redução do aumento do salário mínimo,

Mais do que um salva-vidas, colete de chumbo

A redução do aumento do salário mínimo, o ajuste fiscal, as privatizações e as reformas trabalhista e previdenciária levarão a uma nova contração do mercado interno brasileiro, o que afetará as exportações industriais argentinas.

Las principales medidas económicas anunciadas por Bolsonaro y su ministro de Hacienda, Paulo Guedes, son contractivas de la demanda interna.

O FMI diz que o programa de austeridade implementado pela Argentina vai restaurar o crescimento econômico a partir do segundo trimestre. Como o consumo interno e o investimento privado continuarão a cair livremente, o impulso esperado pela agência viria da frente comercial. O impacto recessivo da desvalorização pode conter as importações, enquanto as condições meteorológicas impulsionar as vendas agrícolas após a seca do ano passado, mas o futuro das exportações de manufaturados industrial está sujeito ao desempenho econômico do Brasil, onde só assumiu a presidência Jair Bolsonaro. PáginaI12 consultou os economistxs Mercedes Marco del Pont (FIDE), Pablo Dragun (CEU-UIA), Paula espanhóis (Radar), Victoria Giarrizzo (CERX) e Alejandro Fiorito (UNM) para identificar os riscos para a política econômica da Argentina visa implementar o novo governo brasileiro. O dia depois de amanhã o presidente visitará Bolsonaro Mauricio Macri, que concordar com a implementação de programas econômicos neoliberais em detrimento dos setores trabalhadores.

Os cinco analistas consultados alertam que o pacote de medidas anunciadas até agora ameaça retroceder o país vizinho ao cenário recessivo. A redução do aumento do salário mínimo, aprofundando o ajuste fiscal, a reforma das pensões, com a criação da AFJP, privatização acelerada e (mais) flexibilidade do trabalho levará a uma nova contracção do mercado doméstico brasileiro, que irá resultar em um novo queda na demanda pelas exportações argentinas, com o conseqüente impacto no nível de emprego industrial. O país vizinho é o principal parceiro comercial da Argentina. 18,2 por cento do total das exportações foram para esse mercado durante os primeiros dez meses do ano passado. Automotivo, pneu, químico e plástico são alguns dos itens mais expostos.

Diante de um Mercosul enfraquecido, o anunciado processo de abertura comercial multiplicará, por sua vez, o impacto negativo sobre as empresas argentinas. Não apenas terão que tentar colocar seus produtos em um mercado cada vez menor, mas também estarão expostos à concorrência de empresas do sudeste asiático. Mas o futuro brasileiro não é o único risco para o desempenho exportador ao qual a gestão de mudanças foi encarregada de recuperar o crescimento econômico. Aumentos nas taxas de juros do Federal Reserve, a volatilidade nos mercados financeiros internacionais e a disputa comercial entre os Estados Unidos e a China aumentam as pressões baixistas sobre a demanda externa vulnerável.

O ajuste não empurra

“Nosso principal parceiro comercial ainda não conseguiu superar a perda sofrida durante a recessão de 2015 e 2016, quando o produto acumulou uma queda próxima a 7,0%. A regra fiscal promovida em 2016 que limita o crescimento dos gastos ao índice inflacionário nos permite explicar a fraqueza da demanda agregada que ancora as possibilidades de uma recuperação mais forte “, disse Marcó del Pont a este jornal. O Brasil fechará 2018 com uma leve melhora do PIB de 1,3%. “Não há razão para pensar que esta inércia de baixo crescimento muda durante a administração Bolsonaro. A estratégia econômica mantém o viés ortodoxo impulsionado por seu antecessor “, afirmou o ex-banqueiro central, lembrando que o ajuste fiscal começou durante o governo de Dilma Rousseff.

Animados após a assunção de Bolsonaro, os bancos e consultores que participam da pesquisa de expectativas de mercado do Banco Central do Brasil previram na semana passada que a economia crescerá para 2,6%. Também otimistas são as projeções dos organismos multilaterais.

O FMI diz que o produto vai se recuperar em 2,4% e o Banco Mundial espera uma melhora de 2,2%. Para Fiorito, pesquisador da Universidade Nacional de Moreno, “todas as medidas anunciadas são contracionistas da demanda: redução de gastos, liquidação de empresas públicas, reforma do sistema previdenciário e restrição do crédito dos bancos públicos”. O Brasil retornou aos anos noventa argentinos. Não há sinais de uma reativação que nos permita sair da estagnação que começou há sete anos. ” Nesse sentido, o economista adverte que “nem uma recuperação de exportação pode ser esperada. Mesmo que sua economia cresça em torno de 2%, o que seria um grande sucesso, não haverá uma locomotiva brasileira que o leve à Argentina. “

Um elemento adicional ao considerar a fraqueza da economia brasileira é a escalada do desemprego que, entre 2015 e 2018, passou de 6,5 para 11,7%, o que equivale a mais de 12 milhões de desempregados. “Para a economia argentina como um todo, o que importa não é tanto a competitividade da taxa de câmbio com o país vizinho, mas seu crescimento”, enfatiza Marcó del Pont, observando que “mais de um ano após a reforma ter sido implementada, condições de trabalho, todos os indicadores do mercado de trabalho são decepcionantes. O emprego caiu e as ocupações que são criadas são basicamente informais ou por conta própria “.

Risco industrial

“Ao longo dos primeiros dez meses de 2018, o Brasil foi o destino de 18,2% do total das exportações. Se considerarmos apenas os produtos industriais, a relação é ainda mais significativo: no mesmo período, o Brasil foi o destino de 37,2 por cento das exportações de manufaturas industriais e em alguns setores industriais foram responsáveis ​​por mais de 50 por cento dos as vendas externas, tais como a cadeia automotiva, plásticos e suas obras, cereais e leguminosas “, disse Dragun, que dirige o Centro para o Estudo da UIA. “A melhoria incipiente que começou a mostrar o Brasil ajudou alguns setores industriais a melhorar um pouco. Mas entre 2014 e 2016 a indústria brasileira perdeu 20 pontos. Mesmo uma recuperação como aquela antecipada pelos mercados é insuficiente para puxar a Argentina “, disse o economista quando perguntado por este jornal. “Contra o programa econômico que o Bolsonaro cria, a Argentina tem tudo a perder. Não só para o Mercosul enfraquecido, mesmo se o acordo não é flexível, se o Brasil tem uma maior abertura do comércio empresas argentinas vai ser atingido por uma concorrência feroz de outros países, particularmente na Ásia “, disse o espanhol, Consultor Radar. Enquanto isso, Giarrizo, do Centro de Economia Regional e Experimental (CERX), acredita que contra um Mercosul enfraquecido “as exportações de empresas PME que vendem produtos para esse mercado pode ser complicado, porque haverá menos espaço para negociações bilaterais.”

Um elemento adicional que representa espanhola é que durante as recessões não só cai, por exemplo, a patente de veículos, mas a estratégia país vizinho é induzir uma redução na participação do total importado dos carros. O espanhol considera que uma possível quebra no

O bloco regional afetaria os já escassos fluxos de investimento estrangeiro para a Argentina: “Quando os investidores tiverem que escolher qual país instalar para fornecer autopeças para a região, eles voltarão ao Brasil em detrimento da Argentina.”

“Para o mundo desenvolvido e especialmente para o mercado, Bolsonaro adora isso. Isso poderia aumentar os fluxos de investimentos para o Brasil e poderíamos nos beneficiar de dois canais: algum efeito rebote desses investimentos, embora eu os considerasse insignificantes e uma taxa de câmbio real bilateral mais favorável à Argentina, porque o real poderia ser apreciado “, diz Giarrizzo. que “são conjecturas baseadas nas previsões otimistas feitas por organizações multilaterais”. Quando questionado sobre os potenciais efeitos positivos das políticas anunciadas por Bolsonaro e seus colaboradores, Dragún disse que o programa de privatizações pode melhorar as expectativas ao impulsionar a chegada dos fluxos financeiros à região, embora, como a crise financeira de 2018 mostrou, a economia A Argentina é vulnerável aos movimentos dessas capitais.

@tomaslukin

Anúncios
Categories: brasil argentina, redução do aumento do salário mínimo,, Uncategorized | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: