A Venezuela afina os detalhes para a abertura da fronteira com a Colômbia.

#Venezuela #Colombia #Política #Economía

Para além da abertura da fronteira, os voos entre as duas nações serão retomados na próxima segunda-feira.

O Presidente venezuelano Nicolás Maduro Moros afirmou na segunda-feira que prosseguem os preparativos para a abertura da fronteira com a Colômbia, agendada para 26 de Setembro.

“Amanhã (terça-feira) há uma reunião com o Ministro dos Transportes colombiano. Na quarta-feira haverá uma videoconferência com os Ministros do Comércio e da Economia da Colômbia e da Venezuela e com o Vice-Presidente Executivo Delcy Rodríguez. Estamos a afinar os detalhes para uma boa e satisfatória abertura”, disse o dignitário.

“Estamos a coordenar todos os detalhes para que este primeiro passo seja ambicioso para avançarmos para onde devemos chegar: uma abertura total, absoluta e livre”, disse o Presidente Nicolás Maduro. | Foto: Imprensa Presidencial

Da mesma forma, o Chefe de Estado explicou que o Ministro da Defesa, Vladímir Padrino López, estava em contacto com o seu homólogo colombiano, Iván Velásquez.

“Estamos a coordenar todos os detalhes para que este primeiro passo seja um passo ambicioso para avançar em direcção ao que devemos alcançar: uma abertura total, absoluta e livre da fronteira entre a Venezuela e a Colômbia”, salientou o líder bolivariano.

Sobre esta questão, o líder venezuelano agradeceu ao seu homólogo Gustavo Petro pela sua posição a favor da abertura da fronteira comum, mostrando também o seu interesse no desenvolvimento da população fronteiriça binacional.

A abertura da fronteira entre a Venezuela e a Colômbia está prevista para 26 de Setembro, no que o presidente venezuelano descreveu como um primeiro passo importante nas relações entre os dois países, que se deterioraram desde a chegada ao poder do ex-presidente Iván Duque.

Vale a pena lembrar que os voos entre a Venezuela e a Colômbia serão retomados nessa segunda-feira, outro sinal da aproximação entre os dois governos.

Após múltiplos ataques (tanto verbais como físicos e militares) promovidos pela Colômbia contra o povo e o governo venezuelanos, o então presidente da Colômbia, Duque, reconheceu Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

Como resultado, o legítimo governo venezuelano chefiado pelo líder da revolução, Nicolás Maduro Moros, decidiu romper as relações diplomáticas com Bogotá.

Após a vitória nas últimas eleições do Presidente Gustavo Petro, a chegada do embaixador colombiano Armando Benedetti a Caracas a 29 de Agosto foi um sinal de uma nova vida nas relações diplomáticas. As fronteiras entre os dois países abrir-se-ão após serem fechadas durante quase sete anos.

O Estado venezuelano recupera o controlo da empresa petroquímica Monómeros.

#Venezuela #Petróleo #Colombia #InjerenciaDeEEUU #Economía

O superintendente da Colômbia, Billy Escobar, confirmou a vontade do governo venezuelano de nomear um novo conselho de administração na Monómeros.

O Estado venezuelano recuperou o controlo da empresa petroquímica Monómeros, cuja sede se situa em Barranquilla, Colômbia, na segunda-feira.

Durante uma reunião, autoridades de ambos os países assinaram o documento que formaliza a decisão sobre a empresa, entre eles o Superintendente de Empresas da Colômbia, Billy Escobar; o embaixador venezuelano em Bogotá, Félix Plasencia; e o presidente da estatal Petroquímica da Venezuela (Pequiven), Pedro Rafael Tellechea Ruíz.

As autoridades venezuelanas indicaram em várias ocasiões que tomariam as medidas necessárias para recuperar a empresa Monómeros. | Foto: Twitter @TobarteleSUR

A este respeito, Escobar declarou que a decisão das autoridades do país vizinho de nomear um novo conselho de administração para a Monómeros Colombo Venezolanos S.A., uma filial da Pequiven, foi validada.

“Ratificamos a vontade do governo venezuelano de nomear um conselho de administração, e isto corresponde à legalidade que é tratada no Estado colombiano em relação aos proprietários de uma empresa que têm a possibilidade de escolher os seus directores”, disse Escobar.

Sublinhou também que “estamos a fazer um reconhecimento legal desta situação. Estamos a validar uma decisão dos proprietários de Monómeros”.

Pela sua parte, Plasencia afirmou que “estamos a recuperar o dever de ser, a ordem, a legalidade, e o verdadeiro trânsito das coisas. Toda essa construção maléfica, errada e agressiva, que também afectou os interesses do povo venezuelano e colombiano, acabou”.

“Este é o fim de um acordo negativo para prejudicar, irritar, fazer sofrer também venezuelanos e colombianos. Uma empresa que pertence ao povo da Venezuela está a regressar ao poder do povo”, sublinhou ele.

Do mesmo modo, o embaixador venezuelano disse que “foi imposto o curso natural da lei, ordem e dever, o que significa que pusemos fim à tentativa traiçoeira, descarada e irresponsável de interferir que tanto prejudicou os interesses saudáveis dos venezuelanos”.

Plasencia reconheceu que o governo do Presidente Nicolás Maduro “exterminou de forma enérgica e certa” a arbitrariedade sobre Monómeros.

O governo venezuelano exigiu em vários espaços o cumprimento do direito internacional para recuperar a empresa Monómeros, após denunciar a apropriação ilegal da empresa pela administração do ex-presidente Iván Duque, juntamente com o ex-deputado da oposição Juan Guaidó, entre outros, bem como o roubo de milhões de dólares.

Incêndio na refinaria venezuelana totalmente extinto.

#Venezuela #Petróleo #Econoía #CondicionesClimáticas

Caracas, 19 de Setembro (Prensa Latina) O vice-presidente sectorial da economia da Venezuela, Tareck El Aissami, anunciou que o incêndio na refinaria em Puerto La Cruz, estado de Anzoátegui, causado por um relâmpago, foi completamente controlado.

Em nenhum momento as operações nas instalações foram interrompidas, reconheceu, e elogiou o trabalho dos bombeiros de todas as áreas operacionais da empresa estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA), o funcionário disse à Venezolana de Televisión numa chamada telefónica.

Salientou que a “reacção oportuna, imediata e corajosa” conseguiu controlar e depois extinguir completamente o incêndio numa lagoa de tratamento de águas residuais, localizada no interior da refinaria.

El Aissami reiterou que as operações da fábrica não estavam comprometidas, “continuamos a produzir o combustível necessário para continuar a abastecer o mercado nacional e satisfazer a procura de todo o povo venezuelano”, disse ele.

Salientou que não houve eventos ou impactos nas infra-estruturas da refinaria, tanques, condutas, linhas de transporte para qualquer tipo de produto, “muito menos nas fábricas”.

O ministro venezuelano do petróleo observou também que o incêndio estava confinado à lagoa de águas residuais e “a esta hora está totalmente sufocado”, com trabalhos de arrefecimento à sua volta como parte dos protocolos neste tipo de situação.

Em nenhum momento a capacidade de produção da refinaria foi interrompida, reiterou ele.

Disse que, horas antes do evento, tinha havido chuvas fortes durante duas horas e uma trovoada, que surpreendeu os habitantes de Puerto La Cruz, e depois um relâmpago, causando o incêndio.

Os bombeiros do Complexo Industrial, Petrolífero e Petroquímico José Antonio Anzoátegui, do Cinturão Hugo Chávez Frías, do Estado de Monagas e da PDVSA Gas estiveram envolvidos na extinção do incêndio.

jha/jcd

Ainda está a salpicar, mas Caracas tem uma nova aposta! Descubram!!!

#Venezuela #Economía #Petróleo #InjerenciaDeEEUU

Florêncio de Almeida apresenta Cartas Credenciais na Venezuela.

#Angola #Venezuela #Minrex #Política

JA Online

O diplomata Florêncio de Almeida apresentou, terça-feira, ao Presidente Nicolas Maduro, as Cartas Credenciais como embaixador Extraordinário e Plenipotenciário de Angola na Venezuela.

© Fotografia por: CEDIDA

A cerimónia que decorreu no Palácio Miraflores foi antecedida, segunda-feira última, pela apresentação das Cartas Figuradas ao Ministro do Poder Popular das Relações Exteriores da Venezuela.

Angola e Venezuela mantêm relações diplomáticas e, têm assinados vários acordos, nomeadamente, no domínio dos petróleos, consultas bilaterais, supressão de vistos diplomáticos e de serviço, bem como Memorandos de Entendimento para a extracção de diamantes em território venezuelano.

No acto, em que apresentaram igualmente Cartas Credenciais os Embaixadores da Nicarágua, do Botswana, do Gana e da Mauritânia, o Presidente Nicolas Maduro, destacou a importância da cooperação entre países e povos tendo desejado êxitos aos Diplomatas que iniciam missão no seu País.

Com residência no Brasil, Florêncio de Almeida representa a República de Angola no Chile, na Colômbia, no Peru, nas Guianas e Suriname.

O Presidente Nicolás Maduro reconhece os bombeiros que contribuíram para a extinção de incêndios em Matanzas

#Cuba #Venezuela #Solidaridad #FuerzaMatanzas #Mexico #PDVSA

Petro reconheceu Maduro e soltou a ira de Guaidó!!!!!

#Colombia #Venezuela #InjerenciaDeEEUU #AutoProclamadoGuido

Onde irá parar o autoproclamado e os seus capangas?

#Venezuela #Colombia #AutoProclamadoGuido #Relaciones #Política

Sindicatos argentinos rejeitam a detenção de companhia aérea venezuelana.

#Venezuela #InjerenciaDeEEUU #ElBloqueoEsReal #Argentina #Colombia #Sanciones

teleSUR

A Central de Trabajadores y Trabajadoras de la Argentina Autónoma (CTA Autónoma) realizou uma manifestação na Praça de Maio na segunda-feira para exigir a libertação dos trabalhadores venezuelanos e iranianos que foram injustificadamente detidos, e cujo avião está a ser mantido naquele país.

Segundo a confederação, as organizações exprimem o seu repúdio absoluto pela operação política, mediática e judicial que apoia a detenção arbitrária de trabalhadores iranianos e venezuelanos na Argentina, bem como a retenção do avião que os transportava.

A decisão do governo argentino de aderir ao bloqueio dos EUA à Venezuela tem de ser uma afronta a todos os argentinos. | Foto: @CTAAutonoma

Neste sentido, o presidente da Confederação Latino-americana e Caribenha de Trabalhadores Estatais 5M, Julio Fuentes, disse que os protestos procuram expressar a necessidade de tomar medidas positivas a favor do processo venezuelano face a um acontecimento vergonhoso para o povo argentino.

“É lamentável que não tenha havido uma resolução rápida para a exigência da libertação desta aeronave propriedade do povo e do governo da Venezuela, e que esteja a ser realizada aqui por prejudicar o processo e por fazer parte da campanha do bloco internacional levada a cabo pelos Estados Unidos contra a nação bolivariana”, disse o líder.

O avião de carga Emtrasur, uma subsidiária da companhia aérea estatal venezuelana Conviasa, sancionada por Washington, foi detido em Junho passado após ter chegado ao aeroporto de Ezeiza vindo do México com uma tripulação de 14 venezuelanos e cinco iranianos, bem como uma carga de peças de automóvel.

Note-se que a 2 de Agosto, os EUA pediram à Argentina para apreender o avião após um tribunal no Distrito de Columbia ter emitido uma ordem em Julho, com base no facto de alegadamente ter violado as leis de exportação dos EUA.

Em resposta, o Presidente venezuelano Nicolás Maduro interrogou o poder judicial argentino sobre a apreensão do avião venezuelano Emtrasur.

“Vamos confrontá-los com tudo se a perseguição criminosa da Casa Branca contra Conviasa continuar, não temos medo de sanções, agressões ou imperialismo dos EUA”, disse o chefe de Estado.

O Presidente Maduro anuncia uma campanha para recuperar bens venezuelanos no estrangeiro.

#Venezuela #InjerenciaDeEEUU #OroVenezolano #Argentina #ReinoUnido #ElBloqueoEsReal

teleSUR

O Presidente venezuelano Nicolas Maduro anunciou na segunda-feira o lançamento de uma campanha para salvar o ouro do país roubado pelos tribunais britânicos e a devolução do avião Conviasa desviado na Argentina, acções que correspondem às sanções ilegais impostas à nação pelos Estados Unidos (EUA).

O presidente venezuelano disse: “Vamos confrontá-los com tudo se a perseguição criminosa dos Estados Unidos contra Conviasa continuar”, disse ele.

“Vamos articular uma grande campanha, da Venezuela, contra as sanções, contra a perseguição criminosa, pelo resgate do ouro em Londres, e pelo resgate dos pilotos e do avião que foi sequestrado na Argentina”, disse o Presidente Maduro.

O dignitário acrescentou que a sua nação não teme novas medidas ou agressões por parte dos EUA e, ao mesmo tempo, salientou que se a perseguição comercial contra a Venezuela continuar, será confrontada pelas autoridades constitucionais do país.

“Vamos confrontá-los com tudo se a perseguição criminosa por parte dos Estados Unidos contra Conviasa continuar. Não temos medo de sanções, agressões ou imperialismo dos EUA”, disse o chefe de Estado.

O presidente fez um apelo especial aos movimentos sociais e sindicais argentinos para acompanharem a luta venezuelana pelo resgate do avião e pela libertação dos pilotos.

“Estamos indignados com o que está a acontecer na Argentina”, disse, acrescentando que será formado um grupo de peritos para “travar a batalha pela Venezuela”.

Por outro lado, o presidente venezuelano, aludindo ao incidente ocorrido na base do superpetroleiro na província cubana de Matanzas, salientou que a ajuda à ilha chegou com 18 horas de atraso porque não tinham disponível o avião que sequestraram na Argentina, o que é especial para este tipo de situação.

“Perdemos 18 horas para responder à emergência porque não temos o super avião que foi sequestrado na Argentina”, concluiu o Presidente Maduro.

%d bloggers like this: