#Guaidó irá votar (com #Maduro no poder) nas eleições regionais: o que mudou para que isso acontecesse?

#Venezuela #Elecciones #Politica #ManipulacionPolitica #OposiciónVenezolana

#Guaido e o seu roubo de capital assistido pelos #EUA.

#Guaido #Venezuela #UnionEuropea EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal

O Presidente #NicolasMaduro denuncia o #Guaidó por fingir roubar a mdd.

#Venezuela #NicirasMaduro #AutoProclamadoGuaido #InjerenciaDeEEUU #AmericaLatina

O Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, durante o acto de comemoração do XII Aniversário da Milícia Bolivariana e do Dia da Dignidade Nacional, denunciou o plano liderado por Juan Guaidó de confiscar bens venezuelanos detidos nos Estados Unidos (EUA).

“O Guaidó destinava-se a roubar milhões de dólares. Foram apresentados vídeos e provas do esquema de corrupção”, denunciou o Presidente venezuelano.

El jefe de Estado declaró que el exdiputado Sergio Gergerbara firmó el contrato para invadir Venezuela.

O presidente rejeitou a alegação de roubo de recursos ao país pelo sector mais extremista da oposição venezuelana, referindo-se à cadeia de roubos da “Assembleia Nacional” ilegal que, sob a liderança de Juan Guaidó, faz pedidos de financiamento para instituições inexistentes e promove campanhas violentas no país.

O Chefe de Estado disse que o Presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Jorge Rodríguez, apresentou “provas irrefutáveis” ligando o grupo liderado por Guaidó no roubo de 50 milhões de dólares da nação, que os EUA têm sob o seu poder ilegalmente.

O chefe de Estado declarou que o antigo deputado Sergio Gergerbara “assinou o contrato para invadir a Venezuela e matar venezuelanos”. O presidente bolivariano disse que Sergio Gergerbara também tratou do dinheiro.

Da mesma forma, o presidente constitucional da Venezuela recordou que “estamos em vésperas da designação constitucional do novo conselho eleitoral que irá reger os processos eleitorais de 2021 a 2028 (7 anos) das eleições que se avizinham no futuro”.

#Guaidó e a rota do dinheiro da #Venezuela.

#EstadosUnidos #Venezuela #AmericaLatina #AutoproclamadoGuaido #PDVSA #InjerenciaDeEEUU #DonaldTrumpCulpable #MikePompeo #BCV #ElBloqueoEsReal

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Um personagem como Juan Guaidó só poderia ser fabricado pelo governo dos Estados Unidos. O montante multimilionário de dinheiro necessário ao projeto, elaborado no Departamento de Estado, foi concebido, desde o início, com base na apropriação do patrimônio do Estado venezuelano, depositado em bancos daquele país, bem como na subsidiária do petroleira PDVSA, que, sob o nome de Citgo, reside nos Estados Unidos.

Tratava-se de criar uma espécie de “governo paralelo” e ignorar e torpedear o legítimo, chefiado por Nicolás Maduro; desenvolver uma guerra econômica de possível alcance militar, e que o dinheiro para este andaime intervencionista venha dos recursos do país bolivariano.

O ex-presidente Donald Trump, e seu colaborador mais próximo, Mike Pompeo, sabiam que privar a Venezuela do dinheiro obtido com seu petróleo era a melhor maneira de deter o boom revolucionário, o desenvolvimento social e, de acordo com seus planos, o caminho para o colapso da Revolução Bolivariana .

Para se ter uma ideia de até onde chegaram os Estados Unidos e Juan Guaidó, tomemos um exemplo: A petroleira PDVSA tinha um acordo com a Itália para que, no país europeu, fossem realizados transplantes de medula óssea em crianças venezuelanas como único caminho para salvar suas vidas. Porém, quatro deles morreram enquanto aguardavam a viagem, já que o dinheiro para custear essas operações deveria ser enviado pela subsidiária da Citgo, mas como Trump o apreendeu e proibiu o uso de seus recursos, o único destino dos bebês era o morte.

“Aquele programa de Saúde com a Itália era executado pela Citgo, confiscado pelos EUA, a Venezuela mandou os fundos pela PDVSA e eles ficaram retidos no Novo Banco, em Portugal, graças às sanções e ao bloqueio criminoso”, relatou então, em um tweet, o Ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza.

Na mensagem, publicou também as ordens de pagamento emitidas pela estatal venezuelana e os recibos das operações rejeitados pelo banco português. A vice-presidente, Delcy Rodríguez, apontou diretamente para Juan Guaidó ter entregue o Citgo aos Estados Unidos. “Esse roubo levou ao assassinato de crianças beneficiadas por nobres programas de saúde”, afirmou.

Muitos outros danos têm causado o desfalque ou congelamento de dinheiro venezuelano por entidades estrangeiras, e milhões desses recursos foram para o bolso de Guaidó e seus acólitos e, sobretudo, para as carteiras de seus promotores.

La CNN recuerda que el 25 de enero de 2019, EE. UU. «autorizó a Juan Guaidó para controlar las cuentas del Gobierno o del Banco Central de Venezuela, depositadas en el Banco de la Reserva Federal en Nueva York u otra institución bancaria asegurada en Estados Unidos”. Foram 340 milhões de dólares confiscados ao executivo de Caracas.

A própria fonte cita que “assim que Juan Guaidó se autoproclamou presidente interino da Venezuela, em 23 de janeiro de 2019, o secretário de Estado, Mike Pompeo, emitiu um comunicado oferecendo apoio à transição na Venezuela”. Como essa empreitada não poderia ser realizada com os cofres vazios, o próprio Departamento de Estado concedeu 20 milhões de dólares ao “governo de Guaidó”, que jamais poderia influir internamente, mas que foi sacado internacionalmente com o saque de contas do país, no meio da guerra que é travada sobre ele.

O Washington Post revelou uma investigação que vincula o círculo de oposição venezuelana a atos de corrupção nos Estados Unidos, como ações vinculadas ao manejo irregular de ativos venezuelanos no exterior, recuperadas em aliança com o governo Trump.

Outra direção da busca do dinheiro venezuelano nos bancos estrangeiros foi encenada com as 31 toneladas de lingotes de ouro (2 bilhões de dólares) do país sul-americano mantidas no Banco da Inglaterra. Essa entidade recusou entregá-los ao Banco Central da Venezuela, com base no reconhecimento, pelo governo britânico, de Guaidó como presidente interino.

O litígio continua e, junto com a rota do dinheiro venezuelano confiscado ou roubado pelos Estados Unidos, o povo daquele país está privado de usar seus recursos para adquirir medicamentos e alimentos, em meio a uma pandemia que, junto com O bloqueio Os avanços econômicos da América entraram em colapso nas últimas duas décadas.

Sem Trump na Casa Branca, a comunidade internacional espera que o novo governo reprima essa posição criminosa e intrometida.

O que se pode esperar da América Latina, do Caribe e dos EUA em relação ao falso presidente Guaidó?

#Venezuela #PDVSA #COVID19 #AutoProclamadoGuaido #Pertopark #NicolasMaduro #AmericaLatina #EstadosUnidos #Elecciones #JoeBiden #Paraguay #ElBloqueoEsReal #Congreso

Juan Guaidó: um fracasso muito vantajoso? As razões por trás do longo apoio dos EUA, Colômbia, UE ..

#JuanGuaido #Venezuela #EstadosUnidos #UnionEuropea #Colombia #Brasil #GrupoDeLima #Autoproclamado #CITGO #Monomeros #IvanDuque #DonaldTrumpCulpable #Washington

MPEs exigem explicações de Borrell sobre a posição de Juan Guaidó na Venezuela .

#UnionEuropea #Venezuela #NicolasMaduro #AutoProclamadoGuido #FalsaDemocracia

Projeto aprovado pela Assembleia Nacional em defesa da integridade territorial.

#Venezuela #Guyana #NicolasMaduro #Soberania #EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal #AutoProclamadoGuaido

Guaidó se autoproclama presidente e chefe do Parlamento novamente.

#Venezuela #NicolasMaduro #EstadosUnidos #Guido #PDVSA #CITGO #GPP #InjerenciaDeEEUU

Retirado de Hispantv

Juan Guaidó viola a Constituição venezuelana, proclamando-se mais uma vez presidente com comando do país e também chefe do Parlamento.

A Assembleia Nacional (AN) da Venezuela, eleita em 2015 chefiada pelo líder da oposição, concordou no sábado em prorrogar por mais um ano a legislatura dos atuais deputados, bem como a gestão de Guaidó no cargo de presidente da mesma e “Agente encarregado” do país, em ato contrário à Constituição venezuelana, que dita que os representantes ao Parlamento eleitos pelos venezuelanos durante o processo eleitoral de 6 de dezembro devem ser postos à prova.

El líder opositor venezolano Juan Guaidó (centro), se vuelve a autoproclamar presidente del Parlamento, Caracas, 7 de enero de 2020. (Foto: AFP)

No entanto, a extensão das funções da Assembleia Nacional – desacatada desde 2016 – não teve o aval da Acción Democrática (AD), o segundo maior partido da oposição, decisão tida como um novo sinal da divisão nas frações direito. AD se absteve de votar.

O vice-ministro de Comunicação Internacional do Ministério das Relações Exteriores da Venezuela, William Castillo, condenou o ato e o classificou como o “teatro do absurdo”, estrelado pela direita.

Nesse contexto, Castillo revelou as negociações que o partido Ação Democrática teve que condicionar seu voto a favor das novas arbitrariedades jurídicas cometidas por Guaidó e seus cúmplices, pelas quais pretendiam assumir o controle de negócios lucrativos no país no exterior.

“Dizem que a AD pediu para ser“ dada a CITGO ”(subsidiária da estatal Petróleos de Venezuela ou PDVSA) para votar a favor da farsa que chamam de reforma do Estatuto de Transição, que estende o mandato de Guaidó em Nárnia indefinidamente. Eles negaram e ele se absteve. Este é o teatro do absurdo no mundo da direita ”, afirmou a manchete venezuelana.

Maduro: Se va la Asamblea que detruyó el país por votos del pueblo | HISPANTV

Maduro: Trump levou a oposição venezuelana à loucura.

Nas eleições de 6 de dezembro, a aliança Chavista Gran Polo Patriótico (GPP) venceu com um total de 256 legisladores em 277.

A nova legislatura terá início em 5 de janeiro de 2021, data em que termina o mandato da atual Assembleia Nacional.

Chavismo questiona a atuação dos direitistas nesses cinco anos na AN. Ele denuncia que Guaidó e seus aliados são lacaios do imperialismo e a única coisa que fizeram foi promover sanções contra a Venezuela e prejudicar os interesses do país.


A consulta de Guaidó foi tão inclusiva que as pessoas votaram sem saber.

#Venezuela #JuanGuaido #FalsaDemocracia #AutoProclamado #DonaldTrumpCulpable #Elecciones #NicolasMaduro #InjerenciaDeEEUU