Venezuela denuncia os EUA antes de Haia por “crimes contra a humanidade contra o povo”

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela está na sede do Tribunal Penal Internacional dias depois que a companhia aérea venezuelana Conviasa foi sancionada por Washington.

Venezuela denuncia a EE.UU. ante la Haya por "crímenes de lesa humanidad contra el pueblo"

O governo da Venezuela apresentou uma queixa contra as autoridades americanas no Tribunal Penal Internacional em Haia. por “crimes contra a humanidade contra o povo venezuelano”, após a imposição de medidas coercitivas unilaterais por Washington ao país sul-americano.

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, está na Holanda, sede da Corte, juntamente com o vice-ministro de Assuntos Multilaterais, Alexander Yánez; o secretário executivo do Conselho Nacional de Direitos Humanos e agente do Estado perante o Sistema Internacional de Direitos Humanos, Larry Devoe, e o embaixador venezuelano no órgão internacional de justiça, Haifa Aissami Madah.

Anteriormente, o presidente venezuelano Nicolás Maduro havia informado que denunciaria a administração de Donald Trump perante instâncias jurídicas internacionais depois que a companhia aérea venezuelana Conviasa foi sancionada pelo governo dos EUA. “Vamos buscar justiça, chega de uma agressão tão infame”, disse o presidente.

Perdas de 40.000 milhões de dólares
Segundo Maduro, as sanções dos EUA no país sul-americano, causaram prejuízos da ordem de US $ 40.000 milhões, que resultam em bloqueios de contas e ativos do Estado venezuelano no exterior, o que impede a compra de alimentos e medicamentos para as populações mais vulneráveis.

Nos últimos anos, EUA Ele adotou inúmeras sanções contra a Venezuela, que vão desde proibições de viagens a membros do governo até embargos em contas bancárias que afetam diretamente a população.

As medidas coercitivas unilaterais se intensificaram desde que, há um ano, o país americano reconheceu o líder da oposição Juan Guaidó como “presidente encarregado” da Venezuela com o objetivo de derrubar Maduro.

Uma canção para a paz #NoMoreWars #LatinoamericaNecesitaLaPaz

Papa Francisco chama # diálogo e autocontrole em uma convenção #World

O Papa Francisco pediu neste domingo “diálogo e autocontrole” nas relações internacionais antes do “terrível ar de tensão” que é respirado em diferentes partes do mundo, como alertou após a oração do domingo Angelus.

“Queridas irmãs e irmãos. Em muitas partes do mundo, é percebido um terrível ar de tensão. A guerra apenas leva à morte e destruição. Exorto todas as partes a manterem acesa a chama do diálogo e do autocontrole ”, afirmou na janela do Palácio Apostólico.

O pontífice exortou a comunidade internacional a “evitar a sombra da inimizade”, em um momento de crescente tensão, especialmente entre os Estados Unidos e o Irã, embora ele não tenha mencionado esse caso específico em seu apelo à pacificação.

Após seu breve discurso, Francisco pediu para orar em silêncio por alguns momentos para esse fim, às centenas de fiéis que o ouviam da Praça de São Pedro.

O papa foi informado e segue com preocupação a escalada de tensão entre os Estados Unidos e o Irã, alimentada após a operação americana que matou o poderoso general iraniano Qasem Soleimaní no Iraque.

No sábado, ele publicou um novo pedido de paz em seu perfil oficial do Twitter em nove idiomas, incluindo inglês e árabe.

“Precisamos acreditar que o outro tem a mesma necessidade de paz. A paz não é alcançada se não for esperada. Peçamos ao Senhor o presente da paz! ”Ele escreveu.

O núncio no Irã, monsenhor Leo Boccardi, informou o papa sobre esses eventos e afirmou que está “apreensivo” após a situação, segundo o portal de notícias da Santa Sé.

O diplomata pontifício salientou que a posição do Vaticano é um chamado para “diminuir a tensão, convocar todos para a negociação e acreditar no diálogo ciente de que, como a história sempre mostrou, guerra e armas não são a solução” .

Por sua parte, o bispo auxiliar de Bagdá, Shlemon Warduni, pediu ao mundo que orasse pela paz nesses momentos “críticos, muito difíceis”, criados “apenas por interesses pessoais”.

Questionado sobre como a comunidade cristã está vivendo agora, ele disse que “todo mundo tem medo de ir à guerra”, algo que seria “uma coisa tremenda”.

O patriarca da Igreja Católica Chaldean, presente no Oriente Médio, Louis Raphael Sako, diz que os iraquianos estão “impressionados” com os últimos acontecimentos e temem que seu país se torne um campo de batalha novamente.

“Em circunstâncias tão críticas e tensas, é aconselhável realizar uma reunião na qual todas as partes interessadas se sentem à mesa para manter um diálogo civil e razoável e salvar o Iraque de conseqüências imprevisíveis”, diz ele.

Emb. Moncada na ONU: Venezuela é firme, em paz e ninguém consegue isolá-lo

Resumo Latino-Americano / 1º de fevereiro de 2019

O embaixador da República Bolivariana da Venezuela nas Nações Unidas (ONU), Samuel Moncada, disse que a Venezuela é firme, em paz e que ninguém pode isolar ou dividir.

Durante a Reunião Mensal do Escritório de Coordenação da NAM, Moncada disse que é um dever interromper a guerra de recolonização. Continuar a ler “Emb. Moncada na ONU: Venezuela é firme, em paz e ninguém consegue isolá-lo”

%d bloggers like this: