O fim do estágio de Guaidó, um episódio “desastroso e tragicômico”

Guaidó se recusou a apresentar declaração juramentada de bens. Foto: Spotnet.

Por: Claudia Fonseca Sosa, Juan Emilio Calvo Ochoa, Elio Emilio Perera Pena

Em dezembro de 2022, os partidos da oposição venezuelana votaram -com 72 votos a favor, 29 contra e 8 abstenções- para eliminar o “governo interino” estabelecido em 2019 e chefiado pelo ex-deputado da oposição Juan Guaidó.

Guaidó se proclamou “presidente interino” da Venezuela depois de ignorar a legitimidade das eleições presidenciais de maio de 2018, nas quais o presidente bolivariano Nicolás Maduro foi eleito democraticamente para um segundo mandato.

A esse respeito, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Jorge Rodríguez, assegurou que o maior erro da extrema direita foi acreditar em suas mentiras sobre uma liderança ilegal, e agora estão pagando as consequências de terem errado profundamente em um ” “episódio desastroso e tragicômico”.

Rodríguez avaliou que é completamente impossível apoiar um homem que afirma governar um país “da sala da diretoria do condomínio do prédio onde mora”, e destacou que só um governo implacável e arrogante como o do então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump ( 2017-2021) ocorreu-lhe “pegar num imbecil” e empossá-lo como suposto presidente de um país que não o era.

As forças políticas venezuelanas Primero Justicia, Voluntad Popular, Acción Democrática e Un Nuevo Tiempo aproveitaram o conluio com os EUA, a Europa, alguns países latino-americanos e a direita internacional, para empreender seus delitos anticonstitucionais. Uma trama, apoiada e protegida também desde o seu nascimento pela maquinaria da poderosa mídia.

Segundo Jorge Rodríguez, a “autojuração” prejudicou, ao roubar muito dinheiro, propiciando os piores bloqueios e as mais brutais sanções contra o povo da República Bolivariana.

Ele observou que “esta aventura” tinha prazo de validade e que, mais do que governar, a chamada Plataforma Unitária usou seu estágio para justificar “a pantomima desta mentira” destinada a todo tipo de agressões contra a Venezuela, como o roubo de ouro depositado no Banco da Inglaterra, nas empresas Citgo, nos Estados Unidos, e Monomeros, na Colômbia.

Sobre os recentes acontecimentos na Venezuela, onde a oposição decidiu pôr fim ao estágio do autoproclamado “presidente” Juan Guaidó, a posição dos EUA e da União Europeia a respeito deste fato, e o papel das ONGs no orquestrado planos de desestabilização contra o governo bolivariano de Nicolás Maduro, o pesquisador do Centro de Pesquisas Políticas Internacionais (CIPI), Elio Emilio Perera Pena, falou com o Cubadebate.

A esse respeito, o Mestrado em História Contemporânea e Relações Internacionais enfatizou que tanto a União Europeia quanto os Estados Unidos “viraram as costas” a Guaidó, mas não à oposição venezuelana, e este é um elemento que não deve ser negligenciado. .

“A União Europeia deixou de reconhecer Guaidó, embora o Parlamento Europeu e a Administração dos Estados Unidos tenham feito um esforço para exacerbar seu nível de representatividade.

“A posição dos Estados Unidos, expressa por meio de Brian Nichols e um porta-voz do Departamento de Estado, é que respeita a decisão da Assembleia Nacional de Oposição de pôr fim ao estágio de Guaidó e que Washington continua a reconhecer a oposição da Assembleia”, afirmou. .

Segundo o analista, “embora os EUA tenham feito um esforço nos últimos meses para dar a ideia de que estão dispostos a fazer gestos positivos na aproximação com o governo Maduro, e no afrouxamento das medidas de pressão; Na realidade, tudo continua igual, pois o reconhecimento da Assembleia Nacional da Oposição significa também o reconhecimento de Guaidó, já que este ainda é deputado.

Perera Pena considera, porém, que a União Europeia tem tido uma postura mais flexível e pragmática. “Representantes da União Europeia conversam com o governo de Maduro; a União Européia tem um embaixador em Caracas; A Espanha apóia o processo de negociação com o governo bolivariano e deu seu aval para um embaixador venezuelano naquele país”.

“Na época da criação do governo interino, os EUA apertaram o bloqueio econômico e comercial contra a Venezuela, foi criado o Grupo de Lima, e com isso queriam mostrar que o governo Maduro duraria cerca de três meses; mas por muito tempo eles não têm como sustentar essa hipótese.

“De fato, em 2022, eles enviaram delegações – pelo menos duas vezes publicamente – para conversar com Caracas para tentar ativar o abastecimento de petróleo; Claro, sem eliminar o regime de sanções, mas trata-se de um reconhecimento de fato do governo Maduro e de uma negação, embora não explícita, da existência de outro possível governo paralelo.

“A criação do governo interino foi, sobretudo, uma forma de setores reacionários dos Estados Unidos e da Europa tentarem unificar as forças anti-Maduro, o que inicialmente conseguiram; mas depois suas próprias fraturas históricas, e ainda vigentes, tiveram muito mais peso.

“Na opinião dos pesquisadores da consultoria Datanalisis, se a oposição não conseguir se unir, ou pelo menos se alinhar o máximo possível para atingir seus objetivos, as chances de sucesso da oposição são quase inexistentes”, argumentou o pesquisador.

Sobre o motivo do fracasso do interino de Guaidó e da Assembleia Nacional de Oposição, ele comentou que “os objetivos traçados pelo interino e sua Assembleia eram muito ambiciosos. Não basta nomear um presidente interino por poucos para derrubar um governo democraticamente eleito pela maioria”.

“Eles pensaram erroneamente que o apoio internacional era suficiente para derrubar Nicolás Maduro, ignorando as raízes profundas do Processo Revolucionário Bolivariano, as características antropológicas de sua cidadania, e que o bloqueio de ferro afetava a todos igualmente, o que é inaceitável mesmo em nível social.” .

Acrescentou que na Venezuela “é preciso falar de ‘oposições’, porque os grupos que se opõem ao presidente Maduro são muito difundidos e muito fragmentados, desde alguns muito radicais como María Corina Machado, até outros com um perfil muito mais próximos dos próprios princípios defendidos pelo Governo, embora com diferenças marcantes”.

De fato, ele destacou que, em resumo, o que aconteceu com o interino de Guaidó é o mesmo que aconteceu com o bloqueio dos Estados Unidos à Venezuela. “O mesmo bloqueio que também fracassou contra Cuba por mais de sessenta anos, e que não deu os resultados desejados na nação bolivariana por certos setores reacionários da direita estadunidense e internacional.

“Os mesmos setores que, por desespero, inventaram os chamados ataques sônicos em Havana, inventaram a presença de milhares de agentes de inteligência cubanos na Venezuela quando triunfou o presidente Chávez, e que em meados de 2019 ousaram, também sem sucesso, criar a falácia de que mais de vinte mil soldados cubanos apoiavam as Forças Armadas Bolivarianas na Venezuela, e que dentro da Colômbia também apoiavam a candidatura de forças de esquerda para derrubar Iván Duque”, disse.

Perera Pena aprecia que “os EUA jogam em relação à Venezuela com uma cara dupla” e argumentou que o Centro Internacional Woodrow Wilson para estudiosos publicou em dezembro de 2022 seu relatório “Venezuela em 2023 e além, traçando um rumo diferente”.

“Eles dedicam 28 páginas ao que aquele Think Tank americano chama de resolução do conflito venezuelano. Em síntese, o documento afirma que não há outro caminho senão um processo de negociação, e que o objetivo da oposição não é mais buscar uma mudança acelerada de regime, mas resolver emergências humanitárias, direitos humanos e reconstrução da economia em uma esfera de governabilidade e consenso com vistas às eleições presidenciais de 2024 e regionais e municipais de 2025.

“Ao explicar o que é classificado como a crise venezuelana, o documento sustenta que os culpados são os governos chavistas, nos quais é primordial a existência de uma sociedade civil robusta, supervisionada pela comunidade internacional. A uma análise superficial, não se esconde o verdadeiro objetivo: transição política com transferência de poder.

“O grupo venezuelano de análise e investigação Misión Verdad aponta em relação ao referido documento que afirma que enquanto as negociações continuarem, as sanções não serão levantadas, dando a já conhecida ideia de pressionar ameaçando impor sanções ao dirigentes do Governo, ou seja, no interesse dos EUA, segue o objetivo de mudança de regime usando manifestamente a sua alavanca central: as eleições.

“Na perspectiva de outros think tanks, a USAID defende, e tem reiterado, que o que aconteceu em Barinas com o voto da oposição mostra que é preciso aumentar o voto eleitoral da oposição em detrimento do voto a favor do governo venezuelano ; O NED publicou que destinou cerca de 4.324 milhões de dólares para assistência humanitária em 2022, o que certamente estaria pronto para ajudar a resolver o que está acontecendo na Venezuela. Mas o NED omite que tudo parece indicar, e isso é relatado por alguns institutos de pesquisa como Delphos e Datanalisis, que em 2022 baixaram a vontade dos cidadãos de protestar contra o Governo.

“Assim, poderíamos facilmente responder por que nos últimos dias houve algumas mobilizações nas ruas venezuelanas por parte de alguns representantes do setor educacional, exigindo um aumento salarial”, comentou o pesquisador.

Segundo o pesquisador do CIPI, parece que os think tanks “não têm êxito em analisar o que está acontecendo com a América Latina, pois não levam em conta as características históricas, neste caso da sociedade venezuelana, que “per se” é robusta .” “Esses think tanks desrespeitam a identidade e a cultura venezuelana e pensam que com métodos violentos a situação na Venezuela será resolvida.”

“Depois falham, sem perceber que o que o verdadeiro povo venezuelano quer é, sim, melhorias de vida, mas apenas com base no que eles decidem dentro da Venezuela, e não com interferências externas que continuam a afogá-los”, concluiu.

Cubadebate

Tinha de ser dito e … foi dito.

#Cuba #Venezuela #EEUUBloquea

A companhia petrolífera norte-americana #Chevron reiniciará as operações em #Venezuela.

#InjerenciaDeEEUU #Petróleo #Venezuela #Chevron

A companhia petrolífera americana Chevron retomará as operações na Venezuela na sequência de um abrandamento do bloqueio ilegal dos EUA contra a indústria petrolífera do país sul-americano, um sinal significativo das recentes negociações entre as duas nações.

O ministro do petróleo da Venezuela, Tareck El Aissami, anunciou na terça-feira a assinatura de contratos com a companhia petrolífera Chevron, após o governo dos EUA ter atenuado as sanções económicas impostas ao país das Caraíbas no sábado, permitindo à empresa retomar as operações de extracção de recursos limitados.

Através das redes sociais, El Aissami relatou uma “reunião de trabalho bem sucedida” com o presidente da Chevron Venezuela, Javier La Rosa, e recordou que, em 2023, a empresa celebrará 100 anos de operações no país.

“Nas próximas horas, assinaremos contratos para promover o desenvolvimento de joint ventures e produção de petróleo, como sempre fizemos, nos termos estabelecidos na Constituição e noutras leis venezuelanas”, disse o funcionário no fundo das fotografias que mostram o seu encontro com La Rosa.

O ministro acrescentou que após a assinatura destes acordos, cujos pormenores não são conhecidos, será tempo de “produzir”, após o encerramento de Outubro com 717.000 barris por dia (bpd), longe do objectivo do governo de encerrar o ano com dois milhões de barris por dia de crude.

Os EUA explicaram no sábado que a autorização impede a empresa petrolífera estatal venezuelana PDVSA de receber lucros das vendas de petróleo pela Chevron e permite a actividade relacionada com as joint ventures da empresa americana no país das Caraíbas, e não outras actividades com a PDVSA.

Segundo o Departamento do Tesouro, esta medida reflecte a política a longo prazo dos Estados Unidos de “fornecer alívio de sanções direccionadas com base em medidas concretas que reduzam o sofrimento do povo venezuelano e apoiem a restauração da democracia”.

O governo dos EUA tinha condicionado qualquer decisão sobre a Chevron ao regresso do governo de Nicolás Maduro e da oposição à mesa de negociações no México, o que foi conseguido no sábado passado, quando concordaram em libertar dinheiro venezuelano no estrangeiro para aumentar o investimento social.

EUA observa negociações entre Governo e rebeldes.

#Colombia #ELN #Venezuela #Política #Cuba #AcuerdoDePaz

As delegações do Governo da Colômbia e dos guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN) concordaram em convidar os Estados Unidos e quatro países europeus para acompanhar o processo de negociação de paz venezuelano, revelou, este sábado, a Reuters.

Líderes das partes concordaram a mediação de Washington © Fotografia por: DR

As partes manifestaram a intenção de convidar Espanha, Alemanha, Suécia e Suíça a “considerar a sua participação como parceiros”, segundo um comunicado lido por representantes da Venezuela e da Noruega.

Também concordaram em “promover ações diplomáticas com o Governo dos Estados Unidos para saber a sua vontade em participar no processo através de um enviado especial à mesa de diálogo”.

O Presidente da Colômbia, Gustavo Petro, garantiu, na quarta-feira, que as negociações entre o Governo do Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e a oposição   retom hoje.

” O diálogo entre o Governo de Maduro e a oposição venezuelana vai reatar “, disse o Chefe de Estado colombiano no Twitter, sem dar mais detalhes, na ocasião.

O diálogo, que acontecia desde Agosto de 2021 no México, foi suspenso três meses depois por uma decisão oficial, em protesto pela extradição do empresário colombiano Álex Saab – alegado testa de ferro de Maduro – para os Estados Unidos.

O Presidente colombiano participou em conversas anteriores realizadas há algumas semanas em Paris, no Fórum Mundial da Paz, que contou também com a presença dos Chefes de Estado da Argentina, Alberto Fernández, e de França, Emmanuel Macron.

Na segunda-feira passada, o Governo colombiano e os guerrilheiros do ELN montaram uma mesa de diálogo em Caracas para retomar as negociações de paz que estavam suspensas há quatro anos e quatro meses.

Nesta nova etapa de negociações, Cuba e Noruega voltam a ser países fiadores junto com a Venezuela, que desempenha um papel crucial pela sua proximidade com a Colômbia e porque membros da guerrilha refugiam-se no seu território há anos, segundo as autoridades colombianas.

Guterres saúda acordo entre governo venezuelano e oposição.

#ONU #Política #Venezuela

Jornal de Angola

O secretário-geral da ONU, António Guterres, saudou, este domingo, o acordo assinado no sábado entre o Governo e a oposição venezuelanos que permitirá destinar recursos do Estado para iniciativas que garantam protecção social e assistência humanitária à população.

© Fotografia por: DR | Arquivo

Num comunicado divulgado pelo seu gabinete, Guterres expressou o compromisso da ONU em apoiar o Governo e a oposição da Venezuela na aplicação do acordo, que considerou um “marco importante” com potencial de gerar benefícios mais amplos para o povo venezuelano.

António Guterres encorajou as partes a permanecerem comprometidas com as negociações e com novos acordos que abordem os desafios políticos, sociais e dos direitos humanos, segundo o porta-voz Farhan Haq.

Segundo a Lusa, o Governo e a oposição da Venezuela assinaram no sábado, no México, um segundo acordo parcial em matéria de protecção social, nos termos das negociações reatadas entre as duas partes.

Por Cuba e pela Venezuela, contra o império.

#MejorSinBloqueo #Cuba #Venezuela #Sanciones #EstadosUnidos #Política

Por Redacción Razones de Cuba

 O Movimento de Amizade e Solidariedade Mútua Venezuela-Cuba declarou-se em permanente mobilização para defender as Revoluções Cubana e Venezuelana, após dois dias de intercâmbios no XII Encontro de Solidariedade com a Ilha.

A declaração final da reunião apela ao fim do bloqueio dos EUA contra o nosso país, e à devolução do território que, ilegalmente e contra a vontade do povo e do governo da ilha, os EUA estão a usurpar e a utilizar em Guantánamo, como Base Naval – a mais antiga das suas mais de 800 instalações no estrangeiro”.

Imagen de Razones de Cuba

O texto denuncia que as medidas coercivas unilaterais aplicadas a Cuba, sob o eufemismo das sanções, visam forçar uma mudança de regime na ilha, e afectar maciçamente os direitos humanos do seu povo; “o bloqueio – sublinha o documento – é uma acção genocida que afecta os cubanos em todas as esferas da vida, e constitui o principal obstáculo ao desenvolvimento do país”.

Aprovada pelos quase cem participantes de 17 estados venezuelanos, e convidados da Colômbia, Brasil e do nosso país, a declaração apela a Cuba a ser retirada da lista de patrocinadores do terrorismo, “uma acção arrepiante do império para voltar a afectar o povo e o governo cubanos”.

Também exige que a administração de Joe Biden cumpra a vontade internacional expressa de pôr fim à sua política criminosa e obsoleta, e de fazer reparações pelos danos causados a Cuba durante décadas.

O XII Encontro de Solidariedade com Cuba, que aqui se reuniu durante dois dias, prestou homenagem ao lutador revolucionário Alí Rodríguez Araque, e reafirmou o espírito de Bolívar, Martí, Fidel e Hugo Chávez.

“Uma quarta geração de guerra está a ser travada contra Cuba e Venezuela”, denunciou o embaixador cubano, Dagoberto Rodríguez Barrera; disse que para o império não há verdade ou história, apenas mentiras e desinformação diária; uma prática que “deforma os factos, e manipula os sentimentos e emoções dos cidadãos”.

Depois de reconhecer a solidariedade, crescimento e apoio mútuo entre os nossos povos, o diplomata elogiou os laços de mais de 200 anos que unem Cuba e Venezuela; “uma relação profundamente enraizada, com páginas brilhantes e belas, que tem a sua mais alta expressão no abraço de Fidel e Chávez”, e o subsequente triunfo eleitoral deste último.

Eles chamam ao Guaido um ladrão. Bravo Patri!

#Venezuela #InjerenciaDeEEUU #AutoProclamadoGuaido #MafiaCubanoAmericana

%d bloggers gostam disto: