Violência Doméstica

Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, 25 de novembro .

“A violência sexual contra mulheres e meninas tem suas raízes em séculos de dominação masculina. Não devemos esquecer que as desigualdades de gênero que alimentam a cultura do estupro são essencialmente uma questão de desequilíbrio de poder”. – António Guterres, Secretário Geral da ONU

Ilustración de la página interactiva de ONU Mujeres titulada 'Violencia contra las mujeres: Hechos que todo el mundo debe conocer'.

Por que devemos eliminar a violência contra as mulheres
A violência contra mulheres e meninas é uma das violações de direitos humanos mais difundidas, persistentes e devastadoras do mundo atualmente, que dificilmente são denunciadas devido à impunidade de que gozam os agressores e ao silêncio, estigmatização e vergonha. As vítimas sofrem

Em geral, a violência se manifesta física, sexual e psicologicamente e inclui:

violência de um parceiro (violência física, abuso psicológico, estupro conjugal, feminicídio);
violência e assédio sexual (estupro, atos sexuais forçados, avanços sexuais indesejados, abuso sexual infantil, casamento forçado, perseguição, assédio nas ruas, cyber bullying);
tráfico de seres humanos (escravidão, exploração sexual);
mutilação genital e
casamento infantil
Para esclarecimentos adicionais, a Declaração sobre a Eliminação da Violência contra as Mulheres, emitida pela Assembléia Geral da ONU em 1993, define violência contra as mulheres como “qualquer ato de violência que tenha ou possa resultar em dano ou sofrimento físico. , sexual ou psicológico para as mulheres, bem como ameaças de tais atos, coerção ou privação arbitrária da liberdade, independentemente de ocorrerem na vida pública ou na vida privada. ”

Os efeitos psicológicos adversos da violência contra mulheres e meninas, bem como as consequências negativas para sua saúde sexual e reprodutiva, afetam as mulheres em todas as fases de suas vidas. Por exemplo, as desvantagens da educação infantil não apenas constituem o principal obstáculo para alcançar a educação universal e fazem valer o direito das meninas à educação, mas também restringem o acesso ao ensino superior para as mulheres e limitam suas oportunidades. de emprego.

Embora todas as mulheres, em todas as partes do mundo, possam sofrer violência de gênero, algumas mulheres e meninas são particularmente vulneráveis, exemplos delas são meninas e mulheres mais velhas, mulheres que se identificam como lésbicas, bissexuais, transgêneros ou intersexuais , migrantes e refugiados, povos indígenas ou minorias étnicas ou mulheres e meninas vivendo com HIV e deficiências e pessoas em crises humanitárias.

A violência contra as mulheres continua sendo um obstáculo para alcançar a igualdade, o desenvolvimento, a paz e o respeito pelos direitos humanos de mulheres e meninas. Além disso, a promessa dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) de não deixar ninguém para trás não pode ser cumprida sem primeiro acabar com a violência contra mulheres e meninas.

Pinte o mundo de laranja contra o estupro
Ainda existe uma impunidade generalizada na violência sexual e no estupro, portanto, o tema deste Dia Internacional é “Pinte o mundo da laranja: a igualdade entre gerações se opõe ao estupro”.

Como aconteceu nas edições anteriores, este dia de luta de 25 de novembro marcará o lançamento da Campanha Join, que contará com 16 dias de ativismo que serão concluídos em 10 de dezembro de 2019, coincidindo com o Dia Internacional dos Direitos Humanos.

A campanha JOIN é um movimento iniciado anos atrás pelo Secretário-Geral das Nações Unidas para acabar com a violência contra as mulheres e que, como o tema deste ano, concentrará seus esforços e atividades na luta contra a estupro

Participe da campanha! Você pode participar pessoalmente ou em redes sociais usando nosso material oficial em espanhol!

#pintaelmundodenaranja # GenerationIquality # 16 dias

Dados alarmantes
Em todo o mundo, uma em cada três mulheres sofreu violência física ou sexual, principalmente de um parceiro sentimental.
Apenas 52% das mulheres casadas ou que vivem em casal decidem livremente as relações sexuais, o uso de contraceptivos e sua saúde sexual.
Quase 750 milhões de mulheres e meninas que vivem hoje se casaram antes dos 18 anos, enquanto pelo menos 200 milhões delas foram submetidas a mutilação genital feminina.
Uma em cada duas mulheres mortas em 2017 foi assassinada por seu parceiro sentimental ou um membro da família. No caso dos homens, essas circunstâncias ocorreram apenas em um em cada 20 homens mortos.
71% das vítimas de tráfico em todo o mundo são mulheres e meninas, e 3 em cada 4 delas são usadas para exploração sexual.
A violência contra as mulheres é uma causa de morte e incapacidade entre mulheres em idade reprodutiva tão grave quanto o câncer e é uma causa de problemas de saúde maiores que os acidentes de trânsito e a malária combinados.

Categories: #Violência contra a mulher, Uncategorized, Violência de gênero, Violência Doméstica | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

Antropólogo Rita Segato, especialista em violência de gênero.

Antropóloga Rita Segato

“O feminismo não pode e não deve construir os homens como seus inimigos naturais, o inimigo é a ordem patriarcal, que às vezes é incorporada pelas mulheres.”

“A notícia de uma agressão sexual é instalada como um espetáculo na mídia e isso tem que mudar”, diz a antropóloga Rita Segato, uma das grandes intelectuais latino-americanas, analisando o tratamento que ele teve na televisão a violação de Thelma Fardin contra Juan Darthés. Ele também chamou a atenção para o risco de um efeito de imitação que ocorre como com a notícia de suicídios e a necessidade de executar a atriz do lugar da vítima.

“Eu não quero apenas consolar uma vítima chorando. O ponto é como educamos a sociedade para entender o problema da violência sexual como um problema político e não moral ”, disse Segato. O autor de “A guerra contra as mulheres” (Madrid: Traficantes de Sueños, 2016), também está preocupado com o que ela tem chamado de “um feminismo inimigo”. “O feminismo não pode e não deve construir os homens como seus inimigos ‘naturais'”, disse ele. E por sua vez, questionou os “linchamentos” nas redes sociais para denunciar a violência sexista entre os pares, adolescentes. “Precisamos preparar nossos e nossos jovens para que possam processar seus relacionamentos com suas próprias palavras e com seus próprios gestos”, encorajou. E ele queria deixar como mensagem uma frase que lhe foi contada por um chefe de polícia em El Salvador, onde ele trabalhava durante grande parte deste ano: “Que a mulher do futuro, não seja o homem que estamos deixando para trás”. Continuar a ler

Categories: #Violência contra a mulher, AMERICA LATINA, EDUCAÇÃO, SOCIEDADE, Uncategorized, Violência de gênero, Violência Doméstica | Etiquetas: , | Deixe um comentário

Diga não à violência contra a mulher”

Daniel Nascimento sobre violência contra a mulher: “A luta não é só delas, é de todos”

Depois da edição do ZAP News desta segunda-feira (10), que reuniu distintos nomes da sociedade em torno da problemática da violência contra a mulher, Daniel Nascimento não cruzou os braços e decidiu dar continuidade à luta mesmo por detrás das câmaras.

Numa imagem publicada na sua conta oficial de Instagram, o respeitado apresentador voltou a despertar a atenção do público ao realçar que o dever moral de mudar as “regras do jogo” não é somente de responsabilidade de algumas pessoas mas sim de todo o indivíduo inserido na nossa sociedade.

“A luta não é apenas delas, é de todos. Diga não à violência contra a mulher”, apelou o profissional .

Categories: ANGOLA, ÁFRICA, Direitos Humanos, DOENCAS, EDUCAÇÃO, MULHER, SOCIEDADE, Uncategorized, Violência Doméstica | Etiquetas: | Deixe um comentário

“UMA PESSOA CAPAZ DE TIRAR A VIDA DE ALGUÉM NÃO MERECE VIVER”

Yola Semedo: “Uma pessoa capaz de tirar a vida de alguém não merece viver”
Nos últimos dias, e agora de forma mais intensificada, o país vive dentro e fora das redes sociais uma batalha em torno da violência de gênero, problemática que dominou a mais recente entrevista de Yola Semedo ao SAPO. A artista, que pondera até a pena de morte, acredita que se as sanções forem mais severas, as pessoas terão mais receio de cometer certos crimes.

“Eu gosto de ser honesta e às vezes a minha honestidade é mal percebida, mas eu prefiro dizer a verdade do que ir para casa com a consciência pesada porque menti”, começou por explicar com semblante aborrecido.

“Começo já pensar que o país devia pensar seriamente em introduzir a pena de morte. Porque um ser humano capaz de tirar a vida ao outro não tem o direito de viver, digo isto pelas famílias enlutadas, pela mãe que perdeu o filho porque foi violado e até mesmo pela menina de dois anos que foi violada por cinco homens. Sinceramente, um ser humano capaz de maltratar outro ser humano não merece espaço nenhum na terra”, desabafou.

Ainda durante a entrevista, a estrela que dá voz ao sucesso “Lá no Fundo” não deixou de tornar pública a sua visão para a “Nova Angola”, o país dos seus sonhos.

“Quero que Angola seja um país de alegria, de compaixão e de convivência entre pessoas que amam a vida com paixão”, perspectivou.

Categories: #Violência contra a mulher, Actriz, ANGOLA, ÁFRICA, Derechos Humanos, Família, MULHER, O direito das mulheres, não o abuso, SOCIEDADE, TORTURAS, Uncategorized, Violência Doméstica | Etiquetas: | Deixe um comentário

Urgente, Lei contra a Violência Doméstica e o agravamento.

Mulheres parlamentares pedem agravamento de pena para violência doméstica.

O grupo de mulheres parlamentares angolanas apelou hoje ao agravamento das penas para os casos de violência doméstica, manifestando repúdio para os recentes assassínios e agressões de mulheres, em Luanda, pelos seus parceiros, por alegados motivos passionais.
Mulheres parlamentares pedem agravamento de pena para violência doméstica

A mensagem foi hoje lida na Assembleia Nacional pela presidente do grupo de mulheres parlamentares, Maria do Nascimento, antes do início da sessão legislativa, na qual apelou a uma revisão urgente da Lei contra a Violência Doméstica e o agravamento das penas para esses casos.

Em causa está a morte, na semana passada, de uma advogada, de 26 anos, alegadamente assassinada pelo marido, que para se livrar do cadáver o escondeu na fossa da sua residência, e a agressão de uma segunda mulher, também em Luanda, pelo seu ex-companheiro, que com recurso a uma faca a atacou.

Segundo Maria do Nascimento, como deputados, defensores dos mais altos anseios do povo e da sociedade angolana, devem repudiar “todos os actos de violência que têm sido praticados”, particularmente “os crimes hediondos, cujas vítimas são mulheres”.

“A sociedade angolana, nos últimos dias, testemunhou crimes bárbaros, onde mulheres foram assassinadas pelos maridos ou companheiros, traídas pelo amor que dedicavam”, disse Maria do Nascimento.

A presidente do grupo de mulheres parlamentares disse que os dados estatísticos sobre Luanda, capital do país, revelam a existência, este ano, de 5.270 queixas, das quais 4.060 são de violência contra a mulher, desde agressões físicas, homicídios e violações.

“Em Angola, a violência contra a mulher é o direito humano mais violado”, disse a deputada, apelando aos órgãos de justiça para que tomem medidas severas contra todo o tipo de violência contra as mulheres. Continuar a ler

Categories: ANGOLA, ÁFRICA, Direitos Humanos, Mais respeito pelas mulheres, MULHER, O direito das mulheres, não o abuso, SOCIEDADE, TORTURAS, Uncategorized, Violência Doméstica | Etiquetas: | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: