Relações Estados Unidos Cuba

A velha história da #FakeNews contra #Cuba.

Por Arthur González

As Falsas Notícias contra Cuba não começaram com a era da Internet, estão activas há 62 anos.

Em 1959, quando a Revolução Cubana liderada por Fidel Castro triunfou, o governo dos EUA iniciou a sua guerra mediática, com o objectivo de desinformar a opinião pública sobre o que estava a acontecer na ilha e demonizar aqueles que tinham derrubado o ditador Fulgencio Batista, apoiado política e militarmente por Washington.

Confrontado com a avalanche de mentiras, o próprio Castro convocou a imprensa nacional e estrangeira acreditada para desmascarar aqueles que tentaram acusar a Revolução, interessados em criar uma imagem distorcida e semear a rejeição da mesma, especialmente na América Latina.

O primeiro Programa de Acção de Cobertura da CIA, aprovado a 17 de Março de 1960 pelo Presidente Dwight Eisenhower, declara:

“Para que a oposição possa ser ouvida e a base de apoio popular a Castro enfraquecida, é necessário desenvolver os meios de informação ao povo cubano, a fim de iniciar uma poderosa ofensiva de propaganda em nome da oposição declarada”.

“Como principal voz da oposição, propõe-se a criação de uma estação de rádio “cinzenta”, controlada pelos Estados Unidos. Estaria provavelmente localizado na Ilha do Cisne e empregaria equipamento de potência substancial, tanto de banda de alta frequência como de rádio de radiodifusão. A preparação dos guiões (librettos) será feita nos Estados Unidos e transmitida electronicamente para o site da emissão”.

O orçamento aprovado para esta propaganda anti-cubana foi de 700.000 usd para operações e programação de rádio, e 500.000 usd para pagar os artigos na imprensa e outras publicações.

A CIA designou os oficiais David Alteé Phillips, como chefe de propaganda, pela sua experiência no golpe de Estado na Guatemala e Howard Hunt, para dirigir as acções políticas, o seu parceiro nesse evento, que viajou para Havana em Maio de 1960 para avaliar a atitude dos cubanos em relação à Revolução e observar os arredores das estações de rádio e televisão, propondo a sua destruição aquando do seu regresso.

A 17 de Maio desse ano, a Rádio Swan, localizada na ilha das Honduras, foi para o ar e, a 24 de Maio, o Director da CIA Allen Dulles informou o Conselho Nacional de Segurança das acções planeadas, incluindo a abertura de várias estações de rádio no Sul da Florida, que também transmitiriam notícias para Cuba, e a subvenção de jornais cubanos no exílio, que seriam vendidos na América Latina com informações anti-Castro.

A Rádio Cuba Independiente, La voz de Cuba libre e Massachusetts-Base Wrul, começaram as transmissões com mensagens contra-revolucionárias, carregadas de mentiras e deturpações, incluindo as que desencadearam, a 26 de Outubro de 1960, a infame Operação Peter Pan, através da Rádio Swan, que dizia:

“Mãe cubana, a próxima lei governamental será tirar-vos os vossos filhos a partir dos 5 anos de idade e devolvê-los aos 18, transformados em monstros do materialismo. Vá à igreja e siga as directrizes do clero”.

Em 28 de Janeiro de 1961, o Presidente John F. Kennedy autorizou a CIA a continuar as suas acções terroristas contra Cuba e a aumentar a propaganda, segundo um relatório do assistente especial McGeorge Bundy.

Nesse sentido, em 12 de Fevereiro, a chamada Voz da América anunciou uma série de programas contra a Revolução Cubana e o primeiro chamava-se A Anatomia de uma Promessa Quebrada, cujo objectivo era fazer os cubanos acreditar que Fidel Castro não estava a cumprir as suas promessas e estava a enganar o povo, desencadeando uma série de falsas notícias.

No mês seguinte, David Alteé Phillips apresentou um novo plano de propaganda para apoiar a invasão militar em preparação contra Cuba, com a ajuda de Howard Hunt, transferido de Miami para Washington. Entre as medidas levadas a cabo, contam-se: Divulgação da formação do Conselho Revolucionário Cubano, responsável por governar uma Cuba livre sem Castro.

As notícias falsas e distorcidas aumentaram no início de Abril, como prelúdio da invasão. A mais notável foi a expressa por Adlai Stevenson, embaixador dos EUA na ONU, sobre o bombardeamento dos aeroportos cubanos no dia 15 desse mês, assegurando que o evento foi levado a cabo por pilotos desertores cubanos da Força Aérea Revolucionária.

A mentira foi desmascarada pelo embaixador cubano Raul Roa, e Stevenson foi desacreditado perante a Assembleia Geral da ONU, uma vez que a CIA não o alertou para a operação.

A Fake News aumentou de tom antes e durante a invasão da Baía dos Porcos, preparada antecipadamente pela CIA para desinformar o povo cubano, incitar à rebelião em apoio aos mercenários e criar confusão entre os cidadãos.

Entre as mensagens falsas transmitidas pela Rádio Swan estavam:

“Alerta, alerta, vigia atentamente o arco-íris. O peixe vai levantar-se muito em breve, o rapaz está em casa. O peixe está vermelho e não vai demorar muito tempo a levantar-se”.

A 17 de Abril, começou o desembarque mercenário em Playa Giron e Playa Larga. Em nome do suposto Conselho Revolucionário, são transmitidas informações falsas, tais como estas:

“Antes do amanhecer, os patriotas cubanos nas cidades e nas montanhas, começaram a luta para libertar a nossa pátria do governo despótico de Fidel Castro e a libertação da opressão cruel do comunismo internacional”.

“A luta é inspirada pela gloriosa tradição de José Martí. O povo cubano levanta-se contra o tirano opressivo”.

“Os patriotas lutam para completar a tarefa de resgatar a Revolução, cinicamente traídos”.

“Os invasores fazem avanços constantes em todas as frentes em toda a Cuba. “O povo une as forças que lutam contra Fidel Castro”. “Raúl Castro é reportado como tendo cometido suicídio”.

“O tremendo exército de soldados patrióticos aguarda agora para dar o golpe vital para a liberdade da amada pátria”.

“A informação recebida indica que muitos milicianos abandonaram o exército de Castro”.

“Povo de Havana, ajuda os corajosos soldados do exército de libertação e realiza sabotagem contra as centrais eléctricas, acende todas as luzes da tua casa e o equipamento eléctrico, para que a procura cresça e as plantas deixem de poder gerar mais”.

Perante a derrota em apenas 62 horas, a rádio Swan transmite:

“Lamentamos ter de admitir perdas trágicas no stock. A maioria do nosso grupo chegará às Montanhas Escambray para continuar a luta”.

O mundo verificou a mentira ianque e o slogan “Pátria ou Morte” ressoou como um símbolo da soberania dos cubanos.

Nada mudou, eles não aprendem com os seus fracassos e continuam com as suas Falsas Notícias.

Foi por isso que José Martí disse:

“As trincheiras de ideias valem mais do que as trincheiras de pedras”.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, #Fidel, #YoSoyFidel, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Cuba, fidel castro, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Manipulacion, Manipulacion Politica, mentiras construídas em Washington contra Cuba, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Relações Estados Unidos Cuba, sonhos de Fidel, Subversão contra Cuba, Subversión, Washington | Deixe um comentário

#Cuba reconhece acções a nível mundial para exigir o fim do bloqueio dos #EstadosUnidos.

Autor: Granma | internet@granma.cu

O Presidente da República de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, elogiou as mais de 21.000 assinaturas que apelam à administração de Joe Biden para pôr fim ao bloqueio dos EUA contra a maior das Antilhas.

Através da sua conta oficial no Twitter, o chefe de estado destacou o apoio a esta iniciativa do projecto Pontes de Amor nos Estados Unidos, promovido por cubanos que vivem no estrangeiro.

bloqueo

A carta aberta a Biden, para além de exigir o fim do bloqueio comercial e financeiro imposto à ilha durante mais de 60 anos, solicita a reabertura da embaixada de Washington em Havana e a restauração do programa de reunificação familiar, suspenso pelo antigo Presidente Donald Trump desde 2017.

Defende também o estabelecimento de “políticas compassivas e humanas” em relação a Cuba, autorizando remessas ilimitadas e encorajando as relações financeiras e comerciais, entre outras propostas.

Por outro lado, o canal YouTube Europa para Cuba confirmou a 21 de Março que o seu apelo à solidariedade com a ilha terá lugar a 27 e 28 de Março em cerca de 40 nações em todo o mundo, exigindo o fim do cerco económico dos EUA.

Os dias de solidariedade serão alargados a toda a Ásia, Oceânia, África, América e Europa.

O bloqueio é o maior obstáculo ao desenvolvimento de Cuba e uma violação dos direitos humanos. Os prejuízos acumulados em seis décadas ascendem a 144,413 milhões de dólares, e entre Abril de 2019 e Março de 2020, a acção causou prejuízos da ordem dos 5,570 milhões de dólares, um valor recorde durante um ano.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

Categories: # Cuba, # yo voto vs bloqueo, #America Latina, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #CubaCoopera, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Donald Trump, #Estados Unidos, #solidaridadvs bloqueo, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Africa, antilatinoamericana agenda geopolítica belicista e Donad Trump alinhados, bloqueo, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, CUBA-EUROPA, CubavsBloqueo, EUROPA, FORA TRUMP, joe biden, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, relações bilaterais, o governo Donald Trump, Relações Estados Unidos Cuba, Relaciones Cuba Estados Unidos, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Protesto Baraguá: intransigência da independência cubana, ontem e hoje .

Por Redacción Razones de Cuba

Há datas tão significativas na história do povo que estas se tornam parte da sua identidade. 10 de Outubro de 1868 e 15 de Março de 1878 são expressões de momentos que marcam o carácter nacional, devido ao sentimento de liberdade e firmeza que evocam, como é 1 de Janeiro de 1959, quando a luta pela independência e justiça social, as duas principais bandeiras dos fundadores da nação, começaram a sua ascensão irreversível em conjunto.

O Protesto Baraguá, liderado pelo Major General Antonio Maceo Grajales e seus homens, antes da assinatura do Pacto de Zajón, salvou a honra do movimento patriótico que durante quase dez anos, numa pequena ilha, sustentou uma guerra heróica, sangrenta e devastadora contra um dos maiores impérios da época.

O exemplo do Titã de Bronze transcendeu como uma referência de conduta firme e intransigente na defesa da pátria, ao enfrentar as situações mais difíceis e não se afastar do combate. É por isso que a data do Dia da Defesa da Pátria é honrada como um lembrete da validade destes princípios em certas circunstâncias.

Por essa razão, a 15 de Março de 1990, o Partido Comunista de Cuba, sob o título “O futuro da nossa Pátria será um eterno Baraguá!”, anunciou o Apelo para o seu IV Congresso, a começar a 10 de Outubro do ano seguinte em Santiago de Cuba, um excelente cenário para debater e acordar as políticas a seguir num dos momentos mais difíceis da vida do país.

Na cerimónia de encerramento do Congresso na Praça Antonio Maceo naquela cidade, o Comandante-Chefe falou do colapso do campo socialista na Europa Oriental, um evento que foi recebido com alegria pelo império, seus aliados e todos os reaccionários do mundo, com o triunfalismo indisfarçado dos inimigos do socialismo e do progresso humano, ávidos pelo domínio mundial.

Nessa atmosfera, realizou-se o congresso e o grande comício, onde o líder da Revolução comparou a decisão de todo um povo de resistir e superar o período especial com a posição de Maceo em Mangos de Baraguá.

Em conformidade com os acordos desse congresso, a Assembleia Nacional, na sua III Legislatura, aprovou a reforma constitucional e a Lei Eleitoral, que implicou profundas alterações, tais como a eleição directa dos deputados pelos eleitores em cada município e uma maior representação dos sectores sociais e da população na IV Legislatura, que foi constituída precisamente a 15 de Março de 1993, com 589 deputados, e uma renovação de 80 por cento em relação à anterior.

Também significativo foi o número de 274 deputados que serviram como delegados de base, 90 dos quais presidiram a conselhos populares, o que favoreceu uma melhor ligação entre o parlamento e a população.

No encerramento da sessão constitutiva, Fidel explicou que quando o enorme desafio das eleições no período especial e com o voto directo dos deputados foi aceite, um caminho inteiramente novo estava a ser aberto e uma experiência única no mundo estava a ser levada a cabo.

“Tínhamos conseguido, disse ele, um processo de aperfeiçoamento do Poder do Povo a um grau verdadeiramente muito elevado, do qual, sem chauvinismo de qualquer tipo, devemos sentir-nos orgulhosos; sem tristeza de qualquer tipo, e sem medo de comparações de qualquer tipo, uma vez que não é possível qualquer comparação, tanto na coragem das decisões adoptadas como nos resultados alcançados”.

Fidel salientou que esta era a legislatura da fase mais difícil da história da Revolução e do país, e descreveu-a como uma fortuna ter um povo como o povo cubano, e uma Assembleia Nacional como a que emergiu da aplicação de novas concepções.

Como se os desafios para o mandato recentemente iniciado não fossem suficientes, os deputados tiveram de abandonar urgentemente os seus respectivos territórios e responsabilidades para se juntarem aos trabalhos de restauração dos danos causados pela Tempestade do Século.

Frente fria e ciclone juntos, algo nunca antes visto na região, produziu ventos ciclónicos, chuvas torrenciais, descargas eléctricas e grandes penetrações do mar, que causaram grandes perdas na agricultura, infra-estruturas de produção e serviços, e danos graves em dezenas de milhares de casas.

No segundo período ordinário de sessões de Dezembro de 1993, houve um amplo e profundo debate sobre a situação das finanças internas, e como resultado, a partir desse mês, foi desenvolvido um processo promovido pelo CTC que permitiu reunir os critérios expressos em mais de 80 mil assembleias, sob o nome de parlamentos de trabalhadores.

Nos dias 1 e 2 de Maio de 1994, numa sessão extraordinária, foram avaliados os resultados da consulta, que incluiu três milhões de trabalhadores, 158 mil camponeses e 300 mil estudantes. A resolução adoptada pela Assembleia Nacional apelava a todos a demonstrar a força invencível da vontade de continuar a lutar em conjunto para salvar o país, a revolução e o socialismo.

O sentimento de admiração pelos patriotas das guerras de independência, enriquecido com as lutas do período neocolonial, a guerra contra a tirania, a defesa contra as agressões dos Estados Unidos e a solidariedade internacionalista, estimularam a coragem, a firmeza, a criatividade e a confiança na vitória. Uma sessão extraordinária a 24 de Fevereiro foi dedicada à comemoração do centenário da guerra que começou em 1895.

No ano seguinte, o imperialismo daria mais uma vez um duro golpe a Cuba com a aprovação da Lei Helms-Burton, calculando na sua euforia que tinha chegado o momento de o fruto maduro cair nas suas mãos e decretar a liquidação da Revolução.

Em resposta, a Assembleia Nacional aprovou a Lei 80, Lei da Reafirmação da Dignidade e Soberania Cubanas, em Dezembro de 1996, que qualificou a Lei Helms-Burton como inaplicável e sem qualquer valor ou efeito legal, e apelou a todo o povo cubano para continuar o exame profundo e sistemático do plano anexador e colonial do Governo dos Estados Unidos.

Assim, a 15 de Março de 1997, numa cerimónia na Praça da Revolução José Martí, foi entregue a Declaração dos Mambises do Século XX, assinada por mais de oito milhões de cubanos. Nessa ocasião, o Comandante-Chefe fez um discurso memorável, no qual fez uma profunda reflexão sobre a coragem e inteligência dos cubanos em mais de um século de luta heróica, destacando o moral, a experiência e o nível combativo das Forças Armadas Revolucionárias.

“Penso que este é um dia histórico no verdadeiro sentido da palavra ─he expressed─, porque hoje estamos a fazer exactamente o mesmo que os nossos mambises fizeram há 119 anos em Baraguá; não é um protesto formal, é um protesto real, uma vez que nos vemos exactamente como naqueles dias, quando nos oferecem paz sem independência, paz sem honra, paz sem dignidade, sem equidade, sem justiça; quando nos oferecem a renúncia ao derramamento de sangue e aos sacrifícios que têm sido feitos há mais de 100 anos”.

“Este é o conteúdo glorioso deste acto dos mambises do século XX e dos mambises do século XXI, porque temos de tornar aqueles que vêm depois de nós melhores do que nós, e vejo que aqueles que vêm depois de nós são melhores do que nós”.

Cuba, dedicada ao trabalho de criação material e espiritual, que tornou possível um desenvolvimento humano mais justo e solidário, enfrenta hoje grandes desafios, tais como os impostos pela pandemia, o bloqueio dos EUA e as medidas da estratégia económica e social do país.

Nestes desafios está presente, por vezes sem o perceber, o compromisso com o legado de Maceo, Martí, Fidel e outros homens e mulheres exemplares, cujas vidas constituem uma bússola inestimável quando se trata de interpretar as realidades mais complexas e agir em conformidade.

Fonte: Canal Caribe e Juventud Rebelde Newspaper.

Categories: # Cuba, #Estados Unidos, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, HISTORIA DE CUBA, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Relações Estados Unidos Cuba, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Eles pedem apoio no #Panamá contra o #bloqueio norte-americano a #Cuba.

Panamá, 10 de fevereiro Prensa Latina

Uma organização social panamenha entregou uma carta à chanceler ístmica, Erika Mouynes, solicitando seu pronunciamento sobre a eliminação do bloqueio dos Estados Unidos a Cuba, que continua em vigor até hoje.

A Frente Nacional de Defesa dos Direitos Econômicos e Sociais (Frenadeso) também solicitou sua ajuda para a supressão da nação caribenha da lista em que o governo dos Estados Unidos inclui os países listados como patrocinadores do terrorismo.

A carta, entregue ontem na sede do Itamaraty, repudiava as ações das autoridades do poder nortista que afetam ‘um povo heróico’ e pedia um pronunciamento de condenação da ministra e da instituição que dirige, que deve assumir um papel soberano neste assunto, afirmou.

Na Assembleia Geral das Nações Unidas, os governos panamenhos de 1994 até hoje se manifestaram a favor do levantamento do bloqueio comercial, financeiro e econômico contra Cuba e, inclusive, a partir de 1997, responderam às notas do Secretário-Geral da ONU ao respeito.

Somente em 1992 e 1993 o istmo se absteve sob o governo de Guillermo Endara, que assumiu o cargo em uma base dos Estados Unidos poucos dias após a invasão do Exército dos Estados Unidos no Panamá em dezembro de 1989.

Diversas organizações sociais e personalidades solidárias com o povo cubano se manifestaram em janeiro passado contra a inclusão de Cuba como Estado terrorista pela ‘administração moribunda’ de Donald Trump.

“Como patriotas panamenhos que sofreram múltiplas intervenções militares e a interferência permanente dos governos dos Estados Unidos nos assuntos internos de nosso país, temos o dever de rejeitar vigorosamente esta declaração”, disse na época um comunicado da Frente Ampla pela Democracia .

Além disso, a Associação Martiana de Moradores de Cuba no Panamá condenou o que qualificou de “manobra suja dos Estados Unidos”, ao incluir Cuba em sua lista de patrocinadores do terrorismo, como as últimas ações do governo cessante desse país.

“O argumento é falso, o verdadeiro fim, é a asfixia econômica de todo um povo”, disse o grupo em uma mensagem onde alertou que “não é apenas mais um golpe, isso tem consequências na ordem econômica e tem motivação ideológica. “

Em novembro passado, profissionais panamenhos formados na ilha caribenha também se manifestaram pelo desaparecimento total do bloqueio norte-americano, cujas consequências também sofreram quando estudaram em universidades cubanas e puderam avaliar os prejuízos que isso acarreta às famílias de aquela nação.

Categories: # Cuba, # yo voto vs bloqueo, #solidaridadvs bloqueo, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, bloqueo, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, CubavsBloqueo, ONU, ONU-CUBA, panamá, política dos Estados Unidos em relação a Cuba, Relações Estados Unidos Cuba | Deixe um comentário

O cerco da “pacificação” .

Autor: Antonio Rodríguez Salvador | internet@granma.cu

Além de ser uma farsa ridícula, o que aconteceu no dia 27 em frente ao Ministério da Cultura foi um exercício frustrado de pós-verdade: irracionalidade e absurdo antes calculados, com o objetivo de mostrar um mundo de cabeça para baixo. ..

Supostamente, alguns artistas ali se reuniram para exigir o diálogo, mas se em certas mídias – e também nas câmaras de eco que costumam ser as redes sociais – não tivessem repetido tanto esse propósito e suposta condição, poderíamos jurar que só havia uma multidão de empolgou as pessoas lá paparazzi, e que as palavras “artistas” e “diálogo” dificilmente soaram sem qualquer significado lógico.

Pelas redes sociais pudemos ver o que aconteceu: foi uma provocação de ponta a ponta, o bullying insolente de uma instituição do Estado. Nesse reality show transmitido em tempo real por eles próprios, eles conseguiram envergonhar até a própria indecência.

Constituyen Consejo Asesor del Ministerio de Cultura de Cuba - Radio Ciudad  Habana

Vimos assim como, sem a mais elementar ética, tentaram manipular o vice-ministro Fernando Rojas em um telefonema que ele supôs ser particular. Sentimos a perplexidade e paciência do funcionário; repetidamente o ouvimos propor soluções; mas, antes de cada conformidade, havia sempre uma incoerência para não aceitá-la.

O que eles queriam com tanta ousadia? A pós-verdade é chamada de distorção deliberada de uma realidade, que manipula crenças e emoções, a fim de influenciar a opinião pública e as atitudes sociais. É um ato demagógico que desrespeita o bom senso e busca promover o fanatismo; amputar de mentes qualquer razão ou procedimento inteligente.

Quem eles estavam tentando manipular ou alimentar suas crenças? Achavam que a grande maioria dos artistas e escritores cubanos iria se juntar a eles? Será que eles achavam que tinham a mistura mágica de Puck, de acordo com a famosa comédia de Shakespeare, para encantar uma multidão naquele delirante “sonho de manhã de inverno”?

Já disse outras vezes que o problema não é a crítica, mas o critério que a protege. Que critérios estavam por trás dessa demonstração contra Mincult? A que ele estava respondendo? Um dos principais manifestantes presentes foi o suposto grevista da recente farsa de San Isidro, que pediu insistentemente ao governo dos Estados Unidos o bloqueio total a Cuba.

Mas não o bloqueio que sofremos até agora – já bastante criminoso – mas o de uma ilha rodeada de navios de guerra. Um dos slogans deste assunto é: Chega de “paz”, é preciso fogo, para apelar imediatamente à invasão militar dos EUA. A cultura da morte é o que este homem defende.

É curioso que tal provocação coincida com o momento em que funcionários da Casa Branca anunciam que o governo Biden está revendo a política desse país em relação a Cuba, depois do infeliz estado a que Trump o conduziu. Chance ou plano pré-concebido?

Outro grupo, dos presentes, respondeu aos meios planejados e pagos pelos Estados Unidos para sua habitual campanha de ódio e manipulação de nossa realidade. Meios de comunicação que nunca levantaram a voz para condenar, e nem sequer tocou na pétala de uma rosa, a censura sistemática dos artistas cubanos na Flórida, seu linchamento e demonização metódica, dos quais inúmeros exemplos podem ser dados.

Com que direito falam em nome da cultura cubana? Cultura não é apenas arte, ela também abrange o conjunto de conhecimentos, crenças e padrões de comportamento de toda a sociedade. Inclui a história, as tradições, as idiossincrasias de todo um povo, e essa entrega e essa impudência não fazem parte da nossa moral, dos nossos valores.

Quem capacitou esses jovens a falar em nome de todo um povo? Eles estão chamando essa arrogante auto-proclamação de democracia por acaso? Certamente, na manifestação anterior, realizada há dois meses, se reuniram jovens que poderiam ser capazes de encorajar intenções válidas. No entanto, agora eles não são, e isso mostra que novamente eles não poderiam ser manipulados.

O diálogo social é aquele que se origina em todo um país e, para ele, sobretudo, é tributado com uma alteridade consensual, uma vez que não é possível reunir 11 milhões de pessoas numa sala. É o que ocorre diariamente em nossas ruas e locais de trabalho, com o fazer e o compromisso cidadão.

Parece apropriado dizer que ninguém pode se opor às críticas. A crítica é bem-vinda, mas a do julgamento responsável, aquela que tem permitido que muitos artistas e escritores transcendam seu tempo e sejam, para sempre, contemporâneos. Aquele que nos coloca diante do espelho e nos projeta para o crescimento espiritual; não aquele que, de repente, nos lembra a tão citada passagem bíblica do Sermão da Montanha: “Cuidado com os falsos profetas, que vêm a vós vestidos de ovelhas, mas por dentro são lobos vorazes. Por seus frutos você os conhecerá.

Categories: #Cuba, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, DIAZ CANEL, Estados Unidos contra Cuba, Estados Unidos Vs Cuba, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, O presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, política dos Estados Unidos em relação a Cuba, Redes sociais, redes sociales, Relações Estados Unidos Cuba, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Lista de Cuba sobre ações terroristas dos Estados Unidos.

Por Arthur González

Os Estados Unidos se reservam o direito de fazer listas para incluir nelas os países que não se ajoelham a seus pés, porém são os maiores terroristas e o abrigo seguro de centenas de assassinos.

Cuba também pode fazer uma lista de pessoas e entidades a serem sancionadas nos Estados Unidos por executar atos criminosos, hospedar terroristas e apoiar países como Israel e as ditaduras militares dos anos 60 e 70 do último século XX.

Washington deu apoio material e político ao regime sul-africano, quando executou o desprezível sistema do Apartheid e a outras ditaduras daquele continente que reprimiram de forma selvagem seus povos, com um fardo incomparável de crimes contra a humanidade.

Guerras imperiais como as da Coréia, Vietnã, o lançamento de duas bombas nucleares sobre a população civil do Japão, são ações históricas que, por si só, são suficientes para levar os ianques a um tribunal internacional.

Os atos de terrorismo dos Estados Unidos contra Cuba são inúmeros, desde a organização, treinamento e financiamento de terroristas assassinos, invasões mercenárias, até a concessão de refúgio legal a milhares de capangas ensanguentados, guiados por funcionários do FBI e da CIA.

No topo da lista devem estar os 12 presidentes dos últimos 62 anos, porque todos aprovaram planos terroristas contra o povo cubano.

Em 23 de dezembro de 1958, o presidente Dwight Eisenhower, com o apoio do então diretor da CIA, Allen Dulles, afirmou na reunião do Conselho de Segurança Nacional: “Devemos impedir a vitória de Fidel Castro”.

Em 1º de janeiro de 1959, os Estados Unidos protegeram os assassinos e torturadores do regime do ditador Fulgencio Batista, que fugiram da justiça cubana e, apesar das notas diplomáticas exigindo sua extradição, concederam-lhes a condição de “refugiados políticos”.

Em 28 de janeiro de 1959, a primeira organização contra-revolucionária a conspirar contra a revolução cubana vitoriosa, chamada La rosa blanca, liderada por Rafael Díaz-Balart, foi formada em Miami. Também não condenaram o americano Allen Mayer, que veio dos Estados Unidos naquele mês em um pequeno avião a Cuba com a intenção de assassinar Fidel Castro.

Cuba convoca a II Simposio Internacional sobre la Revolución | Cubadebate

Eles participaram da conhecida Conspiração Trujillista, que pretendia criar uma força militar nas províncias centrais para derrubar o governo revolucionário. Foi conhecido com antecedência e desmontado em 13 de agosto de 1959 na cidade de Trinidad.

Eisenhower e Allen Dulles autorizaram três ataques aéreos entre 11 e 21 de outubro de 1959, para bombardear engenhos de açúcar na ilha, além do executado em 21 de outubro em Havana, pelo traidor Pedro Díaz Lanz, ex-chefe da Força Aérea Cubana , protegido em Miami. No atentado houve uma morte e 45 feridos, situação que o FBI conhecia e não agiu contra o responsável.

Naquele ano, houve dezenas de atentados sem que as autoridades ianques agissem.

Em março de 1960, o presidente Eisenhower aprovou o primeiro Programa de Ação Secreta da CIA contra Cuba, responsável por tarefas subversivas como a Operação Peter Pan, que tirou 14,38 crianças desacompanhadas e desacompanhadas do país com o apoio da Igreja Católica. financiamento para invadir Cuba.

Em 4 de março, a CIA explodiu o navio francês La Coubre no porto de Havana, matando 101 pessoas, ferindo 200 e mutilando-as.

John F. Kennedy, em 20 de outubro de 1960, solicitou ajuda aos “lutadores pela liberdade cubanos”, o congelamento de todos os bens cubanos nos Estados Unidos e uma ação coletiva contra o comunismo, quando já sabia dos preparativos para a invasão do Ilha; Além disso, no final de janeiro de 1960, Richard Bissel, chefe das operações secretas da CIA, informou oficialmente McGeorge Bundy, conselheiro de Segurança Nacional de J.F. Kennedy e Sidney Gottlieh, o novo chefe da divisão de serviços técnicos da CIA encarregado do programa de experimentação de drogas, sobre planos para assassinar Fidel Castro.

A prova do terrorismo dos Estados Unidos contra Cuba foi a entrega, em fevereiro de 1961 a um dos assassinos selecionados, de uma caixa de charutos preferida por Fidel, contaminada com a letal toxina botulínica. Ao mesmo tempo, o coronel Sheffind, da CIA, forneceu ao mafioso John Rosselli várias pílulas envenenadas com objetivo semelhante.

China mató a 20 espías de la CIA entre 2010 y 2012

Em 22 de fevereiro, o professor voluntário Pedro Morejón é assassinado por elementos terroristas financiados pela CIA. Nesse período, a CIA aumentou os atos terroristas em Cuba, como incêndios em shopping centers, cinemas, ataques piratas contra usinas e refinarias de petróleo.

17 de abril de 1961 ocorre a invasão e é derrubado em apenas 67 horas. Kennedy presume o fracasso e demite o diretor da CIA, o vice-diretor geral Charles P. Cabell e Richard Bissel, chefe das operações secretas.

John Alex McCone é nomeado novo diretor, que recebe a ordem de Kennedy para fazer a conhecida Operação Mongoose, o programa subversivo mais abrangente contra Cuba, que contemplava uma invasão com o exército ianque, e fez a guerra econômica, comercial e financeira oficial, juntamente com a aplicação da Lei que proíbe o Comércio com o inimigo, de 1919. Ambos são mantidos.

Sob o governo Kennedy, vários planos de assassinato de Fidel e Raúl Castro foram planejados, incluindo em junho de 1963 Kennedy aprovou um novo Programa de Ação Secreta para a CIA, com atos terroristas contra a economia, que afirma:

“Só depois que os efeitos da retaliação econômica e das ações de sabotagem são profundamente sentidos na população e nos grupos de elite, pode-se esperar que o descontentamento nas forças armadas e outros centros de poder do regime em revoltas ativas contra o comunista castrista entourage ”.

José Martí - Detalle del autor - Enciclopedia de la Literatura en México -  FLM - CONACULTA

Esta é apenas uma amostra de por que sucessivas administrações mantêm a mesma linha de trabalho, que transborda em argumentos jurídicos as denúncias de inclusão dos Estados Unidos na lista cubana, onde milhares de pessoas, entidades governamentais e privadas, devem comparecer para serem sancionadas por sua crimes de sangue contra o povo cubano.

José Martí foi exatamente quando disse:

“Não há nada mais justo do que deixar as coisas da história em ponto da verdade”

Categories: # Cuba, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #CIA, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, #Fidel, #YoSoyFidel, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, CUBA - ESTADOS UNIDOS, Cuba: a obsessão de EE. UU, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, EUA avalia retornar a Cuba para lista de estados patrocinadores do terrorismo, FBI, FBI, James Comey., Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, HISTORIA DE CUBA, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, política dos Estados Unidos em relação a Cuba, Relações Estados Unidos Cuba, Terrorismo, TERRORISMO VS CUBA | Deixe um comentário

Alcântara deificada joga sujo para aqueles de San Isidro Otaola já está em mutação.

Categories: #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Trump, @Trump, A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, Contrarevolución, Contrarrevolución, José Daniel Ferrer, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba: a obsessão de EE. UU, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, FORA TRUMP, inimigos da Revolução, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, política dos Estados Unidos em relação a Cuba, relações bilaterais, o governo Donald Trump, Relações Estados Unidos Cuba, Relaciones Cuba Estados Unidos, Subversão contra Cuba, Subversión, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Divisão, a arma preferida do inimigo .

Por Arthur González

Añejo é o conceito de “dividir para conquistar” e o que os Estados Unidos tentam executar contra todos os movimentos revolucionários e Cuba tem sido um campo de batalha nesse sentido.

Desde antes do triunfo revolucionário de 1959, os Estados Unidos tentaram dividir as forças que lutavam contra a tirania de Fulgencio Batista, por isso promoveram a formação da 2ª Frente Nacional do Escambray e enviaram para ela o agente da CIA, o americano William Morgan e o oficial John Spiritto, com o objetivo de evitar a unidade entre o Movimento 26 de julho, o Diretório Estudantil 13 de março e o Partido Socialista Popular.

Esse propósito foi declarado pelo próprio Spirit ao ser preso em 5 de dezembro de 1962 pela Segurança do Estado cubana.

O governo espanhol também utilizou o mesmo método de divisão interna das forças revolucionárias, o que José Martí denunciou em 28 de maio de 1892 no jornal Pátria, onde afirmava:

“O governo espanhol se costurou na realidade, escolheu seus inimigos um a um, os segue com um homem nos calcanhares … divide os cubanos em que a distribuição pessoal se deve à calúnia e ao hábil cultivo das paixões humanas. ou uma obrigação de classe ou uma companhia mal compreendida, poderia fazer mais do que um dever para com o país ”.

E acrescentou:

“É um dever denunciar para que ninguém se engane, nem por paixão, onde o seu inimigo o queira levar, ou colabore com os pretextos do mal ou do orgulho, a desordem e a derrota do seu país, os métodos especiais e tenazes e ainda frutífero da campanha espanhola. Ninguém se surpreenderá com o mais sutil e eficaz desses métodos, pois, aproveitando as dissensões internas, a Espanha foi capaz de vencer uma guerra que nunca poderia vencer pelas armas.

Golpe blando en Cuba

A CIA nunca deixou de trabalhar neste sentido e já o tentou em várias ocasiões contra a Revolução, chegando mesmo a desenvolver um plano para dividir as Forças Armadas e os comunistas cubanos, pelo qual um suposto oficial da CIA vendeu informações falsas a respeito à suposta traição de um alto militar cubano, com o mesmo interesse da divisão interna, convencidos de que a arma fundamental dos cubanos é sua unidade.

Hoje o trabalho da CIA e de seus colaboradores é justamente erodir essa unidade, por isso seus esforços e o dinheiro aprovado se dirigem à juventude cubana, que segundo o relatório da “Comissão de Assistência a uma Cuba Livre”, conhecida como “Plano de transição para a democracia”, aprovado em 6 de maio de 2004 pelo presidente George W. Bush:

“Alcançar a juventude cubana representa uma das oportunidades mais significativas para precipitar o fim do regime. Esta geração tem o elo mais fraco com a Revolução, sua apatia e descontentamento são endêmicos. Continue isolando o regime de Castro ao mesmo tempo que apóia a oposição democrática e dá poder à sociedade civil emergente.

Os acontecimentos de novembro passado de 2020, realizados por um grupo de jovens em frente ao Ministério da Cultura, estimulados pela artista Tania Brugueras, a principal peça dos ianques para corroer por dentro o setor cultural, é uma amostra de como eles insistem em dividindo o povo cubano com as mesmas artimanhas, agora com o uso das redes sociais, que facilitam o alcance imediato e massivo de muita gente, o que, segundo José Martí, está dividido pela calúnia e pelo hábil cultivo das paixões humanas .

Não é por prazer que encontramos nas redes sociais alguns artigos que visam criar estados de opinião contra a Revolução, afirmando:

“O Estado deve resolver as contradições entre seu discurso político e sua projeção econômica. São os fatos que mostram a direção que as coisas realmente estão tomando. A presença militar na economia, sua impopular dolarização, o freio à iniciativa privada, os hotéis de luxo construídos entre bairros em ruínas e um investimento turístico muito superior ao da agricultura, são apenas algumas das contradições do reformas em um país com graves problemas em termos de alimentos, suprimentos, moradia e direitos civis.

Muito da censura sofrida pelos artistas se deve à abordagem dessas questões, portanto, falar de cultura é impossível sem tocar nesses aspectos.

Entre nossas realidades mais caras está o êxodo massivo de jovens em busca das oportunidades que encontraram em seu país ”.

A criminosa guerra econômica, comercial e financeira que dura 62 anos, nada é mencionada, como se suas ações cruéis de sanções contínuas, a pressão sobre os investidores estrangeiros e as multas pesadas sobre os bancos internacionais, não afetassem adversamente a economia de uma pequena ilha sem recursos naturais e não foram uma causa fundamental de emigração nos últimos 40 anos.

Eles não vão ver o que acontece hoje nas economias europeia e norte-americana, só por causa do fechamento parcial de suas indústrias e centros de serviços por 9 meses?

O que aconteceria nesses países se tivessem que suportar uma guerra econômica cruel como a que os Estados Unidos impuseram contra Cuba durante 60 anos?

Conozca la estrategia del MRS para ejecutar un “golpe suave” en Nicaragua

Eles poderiam manter os níveis de assistência médica, educação, cultura, esportes e seguridade social como faz Cuba?

Essa é a realidade dos planos subversivos da CIA e de seus acólitos que buscam semear ideias distorcidas da realidade nas mentes dos jovens, desmantelar o pensamento socialista e apoiar o processo revolucionário, e fazer o mesmo que a metrópole pretendia. Espanhol, para ganhar uma guerra que nunca poderia vencer pelas armas ”.

Recordemos José Martí, quando em 1892 afirmava:

“Nosso inimigo obedece a um plano: o de nos apodrecer, nos dispersar, nos dividir, nos afogar. É por isso que obedecemos a outro plano: aprender até a nossa altura máxima, apertar, juntar, ser mais esperto. Plano contra plano. Sem um plano de resistência, um plano de ataque não pode ser derrotado ”.

Categories: # Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, A obsessão dos Estados Unidos, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Cuba: a obsessão de EE. UU, Democracia, Golpe de Estado, Estados Unidos Gobiernos Paralelos Golpe de Estado Golpes Suaves, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fidel, el ejemplo imperecedero de Maceo y Che,, Manipulacion, Manipulacion Politica, Manual do golpe de Estado, novas tentativas de golpe, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, política dos Estados Unidos em relação a Cuba, Relações Estados Unidos Cuba, Relaciones Cuba Estados Unidos, Revolução, Revolução Cubana, Revolução Cubana sobrevive a todas as agressões, Revolução Cubana,, sonhos de Fidel, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

A evidência é esmagadora, José Daniel Ferrer é um assassino. Aprenda Alexis Valdés.

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #Marco Rubio e #Bob Menendez ., #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acuerdos, Béisbol, Cuba, Deportes, Federación Cubana de Béisbol, Grandes Ligas de Béisbol, Marco Rubio, Serie Nacional de Béisbol, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, confrontar Donald Trump da câmara baixa, Constituição da República de Cuba, Constituição da República de Cuba, Cuba, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, Contra-revolução cubana, Contrarrevolución, José Daniel Ferrer, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., FORA TRUMP, Marco Rubiob, Organizacion e Estados Americanos (OEA), relações bilaterais, o governo Donald Trump, Relações Estados Unidos Cuba, Relaciones Cuba Estados Unidos, Trump Google, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Cuba rejeita as sanções dos EUA contra o Banco Financiero Internacional.

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, @Trump, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Bruno Rodríguez Parrilla, Cuba, Daniel Ortega Saavedra, Governo, Ministério das Relações Exteriores (Minrex), Nicarágua, Cuba: a obsessão de EE. UU, Estados Unidos Vs Cuba, Estados Unidos,, EUA avalia retornar a Cuba para lista de estados patrocinadores do terrorismo, FORA TRUMP, MINREX, política dos Estados Unidos em relação a Cuba, Relações Estados Unidos Cuba, Relaciones Cuba Estados Unidos, TERRORISMO VS CUBA, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: