Cuba da perspectiva das estratégias de Segurança Nacional dos EUA: Contenção.

#Cuba #EstadosUnidos #ElBloqueoMata #EliminaElBloqueo #PorLaFamiliaCubana

Por Alejandra Brito Blanco

Durante a administração de John F. Kennedy (1961-1963), uma série de eventos transcendentais teve lugar na dinâmica bilateral, tais como a derrota na Playa Girón, a Operação Mangustoé e a Crise de Outubro. Este último, na opinião de Ramírez e Morales (2014), representa “o acontecimento mais transcendental do período, tanto pelo seu impacto na política mundial como pelo nível de perigo que atingiu nas relações internacionais nesses anos, tanto hemisféricas como globais” (p.373).

Os períodos de relativa desanuviamento nas relações bilaterais estão ligados à dinâmica da Guerra Fria.

Como parte da chamada Doutrina de Reacção Flexível, Kennedy propôs a inclusão do estado das Caraíbas nas “pontes construídas” para o campo socialista. A decisão não implicava a aceitação do sistema cubano, mas sim uma abordagem diferente para o derrubar, utilizando métodos diferentes. Procurava distanciar-se de Cuba, da União Soviética e da América Latina. Isto estava de acordo com a projecção internacionalista da Revolução para o Terceiro Mundo, com destaque para o caso particular do continente americano.

Durante a presidência de Richard Nixon (1969-1974), houve sinais claros do fim do isolamento diplomático de Cuba na região. Nixon recebeu exigências internacionais e nacionais, do próprio Congresso, para fazer progressos nas relações. Apesar de ter iniciado um processo de desanuviamento com a China e a URSS, o presidente persistiu na sua “linha dura” em direcção às Grandes Antilhas e só veio à mesa de negociações para discutir questões específicas, tais como um acordo assinado a 15 de Fevereiro de 1973 contra a pirataria aérea (LeoGrande e Kornbluh, 2014).

Divergência nas relações bilaterais?

Como parte da iniciativa Kissinger, entre 1974 e 1976, a ideia de normalização começou a ser novamente discutida. Aconteceu no final da presidência de Nixon, quando o então Secretário de Estado iniciou discretos movimentos em direcção a Cuba, aparentemente inconscientemente (LeoGrande e Kornbluh, 2014). O próprio Kissinger eliminou as conversações em 1976, com a justificação da presença militar cubana em Angola. Desta forma, torna-se evidente uma acção que ainda hoje está em vigor: condicionar qualquer progresso às concessões feitas por Cuba no seu activismo internacional.

As tentativas de desanuviamento ganharam algum ímpeto durante a administração Gerald Ford (1974-1977). No entanto, os maiores avanços ocorreram durante a presidência de Jimmy Carter (1977-1981), uma vez que se realizaram negociações sobre uma vasta gama de questões de interesse bilateral. Como parte do intercâmbio, as Secções de Interesse de cada lado foram abertas na nação vizinha em 1977. Autores como LeoGrande e Kornbluh (2014) estimam que Carter “aspirou a ser o primeiro presidente pós Guerra Fria numa época em que a Guerra Fria ainda não tinha terminado” (p. 224).

A interacção de factores internacionais e domésticos; a sabotagem do avião que transportava atletas cubanos de Barbados, juntamente com outros actos de terrorismo; e a reorientação da administração Carter para a reeleição em 1980, puseram fim à melhoria das relações.

Crise migratória da Mariel

Incentivar a migração ilegal tem sido um denominador comum das acções do governo dos EUA em relação a Cuba. Foto: New York Times.

A dinâmica de aproximação a Cuba começou a ser vista como um sinal de fraqueza em relação ao comunismo. Foi revitalizada uma retórica de condenação de alegadas violações dos direitos humanos, encorajando a emigração ilegal (Arboleya, 2015, p. 44, 45).

A situação agravou-se ao ponto de, entre 12 de Agosto de 1980 e Outubro de 1981, o governo cubano ter aberto o porto de Mariel. Cerca de 125.000 cubanos chegaram à Florida em barcos privados.

Aos cidadãos cubanos, pela primeira vez desde o triunfo revolucionário, não foi automaticamente concedido o estatuto de refugiado, mas sim “aos candidatos cubano-hatianos (estatuto pendente)”. Os “Marielitos” encontraram-se no limbo legal, isentos de quaisquer privilégios. Foram detidos em centros especiais, campos. Os considerados “excludentes”, por alegados crimes cometidos em qualquer um dos países, foram encarcerados indefinidamente. Estima-se que cerca de 60.000 pessoas passaram por este processo (Barbería, 2010; Arboleya, 2015).

Como parte da dinâmica da Guerra Fria, os EUA plantaram o “medo do comunismo” na sua população para justificar uma cruzada contra a ideologia. Imagem: El País.

Em geral, durante o período da Doutrina de Contenção, a aproximação efectiva entre países vizinhos não se concretizou, em primeiro lugar devido à relação directa com o conflito multilateral Leste-Oeste. Como o processo foi afectado pelo eixo de confrontação Washington-Moscovo, não se verificaram mudanças radicais. Por outro lado, as tentativas de condicionar as negociações ao custo de limitar o activismo internacional de Cuba, especialmente em África e Porto Rico, minaram a sua autodeterminação em termos de política externa e, portanto, nunca seriam aceites (Ramírez e Morales, 2014).

Mais hostilidade para uma mudança

Imagem tirada da Presidência de Cuba.

O comportamento agressivo durante a presidência de Ronald Reagan (1981-1989) atingiu níveis particularmente significativos. O governo associou a influência socialista de Cuba ao surto de movimentos de libertação na América Central. A acção militar contra Cuba, “a fonte de tudo”, foi considerada mas nunca se concretizou por medo de “outro Vietname”, desta vez na região. As agressões também tomaram forma na esfera dos media, com o início das emissões da Rádio Martí em 1985.

No entanto, no final do seu segundo mandato, tinham sido assinados acordos de notável importância sobre migração (intercâmbios de 1984 e 1986) e África Austral (participação nas conversações quadripartidas, juntamente com Angola e África do Sul). A odisseia de Reagan em relação a Cuba não respondeu a uma mudança essencial no antagonismo. Foi motivado por um reconhecimento da existência de interesses mútuos, que só puderam ser promovidos através da cooperação.

O colapso da União Soviética, juntamente com o consequente fim da Guerra Fria, marcou um ponto de viragem na projecção da política externa dos EUA à escala planetária. No caso cubano, as circunstâncias reavivaram um sonho há muito acarinhado desde os anos 60: inverter a Revolução.

O bloqueio não afecta o povo cubano ?????

#ElBloqueoEsReal #ElBloqueoMata #EstadosUnidosBloquea #CubaSalva #PorLaFamliaCubana #EliminaElBloqueo #PuentesDeAmor

As duas faces dos direitos humanos.

#Cuba #DerechosHumanos #EstadosUnidos #Sanciones #ONG #OEA #ElBloqueoEsReal

Por Arthur González

Embora possa parecer improvável, os direitos humanos têm dois lados, um quando se trata de países que não concordam em submeter-se aos Estados Unidos e outro quando as violações são cometidas pelos próprios Estados Unidos, por nações aliadas e/ou por aqueles cujos governos curvam as suas cabeças às suas ordens imperiais.

Os exemplos são muitos e variados, e são tratados de forma diferente pelo gabinete do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, o Conselho dos Direitos Humanos, o Parlamento Europeu, a OEA e as ONG que trabalham neste campo.

Cuba, Venezuela, Nicarágua, China, Rússia, Irão e Síria são permanentemente demonizadas pelos Estados Unidos e seus aliados, com base na construção de violações inexistentes que procuram moldar a opinião a fim de manchar a imagem dos seus governos, como se pode ver em documentos oficiais desclassificados dos EUA e em declarações de altos funcionários.

Entre os documentos classificados arquivados na Biblioteca Lindon B. Johnson em Austin, Texas, existe um memorando dos Chefes do Estado-Maior Conjunto, datado de 30 de Outubro de 1964, dirigido ao Secretário da Defesa, para desenvolver armas biológicas contra Cuba, sob o nome de código de Dança Quadrada, um acto que representa uma violação total dos direitos humanos de uma nação inteira, mas que não é sancionado.

O objectivo da Dança Quadrada era destruir a economia cubana através da introdução de um parasita chamado Bunga por via aérea vindo do estrangeiro para afectar a cana de açúcar e causar uma redução na produção cubana. Acções semelhantes foram realizadas contra a flora, fauna e saúde humana, incluindo epidemias de Meningite, Dengue Hemorrágica, Conjuntivite Hemorrágica, Febre Suína Africana, Ferrugem de Cana, Tristeza de Citrus, Sigatoka Negra contra plantações de bananeiras e muitas outras doenças. Nenhum deles foi rejeitado pela ONU.

Em 1975, face a denúncias públicas, foi formado o “Comité da Igreja”, assim chamado porque era chefiado pelo Senador Frank Church, presidente da Comissão Seleccionada do Senado que estudou alguns planos da CIA e das Operações Governamentais para assassinar o líder cubano Fidel Castro Ruz, mesmo com o apoio da máfia ítalo-americana responsável por homicídios múltiplos, tráfico de droga, jogo e negócios de prostituição dentro dos próprios Estados Unidos.

Apesar das revelações, ninguém foi processado por estes actos, nem o governo dos EUA foi condenado internacionalmente por planear o assassinato de uma pessoa.

Nem a União Europeia nem a OEA levantaram a sua voz para sancionar os Estados Unidos pelas prisões secretas da CIA, incluindo a tortura levada a cabo na sua Base Naval na Baía de Guantanamo, sul de Cuba.

As invasões do Iraque, Afeganistão, Líbia e Síria não são aparentemente consideradas violações dos direitos humanos, apesar das centenas de milhares de civis mortos e mutilados, da destruição de cidades inteiras, hospitais, escolas, fábricas e edifícios públicos, mesmo os de elevado valor patrimonial.

Perante tais crimes, os Estados Unidos não foram apontados como Estado violador por tais crimes contra a humanidade; nem receberam sanções económicas pela repressão selvagem contra os negros americanos, como o assassinato vicioso contra George Floyd e outros como ele, incluindo o de Edward Bronstein, parou num bloqueio de estrada na Califórnia, que também foi algemado e atirado ao chão pela polícia, que pressionou o seu pescoço com os joelhos até sufocar.

Muito diferentes são as sanções contra Cuba, Venezuela, Nicarágua e Irão, com uma guerra económica declarada para exterminar as suas economias e fazer os cidadãos acreditar que são governos “falhados”, através de campanhas para mudar a opinião popular, um velho método estampado num relatório proposto em 1961 por Arthur Schlesinger, assistente especial do Presidente J.F. Kennedy, que afirma

“A nossa missão é redefinir o conflito em Cuba de modo a mudar a opinião pública, não só neste hemisfério, mas também na Europa, África e Ásia”.

Hoje em dia, com a utilização de novas tecnologias, os especialistas americanos afirmam que a mente humana se tornou uma nova esfera de guerra, tendo em conta o papel crescente desempenhado pelas tecnologias informáticas e de comunicação, juntamente com a enorme quantidade de informação que é produzida. Daí o desenvolvimento de ferramentas para executar a guerra informática com armas neurológicas.

Em 1996, a Corporação Rand do US National Defense Research Institute preparou um estudo para o Departamento de Defesa, declarando:

“É do nosso interesse ajudar a abrir e forçar a emergência de uma sociedade civil independente, empregando a ligação de Cuba à Internet, utilizando-a para transmitir notícias e várias análises”.

Observando o arsenal de armas biológicas que o Departamento de Defesa dos EUA colocou na Ucrânia e a manipulação da opinião internacional por parte dos meios de comunicação social para evitar a condenação, pode-se ver o diferente tratamento das violações dos direitos humanos, quando o transgressor é os Estados Unidos, que tem a cumplicidade total do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, do Parlamento Europeu, do Conselho dos Direitos Humanos e dos membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que nunca se reúnem para colocar o verdadeiro criminoso de guerra deste planeta no banco dos réus.

Os massacres constantes de líderes sociais camponeses na Colômbia ou os massacres perpetrados por Israel contra civis palestinianos, incluindo crianças inocentes, não são apontados pelos Ianques e pelos seus capangas como violações dos direitos humanos e, por conseguinte, ninguém os sanciona.

Estes são os dois lados da moeda.

José Martí tinha razão quando disse:

“Ver um crime com calma é cometer outro”.

Informações sobre os processos penais decorrentes dos motins de 11 de Julho de 2021.

#CubaSeRespeta #CubaNoEsMiami #CuvaViveYVence #AbajoElBloqueo #PorLaFamiliaCubana

Por Redacción Razones de Cuba

Para a Procuradoria-Geral da República, é um dever continuar a informar o povo e a opinião pública internacional sobre a resposta legal aos graves acontecimentos de 11 de Julho de 2021, que minaram a ordem constitucional e a estabilidade do nosso Estado socialista.

Como já foi explicado, estes acontecimentos ocorreram num contexto particularmente complexo de crise económica mundial, exacerbado por uma pandemia sem precedentes que tirou a vida a muitos cubanos, e pela intensificação do bloqueio económico, comercial e financeiro do governo dos Estados Unidos contra o nosso país, que continua a tentar, sem ser bem sucedido, destruir a Revolução.

De uma forma tendenciosa, as manipulações e padrões de opinião continuam, que procuram acusar Cuba de violações dos direitos humanos, tentando deslegitimar os processos criminais iniciados para investigar condutas que constituem um crime, de acordo com as leis em vigor.

A Procuradoria-Geral da República, como parte da sua missão, verificou o cumprimento dos direitos e garantias constitucionais do processo equitativo, e acompanhou o desenvolvimento das investigações levadas a cabo pelos órgãos do Ministério do Interior, o direito à defesa foi garantido, os advogados forneceram provas e tiveram acesso ao processo.

Uma vez concluída a investigação, o Ministério Público recebeu 117 processos da fase preparatória correspondentes aos acontecimentos mais significativos, com 790 pessoas acusadas de actos de vandalismo, ataques contra autoridades, pessoas e bens, bem como de graves perturbações da ordem. Destas pessoas, 21% tinham antecedentes criminais.

Destes, 110 casos foram levados aos tribunais, com 710 acusados para julgamento, 69% dos quais assegurados com a medida cautelar de prisão preventiva.

Do número total de arguidos nestes processos, 115 têm entre 16 e 20 anos de idade, contra os quais foram instaurados processos criminais nos tribunais, devido à gravidade dos actos cometidos e à sua participação comprovada:

55 têm entre 16 e 18 anos de idade, dos quais 28 são assegurados com a medida cautelar de prisão preventiva. Com base nas possibilidades oferecidas pela lei e como resultado das provas apresentadas no processo oral, do reconhecimento dos factos, do arrependimento demonstrado e da condição dos estudantes, o Ministério Público modificou o pedido de sanção para 18 destes acusados, para outros de menor gravidade.
Além disso, 60 têm entre 19 e 20 anos de idade, dos quais 41 estão detidos de novo.
A decisão do Ministério Público de sustentar a acusação perante os tribunais em todos os casos baseou-se nas provas fornecidas, entre elas os depoimentos de testemunhas e vítimas, a análise pericial de vídeos publicados em diferentes meios de comunicação social e outros recolhidos, que permitiram a identificação do acusado em factos que tipificam os crimes de desordem pública, instigação à prática de crimes, danos, roubo com força e violência, ataque, sabotagem e sedição.

A decisão de acusar pelo crime de sedição, embora com penas severas, corresponde ao nível de violência demonstrado no vandalismo que de forma tumultuosa causou ferimentos e pôs em perigo a vida de cidadãos, funcionários e membros das forças da ordem, atacando-os com o uso de objectos cortantes, contundentes e incendiários, com a grave perturbação da ordem pública e o propósito deliberado de subverter a ordem constitucional.

Instituições oficiais, hospitais, casas de câmbio (Cadeca), estabelecimentos comerciais e pontos de abastecimento de combustível foram apedrejados em diferentes localidades; muitos deles, em consequência da violência gerada, foram saqueados e as mercadorias roubadas, causando danos consideráveis; os meios de transporte também foram sitiados, derrubados e danificados.

As penas solicitadas pelo Ministério Público são proporcionais à gravidade dos actos, ao nível de participação e aos danos causados à sociedade.

Como resultado dos 84 julgamentos realizados, a Procuradoria foi notificada de 44 sentenças proferidas pelos tribunais, nas quais 172 arguidos foram sancionados e tiveram o direito de interpor os recursos correspondentes.

Em Cuba, os menores de 16 anos de idade não estão sujeitos à lei penal. Nas investigações, foi acreditada a participação de 27, aos quais foi aplicado o procedimento legal estabelecido: 10 foram internados em escolas de formação e de comportamento exaustivo, para intervir juntamente com adultos na comissão destes actos; 17 receberam atenção individualizada na escola do Sistema Nacional de Educação onde estão a estudar.

O Ministério Público, em conformidade com o seu papel constitucional, tratou 508 cidadãos que solicitaram informações sobre estes processos penais e processou 238 queixas ou petições. Os procuradores entrevistaram as pessoas e verificaram os elementos expostos que foram trazidos para a investigação criminal. Os resultados foram explicados pessoalmente pelo procurador aos queixosos, oferecendo os argumentos legais em cada caso.

A Procuradoria-Geral da República reitera que actuará de acordo com o seu mandato constitucional, no quadro da legalidade, do respeito pelo devido processo, da protecção dos interesses do Estado e do respeito pelos direitos de todos os cidadãos.

Procuradoria-Geral da República.

Os Estados Unidos e a sua cimeira antidemocrática.

#ONU #Venezuela #Nicaragua #EstadosUnidos #ElBloqueoEsReal #Sanciones #Subversion #ManipulacionMediatica

Por Arthur González

O Presidente Joe Biden apelou a uma Cimeira da Democracia a 9 e 10 de Dezembro, onde será demonstrado que a chamada “democracia ianque” não existe, apesar das suas campanhas nos meios de comunicação social pagos e das pressões ameaçadoras sobre a imprensa em sentido contrário.

O regime de Biden convida apenas aqueles que se subordinam a ele e executam as políticas que emanam da Casa Branca; mas aqueles que mantêm a sua soberania e independência nacional a todo o custo são excluídos e estigmatizados, como nos casos da Turquia, Rússia, China, Cuba, Bolívia, Nicarágua, El Salvador, Honduras, Guatemala e outras nações, prova da violação do direito a não serem discriminados devido à sua posição política, e a estabelecerem uma ordem social internacional em que os direitos e liberdades sejam plenamente efectivos, algo que os Estados Unidos violam constantemente.

Os Yankees, que defendem o multipartidarismo, a liberdade de pensamento e ideias, atacam e condenam países com sistemas nacionalistas e/ou socialistas, como Cuba, Venezuela e Nicarágua, por não se ajoelharem a seus pés e decidirem os seus próprios caminhos independentes.

Outra prova da atitude antidemocrática de Washington é não aceitar a opinião de quase todas as nações que compõem a ONU, relativamente ao criminoso bloqueio económico, comercial e financeiro imposto a Cuba, que resulta numa guerra económica total para matar o povo com fome e doença, e para culpar o sistema socialista pelas suas dificuldades, uma acção que se qualifica como genocídio de acordo com a jurisdição internacional.

A ausência de democracia nos Estados Unidos reflecte-se nos seus planos de terrorismo de Estado contra Cuba, causando centenas de mortes e mutilações, juntamente com planos para assassinar os seus principais líderes, como Fidel Castro, uma situação analisada no Congresso com base em investigações oficiais da chamada Comissão da Igreja.

De que democracia falam os ianques quando reconhecem Juan Guaidó como presidente da Venezuela, sem terem sido eleitos pelo povo, nem reconhecidos pela maioria das nações da ONU e agora rejeitados por parte da oposição venezuelana? No entanto, é um dos convidados da Cimeira de Biden.

O regime antidemocrático dos EUA deve ter em mente o conceito de democracia, que define:

“A democracia é uma forma de organização do Estado, em que as decisões colectivas são tomadas pelo povo, através de mecanismos de participação directa ou indirecta que conferem legitimidade aos seus representantes”.

Cuba, ao contrário dos Estados Unidos, tem uma forma de governo baseada no Poder Popular, um sistema que começa nos bairros de cada cidade, onde são as pessoas que discutem os seus problemas, exigem soluções e propõem aqueles que as representam nos órgãos municipais e provinciais e na Assembleia Nacional, algo que é perfeccionável e imperfeito, mas muito diferente do sistema de governo ianque, onde os candidatos a cargos políticos realizam campanhas que custam milhões de dólares e aqueles que angariam mais dinheiro são sempre eleitos, porque os pobres nunca ganharão um lugar no Congresso.

De que tipo de democracia fala Biden quando convidou os presidentes do Chile, Colômbia e Brasil, que actualmente têm menos de 30% de aprovação popular, centenas de assassinatos, torturas, desaparecimentos, detenções arbitrárias e constante repressão policial?

Para ter uma ideia clara da Cimeira, é bom ler as declarações de Ron Paul, ex-congressista republicano do estado do Texas, publicadas no site antiguerra.com, onde ele afirma:

“A Cimeira da Democracia de Biden é uma piada, porque não se trata de promover a democracia, mas sim de a minar”. “Os países cujos líderes eleitos fazem a licitação dos Estados Unidos, ignorando os desejos daqueles que os elegeram, são os favorecidos com o convite”. “Nenhum destes bajuladores estrangeiros ousa assinalar que Washington está no negócio de minar a democracia no estrangeiro, não de a promover”. “As nações que prosseguem uma política interna e externa independente das exigências do Departamento de Estado e da CIA não podem jogar na caixa de areia de Washington”.

A terminar, Ron Paul observou:

“A única coisa que os Estados Unidos exportam são planos para derrubar os governos eleitos. Para Washington, democracia significa: você elege quem nós lhe dizemos para eleger”.

As nações que têm dignidade e soberania não precisam desta Cimeira, porque ela não será mais do que uma gaiola, uma semente de pássaro, e um lugar de chafurdar para aqueles que não podem condenar os crimes de Washington, por medo das suas sanções.

José Martí tinha razão quando disse:

“Levantar a fronte é muito mais bonito do que baixá-la”.

Sergio Gregori: ‘O Departamento de Estado dos EUA escreveu-me para me dizer que estavam a bloquear o financiamento da multidão do documentário’.

#UnblockCuba #FurorTV #RevolucionCubana #XCubaYo #CubaLibreYSoberana

Por : Manuel Gonzales Gonzales

Sergio Gregori, 24 anos, director da Unblock Cuba, é o chefe visível de um projecto de comunicação, Furor Producciones, no qual vários jovens nos seus primeiros vinte anos de idade têm trabalhado desde os seus dezassete anos. Este projecto inclui uma estação de televisão online, a Furor TV, que começou a funcionar na sala de estar da sua casa de estudantes e que tem atraído uma boa parte da esquerda política e cultural. Possuem agora um local espaçoso e bem equipado.

Sergio Gregori: 'Me escribió el Departamento de Estado de EEUU para decirme que bloqueaban el crowfunding del documental'

Com a idade de 15 anos, Gregori começou a fazer um documentário sobre a vida dos cubanos comuns. “No início, o filme não tinha qualquer intenção política, eu só queria conhecer a realidade de Cuba. Cuba tinha-me alcançado através dos capacetes com o grupo musical Orishas, agora anti-Castro, mas que na altura falava de um ponto de vista social, e então conheci a história da Cuba revolucionária, do Ché Guevara, do Fidel Castro e da revolução dos barbudo. Tudo isso teve um impacto em mim desde muito jovem, uma vez que me tornei político desde muito cedo. Aos 14 anos de idade comecei a organizar-me e a interessar-me pela política, e o tema de Cuba estava muito presente. Mas é verdade que no início o filme não tinha qualquer intenção política. Não tinha um ponto de vista claro sobre o que estava a acontecer em Cuba.

Para financiar o documentário, lançou um projecto de patrocínio e de crowdfunding que enfrentou o bloqueio: “De repente descubro que o Departamento de Estado norte-americano me escreve e me diz que a campanha está bloqueada pela lei norte-americana. Eu era um cidadão europeu, que nada tinha a ver com Cuba e que na realidade queria fazer um filme sem intenção política, e descobri que a campanha estava bloqueada porque a sede de uma das empresas ligadas ao micro-patronato se situava nos Estados Unidos”. O âmbito do bloqueio tinha torpedeado a iniciativa de um adolescente espanhol, mas, paradoxalmente, oito anos mais tarde, este jovem acabou por transformar o documentário numa denúncia detalhada do bloqueio, que ele considera um instrumento não só contra o carácter socialista de Cuba, mas também um meio de assumir o controlo da ilha, proibindo qualquer pessoa de negociar com ela, incluindo aliados da UE.

Tendo encerrado a rota do patrocínio, organizaram um concerto no Auditório Marcelino Camacho, através da mediação de Cayo Lara, que tinha participado na campanha de patrocínio, mas não conseguiram angariar mais do que o dinheiro suficiente para cobrir as despesas. No final, foi a vontade, a imaginação e a ousadia que tornaram possível este filme “0 custo”, nas palavras do seu realizador. Em 2017 e 2019, Gregori e outros colegas da Furor Producciones inscreveram-se como jornalistas na Feira Internacional de Turismo em Havana e utilizaram o seu tempo livre para filmar os testemunhos que aparecem no documentário.

Yunior García Aguilera: A verdade vem sempre ao de cima .

#CIA #Artistas #SubversionContraCuba

Mesmo que tentem disfarçar as coisas e fazê-las parecer diferentes, a verdade vem sempre ao de cima e todas as mentiras são expostas. Foi o que aconteceu com o jovem dramaturgo Yúnior García Aguilera, natural da província cubana de Holguín, treinado nas escolas de arte da ilha, que foi seleccionado pela sua postura hipercrítica face à Revolução para participar em workshops de subversão política no estrangeiro.

Este jovem foi apoiado pela colaboradora da CIA Tania Brugueras, uma artista plástica que, no final dos anos 90, recebeu uma bolsa de estudo nos Estados Unidos devido às suas posições ideológicas de acordo com as intenções ianques. Tania esteve por detrás da concentração em frente ao Ministério da Cultura em Havana, a 11 de Novembro de 2020, para mostrar solidariedade com os elementos contra-revolucionários de San Isidro, protegida por um suposto artista plástico, semelhante ao apelidado de “El Sexto”, há alguns anos atrás. Como tem sido visto na televisão, os elementos contra-revolucionários neste bairro de Havana Velha são apoiados pela embaixada ianque na ilha, um facto que os qualifica claramente como alunos daqueles que dirigem e alimentam a subversão política que há 60 anos tenta desestabilizar o sistema socialista.

Agora Yunior, seguindo orientações do estrangeiro, apela a uma provocação à Revolução, no próximo dia 20 de Novembro, que “por coincidência” é o aniversário do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Mas acontece que o passado de Yunior revela quem está por trás do seu “fervor” pela situação em Cuba, que nada tem a ver com a condenação da implacável guerra económica, comercial e financeira imposta pelos Estados Unidos há 62 anos, com o objectivo de matar o povo cubano através da fome e da doença, tal como recomendado pelo Subsecretário de Estado Lester Mallory em 1960.

De acordo com informações publicadas, o dramaturgo García Aguilera quer fazer uma peça baseada no que aprendeu durante os workshops, chamada “Diálogos sobre Cuba”, realizada na Universidade norte-americana (Saint Louis) em Madrid, Espanha. Aí, recebeu lições sobre como organizar as chamadas “Revoluções das Cores”, dadas por Richard Yuong, um dos especialistas no assunto, que se diz estar actualmente ao serviço do actual chefe da CIA.

Outro dos professores do dramaturgo foram Ruth Diamet e Laura Ledezco, que lhe explicaram o papel que as Forças Armadas Revolucionárias deveriam desempenhar durante um processo de mudança de regime tão almejado na nossa ilha.

Em termos de subversão política contra Cuba, nada é casual, nada cai do céu, muito dinheiro é gasto no recrutamento e preparação de supostos “adversários” e no seu disfarce, e na medida em que o dramaturgo Yunior Aguilera tem uma boa experiência, mas não teve o apoio maioritário do povo cubano para a sua Revolução, juntamente com uma vasta experiência em lidar com tais provocações, pelo que o seu fracasso é garantido antecipadamente, porque, como disse José Martí:

“Belas revoluções não têm necessidade de soldados mercenários”.

Sou difamado em Miami, eu respondo. Corre chivarazzi, estás a arder.

#CubaNoEsMiami #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #SubversiónContraCuba #RedesSociales 3ManipulacionMediatica

Havana presta homenagem a Fabio Di Celmo no 24º aniversário do seu assassinato #TenemosMemoria .

#TerrorismoNuncaMas #TenemosMemoria #ICAP #EEUUBloquea #FabioDiCelmo

A carta a Biden, que também não será publicada .

#CubaSoberana #VacunasCubanas #Sanciones #ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #RedesSociales #ManipulacionMediatica

%d bloggers like this: