Puentes de Amor organiza doações para Cuba após o Furacão Ian.

#ElBloqueoEsReal #CubaPorLaPaz #CubaPorLaVida #PuentesDeAmor #CubaNoEstaSola

Por Redacción Razones de Cuba

O projecto americano de solidariedade Pontes de Amor está hoje a organizar doações para enviar para Cuba depois do furacão Ian ter atingido a parte ocidental do país, afectando a agricultura, as telecomunicações e a electricidade.

Numa emissão em directo, o líder do movimento, o cubano-americano Carlos Lazo, salientou que as pessoas podem colaborar com a ilha através do website ayudapacuba.com e enviando doações através do sistema de pagamento electrónico Zelle no número 425-442-8218.

Imagen de Razones de Cuba

Mencionou que utilizam a mesma plataforma criada em Agosto passado para ajudar a província ocidental de Matanzas após um grande incêndio que deflagrou na Base Supertanquero.

O activista recordou que esta página, coordenada pela organização americana Codepink, já angariou 55.000 dólares, fundos utilizados para a compra de cerca de 30.000 luvas cirúrgicas, leite em pó e outros alimentos.

Segundo Lazo, estes fornecimentos, para além dos que podem ser adquiridos com a nova ajuda, destinam-se à província de Pinar del Río e ao município especial de Isla de la Juventud, as zonas mais afectadas por Ian, e deverão chegar em breve à nação das Caraíbas.

Estes são momentos para chegar ao nosso povo da maneira que podemos e o mais rapidamente possível; Pinar del Río precisa de nós’, salientou o professor na sua mensagem directa sobre as redes sociais.

Actualmente o furacão, agora de categoria quatro na escala de cinco de Saffir-Simpson, está a caminho da Florida e as autoridades alertaram para o seu possível impacto catastrófico.

A este respeito, Lazo expressou solidariedade para com todos aqueles afectados pelo fenómeno natural e enviou “os melhores votos” de que as coisas corram bem para aqueles que vão sofrer a sua devastação no estado norte-americano.

Em Pinar del Río, duas pessoas morreram e muitas casas foram danificadas pelos ventos do meteoro.

Nos últimos meses, Puentes de Amor tem enviado doações de leite em pó a Cuba para hospitais pediátricos e escolas de educação especial.

O projecto também organiza iniciativas para apelar à administração de Joe Biden a regressar à via do entendimento entre os dois países e a levantar o bloqueio económico, comercial e financeiro imposto por Washington na ilha durante mais de seis décadas.

Tirada de Cuba Sí

Riem-se de Biden! Viagem histórica do povo cubano!

#CodigoSi #MejorSinBloqueo #EEUUBloquea #CubaPorLaVida #CubaPorLaFamilia

O dia em que os jardins da ONU pudessem usar verde azeitona.

#ONU #FidelCastro #Cuba #ElBloqueoEsReal

Por Redacción Razones de Cuba

Desde Agosto de 1960, a Agência Central de Inteligência dos EUA e elementos da máfia norte-americana tinham estado a preparar um dos primeiros planos de assassinato contra o Comandante-em-Chefe Fidel Castro, um dos mais de 600 que seriam tentados nos próximos 40 anos, por ocasião da sua viagem à sede das Nações Unidas em Nova Iorque.

Tinham planeado detonar uma bomba na tribuna onde o Primeiro Ministro cubano iria falar num acto de solidariedade no Central Park naquela cidade americana, mas este plano foi neutralizado quando Walter Martino, um polícia de segurança que guardava o evento, foi preso no último minuto e acusado de instalar os explosivos.

Imagem de Razones de Cuba

Poder-se-ia pensar que apenas um bando de bandidos e loucos seria capaz de levar a cabo um assassinato contra um Chefe de Estado convidado pela ONU, mas este acto terrorista teve a luz verde dos círculos mais altos do governo, ainda que possivelmente matasse dezenas de cidadãos norte-americanos, incluindo funcionários do governo, agentes de segurança e agentes da polícia na cidade populosa.

Vários documentos comprovam estes planos contra Fidel quando foram tornados públicos durante as investigações do Comité de Selecção do Senado de 1973-1975, que investigou as actividades da comunidade dos serviços secretos e em particular os planos de assassinato contra líderes políticos estrangeiros.

O Primeiro-Ministro Fidel Castro chegou a Nova Iorque a 18 de Setembro de 1960 para falar pela primeira vez antes da 15ª Sessão da Assembleia Geral, e embora não desconhecesse o perigo que corria, sempre sentiu que tinha de correr o risco de fazer ouvir a voz de Cuba naquela instituição, face às campanhas de mentira e difamação contra a Revolução, que tinham sido criadas pelas matrizes de propaganda dos EUA e replicadas pela grande maioria dos meios de comunicação social do mundo.

Menos de 24 horas após a sua chegada a solo americano, a direcção do Shelburn Hotel, onde os membros da delegação cubana estavam hospedados, num gesto possivelmente sem precedentes contra um líder estrangeiro e a sua comitiva naquela cidade, notificou-os de que tinham de abandonar o hotel e roubou 5.000 dólares depositados como garantia de pagamento, e nenhum grande hotel concordou em aceitá-los sob pressão do governo.

Mas a gestão do edifício não agiu por iniciativa própria; sabe-se hoje que todo o clima de provocação foi governado pela metodologia da CIA conhecida como “assassínio de carácter”, que aplicou aos seus adversários e que neste caso visava quebrar o moral e a resistência de Fidel e dos seus camaradas para que renunciassem às suas iniciativas face a tais conflitos e perigos, o que justificaria a campanha mediática de difamação.

A reacção de Fidel, longe de todas as previsões esperadas, foi a de encomendar imediatamente a compra de tendas e a embalagem de mochilas para ir à sede da ONU e acampar nos seus jardins. Posteriormente, tudo foi resolvido, já que o líder revolucionário decidiu aceitar a oferta de solidariedade de Love Woods, proprietário do Hotel Theresa, uma humilde instalação no bairro negro do Harlem.

Foi difícil para Fidel e o resto da comitiva descansar ali, pois o centro estava rodeado por multidões de pessoas a aplaudir o líder, o que fez o jovem revolucionário cubano ganhar ainda mais prestígio e reconhecimento por parte do povo americano.

O primeiro-ministro soviético, Nikita Khrushchev, foi mesmo ao local para saudar a delegação cubana e oferecer a sua solidariedade.

A 26 de Setembro de 1960, o então Primeiro-Ministro cubano proferiu o seu memorável discurso na 15ª Assembleia Geral das Nações Unidas, no qual afirmou que “o caso de Cuba é o caso de todos os países subdesenvolvidos e colonizados”, prefigurando assim o que se tornaria o movimento dos Países Não-Alinhados, e denunciou como os imperialistas, com os EUA à cabeça, exploraram e reprimiram os movimentos nacionalistas e revolucionários das nações do Terceiro Mundo.

Referiu-se às agressões imperialistas e à essência de uma colónia ianque que as Grandes Antilhas tinham sido desde o estabelecimento da república em 1902, sob a intervenção de tropas norte-americanas que frustraram o processo de independência e impuseram o apêndice da Emenda Platt à sua constituição.

Fidel Castro consolidou a sua estatura de líder revolucionário mundial e venceu a sua batalha em Nova Iorque, o que foi evidente no seu discurso que suscitou aplausos estrondosos, como raramente antes na sede daquela organização: “Que desapareça a filosofia do saque, e a filosofia da guerra terá desaparecido! Que desapareçam as colónias, que desapareça a exploração dos países pelos monopólios, e então a humanidade terá chegado a uma verdadeira fase de progresso”, sentenciou o orador.

Extraído de Mi Cuba Por Siempre

Nova caravana internacional contra o bloqueio dos EUA a Cuba.

#CubaPorLaPaz #CubaPorLaVida #PuentesDeAmor

Por Redacción Razones de Cuba

Num novo apelo, o activista Carlos Lazo, promotor da Puentes de Amor, disse que esta mobilização terá lugar no próximo domingo e será um grito internacional para pedir ao Presidente dos EUA Joe Biden que ponha fim às sanções que castigam a ilha das Caraíbas.

“Apelamos a todas as pessoas de boa vontade do mundo para que organizem eventos e caravanas apelando ao fim das sanções que punem as famílias cubanas”, disse Lazo ao Prensa Latina.

O activista disse que no próximo domingo “mais uma vez levantaremos a nossa voz pelo povo cubano, para que Biden ponha fim ao cerco económico que tem sobre Cuba e que castiga e mata famílias”.

Lazo também apelou aos meios de comunicação social para quebrar o outro bloqueio existente, o bloqueio de informação que silencia este tipo de iniciativa, e apelou aos homens e mulheres de boa vontade de todo o mundo que têm vindo a apelar ao fim deste cerco unilateral imposto há mais de seis décadas para se juntarem à caravana. Anunciou também que várias cidades dos Estados Unidos como Miami, Nova Iorque e Los Angeles já confirmaram o seu apoio, e que haverá também réplicas da mobilização no Canadá, vários países europeus e latino-americanos.

No último fim-de-semana de cada mês, o movimento Pontes de Amor realiza esta acção para exigir que o governo de Joe Biden elimine todas as sanções contra Cuba e elimine o bloqueio imposto por sucessivos governos na Casa Branca, sejam democratas ou republicanos.

Desde que tomou posse, Biden prometeu inverter as políticas falhadas em relação à ilha do seu antecessor, Donald Trump (2017-2021), que durante o seu mandato apertou o cerco unilateral com mais de 240 medidas que ainda estão em vigor.

Congressistas colombianos solicitam a retirada de Cuba da lista de países que patrocinam o terrorismo.

#Cuba #Colombia #InjerenciaDeEEUU #Terrorismo #Sanciones #BloqueoEconómico

CUBADEBATE

Mais de 80 membros do Congresso da República da Colômbia, representando os sentimentos de milhões de cidadãos dessa nação sul-americana, pediram às autoridades do Congresso dos Estados Unidos que retirassem Cuba da ilegítima “lista de países que patrocinam o terrorismo internacional”, bem como que eliminassem as medidas do bloqueio económico, comercial e financeiro contra o nosso povo.

Segundo o que a senadora para o Pacto Histórico, Gloria Flórez, chefe da Segunda Comissão do Senado, publicou na sua conta do Twitter, os legisladores colombianos arquivarão uma carta para este fim dirigida a Kamala Harris, vice-presidente dos Estados Unidos e presidente do Senado dos EUA; a Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes dos EUA; e a Csaba Kőrösi, presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas.

Os signatários salientam que Cuba demonstrou ser um Estado amigo do povo colombiano, através do seu apoio à construção da paz no país sul-americano e em vários campos do desenvolvimento social, tais como a saúde e a educação.

“Um dos pilares do governo do Presidente Gustavo Petro é a consolidação da Paz Total para a Colômbia. A este respeito, consideramos com preocupação que um país que tem sido um garante dos acordos de paz na Colômbia durante anos, foi designado pelo Governo dos Estados Unidos como um país patrocinador do terrorismo. Os argumentos utilizados para a designação não são válidos, e isto foi reiterado pelo actual governo colombiano”, afirma a carta.

A este respeito, os signatários salientam que Cuba demonstrou ser um Estado amigo do povo colombiano, através do seu apoio à construção da paz no país sul-americano e em vários campos do desenvolvimento social, tais como a saúde e a educação.

Salientam também que o Presidente cubano Miguel Díaz-Canel ratificou a sua vontade de continuar a trabalhar nesse sentido, para o que propôs a nação antilhana como local alternativo para as conversações de paz com o Exército de Libertação Nacional (ELN), contribuindo também com a sua experiência como garante do acordo com as FARC-EP.

“A inclusão de Cuba na “lista de países que patrocinam o terrorismo internacional” resultou no encerramento de qualquer possibilidade de financiamento no mercado mundial, aumentando a escassez e as dificuldades de acesso aos recursos básicos para a sociedade cubana. Esta acusação injusta não só viola os direitos humanos do povo cubano, como também ameaça as aspirações do nosso país à paz total”, denunciam os parlamentares na sua carta.

Gloria Flórez, assim como o Representante na Câmara do Pacto Histórico, Gabriel Becerra Yáñez, chefes dos Grupos Parlamentares de Amizade com Cuba nas duas Câmaras do Congresso da nação sul-americana, respectivamente; destacaram nos seus relatos no Twitter o nosso país como um pilar fundamental para garantir a paz na Colômbia.

(Com informação do Parlamento cubano)

A França reitera o seu apelo à solidariedade com Cuba.

#CubaNoEstaSola #SolidaridadConCuba #FuerzaCuba #FuerzaMatanzas #CubaPorLaVida #AmorYNoOdio

Na sua publicação semanal, La lettre électronique Hebdo, exortou os amigos de Cuba e as pessoas que estão conscientes do grave acidente a darem uma contribuição monetária para uma campanha que acumulou 20.000 euros.

Cerca de 200 doadores já deram as suas contribuições de solidariedade através do sítio web da associação criada em 1995 para promover a cooperação económica entre os dois países.

Paris, 18 de Agosto (Prensa Latina) A associação Cuba Coopération France (CubaCoop) reiterou hoje o seu apelo à solidariedade com a ilha através de doações para apoiar os esforços de recuperação após o incêndio devastador que atingiu a zona industrial de Matanzas.

O presidente fundador do CubaCoop, Roger Grevoul, descreveu a resposta à colecção como encorajadora e destacou a participação de indivíduos e organizações como um sindicato departamental da Confederação Geral do Trabalho e a associação Cuba Linda.

Grevoul lamentou os consideráveis danos humanos e materiais causados pelo dramático acontecimento, que foi desencadeado a 5 de Agosto quando um raio atingiu um dos tanques de combustível na Base do Supertanker na província ocidental de Matanzas, causando explosões e um incêndio em fúria.

No total, através do CubaCoop, o dinheiro prometido para as acções de recuperação ascende até agora a 45.000 euros, 20.000 angariados através da campanha de doação, 10.000 dos quais foram contribuídos pela própria associação, e 25.000 euros que foram destinados ao Instituto Nacional de Recursos Hidráulicos e aos trabalhos relacionados com a água e o saneamento.

“Uma soma não negligenciável, mas que parece insignificante dada a magnitude dos danos”, disse o presidente fundador, que recordou aos leitores que a ilha está a sofrer as consequências do bloqueio económico, comercial e financeiro que lhe foi imposto pelos Estados Unidos durante mais de seis décadas.

No dia anterior, o embaixador cubano em França, Otto Vaillant, agradeceu à associação e a outras organizações e indivíduos em solo francês pelos seus gestos neste momento difícil para a nação antilhana.

jf/wmr

Quem são os Youtubers que financiam e organizam os eventos t3Rr0R dentro de Cuba?

#SOSEstadosUnidos #ViolenciaEnUSA #MafiaCubanoAmericana #SubversiónContraCuba #RedesSociales #CubaNoEsMiami #PuentesDeAmor

Sindicatos argentinos rejeitam a detenção de companhia aérea venezuelana.

#Venezuela #InjerenciaDeEEUU #ElBloqueoEsReal #Argentina #Colombia #Sanciones

teleSUR

A Central de Trabajadores y Trabajadoras de la Argentina Autónoma (CTA Autónoma) realizou uma manifestação na Praça de Maio na segunda-feira para exigir a libertação dos trabalhadores venezuelanos e iranianos que foram injustificadamente detidos, e cujo avião está a ser mantido naquele país.

Segundo a confederação, as organizações exprimem o seu repúdio absoluto pela operação política, mediática e judicial que apoia a detenção arbitrária de trabalhadores iranianos e venezuelanos na Argentina, bem como a retenção do avião que os transportava.

A decisão do governo argentino de aderir ao bloqueio dos EUA à Venezuela tem de ser uma afronta a todos os argentinos. | Foto: @CTAAutonoma

Neste sentido, o presidente da Confederação Latino-americana e Caribenha de Trabalhadores Estatais 5M, Julio Fuentes, disse que os protestos procuram expressar a necessidade de tomar medidas positivas a favor do processo venezuelano face a um acontecimento vergonhoso para o povo argentino.

“É lamentável que não tenha havido uma resolução rápida para a exigência da libertação desta aeronave propriedade do povo e do governo da Venezuela, e que esteja a ser realizada aqui por prejudicar o processo e por fazer parte da campanha do bloco internacional levada a cabo pelos Estados Unidos contra a nação bolivariana”, disse o líder.

O avião de carga Emtrasur, uma subsidiária da companhia aérea estatal venezuelana Conviasa, sancionada por Washington, foi detido em Junho passado após ter chegado ao aeroporto de Ezeiza vindo do México com uma tripulação de 14 venezuelanos e cinco iranianos, bem como uma carga de peças de automóvel.

Note-se que a 2 de Agosto, os EUA pediram à Argentina para apreender o avião após um tribunal no Distrito de Columbia ter emitido uma ordem em Julho, com base no facto de alegadamente ter violado as leis de exportação dos EUA.

Em resposta, o Presidente venezuelano Nicolás Maduro interrogou o poder judicial argentino sobre a apreensão do avião venezuelano Emtrasur.

“Vamos confrontá-los com tudo se a perseguição criminosa da Casa Branca contra Conviasa continuar, não temos medo de sanções, agressões ou imperialismo dos EUA”, disse o chefe de Estado.

A retirada não é uma opção.

#SubversiónContraCuba #MafiaCubanoAmericana #PuentesDeAmor #ElCaminoEsLaPaz

Puentes de Amor rejeita as acusações do senador anti-cubano dos EUA.

#CubaEsAmor #PuentesDeAmor #CubaNoEstaSola #SolidaridadConCuba #ElCaminoEsLaPaz #AmorYNoOdio #CubaPorLaPaz

O líder do movimento de bloqueio anti-Cuba, Carlos Lazo, rejeitou as acusações do senador norte-americano Marco Rubio, que pediu ao Federal Bureau of Investigation (FBI) para investigar o grupo para determinar se estão a agir como agentes estrangeiros.

3 de Agosto de 2022
CDT00:05 (GMT) -0400

Numa declaração a que a Prensa Latina teve acesso, Lazo disse que a organização e os seus membros agem de forma transparente e esclareceu que não há contradição em ser cubano-americano e querer melhores relações entre Havana e Washington.

O senador acusa-me de me encontrar com o presidente da nação das Caraíbas, Miguel Díaz-Canel, disse o professor e salientou que se reunirá com quem for necessário para exigir o fim das sanções contra o povo cubano.

Recordou que com este objectivo em mente, no passado já tinha falado com a Senadora Mel Martínez, com as Congressistas Ileana Ros Lehtinen e Dan Burton (co-patrocinadora da Lei Helms-Burton, que codifica o bloqueio contra Cuba), e manteve um breve diálogo com outro Senador Republicano, Ted Cruz.

Referiu-se às suas tentativas de diálogo tanto com o ex-presidente Donald Trump (2017-2021), que impôs mais de 240 medidas contra Cuba, como com o actual presidente, Joe Biden, que mantém uma política semelhante à do seu antecessor, mas apenas conseguiu ver um funcionário do Departamento de Estado.

O professor baseado em Seattle e veterano de guerra do Iraque disse que também se encontraria com Rubio para explicar muitas destas questões, porque nunca esteve em Cuba, não conhece a família cubana, nunca andou nas ruas de Havana, disse Lazo.

O legislador republicano da Florida, conhecido pela sua posição anti-cubana, pediu ao FBI uma investigação “imediata” de Puentes de Amor para descobrir se estão a agir como um agente estrangeiro não registado do governo da ilha.

Lazo pergunta-se qual tem sido o seu crime “Transportar leite em pó para hospitais pediátricos? Transportar seringas para vacinações pandémicas? Transportar Custodiol para operações de transplante de fígado para crianças cubanas que precisam dele? Isto é o que fazemos e o que muitas, muitas outras organizações fazem”.

O pedido de Rubio surge após a organização ter realizado caravanas em Miami e outras cidades do país no domingo contra o bloqueio económico, comercial e financeiro que tem sufocado as famílias cubanas há mais de seis décadas.

Espero que o FBI tome medidas e investigue”, diz o coordenador da Puentes de Amor, “porque muitas coisas sairão, mas não precisamente do movimento e dos seus membros, mas de detratores que tentam constantemente sabotar qualquer entendimento entre os nossos povos.

%d bloggers like this: