Organizacion e Estados Americanos (OEA)

A evidência é esmagadora, José Daniel Ferrer é um assassino. Aprenda Alexis Valdés.

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #Marco Rubio e #Bob Menendez ., #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acuerdos, Béisbol, Cuba, Deportes, Federación Cubana de Béisbol, Grandes Ligas de Béisbol, Marco Rubio, Serie Nacional de Béisbol, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, confrontar Donald Trump da câmara baixa, Constituição da República de Cuba, Constituição da República de Cuba, Cuba, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, Contra-revolução cubana, Contrarrevolución, José Daniel Ferrer, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., FORA TRUMP, Marco Rubiob, Organizacion e Estados Americanos (OEA), relações bilaterais, o governo Donald Trump, Relações Estados Unidos Cuba, Relaciones Cuba Estados Unidos, Trump Google, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Por que os EUA estão preocupados com a recente lei aprovada na Nicarágua?

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Poucos dias depois de o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, pisar na poeira e deixar a Casa Branca para trás de Donald Trump, ele ousou exigir que o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, “mudasse de rumo” em seu país, e afirmou que “Washington não tolerará ameaças à democracia na Nicarágua.”

Esse homem parece esquecer os anos em que a Frente Sandinista e o Comandante Ortega lutaram com armas, até derrotar a ditadura de Anastasio Somoza, e depois, a dura batalha para fazer daquela nação centro-americana um exemplo de independência, com planos sociais que Eles promoveram não apenas o desenvolvimento econômico, mas levaram o país a excelentes taxas de saúde, educação e emprego.

Coronavirus: dónde está Daniel Ortega, el líder de Nicaragua que no aparece  en público - LA NACION

Pompeo poderia dedicar suas “preocupações” a encontrar uma solução para o sistema que representa, doente com metástases e com programa de saúde em coma.

Outros atores americanos atacaram a Nicarágua, como o congressista Albio Sires, que pediu uma “resposta internacional unificada” contra o governo nicaraguense.

Poucos dias antes das ameaças de Pompeo e do pedido do deputado Senhores, o Secretário-Geral da OEA, Luis Almagro, inspirou a campanha de denúncias contra a nação sandinista, chegando a exigir que o Presidente Ortega revogasse a lei recentemente aprovada democraticamente naquele país, com o título de Lei de Defesa dos Direitos dos Povos à Independência, Soberania e Autodeterminação para a Paz.

Especificamente, trata-se de exigir que a Nicarágua renuncie à sua soberania e permita que grupos pagos pelos Estados Unidos e apoiados pela OEA assumam o poder na nação sandinista.

Após o primeiro pronunciamento de Almagro, o embaixador do governo Trump junto à OEA, Carlos Trujillo, “deu todo o apoio de seu governo” à demanda contra Manágua.

A lei que “irritou” Pompeo, Almagro e outros personagens da mesma categoria, foi aprovada pela maioria dos membros da Assembleia Nacional daquele país, e se pronuncia para desqualificar aqueles que “ferem os interesses de supremo da nação, contemplado no ordenamento jurídico.

Daniel Ortega - Noticias, reportajes, vídeos y fotografías - Libertad  Digital

Segundo a Prensa Latina, a legislação, em seu artigo 1º, determina que “os nicaragüenses que liderarem ou financiarem um golpe de Estado, que alterarem a ordem constitucional, perderão o direito político de serem eleitos”.

Da mesma forma, essas limitações terão aquelas que “promovem ou encorajam atos terroristas, que realizam atos que minam a independência, a soberania e a autodeterminação, que incitam a ingerência estrangeira nos assuntos internos”.

Outros sujeitos aos quais o novo corpo jurídico poderá ser aplicado serão aqueles que “solicitarem intervenções militares, e se organizarem com financiamento de potências estrangeiras para realizar atos de terrorismo e desestabilização”.

Por fim, cita, entre os desqualificados, aqueles que “propõem e administram bloqueios de operações econômicas, comerciais e financeiras contra o país e suas instituições, aqueles que exigem, exaltam e aplaudem a imposição de sanções contra o Estado da Nicarágua e seus cidadãos ».

Luis Almagro, el candidato de Pompeo

Almagro, em seu ego servil ao império, encerrou sua declaração dirigida ao presidente da Nicarágua com uma oferta que caracteriza o próprio coração da instituição e de seu chefe: “a OEA está preparada para aconselhar sobre a realização de eleições livres, justas e transparentes”. .

Almagro parece pensar que na região o plano de golpe que a própria OEA, e ele pessoalmente engendrou, contra o governo de Evo Morales e as massas na Bolívia, que causou mortes e feridos e declínio econômico e social para aquela nação que viveu seus melhores anos.

Categories: "Liberdade", "democracia", "racismo" e "direitos humanos", #China#EEUU#Iran#Nicaragua.barco hospital naval Arca de la Paz, #Daniel Ortega Saavedra, #Nicaragua, #USAID, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Nicaragua, #OEA, #OEA,Luis Almagro, CIA, CIA Mike Pompeo, Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC), Cuba, Organización de Estados Americanos (OEA), Dança de máscaras na OEA, Donald Trump liderou um golpe de estado na nação bolivariana, Donald Trump, Estados Unidos, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, expulsou da aliança o Secretário Geral da OEA, FORA TRUMP, Injerencia De EEUU, Luis Almagro, Nicarágua, Organização dos Estados Americanos (OEA), Nicaragua, Organizacion e Estados Americanos (OEA), relações bilaterais, o governo Donald Trump, Secretário-Geral da OEA,, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Direitos Humanos nos Estados Unidos: Esterilização Forçada.

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Um novo crime abala a opinião pública mundial pela dose de insensibilidade que demonstra e pelo caráter desumano e racista de seus executores.

O Serviço de Controle de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos, ICE por sua sigla em inglês, foi acusado de remover o útero de imigrantes sob custódia daquela instituição.

A denúncia foi apresentada ao Escritório do Inspetor Geral (OIG) do Departamento de Segurança Interna (DHS) pelo Project South, Georgia Detention Watch, Georgia Latino Alliance for Human Rights e South Georgia Immigrant Support Network.

Os querelantes foram atingidos pelo alto índice de mulheres no Irwin County Detention Center (ICDC) na Geórgia – operado pela La Salle Corrections, uma empresa privada de prisão – submetidas a histerectomia nos últimos meses, cirurgia em aquele que remove todo ou parte do útero.

El Servicio de Control de Inmigración y Aduanas de Estados Unidos, ICE por su sigla en inglés, ha sido acusado por la extirpación del útero a inmigrantes bajo custodia de esa institución

As mulheres imigrantes que se submeteram ao procedimento foram enganadas sob a promessa de receber atendimento médico para resolver diversos problemas de saúde, noticia o jornal The New York Times.

Mas o caso não para por aí. Todos os dias, novos depoimentos de mulheres esterilizadas continuam a aparecer em diferentes centros de detenção, o que constitui uma violação da autonomia do corpo e dos direitos reprodutivos das detidas.

Cerca de 173 legisladores federais dos Estados Unidos enviaram uma carta ao Inspetor Geral do Departamento de Segurança Interna exigindo uma investigação imediata das queixas feitas: “Estamos horrorizados ao ver relatos de histerectomias massivas realizadas em detidos sem consentimento completo e informado.”

Porém, esse tipo de prática não é novidade naquele país. As autoridades norte-americanas em diferentes períodos da história as utilizaram, sobretudo, contra afrodescendentes, mexicanos, indígenas e prisioneiros.

No início do século 20, leis eugênicas foram promovidas em 32 estados, o que permitiu a esterilização de mais de 60.000 mulheres consideradas mentalmente deficientes ou mentalmente fracas e, mais recentemente, nas prisões da Califórnia 150 mulheres foram vítimas dessa prática entre 2006 e 2010.

O US Government Accountability Office publicou um relatório em 1976 sobre esterilizações realizadas em mulheres pertencentes a povos indígenas. Em quatro das 12 regiões investigadas, 3.406 operações foram realizadas entre 1973 e 1976 sem o consentimento das mulheres.

Em 1962, o Corpo de Paz dos Estados Unidos realizou a histerectomia forçada de mulheres indígenas na América Latina, aproveitando a boa fé, a ignorância e a necessidade das populações empobrecidas.

Mulheres guatemaltecas foram utilizadas em experimentos com produtos químicos e outros procedimentos que causam infertilidade permanente, financiados pela organização internacional Population Council, de acordo com o relatório Do controle da natalidade ao genocídio, elaborado pelo médico espanhol Alfredo Embid, coordenador do a Associação de Medicina Alternativa da Espanha.

No relatório do Dr. Embid, afirma-se que essas foram políticas implementadas pelos Estados Unidos em países do terceiro mundo, e detalha casos nas Filipinas, Indonésia, Índia, Bangladesh, Colômbia, República Dominicana, Porto Rico, El Salvador, Panamá, Bolívia, Brasil e Peru.

Essas práticas do governo dos EUA violam não apenas os princípios éticos e morais, mas também os direitos humanos das vítimas.

Categories: # Argentina, #Canadá, #Caracas, #Colombia, Grupo de Lima, #Jorge Arreaza, #Perú, #venezuela, #Brasil, #Brasil se alinha aos #EUA, #Brasil, Corrupción, #Jair Bolsonaro, #China#EEUUDonald TrumpFondo Monetario Internacional (FMI)Ivan Duque, #Donald Trump, #Estados Unidos, #ECUADOR#Paraguay#PerúAsunciónConvención de Viena, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #Peru, amedrentamiento y violencia contra sectores populares e indígenas, bolivia, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, Colombia, COLOMBIA ACUERDO DE PAZ, Contra a violência armada., Derechos Humanos, Donald Trump liderou um golpe de estado na nação bolivariana, Donald Trump, Estados Unidos, el salvador, ESTADOS UNIDOS, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Estados Unidos, Imperialismo, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, FORA TRUMP, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia, India, Indonésia, La decadencia de Estados Unidos, Luis Almagro, Nicarágua, Organização dos Estados Americanos (OEA), Manipulacion Politica, Organizacion e Estados Americanos (OEA), panamá, Politica, Politica Exterior, porto rico, relações bilaterais, o governo Donald Trump, Relações Estados Unidos Cuba, República Dominicana, Tiene Colombia moral para enjuiciar a Venezuela, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Almagro reconhece seu papel no golpe de 2019 na Bolívia.

O Secretário-Geral da OEA reconheceu que atuou para finalizar a destituição de Evo Morales.

O Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, reconheceu seu papel no golpe na Bolívia que ocasionou a saída forçada do governo do ex-presidente Evo Morales.

O Secretário-Geral da OEA @ Almagro_OEA2015 admitiu que atuou para impedir a reeleição de @evoespueblo na Bolívia. Em livro que será publicado amanhã, ele disse que apoiava Morales para se candidatar à reeleição em 2019 “para ganhar sua confiança” …. (HILO) @teleSURtv

Imagen

Por meio do livro “Luis Almagro não pede perdão”, o representante da organização internacional relata como apoiou Morales para se candidatar à reeleição em 2019 “para ganhar sua confiança”.

O texto é resultado de mais de 100 entrevistas e 20 horas com Almagro nas quais se descreve sua trajetória política. Entre os eventos políticos mais significativos relatados está a estratégia para “derrubar Evo Morales”, convencendo os Estados Unidos a se aliarem a sua posição para ir contra o governo venezuelano ou seu apoio a Dilma Rouseff.

Os autores do livro mostram que o papel de Almagro na saída de Morales foi parte de uma estratégia premeditada, que começou em 2017 e culminou na Missão de Observação Eleitoral da OEA para apresentar supostas irregularidades na contagem de votos em 2019 e impedindo assim a reeleição do presidente, o que incentivou o golpe militar perpetrado.

Em relação a Evo Morales e às eleições de 2019, Almagro destacou que “abrimos uma possibilidade que era que Evo ganhasse legitimamente. Foi o custo disso. Para mim isso era impossível, impossível. Evo ainda tinha menos votos do que no referendo, então não tinha forma. Então abrimos a possibilidade de que a oposição boliviana ganhasse legitimamente. E fechamos a possibilidade de Evo roubar a eleição. “

Categories: #Almagro, #Luis Almagro, #OEA,Luis Almagro, Almagro e a cloaca do império, bolivia, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, Evo Moraless, OEA, Organizacion e Estados Americanos (OEA), Secretário Geral, Luis Almagro, Secretário-Geral da OEA, | Deixe um comentário

Na Venezuela, uma fraude também é “inventada”

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

O que aconteceu nos Estados Unidos não é único. Trump gritou “fraude” quando as cédulas enviadas pelo correio nem haviam começado a ser contadas, e ele até celebrou sua “vitória” na Casa Branca em um ato que deixou várias dezenas de infectados pelo coronavírus.

Agora, o roteiro, com outros atores, pretende levar para a Venezuela, onde no dia 6 de dezembro haverá eleições parlamentares.

Venezuela: Historia de dos presidentes

As mesmas entidades externas da “democracia”, seja Grupo Lima, oas, Departamento de Estado dos Estados Unidos ou União Européia, além de reconhecerem um “autoproclamado presidente” em comício com algumas dezenas de pessoas, deram as costas a um governo legítimo eleitos democraticamente e por maioria popular, e agora não querem reconhecer o processo eleitoral pelo qual tanto clamavam.

São fatores externos e o eventual caráter interno, funcionários de Washington, cuja face mais visível é a de Juan Guaidó, obcecado com a saída de Maduro e o declínio da Revolução Bolivariana. Eles sabem, uns e outros, que seria impossível aceitar tamanha humilhação da democracia e tamanha ingerência vulgar nos assuntos internos de um país.

Nos últimos dias, Guaidó, diante da incerteza de ficar impotente após a derrota de Trump, propôs aparecer agora, nas próximas eleições parlamentares da República Bolivariana, como “supervisor” das seções eleitorais, em busca de uma “fraude »Isso já previsto.

Ao se reconhecer no final de sua carreira de autoproclamado presidente, ele sente que o plenário está rompendo e decidiu não participar com seu grupo político e alguns de seus seguidores chamados de “oposição” nas próximas eleições, e agora eles estão concentrando suas energias no descrédito a nomeação para as urnas.

En Venezuela se descarta adelantar las elecciones legislativas

É claro que a lógica da oas e de seu secretário-geral Luis Almagro não poderia ser diferente, desde o que se pode esperar de quem organizou e validou o golpe militar contra Evo Morales e outro no ano passado, na Bolívia.

Que valor moral e político se pode atribuir a quem se proclama presidente, a quem organiza e executa golpes de estado ou assume a genuflexão como costume de ação, cumprindo à risca o que lhes é ordenado desde o berço imperial que tenta reaplicar a Doutrina Monroe contra nossos povos?

Talvez seja a hora de a América Latina e o Caribe –unidos– partirem para enterrar a OEA e seus vestígios de entidade antidemocrática, conspiratória e, principalmente, contrária às nações que supostamente representa.

Por que não nos perguntar se o momento que vive nossa região é o de fortalecer uma organização mais jovem, mas com um apoio muito mais moral e solidário aos países do continente: a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), onde eles podem estar todos, não importa a ideologia que apoiem ou o sistema de governo que tenham.

A outra entidade que questiona as eleições na Venezuela é a União Europeia, que, infelizmente, insiste na política de sanções contra a Revolução Bolivariana e seu legítimo presidente, Nicolás Maduro.

Categories: # Venezuela, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #America Latina, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosGrupo de LimaPalacio de Miraflores, A obsessão dos Estados Unidos, agressão internacional contra a Venezuela,, bolivia, Guaidó nomeia "embaixadores" ilegais, Guaidó, um "presidente" sem território, Luis Almagro, Nicarágua, Organização dos Estados Americanos (OEA), Organizacion e Estados Americanos (OEA), promovendo a autoproclamação do deputado Juan Guaidó como "presidente encarregado | Deixe um comentário

As duas faces do mesmo AEO.#EleccionesDeEEUU #OEA #Bolivia #Almagro #Politica #FraudesElectorales

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #OEA, #OEA,Luis Almagro, bolivia, Carta Democrática da OEA, Dança de máscaras na OEA, Elecciones EEUU, Organizacion e Estados Americanos (OEA), Secretário-Geral da OEA, | Deixe um comentário

EUA e Colômbia se opõem às próximas eleições legislativas na Venezuela.

Categories: #Colombia, Ejército de Liberación Nacional (ELN), Guerrilla, Paz, #Venezuela, #EUA contra uma possível intervenção militar na# Venezuela, #Nicolás Maduro, #Nicolás Maduro Moros, #Venezuela, agressão internacional contra a Venezuela,, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, OEA, Organizacion e Estados Americanos (OEA), Secretário-Geral da OEA, | Deixe um comentário

Os Estados Unidos reafirmam sua agressividade contra os povos que não seguem as ordens imperialistas.

Autor: Granma | internet@granma.cu

O Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, respondeu ao Secretário de Estado dos Estados Unidos Mike Pompeo e destacou a progressiva solidão internacional em que se encontra a atual administração da Casa Branca devido à sua posição de manipular a Organização dos Estados Americanos ( OEA).

Mike Pompeo's summer feel-good tour of Europe – POLITICO

“O secretário Pompeo demonstra mais uma vez o crescente isolamento internacional dos Estados Unidos. Ao impor um mandato ao desacreditado Ministério das Colônias (OEA), ele reafirma sua projeção de domínio sobre a América Latina e agressividade contra os povos que não seguem as ordens imperialistas”, escreveu o Chefe da diplomacia cubana em sua conta no Twitter.

Anteriormente, o alto representante do Governo dos Estados Unidos afirmou que é hora de o hemisfério enfrentar “os regimes de Cuba, Nicarágua e Venezuela”, contrários às políticas da Casa Branca, segundo a agência Prensa Latina.

Não passa uma semana sem que o governo emita declarações contra Cuba ou imponha novas restrições. A agressividade do bloqueio elevou-se a um nível qualitativamente novo, o que reforça a sua condição de impedimento real e decisivo à gestão da economia e ao desenvolvimento do nosso país.

Categories: # OEA, #Donald Trump, #Estados Unidos, CIA Mike Pompeo, Donald Trump, Estados Unidos, FORA TRUMP, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, Organizacion e Estados Americanos (OEA), Politica agressiva contra Cuba, Politica Exterior, Pompeo,, relações bilaterais, o governo Donald Trump, secretario de Estado, Michael Pompeo, secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo,, Secretário-Geral da OEA,, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Cuba na geopolítica imperial.

Retirado do Jornal Granma .

Autor: Jorge Casals Llano | internet@granma.cu

Embora a geopolítica como disciplina tenha nascido apenas no final do século XIX e início do século XX na Europa, desde “as cruzadas” primeiro e com “as descobertas” e a conquista posterior, o capitalismo e os reinos europeus se expandiram, assumindo cada vez mais territórios que arrebataram, com sangue e fogo, em nome de Deus, os povos que neles viviam.

Seguindo o mesmo curso, mas desta vez por razões puramente “religiosas”, os peregrinos chegaram no Mayflower ao que viria a ser a Virgínia no Anno Domini de 1620, como atesta a história da nação que assim nasceu. Dez anos depois, um missionário afirmaria que “por um desígnio especial do céu”, “se os nativos agissem injustamente”, os recém-chegados teriam o “direito de guerrear legalmente com eles e subjugá-los”.

Então, os grandes proprietários, donos de escravos e traficantes, deram a si próprios uma Constituição que criaria uma república, um governo e instituições capazes de servir aos que detinham a riqueza; que cresceu roubando e massacrando populações indígenas e escravizando-as sob o pretexto de um modelo de democracia que adotou um nome que traía explicitamente seu destino: Estados Unidos da América. Em 1845, o “mandato divino” – já recebido do Mayflower – incluiria a ideia de Destino Manifesto para o país nascido em 1787, que não incluía entre seus cidadãos índios, escravos, pobres ou mulheres, e arrogou o direito, e até mesmo a obrigação, de se expandir para levar liberdade e progresso a todo o continente, como afirmava então um colunista de uma revista nova-iorquina, de ser transformado em símbolo e repetido geração após geração, até hoje. dias.

E ao sul do continente, o mar do Caribe, cujo controle garantia a segurança e a possibilidade de conexão com o mundo, e nele seu mare nostrum, Cuba, localizado na entrada do Golfo. E embora os conceitos de geoestratégia e geoeconomia também não tivessem sido formulados, e John Quincy Adams os entendesse, ele metaforicamente escreveu sobre “a fruta madura” e, sem metáfora, afirmou que: “Não há território estrangeiro que possa ser comparado aos Estados Unidos. como a ilha de Cuba … (que) quase à vista de nossas costas, adquiriu uma importância transcendental para os interesses políticos e comerciais de nossa união.

Quando em 1823 a Doutrina Monroe (América para os americanos) foi anunciada pelo agora quinto presidente da nação, e nela se estabeleceu a intenção dos Estados Unidos de não tolerar a intervenção europeia no continente, ao norte do Américas, uma república imperial com sua consequente presidência imperial; alguns anos depois, também a ditadura dos dois partidos que se alternariam no poder.

No final do século 19, os EUA intervieram na guerra hispano-cubana e a transformaram no que Lenin chamou de “a primeira guerra imperialista”. A intervenção na guerra, adequadamente rebatizada de hispano-americana, justificada por meio do engano e da manipulação da explosão do encouraçado norte-americano Maine, abriria as portas para a expansão imperial para além do continente.

O cientista político Zbigniew Brzezinski caracterizou esta disputa como: «… a primeira guerra de conquista dos Estados Unidos fora do seu território … Os Estados Unidos reivindicam um estatuto especial de único guardião da segurança do continente americano – anteriormente proclamado por a Doutrina Monroe e posteriormente justificada pelo suposto “destino manifesto” americano – tornou-se mais firme após a construção do Canal do Panamá … ”. Apenas Brzezinski percebeu que a construção do canal foi possibilitada pela independência do Panamá da Colômbia, muito “conveniente” para os Estados Unidos.

Depois da guerra – só possível devido à participação decisiva dos Mambises – foram criadas as condições para o império, por meio da Emenda Platt, inaugurar as medidas que mais tarde foram chamadas de neocolonialismo, aplicadas com a política do Grande Garrote, de Theodoro Roosevelt, e sua emenda à doutrina Monroe, o chamado “corolário” segundo o qual, se um país latino-americano-caribenho ameaçar ou colocar em perigo os direitos ou propriedades de cidadãos ou empresas norte-americanas, o governo deve intervir para restaurar os direitos de seus Cidadãos “americanos”. Para atingir o mesmo objetivo, com outros meios, outro Roosevelt (Franklin Delano) aplicaria a política da Boa Vizinhança, já na segunda década do século.

Assim, independentemente da cor do partido que governou os Estados Unidos (sete republicanos e três democratas de 1898 a 1958), seus representantes e embaixadores, atuando como procônsules, mantiveram Cuba sujeita ao império: 25 anos com três intervenções militar (1898-1902, 1906-1907, 1917-1923); uma Constituição (1901), mutilada por uma emenda; curtos períodos de democracia formal em que se impôs a participação do povo até a construção de uma Constituição progressista (1940), e ferozes ditaduras como as de Gerardo Machado (1924-1932) e Fulgencio Batista (1952-1958); que, protegido pelos EUA, massacrou o povo quando era necessário “restaurar a ordem” imperial, e a todo o tempo com uma corrupção generalizada que permeava o país e suas instituições, embora sem conseguir subjugar o povo e sua rebelião.


Com a derrubada da ditadura em 1959, a Cuba independente iniciaria a Revolução na mare nostrum de um império sólido. No que se refere à América Latina e Caribe, sempre considerada seu quintal, os Estados Unidos haviam assegurado desde a guerra fria, com a Doutrina Truman e o macarthismo, mecanismos e instituições que garantiam o controle absoluto da região: o Conselho Interamericano de Defesa ( JID), o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) e a Organização dos Estados Americanos (OEA), a notória Escola das Américas (desde 1946), especializada no treinamento de militares latino-americanos em técnicas que incluíam tortura e, para claro, também a CIA.

A Revolução Cubana triunfa naquilo que o império considerava seu hemisfério, feito pelas costas, sem consentimento, em um país cuja principal riqueza era propriedade de empresas estadunidenses, de eletricidade e telefonia a hotéis, empresas açucareiras, bancos e refinarias de petróleo, onde experimentavam tudo o que mais tarde aplicariam no mundo, onde iam beber se houvesse “lei seca” em seu país, jogar se o jogo fosse proibido, ter suas esposas abortadas, passar fins de semana longe de olhares indiscretos em clínicas, hotéis ou bordéis de luxo; onde os fuzileiros navais desembarcaram para pisotear a dignidade dos cubanos e cubanos.

A partir de 1959, a política dos Estados Unidos contra Cuba intensificou sua trajetória hostil, para além da cor do partido que governou “o gigante das sete ligas” e, durante o mandato dos 12 presidentes imperiais, a partir do 1º . De janeiro até hoje, cinco democratas (Kennedy, Johnson, Carter, Clinton e Obama) e sete republicanos (Eisenhower, Nixon, Ford, Reagan, Bush – pai e filho – e Trump) foram planejados e executados, por seus governos ou por os pistoleiros sob sua proteção, 681 ações terroristas, incluindo a invasão de Playa Girón, a explosão do avião de Cubana em Barbados e até o ataque à nossa embaixada em Washington, com um custo de 3.478 mortes e 2.099 Desativado.

Os republicanos iniciaram, a partir de março de 1959, as operações encobertas e, com base na antiga Lei do Comércio com o inimigo (data de 6 de outubro de 1917), iniciaram, com fúria e perversidade, o bloqueio econômico, comercial e financeiro que a cada ano todos os presidentes americanos sejam reativados. Da mesma forma, orquestraram campanhas para estreitar as relações com Cuba, que incluíam, desde a invenção de uma base de submarinos nucleares soviéticos na baía de Cienfuegos, até “ataques sônicos” a seus funcionários; financiaram, incentivaram ou permitiram que organizações terroristas agissem contra Cuba, como a criada em 1981 pela CIA, a Fundação Nacional Cubano-Americana; assinou uma Lei pela Democracia em Cuba, a Lei Torricelli, proposta por dois democratas, que evidencia a política de Estado, e não partidária, de relações, até que o atual presidente, Donald Trump, exacerbou os conflitos e multiplicou o uso de chantagem política contra parceiros, amigos ou adversários.

Os democratas, por sua vez, executaram os planos de invasão de Eisenhower por Cuba, que culminaram com a derrota dos mercenários em Playa Girón; iniciaram oficialmente o bloqueio econômico com a ordem executiva nº 3447; alimentaram as tensões que provocaram a chamada Crise de Outubro, que colocou o mundo à beira da guerra nuclear; fizeram a OEA aprovar uma resolução sobre o rompimento das relações diplomáticas com Cuba; Provocaram as ondas migratórias de Camarioca e Mariel, e até assinaram o que, por proposta dos republicanos, se chamou Lei da Liberdade e Solidariedade Democrática com Cuba, conhecida como Helms-Burton, que reiterou o caráter estatal da política em relação o Maior das Antilhas. E embora Obama em 2016 pedisse para deixar o passado e “olhar para o futuro”, ele não poderia esconder, disfarçadamente, o objetivo de seu governo: conseguir a tão almejada “mudança de regime”, que já havia explicado à contra-revolução cubana em Miami: “É hora de o dinheiro cubano-americano tornar suas famílias menos dependentes do regime de Castro.”

Independentemente de quem seja o presidente dos Estados Unidos nas eleições de novembro, uma coisa fica clara: a solução para o conflito Cuba-Estados Unidos. Só será possível quando o império reconhecer que nossa Ilha é uma nação livre, soberana e independente.

Categories: "Liberdade", "democracia", "racismo" e "direitos humanos", #America Latina, #CIA, #Cuba #CIA, #solidaridadvs bloqueo, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, AMERICA LATINA, Barack Obama Bruno Rodríguez ParrillaDonald Trumpoficina del Servicio de Ciudadanía e Inmi, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, CubavsBloqueo, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, HISTORIA DE CUBA, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, MIAMI, OEA, Organizacion e Estados Americanos (OEA) | Deixe um comentário

Bolivianos nos Estados Unidos denunciam que foram privados do direito de voto nas eleições de 18 de outubro.

Categories: # OEA, bolivia, Carta Democrática da OEA, Dança de máscaras na OEA, Derechos Humanos, Organizacion e Estados Americanos (OEA) | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: