11 de Julho e as zonas vermelhas da realidade .

#Cuba #Periodismo #RevolucionCubana #ManipulacionPolitica

Por Redacción Razones de Cuba

O 11 de Julho fez-nos sair das zonas vermelhas da crise sanitária da COVID-19 e entrar nas zonas vermelhas da realidade. Os acontecimentos inesperados dessa data colocaram a sociedade cubana, como nunca antes, perante o dilema da “crise total” em que a pandemia está a sujeitar a nossa civilização.

Um dos mais notáveis colunistas do nosso jornalismo, José Alejandro Rodríguez, alertou para este facto numa recente reunião com o Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez. Fê-lo com a alma endurecida de alguém que dirige uma secção de leitores no diário Juventud Rebelde há mais de 20 anos, contra a maré de reviravoltas sociais, burocracia, negligência e outros fardos.

O que José Alejandro não teve tempo para narrar, em mais de quatro horas de uma reunião tão profunda como estava comprometido com o destino de Cuba, foram os tempos em que os burocratas habilitados tentavam silenciar ou mediatizar o seu Reconhecimento de Recepção. Os tempos em que, por revelarem injustiças ou marginalização entristecedora, ao contrário do sentido da Revolução, tentavam cortar ou subjugar esta prestigiosa coluna.

A importância do facto de o espaço ter sobrevivido a numerosos “golpes suaves” e outros nem tanto, em benefício do cumprimento da responsabilidade social dos media no socialismo, foi reconhecida pelo próprio Presidente da República nesse diálogo, quando comentou que usava o que ali estava exposto para o exercício do seu governo, que só pagava manipuladores e mercenários ignorariam que ele está a tentar responder ao bater do coração do povo.

E esta convergência entre a missão do jornalismo e os interesses de um Estado e de um executivo em Revolução lembra-nos que o primeiro só atingirá o seu verdadeiro significado e cumprirá a sua responsabilidade se funcionar como contrapeso e equilíbrio na sociedade, algo que não é suficientemente compreendido em todos os modelos conhecidos de socialismo, incluindo o nosso na rectificação.

Qual seria a utilidade social, ou para a irreversibilidade do projecto cubano de independência nacional e justiça social, de um modelo de jornalismo apologético ou triunfalista, alienado dos dilemas do cidadão comum ou de deformações de vários tipos, para o qual foram dirigidas as críticas dos últimos congressos do Partido Comunista de Cuba?

Reconheçamos que o derrotismo que o mecanismo de ódio e deturpação desencadeado contra Cuba tenta semear, com o seu permanente bombardeamento de desânimo, numa guerra que não tem limites éticos ou humanos, pode ser tão destrutivo como o triunfalismo ou a vanglória excessiva que altera a interpretação da realidade.

Daí a necessidade inevitável de superar o modelo de “jornalismo de Estado”, de elevada dependência institucional que a Revolução foi forçada a erguer em circunstâncias históricas muito específicas – excelentemente descrito pelo falecido Julio García Luis, vencedor do Prémio Nacional de Jornalismo no seu texto Jornalismo, Socialismo, Jornalismo: A imprensa cubana e os jornalistas no século XXI – pelo que conceptualmente chamou um modelo de auto-regulação responsável dos meios de comunicação social.

Como Díaz-Canel correctamente salientou na reunião, não se trata agora de ter vergonha do modelo jornalístico que permitiu à Revolução construir o grande consenso social num país sujeito a assédio e agressão permanentes desde 1959, face a um modelo de comunicação global profundamente injusto e assimétrico, perfidamente articulado e concebido para os interesses das elites económicas e políticas.

Seria tão absurdo rotular o modelo de imprensa revolucionário cubano de fracasso como seria irresponsável persistir na sua inalterável permanência. A este respeito, Julio García Luis demonstrou suficientemente que a resolução dos problemas do jornalismo não é suficiente para resolver os défices do nosso socialismo, mas sem o fazer seria impossível fazer este último.

É necessário compreender que estes consensos, assim como a hegemonia dos ideais revolucionários que levaram a Revolução até agora vitoriosa, não são construídos da mesma forma no século XXI. Isto é muito mais complexo numa sociedade em transformações radicais, com pesadas dívidas sociais acumuladas apesar do seu imenso trabalho de justiça, e sujeita à asfixia de um bloqueio imperial levado ao paroxismo.

Daí a necessidade inescapável, como declarou Ariel Terrero Escalante, vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas Cubanos (UPEC), no diálogo, de promover novas formas de comunicação política e mediática. Isto exige que se evite qualquer tipo de confusão entre os dois, numa era de expansão acelerada da Internet e a perda de hegemonia dos sistemas tradicionais face à expansão das redes sociais e à profunda segmentação dos públicos.

Um padrão actualizado de jornalismo exige um novo tipo de relação entre o sistema de instituições públicas e o sistema de meios de comunicação social, que visa tornar os meios de comunicação social parte dos mecanismos de controlo social, como o próprio Díaz-Canel reconhece.

A concretização do acima referido, incluindo formas modernas e transparentes de comunicação institucional, impede o que Rosa Miriam Elizalde, primeira vice-presidente da UPEC, chamou o choque telúrico de 11 de Julho, favorecido por problemas de gestão da comunicação num cenário clássico de guerra não convencional e o uso avassalador da ciência e da tecnologia.

Muitas das chaves da transformação emergiram de outras reflexões na reunião. Tanto Edda Diz Garcés, director da Agência Cubana de Notícias, como Armando Franco Senén, chefe da revista Alma Máter, destacaram o valor essencial do tempo no exercício jornalístico de hoje, a combinação de racionalidade e emoção, bem como os danos do silêncio, a falta de transparência institucional e mesmo os tons da comunicação. O director da Alma Máter insistiu na singularidade e urgência de um tipo de jornalismo feito para os jovens.

Os jovens colegas Lirians Gordillo e Cristina Escobar, da Editorial de la Mujer e do Sistema Informativo de la Televisión Cubana, respectivamente, sublinharam a franqueza do diálogo com aqueles que pensam de forma diferente, com aqueles que discordam da acomodação de ideias e não são, portanto, antagónicos, bem como o valor da controvérsia e da crítica. E tudo isto com um discurso renovado, moderno, cientificamente apoiado, muito longe do propagandismo ostensivo.

Enquanto os Estados Unidos e a direita mundial querem vender-nos a panaceia idílica do jornalismo privado, ao serviço dos poderosos e dos ricos, e pagam muito bem para estabelecer um sistema paralelo deste tipo em Cuba, não devemos deixar de insistir no contrário, um sistema nunca erguido até hoje, parte dos mecanismos de uma democracia verdadeiramente popular.

Para que o discurso revolucionário dos meios de comunicação social seja legitimado face à pluralidade de audiências e interesses actuais, deve estar especialmente ligado à realidade. Não pode ser alienado ou mudo perante as complexas geografias sociais que decidem a verdadeira plenitude da justiça no socialismo.

Um Instituto para uma comunicação socialista autêntica
O Instituto de Informação e Comunicação Social, cuja criação foi anunciada no jornal oficial na terça-feira, está em construção há vários anos e deverá contribuir para resolver os problemas estruturais da imprensa e da comunicação na sociedade cubana.

Espera-se que a instituição ofereça coerência ao cumprimento da Política de Comunicação do Estado e do Governo aprovada em 2018, a primeira do seu género após o triunfo da Revolução. Esta política reconhece a informação como um bem público e um direito do cidadão.

Embora com uma visão e missão muito mais abrangente e integradora, a emergência do Instituto deverá facilitar o progresso para novos modelos de imprensa e comunicação pública, uma necessidade acentuada pela rápida imersão de Cuba na chamada era de convergência e no cenário de guerra híbrida que o país enfrenta.

Em frente, com vista a resolver estes problemas estruturais, está a aprovação de um instrumento jurídico, já incluído no calendário parlamentar, que daria garantias para os direitos à liberdade de imprensa e à liberdade de expressão consagrados na nova Constituição.

No seu encontro com jornalistas, o Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, reiterou uma vontade política que já tinha sido salientada muitas vezes: compreender a gestão da comunicação como algo vital e, portanto, revolucionar a sua gestão. Salientou que é por isso que a comunicação é um dos três principais pilares do país, juntamente com a informatização, a ciência e a inovação.

Extraído de Juventud Rebelde

Entra em vigor legislação contra a divulgação de falsas notícias em Cuba.

#EstadosUnidos #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #RedesSociales #MercenariosYDelincuentes #ElBloqueoEsReal

Cuba face ao ódio e às falsas notícias .

#MercenariosYDelincuentes #ManipulacionMediatica #RedesSociales #CIA #EEUUBloquea #CubaSalva #TenemosMemoria #PatriaOMuerte #CubaSoberana

A política dos E.U.A. permanece inalterada.

#Cuba #EstadosUnidos #PoliticaExterior #CIA #NED #SubversionContraCuba #LeyHelmsBurton #ElBloqueoEsReal

Por Arthur González

Quando o Presidente Eisenhower e o Director da CIA Allen Dulles disseram ao Conselho de Segurança Nacional em 1958 que a vitória de Castro tinha de ser impedida, decretaram qual seria a política dos EUA em relação à Revolução Cubana e o seu esforço permanente para a derrubar, quer um democrata ou um republicano estivesse na Casa Branca.

A vida demonstrou-o durante 62 anos, embora o Presidente Barack Obama tenha ouvido as recomendações do Conselho das Relações Exteriores e da Brookings Institution, para modificar as tácticas de desmantelamento do socialismo, com quatro linhas de trabalho:

Promover uma relação de trabalho construtiva com o governo cubano para construir confiança e resolver disputas, com o objectivo a longo prazo de promover uma melhor relação que sirva os interesses e valores dos EUA.
Facilitar o contacto e o fluxo de informação entre os governos dos EUA e de Cuba para melhorar as respostas dos EUA aos desenvolvimentos internos na ilha que terão um impacto directo no bem-estar do povo cubano e nos interesses dos Estados Unidos.
Apoiar o bem-estar do povo cubano e da sociedade civil, promovendo o contacto directo entre os cidadãos dos dois países, bem como os alicerces da actividade económica de base.
Apoiar activistas dos direitos humanos, jornalistas independentes, e o desenvolvimento da sociedade civil cubana e da democracia de base.
Envolver Cuba num processo de reengagement em organizações multilaterais e regionais, através de iniciativas multilaterais, se cumprir os critérios de reengagement ou de adesão.

Nenhuma destas linhas de trabalho atingiu os seus objectivos, embora tenham feito progressos na transferência de símbolos e valores da sua cultura entre os cubanos.

Donald Trump impôs mais sanções e aumentou a guerra económica como seu trunfo principal, mas terminou o seu mandato sem ver o processo revolucionário cair, porque não compreendem as raízes históricas de independência e soberania de Cuba.

O triunfo de Joe Biden, que foi vice-presidente de Obama, deu a muitas pessoas a ilusão de que ele voltaria à fase do “bom vizinho”, mas a realidade mostra que ele não tem interesse e as pressões de continuar o cerco económico poderiam ser mais eficazes para as velhas aspirações ianques de fazer fracassar o modelo socialista cubano.

Até ao momento, não há sinais de melhoria, nem há qualquer indicação de reabertura do consulado em Havana, uma medida que ajudaria milhares de cubanos que têm familiares nos Estados Unidos, especialmente os 22.000 casos do Programa Cubano de Liberdade Condicional para a Reunificação Familiar, que o Serviço de Imigração (USCIS) tem pendente, desde Trump e a CIA inventaram o romance dos “ataques” acústicos, aos quais se acrescentam 78.228 casos de imigração de famílias cubanas, à espera de uma decisão do Centro Nacional de Vistos, segundo informações do Departamento de Estado, no seu relatório até Novembro de 2020.

Outro elemento que apoia a imobilidade da política em relação a Cuba, foi a posição tomada em 14 de Março de 2021 por Julie Chung, secretária adjunta interina do Gabinete para os Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado, que apelou à libertação do cubano Luis Robles, protagonista de uma provocação numa rua de Havana.

Um exemplo da interferência nos assuntos internos de Cuba, que ratifica aqueles que pagam e dirigem estas acções contra-revolucionárias, foram as palavras deste funcionário: “A liberdade de expressão é um direito humano e ninguém deve ser encarcerado por exibir um cartaz”.

Esta secretária adjunta realizou também uma reunião com os membros do grupo Orishas, autores de uma canção contra a soberania de Cuba, onde descreveu como “corajosos e defensores dos direitos humanos”, os funcionários do grupo de San Isidro, juntamente com as felicitações que enviou às “Mulheres de Branco” pelo Dia Internacional da Mulher; por outras palavras, toda uma cadeia de acções que predizem a invariabilidade da hostilidade ianque em relação a Havana.

Por outro lado, deve ser tido em conta que Antony Blinken, o novo Secretário de Estado, afirmou recentemente: “A política para Cuba não é uma prioridade do novo governo”.

Nesta luta política há aqueles que desejam regressar ao jogo de cenoura de Obama e aqueles que pretendem consolidar o pau utilizado por Trump, entre estes últimos encontram-se os senadores do grupo mafioso anti-Cubano Marco Rubio, Ted Cruz e Rick Scott, que apresentaram nos últimos dias um projecto de lei chamado “FORCE Act”, para impedir Joe Biden, ou o Secretário de Estado de retirar Cuba da lista de países que patrocinam o terrorismo, se este não cumprir primeiro os requisitos estabelecidos na Lei Helms-Burton.

Nessa linha de opositores estão o Senador Robert Menendez e a nova representante para a Florida, Maria Elvira Salazar.

Um elemento que marca a luta política contra a melhoria das relações, foi a nomeação da Embaixadora Pamela Spratlen, como Conselheira Sénior do Grupo de Trabalho sobre Resposta a Incidentes de Saúde, relativamente aos ruídos inventados e “afecções” aos diplomatas que trabalham na Embaixada dos Estados Unidos em Cuba, situação que reavivará o plano concebido pela CIA, sob a então direcção de Mike Pompeo, onde as autoridades da ilha são acusadas de serem responsáveis pelo facto, e assim manter a questão viva entre a opinião pública ianque, que veria a ilha como um lugar perigoso para a sua saúde.

Até agora nada mudou e Cuba irá mais uma vez demonstrar a resistência e unidade que a tornam vitoriosa, porque, como disse José Martí:

“Saber sacrificar é o preço de um sucesso duradouro”.

María Elvira Salazar: “eu, o pior de todos”.

#MafiaCubanoAmericana #EstadosUnidos #InjerenciaDeEEUU #Cuba #ElBloqueoEsReal #PoliticaExterior #SubversionContraCuba #CubaNoEsMiami

Por Raúl Antonio Capote

O lobby anti-cubano nos Estados Unidos tem um novo concorrente na sua corrida frenética para fazer mérito perante o poder imperial, e assim subir posições na política norte-americana. É a congressista recentemente eleita María Elvira Salazar, que ocupa a 27ª sede distrital em Miami.

Ela correu “para impedir o socialismo de se estabelecer e arruinar os Estados Unidos”, declarou ela na sua campanha, algo verdadeiramente absurdo, mas que faz parte do discurso da ultra-direita dos EUA.

Juntamente com Carlos Giménez, Nicole Malliotakis, Albio Sires, Mario Díaz-Balart, Alex Mooney, Anthony González e os senadores Marco Rubio, Ted Cruz e Bob Menéndez, a congressista faz parte do grupo de dez cubano-americanos no Congresso dos Estados Unidos.

Recentemente chegou, começou o seu trabalho com uma lei, co-patrocinada por outros políticos de ascendência cubana, que procura impedir uma normalização das relações entre os Estados Unidos e Cuba.

A proposta procura impedir a administração democrática de Joe Biden de retirar Cuba da espúria lista de países que promovem e financiam o terrorismo, da qual tinha sido excluída pelo então Presidente Barack Obama em 2015.

María Elvira Salazar, com uma longa trajectória anti-cubana, participou durante muitos anos, desde os meios de comunicação social, em todas as campanhas contra a ilha.

Um simples olhar sobre os seus perfis nas redes sociais permite-nos apreciar o seu “activismo”. Os seus tweets abundam com pedidos de mais bloqueio contra Cuba, para o encerramento total das viagens, para impedir a chegada de remessas familiares, etc.

Recentemente apoiou a chamada caravana anticomunista realizada em Miami, e descreveu como “ignorante” um grupo de democratas que defende o levantamento das sanções contra o povo cubano.

A 2 de Fevereiro, lançou, através do Twitter, a calúnia que culpa as autoridades cubanas pelo envenenamento de animais de estimação, dando início a uma campanha de descrédito, mais uma das muitas em que participou num papel de liderança.

O funcionário americano, que é também membro do Comité de Relações Exteriores do Congresso dos EUA, está determinado a desafiar Marco Rubio, Ted Cruz, Bob Menendez e, claro, a “eminência cinzenta” Claver-Carone, presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), pela posição de “o pior de todos os políticos de origem cubana”, posição pela qual Rubio e Ted Cruz estão actualmente a lutar.

É uma competição para ver quem pode vencer o mal proposto pelo outro, quem tem a pior ideia, aquele que pode fazer mais estragos. Não porque dominem ou tenham influência real na política dos EUA em relação a Cuba, já que é evidente que não a desenham, mas sabem que o mestre que lhes paga vigia, aprecia e recompensa os seus esforços.

O jornal gambiano dedica página inteira à #VacinaCubana #Sovereign 02 e à #Política hostil dos #EUA .

#Cuba #SaludMundial #Covid-19 #Vacunas #CienciaEnCuba #EstadosUnidos #Sanciones #DonaldTrumpCulpable #ElBloqueoEsReal #JoeBiden #Africa

Retirado do Cubadebate .

O jornal Gambian Daily News dedicou uma página inteira da sua edição impressa ao início em Cuba da fase III dos ensaios clínicos do candidato à vacina Soberana 02 contra a COVID-19, e à política hostil que os Estados Unidos mantêm em relação à maior das Antilhas.

Uma reportagem no jornal diário dessa nação da África Ocidental salienta que a vacinação na sua fase final de testes do projecto Soberana 02 começou em oito municípios de Havana, a capital da ilha das Caraíbas, e será alargada a outras localidades no futuro.

Acrescenta que os ensaios deste projecto de droga, um dos cinco actualmente em desenvolvimento em Cuba para combater o novo coronavírus, estão a ser realizados em estrita conformidade com as normas de segurança concebidas para o mesmo.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é daily_news-pagina_completa-580x1009.jpg

O Daily News também publica na mesma página 4, um extenso artigo intitulado: “Quanto tempo durará o fantasma de Trump? no qual se sublinha que, apesar da mudança de governo nos EUA, o mesmo comportamento hostil para com a nação antilhana ainda prevalece na Casa Branca.

A nota jornalística assinala que após quase dois meses na Sala Oval, o Presidente Joe Biden não mudou a postura agressiva do seu antecessor, Donald Trump, contra Cuba, apesar do facto de o actual presidente ter prometido fazê-lo durante a sua campanha eleitoral.

Acrescenta que persistem medidas coercivas drásticas derivadas da inclusão da ilha das Caraíbas na lista ilegal de nações patrocinadoras do terrorismo de Washington e outras 240 aplicadas pelo regime Trump, causando grandes danos aos cubanos, e prejudicando também os cidadãos norte-americanos.

O artigo explica que as numerosas sanções impostas pelo impudente antecessor de Biden, como parte do bloqueio contra Cuba, são tão abrangentes que interferem nas relações do reitor Antilleano com países terceiros, e nas transacções comerciais e financeiras com empresas e bancos internacionais.

O texto recorda que mais de 80 congressistas democratas pediram ao agora inquilino da Casa Branca para inverter a política de Washington em relação a Havana, enquanto centenas de cubanos que vivem nos EUA e milhões de pessoas em todos os cantos do mundo estão a exigir e à espera da mesma determinação.

Discurso del Canciller de Cuba en XXI Reunião do Conselho Político do ALBA-TCP.

#Cuba #NuestraAmérica #ALBA_TCP #CubaSalva #EEUUBloquea #DonaldTrumpCulpable #Sanciones #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #Venezuela #InjerenciaDeEEUU #BloqueoNoSolidaridaSi #TerrorismoMadeInUSA #Covid-19 #SaludMundial

Análise de #Cuba: #JoeBiden conseguirá fechar a Base Naval de Guantánamo?

#Cuba #EstadosUnidos #IlegalBaseDeGuantanamo #ONU #JoeBiden #EnmiendaPlatt #PoliticaExterior #InjerenciaDeEEUU

Guerreiro Cubano: O morto que está partindo está puxando as pessoas, até Ferrer está no jamo.

#GuerreroCubano #TodosSomosGuerrero #Cuba #EstradosUnidos #DonaldTrumpCulpable #ForaTrump #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #CubaNoEsMiami #MercenariosYDelincuentes #LeyHelmsBurton #ElBloqueoEsReal #BloqueoNoSolidaridadSi #PuentesDeAmor #Covid-19 #CubaSalva #EEUUBloquea #MedicosCubanos #Economia

A Agência Cubana de Rap repudia a manipulação política grosseira e o desprezo por um agente de ordem pública.

#CubaNoEsMiami #FakeNewsVSCuba #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #AquiNoSeRindeNadie #ProhibidoOlvidar #YoSigoAMiPresidente #SomosContinuidad #TenemosMemoria

Por: Razones de Cuba

Há vários dias, em consequência de uma ação de desacato contra um agente da ordem pública, o cidadão cubano Denis Solís foi condenado a oito meses de privação de liberdade. Este fato tem sido ampliado por um grupo de notórios contra-revolucionários, que alegam abusos físicos e censura a um jovem artista, sem dar a menor evidência dos supostos maus tratos policiais ou do trabalho criativo de Solís.

No entanto, houve uma declaração pública de Michael Kozak, subsecretário em exercício do Escritório de Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado dos Estados Unidos, que foi imediatamente secundada pelo senador republicano pela Flórida, Marco Rubio e replicada por a máquina de mídia contra-revolucionária e sua comitiva nas redes sociais.

Por sua vez, Mara Tekach, conhecida por suas ações subversivas de seu cargo anterior na embaixada dos Estados Unidos em Havana, também se solidarizou com a “artista cubana”, agora em sua função de coordenadora do Escritório de Assuntos Cubanos do Departamento de Estado dos Estados Unidos.

Em outras palavras, a provocação de um suposto rapper cubano atrai imediatamente a atenção de altos funcionários do Departamento de Estado do país que bloqueia e assedia Cuba há mais de 60 anos e ganha manchetes na mesma imprensa que não para de ofender nossos artistas e ecoam todas as mentiras que circulam sobre Cuba e seu povo.

Diante de tais evidências de manipulação política grosseira, a Agência Rap cubana repudia essa manobra, que é claramente uma ingerência, e deixa claro que o cidadão Denis Solís não é representativo do rap cubano. A voz de um iniciante sem obra consolidada não pode ser invocada como representante do nosso hip hop, muito menos quando se sabe que os interesses que defende fazem parte do plano subversivo orquestrado contra a Revolução Cubana e infringem as essências anti-hegemônicas e de resistência cultural que caracterizam ao mais autêntico desse movimento .