Patria Jose Marti

A cultura política e a cultura da política .

Autor: Gustavo Robreño Dolz | internet@granma.cu

Entre as mais importantes contribuições teóricas que fazem parte das ideias substanciais que, verificadas na prática, têm acompanhado a Revolução Cubana desde o seu início, está o que Armando Hart catalogou como “a cultura de fazer política”, colocando José Martí e Fidel Castro como os seus expoentes mais destacados e relevantes, e apontando ambos como representantes “daquele fruto mais puro e mais útil da história das ideias cubanas”.

Não se trata de cultura política, que é – naturalmente – a fonte essencial da qual a imensa sabedoria de ambos foi alimentada, mas das formas práticas da sua materialização e das formas de ultrapassar com sucesso os obstáculos que surgem antes de qualquer projecto de mudança transcendente.

Sigamos a definição de política de Marti como “a arte de inventar um recurso para cada novo recurso dos adversários, de transformar os reveses em fortuna, de se adaptar ao momento presente, sem a adaptação que custa sacrifício, ou a diminuição do ideal que se persegue; de desistir para ganhar impulso, de cair sobre o inimigo antes de ter os seus exércitos alinhados e a sua batalha preparada”.

É, portanto, uma categoria de prática que deve combinar sabiamente o radicalismo com a harmonia e ser governada por princípios éticos. É assim que se expressa na identidade nacional cubana, tendo no seu cerne a cultura política e educativa presente na nossa tradição intelectual.

Obra Arcángeles del Alba, de Nelson Domínguez.

As ideias pedagógicas e filosóficas cubanas, desde Caballero, Varela e Luz até aos nossos dias, têm dois séculos de história e têm estado ligadas às constantes aspirações e necessidades do povo. A ciência e a cultura nunca foram colocadas em contradição com as crenças divinas.

Existe, portanto, uma vasta cultura a partilhar e divulgar que, abraçada pelas novas gerações de cubanos, pode continuar a exercer uma influência política, filosófica e cultural de repercussões profundas e de longo alcance no futuro.

Como Hart reiterou em mais de uma ocasião, é necessário saber diferenciar, e ao mesmo tempo relacionar a ideologia – entendida como a produção de ideias – com a ciência, a ética e a política. Em outras partes do mundo, confundiram estas categorias ou não sabiam como relacioná-las.

O capitalismo, pragmático e perverso na sua forma de segmentar a realidade, não o pode fazer, e só um pensamento dialéctico e materialista o pode fazer: diferenciar e relacionar as realizações concretas do ser humano. Isto também requer inteligência, sensibilidade, conhecimento e cultura, integrando o esforço generalizado do povo para enfrentar este imenso desafio.

Para a Revolução Cubana, ao longo de mais de um século e meio de lutas ininterruptas, a ideia chave tem sido banir o desastroso slogan de “dividir para conquistar”, praticado pelos impérios, e exaltar o princípio democrático, popular e justo de “unir para conquistar”, juntamente com o cumprimento da sentença de Marti de que “o poder de associar é o segredo do ser humano”.

É, nos tempos actuais, um humanismo que relaciona cultura e desenvolvimento, e permite assumir com a ciência e a ética o mundo globalizado confuso – e também digitalizado – do presente e do futuro.

A CULTURA DE MARTI E A CULTURA FIDELISTA DE FAZER POLÍTICA

Com base na melhor tradição e nos ensinamentos de Marti, Fidel Castro desenvolveu, no século passado e até hoje, a ideia revolucionária de “unir para vencer”, superando, nas condições cubanas, o velho lema reaccionário de “dividir para conquistar”, que emergiu do coração da sociedade feudal ao longo da história da chamada civilização ocidental dominante.

Tal como o Partido Revolucionário Cubano de Martí pela organização e retomada da guerra da independência, desta vez foi o culminar de um longo e difícil caminho, onde se manifestou, de forma extraordinária, aquilo a que Hart chamou “cultura fidelista de fazer política”, ou seja, poder catalisador e harmonizador, sentido humanista, fugir e evitar exclusões; “nem tolerante nem implacável”, foi o curso invariável e a semente semeada, sendo colhida até ao presente.

Quando Fidel afirmou, nas suas memoráveis palavras na sala principal da Universidade Central da Venezuela, que “cada revolução é filha da cultura e das ideias”, colocou ambas as componentes como prioridade máxima no cenário político, colocou-se na vanguarda ideológica mundial e colocou a cultura – criação humana engenhosa – no centro da política e da luta de ideias. A vida mostra-nos isto constantemente.

No caso cubano, a melhor tradição de dois séculos de ideias integradas no património cultural da nação representa a nossa força e coesão, e apresenta-nos ao mundo com as nossas próprias características muito definidas como sociedade e como país.

Chegados aos nossos dias, “a cultura de fazer política” é reiterada como o fruto mais original e útil das ideias cubanas, alcançando na prática uma contribuição única para a história das ideias políticas universais, pensando como um país.

Estreitamente relacionado com o acima exposto, o Presidente Miguel Díaz-Canel afirmou perante a Assembleia Nacional: “As organizações políticas e de massas são chamadas a ser mais proactivas e inclusivas. Nunca negligenciar a importante componente social no seu trabalho político-ideológico e trabalhar com todos, não só com os convencidos, mas também com os apáticos, em cuja indiferença aqueles de nós que não foram capazes de os unir têm uma quota-parte de responsabilidade?

A contribuição de José Martí para as ideias políticas baseou-se em iluminar e clarificar, com a sua imensa cultura e a sua múltipla erudição, as formas práticas de fazer política.

Com base na tradição dos ensinamentos de Martí – na segunda metade do século XX -, Fidel forjou a unidade do povo cubano para fazer a Revolução, defendê-la, desenvolvê-la e ultrapassar todos os obstáculos que impediram o seu progresso.

Este legado, como um todo, constitui a cultura de fazer política, concebida como uma categoria de prática que, fundamentalmente, consiste em derrotar a divisão e a regra, e estabelecer a ideia revolucionária de unir para vencer, sobre bases éticas que incorporam a grande maioria da população.

Numa época repleta de perigos, mas também de enormes possibilidades de luta em prol do mundo melhor a que milhões de pessoas em todo o planeta aspiram, é necessário, como nunca antes, investigar, estudar e promover este princípio de Martí e Fidel Castro.

A cultura política – em si importante – pode ser insuficiente ou incompleta para atingir os objectivos mais elevados se “a cultura de fazer política” não a acompanhar. A vida e a história já mostraram exemplos suficientes nesse sentido, e continuam a fazê-lo.

Categories: #Martí, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fidel castro, Fidel Castro Ruz, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Fidel, el ejemplo imperecedero de Maceo y Che,, HISTORIA DE CUBA, Intelectuales, Política, Red de Intelectuales y Artistas en Defensa de la Humanidad (REDH), Soberanía, Venezuela, Jose Marti, Los artistas del Imperio, MIAMI, Patria Jose Marti, Redes sociais, sonhos de Fidel | Deixe um comentário

Procurando por #Yotuel … alguém o viu? Eu vim para Bruxelas.#PatriaOMuerte

Categories: #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Patria Jose Marti, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Presidente de Cuba evoca a validade do feito de 24 de fevereiro de 1895 .

Categories: # Cuba, DIAZ CANEL, guerra, HISTORIA DE CUBA, Jose Marti, O presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel, Patria Jose Marti | Deixe um comentário

Pátria ou Morte .

Autor: Pedro Jorge Velázquez | internet@granma.cu

Martí foi traído. Não há tempo para se intimidar por aqueles que procuram pisotear nosso país com uma canção. Quanto esquecimento existe no adeus? Quanto ódio cabe nas artérias de Miami? Quem nos esquece, esquece os jovens que cantam com eles, esquece seu povo, esquece sua pátria, esquece Martí. Os que cantam o fazem como se Cuba não lhes tivesse dado nada, como se tivessem se tornado artistas em Júpiter, como se não se lembrassem onde cresceram e quem os abraçou pela primeira vez, como se respeitar as nossas deficiências fosse não um dever, como se o oportunismo pudesse tirar tão rapidamente a gratidão de ser cubano; como se viver nestas ruas, como se cavar no nosso sulco, como se comer do nosso próprio prato, não fosse orgulho.

Martí era um independentista. Que ninguém se esqueça disso. Martí morreu por nós porque odiava o jugo espanhol e conhecia o monstro do norte. É por isso que ele o chamou de Golias e queria ser Davi. Sua morte foi a maneira mais digna de viver. A pátria o viu morrer e abriu suas entranhas para recebê-lo. Martí nunca cedeu suas terras aos interesses de outro governo. Ele nunca foi um anexacionista. Ele nunca foi um traidor. Ele nunca escreveu contra sua pátria ou fez qualquer discurso contra seu povo. Ele não permitiu que ninguém o manipulasse porque ele era um homem de ferro e luzes. E quando teve que plantar na frente de Zambrana, com a testa mais franzida que Nova York já viu, ele o fez. É por isso que peço que levante sua voz hoje. Faça isso por Martí.

Obra de Pedro San Jorge

Aquela canção inundada de ódio que tenta zombar de tudo o que somos, de tudo o que demos para sermos livres, do que foi derramado neste chão; aquela música que tenta mudar Cuba por um milhão de visualizações no YouTube, que tenta negociar nosso prestígio para curtir; aquela canção de seis zumbis hipnotizados pelo boom e pelo mercado, de seis tipos presos à hegemonia e ao egoísmo, de seis ratos que não sabem que a esse povo, como Martí, não falta dignidade; Essa canção rag e covarde não me representa. Seu ódio não me representa. Sua letra nojenta não me representa. Gente de Zona não me representa. Martí me representa. Descemer Bueno não me representa. Che me representa. Maykel Osorbo não me representa. Silvio me representa. Funky não me representa. Israel me representa. Yotuel não me representa. Fidel me representa.

No dia em que foi decidido aqui gritar Pátria ou Morte, não estávamos brincando de soldado. Estávamos mudando infernos, estávamos fundando uma cidade. Martí também gritou “Independência ou Morte” porque sabia que não havia outra maneira de salvar o país. No dia em que foi decidido gritar Pátria ou Morte aqui, não houve tentativa de impor uma doutrina, mas sim foi prestado respeito àqueles que morreram para alcançar a independência. No dia em que Fidel gritou Pátria o Muerte, todo o país chorava porque cem irmãos nos mataram em uma explosão e 400 ficaram feridos. A CIA os matou. O ódio os matou. Para que você conheça bem. Gritamos pelos 34 desaparecidos daquela explosão, pelas dezenas de homens inválidos para o resto da vida, pelas viúvas, pelos órfãos, pelas mães que queriam desaparecer. E tinha que ser Pátria ou Morte em Girón quando eles vieram nos invadir e nos matar. E tinha que ser Homeland ou Death in the Escambray quando famílias inteiras foram mortas a tiros. E teve que ser Homeland or Death quando um avião com 73 cubanos deixando Barbados desabou. Pátria ou Morte é nossa única verdade, nossa declaração, nossa denúncia, nosso grito, nosso veredicto e também será nosso epitáfio.

De que país e de que vida você está falando, que idolatra o ódio de outro governo contra seu país? Qual é o dominó bloqueado? Quem trancou o dominó? De que país e de que vida você está falando, que não cantam contra um bloqueio que acaba com a vida dos cubanos? De que “sangue para pensar diferente” você está falando? Onde é isso? Onde ficou a bússola, onde eles se perderam, quando mudaram? De que país e de que vida você está falando, se Maykel Osorbo recentemente pediu uma intervenção militar? É esse o país que eles querem? Invadido? De que país você está falando, se canta contra ele de outra fronteira? De que vida eles estão falando, se ofenderam nossos mortos mais sagrados? De que país e de que vida você está falando, se a vida neste país não foi respeitada até o triunfo da Revolução?

Deixe a história agora, que esta é e será Pátria ou Morte, porque respeitamos aqueles que nos deram sonhos e liberdade. “Não é uma frase numantina ou suicida, mas uma disposição impenitente de entregar tudo.” É Pátria ou Morte, porque somente com essa determinação fomos livres. Grátis, como pensamento imprevisível. É pátria ou morte porque este país não pode morrer novamente. Há lágrimas que ainda correm pelo rosto e feridas que ainda queimam na pele. É Pátria ou Morte porque quem se levanta hoje com Cuba se levanta para sempre. É pátria ou morte porque o coração nos sangra.

A única maneira de ficar seguro, a única maneira de resistir ao ataque dos ventos do norte, a única maneira de ser o farol deste continente afundando, a única maneira de não ser os cães de uma ideologia opressora, a única maneira de continuar a construir um país melhor: criticando o mal feito e avançando, única forma de uma criança pobre da montanha se profissionalizar, única forma de ter nossas escolas, nossos hospitais, nossos parques; nossa arte, gratuita, crítica e genuína; A única forma de as nossas vidas serem respeitadas, a única forma de acordarmos felizes todos os dias, com um imperfeito mas nosso, é acreditar, é dizer, todos os dias, Pátria ou Morte!

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #YoSoyFidel, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, cultura, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, HEROES Y MARTIRES, HISTORIA DE CUBA, Manipulacion, MUSICA CUBANA, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Patria Jose Marti, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión, Terrorismo, TERRORISMO VS CUBA | Deixe um comentário

Cante para a pátria, não contra ela.

Autor: Pedro de la Hoz | pedro@granma.cu

De La Bayamesa, de Céspedes, Castillo e Fornaris, escrita em 1851, a Me They Say Cuba, em que Alexander Abreu inseriu, em meio ao som frenético, as notas do Hino de Bayamo, a Pátria foi cantada um, dez , mil vezes, em suas essências mais limpas e cativantes. Porque um povo com música na alma expressa seu sentimento de pertencimento à arte que melhor o representa.

Contra essa tradição permanentemente atualizada, qualquer tentativa de perverter sentimentos e corroer convicções irá fracassar em operações como a que começou a circular de Miami – onde mais! – poucas horas atrás.

Não existem intenções ocultas. O texto aposta sem dissimulação pela restauração capitalista e a derrubada do poder revolucionário. Ao rever o lançamento, servido por canais de comunicação a serviço da subversão, a agência EFE destacou estes objetivos: “A canção é abertamente contrária ao Governo de Cuba e suas políticas”.

Presidente de los Consejos de Estado y de Ministros de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, preside Velada Político Cultural en Homenaje al 2do Aniversario de la desaparición física del Comandante en Jefe Fidel Castro, en la Escalinata de la Universidad de la Habana

Não há argumentos, mas uma série de lugares-comuns para o discurso anticubano: uma Cuba ditatorial onde predominam a mentira, a repressão e a tortura; uma ditadura sem apoio popular (“você já está transbordando, você não tem mais nada, você já está saindo, o povo está cansado de aguentar”).

Não há o menor indício de engenhosidade, nenhum resquício de inteligência na conversão crua do lema Patria o Muerte em Patria y Vida, o título da diatribe. Como se a defesa da vida, a liberdade, a resistência, não estivessem corporificadas no slogan que nos acompanha desde o adeus às vítimas da sabotagem do navio La Coubre.

A aliança dos protagonistas também não é surpreendente. Famosos, os ocasionais talentosos formados em nosso sistema de ensino –embora se saiba que fama e talento não são sinônimos–, impulsionados pelas tendências da moda dentro daquela faixa que se chamou de música urbana, tiveram sucessos comerciais em Cuba.

Até que, deslumbrados pelo desejo de maiores lucros, seduzidos pela celebridade floridiana ligada à indústria anticubana, e com péssimos relatos sobre a capacidade de resistência dos próprios contra o violento ataque do trumpismo contra nosso povo, rasgaram suas roupas e evidenciaram a precariedade de seus princípios éticos, se o tivessem.

Assim, confortavelmente instalados em Miami, eles começaram a reclamar, insultar, reclamar e reescrever suas histórias pessoais. Um deles apagou da memória os versos que cantou em 2016: (“Volto ao berço que me viu nascer / volto àquele bairro que me viu correr / o que fui, o que sou e serei para a minha linda ilha “); outro, como que para não deixar dúvidas sobre seu caráter moral, negou ter saudado o Presidente da República de Cuba em um concerto (“foi um erro … tive medo”), e um terceiro, certamente incentivado por um alucinógeno alto, ameaçado de vir “dar um facão” contra os governantes.

Neste último, ele é relacionado a um convidado para participar do espetáculo: o criminoso que em Havana pediu a Trump “fogo, fogo e fogo para que isso acabe”: bloqueio e invasão a Cuba. O fogo que queima uma bandeira cubana no vídeo. O fogo da vileza com que tentam turvar a memória de Martí e Che na carta. O fogo contra a Pátria, contra a vida.

Será bom guardar no coração as palavras de Martí a um compatriota em 1886: «A Pátria tem necessidade de sacrifícios. É um altar e não um pedestal. É-lhe servido, mas não o leva para o usar ». E tê-los acompanhados de trilha sonora que inclui, entre outros temas, a Serenata Diurna, de Silvio Rodríguez.

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, cultura, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, HISTORIA DE CUBA, Jose Marti, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Patria Jose Marti, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

A ideologia de Marti não pode ser ultrajada, muito menos vendida.

Autor: Gladys Leidys Ramos López | internet@granma.cu

Diáfano, irradiava mais luz do que o raio de sol, que vinha da janela e iluminava o meio de seu peito. Embora fosse um pequeno busto no final da sala de aula, próximo ao mural dos pioneiros, vi-o grande, como todo mundo no primeiro b do ano 2000.

Naquela época, nenhum de nós ainda entendia a história de Cuba e de seus filhos, mas todos já conhecíamos José Martí. Mesmo, quase sem saber ler, aprendemos seus versos e apreciamos a imensidão de sua pena.

Quando tivemos que crescer e partir, deixamos a sua imagem ali mesmo, com a mesma luz com que nos recebeu, para que os próximos privilegiados o admirassem, mas ficamos com a moral das suas obras e com a sensibilidade que eles ainda professam.

É aquele que conheceu o homem, mentor do assalto ao Moncada, amante da sua pátria, a ponto de viver no monstro e sacudi-lo para o libertar; E quem também conheceu o carinho incondicional pela mãe e pelo filho, ainda mais à distância, não pode deixar de venerá-lo, muito menos deixá-lo afrontar.

Resultado de imagen de pinturas de jose marti

Usar o significado de sua linhagem na história cubana e no cotidiano de seu povo, e deturpá-lo, tem sido uma estratégia tão antiga quanto a vontade do vizinho do norte de se apoderar deste arquipélago rebelde das Antilhas. Talvez porque os atores da guerra não convencional contra Cuba acreditam que os símbolos de liberdade e soberania que representam esta terra podem ser corrompidos. Eles estão errados.

Os integrantes da farsa de San Isidro erraram quando, proclamando-se adeptos da ideologia de Marti, se valeram de um poema do apóstolo dedicado à sua pátria, no meio de um concerto, no dia 28 de janeiro, onde integrantes da monstruosidade subversiva 27 n, para divulgar seu “interesse por um país mais livre”.

Mas algo que eles conseguiram com Dos Patrias, que o usam como slogan, foi lembrar aos cubanos, o verdadeiro Marti, da importância de não ver Cuba novamente sob o poder de outra nação, e quanto devemos continuar fazendo este presente para preservar o que temos.

Porque somos capazes de ter vacinas autênticas contra uma pandemia que assola o mundo e porque, quando a crise financeira global se intensifica, a resposta do crocodilo caribenho é reordenar nossa economia e depender de seus próprios recursos. Porque a noite de que fala Martí em seu poema não pode voltar a chegar a Cuba.

Eles optaram por descontextualizar aquela carta do Mestre, porque o que mais reflete seu desejo de libertar seu povo do domínio estrangeiro, enquanto se prepara para ele do exílio. Então como

poderia aquele versículo coincidir com uma causa com intenções de anexação comprovadas?

Anexacionistas, sim, porque o mesmo que se refere ao poema do concerto, Maikel Castillo Pérez (Osorbo), um dos farsantes de San Isidro, há pouco reafirmou esse interesse e até o reivindicou nas redes sociais.

E o provam, incessantemente, cada vez que emissários como a cubana residente na Espanha, Carolina Barrero Ferrer, que entrou em território nacional em dezembro do ano passado e manteve comunicação com Tania Bruguera, uma das integrantes do contra-revolucionário movimento, pois tem a clara missão de agilizar as ações do grupo.

A prova está no ativismo deles durante a provocação deste 27 de janeiro – não é preciso dizer o porquê daquela data – perante o Ministério da Cultura, onde também esteve Osorbo, para exigir um diálogo que eles próprios sabotaram quando decidiram atacar deliberadamente os símbolos para aqueles que dizem que lutam.

Barrero Ferrer também foi um dos protagonistas, posteriormente, na fabricação da lista de assinaturas para solicitar a renúncia do chefe do Mincult.

Então: A quem ou a que responde a farsa de San Isidro, ou 27 N? Os motivos que promovem são realmente transparentes e puros? Por que precisam de intermediários como Carolina Barrero Ferrer, se gozam da autonomia que pregam?

São perguntas que saltam à cabeça de qualquer pessoa e até respondem a si mesmas, embora não tenham muita importância. Em todo caso, a verdadeira ideologia de Marti, aquela que penetra profundamente na alma deste povo antilhano, é apreciada por todos os revolucionários desde tenra idade e a aprendemos na escola ou em família; Cultivamos dia após dia e corre em nossas veias como o próprio sangue, sabendo que por mais atraente que seja a oferta, aquela seiva herdada não está à venda.

Categories: #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Jose Marti, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Patria Jose Marti, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

À Bandeira Cubana: amor, respeito e carinho.

Retirado do Portal Ciudadano .

A bandeira cubana foi desenhada por Narciso López em 1849 com o objetivo de criar a primeira bandeira cubana, ideia que se materializou graças ao apoio de Miguel Teurbe de Tolón, sua esposa Emilia Margarita Teurbe Tolón y Otero que se encarregou de costurá-la mão e guarda. O sobrinho também ajudou: José María Sánchez Iznaga. Também o patriota cubano José Aniceto Iznaga Borrell, Juan Manuel Macias de Matanzas e Cirilo Villaverde, um proeminente escritor cubano.

bandera de cuba png

O que o torna lindo e único?

Suas cores. Composto por três listras azuis e duas brancas e seu triângulo vermelho com sua estrela solitária. A cor vermelha representa o sangue derramado na luta, a cor azul de suas três listras alude aos três departamentos em que Cuba se dividiu: Oeste, Centro, Leste.

Por sua vez, as listras brancas simbolizam a pureza dos ideais e a virtude dos cubanos. A estrela branca localizada bem no centro do triângulo, conhecida como estrela solitária, personifica a república livre, independente e soberana que deveria ser Cuba.

Este último era composto por cinco pontos brancos que significavam a perfeição do Mestre Maçom que se baseava em: força, beleza, sabedoria, virtude e caridade. O número 3 representado pelas listras azuis, prescreve a harmonia perfeita. A soma de todas as suas listras resulta no número cinco que determina o espírito vivificante, que perpetua a natureza. E, finalmente, o número 7, que inclui: todos os seus elementos, incluindo a estrela e o triângulo, é considerado divino pelos judeus e gregos.

O triângulo equilátero simboliza os três poderes da República, legislativo, executivo e judiciário, todos iguais e é por isso que o triângulo não se apóia em nenhum deles. Além de ser um símbolo do que uma nação deve ser, Liberdade, igualdade e fraternidade.

Quais são as regras para o uso e conservação da bandeira

Nacional?

O Projeto de Lei dos Símbolos Nacionais da República de Cuba no Capítulo II ARTIGO 33 estabelece que: As pessoas físicas podem usar a Bandeira Nacional em seus veículos, carregá-la em eventos públicos, exibi-la em seus locais de residência ou trabalho, observando o respeito e o cuidado que corresponde. Nestes casos, não é estabelecido um tamanho específico para a Bandeira Nacional.

Para Cuba, sua bandeira está inextricavelmente associada ao sacrifício e heroísmo que surgiu do inflexível movimento pela independência, portanto, nunca podemos esquecer o amor, respeito e cuidado que merece.

Categories: # Cuba, HISTORIA, HISTORIA DE CUBA, Patria Jose Marti | Deixe um comentário

A história por trás das cores de Cuba nas Cataratas do Niágara .

Elaboração de Cubahora

Um desejo, três cores e luz, protagonizou uma das mais belas homenagens que Cuba e seu Herói Nacional José Martí já tiveram. As imagens chegaram das Cataratas do Niágara, por meio da Embaixada de Cuba no Canadá, a quem agradecemos pela cortesia e compartilhamos hoje com nossos leitores.

Quando o corpo diplomático que atua naquele país do norte planejou a celebração do Dia Nacional de Cuba em janeiro de 2021, percebeu que era impossível realizar a tradicional recepção na embaixada, que em tempos normais contava com a presença de cerca de 400 convidados e decidiu faça isso virtualmente.

Foto: Retirado do perfil no Facebook de Josefina Vidal

Todos os anos, a grande cachoeira localizada na fronteira dos Estados Unidos e Canadá, é iluminada com belas luzes todas as noites. Ao saber disso, decidiram escrever ao Comitê de Iluminação encarregado deste evento, para solicitar que no Dia Nacional de Cuba as cores da bandeira cubana sejam projetadas nesta maravilha da natureza.

A resposta foi imediata, junto com o pedido de preenchimento de um questionário explicando a importância da data para Cuba, o apoio a esta iniciativa de residentes cubanos, organizações de solidariedade e personalidades de ambos os lados da fronteira canadense e dos Estados Unidos, os antecedentes de como este dia é geralmente comemorado em Cuba e no Canadá. Do “lado cubano”, restou propor duas datas alternativas. A Embaixada propôs 1º ou 28 de janeiro e o Comitê escolheu este último.

Um aspecto fundamental na seleção foi a relação das Cataratas do Niágara com Cuba. Para isso, foi válido lembrar que no lado canadense desta majestosa cachoeira existe uma placa dedicada ao cubano José María Heredia (1803-1839), onde se lê:

“Poeta cubano e patriota exilado que cantou para Niágara e, como disse José Martí, despertou ‘uma paixão inextinguível pela liberdade’ no coração de todos os cubanos”.

Considerado o primeiro poeta romântico da América, Heredia, deslumbrado com a beleza das cataratas, escreveu em 1824 um de seus poemas mais conhecidos “A Ode ao Niágara”, um de cujos fragmentos é recolhido na placa.

Para nossa enorme satisfação, em 24 de agosto de 2020, o Comitê de Iluminação das Cataratas do Niágara respondeu aprovando um show de luzes dedicado ao Dia Nacional de Cuba, na noite de 28 de janeiro de 2021, coincidindo também com o 168 aniversário do nascimento de José Martí, nosso Heroi nacional.

Categories: #Cuba, canadá, Jose Marti, MINREX, Patria Jose Marti | Deixe um comentário

Martí🇨🇺 entre nós ♥ ️ de diferentes partes do mundo🌼

Categories: # Cuba, HISTORIA, HISTORIA DE CUBA, Jose Marti, Patria Jose Marti | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: