Um fim ao domínio da OEA na América Latina? O México acolhe uma nova cimeira Celac marcada por lideranças progressistas .

#CELAC #OEA #AMLO #CubaEnMexico #ElCaminoEsLaPaz #PuentesDeAmor

A sexta cimeira da Comunidade dos Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) terá lugar este fim-de-semana na Cidade do México, com a presença de 17 chefes de estado ou de governo, dois vice-presidentes e delegações de todos os países membros.

Entre os presidentes que já confirmaram a sua participação estão o argentino Alberto Fernández, o equatoriano Guillermo Lasso, o cubano Miguel Díaz-Canel, o costa-riquenho Carlos Alvarado e o uruguaio Luis Lacalle Pou, bem como o líder do país anfitrião, Andrés Manuel López Obrador.

O Celac foi formado em 2010 pelos 33 países da região com o objectivo de promover uma agenda latino-americana e caribenha e acordar passos concretos para a integração regional.

¿Fin al dominio de la OEA sobre América Latina? México acoge una nueva cumbre de la Celac marcada por los liderazgos progresistas

Na sua fundação, impulsionada por uma onda de governos progressistas, produziu uma mudança política continental, devido à sua tentativa de substituir a Organização dos Estados Americanos (OEA) em importância multilateral, excluindo os EUA e o Canadá e incluindo Cuba, que foi expulsa da primeira em 1962.

Contudo, em meados da década, a chegada dos governos de direita, bem como a morte em 2013 do seu principal promotor, o Presidente venezuelano Hugo Chávez, produziram um enfraquecimento significativo que o levou a desvanecer-se no mapa político do continente. Foi em Janeiro de 2017 quando se realizou a sua última cimeira em Punta Cana (República Dominicana).

O Celac regressa com uma OEA enfraquecida e com novas lideranças regionais como a do presidente anfitrião, Andrés Manuel López Obrador, e mudanças nos governos de países importantes como o Peru e a Argentina.

Nesses anos, a OEA tomou um novo sopro de ar fresco. Com a assunção de Luis Almagro como secretário-geral, levou a cabo uma vigorosa acção contra os governos da Bolívia e da Venezuela da qual não saiu bem devido aos resultados embaraçosos de ambas as campanhas: um golpe de Estado no primeiro (cujo executor Jeanine Añez está na prisão) e a imposição de um bloqueio financeiro e de um governo interino no segundo (cujo executor Juan Guaidó teve de restabelecer as negociações com o governo existente apesar da recusa de Almagro).

Agora, o Celac regressa com uma OEA enfraquecida e com a emergência de novas lideranças regionais como a do presidente anfitrião, Andrés Manuel López Obrador, e as mudanças de sinal nos governos de países importantes como o Peru e Argentina .

López Obrador tem sido um apoiante entusiasta do Celac e é possível que o seu papel como anfitrião lhe permita dar-lhe um impulso.

A 24 de Julho, o presidente mexicano foi particularmente duro nas suas críticas a Almagro e na sua abordagem à OEA, anunciando que pretendia conceber um plano para substituir a organização por um “organismo verdadeiramente autónomo” que fosse “o lacaio de ninguém”.

Revitalizou também o corpo. A 7 de Setembro, e pela primeira vez desde 2014, todos os países tomaram uma posição conjunta no Dia Internacional contra os Testes Nucleares. A presidência pro tempore do México tirou o Celac do seu silêncio.

Independentemente dos resultados, o cenário servirá para visualizar os novos realinhamentos políticos na região.

Agora vem a Cimeira, e todos esperam um evento que assinalará uma mudança ideológica na região, mesmo que não radical, pelo menos altamente simbólica, e um compromisso conjunto com o futuro.

Agenda da Cimeira
O Secretário dos Negócios Estrangeiros do México, Marcelo Ebrard, indicou que a questão da pandemia estaria na vanguarda, mas que havia também dois projectos em cima da mesa: a criação de uma agência inter-espacial da América Latina e das Caraíbas e a criação de um fundo para catástrofes.

No entanto, o governo boliviano propôs discutir a questão da OEA e a necessidade de reforçar o CELAC.

A questão da pandemia é de particular importância, dado que apesar da gravidade económica e da morte de mais de um milhão de pessoas na região, nem a OEA nem o Celac (nem o Grupo de Lima) tentaram, pelo menos, coordenar políticas para abordar conjuntamente a situação.

Independentemente dos resultados, o cenário servirá para visualizar os novos realinhamentos políticos na região.

Ociel Alí López: Ociel Alí López é sociólogo, analista político e professor na Universidade Central da Venezuela. Ganhou o Prémio Municipal de Literatura 2015 com o seu livro Dale más gasolina e o prémio Clacso/Asdi para jovens investigadores em 2004. É um colaborador de vários meios de comunicação social na Europa, Estados Unidos e América Latina.

Cuba e México: Mais de um século de Solidariedade .

#CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico #AMLOLujoDePresidente #CELAC #OEA #EstadosUnidos #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana

Por Alejandra Brito Blanco

A relação bilateral entre Cuba e o México remonta ao alvorecer do século passado. Os laços de amizade estão enraizados na história e na proximidade geográfica de ambos os países.

“A influência da política externa dos EUA é predominante nas Américas. Há apenas um caso especial: o de Cuba, o país que durante mais de meio século afirmou a sua independência ao confrontar politicamente os Estados Unidos”, disse o presidente da nação asteca, Andrés Manuel López Obrador, na XXI Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da CELAC. A AMLO convidou recentemente o líder cubano a fazer um discurso como parte das celebrações do Grito de Dolores. A 20 de Maio, os laços oficiais entre os dois países atingiram 120 anos de existência ininterrupta.

Um olhar para trás na história revela a importância das ligações entre os dois estados americanos. Os veteranos cubanos Gabriel González e Felipe Herrero desempenharam um papel importante nas guerras de independência cubanas. Do mesmo modo, o líder independentista mexicano Benito Juárez, confrontado com o avanço do conservadorismo em 1853, viajou para as Grandes Antilhas, onde aprendeu o ofício de tabaqueira twister. No seu regresso a casa, os seus amigos cubanos apoiaram-no com navios e material de guerra, relata o artigo Benito Juárez ainda está vivo no México e em Cuba.

No México, o Apóstolo José Martí e Julio Antonio Mella levaram a cabo grande parte da sua vida e obra patriótica. A primeira metade do século XX foi marcada por relações cordiais e cooperativas, com algum distanciamento durante o Machadato e o pentarchismo de 1933. Durante o governo de Lázaro Cárdenas, os laços culturais foram reforçados e ainda hoje estão de boa saúde.

Um marco significativo ocorreu no contexto do golpe de Estado de Fulgencio Batista. Embora o México tenha permanecido fiel aos princípios de não intervenção e autodeterminação consagrados na Doutrina Estrada, abriu as suas portas aos revolucionários que fugiam da ditadura.

Foi precisamente a partir daí que o iate Granma, símbolo da luta insurrecional que abriu as portas ao triunfo da Revolução Cubana a 1 de Janeiro de 1959, zarpou. Foi lá que os 82 membros da tripulação foram treinados e onde Fidel e Ernesto “Che” Guevara se encontraram pela primeira vez.

Legenda: O iate Granma partiu de Tuxpan, México, a 25 de Novembro de 1956. Foto tirada da Radio Rebelde.

Durante o período revolucionário, houve também inúmeros momentos significativos. Após a declaração do carácter socialista da transformação social em Cuba, quando os Estados Unidos promoveram a expulsão da ilha da Organização dos Estados Americanos (OEA), a nação asteca foi a única a opor-se a esta posição e a manter as suas relações com a ilha das Caraíbas.

Após um período de arrefecimento, em 2013 os presidentes Raúl Castro e Enrique Peña Nieto anunciaram um “relançamento” das relações entre os dois países. No final do mesmo ano, o ministro dos negócios estrangeiros da ilha, Bruno Rodríguez Parrilla, assinou oito acordos com representantes da América Central.

Legenda: López Obrador manifestou em várias ocasiões a sua rejeição do bloqueio imposto a Cuba pelos Estados Unidos. Foto tirada da Revista Afal.

Os laços diplomáticos, comerciais e culturais entre os dois povos são uma referência a nível continental. O México reafirmou em organizações internacionais a sua rejeição do bloqueio imposto pelos Estados Unidos à maior das Antilhas. Este governo liderou as doações de alimentos, medicamentos e material médico para lidar com o surto de Covid-19. Anteriormente, os médicos cubanos tinham prestado assistência ao país vizinho para combater a pandemia.

Imagen
Falámos com o Presidente cubano Miguel Díaz-Canel; agradecemos-lhe o apoio que recebemos de enfermeiras e médicos cubanos para lidar com a pandemia. O México e Cuba são geminados pela história e pela solidariedade.

O respeito e a solidariedade têm sido as chaves para uma relação tão duradoura. Isto é expresso nas palavras de Andrés Manuel López Obrador na XXI Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da CELAC: “Creio que, pela sua luta em defesa da soberania do seu país, o povo cubano merece o prémio da dignidade”. Cuba é um exemplo de resistência e “por isso mesmo, deveria ser declarada património mundial”, concluiu o presidente.

Celac no México: um Grito de Dor contra a OEA .

#EstadosUnidos #OEA #InjerenciadeEEUU #ElCaminoEsLaPaz #CELAC #CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico

Por Enrique Milanés León

Apesar do flagelo da COVID-19 e outras calamidades naturais, 2021 mantém as suas celebrações como o “Ano da Independência e Grandeza do México”, enquanto comemora o 211º aniversário da independência da nação, a 15 de Setembro, e o 200º aniversário da sua consumação, no dia 21. Para acrescentar lustre, a 6ª Cimeira da Comunidade dos Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) terá lugar a meio destas datas na sua capital, no dia 18.

El Grito de Dolores es el gran canto de México.

Pelo segundo ano consecutivo, na terça-feira 15, a reencenação do Grito de Dolores, realizada por Miguel Hidalgo em 1810, irá considerar os protocolos exigidos pela situação sanitária, mas o Presidente Andrés Manuel López Obrador garantiu que seriam criadas condições para que “a maioria dos mexicanos possa participar a partir das suas casas”.

O modelo da pirâmide que comemora os 200 anos da fundação do México-Tenochtitlan permanece na imponente praça El Zócalo, o que significa que as celebrações do Dia da Independência complementarão as já realizadas em honra do nascimento e queda do México-Tenochtitlan.

López Obrador afirmou que o Governo Federal continuará a promover o Grito, considerado o festival cívico mais importante do país. “Temos de continuar a dar ao Grito de Independência, porque o México é um país livre, independente e soberano, e isso é motivo de orgulho”, disse ele.

O tradicional desfile de 16 de Setembro terá também lugar na capital, com as habituais precauções sanitárias. Alguns dos estados da nação não realizarão celebrações ou deslocá-las-ão para locais virtuais.

No início da manhã de 16 de Setembro de 1810, na cidade de Dolores, Guanajuato, Miguel Hidalgo lançou o Grito de Independência contra o governo colonial. O Pai da Nação Mexicana tocou à campainha da igreja chamando o povo a erguer-se em armas.

Uma vez terminada a guerra da Independência, o sino foi preservado como um dos símbolos do início do movimento e a 15 de Setembro de 1896 foi incorporado na celebração da Independência. Hoje, o sino das Dolores pode ser admirado, restaurado, num nicho localizado por cima da varanda central do Palácio Nacional.

Durante as festividades, o Presidente da República toca-a em homenagem ao grande apelo libertário. A celebração da data não foi interrompida, nem mesmo quando o país estava em guerra com os Estados Unidos. Agora não será excepção.

A agenda anunciada de López Obrador inclui o Grito de Independência na terça-feira 15; o desfile militar no dia 16; a recepção no dia 17 para presidentes e chefes de Estado para a Cimeira Celac, evento a realizar no dia 18. Um dia depois, o México hasteará a sua bandeira nacional a meia haste para recordar as vítimas mortais dos terramotos de 1985.

O Celac tem agora uma casa mexicana. Desde a Cimeira da Fundação, realizada em Caracas, Venezuela, a 3 de Dezembro de 2011, os Chefes de Estado e de Governo da região reúnem-se anualmente no país que detém a Presidência Pro Tempore e discutem as questões acordadas nas reuniões dos coordenadores nacionais.

Nesta sexta edição, será discutido um tema transcendental para a América Latina: o futuro da desacreditada Organização dos Estados Americanos (OEA), quer seja para ser completamente reformulada ou substituída.

Marcelo Ebrard, o ministro mexicano dos Negócios Estrangeiros, indicou que os líderes prepararão uma proposta para os Estados Unidos e Canadá, a fim de substituir a OEA interferente por um organismo regional de apoio.

#CELAC: um mecanismo de integração, diálogo e conciliação política em relação à #OEA .

#OEA #GolpeDeEstado #EstadosUnidos #ElCaminoEsLaPaz #CELAC

AMLO concorda: A OEA deve ser deixada para trás .

#EstadosUnidos #InjerenciaDeEEUU #OEA #AMLO #CELAC

Por Piedad Córdoba Ruiz, publicado en Resumen Latinoamericano.

No contexto do bicentenário do bicentenário dos primeiros actos independentistas na Nossa América, o Presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador, AMLO, retomando a ideologia bolivariana, propõe enterrar a Organização dos Estados Americanos, que descreve correctamente como uma organização de lacaios. Devo dizer que o discurso que proferiu no passado dia 24 de Julho no Castelo de Chapultepec em homenagem ao 238º aniversário do nascimento do Libertador, é imperdível, e é um must para o debate político na região, incontornável para qualquer projecto alternativo no continente. (https://www.youtube.com/watch?v=JrvSTSyk2WE)

Qual é a diferença entre o Congresso Amphictyonic de 1826 sabotado do Panamá e a Conferência Pan-Americana de 1948 em Bogotá que deu origem à OEA? Uma grande distância nos seus objectivos, mas o monroísmo e o Santanderismo eram características constantes. O Santander convidou o delegado norte-americano e, com um preconceito claramente racista e político, excluiu o representante do Haiti. Poucas das aspirações integracionistas de Bolívar puderam ser realizadas no Panamá, dadas as apreensões das elites crioulas e a definição americana do continente como o seu espaço natural de expansão imperial, sob a premissa do Presidente Monroe de “América para os Americanos”, entendida como os americanos conhecidos como WASPs (White Anglo-Saxon and Protestant). Apenas 20 anos após o fracasso da reunião do Istmo, o México foi invadido pelos EUA e perdeu metade do seu território, pelo que não é fortuito que a preocupação do actual presidente em trazer o projecto latino-americano do Liberator de volta à mesa não seja fortuita.

Um século após o primeiro ataque imperial ao território latino-americano, e já estabelecido como potência mundial, foi convocada uma Conferência Pan-Americana, mas no interesse de Washington para reforçar o seu controlo político sobre os governos do continente no contexto da Guerra Fria. Não era suficiente, a pretensão do acordo militar do TIAR (Tratado Interamericano de Assistência Recíproca), que claramente não se aplicava quando não era do agrado da Casa Branca – como no caso das Malvinas. Com o Bogotázo ao fundo e uma Colômbia queimada pelo assassinato de Gaitán – que nos legou esta guerra que ainda não terminou – foi fundada a Organização dos Estados Americanos, quase como uma extensão viceregal do Departamento de Estado, e o colombiano Alberto Lleras Camargo – um digno herdeiro de Santander – foi nomeado como primeiro Secretário-Geral da organização. A natureza neo-colonial da OEA, que se calou com o derrube de Arbenz na Guatemala, mas se apressou a expulsar Cuba revolucionária por ordem dos EUA, foi rapidamente posta a nu.

Depois de mais de 70 anos deste olhar diplomático, que em aplicações fraudulentas da sua carta democrática assedia governos que se opõem a Washington, mas manteve o reconhecimento de todas as ditaduras do continente – desde os Somozas a Jeanine Añez, passando por todos os golpes da doutrina da Segurança Nacional com Pinochet à cabeça – vale a pena discutir a sua relevância. Um novo momento político na América Latina exige a recuperação e o reforço de uma nova arquitectura institucional para a região, uma tarefa inevitável para os governos do continente e projectos alternativos, independentemente de ganhos eleitorais ou pressões empresariais.

López Obrador tem razão quando afirma: “É tempo de uma nova coexistência entre os países do continente, o modelo imposto há mais de dois séculos está esgotado, não tem futuro e não tem saída. Digamos adeus às imposições, interferências, sanções, exclusões e bloqueios… É uma questão complexa que requer uma nova visão política e económica. A proposta não é mais nem menos do que construir algo semelhante à União Europeia, mas ligado à nossa história e à nossa realidade, às nossas identidades. Neste espírito, a substituição da OEA por um corpo verdadeiramente autónomo, não um lacaio de ninguém, mas um mediador a pedido e aceitação das partes em conflito, não deve ser excluída. É uma grande tarefa para bons diplomatas e políticos”.

Durante a onda de desafios ao neoliberalismo neste século, surgiram novas propostas de integração e articulação regional, que foram fortemente atacadas face à contra-ofensiva conservadora da última década, mas cuja validade faz parte do debate actual. Para além dos múltiplos acordos de cooperação bilateral e do início de acordos de vários tipos com referências geopolíticas e de cooperação que não Washington, a primeira década do século XXI viu surgir a ALBA-TCP (2004), PetroCaribe (2005), UNASUR e o Conselho de Defesa Sul-Americano (2008), CELAC (2011), bem como a revitalização e expansão do Mercosul. Todos estes organismos foram, desde o início, uma verificação da lógica imperial dos EUA na região e instrumentos diplomáticos fundamentais na disputa continental, embora na maioria dos casos também representassem elementos de consenso com certos interesses hegemónicos e estavam sujeitos à fragilidade inerente à instabilidade política da região.

Quando a AMLO sugere a construção de um modelo semelhante ao da União Europeia, vale também a pena revalidar outras iniciativas essenciais para a soberania regional que não puderam concretizar-se, tais como o Banco do Sul ou o sistema monetário SUCRE. A interdependência económica inerente entre os EUA e o México em particular torna as relações de integração necessárias, mas sem minar a soberania. A AMLO não propõe uma ruptura com os EUA, como denuncia a direita latino-americana. Cooperação para o desenvolvimento e bem-estar de todos os povos da América Latina e das Caraíbas, e um multilateralismo aberto que tiraria a Nossa América da subordinação estratégica da OEA.

O discurso da AMLO coincide com o início da administração do Presidente Castillo no Peru e do seu novo ministro dos Negócios Estrangeiros, o veterano ex-combatente Héctor Béjar, que deixou de facto o auto-denominado Grupo Lima sem Lima. Do México e do Peru, o bloqueio de Cuba está a ser rejeitado, a reactivação de instituições regionais que não a obsoleta OEA está a ser defendida, uma solução sem derramamento de sangue, soberana e institucional para a crise venezuelana está a ser promovida, e estão a ser feitos progressos no reconhecimento da posição de fantoche de Juan Guaidó, em cuja defesa teimosa apenas persiste o Ministério dos Negócios Estrangeiros colombiano, que continua com o discurso obsoleto do terrorismo internacional como se G.W. Bush ainda fosse presidente dos EUA. Bush ainda era presidente dos Estados Unidos da América.

No entanto, para poder assumir a aposta da AMLO de completar o feito inacabado da integração latino-americana, é necessário consolidar os processos democráticos existentes no continente e retirar à direita continental em 2022 os seus dois redutos na Nossa América: a Colômbia, cujos pactos militares e exportação de mercenários são uma ameaça à segurança regional; e o Brasil, uma potência regional, agora sujeita à insanidade fascista de Bolsonaro. Só desta forma, aquela coisa feia que é a OEA, como cantou Carlos Puebla, seria relegada para o museu da ignomínia. O Santanderismo colombiano já enviou o seu artigo de colecção, um símbolo da colecção da OEA: o embaixador ultramontano Alejandro Ordoñez Maldonado, que ainda estou à sua espera nos tribunais e na Comissão da Verdade.

A greve de drones dos EUA em Cabul matou um trabalhador humanitário e nove membros da família, não um terrorista do Estado islâmico.

#EstadosUnidos #Terrorismo #Afganistan #Kabul

Por Redacción Razones de Cuba

O homem morto num ataque com drone americano em Cabul, a 29 de Agosto, era na realidade um cidadão afegão pacífico que trabalhava para uma ONG americana, e não o condutor de um carro armadilhado, como Washington afirmava. A acção também matou nove membros da família da vítima, sete dos quais crianças, segundo uma investigação do The New York Times publicada na sexta-feira.

Segundo o relato do Pentágono, o seu ataque “justo” “eliminou uma ameaça iminente” ao tirar a vida a “pelo menos uma” pessoa que era “facilitadora” do Estado Islâmico da Grande Khorasan, também conhecido como ISIS-K, a organização que reivindicou a responsabilidade pelos ataques de 26 de Agosto que mataram mais de 170 pessoas, incluindo 13 soldados americanos, perto do aeroporto de Cabul.

Contudo, o The New York Times “levanta dúvidas sobre esta versão dos acontecimentos” após pesquisar imagens de câmaras de segurança e entrevistar mais de uma dúzia de colegas de trabalho e membros da família do trabalhador humanitário assassinado.

Os funcionários do Pentágono notaram que na altura do ataque não sabiam a identidade do condutor do carro, mas consideraram-no suspeito devido à forma como interpretaram as suas actividades naquele dia, sugerindo que ele visitou um abrigo do Estado islâmico e, a certa altura, carregou o que poderia ser explosivos no veículo.

O New York Times, entretanto, identificou o motorista como Zemari Ahmadi, um engenheiro eléctrico de 43 anos de idade que desde 2006 trabalhava para a ONG norte-americana Nutrition and Education International (NEI), que luta contra a desnutrição no Afeganistão. Ahmadi tinha solicitado aos EUA a sua reinstalação.

Outra das descobertas do jornal foi que as viagens de Ahmadi no dia do ataque se destinavam realmente a transportar colegas de e para o trabalho, enquanto uma análise das imagens de CCTV mostrou que o que ele carregou no veículo eram contentores de água, não explosivos.

Além disso, os meios de comunicação social investigaram as declarações dos militares dos EUA sobre as “explosões secundárias” que ocorreram após o ataque com o seu drone, que alegavam ser provas de que o veículo continha explosivos. Vários peritos que examinaram o local do ataque não encontraram provas de uma segunda explosão e concluíram que os danos eram consistentes com um único ataque com um zangão.

Reacção do Pentágono
Comentando a investigação do The New York Times, o porta-voz do Pentágono John Kirby disse aos repórteres que o Comando Central dos EUA (Centcom) “continua a avaliar os danos causados aos zangões e os danos que estes causaram. (Centcom) “continua a avaliar” o ataque, mas assegurou que “nenhum outro militar está a trabalhar mais” do que os EUA “para prevenir baixas civis”, relata a AFP.

“Como disse o [Chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA Mark] Milley, o ataque foi baseado em boa inteligência, e ainda acreditamos que evitou uma ameaça iminente ao aeroporto e aos nossos homens e mulheres que ainda serviam no aeroporto”, disse Kirby.

Estados Unidos, democracia ou ditadura .

#Democracia #EstadosUnidos #CIA #OEA #LeyHelmsBurton

Por Arthur González

Pode um Estado ser democrático se apenas impõe os seus critérios aos outros através de sanções?

É por isso que os Estados Unidos são uma ditadura que manipula as relações internacionais de acordo com os seus interesses e aqueles que não se ajoelham aos seus pés são punidos com múltiplas sanções. Os exemplos são muitos e incluem Cuba, Rússia, China, Irão, Síria, Coreia do Norte, Venezuela e Nicarágua, só para mencionar aqueles que recebem mais sanções.

Desde 1959, os Estados Unidos iniciaram uma escalada de sanções contra Cuba, compreendendo que o governo revolucionário não aceitaria submeter-se às suas ordens, como os seus predecessores tinham feito desde 1902.

A sua resposta ditatorial foi implementar restrições comerciais para afectar a economia, evitar satisfazer o povo e demonstrar que era deficiente e que deveria ser derrubado.

A primeira sanção, em Julho de 1960, foi deixar de comprar açúcar cubano e não vender-lhes petróleo, criando um efeito negativo na economia da ilha, até a URSS oferecer a sua ajuda.

Em Março de 1960, a CIA iniciou actos de terrorismo com a exposição do navio francês La Coubre, que deixou 101 mortos e dezenas de pessoas física e mentalmente mutiladas, o primeiro de uma longa lista contra o povo cubano.

A 19 de Outubro de 1960, o regime americano proibiu todas as exportações de produtos ianques para Cuba e começou a recrutar emigrantes cubanos em Miami para levar a cabo uma invasão armada. Internamente, a CIA criou os primeiros grupos contra-revolucionários que levaram a cabo acções terroristas contra centros comerciais, de produção e de serviços, cinemas, teatros e escolas, actos directamente dirigidos contra a população civil.

Em Abril de 1961, a invasão armada da Baía dos Porcos materializou-se, com mercenários cubanos treinados pela CIA, que foi derrubada em 67 horas. Face à derrota esmagadora, os Yankees planearam novos planos subversivos para desestabilizar o governo revolucionário, na conhecida Operação Mangusto, aprovada por J.F. Kennedy em Fevereiro de 1962, que incluía uma invasão com o exército americano, com base em provocações auto-infligidas que a justificariam.

A Operação Mangusto contém tarefas para perpetrar actos terroristas, acções políticas, psicológicas e militares, operações de espionagem e o assassinato dos seus governantes.

Um relatório secreto da Comissão de Inteligência do Senado confirmou oito tentativas de matar Fidel Castro entre 1960 e 1965, bem como planos adicionais contra outros líderes cubanos, que continuaram até quase ao final do século XX.

Estes factos são suficientes para demonstrar que os Estados Unidos são uma ditadura e não um Estado democrático, porque aqueles que não aceitam as suas ordens pagam pela sua rebelião com sanções e morte.

Em Janeiro de 1961, cessaram as relações diplomáticas com Havana e proibiram todas as viagens e transacções financeiras de cidadãos norte-americanos a Cuba. Nesse ano, o Congresso dos EUA aprovou a Lei de Cooperação Internacional, que proibiu toda a ajuda a qualquer país comunista, incluindo Cuba, e aplicou a Lei do Comércio com o Inimigo, o único país a enfrentar uma tal sanção.

Um ano mais tarde, formalizaram a guerra económica, comercial e financeira, que é descrita como tal na própria Operação Mangusto. Sob pressão da Casa Branca, Cuba foi expulsa da OEA em 1962, a fim de a rodear política e economicamente.

Em 1963, o governo dos EUA emitiu o Regulamento de Controlo de Activos Cubanos (CACR) ao abrigo da secção 5.b da Lei do Comércio com o Inimigo de 1917. O objectivo expresso destas sanções é “isolar economicamente o governo cubano e privá-lo de dólares norte-americanos”.

O CACR proíbe a exportação directa ou indirecta de produtos, serviços e tecnologia dos EUA para Cuba. O Gabinete de Controlo de Activos Estrangeiros do Departamento do Tesouro, OFAC, está encarregado de fazer cumprir estas disposições através de um conjunto de regulamentos.

O CACR estabelece para aqueles que violam estas sanções, sanções penais que vão desde 10 anos de prisão, multas para empresas até 1 milhão de dólares americanos e multas individuais até 250.000 dólares americanos. Podem também impor sanções civis de até 55.000 dólares.

A ditadura americana, insatisfeita e frustrada por não alcançar os seus objectivos, aprovou a Lei da Democracia Cubana (Lei Torricelli) em 1992, que proíbe as filiais de empresas americanas de fazer negócios com Cuba, proíbe os cidadãos americanos de viajar para Cuba e proíbe o envio de remessas familiares.

Um dos objectivos da Lei é: “procurar uma transição pacífica para a democracia e a retoma do crescimento económico de Cuba através da aplicação cuidadosa de sanções contra o governo castrista e o apoio ao povo cubano”.

Um dos objectivos da Lei é: “procurar uma transição pacífica para a democracia e a retoma do crescimento económico de Cuba através da aplicação cuidadosa de sanções contra o governo castrista e o apoio ao povo cubano”.

A Lei Torricelli torna uma condição que: “alimentos, medicamentos e material médico para fins humanitários só podem ser disponibilizados a Cuba quando o governo cubano tiver mudado através de eleições livres e justas”.

Cuba não muda o seu rumo socialista e, portanto, os Estados Unidos, como uma ditadura total, aumenta as suas sanções numa tentativa de quebrar o povo. Em Março de 1996, o Presidente Bill Clinton assinou a Lei da Liberdade e Solidariedade Democrática de Cuba, conhecida como a Lei Helms-Burton, e as sanções assumem maior força de lei.

Esta lei visa: “reforçar as sanções internacionais contra o governo Castro e planear o apoio a um governo de transição que conduza a um governo democraticamente eleito na ilha”.

Em Outubro de 2003, o presidente dos EUA criou a Comissão de Assistência a uma Cuba Livre para elaborar planos e medidas para acelerar o processo de transição em Cuba para um regime dito “democrático e livre”. Em Maio de 2004, aprovou o plano de tarefas para realizar a sonhada “Transição pacífica para a democracia”.

Barack Obama, apesar do restabelecimento das relações diplomáticas, entre 2009 e 2016 aplicou 52 multas a bancos estrangeiros, no valor de 14.404 milhões 358.605 dólares, por violação das sanções dos EUA contra Cuba.

Quando Donald Trump se tornou presidente em Janeiro de 2019, as sanções foram reforçadas, proibindo as remessas familiares, a entrada de navios de cruzeiro para Cuba e voos dos Estados Unidos para as províncias cubanas; suspendendo o intercâmbio cultural e académico de americanos para a ilha; activando o Título 3 da Lei Helms-Burton, que permite às pessoas afectadas por nacionalizações após 1 de Janeiro de 1959 processar nos tribunais norte-americanos; e proibindo os bancos norte-americanos de processarem transacções bancárias relacionadas com Cuba através de terceiros, operações conhecidas como transacções de retorno.

Sancionou os chefes das missões médicas cubanas no estrangeiro. Recusa de licenças de leasing de aviões às companhias aéreas estatais cubanas. Impôs a regra de negar qualquer reexportação para Cuba de bens estrangeiros contendo mais de 10% de componentes norte-americanos, proibiu a utilização de dinheiro federal para trocas culturais com a ilha e sancionou o Ministério do Interior, as Forças Armadas e um grande grupo de empresas e corporações comerciais cubanas, incluindo quase todos os hotéis do país.

243 foram as suas sanções contra Cuba, prova do seu carácter ditatorial.

Antes do fim do seu mandato, voltou a incluir Cuba na lista de Patrocinadores Estatais do Terrorismo.

Joe Biden continuou na mesma linha, porque é assim que é a ditadura ianque, e em Julho de 2021 sancionou o Ministro das Forças Armadas Revolucionárias e a Brigada Especial Nacional do Ministério do Interior; o chefe da Polícia Nacional e o seu director-adjunto.

A 13 de Agosto sancionou o antigo chefe (reformado) da Direcção Política da MININT, o chefe da Secção Política da Polícia Revolucionária Nacional e a Direcção das Tropas Preventivas do Ministério das Forças Armadas Revolucionárias de Cuba. A 20 de Agosto de 2021, sancionou o Segundo Chefe do Estado-Maior General e Chefe da Direcção de Operações das FAR, o Chefe do Exército Central e o Chefe da Direcção das Prisões da MININT.

Nem mesmo Adolf Hitler assumiu uma atitude tão ditatorial como os presidentes ianques, que fazem o mesmo contra a Rússia, Venezuela, China, Irão, Nicarágua e Síria, no seu desespero de os subjugar.

Nenhuma pessoa que se preze pode afirmar que os Estados Unidos é uma democracia, porque os factos falam por si.

José Martí não estava errado quando disse:

“Os povos da América são mais livres e prósperos, quanto mais se afastam dos Estados Unidos”.

Nicarágua: Argentina, os EUA virão por si a seguir.

#AmericaLatina #ManipulacionPolitica #OEA #EstadosUnidos #Argentina #Nicaragua

Por Redacción Razones de Cuba

É por isso que eles estão tão preocupados. Não devemos esquecer que o governo nicaraguense, juntamente com o governo chinês, está a construir o segundo canal interoceânico do continente.

Após sucessivas derrotas dos EUA na Nossa América, o império está a tentar concentrar a sua artilharia contra a Nicarágua. O objectivo é evitar as eleições presidenciais de Novembro: criar todo o tipo de notícias falsas, encorajar o descontentamento social, etc.

Para este fim, o imperialismo conta com a oligarquia parasitária nicaraguense: os partidos de direita, alguns deles vindos do Sandinismo e, como sempre, da OEA, apesar de ser moribundo.

O problema da Nicarágua não é uma questão menor; tem repercussões em toda a América Central e nas Caraíbas. Tem uma importância geopolítica da primeira ordem. Politicamente, o próximo triunfo do Sandinismo e possivelmente a vitória histórica do candidato esquerdista Xiomara Castro nas Honduras poderia tornar-se mais uma derrota dos EUA.

Ortega afirma que las recientes detenciones en Nicaragua fueron por atentar  contra la seguridad - 24.06.2021, Sputnik Mundo

É por isso que eles estão tão preocupados. Não devemos esquecer que o governo nicaraguense, juntamente com o governo chinês, está a construir o segundo canal interoceânico do continente.

Na Argentina, Alberto Fernández teve uma posição hesitante sobre a Nicarágua, talvez ele não compreenda o conselho de Brecht quando disse “Primeiro eles vieram pelos comunistas e eu não disse nada porque eu não era um…”. É evidente que agora vêm também para Alberto Fernández e para o governo democrático da Argentina.

Alberto Fernández e Andrés Manuel López Obrador (AMLO), Argentina e México chamaram os seus embaixadores na Nicarágua para consulta em repúdio às violações dos direitos humanos alegadamente cometidas na Nicarágua.

Alberto Fernández ordenou a Felipe Solá que fizesse o mesmo com Daniel Capitanich, que representa os interesses diplomáticos argentinos em Manágua.

A decisão de chamar o Embaixador Capitanich para consulta é o epílogo de uma sucessão de acções diplomáticas ordenadas por Alberto Fernández que Daniel Ortega rejeitou. O presidente deu instruções a Capitanich para visitar os “presos políticos” nicaraguenses e depois Felipe Solá solicitou a libertação imediata destes “presos políticos”.

Esta atitude é desrespeitosa de um tipo diferente de diplomacia, como o Ministro dos Negócios Estrangeiros peruano Héctor Béjar salientou no seu discurso de tomada de posse nos últimos dias.

É antiético e até imoral para a Argentina pedir a libertação dos “presos políticos” nicaraguenses, quando na Argentina ainda temos presos políticos da luta anti-neoliberal contra o Macrismo.

Em consequência desta situação, o governo nicaraguense recordou também recentemente o seu embaixador Orlando José Gómez para consulta.

Não seria mau se Daniel Ortega desse instruções ao representante diplomático nicaraguense em Buenos Aires para visitar Milagro Sala, Luis D’ Elia e o resto dos prisioneiros políticos argentinos.

Extraído da Telesur

OEA em foco: décadas de duplicidade de padrões e interferência selectiva reacendem a controvérsia.

#OEA #EstadosUnidos #AmericaLatina #OTAN #GuerraFria #DerechosHumanos

Além do bloqueio …

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #EliminaElBloqueo