar golpes, derrubar governos e arruinar povos inteiros, como aconteceu na ex-Jugoslávia, Ucrânia, Venezuela, Bolívia, Líbia, Síria e Nicarágua.

Ao mesmo tempo, a CNN em espanhol ecoa alegadas ameaças aos activistas da oposição cubana, sem mencionar a formação recebida por estes grupos em cursos patrocinados pela fundação argentina de direita Cadal, universidades americanas e think tanks como o Carnegie Endowment for International Peace (dirigido até recentemente pelo actual director da CIA, William J. Burns).

Também não diz que aqueles que apelam à manifestação de Novembro foram formados como líderes de opinião contra-revolucionários pelo tão apregoado Conselho para a Transição Democrática de Cuba, uma plataforma que se articula em termos do golpe anticonstitucional no nosso país, e que reconheceu abertamente receber financiamento do reaccionário National Endowment for Democracy (NED).

Agências como a AFP e a EFE, o jornal de Miami El Nuevo Herald, que nunca se cansam de incitar das suas páginas um surto social que justificaria a tão desejada intervenção militar da Casa Branca, juntam-se de bom grado a estes desígnios imperialistas.

Desavergonhadamente, o império ousou pedir às autoridades cubanas que respeitassem os direitos fundamentais do povo cubano, na sequência da resposta que os organizadores do protesto receberam nas primeiras horas da manhã de terça-feira. Numa súbita perda de memória, ele nada diz sobre as 243 medidas herdadas da era Trump, que apertaram o bloqueio económico e estão a causar tantos danos à família cubana de ambos os lados do Estreito da Florida.

“Exortamos o governo de Havana a respeitar as liberdades e direitos fundamentais do povo cubano”, disse o porta-voz do Departamento de Estado Ned Price numa troca com repórteres, tal como relatado pela famigerada Voz das Américas.

O programa de televisão Con Filo pintava os i’s e atravessava os t’s revelando os verdadeiros objectivos destas novas acções, e revelava os nomes daqueles que davam as ordens da Florida: Orlando Gutiérrez Boronat, Jorge Luis García, seguidores da brigada mercenária fracassada 2506 e outros destes indivíduos exemplares que pedem sem vergonha a intervenção dos Fuzileiros Navais dos EUA em Cuba.

Marcha para o MIAMI.

#CubaNoEsMiami #XCubaYo #LasCallesDeLosRevolucionarios

A carta a Biden, que também não será publicada .

#CubaSoberana #VacunasCubanas #Sanciones #ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #RedesSociales #ManipulacionMediatica

Como no dominó, forro e burla com as listas de prisioneiros!!!!

#RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #CubaNoEsMiami #Covid-19 #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor

Foi assim que foi organizada a quarta geração da operação de guerra contra #Cuba. #NoMasGolpeBlando

#ManipulacionMediatica #RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #NoMasGolpeBlando

Turismo de ódio com todas as despesas pagas a Washington.

#GuerreroCubano #CubaNoEstaSola #MiMoncadaEsHoy #CubaSoberana #ManipulacionMediatica #RedesSociales #MafiaCubanoAmericana

A velha história da #FakeNews contra #Cuba.

#CUBA #EstadosUnidos #RevolucionCubana #FidelCastro #Washington #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #RedesSociales #FakeNewsVsCuba #ManipulacionMediatica #SubversionContraCuba

Por Arthur González

As Falsas Notícias contra Cuba não começaram com a era da Internet, estão activas há 62 anos.

Em 1959, quando a Revolução Cubana liderada por Fidel Castro triunfou, o governo dos EUA iniciou a sua guerra mediática, com o objectivo de desinformar a opinião pública sobre o que estava a acontecer na ilha e demonizar aqueles que tinham derrubado o ditador Fulgencio Batista, apoiado política e militarmente por Washington.

Confrontado com a avalanche de mentiras, o próprio Castro convocou a imprensa nacional e estrangeira acreditada para desmascarar aqueles que tentaram acusar a Revolução, interessados em criar uma imagem distorcida e semear a rejeição da mesma, especialmente na América Latina.

O primeiro Programa de Acção de Cobertura da CIA, aprovado a 17 de Março de 1960 pelo Presidente Dwight Eisenhower, declara:

“Para que a oposição possa ser ouvida e a base de apoio popular a Castro enfraquecida, é necessário desenvolver os meios de informação ao povo cubano, a fim de iniciar uma poderosa ofensiva de propaganda em nome da oposição declarada”.

“Como principal voz da oposição, propõe-se a criação de uma estação de rádio “cinzenta”, controlada pelos Estados Unidos. Estaria provavelmente localizado na Ilha do Cisne e empregaria equipamento de potência substancial, tanto de banda de alta frequência como de rádio de radiodifusão. A preparação dos guiões (librettos) será feita nos Estados Unidos e transmitida electronicamente para o site da emissão”.

O orçamento aprovado para esta propaganda anti-cubana foi de 700.000 usd para operações e programação de rádio, e 500.000 usd para pagar os artigos na imprensa e outras publicações.

A CIA designou os oficiais David Alteé Phillips, como chefe de propaganda, pela sua experiência no golpe de Estado na Guatemala e Howard Hunt, para dirigir as acções políticas, o seu parceiro nesse evento, que viajou para Havana em Maio de 1960 para avaliar a atitude dos cubanos em relação à Revolução e observar os arredores das estações de rádio e televisão, propondo a sua destruição aquando do seu regresso.

A 17 de Maio desse ano, a Rádio Swan, localizada na ilha das Honduras, foi para o ar e, a 24 de Maio, o Director da CIA Allen Dulles informou o Conselho Nacional de Segurança das acções planeadas, incluindo a abertura de várias estações de rádio no Sul da Florida, que também transmitiriam notícias para Cuba, e a subvenção de jornais cubanos no exílio, que seriam vendidos na América Latina com informações anti-Castro.

A Rádio Cuba Independiente, La voz de Cuba libre e Massachusetts-Base Wrul, começaram as transmissões com mensagens contra-revolucionárias, carregadas de mentiras e deturpações, incluindo as que desencadearam, a 26 de Outubro de 1960, a infame Operação Peter Pan, através da Rádio Swan, que dizia:

“Mãe cubana, a próxima lei governamental será tirar-vos os vossos filhos a partir dos 5 anos de idade e devolvê-los aos 18, transformados em monstros do materialismo. Vá à igreja e siga as directrizes do clero”.

Em 28 de Janeiro de 1961, o Presidente John F. Kennedy autorizou a CIA a continuar as suas acções terroristas contra Cuba e a aumentar a propaganda, segundo um relatório do assistente especial McGeorge Bundy.

Nesse sentido, em 12 de Fevereiro, a chamada Voz da América anunciou uma série de programas contra a Revolução Cubana e o primeiro chamava-se A Anatomia de uma Promessa Quebrada, cujo objectivo era fazer os cubanos acreditar que Fidel Castro não estava a cumprir as suas promessas e estava a enganar o povo, desencadeando uma série de falsas notícias.

No mês seguinte, David Alteé Phillips apresentou um novo plano de propaganda para apoiar a invasão militar em preparação contra Cuba, com a ajuda de Howard Hunt, transferido de Miami para Washington. Entre as medidas levadas a cabo, contam-se: Divulgação da formação do Conselho Revolucionário Cubano, responsável por governar uma Cuba livre sem Castro.

As notícias falsas e distorcidas aumentaram no início de Abril, como prelúdio da invasão. A mais notável foi a expressa por Adlai Stevenson, embaixador dos EUA na ONU, sobre o bombardeamento dos aeroportos cubanos no dia 15 desse mês, assegurando que o evento foi levado a cabo por pilotos desertores cubanos da Força Aérea Revolucionária.

A mentira foi desmascarada pelo embaixador cubano Raul Roa, e Stevenson foi desacreditado perante a Assembleia Geral da ONU, uma vez que a CIA não o alertou para a operação.

A Fake News aumentou de tom antes e durante a invasão da Baía dos Porcos, preparada antecipadamente pela CIA para desinformar o povo cubano, incitar à rebelião em apoio aos mercenários e criar confusão entre os cidadãos.

Entre as mensagens falsas transmitidas pela Rádio Swan estavam:

“Alerta, alerta, vigia atentamente o arco-íris. O peixe vai levantar-se muito em breve, o rapaz está em casa. O peixe está vermelho e não vai demorar muito tempo a levantar-se”.

A 17 de Abril, começou o desembarque mercenário em Playa Giron e Playa Larga. Em nome do suposto Conselho Revolucionário, são transmitidas informações falsas, tais como estas:

“Antes do amanhecer, os patriotas cubanos nas cidades e nas montanhas, começaram a luta para libertar a nossa pátria do governo despótico de Fidel Castro e a libertação da opressão cruel do comunismo internacional”.

“A luta é inspirada pela gloriosa tradição de José Martí. O povo cubano levanta-se contra o tirano opressivo”.

“Os patriotas lutam para completar a tarefa de resgatar a Revolução, cinicamente traídos”.

“Os invasores fazem avanços constantes em todas as frentes em toda a Cuba. “O povo une as forças que lutam contra Fidel Castro”. “Raúl Castro é reportado como tendo cometido suicídio”.

“O tremendo exército de soldados patrióticos aguarda agora para dar o golpe vital para a liberdade da amada pátria”.

“A informação recebida indica que muitos milicianos abandonaram o exército de Castro”.

“Povo de Havana, ajuda os corajosos soldados do exército de libertação e realiza sabotagem contra as centrais eléctricas, acende todas as luzes da tua casa e o equipamento eléctrico, para que a procura cresça e as plantas deixem de poder gerar mais”.

Perante a derrota em apenas 62 horas, a rádio Swan transmite:

“Lamentamos ter de admitir perdas trágicas no stock. A maioria do nosso grupo chegará às Montanhas Escambray para continuar a luta”.

O mundo verificou a mentira ianque e o slogan “Pátria ou Morte” ressoou como um símbolo da soberania dos cubanos.

Nada mudou, eles não aprendem com os seus fracassos e continuam com as suas Falsas Notícias.

Foi por isso que José Martí disse:

“As trincheiras de ideias valem mais do que as trincheiras de pedras”.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

#Cuba, #Biden e o idílio .

#Cuba #RedesSociales #ManipulacionMediatica #FakeNewsVsCuba #EstadosUnidos #Sanciones #ElBloqueoEsReal #CubaSalva #EEUUBloquea #Covid-19

Por Redacción Razones de Cuba

Como é habitual na “democracia” liberal, após a contagem dos últimos votos, a campanha eleitoral e o que nela foi dito fica para trás. Embora nos seus comícios e entrevistas Biden tenha prometido relutantemente uma mudança de política em relação a Cuba e o regresso dos avanços de Barack Obama, a verdade é que, em relação a Cuba, o que realmente conta é a situação, os interesses políticos e os cálculos de governabilidade, especialmente no Congresso, ao que se junta a amargura histórica de ambos os partidos pela rebelião da ilha.

Quando as cortinas da era Trump começaram a fechar-se, os obstáculos que a direita mais reaccionária dos Estados Unidos estava a começar a interpor-se para impedir Washington de se virar para Havana já estavam à vista.

Todos nos Estados Unidos estavam cientes da firmeza de Cuba na defesa da sua soberania, e tudo o que restava era fabricar novos pretextos para, pelo menos, atrasar qualquer decisão de Biden relativamente às medidas criminosas de asfixia económica implementadas por Donald Trump contra o povo cubano.

Biden y Cuba

As acções foram concebidas em torno de dois eixos fundamentais: os direitos humanos e o terrorismo, temas profusamente de blockbuster na rede de meios de comunicação social articulados contra a ilha durante mais de 60 anos.

Em Havana, mesmo no meio da devastação causada pelos efeitos do bloqueio e da pandemia da COVID, num contexto também marcado pelos esforços de todo o país das Caraíbas para salvar vidas, não só cubanas mas de todo o mundo, grupos subversivos desenvolveram um espectáculo mediático para afectar a imagem do país e das suas instituições e “mostrar” ao mundo a “intolerância” do governo presidido por Miguel Díaz-Canel.

O esquálido grupo de San Isidro, constituído por elementos criminosos financiados pelo erário público norte-americano, criou as condições para a intervenção das autoridades cubanas, facto que foi demonstrado ao mundo como uma acção de alegada repressão. A verdade é que nem uma única pessoa foi torturada, nem uma única pessoa desapareceu, nem sequer uma delas foi julgada pelas suas acções mercenárias, provocatórias e ilegais.

Esta exposição foi a razão pela qual, através das redes sociais e seguindo os contornos mais básicos dos manuais de golpe suave, se tentou uma “demonstração”, que não foi além de algumas centenas de jovens e não tão jovens, em frente ao Ministério da Cultura de Cuba, “exigindo” mais facilidades para os “artistas”. O que pouco foi dito é que Cuba foi provavelmente o país da região que mais fez pela cultura do seu povo e que entre os promotores dessa segunda encenação anti-governamental e pró-EUA se encontravam funcionários reconhecidos das estruturas norte-americanas dedicadas ao financiamento da subversão na ilha, que chegaram ao ponto de apelar a uma intervenção armada contra o seu próprio povo.

Tudo para dar curso ao guião pré-estabelecido, destinado a alimentar o falso mito da violação dos direitos humanos em Cuba, um país do terceiro mundo onde os direitos fundamentais da população são mais respeitados e venerados.

O segundo eixo da campanha, o terrorismo, veio da mão do principal aliado dos EUA na América Latina: a Colômbia.

Após décadas de esforços de Cuba na busca da paz naquele país sul-americano, esforços reconhecidos pela ONU, União Europeia, Rússia, China e o resto dos países da região, o governo colombiano bateu a porta à ajuda da diplomacia da Índia Ocidental ao exigir a extradição da delegação de paz da guerrilha ELN, destacada em Cuba, sede das negociações, a pedido do governo que antecedeu o actual presidente colombiano, Ivan Duque.

O pedido invulgar e ilegal do presidente colombiano foi um dos argumentos “mais fortes” utilizados por Trump para devolver Cuba à lista de países que supostamente não colaboram na luta contra o terrorismo, o que implica consequências económicas e políticas adicionais para o povo cubano.

Face a estes factos consumados, todos milimetricamente construídos e com o apoio dos meios de comunicação social, a porta-voz da Casa Branca anunciou recentemente que uma mudança na política em relação à ilha não se encontra entre as prioridades da administração Biden.

Sem dúvida, Washington está a observar cuidadosamente a possibilidade de uma explosão social em Cuba no meio das duras limitações económicas e financeiras; e não querem deixar cair esta oportunidade de ver a ilha rebelde e digna. Em suma, Obama decidiu tomar as poucas medidas que tomou em relação a Cuba no último ano do seu segundo mandato, mas sem fazer uma única concessão.

A intenção de “democratizar” Cuba, que nada mais é do que destruir o mais belo e mais humano projecto socialista alternativo jamais construído no mundo, tem sido um anseio dos falcões democratas e republicanos, uma vez que era também um anseio da administração Obama, da qual Biden foi o seu vice-presidente.

Ao mesmo tempo, ouvem-se vozes que, como aconteceu nos anos 90 do século passado, exigem concessões de Cuba para aliviar o bloqueio e as medidas criminosas que dificultam a vida quotidiana dos cubanos, uma posição injusta, uma vez que a ilha é a atacada, a mesma ilha que, como nenhum outro país, estendeu a mão ao mundo durante os momentos mais duros da pandemia da COVID.

A guerra económica dos EUA contra Cuba tem de parar porque é criminosa e anacrónica e porque é eticamente insustentável. Esperemos que Biden, que acaba de autorizar um bombardeamento contra o povo sírio e adopta a mesma política que Trump em relação ao Irão, seja suficientemente honrado para pôr fim a este e outros crimes cometidos por sucessivas administrações do seu país. Entretanto, aqueles que acreditavam no idílio, terão de começar a abrir novamente os olhos e apostar na luta e resistência contra o império.

Extraído de La Pupila Insomne

Cuba-USA: A indignidade de uns poucos não pode ser contra a boa vontade de muitos.

#Cuba #EstadosUnidos #OEA #AmericaLatina #DerechosHumanos #MarcoRubio #BobMenendez #Washington #ElBloqueoEsReal

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Um espectáculo anti-cubano, preparado pela Comissão Interamericana dos Direitos Humanos da OEA, o mesmo que não disse uma palavra sobre os crimes dos golpistas que arrebataram a presidência ganha nas sondagens por Evo Morales na Bolívia, em 2019, e que é cego e surdo a todos os crimes cometidos pela ala direita na América Latina, vem juntar-se às tentativas de rarear e paralisar qualquer aproximação entre Cuba e os EUA.

Protagonistas bem conhecidos do negócio da contra-revolução foram convocados para o evento da OEA, um espectáculo deprimente de mentiras e manipulação que se repete, no meio de um clima que tende a forçar e a arrogância como método nas relações internacionais.

As sondagens, com intenções imparciais, promovem resultados desfavoráveis à aproximação, enquanto o povo cubano de ambos os lados do Estreito da Florida sofre as consequências de uma política incerta e perturbada devido às ambições de alguns políticos norte-americanos que se orgulham de continuar a apresentar-se como cubano-americanos.

cuba eeuu - NODAL

Propagam falácias, introduzem facturas contra Cuba, ameaçam, comprometem, compram consciências e fazem uso de todos os truques herdados dos seus antepassados na ilha, quando governavam os destinos do país como uma república das bananas antes de Janeiro de 1959.

Como culminação das indignidades, Marco Rubio e Bob Menendez apresentaram uma resolução bipartidária que presta homenagem aos mercenários da brigada 2506; algo inaudito se não tivesse vindo de tais personagens.

Ninguém no seu perfeito juízo pensaria em prestar homenagem à derrota. Não foi apenas a capitulação de um exército em combate, foi a indignidade de um grupo de mercenários que, se alguma coisa demonstraram, não foi exactamente coragem; a ignomínia de homens que, ao serviço de uma potência estrangeira, atacaram as suas terras em Abril de 1961; pessoas que, no momento amargo da rendição, fingiam ser cozinheiros e sacristas para tentarem esconder o seu papel de apóstatas disfarçados de soldados.

A sementeira intencional de ódio a que um grupo de políticos da máfia anti-cubana se tem dedicado contrasta com a posição demonstrada pelas cidades, organizações e políticos americanos que procuram uma aproximação entre as duas nações. Recentemente, líderes democratas e republicanos no Sul da Florida exortaram o Presidente Joe Biden a retomar o envio de remessas para Cuba.

Numa carta enviada à Casa Branca, os signatários, incluindo o Presidente da Câmara de Coral Gables Raul Valdes-Fauli, dizem que a questão requer “atenção urgente independentemente das tendências políticas” devido aos danos que causa ao povo cubano.

A soma das indignidades e dos ares de ódio soprados de Washington e Miami não pode extinguir a vontade da maioria dos cubanos e milhões de americanos que desejam uma melhoria nas relações entre Cuba e os EUA.

Desmantelam a “ação secreta” da contra-revolução marcada para esta sexta-feira em #Cuba.

#Cuba #TerrorismoNuncaMas #EstadosUnidos #CubaSeRespeta #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #RevolucionCubana #MediosIndependientes #CodigoPenal #TerrorismoMadeInUSA

Por Redacción Razones de Cuba

Saudações, boa noite. Voltamos hoje para continuar relatando no prazo e com todas as informações necessárias sobre cada uma das alegações subversivas de que temos notícias. É elementar no jornalismo, na comunicação, na própria vida, quando se fala de um assunto tão sério, e com grandes implicações, citar a fonte, o lugar de onde vem a informação. Mas tu, tu podes compreender perfeitamente que nem sempre isso é possível, e menos quando se trata de informações que vêm de dentro, dos próprios organizadores, de alguns protagonistas destas provocações, que em muitas ocasiões, contam, revelam, digamos, e eles falam muito. Está tudo organizado para amanhã, durante o horário comercial.

Quem o organiza? Quem é secretamente convocado?

Yasser Castellanos, um participante da farsa de San Isidro, tomou parte em muitas provocações recentes, Maykel Osorbo, também membro de San Isidro, um provocador frequente que usa linguagem agressiva e obscena nas redes sociais, solicitou publicamente uma invasão a Cuba.

Héctor Luis Valdés, representante de um dos meios de comunicação dependentes pagos dos Estados Unidos, ADN Cuba, participante de muitas provocações e incitamentos através das redes sociais. Niover Alexander Tamayo Formén, conhecido como ABÚ, membro da farsa de San Isidro, desvinculado do trabalho, elemento abertamente contra-revolucionário, essencialmente através das redes sociais, Esteban Rodríguez López também representante da mídia dependente ADN Cuba, associada a San Isidro como a anterior uns, Luis Manuel Otero Alcántara, autoproclamado líder do suposto movimento que vai libertar Cuba, vejam.

Editorial: San Isidro (+ Video) | Cubadebate

Omara Ruiz Urquiola está neste momento nos Estados Unidos, ex-professora, idealizadora de muitas das provocações recentes, essencialmente instigando outros a realizar, por exemplo, esta ação que agora, desde os Estados Unidos, ela coordena secretamente.

Qual é o motivo, o pretexto para a ação de amanhã? Eu vou explicar.

Você se lembra que, há algumas semanas, apareceu no Boulevard de San Rafael, aqui em Havana, um homem carregando uma placa chamando a atenção das pessoas que passavam em um ato franco de provocação?

Quando solicitado pelas autoridades, ele resistiu e uma altercação estourou no meio da rua. Pois bem, este jovem foi detido e encontra-se atualmente em prisão provisória durante o andamento da investigação, uma vez concluída a investigação, o Ministério Público deve, de acordo com a Lei de Processo Penal, instaurar formalmente perante os Tribunais a ação penal correspondente, e os Tribunais julgam em nome do povo cubano, ou absolvem os acusados, levando em conta todas as garantias constitucionais e processuais estabelecidas para os cidadãos.

Falamos com as autoridades do Centro onde se encontra atualmente, contam-nos que se encontra na zona onde colocam os reclusos em prisão provisória, está ali como outros na mesma situação processual, como é popularmente chamado à espera de julgamento.

Porque te explico tudo isto, porque os mencionados acima se organizaram na mais estrita compartimentação, para ir amanhã protestar em solidariedade com esta pessoa.

Como você vai fazer?

Pois bem, chegando aqui, se os integrantes da farsa de San Isidro e outros, pretendem chegar à Plaza de la Revolución amanhã às 10 da manhã e como a guerra se trata de símbolos, para se apropriar, mesmo que sejam poucos, desse espaço simbólico para os cubanos e sua revolução. Aproxime-se dos arredores do Ministério do Interior, localize o centro da Praça, chame a atenção e, claro, provoque uma resposta das autoridades, das forças de ordem que protegem o local e então o show estaria pronto, com ao vivo transmissão através das redes sociais é claro e com a cobertura imediata dos meios de comunicação dependentes, na verdade vários dos participantes são seus representantes.

Quando fazemos uma denúncia de ações provocativas anteriores, ou de seus preparativos, muitas pessoas nos perguntam se esses fatos constituiriam um crime ou não.

Dissemos e hoje ratifico que o papel dos meios de comunicação continuará a ser o de acompanhar o povo na luta pela defesa da sua Revolução, informar e fazê-lo com rapidez e oportunidade, investigar, acusar, julgar ou absolver, corresponderá aos órgãos constitucionalmente constituídos em Cuba para esses fins.

Mas já que nosso papel é informar, não posso deixar de dizê-lo, vamos ao Código Penal vigente em Cuba, se amanhã se consuma a ação secreta caberá a todos atuar em tempo hábil e dentro do estabelecido marcos legais.

Não se trata de uma ação isolada, protestos desse tipo também estão concebidos nos manuais das Forças Armadas dos Estados Unidos e pretendem segui-los como aquele guia preciso, que imaginam frutificará em Cuba. O que você acha? Eu estarei de volta em breve. Boa noite.