Cuba: acção, reflexão, autocrítica .

#XCubaYo #PasionXCuba #UnaSolaRevolucion #CubaLibreYSoberana

Por Ángel Guerra Cabrera

Há quase três meses, a 11 de Julho, os meios de comunicação hegemónicos previram o fim da revolução cubana, supostamente esmagados por protestos populares “pacíficos”. Na verdade, o que aconteceu naquele dia foi a derrota murcha pelo povo cubano de um plano contra-revolucionário que levou anos a preparar os Estados Unidos (EUA).

Sim, houve protestos pacíficos com exigências legítimas, compatíveis com as amplas liberdades garantidas pelo Estado de direito socialista. No entanto, à velocidade da luz, a contra-revolução apátrida, que durante meses tinha usado mecanismos sofisticados de envenenamento (https://bit.ly/3mocMZq) nas chamadas redes sociais para apelar a protestos nas ruas, lançou os seus mercenários, oleados com milhões de dólares americanos, num exercício cego e brutal de espancamentos contra a polícia e civis desarmados enquanto grupos de criminosos se envolviam na pilhagem e vandalização de propriedade pública e privada. Se não fosse a mobilização revolucionária nas ruas pedida pelo Presidente Miguel Díaz-Canel, o caos e uma espiral de derramamento de sangue ter-se-iam gerado. Mas os revolucionários, civis ou membros desarmados, insisto, das forças públicas, dissolveram a tentativa do inimigo e a ofensiva popular começou uma ascensão, que atravessa horizontalmente e transversalmente através de cada vez mais sectores e territórios do país.

Onde houve manifestações de descontentamento? Em bairros vulneráveis, terrivelmente atingidos pelo bloqueio de décadas, apertado por Trump durante o seu mandato e que Biden mantém intacto, a fim de cortar todas as fontes de moeda estrangeira à ilha e agravar cruelmente o sofrimento causado pela pandemia. Estas são populações não suficientemente servidas ou negligenciadas pelo governo, pois a revolução é uma obra humana com imperfeições. Isto foi agravado pela quarentena prolongada, que reduziu ao mínimo o trabalho político nas comunidades, com todas as forças revolucionárias dirigidas a enfrentar a propagação do vírus e a cuidar dos doentes. No meio disso, uma onda de apagões em resultado de dificuldades na aquisição de peças sobressalentes para a indústria da electricidade.

É por isso que Díaz-Canel tem tanta razão quando afirma: se a perversidade da política genocida do governo dos EUA se manifestou em qualquer coisa, foi em ter mantido o bloqueio, intensificado pela administração Trump em condições pandémicas, sufocando, sufocando um povo, condenando-o à morte.

A situação complexa actual exige então – acrescentou ele numa recente reunião com todos os presidentes municipais do Poder Popular – muita sensibilidade, muito trabalho diferenciado de pessoa para pessoa, muita atenção aos problemas da população, às suas propostas, das quais o actual trabalho de revitalização dos bairros é um exemplo. Mas reflectiu também: “e porque não fizemos o que estamos a fazer agora há anos… Porque estávamos em estado de letargia”. Cuba revolucionária nunca teve uma vida fácil. Daí que o presidente e líder do partido tenha recordado, a título de lição, o “sim, nós podemos” de Raúl Castro, que sacudiu a letargia no meio da monumental crise económica que se seguiu ao desaparecimento da URSS, também agravada pela intensificação da asfixia económica de Washington, uma das muitas situações extremas que o povo cubano teve de enfrentar.

A partir do 11/11, as acções revolucionárias multiplicaram-se. Apesar dos enormes sacrifícios e dificuldades impostos pelo cerco americano e da paralisia económica causada pela covida, Cuba está a promover a reabertura da economia, incluindo o turismo vital, através da vacinação, com os seus próprios medicamentos, que já cobre 97% da população com mais de dois anos de idade com uma dose e 55,7% com um calendário de vacinação completo; ao mesmo tempo, está a manter medidas preventivas. Ao mesmo tempo, está a reforçar o poder popular e a democracia participativa a nível comunitário, promovendo a produção alimentar através de medidas como o incentivo às pequenas e médias empresas, e encorajando o debate nacional sobre o projecto muito avançado de Código de Família, que reconhece e protege a diversidade e heterogeneidade da sociedade actual e os direitos das crianças, avós e avôs.

Na referida reunião, Díaz-Canel advertiu que o bloqueio vai continuar e que, ao mesmo tempo que o denunciava, “devemos continuar a ser capazes, com um bloqueio, de avançar mais, e avançar com os nossos próprios esforços e com o nosso próprio talento”.

O presidente argumentou que os inimigos da revolução estão amargurados pela estabilidade e governabilidade existentes no país e continuam a campanha para desacreditar Cuba em busca de outros 11 em que serão bem sucedidos. É por isso que é tão importante hoje em dia manter uma vigilância revolucionária.

Outro Giron .

#CubaSeRespeta #ACubaPonleCorazon #PuentesDeAmor

Por Redacción Razones de Cuba

Era Setembro de 1973, o 11º. Presidente Salvador Allende foi morto pela sua própria arma e pela intenção de outra pessoa no chão do Palácio Moneda no Chile. Muito tem sido dito sobre a ofensiva da CIA nesse país para eliminar o bastião de esquerda do governo sul-americano.

Foi o 11 de Setembro, desta vez em 2001. Dois aviões embateram nos edifícios do World Trade Center em Nova Iorque. Os controversos ataques terroristas custaram a vida a mais de 2000 pessoas e deixaram um país perplexo, chocado com a dor.

Que tem o número 11, tão propenso a arrastar datas tristes e verdades incómodas? Também houve alguma alegria num dia como este? Certamente. É bem conhecido como a realidade pode variar de um canto do mundo para outro, mesmo com uma brutal pandemia a varrer o planeta.

Foi também o 11 de Julho, mas a 11 de Julho, quando a realidade cubana sofreu um choque dramático. Milhares de cubanos saíram à rua, não só para expressar o seu descontentamento com a situação do país num contexto de pandemia e o aperto do bloqueio. Foram também vítimas de confusão e manipulação por parte daqueles que querem mudar o sistema em Cuba e pagar por ele com o sangue de outros.

Muito se tem escrito sobre esse dia, sobre as preocupações daqueles que expressaram legitimamente as suas opiniões e daqueles que vandalizaram ou exerceram violência sobre os seus compatriotas por um punhado de dólares. Há ainda muito a investigar sobre o evento, que não pode ser reduzido a simplificações vazias ou visões apocalípticas estrangeiras. Mas uma verdade é certa: os Estados Unidos foram atingidos na sua própria cara quando pediram aos cubanos que virassem as costas à sua própria Revolução.

Raúl e Díaz-Canel lideram o acto patriótico a 17 de Julho. Foto: http://www.radiocubana.icrt.cu

Não há mãos suficientes para contar todos aqueles que caíram em infâmia, é verdade. Mas as imagens falam por si, e a grande maioria da população da ilha apoia o seu presidente, o sistema social pelo qual votaram a 24 de Fevereiro de 2019.

“Cuba é um estado socialista de direito e justiça social, democrático, independente e soberano, organizado com todos e para o bem de todos”, lê-se no primeiro artigo da Carta Magna, aprovada por mais de 80% dos habitantes da ilha que foram às urnas. No dia seguinte, 12 de Julho, o povo cubano, as forças da lei e da ordem e o seu governo tinham posto fim à tentativa de promover o pânico e a violência nas ruas. A paz habitual tinha voltado a cada esquina, por muito que a imprensa internacional e as plataformas “independentes” insistissem em afirmar o contrário. Se houvesse alguma dúvida sobre o seu total desrespeito pela verdade, aqui estão mais provas

Que não haja dúvidas, há dois meses o povo cubano experimentou outra Baía dos Porcos, derrotou o imperialismo, misturado nas suas próprias fileiras, em menos de 48 horas. Permanecerá como uma experiência, sobre as virtudes e erros que sabemos como reparar. A rua pertence aos revolucionários, disse Díaz-Canel, e foi ecoada por milhões de vozes.

El que a hierro mata a hierro muere .

#PatriaOMuerte #CubaSoberana #TenemosMemoria #PasionPorCuba #MiMoncadaEsHoy

Díaz-Canel parabeniza o Partido dos Trabalhadores Brasileiros .

#Cuba #Brasil #LulaDaSilva #PT #Minrex #Cine #SolidaridadConCuba #ElBloqueoEsReal

Autor: Redacción Internacional | internacionales@granma.cu

O presidente cubano, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, parabenizou ontem, por meio do Twitter, o Partido dos Trabalhadores (PT) do Brasil, por ocasião dos 41 anos de sua fundação, ocorridos em 10 de fevereiro de 1980.

Em sua mensagem, ele elogiou os anos de luta da organização política de esquerda e lembrou o marco que, em 2003, significou a vitória nas urnas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, líder do PT.
«Parabéns ao PT pelos 41 anos de fundação, anos de luta, nos quais, com a vitória de Lula em 2003, tem defendido a democracia e políticas exitosas de justiça social e desenvolvimento econômico para fazer do Brasil um país melhor. Juntos defendemos a paz e um mundo melhor ”, disse o Chefe de Estado.

Imagen

Recentemente, Lula da Silva esteve em Havana para participar das filmagens de um documentário dirigido pelo cineasta americano Oliver Stone e, como parte da visita, se reuniu com o Primeiro Secretário do Partido Comunista de Cuba, General do Exército Raúl Castro Ruz. No qual também participaram o Presidente, o Primeiro Ministro e o Chanceler cubano.

Na ocasião, Lula agradeceu à Ilha o apoio em exigir sua plena liberdade e condenou o endurecimento do bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos a Cuba há quase seis décadas. Os políticos discutiram os laços históricos de fraternidade entre os dois povos e organizações.

A história de Cuba é de vitórias.

#FielesANuestraHistoria #JoseMarti #TenemosMemoria #SomosContinuidad #YoSigoAMiPresidente #EternoComandante #IdeasQueSonBanderas

Autor: Leticia Martínez Hernández | internet@granma.cu

Autor: Liz Conde Sánchez | internet@granma.cu

«A pandemia será vencida e as dificuldades que enfrentamos também. Essa é a história de Cuba. Essa é a história de patriotas como Martí, essa é a história de nossos estudantes revolucionários ”, disse, na noite de quarta-feira, o general do Exército Raúl Castro Ruz, durante uma troca sincera na Forja Martiana com uma dezena de jovens que desceram da Escadaria da Universidade de Havana, na tradicional Marcha das Tochas

El General de Ejército Raúl Castro Ruz y el Presidente Miguel Díaz-Canel Bermúdez rindieron homenaje al Apóstol este 27 de enero en la Fragua Martiana, junto a una veintena de jóvenes que bajaron desde la Escalinata de la Universidad de La Habana en la tradicional Marcha de las Antorchas

“Esta manifestação não é das maiores, mas é das mais emocionantes”, disse o Primeiro Secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba, que, juntamente com o Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez , recebido no cruzamento do Hospital e Príncipe de Havana, aos meninos que relançaram aquela primeira marcha de 27 de janeiro de 1953, então liderada pelo jovem Fidel Castro Ruz. Desta vez, sob o signo da pandemia covid-19, a homenagem foi reduzida e o habitual percurso iluminado por milhares de tochas passou a ser percorrido por 20 jovens.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é f0188255.jpg

Na homenagem – ali onde estavam as pedreiras de San Lázaro e Martí cumpriu pena com os trabalhos mais duros – estiveram presentes José Ramón Machado Ventura, Segundo Secretário do Comitê Central do Partido, o Comandante da Revolução Ramiro Valdés Menéndez, e José Ramón Balaguer Cabrera, aqueles que, junto com Raúl, há 68 anos, também percorreram aquelas ruas, em plena ditadura de Batista, para não deixar morrer o Apóstolo no ano do seu centenário.

O importante é que a cerimônia foi realizada, não importa a quantidade de pessoas, Raúl disse aos jovens antes de bater os punhos com cada um deles, como exigem os novos códigos de vida impostos pela pandemia que o mundo está sofrendo e também Cuba.

No meio da difícil situação que atravessa o país, a homenagem ao seu Herói Nacional, poucas horas após o seu nascimento, foi obrigatória. E lá na Forja onde Martí sofreu, ficou a coroa da geração histórica da Revolução e seus novos pinheiros.

A LUZ DO APÓSTOLO NUNCA SE SAI

Em 27 de janeiro foi diferente. Os passos da escada da Universidade de Havana não sentiram os passos de milhares de jovens inflamados avançando em direção à Fragua Martiana. Mas a homenagem a José Martí, o mais universal de todos os nascidos nesta terra, às vésperas do 168º aniversário do seu nascimento, não foi esquecido.

Como há 68 anos, quando uma geração de rebeldes comandada por Fidel não deixou o Apóstolo morrer no ano de seu centenário e, sob o cerco de uma cruel ditadura, realizou pela primeira vez a Marcha das Tochas, os jovens de o dia de hoje não permitiu que a celebração fosse esquecida, apesar das complexas circunstâncias que a nação enfrenta face ao covid-19 e da crise provocada pelo bloqueio imposto pelo Governo dos Estados Unidos.

Enquanto isso, a maioria dos cubanos se reunia nas redes sociais para comemorar mais um ano do nascimento do autor de A Idade de Ouro, um grupo de jovens da vanguarda revolucionária, incluindo líderes da União de Jovens Comunistas e da Federação de Estudantes Universitários ( feu), representando o povo, reuniu-se na Escadaria para o feito simbólico, que nesta ocasião foi simples, mas emocionante.

«Hoje haverá menos tochas acesas, mas não significa que toda Cuba não acenda a chama da dignidade desde os centros de saúde, produção, ensino, arte ou defesa, e em cada cenário onde se trava a batalha. o confronto com a pandemia ”, afirmou o presidente do feu, José Ángel Fernández Castañeda.

A colocação de uma oferenda de flores no busto do mártir universitário Julio Antonio Mella foi seguida pelo passeio dos jovens por toda a rua San Lázaro. Aplausos não faltaram desde as varandas e os slogans da vida à Revolução, ao Partido, a Fidel, à continuidade histórica que conduzem as gerações actuais, aos heróis da Pátria e, claro, à memória eterna da o homem que caiu fisicamente em Dois Rios, enquanto ressuscitou em espírito para sempre.