“Obsoleto! Bukele é crítico em relação à OEA e também em relação à ONU!

#Bukele #OEA #ONU #Política #AmericaUnida

A ONU nomeia o novo Alto Comissário para os Direitos Humanos.

#ONU #DerechosHumanos

teleSUR

A Volker Türk austríaca tinha sido nomeada por Guterres para substituir Michele Bachelet como chefe do gabinete dos direitos humanos.

O Secretário-Geral da ONU António Guterres na quinta-feira nomeou o Austríaco Volker Türk como novo Comissário da ONU para os Direitos Humanos, após aprovação formal pela Assembleia Geral.

Volker Türk trabalhou no Gabinete do Alto Comissário para os Refugiados ao lado de António Guterres. | Foto: @UN_HRC

A diplomata austríaca tinha sido nomeada por Guterres para substituir a chilena Michele Bachelet, que se demitiu para renovar o seu mandato a 1 de Setembro.

Volker Türk trabalhou no Gabinete do Alto Comissário para os Refugiados ao lado de António Guterres, e também representou o Gabinete na Malásia, Bósnia e Herzegovina, Congo e Kuwait.

De 2015 até 2019 ocupou o cargo de Assistente do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Esteve activamente envolvido no desenvolvimento do Global Compact for Refugees, que se centra na protecção dos requerentes de asilo.

Alguns jornalistas expressaram reservas sobre o peso da Türk em comparação com o de Michele Bachelet, mas o porta-voz da ONU Stéphane Dujarric defendeu os antecedentes do diplomata austríaco em matéria de direitos humanos.

Angola e Barbados estabelecem relações diplomáticas.

#Angola #Barbados #EstadosUnidos #ONU #RelacionesDiplomáticas

Jornal de Angola

Angola e Barbados estabeleceram, quarta-feira, relações diplomáticas, com a assinatura do instrumento jurídico, em Nova Iorque, Estados Unidos da América. A cerimónia decorreu nas instalações da Missão Permanente de Barbados.

Embaixadores de Angola e de Barbdos junto das Nações Unidas assinaram o acordo © Fotografia por: Cedida

Foram signatários do acordo a representante permanente de Angola junto da Organização das Nações Unidas, sediada em Nova Iorque, a embaixadora Maria de Jesus Ferreira, e o homólogo de Barbados, François Jackman, em representação dos respectivos governos.

Maria Ferreira, citada num comunicado da Missão Permanente de Angola junto da ONU, afirmou que o acto representa o compromisso dos dois Governos de  trabalharem para o desenvolvimento das relações de amizade e de cooperação.

Enalteceu a decisão do Governo de Barbados ao isentar vistos de entrada naquele país caribenho em todos os passaportes angolanos, facto ocorrido a 28 de Julho deste ano.

Enquanto isso, o embaixador François Jackman manifestou-se satisfeito com o “importante passo” no estabelecimento das relações diplomáticas, que “marcam o início de uma cooperação mutuamente vantajosa”.

Angola na Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente na Suécia.

#Angola #NaçõesUnidas #MCTA #Política

Jornal de Angola.

Angola participa de 1 a 3 de Junho na Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente, Stockholm+50: “Um Planeta Saudável para a Prosperidade da Responsabilidade Total, Nossa Oportunidade”, a realizar-se em Estocolmo (Suécia), durante a Semana do Dia Mundial do Ambiente, com uma delegação chefiada pela Ministra do Estado para o Sector Social, Carolina Cerqueira.

© Fotografia por: DR | Arquivo

A delegação angolana integra também o ministro da Cultura, Turismo e Ambiente (MCTA), Filipe Zau, governadora da Província de Luanda, Ana Paula de Carvalho, vice-governadora do Zaire, Ângela Diogo, e a secretaria de Estado para o Ambiente do MCTA, Paula Coelho.

Segundo um comunicado e imprensa do MCTA enviado ao Jornal de Angola, está conferência sobre o Ambiente, terá lugar 50 décadas, depois da realização da conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, em 1972.

O evento proporcionará os lideres mundiais a oportunidade de concertar uma acção ambiental multilateral, para garantir um futuro melhor e um planeta mais saudável, organizada pelas Nações Unidas, com o apoio do Governo do Quénia.

O Objectivo da conferência é o Desenvolvimento Sustentável em Angola, um apelo global à acção para acabar com a pobreza, proteger o meio ambiente e o clima e garantir que as pessoas, em todos os lugares, possam desfrutar de paz e de prosperidade.

Representante do Governo de Cuba Pedro Luis Pedroso C.

#ONU #InjerenciaDeEEUU #Cuba #Sanciones #Rusia

Será que esta Assembleia poderá alguma vez aprovar uma resolução que suspenda a adesão dos EUA ao Conselho dos Direitos Humanos, para dar apenas um exemplo?
Todos sabemos que isto não aconteceu e não vai acontecer, apesar das suas flagrantes e maciças violações dos direitos humanos.

Cuba rejeita a expulsão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

#ONU #Cuba #InjerenciaDeEEUU #ManipulaciónMediática #Sanciones #Rusia

teleSUR

O Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano Bruno Rodríguez Parrilla rejeitou na quinta-feira a expulsão da Rússia do Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas.

“A suspensão da adesão da Rússia ao Conselho dos Direitos Humanos não favorece de forma alguma uma solução pacífica, negociada e duradoura para o conflito na Ucrânia. Hoje é a Rússia, amanhã poderá ser qualquer uma das nossas nações do Sul a não ceder a interesses de domínio e a defender a sua independência”, reflectiu o ministro dos Negócios Estrangeiros na sua conta no Twitter.

Rodríguez Parrilla recordou também que os Estados Unidos têm mantido o bloqueio económico e financeiro no arquipélago das Antilhas durante mais de 60 anos, “uma violação prolongada, flagrante, maciça e sistemática dos direitos humanos de todo um povo”, mas que gozou de impunidade na ONU.

Por seu lado, o representante cubano junto da ONU, Pedro Luis Pedroso, alertou para os perigos impostos pela utilização do mecanismo de suspensão contra Moscovo.

Pedroso recordou também as constantes violações por parte dos Estados Unidos e de vários dos seus aliados, que têm sido constantes, evidentes e custaram a vida de milhares de civis em todo o mundo.

A Venezuela reiterou a sua rejeição da resolução
Caracas também rejeitou a resolução de expulsão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

“Como membro fundador das Nações Unidas, a República Bolivariana da Venezuela reitera o seu compromisso com os princípios e mandato da sua Carta Fundadora, e rejeita a decisão de suspender a Rússia do Conselho de Direitos Humanos da ONU”, disse o Ministro dos Negócios Estrangeiros da nação latino-americana, Felix Plasencia.

A Assembleia Geral da ONU votou na quinta-feira para suspender a Rússia do Conselho de Direitos Humanos, a pretexto das acusações de Kiev de que Moscovo é responsável por um alegado massacre de civis na cidade de Bucha, que a Rússia tem negado repetidamente.

A resolução, que recebeu 93 votos a favor, 24 contra e 58 abstenções, foi rejeitada por nações como a Bolívia, Cuba, Nicarágua, China, Argélia, Etiópia, entre outras.

Começou a reunião entre ministros russo e ucraniano na Turquia.

#NegociacionesAFavorDeLaPaz #Rusia #Turquia #Ucrania

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmitro Kuleba, e da Rússia, Sergey Lavrov, iniciaram hoje na Turquia a primeira reunião entre ambos desde o início da invasão russa, há duas semanas, para negociar uma solução para o conflito.

Os dois governantes chegaram na quarta-feira à noite ao resort de Belek, na província de Antália, e o anfitrião da reunião, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Turquia, Mevlüt Çavusoglu, encontrou-se com a delegação ucraniana e, depois, com a russa, segundo confirmou na sua conta no Twitter.

A reunião começou pouco depois das 11:00 locais (08:00 em Lisboa), em formato tripartido, segundo a transmissão da rede turca NTV.

Responsáveis de Kiev e Moscovo já se reuniram em outras ocasiões, mas esta é a primeira vez que a Rússia envia um ministro para as conversações sobre a crise.

As conversações entre Kiev e Moscovo resultaram até agora em cessar-fogos e na abertura de corredores humanitários para retirar civis de cidades sitiadas, mas a Rússia tem sido acusada de violar os acordos.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou pelo menos 516 mortos e mais de 900 feridos entre a população civil e provocou a fuga de mais de 2,1 milhões de pessoas para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

Fonte: NM

Ota Ola quer Gu3rr4 Onde estava a ONU durante as intervenções militares U$A?

#ONU #ManipulaciónMediática #MafiaCubanoAmericana

Cuba adverte na ONU sobre o peso das medidas coercivas dos EUA.

#Cuba #InjerenciaDeEEUU #ONU #ElBloqueoEsReal #EliminaElBloqueo #PorLaFamiliaCubana

Extraído do site do ICAP.

Nações Unidas, 16 Fev Embora a administração de Joe Biden tenha ordenado uma revisão do impacto das medidas coercivas unilaterais na luta contra a pandemia, o governo dos EUA continua a manter inalteradas as sanções contra Cuba.

Isto de acordo com um comunicado de imprensa emitido pela missão da ilha às Nações Unidas, que explica como o país das Caraíbas foi excluído do exercício de revisão de Washington.

A declaração especifica que, ao contrário de outros países, nenhuma modificação foi anunciada às medidas em vigor em relação à ilha, ignorando assim os danos causados pelo bloqueio, particularmente reforçados pelos efeitos da crise sanitária.

“O bloqueio americano, juntamente com a crise multidimensional causada pelo Covid-19, levou o Estado cubano a enfrentar enormes obstáculos na obtenção dos recursos básicos essenciais para garantir o funcionamento do sistema nacional de saúde”, afirma o texto.

Apenas em reagentes, equipamento médico, meios de protecção, consumíveis e medicamentos, o maior das Antilhas investiu em 2020 cerca de 102 milhões de dólares não previstos no plano económico, diz o comunicado.

Na primeira metade de 2021, este investimento ascendeu a 82 milhões de dólares, entre obstáculos ao acesso aos fornecedores, obstáculos às operações bancárias, preços elevados e outros inconvenientes resultantes do bloqueio dos EUA, acrescenta o texto.

Além disso, continua, estima-se que no total, desde o início da pandemia até meados de 2021, Cuba investiu cerca de 184 milhões de dólares a mais do que o previsto no plano do ano para combater a Covid-19.

Juntamente com as múltiplas restrições do bloqueio dos EUA, a ilha enfrenta o efeito intimidante da perseguição das suas transacções financeiras no estrangeiro, a missão denuncia, o que gera despesas adicionais significativas, múltiplas faltas e carências no sistema nacional de saúde.

Por exemplo, de acordo com o comunicado, em Março de 2021 as negociações para o envio de um contentor de seringas descartáveis para Cuba foram interrompidas, uma vez que o banco britânico HSBC informou o fornecedor de que não podia efectuar transacções de pagamento destinadas à ilha.

Em Junho de 2021, acrescenta, a multinacional Merck, com sede na Alemanha, cancelou vários contratos com entidades cubanas, o que afectou a entrada de matérias-primas essenciais para a produção de medicamentos e o trabalho dos laboratórios envolvidos na produção de imunizantes contra a Covid-19.

Para o Finlay Vaccine Institute, produtor dos imunogénicos cubanos Soberana 02 e Soberana Plus, a impossibilidade de aceder a recursos com mais de 10% de componentes norte-americanos tem gerado dificuldades em cerca de 32 operações.

Face a esta situação, salienta a missão cubana junto das Nações Unidas, Cuba tem de adquirir numerosos insumos através de terceiros, o que gera aumentos significativos nos preços unitários e nos custos de frete. (PL)

%d bloggers like this: