Embaixador: sanções econômicas contra Irã e Cuba são uma forma de guerra

O presidente iraniano Ebrahim Raisi (à direita) recebe credenciais do embaixador cubano Alberto González Casals, 8 de fevereiro de 2022. (Foto: presidnt.ir)

O embaixador cubano no Irã afirmou que as sanções que os Estados Unidos impuseram contra Havana e Teerã são uma forma de guerra contra a sociedade humana.

“Quando se trata de crimes contra a sociedade humana, todos se concentram na guerra, enquanto a imposição de sanções econômicas ao Irã e Cuba também é uma forma de guerra”, denunciou o embaixador cubano no Irã, Alberto González Casals.

Em entrevista exclusiva ao Serviço de Relações Exteriores da Organização Iraniana de Rádio e Televisão (IRIB), publicada nesta terça-feira, o diplomata cubano indicou que tais medidas causaram muitos problemas para Havana e Teerã, de modo que todas as famílias cubanas ou iranianas foram prejudicadas pelas sanções econômicas dos EUA.

Ele acrescentou que a unidade dos países que sofrem com os embargos dos EUA é considerada um fator chave para acabar com as medidas restritivas do país norte-americano.

Enquanto países independentes como a República Islâmica do Irã e a República de Cuba estiverem juntos, nenhum poder poderá derrotá-los”, deixou claro González Casals.

Nesse contexto, Irã e Cuba modernizaram suas indústrias e tentaram confiar em si mesmos para contrariar as sanções, destacou o embaixador, detalhando que conseguiram produzir vacinas contra o coronavírus, causador da COVID-19, entre outros casos.

Na verdade, ele assegurou, Washington deve saber que continuar essa política é uma perda de tempo e não vai funcionar.

O país persa e a ilha mantêm uma aliança estratégica e laços de cooperação bilateral em energia, habitação, comércio, indústria, educação, agricultura, ciência e tecnologia e cultura, entre outros setores.

Ambos os países se apoiaram em diferentes circunstâncias e condenaram as medidas agressivas do imperialismo norte-americano contra eles.

HispanTV

COVID-19 no mundo: Brasil ultrapassou a barreira de 550.000 mortes

O Brasil aparece como o segundo país do mundo com mais mortes por covid-19. Foto: PL.

O número de mortes por covid-19 no Brasil subiu para 550.502 na segunda-feira após a soma de 578 nas últimas 24 horas, informou o Ministério da Saúde.

O boletim diário da carteira também indicava que foram notificadas 18.999 infecções no mesmo período e o total subiu para 19 milhões de 707 662, desde que a primeira foi notificada em fevereiro de 2020.

A atualização também observou que o estado de São Paulo continua sendo o epicentro da pandemia no país, concentrando 137.273 vidas perdidas e quatro milhões de 3.549 infectados.

De acordo com os governos estaduais, entre domingo e segunda-feira houve um ligeiro aumento no número de infecções (+ 4,28 por cento) e óbitos diários (21,4), em relação às 24 horas anteriores.

A média móvel de casos nos últimos sete dias foi de 45.117 infectados e 1.107 óbitos.

Após enfrentar uma segunda onda de contaminações pela doença no início do ano, as curvas de vencimento e os casos positivos no país apresentam tendência de queda há semanas, atribuída por especialistas e autoridades ao avanço da vacinação.

Estatísticas oficiais revelam que o Brasil aplicou 134,2 milhões de imunizantes, sendo 96,3 milhões na primeira dose e 37,9 milhões na segunda ou apenas uma.

Até o momento, o gigante sul-americano conseguiu imunizar 18% de seus habitantes com duas porções em um único pedido, que no total são cerca de 212 milhões.

Ainda no dia, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) cancelou definitivamente o estudo clínico da Covaxin, a vacina indiana anti-Covid-19, solicitada pela empresa nacional Precisa Medica, representante do laboratório indiano Bharat Biotech.

‘A decisão (de cancelamento) foi tomada após uma avaliação técnica de que o fim da autorização da empresa Precisa para representar a vacina no país inviabiliza o cumprimento da regulamentação quanto à realização de estudos clínicos’, relatou o órgão regulador.

A Bharat Biotech rompeu seu vínculo com o Precisa na semana passada, depois que o Ministério da Saúde informou que não tinha intenção de comprar a Covaxin porque as doses contratadas são suficientes para imunizar a população brasileira.

Atualmente o Brasil aparece como o segundo país do mundo com mais mortes por covid-19, atrás dos Estados Unidos, e o terceiro em infectados, atrás da nação do norte e da Índia.

(Com informações das agências)

Brasil: circulação comunitária da variante Delta do #coronavírus detectada

Brasil presentaba un caso de variante Delta, pero era de un hombre llegado de India.  (Fuente: EFE)
O Brasil teve um caso de variante Delta, mas era de um homem da Índia. . Imagem: EFE

O Brasil detectou dois casos de circulação local da variante Delta do coronavírus em seu território. Eles são um homem de 30 anos e uma mulher de 22 anos, ambos do estado do Rio de Janeiro. Ambos contraíram a doença localmente, pois não viajaram para o exterior.

Os dois casos foram descobertos por sequenciamento genômico e confirmados nas cidades de Seropédica e São João de Meriti. Em São João de Meriti, é a paciente de 22 anos que, segundo a prefeitura, está “isolada em sua residência, onde recebe tratamento e fará novo exame sete dias depois”.

Segundo a Prefeitura de Seropédica, a descoberta foi feita por meio de sequenciamento genético feito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A jovem já está curada, mas continua isolada em casa. Ele não tem histórico recente de viagens ao exterior e ainda não recebeu nenhuma das vacinas covid-19.

O paciente de São João de Meriti é um homem de 30 anos que não viajou para o exterior nem teve contato com viajantes. Ele também não recebeu nenhuma dose de antídotos para o vírus. A descoberta deste último caso ocorreu em um teste realizado no dia 4 de julho, que teve a amostra enviada para análise pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Governo do Estado Noel Nutels. Segundo a Câmara Municipal de São João de Meriti, o homem “está bem e já não transmite a doença”.

Até o momento, o estado do Rio de Janeiro tem três casos confirmados da variante Delta desde que a nova cepa chegou ao país, uma das mais atingidas pela pandemia. O terceiro caso é o de um homem de 35 anos, residente em Campos dos Goytacazes, que chegou da Índia e já está curado da doença.

O programa de monitoramento genômico, feito em parceria com diversos laboratórios, é o que tem permitido detectar as modificações do coronavírus e agir com rapidez.

No Brasil, foram registrados 22.703 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, elevando o número de infectados para 18.792.511. Por sua vez, conforme detalhado pelas autoridades sanitárias, foram registrados 695 óbitos em um único dia: desde o início da pandemia, foram registrados 525.112 óbitos.

Pagina/12

Brasil merece desculpas

Por: Emir Sader

Mais de três mil pessoas morrem todos os dias da pandemia, muitas outras morrem anonimamente de fome, muitas mais da violência de milícias e traficantes de drogas. Você morre mais do que nasceu no Brasil. Foto: Arquivo.

O Brasil está imerso em uma catástrofe humanitária. O país, que há pouco mais de cinco anos foi um exemplo de combate à pobreza, de combate às desigualdades, de democracia distributiva de renda, em pouco tempo virou um inferno, para os brasileiros e para o mundo.

Mais de três mil pessoas morrem todos os dias da pandemia, muitas outras morrem anonimamente de fome, muitas mais da violência de milícias e traficantes de drogas. Você morre mais do que nasceu no Brasil.

De um presidente exemplar para o mundo, o Brasil passou a ter um presidente genocida. De ter um presidente do qual o Brasil se orgulhava no mundo, agora existe um presidente que envergonha os brasileiros no mundo.

Todos estão se perguntando como isso foi possível. Muitos se desculpam por tornar essa catástrofe possível, seja por meio de ação ou inação. O Judiciário reconhece que Lula sempre teve razão em rejeitar as denúncias, em parecer que foi preso injustamente. A dignidade de Lula em enfrentar tudo isso é reconhecida por cada vez mais pessoas, que se sentem representadas nele, em seu drama, em sua resistência e em sua vitória. Muita gente pede desculpas a Lula por ter sido um carrasco contra eles, por ser um agente do antipetismo, do ódio que tanto estragou no Brasil.

Lula tem o direito de exigir perdão de quem o ofendeu, de quem ofendeu sua família, de quem denegriu sua imagem, de quem não acredita que ele seja absolutamente inocente. Muitos deles mudaram de campo e tiveram a honestidade de admitir que estavam errados.

Mas, além de tudo isso, há um país, há um povo que foi lançado na miséria e no abandono. A quem é negado pão e vacinas. Existe um Brasil maltratado, que virou a vergonha do mundo, que é visto como o pior de todos os mundos.

Quem foi o responsável por tudo isso? Que permitiu, por ação ou omissão, que a democracia fosse destruída pelo golpe contra Dilma. Quem reconhece que errou do lado errado deve começar por reconhecer que errou, principalmente naquela época, que não sabia defender a democracia, mandato de um presidente reeleito pelo voto popular. Quem cometeu um erro ou foi levado de má-fé a acreditar que um governo com o qual não concordava deveria ser deposto por impeachment sem fundamento constitucional.

Quem aceitou que Lula foi preso, processado, impedido de ganhar as eleições de 2018, sem provas, só por causa das condenações de um juiz que hoje é o que mais rejeitou no Brasil, porque foi desmascarado. Quem pensou que o Brasil poderia seguir em frente sem Lula, como se o Brasil pudesse deixar de lado o que tem de melhor.

O Brasil merece desculpas a todos aqueles que contribuíram para esta catástrofe humanitária que vive. Em primeiro lugar, pela imprensa, que foi a agente pública do anti-petetismo, das acusações contra Dilma e Lula, sem qualquer prova. A mídia que divulgou a imagem de Lava Jato como redentora da política brasileira e a corrupção do Partido dos Trabalhadores (PT) como um slogan que levaria à morte da esquerda. Isso promoveu o antipetismo como símbolo do mal, escondendo que o PT fez os melhores governos para o Brasil. A mídia deve pedir desculpas ao Brasil pelo papel deletério que desempenhou, pois foi ela a agente da monstruosa operação que levou o Brasil às mãos de um genocídio.

O Judiciário deve desculpas ao Brasil, por ter promovido a maior farsa judicial da história, por meio da Lava Jato, que violou todas as regras do Estado de Direito. O Poder Judiciário, que não cumpriu seu papel de impedir o impeachment de Dilma, sem qualquer fundamento legal. Isso permitiu a prisão de Lula, sua condenação e o impedimento de ter sido eleito presidente do Brasil em 2018. Isso permitiu a vitória do genocídio por meio de uma farsa, que violou todas as regras do processo eleitoral.

Os grandes empresários, que só pensam no lucro fácil, por conta da especulação financeira, sem crescimento econômico, nem distribuição de renda, nem geração de empregos. Que preferem qualquer um, até o genocídio, desde que o PT não volte a reinar para todos os brasileiros, principalmente para os mais necessitados. Que financiem as piores campanhas, os piores candidatos, desde que privatizem empresas, que não limitem o poder econômico dos bancos privados e que as desigualdades continuem aumentando no Brasil.

Demoraria muito para alinhar todos aqueles que, por ação ou omissão, permitiram ao Brasil chegar à catástrofe humanitária que vive hoje. O Brasil nunca foi um paraíso, mas se tornou o melhor de todos os purgatórios possíveis e agora está transformado no inferno.

Vão pedir desculpas ao Brasil e, para mostrar que lamentam muito ter conduzido o país a este desastre humanitário, trabalhar com todas as suas forças para que, todos unidos, possam tirar o Brasil da lama em que se encontra?

Ou continuarão a lamentar que o país seja entregue a um genocídio e suas milícias, como se eles não fossem os responsáveis ​​por isso?

Quem vai pedir desculpas ao Brasil?

(Retirado da página 12)

González: Bolsonaro sente em primeira mão seus erros sobre a pandemia

O presidente do Brasil queria ser uma cópia de Donald Trump no manejo do COVID-19 e agora ele percebeu suas más decisões a respeito, diz um analista.

“Jair Bolsonaro já está começando a sentir isso em primeira mão pelas decisões mal tomadas em relação [à nova pandemia de coronavírus, que causa] COVID-19, emulando [o presidente cessante dos EUA] Donald Trump. Ele queria ser uma cópia, uma reflexão exata e não estava muito longe de tudo isso ”, disse o analista internacional Aníbal González nesta quarta-feira em entrevista à rede HispanTV.

HRW: Bolsonaro “sabota” medidas de saúde contra COVID-19

Abordando a má gestão de Bolsonaro da mortal pandemia, que até agora deixou 1.984.134 mortos no Brasil, o especialista enfatizou que o presidente de extrema direita e seu homólogo americano, “com narcisismo, egoísmo, arrogância e um ego tão elevado”, eles cometeram os mesmos erros ao lidar com COVID1-19 em seus respectivos países.

NYT: Trump e Bolsonaro prejudicaram a resposta da LATAM ao COVID-19

O analista acrescentou que o “maior erro” do presidente brasileiro foi colocar um ministro da Saúde que não estivesse qualificado para exercer tal cargo e que “não tenha o menor conhecimento na área da saúde”.

Ministro de Salud de Brasil: Desconozco sistema sanitario del país | HISPANTV
Ministro da Saúde do Brasil: Não conheço o sistema de saúde do país | HISPANTV
O ministro da Saúde do Brasil, Eduardo Pazuello, admite não ter conhecimento do sistema de saúde de seu país e faz um pedido geral de demissão.

Desde o início da pandemia do coronavírus, Bolsonaro e Trump foram acusados ​​de não garantir a saúde de seus povos em meio ao surto viral.

O ainda inquilino da Casa Branca sugeriu a possibilidade de atacar o vírus injetando desinfetante no corpo e pediu a redução do número de exames diagnósticos para o coronavírus para não “encontrar mais casos”.

Bolsonaro, por sua vez, rejeitando a eficácia das vacinas contra COVID-19, disse em dezembro passado que, se alguém se tornar um “crocodilo” após ser vacinado, terá que lidar, ignorou repetidamente a quarentena e foi às ruas sem máscara, entre outros atos irresponsáveis.

Bolsonaro: A vacina COVID-19 pode transformar as pessoas em “jacarés”

Muitos setores do Brasil denunciaram o Bolsonaro perante diferentes organismos internacionais, como o Tribunal Penal Internacional (TPI), por sua incapacidade de administrar o COVID-19.

Fonte: HispanTV Noticias

shz / anz / mjs

2021, enfim os povos: dever de memória e ação #coronavirus,

Por Federico Mayor Zaragoza

O confinamento pela Covid-19 esclareceu muitas coisas. Tem sido preocupante. E agora, dever da memória, é imperativo não esquecer. E perceber que é chegado o momento – depois de séculos de silêncio e submissão, podemos agora nos expressar livremente – de participar, de ouvir e conciliar, de agir, de construir um futuro diferente, de superar o imenso poder da mídia, considerando-a como um terrível “arma de grande distração”, segundo a feliz expressão de Soledad Gallego.

Enfim, a voz dos “povos”, e de todos – este é o grande avanço e a grande oportunidade – iguais em dignidade, seja qual for seu gênero, ideologia, crença, etnia … Enfim, a voz dos povos que tenham nas mãos as rédeas da governança mundial, hoje cativos dos grupos plutocráticos (G-6, G-7, G-8, G-20), dependentes, por sua vez, dos imensos consórcios que, Em escala global, eles nos zelam, nos dominam, nos condicionam … Os mesmos gigantes tecnológicos que nos permitiram nos expressar livremente agora nos impedem de fazê-lo para redirecionar as tendências sombrias atuais.

Teremos que viver muito despertos e diligentes para que os tempos pós-Covid não sejam os mesmos que pré-Covid, para que o “novo normal” não seja o “normal” de antes. Devemos ler e reler, ouvir e ouvir de novo, os preciosos versos de Mario Benedetti em “Quando a tempestade passa”, recitados com maestria por Nacha Guevara: “… E então vamos lembrar tudo que perdemos / e de uma vez aprenderemos / tudo o que não aprendemos ”.

Pela primeira vez na história, as ameaças são globais e algumas potencialmente irreversíveis. Sei muito bem o que significa a expressão mais terrível: “já não tem remédio”, porque em 1967 comecei a fazer testes em neonatos para o diagnóstico de doenças metabólicas que, se não tratadas a tempo, afetam o funcionamento neuronal de tal maneira que há uma deficiência grave sem retorno. No início, poderíamos evitar meia dúzia de distúrbios. Depois foi ampliado e atualmente com o “teste do calcanhar” já podem ser evitadas cerca de 30 patologias … que estamos tentando ampliar através da genômica …

É na saúde e, sobretudo, em processos irreversíveis, nos quais se deve investir grande parte dos exorbitantes fundos que hoje se dedicam à defesa do território … enquanto os habitantes destes territórios bem protegidos carecem de alimentos, de água potável, serviços de saúde de qualidade, mídia educacional …

Não me canso de repetir que é intolerável que milhares de pessoas morram de fome todos os dias, a maioria meninas e meninos entre um e cinco anos de idade, enquanto mais de 4.000 milhões de dólares são gastos em armas e gastos militares. É moralmente necessário um novo conceito de segurança que permita, já era tempo, ir da razão da força à força da razão, do perverso adágio secular de “se queres a paz prepara a guerra” a “se queres a paz prepara-te a palavra ”, mediação, diálogo.

E é que a paz é o reflexo de um comportamento cotidiano, de uma educação que permite que todos aprendam a ser “livres e responsáveis”, conforme estabelece o artigo primeiro da Constituição da Unesco, e a poder exercer plenamente os poderes distintivos da espécie humana. : pense, imagine, antecipe, inove, crie! Cada pessoa capaz de exprimir as suas próprias opiniões e não obedecer a ordens de ninguém, ou seguir orientações dogmáticas, fanáticas, supremacistas …

Trata-se de mudar-se para entrar em uma nova era, em que a grande fórmula, então prematura, de Franklin Delano Roosevelt no final da Segunda Guerra Mundial, consagrada no início da Carta das Nações, já pode ser posta em prática. Unidos: “Nós, os povos, … resolvemos poupar as gerações futuras do horror da guerra.”

Mas só os Estados fizeram parte da Assembleia Geral … e com cinco vetos (os vencedores do concurso). As grandes potências ignoraram repetidamente os avisos de cientistas que os lembravam da necessidade de cuidar da biosfera (UNESCO, desde 1949; os limites do crescimento, Clube de Roma 1972; limitar as emissões de CO2 e outros gases com “efeito estufa” e a deterioração do fitoplâncton marinho, essencial para sua recaptura, US Academy of Sciences 1979, e Agenda 21, elaborada com grande precisão na 1ª Cúpula da Terra, Maurice Strong, Rio de Janeiro 1992, o “roadmap perfeito “Pelo Antropoceno representado pela” Carta da Terra “, 2000 e a 2ª Cúpula de Joanesburgo, 2002) …

Governança plutocrática neoliberal, iniciada por Reagan no final dos anos 1980 com o G-6 e posteriormente expandida para o G-7, G-8 … e finalmente o G-20 devido à crise financeira de 2008, progressivamente marginalizado ao multilateralismo e voltando todas as atenções para o PIB, ampliando constantemente a brecha social, consentindo e utilizando os paraísos fiscais, adiando como fatos irremediáveis ​​o tratamento adequado do narcotráfico e da corrupção … O “grande domínio” (militar, econômico, energético, mídia) chegou a desobedecer ao Conselho de Segurança ao invadir o Iraque com base na suposição e na mentira …

E então, sempre deixando as Nações Unidas de lado, abordou a “Primavera Árabe” de forma interessada e errática … Era preciso que os Estados Unidos elegessem um presidente democrático da qualidade de Barack Obama para isso outono de 2015 uma pausa de esperança com a assinatura dos Acordos de Paris sobre Mudanças Climáticas e a Resolução das Nações Unidas “para transformar o mundo” por meio da implementação da Agenda 2030 (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) …

Durou muito pouco: poucos meses depois, o incomum presidente Donald Trump proclamou, recém-nomeado, que não cumpriria os acordos adotados por seu antecessor. E, além disso, para reforçar sua atitude anticientífica, acelerou a obtenção de petróleo pelo processo altamente poluente de “fracking”. Diante de todas essas decisões e atitudes intoleráveis, o mundo ficou em silêncio. E a União Europeia, que tanto tinha a dizer e contestar, o silêncio.

Todos os espaços ocupados pelos mercados, todos os índices, o PIB e os mercadores condicionando as decisões políticas na América Latina e em outros lugares, e explorando os depósitos de todos os tipos de recursos (combustível, lítio, coltan …) durante a privatização abertamente ou veladamente, essencialmente serviços públicos e negociados com o que nunca deveria ter sido mercadoria.

No turbilhão global do neoliberalismo, tudo havia sido esquecido … e boa parte da cidadania foi sequestrada, principalmente pelas redes sociais, participando de uma corrida de consumo e abstração que só recebia anúncios de vez em quando, cujo impacto diminuía rapidamente , que alertava sobre os emigrantes afogados no Mediterrâneo ou que foram abandonados à sua sorte em ignominiosos campos de concentração … ou sobre as filas que se formaram na sua própria “rica” ​​cidade para quem falta de tudo, até mesmo um telhado … ou as democracias castigadas que permitiam as mais diversas formas de fanatismo, xenofobia …

E então o coronavírus chegou. E o que teria sido mais uma epidemia na longa e densa história da humanidade, tornou-se uma pandemia devido à improvável mobilidade dos cidadãos globais … a tal ponto que países como a Espanha se tornaram simples destinatários de turistas … se mudando para em grande parte sua própria produção e prestando atenção apenas aos índices do mercado de ações. E sindicatos regionais, ineficientes e irrelevantes, quando eram mais necessários no conselho global.

A própria União Europeia tornou-se uma união monetária simples, sem apoio e precariamente democrática (as decisões devem ser tomadas por unanimidade! E a unanimidade é a antítese da democracia) … Nas sessões de abertura da ONU, apenas dois Estados europeus – França e Espanha – defenderam o multilateralismo sem ambigüidade …

Com o confinamento, os “povos” puderam refletir e valorizar o que tinham e o que queriam … E perceber o que realmente importa …. Eles finalmente tiveram a serenidade necessária para poder discernir o que é essencial. E agir com temperança, sem vínculos ou, sobretudo, paixão e pressão que conduzam ao desprezo pelo “outro”.

E também a cidadania retida em casa se pergunta, entre outras coisas, como pode ser tolerado que a justiça seja feita por juízes claramente enviesados ​​em favor de uma ideologia ou outra … Como pode ser, eles se perguntaram, que em países como os EUA e A Espanha fala naturalmente de juízes “conservadores” e “progressistas” quando a justiça deveria ser uma referência de imparcialidade e independência?

Sim, muitos foram os que se deram conta da “globalização da ignorância e da pobreza” em que se imergiram, tornando-se espectadores impassíveis em vez de “atores ativos”. Em janeiro de 2021, o percentual dos que alertaram que, pela primeira vez, têm voz já é alto.

E que já podem promover grandes gritos presenciais e no ciberespaço, de tal forma que são “os povos” que “resolvem impedir as gerações futuras do horror” da deterioração da qualidade de vida na Terra, da dor, dos fanatismo, animosidade … Aprecie as inúmeras coisas boas que a informática trouxe e tenha um cuidado especial para que a inteligência “artificial” esteja sempre a serviço do ser humano, do qual é fruto, e não o contrário.

Voz dos povos e dever de memória para, juntos, iniciarmos uma nova era. Ciente de que cada ser humano pode antecipar e! Criar! Agora é possível inventar o futuro. A solução é detectar flashes de luz, com perseverança, em nunca desistir. Na minha vida tem sido muito importante lembrar aquele grito de “Presidente, não si renda!” de um jovem italiano no final de um encontro sobre o direito à alimentação que presidiu em Roma no início do século XX.

Todos votaram a favor … exceto os representantes do presidente Bush Jr. O mesmo aconteceu em 1989 com Bush pai na Convenção sobre os Direitos Humanos da Criança. O único país do mundo que se recusou a reconhecer o valor supremo de cada criança. Enquanto mantiver sua hegemonia, a ameaça nuclear não pode ser eliminada e bilhões continuarão sendo investidos por dia em armas e gastos militares. E ainda não haverá dinheiro para o desenvolvimento endógeno e cuidados de saúde para uma vida digna. E para que os cientistas possam projetar o futuro diferente que ainda está para ser feito.

Voz dos povos participando ativamente da governança multilateral, atuando sempre de acordo com a Agenda 2030, “mudar rumo e navio”, conforme recomendado por José Luis Sanpedro aos jovens de 15-M.

“Temos que mudar de rumo”, Edgar Morin acaba de escrever, com quase cem anos. No caminho certo e estilo de vida. Como seria maravilhoso se este fosse o filho da Covid-19! Agora já sabemos que é possível porque, nos versos de Maria Novo: “Aprendemos o valor da reflexão e do tempo. / Unamos com eles a paz de cada dia ”. 4 de janeiro de 2021.

  • Doutor em Farmácia pela Universidade Complutense de Madrid (1958), foi professor em diversas universidades espanholas e ocupou vários cargos políticos, entre outros o de Ministro da Educação e da Ciência (1981-82). Entre 1987 e 1999 foi Diretor Geral da Unesco. Atualmente é presidente da Fundação para uma Cultura de Paz. Texto enviado a Outras Notícias pelo gabinete do autor em 4 de janeiro de 2021.

O candidato à vacina Sovereign 01 Avança

Por: Yaima Puig Meneses

O presidente cubano Miguel Díaz-Canel com o diretor geral do Finlay Vaccine Institute, Dr. Vicente Vérez Bencomo: Foto: Estudios Revolución

O Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, visitou o Finlay Vaccine Institute na tarde desta sexta-feira, onde recebeu uma atualização sobre os ensaios clínicos de Soberana 01, a primeira vacina candidata cubana contra COVID-19.

O Dr. Vicente Vérez Bencomo, líder deste esperançoso projecto de investigação e director geral desta prestigiada instituição científica, garantiu que se avançam no ensaio clínico das duas primeiras formulações da vacina, que já têm a segunda dose aplicada e apresentam um grande segurança.

O trabalho da nossa equipa não para -afirmou- e surgem constantemente evidências científicas que são avaliadas com atenção.

Com base em resultados internacionais recentes de diferentes ensaios clínicos, uma diferença muito grande foi observada entre a resposta em animais e em humanos, o que nos levou a desenhar várias formulações da vacina para poder avaliar sua resposta imune e decidir qual será a ótimo para usar, detalhado.

Durante o encontro, Vérez Bencomo comentou os avanços obtidos em animais com a aplicação da vacina candidata Soberana 2, o que nos permitirá solicitar ao Órgão Regulador de Medicamentos, Equipamentos e Dispositivos Médicos (CECMED) que inicie seus ensaios clínicos durante o mês de outubro.

O pesquisador afirmou que a equipe de trabalho aspira avançar nos estudos sobre a resposta imunológica antes do final deste ano e mantém o propósito de começar a vacinar a população cubana durante o primeiro semestre de 2021.

Referindo-se à segurança de nossas vacinas candidatas, ele ressaltou que elas se baseiam em plataformas de tecnologia de vacinas já existentes e testadas em milhões de doses.

Depois de aplicar a segunda dose do Soberana 01 em 40 voluntários, destacou, “os resultados confirmam que os efeitos adversos são mínimos”.

Como parte do intercâmbio, Eulogio Pimentel Vázquez, diretor geral do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB), fez referência a outras vacinas candidatas que se desenvolvem naquela distinta instituição da ciência cubana.

O presidente Díaz-Canel qualificou de “muito animador” o que se conseguiu até agora nesses projetos de vida que, embora requeiram tempo para sua consolidação, ratificam as contribuições da ciência cubana para o enfrentamento da COVID-19. no país.

No encontro, Vérez Bencomo comentou os avanços obtidos em animais com a aplicação da vacina candidata Soberana 2. Foto: Estudios Revolución
O presidente Díaz-Canel descreveu os resultados obtidos até agora com esses projetos como “muito encorajadores”. Foto: Revolution Studios
El Presidente de la República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, visitó en la tarde de este viernes el Instituto Finlay de Vacunas Foto: Estudios Revolución.
Dr. Vicente Vérez Bencomo, líder deste promissor projeto de pesquisa e Diretor Geral do Finlay Vaccine Institute. Foto: Estudos da Revolução.

(Retirado da presidência cubana)

Cães treinados seriam úteis para detectar Covid-19, diz especialista cubano

A maioria dos experimentos realizados em outras nações usou o suor para testes com cães, pois não é considerado infeccioso

Perros policías

O médico veterinário pastor Alfonso Zamora garantiu que cães treinados são capazes de detectar o novo coronavírus.

Se nos atermos aos estudos publicados, é bem possível que identifiquem a doença COVID-19, causada pela síndrome respiratória aguda grave SARS-CoV-2, afirmou em declarações exclusivas à Agência Cubana de Notícias.

Eles têm sido usados ​​com sucesso na localização de inúmeras doenças, disse ele à agência, como a detecção de alguns tipos de câncer (mama, próstata, sangue), infecções na urina ou até problemas de açúcar no sangue.

O também Pesquisador Sênior, chefe do Grupo de Epidemiologia da Diretoria de Saúde Animal, do Centro Nacional de Sanidade Agropecuária (CENSA), da província de Mayabeque, citou casos de projetos para descobrir a pandemia na Alemanha, Chile e Espanha.

As aplicações e vantagens dessa classe de cães treinados seriam enormes, desde controlar o acesso a equipamentos públicos, como aeroportos ou metrôs, até ajudar no laborioso e lento processo de testar grandes populações, explicou.

Em relação às especificidades dessa habilidade canina, o especialista respondeu ao ACN que a detecção pode ser realizada pelo seu olfato apurado, já que a maioria dos experimentos realizados utilizou o suor para testes, por não ser considerado infeccioso para COVID-19 .

No entanto, a pesquisa não foi capaz de descobrir exatamente quais compostos os cães descobrem, uma vez que os orgânicos voláteis são uma mistura grande e complexa, eu indico.

A esse respeito, ressaltou a possibilidade de que não detectem um indivíduo, mas uma soma específica deles, que ainda não se conhece, especificou.

Um artigo publicado em junho no repositório BioRxiv (sem revisão por pares ainda) concluiu que “há evidências muito altas de que o cheiro de suor das axilas de pessoas infectadas com COVID-19 é diferente, e que os cães podem detectar a uma pessoa infectada com o vírus SARS-CoV-2 ».

Com informações da ACN.

Transferência do projeto de resolução contra o bloqueio contra Cuba à Assembléia Geral da ONU transferida para maio de 2021

Todos os anos, Cuba apresenta na Assembléia Geral uma resolução condenando o bloqueio dos Estados Unidos. Foto: ONU Continuar a ler “Transferência do projeto de resolução contra o bloqueio contra Cuba à Assembléia Geral da ONU transferida para maio de 2021”

De usar máscaras faciais a abrir escolas, por que as correções controversas de Trump devido à pandemia

Após meses de críticas, o presidente decidiu usar máscaras recentemente. Foto: Getty

É como se ao assumir a presidência dos Estados Unidos, em janeiro de 2017, Donald Trump tivesse recebido um carro novo e brilhante, o melhor e mais bonito que já foi visto. E que somente em julho de 2020 ele teria percebido algo importante: tem um reverso. Continuar a ler “De usar máscaras faciais a abrir escolas, por que as correções controversas de Trump devido à pandemia”

%d bloggers like this: