RUSSIA

O gasoduto que abala a política mundial: porque é que o Nord Stream 2 divide aliados e une rivais?

Categories: #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Bruselas, Donald Trump, EUROPA, Europa postura intervencionista, Injerencia De EEUU, joe biden, Joseph Goebbels, ministro de Pueblo Popular y Propaganda de la Alemania de Adolfo Hitler, Putin, RUSIA, RUSSIA, SANCIONES, UNION EUROPEA, vladimir putin | Deixe um comentário

O relatório do Departamento de #Saúde dos #E.U.A. reconhece que fez lobby para impedir a vacina #Sputnik, ajuda #MédicaCubana.

Por Redacción Razones de Cuba

Também insistiu na presença de médicos cubanos, que se deslocam a diferentes países para prestar assistência.

Os dados, tal como revelados hoje em Buenos Aires pelo jornal Página 12, aparecem no relatório anual do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (OGA, pela sua sigla em inglês, o equivalente a um ministério).

“A OGA coordenou com outras agências governamentais dos EUA para reforçar as relações diplomáticas e oferecer assistência técnica e humanitária para dissuadir os países da região de aceitar a ajuda destes Estados mal-intencionados”, afirma o relatório.

O relatório, por exemplo, reconhece ter apelado às “relações diplomáticas” bilaterais entre Washington e Brasília para forçar o gigante sul-americano, um dos mais afectados pela pandemia de Covid-19, a recusar a autorização de utilização do Sputnik V, do centro russo Gamaleya.

De acordo com o documento dos EUA, as suas recomendações destinavam-se a evitar que a Rússia “aumentasse a sua influência” na região da América Latina e das Caraíbas, informou a Telesur, embora não tenham sido fornecidos mais pormenores. Numa secção do relatório intitulada “Combater as influências malignas nas Américas”, revelada na Página 12, o relatório explicava que o objectivo era evitar que países como a Rússia, Venezuela e Cuba “aumentassem a sua influência” na região através da vacina anti-covida russa e das brigadas médicas internacionalistas de Cuba.

A vacina e os médicos cubanos actuariam “em detrimento da segurança dos Estados Unidos”, de acordo com o documento.

O relatório foi divulgado esta semana enquanto os Estados Unidos pairavam em torno do número de meio milhão de mortos da pandemia como resultado da política do ex-Presidente Donald Trump, um apoiante de “deixar morrer aqueles que têm de morrer”, como ele disse.

E o Brasil, por seu lado, com a política de saúde do Presidente Jair Bolsonaro alinhada com a de Trump, atingiu esta semana o número arrepiante de 290.000 mortes por coronavírus no total e 3.150 mortes por dia, em média.

No caso do Panamá, os Estados Unidos teriam oferecido assistência técnica do Centro de Controlo de Doenças (CDC) ao país centro-americano para rejeitar uma oferta de médicos cubanos para combater a epidemia de Covid-19.

Segundo o Telesur da Venezuela, apesar da oposição geopolítica à sua utilização, a vacina russa Gamaleya foi autorizada em cerca de 24 países, vários dos quais na América Latina e nas Caraíbas.

Também apesar da campanha contra, a cooperação médica cubana espalhou-se por três continentes e cerca de 30 países durante a pandemia de Covid-19.

“Que morram os que têm de morrer”.
Pressões dos EUA sobre a América Latina na pandemia.

Como Washington se manobrou para impedir a venda da vacina Sputnik na região e para bloquear as actividades das brigadas médicas cubanas. As coincidências de Trump e Bolsonaro e os guinchos de Mauricio Macri.

Luis Bruschtein – Página 12

Com o aumento de onze por cento de contágios em todo o país e de 19 por cento no CABA, os infectologistas que aconselham o governo avisaram que a Argentina pode estar às portas de uma segunda vaga de infecções, como aconteceu na Europa no final do Verão e ainda está a acontecer em alguns países. A chegada dos primeiros carregamentos de vacinas flexibilizou as medidas de precaução no país e a vigilância sanitária nas fronteiras. Embora não tenha anunciado quaisquer medidas concretas, o Presidente Alberto Fernandez utilizou a rede de rádio e televisão na quinta-feira para emitir um aviso aos argentinos. Se o número de contágios aumentar, terão de ser tomadas novas precauções sanitárias.

Durante as férias, muitos argentinos viajaram para o Uruguai, Brasil e Chile, que estão a viver uma onda muito forte de contágios. O perito sanitário José Carlos Escudero segue os índices mundiais da epidemia, tomando como base os relatórios periódicos publicados pelo Washington Post e pelo The New York Times.

Para descrever situações é por vezes conveniente não usar números”, diz Escudero na sua parede FB. Para o dizer sem números: hoje em dia, o risco de adoecer de coronavírus é duas vezes maior no Uruguai do que na Argentina. O risco de morrer de coronavírus é duas vezes maior no Chile do que na Argentina. O risco de morrer de coronavírus é mais de três vezes maior no Brasil do que na Argentina.

No Brasil há ainda mais de 7.000 argentinos que foram de férias no meio da epidemia, e muitos mais viajaram desde Dezembro. O próprio chefe do governo da CABA, Horacio Rodríguez Larreta, tirou ali as suas férias, num exemplo do que um político que normalmente é tomado como referência pelos seus seguidores não deve fazer.

Como no início da epidemia do ano passado, os distritos CABA com mais infecções não são os mais pobres, mas os mais ricos: Recoleta, Palermo e Belgrano, onde vivem aqueles que viajaram para o estrangeiro. Isto inclui o México, de onde os 77 estudantes infectados com o coronavírus voltaram da sua viagem de graduação.

As ramificações políticas relacionadas com a epidemia têm sido chocantes. Durante a semana, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (equivalente ao Ministério da Saúde) divulgou um relatório no qual reconhece que durante 2020 pressionou os governos latino-americanos a não comprar a vacina russa Sputnik V e menciona os governos do Panamá e do Brasil.

Numa secção do relatório, intitulada: “Combater as influências malignas nas Américas”, explicam que utilizaram a diplomacia para impedir países como a Rússia, Venezuela ou Cuba, “aumentar a sua situação difícil” na região através da vacina anti-vírus russa e das brigadas médicas internacionalistas de Cuba. A vacina e os médicos cubanos actuariam “em detrimento da segurança dos Estados Unidos”, de acordo com o documento.

O relatório foi divulgado esta semana enquanto os Estados Unidos pairavam em torno do meio milhão de mortos pandémicos em resultado da política “deixar morrer quem tem de morrer” de Donald Trump. E o Brasil, o país que a Casa Branca estava a bloquear o acesso a um remédio estratégico, atingiu esta semana o número arrepiante de 290.000 mortes do coronavírus no total e 3.150 mortes por dia.

A diplomacia de Donald Trump pressionou o governo de Jair Bolsonaro a aprofundar esta política de armas dobradas face à pandemia, graças à qual aquele país é o terceiro no mundo em termos do número de infecções (depois dos Estados Unidos e da Índia) e o segundo em termos do número de mortes (depois dos Estados Unidos).

O país que foi pressionado a não comprar vacinas está a sofrer “o maior colapso sanitário e hospitalar da sua história”, de acordo com a Fundação Oswaldo Cruz, o maior centro de investigação científica da América Latina. Em 19 capitais brasileiras, as unidades terapêuticas já ultrapassaram 90 por cento da sua capacidade e as mortes aceleraram devido à falta de espaço. A crise levou Bolsonaro a ceder e a mudar o seu ministro da saúde. Retirou o General Eduardo Pazuello, que nada sabia sobre o assunto, e substituiu-o pelo cardiologista Marcelo Quiroga.

Trump e Bolsonaro concordaram naquela frase tremenda sobre a morte daqueles que têm de morrer. Uma metáfora malthusiana para justificar o sacrifício (evitável) de milhares de pessoas, entre pessoas saudáveis de todas as idades, com mais de 60 anos e pacientes com doenças como diabetes, coronárias, respiratórias ou imunocomprometidas.

Esta frase tinha estatuto local na altura, quando no meio da quarentena rigorosa da primeira fase, o ex-Presidente Mauricio Macri comunicou com o Presidente Alberto Fernandez para expressar o seu desacordo com a quarentena porque aqueles que tinham de morrer ainda iam morrer.

Quando se realizaram as primeiras marchas anti-quarantinas, Macri tinha dito que estava “orgulhoso dos milhares de argentinos que ontem saíram para dizer não ao medo e ao abuso, e sim ao trabalho, ao respeito e à liberdade”. No mesmo sentido, ele tinha feito declarações na Europa. As palavras de Macri a Alberto Fernández repetiram o que ele tinha dito: “deixemos todas as pessoas na rua, deixemos morrer aqueles que têm de morrer”. Esse parentesco ideológico entre Trump, Bolsonaro e Macri, induz a visualizar o Brasil e os Estados Unidos como o cenário de tragédia humanitária que poderia ter sido a Argentina se essa ideia tivesse prevalecido.

“Lamento por aqueles que perderam entes queridos, mas isso é vida”, respondeu o presidente brasileiro no ano passado a um grupo de jornalistas que lhe perguntou sobre as vítimas da epidemia. “Eu sou o Messias – pelo seu nome do meio – mas não faço milagres. É assim que é a vida. Amanhã serei eu e espero que venha da forma mais digna possível e deixe uma boa imagem”.

A divulgação do balanço anual do Departamento de Saúde dos EUA mostrou que a epidemia e as vacinas tornaram-se factores na geopolítica mundial. Face à aceitação mundial do Sputnik V, os Estados Unidos voltaram à língua da velha Guerra Fria e o Presidente Joe Biden chamou ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, um assassino.

Assim como o Primeiro Ministro britânico Boris Johnson, que anunciou um aumento invulgar da presença militar do império nos seus 14 territórios ultramarinos, como chamam os seus enclaves coloniais, um dos quais são as Ilhas Malvinas. Estes são mecanismos que expõem a dificuldade das potências ocidentais face a um mundo cada vez mais multipolar com a Europa, Rússia e China a emergir face a um Estados Unidos enfraquecido.

Quando Trump descobriu que quanto menos a epidemia era combatida, mais ela afectava a economia, mudou a sua linha, encerrou a exportação de vacinas e começou a açambarcá-las. Sob Biden, essa política não mudou. Os Estados Unidos têm contratos para 1,5 mil milhões de vacinas e tem 300 milhões de habitantes. Os seus contratos com a Pfizer, Moderna e Johnson são cinco vezes superiores ao número de habitantes, no entanto, não permitem que nenhuma vacina saia das suas fronteiras.

A vacinação nos Estados Unidos é tão generosa que muitos mexicanos ricos viajam para o país vizinho para se vacinarem porque não requerem cidadania ou residência. O contraste com o México vizinho, que tem problemas em obter vacinas como a maior parte do resto do mundo, é acentuado. O Papa Francisco empenhou-se pessoalmente em conversações com Biden para que, no mínimo, as sobras de vacinas possam ser desviadas.

Na Argentina, o cenário continua: as autoridades do CABA afirmam que recebem menos vacinas do que outros distritos. Da província de Buenos Aires eles respondem que é o contrário porque recebem mais do que os outros. A realidade é que no distrito de Buenos Aires a vacinação progrediu nos anos 60, professores, trabalhadores da saúde e pessoal da polícia, enquanto que no CABA não se termina com os anos 80. A distribuição da vacina é super controlada e uma distribuição desigual seria muito fácil de detectar. Não há problemas de distribuição, mas sim diferentes políticas de saúde.

Extraído de Cubainformaciòn

Categories: #America Latina, #Brasil, #Brasil se alinha aos #EUA, #Brasil, Corrupción, #Jair Bolsonaro, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #salud, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Injerencia De EEUU, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Profesionales e la Salud, RUSSIA, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

A tensão com a Rússia e a #China marca dois meses de administração de #Biden .

Categories: #China#EEUU#Iran#Nicaragua.barco hospital naval Arca de la Paz, #China#EEUUDonald TrumpFondo Monetario Internacional (FMI)Ivan Duque, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, China, joe biden, RUSSIA, vladimir putin | Deixe um comentário

Moscou não acredita em lágrimas.

Por Arthur González

Os Estados Unidos e seus aliados europeus esquecem que Moscou não acredita nas lágrimas de quem clama por sua resposta, como na provocação tecida no caso do blogueiro pró-ianque Alexei Navalni, cópia do método usado contra a Venezuela com Juan El Títere Guaidó.

A fabricação de Navalni é um sinal do desespero que o Ocidente tem para desestabilizar o governo Vladimir Putin e, neste contexto, obrigar a República Alemã a quebrar o contrato para a construção do gasoduto, ao qual os Estados Unidos se opuseram desde o início.

Um exemplo da estratégia desenhada para aumentar as sanções europeias contra a Rússia e reforçar a imagem de um “regime repressivo” que pretendem fabricar, foi a recente visita ao Kremlin de Josep Borrell, Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros, a fim de solicitar a libertação do blogueiro da oposição, em franca e inaceitável interferência nos assuntos internos da Rússia, o que nenhum país europeu permitiria a Moscou, caso solicitasse algo semelhante.

Internet

Prova de que o interesse pretendido é perturbar a ordem interna russa, foi a participação da embaixada ianque e de oficiais da CIA, no estímulo às marchas de protesto, instigando os jovens a deixarem suas casas para exigir a libertação do oponente, financiada com Dólares americanos, bem como a participação de diplomatas da Polônia, Alemanha e Suécia nas reuniões ilegais de 23 de janeiro realizadas em Moscou e São Petersburgo, ações inaceitáveis ​​e incompatíveis com o status diplomático, em total violação da Convenção de Viena de 1961 .

Essas ações intervencionistas são comuns entre diplomatas americanos e europeus em Cuba, onde se encontram com os contra-revolucionários para orientar, fornecer e dar-lhes apoio político.

Moscovo, face a esta provocação, decidiu expulsar imediatamente vários diplomatas, lembrando aos europeus que não haverá concessões de princípios, nem serão toleradas ingerências nos seus assuntos internos, como prova de que as sanções e os meios de comunicação mostram construídos a favor da imprensa. Ocidental, isso não os assusta e a Rússia tem que ser respeitada.

O duplo padrão da posição europeia está na diferença de respostas entre a prisão de Julián Assange, pelas autoridades britânicas, e Navalni, já que o jornalista australiano sofre todo tipo de arbitrariedade jurídica, está confinado a uma cela de isolamento apesar de sua saúde precária , a espionagem sofrida durante seu asilo na embaixada do Equador em Londres e a possibilidade de ser extraditado para os Estados Unidos, onde a morte o espera.

Por que a União Europeia não exige a libertação de Assange, como faz com o adversário russo? Quando Borrell visitará Londres para tratar deste assunto que exige uma intervenção rápida, devido à saúde delicada do detido?

Onde estão os diplomatas europeus que não pressionam o Reino Unido para exigir sua libertação rápida?

Com sinceridade e coragem, o chanceler russo, Sergey Lavrov, lembrou a Borrell que antes de meter o nariz em Moscou, ele deveria lidar com os prisioneiros da independência catalã, acusados ​​de sedição na Espanha, por apenas organizarem um referendo, a fim de alcançar o antigo luta pela independência da Catalunha e apesar do facto de os tribunais da Alemanha e da Bélgica terem decidido contra as suas sanções, a justiça espanhola recusa-se a libertá-los.

Em uma tentativa fracassada de pressionar a Rússia, Borrell lembrou a Lavrov que a UE é o primeiro parceiro comercial da Rússia, embora para suavizar a chantagem, ele acrescentou que, apesar das grandes diferenças, há muitas questões nas quais eles podem trabalhar juntos. e Moscou está em baixa, omitindo que a responsabilidade recai exclusivamente sobre aqueles que se opõem a reconhecer a independência política da Rússia e aspiram submetê-la por meio de sanções econômicas, no melhor estilo ianque.

É claro que a pressão contra a Rússia não está ligada aos partidos Republicano ou Democrata, é um ódio visceral ao seu sistema político, que Washington jamais tolerará e isso é indicado pelas declarações mais recentes do governo Biden, nas quais criticou duramente a repressão na Rússia e apontou diretamente para o presidente Vladimir Putin:

“O tempo em que os Estados Unidos se submeteram aos atos agressivos da Rússia … acabou e o governo lutará contra o desejo da Rússia de enfraquecer nossa democracia.”

A mesma retórica imperial e ameaçadora de sempre.

No entanto, nem Washington nem Bruxelas condenam Paris pela repressão selvagem e prisão de trabalhadores em coletes amarelos, que protestam há mais de um ano por melhorias em seu padrão de vida.

Borrell também não mencionou as atuais repressões policiais e a prisão daqueles que, no dia 30 de dezembro, participaram de uma das habituais manifestações ao lado da casa do segundo vice-presidente do Governo, Pablo Iglesias, e da ministra da Igualdade, Irene Montero .

Tudo sugere que os ianques e os europeus aplicam o princípio “Faça o que eu digo, mas não o que eu faço”.

Talvez com a intenção de sublinhar os pontos de contacto que ainda existem entre a União Europeia e a Rússia e terminar a sua visita em tom menos tenso, Josep Borrell pediu publicamente aos Estados Unidos que retirassem Cuba da lista dos patrocinadores do terrorismo, embora isto não era o verdadeiro objetivo de suas conversas com Lavrov.

José Martí foi sábio ao afirmar:

“Superar as intrigas é superar as cobras.”

Categories: # Cuba, # Venezuela, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #CIA, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Injerencia De EEUU, REINO UNIDO, RUSIA, RUSSIA, UNION EUROPEA | Deixe um comentário

A vacinação em massa contra covid-19 começa na Rússia.

Categories: #salud, Coronavirus, CoronaVirus, Política, epidemia, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, Putin, RUSSIA, vladimir putin | Deixe um comentário

Alerta para distribuição equitativa de vacinas contra Covid-19.

Categories: # Argentina, #Canadá, #Caracas, #Colombia, Grupo de Lima, #Jorge Arreaza, #Perú, #venezuela, #China#EEUU#Iran#Nicaragua.barco hospital naval Arca de la Paz, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Donald Trump, #Estados Unidos, #EstadosUnidos, #salud, #Salud en Cuba, canadá, candidato presidencial demócrata Joe Biden, Casa Blanca, Cámara de Representantes, Cuba, el director interino de Inteligencia Nacional, Estados Unidos, Joseph Maguire, presidente de Ucrania, preside, China, CIENCIA, Cientistas, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, ECONOMIA, economia nacional, EUROPA, joe biden, MEXICO, ONU, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Prensa Capitalista, Presidente do Mexico, Profesionales e la Salud, propaganda contra Cuba, Venezuela, Nicarágua, Irã, Rússia e China,, RUSSIA | Deixe um comentário

Eles recordam a segunda visita do Comandante-em-Chefe de Cuba à União Soviética.#Cuba #UniónSoviética #FidelCastro #EternoComandante #Russia #YoSoyFidel #FidelEntreNosotros

Categories: #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #YoSoyFidel, RUSSIA | Deixe um comentário

O governo russo condenou a política americana de perseguição a Cuba e ao Irã.#ElBloqueoEsReal

Categories: # Cuba, # Miguel Díaz-Canel, # Venezuela, # yo voto vs bloqueo, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #China#EEUUDonald TrumpFondo Monetario Internacional (FMI)Ivan Duque, #Donald Trump, #Estados Unidos, #solidaridadvs bloqueo, #Trump, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, China, confrontar Donald Trump da câmara baixa, CUBA - ESTADOS UNIDOS, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., CubavsBloqueo, Donald Trump, Estados Unidos, ESTADOS UNIDOS, Estados Unidos contra Cuba, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, EUA avalia retornar a Cuba para lista de estados patrocinadores do terrorismo, FORA TRUMP, Putin, relações bilaterais, o governo Donald Trump, RUSSIA, Terrorismo, TERRORISMO VS CUBA, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump, vladimir putin | Deixe um comentário

A Rússia não prevê estabilidade em suas relações com os Estados Unidos.

Retirado do teleSUR.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, deu uma entrevista à imprensa local, durante a qual abordou a questão das relações bilaterais com os Estados Unidos. Durante isso, ele expressou que o diálogo Rússia-EUA. tornou-se refém de lutas políticas internas no país norte-americano.

Nosso diálogo ficou refém de disputas políticas internas nos Estados Unidos, o que certamente não contribui para o desenvolvimento de uma cooperação construtiva ”, afirmou.

Lavrov descartou que as relações russo-americanas mudem para melhor assim que ocorrer a mudança na Casa Branca.

El cancillero ruso dijo que, aunque no se espera que ocurra, su país mantiene la esperanza de que la nueva Administración opte por unas relaciones bilaterales más constructivas, y amplió mostrando la disposición de Rusia al diálogo productivo.

“Lamentavelmente, não podemos esperar uma melhora rápida ou mesmo uma estabilização das relações com os EUA, que estão se deteriorando”, observou Lavrov, comentando sobre as perspectivas da chegada de Joe Biden ao Salão Oval.

O ministro acrescentou que “a histeria galopante nos EUA deixa poucas oportunidades para um rápido retorno à normalidade”.

Por outro lado, acrescentou que o governo russo espera que a nova administração dos Estados Unidos opte pelo diálogo com a Rússia.

“Esperamos que a nova equipe da Casa Branca tome uma decisão que atenda aos interesses do povo americano e demonstre um desejo recíproco de manter o diálogo com Moscou”, disse Lavrov. “Os laços russo-americanos poderão retornar ao caminho do desenvolvimento estável”, acrescentou.

“É claro que isso teria um efeito positivo no clima geral dos assuntos internacionais, dada a responsabilidade especial da Rússia e dos Estados Unidos como as duas maiores potências nucleares e membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU). , para manter a estabilidade e segurança globais, especialmente neste momento difícil “, disse ele.

Além disso, declarou que a nova administração dos Estados Unidos deve mostrar vontade política de “limpar” as relações com a Rússia.

“Não será fácil remover os destroços acumulados nos últimos anos sem culpa nossa, mas devemos trabalhar duro para fazer isso. No entanto, isso requer vontade política dos Estados Unidos”, disse Lavrov.

Entre os aspectos fundamentais apontados pelo chanceler russo estão o controle de armas e o cumprimento do Tratado de Céus Abertos.

Categories: #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #ONU, #Trump, @Trump, candidato presidencial demócrata Joe Biden, Casa Blanca, Cámara de Representantes, Cuba, el director interino de Inteligencia Nacional, Estados Unidos, Joseph Maguire, presidente de Ucrania, preside, FORA TRUMP, relações bilaterais, o governo Donald Trump, RUSIA, RUSSIA, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

A Argentina recebeu as primeiras 300.000 doses da vacina Sputnik V.

Categories: # Cuba, #Argentina, #salud, Coronavirus, CoronaVirus, Política, epidemia, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, RUSSIA | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: