Estados Unidos anunciam novas políticas de imigração para Cuba, Haiti e Nicarágua

Crianças migrantes na fronteira EUA-México. Foto: Getty Images.

Os Estados Unidos vão permitir a entrada de até 30 mil migrantes de Cuba, Haiti, Nicarágua e Venezuela todos os meses, mas vão endurecer as restrições, já aplicadas com a chegada da pandemia de covid-19, para quem tentar cruzar a fronteira com o México sem a documentação necessária.

“Essas medidas vão expandir e agilizar os caminhos legais para a migração ordenada e terão novas consequências para aqueles que não usam esses caminhos legais”, disse a Casa Branca em um comunicado na quinta-feira.

A cota de migrantes será limitada àqueles que já têm um patrocinador financeiro nos EUA e passam por uma triagem de segurança, permitindo que vivam e trabalhem no país por até dois anos.

E aqueles que tentarem entrar ilegalmente serão expulsos sob o regulamento sanitário conhecido como Título 42 com a intervenção da polícia e em coordenação com o México.

Um programa semelhante para venezuelanos já foi lançado em outubro, com uma cota de 24 mil por ano, e agora está sendo expandido para outras nacionalidades com o objetivo de aliviar a pressão migratória na fronteira sul dos Estados Unidos.

“Hoje estamos anunciando algumas medidas significativas que estamos tomando não apenas para aumentar os caminhos legais para os Estados Unidos, mas também para continuar a impor consequências àqueles que tentam entrar ilegalmente nos Estados Unidos”, disse um alto funcionário do governo Biden.

“As vias legais que estamos anunciando hoje são generosas, mas ao mesmo tempo há sérias consequências se forem contornadas”, disse o funcionário.

Biden também usará seu discurso para pressionar os republicanos a pararem de bloquear suas propostas de reforma da imigração e medidas de fronteira, e para que o Congresso forneça os recursos necessários.

O presidente democrata visitará El Paso, Texas, no domingo, sua primeira viagem à fronteira sudoeste desde que assumiu o cargo e que ocorre enquanto os republicanos continuam a criticar sua abordagem à segurança da fronteira.

De acordo com o plano anunciado na quinta-feira, o México aceitará até 30.000 migrantes expulsos por mês de Cuba, Nicarágua, Haiti e Venezuela, de acordo com um informativo da Casa Branca. Em novembro, agentes de fronteira dos EUA encontraram 82.000 migrantes dessas nacionalidades na fronteira com o México, segundo dados do governo.

Os migrantes que não puderem ser removidos para o México serão cada vez mais submetidos a um processo de remoção acelerada conhecido como “remoção acelerada”, disse um alto funcionário.

Conforme relatado por funcionários do governo Biden nesta quinta-feira, a expansão é baseada no “sucesso” do plano para os imigrantes venezuelanos.

“Foi comprovado que um caminho legal simplificado reduz a migração irregular e facilita a migração segura e ordenada”, disse um funcionário a repórteres.

Segundo as autoridades, graças ao plano para os venezuelanos, o número de migrantes venezuelanos que chegam à fronteira foi reduzido em 90%, uma queda “dramática” no número daqueles que “optam por arriscar suas vidas usando traficantes”.

O número recorde de chegadas e detenções de migrantes deu a Biden uma crescente dor de cabeça política.

Mais de dois milhões de pessoas foram presas tentando cruzar a fronteira no último ano fiscal, encerrado em 30 de setembro, um aumento de 24% em relação ao ano anterior.

Em dezembro, a média diária de apreensões na fronteira terrestre ficou entre 700 e 1.000, sem contar os migrantes de Cuba e Haiti que tentaram chegar ao território norte-americano por via marítima.

Do total de detenções, cerca de 500 mil corresponderam a cidadãos venezuelanos, cubanos e nicaragüenses.

Título 42

Os migrantes que não tiverem um patrocinador e tentarem entrar nos EUA ilegalmente serão expulsos com base no Título 42.

Esse título, uma antiga regra de saúde pública ativada durante a presidência de Donald Trump, permitia a expulsão de migrantes devido à emergência sanitária do coronavírus sem que eles tivessem a oportunidade de solicitar asilo.

Segundo as autoridades norte-americanas na altura, foi introduzido para ajudar a prevenir a propagação da covid-19 nos centros de detenção.
Passada a pandemia, a medida, porém, é mantida.

Das organizações que defendem os direitos dos migrantes, foi acusado de ser uma “política anti-imigração disfarçada de medida de proteção à saúde”.

Desde que entrou em vigor em março de 2020, com base nessa regra, os migrantes foram expulsos dos EUA mais de 2,4 milhões de vezes sem poder solicitar asilo.

O Título 42 foi aplicado desproporcionalmente às nacionalidades que o México aceita receber: além de seus próprios cidadãos, guatemaltecos, hondurenhos, salvadorenhos e, mais recentemente, venezuelanos.

Somente no último ano fiscal, dos retornados pela fronteira, 962.000 vieram do México, Guatemala, Honduras e El Salvador, e menos de 10.000 da Venezuela, Nicarágua e Cuba.

Eliminar o Título 42 foi uma das principais promessas de campanha de Biden, mas a Suprema Corte a manteve.

(Com informações da BBC world e Euronews)

O líder parlamentar cubano continua as actividades na sua visita a #Rússia.

#EstebanLazoEnRusia #Cuba #Rusia #Política

Moscovo, 1 de Dezembro (Prensa Latina) Uma reunião com o vice-presidente do Conselho de Segurança russo, Dimitri Medvedev, marcará o programa da visita oficial do presidente do Parlamento cubano, Esteban Lazo, à nação eslava, hoje.

O chefe do Conselho de Estado cubano também irá realizar reuniões com altos funcionários russos no seu terceiro dia de trabalho na Rússia, de acordo com a Prensa Latina.

Entre eles estará o Primeiro Vice-Presidente da Duma e Vice-Presidente do Partido Comunista da Federação Russa, Ivan Melnikov.

Será igualmente recebido pelo vice-primeiro-ministro e co-presidente da Comissão Intergovernamental Rússia-Cubana, Dimitri Chernishenko, e pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Serguei Lavrov.

O chefe do Parlamento cubano assistirá também a uma actuação de ballet no icónico Teatro Bolshoi em Moscovo, a convite da Presidência do Conselho da Federação (a Câmara Alta do órgão legislativo).

No dia anterior, Lazo teve reuniões com os líderes da Duma, Vyacheslav Volodin, e do Conselho da Federação, Valentina Matvienko, e dirigiu-se ao plenário da Câmara Alta.

Juntamente com Volodin, também rubricou o Acto de Estabelecimento da Comissão de Colaboração entre a Duma da Federação Russa e a Assembleia Nacional do Poder Popular da República de Cuba, e apresentou a Valentina Matvienko a Ordem de Solidariedade.

O líder parlamentar chegou a Moscovo a 29 de Novembro à Rússia para a primeira etapa de uma viagem que incluirá também a Bielorrússia e Türkiye.

Esta é a segunda ocasião em que Lazo visita o país eurasiático na sua qualidade de Presidente da Assembleia Nacional, após a sua estadia em 2016.

Petrocalypse (PDF): Um best-seller muito desconfortável para os ideólogos do crescimento.

Por Antonio Turiel

“Um livro, no qual nos é finalmente dito alto e bom som: não, não e mil vezes não! a tantos contos de fadas com os quais embalámos as nossas consciências para dormir. Usemos a luz da razão e limpemos as sombras, e, uma vez sabendo para onde não devemos ir, comecemos a iluminar o caminho para o melhor destino possível entre os lugares para onde gostaríamos de ir.
gostaria de ir.

“Não tenho ilusões sobre este livro. Esta não é a primeira vez que alguém do mundo académico tenta alertar para o disparate que é, contudo, a única directriz válida para os nossos governos e que corre o risco de nos arrastar para o abismo (como evidenciado pelo flagelo do desemprego e do subemprego).
e que corre o risco de nos arrastar para o abismo (como evidenciado pelo flagelo do desemprego e do subemprego). Sei que alguns seguidores da ideologia do crescimento, dos quais são muitos e que têm acesso aos principais meios de comunicação social, vão pegar nesta ou naquela informação deste livro, distorcê-la, tirá-la do contexto e dizer que estou a dizer coisas que na realidade não aparecem neste livro. Já foi feito antes e será feito de novo agora. A principal diferença entre o presente e o passado é que neste momento tantos problemas se acumulam sobre nós, e de tal gravidade, que perder tempo em discussões espúrias pode ser fatal para a continuidade da nossa ordem social”.

(Excerto do prólogo ao livro Petrocalipsis, de Antonio Turiel)

Descarregar o livro completo no link

#Putin sobre #FidelCastro

#Rusia #VladimirPutin #FidelCastro #DiazCanel #Cuba

XiJinping: O mundo espera que #China e #EstadosUnidos administrem bem as suas relações

#Política #Biden #EstadosUnidos #China #Economía

O Presidente chinês Xi Jinping salientou em Bali, Indonésia, no início de uma reunião com o seu homólogo americano Joe Biden, que o mundo espera que os dois países tratem as suas relações adequadamente.

A reunião teve lugar um dia antes do início da cimeira do G20 e o conteúdo da reunião ainda não é conhecido. Xi salientou que é imperativo eliminar as diferenças, melhorar as relações bilaterais e colocá-las no caminho de um desenvolvimento estável e saudável. Insistiu na superação das diferenças e na concentração em contribuir para a paz global, estabilidade e desenvolvimento, expressando a vontade da China de trocar com os Estados Unidos sobre questões globais e regionais e de trabalhar em conjunto para o bem de todos.

A Casa Branca diz que a violência armada nos EUA “é uma epidemia”.

#SOSEstadosUnidos #Violencia #EstadosUnidos

Por Redacción Razones de Cuba

A Casa Branca condenou os tiroteios nos Estados Unidos nos últimos dias que ceifaram as vidas de duas pessoas e feriram 23 outras, dizendo que a violência armada no país “é uma epidemia”.

A porta-voz da Casa Branca Karine Jean-Pierre disse numa declaração, lamentando que “no último dia e meio, mais famílias americanas ficaram marcadas pelos efeitos devastadores da violência armada”.

A porta-voz da Casa Branca Karine Jean-Pierre.

“Ontem à noite em Houston, o premiado artista de gravação Kirsnick Khari Ball, também conhecido como Takeoff, perdeu a sua vida aos 28 anos de idade, e outros dois ficaram feridos. Em Chicago, 14 pessoas foram feridas por tiros e uma ficou ferida por um veículo enquanto tentava fugir ontem à noite”, declarou Jean-Pierre, mencionando também um tiroteio numa festa de Halloween em Kansas City, na qual um adolescente foi morto.

“Estes são apenas os tiroteios que fizeram as manchetes nacionais. Noutros casos, podemos não saber os nomes das vítimas, mas choramos com as suas famílias e comunidades da mesma forma. As nossas mais profundas condolências vão para as famílias de cada uma das vítimas”, disse a porta-voz da Casa Branca.

Jean-Pierre disse que a violência armada nos Estados Unidos “é uma epidemia que não terminará apenas com pensamentos e orações”, e apelou ao Congresso dos EUA para aprovar um pacote de medidas propostas pelo Presidente Joe Biden.

“O Presidente Biden continuará a fazer tudo o que estiver ao seu alcance para reduzir a violência armada, incluindo apelar ao Congresso para aumentar o financiamento da intervenção de violência comunitária, assegurar a verificação universal dos antecedentes, e enviar legislação à sua secretária para proibir armas de assalto e armazéns de alta capacidade. Chegou o momento de transformar a nossa dor em propósito”, acrescentou Jean-Pierre.

Com informação do MSN.

Lula da Silva é o novo Presidente do Brasil

#Brasil #LulaPresidente #Política

Bernardino Manje | Em Brasília

Com 99,45% das urnas escrutinadas até ao momento, o candidato do PT, Lula da Silva, foi eleito este domingo o novo Presidente do Brasil, com 50,87% dos votos, contra 49,13 de Jair Bolsonaro.

© Fotografia por: DR | Arquivo

Onze anos depois, Lula da Silva volta ao Palácio do Planalto como Chefe de Estado, devendo iniciar o mandato no dia 1 de Janeiro de 2023.

Por outro lado, Jair Bolsonaro entra para a história do Brasil como o Presidente da República que não consegue a reeleição. 

PERFIL DE LULA DA SILVA 

Luiz Inácio Lula da Silva tem 76 anos e foi Presidente do Brasil entre 2003 e 2011. Foi a sexta vez que se candidatou à Presidência.

A história de Lula da Silva começa numa das zonas mais pobres de Pernambuco. É o sétimo de oito filhos e deslocou-se para o litoral de São Paulo, onde vendia laranjas no cais, enquanto aprendia a ler, contra a vontade do pai. Conseguiu matricular-se aos 15 anos no ensino profissional.

Em 1964, ano em que se instituiu a ditadura militar, teve um acidente de trabalho em que perdeu um dedo, logo seguido de outra tragédia: a morte da mulher, no hospital. Ela estava grávida de 8 meses.

Politizado, Lula filiou-se no Sindicato dos Metalúrgicos, que veio a dirigir num clima de greves gerais e desobediência civil.

Preso, destituído do cargo e perseguido pela justiça brasileira, nasceu assim em Luiz Inácio Lula da Silva uma carreira política, com a fundação do Partido dos Trabalhadores (PT), em 1989.

Concorreu pela primeira vez às primeiras eleições presidenciais, após o regresso da democracia. Perdeu e ainda viria a perder por mais duas vezes, para Fernando Henrique Cardoso, o homem que, em 2003, lhe entregou, finalmente, a faixa presidencial.

A história de Lula da Silva é de conquistas e derrotas, mas é o homem que muitos consideram ter tirado o Brasil da miséria nos anos em que chegou e saiu do cargo com uma popularidade de 80 por cento.

A maior descida foi no processo Lava Jato, que ainda lhe mancha a reputação.

As suspeitas de corrupção e lavagem de dinheiro arrastaram Lula da Silva para um longo processo judicial e impediram-no de se candidatar às eleições em 2018.

Sérgio Moro, que mais tarde foi nomeado ministro da Justiça, por Jair Bolsonaro, condenou Lula da Silva a 12 anos de prisão.

Lula entregou-se às autoridades, na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, mas ficou preso durante um ano e meio.

O Supremo Tribunal Federal decidiu que a detenção era inconstitucional, anulou a pena e considerou que o juiz Sérgio Moro agiu com parcialidade. Assim, Lula da Silva recuperou os direitos políticos que lhe permititram candidatar-se à Presdiência este ano.

Os dois mandatos de Lula da Silva (entre 2003 e 2011) ficaram marcados por programas sociais como a “Bolsa Família” ou a “Fome zero”, que retiraram da pobreza mais de 30 milhões de brasileiros, mas também pelo compromisso com as grandes empresas.

Triplicou o Produto Interno Bruto (PIB) per capita e colocou o Brasil nos BRIC das potências emergentes de um futuro, que tem tardado a concretizar-se. O homem está de volta e a expectativa é que faça melhor do que já fez.

CON FILO : A dignidade do talento

#CubaNoEstaSola #CubaViveYTrabaja #MejorSinBloqueo #CubaMas Unida #CubaMasFuerte #SubversiónContraCuba #MafiaCubanoAmericana

%d bloggers gostam disto: