Venezuela enviará ajuda a Cuba por danos do Hurricane Ian

O presidente Nicolás Maduro ressaltou que seu país sempre estará ao lado de Cuba para apoiar sua população e governantes.

Após os danos causados ​​pelo furacão Ian na província cubana de Pinar del Río, o presidente venezuelano Nicolás Maduro expressou sua solidariedade ao governo e ao povo de Cuba e anunciou a entrega imediata de ajuda à ilha caribenha.

“Todo o apoio e solidariedade da Venezuela, para irmos imediatamente ao povo de Pinar del Río, no oeste de Cuba, pelos estragos que este furacão causou esta manhã”, disse o chefe de Estado venezuelano. de La Guaira, no norte do país.

O presidente Maduro destacou que “Cuba e Venezuela são uma única pátria, um único povo” e acrescentou que seu país estará sempre ao lado da ilha caribenha para apoiar sua população e governantes.

O furacão Ian atravessou a província de Pinar del Río durante as primeiras horas da terça-feira com uma categoria três na escala Saffir-Simpson, ventos sustentados de mais de 200 quilômetros por hora e fortes chuvas que causaram inundações.

Em seu caminho, Ian causou danos que afetaram o serviço elétrico cubano, causando a suspensão do serviço elétrico em grande parte do território.

Imagens divulgadas nas redes sociais mostraram danos em residências, agricultura, energia elétrica e telefonia, entre outros.

Ao verificar os danos causados ​​pelo furacão Ian, o presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, reuniu-se com as autoridades locais e trocou com a população, a quem transmitiu a confiança de que o país fará os esforços necessários para reparar os danos.

“É uma injustiça”: Gustavo Petro pede aos Estados Unidos que retirem Cuba da lista de países que promovem o terrorismo

O presidente Gustavo Petro destacou o papel de Cuba no restabelecimento das negociações com o ELN – Foto: Javier Barragán / Revista Semana

O presidente Gustavo Petro juntou-se nesta quinta-feira às vozes que pedem ao governo dos Estados Unidos que retire Cuba da lista de países que promovem o terrorismo, status no qual a ilha foi incluída por decisão do ex-presidente Donald Trump.

A declaração do chefe de Estado colombiano foi feita após tomar conhecimento de uma carta assinada por 80 congressistas colombianos de partidos progressistas, especialmente do Pacto Histórico, na qual pedem ao governo Joe Biden que retire Cuba desta “lista negra”.

A carta enviada em 21 de setembro é endereçada à vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, além da presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e Csaba Korösi, presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas.

Nesse sentido, Petro afirmou que ter Cuba nesta condição de país que promove o terrorismo é “uma injustiça internacional”.

O presidente colombiano explicou que durante as negociações de paz com o ELN no governo de Santos, Cuba se ofereceu “de boa vontade” para servir de palco para as negociações e alguns protocolos foram assinados para eles.

“Mas depois, quando o governo Duque decidiu sabotar o processo de paz levado a cabo por Santos, durante o governo de Donald Trump, acusaram Cuba de se ter oferecido para acolher as negociações e colocaram-no nessa lista”, afirmou Petro.

O chefe de Estado assegurou: “Reabrimos essas negociações, reabrimos os protocolos”.

Por isso, pediu ao governo de Joe Biden que retire Cuba desta lista para que “cesse essa injustiça internacional”.

“Pedimos ao governo dos Estados Unidos que pare com essa injustiça cometida entre o governo de Duque e Trump, porque a única coisa que Cuba fez foi oferecer um espaço para que um processo de paz pudesse ser finalizado”, explicou Petro.

Desta forma, o presidente colombiano se junta ao pedido dos 80 congressistas colombianos que veem “com preocupação que um país que há anos é garantidor dos acordos de paz na Colômbia tem sido chamado de país patrocinador do terrorismo pelo governo dos Estados Unidos. Ingressou”.

Na carta, os legisladores de partidos alternativos acrescentam que “Cuba provou ser um Estado amigo do povo colombiano, por meio de seu apoio à construção da paz em nosso país e em vários campos do desenvolvimento social, como saúde e educação. educação. “.

A comunicação também deixa claro que o presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, ratificou sua vontade de continuar trabalhando pela paz, para isso ofereceu seu país como um local alternativo para as negociações do processo de paz com o ELN. sua experiência como garantidor do acordo entre os guerrilheiros das FARC e o governo de Juan Manuel Santos.

“A inclusão de Cuba na lista de países que patrocinam o terrorismo internacional levou ao fechamento de qualquer possibilidade de financiamento no mercado mundial, aumentando as carências e dificuldades de acesso da sociedade cubana aos recursos básicos”, afirma a carta.

Imediatamente acrescentaram que fazer parte da lista negra dos Estados Unidos “é uma declaração injusta que não só ameaça os direitos humanos do povo cubano, mas também ameaça, ao mesmo tempo, as aspirações de paz em nosso país”.

A carta já gerou reações. O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, disse: “Profunda gratidão aos mais de 80 congressistas colombianos por esta iniciativa, solicitando que #Cuba seja removido da lista de Estados que patrocinam o terrorismo pelo governo dos EUA, onde nunca deveria estar. Ratificamos nosso compromisso invariável com a paz na #Colombia.

Cubadebate

Cuba não aceita notas de 20 e 50 libras retiradas pela Inglaterra

Desde 19 de setembro, Cuba não aceita notas de 20 e 50 libras esterlinas, as únicas de seu cone monetário que circulam atualmente em papel, que foram retiradas de circulação pelo Banco Central da Inglaterra.

O Banco Central de Cuba, em seu site, informa que a Inglaterra tomou a decisão de aplicar essa medida a partir de 30 de setembro.

De acordo com o jornal Excelsior, o Banco da Inglaterra estimou que aproximadamente 7 bilhões de notas de papel de 20 libras e 10,5 bilhões de notas de 50 libras permaneceram em circulação.

“Nos últimos anos, mudamos nossas notas de papel para polímero, porque esses designs são mais difíceis de falsificar, além de mais duráveis”, disse o chefe do Banco da Inglaterra.

Se após a data os bilhetes em papel ainda estiverem guardados, já não podem ser utilizados em lojas ou estabelecimentos comerciais; no entanto, muitos bancos no país os aceitam apenas para depósito, assim como alguns correios, diz Excelsior.

Billetes de 20 y 50 Libras Esterlinas que ya no se aceptan en Cuba Foto: Banco Central de Cuba
Billetes de 20 y 50 Libras Esterlinas que ya no se aceptan en Cuba Foto: Banco Central de Cuba

GRANMA

Os laços entre Cuba e Vietnã são baseados na amizade de seus líderes históricos

Foto: Ariel Cecilio Lemus

Autor: Nuria Barbosa León

Ontem, o membro da Secretaria do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba (PCC) e chefe de seu Departamento Ideológico, Rogelio Polanco Fuentes, recebeu o vice-ministro de Assuntos Internos do Vietnã, Vu Chien Thang, que o informou da desejo de aprofundar as relações entre os dois países.

Polanco Fuentes lembrou a simbologia da data, já que há 49 anos o comandante em chefe Fidel Castro Ruz visitou a nação indochinesa pela primeira vez, e em 2023 serão realizadas várias atividades para evocar o meio século do evento.

Ele atualizou o visitante sobre a situação em Cuba, e disse que o fortalecimento dos laços fraternos entre as duas partes se baseia na amizade mantida entre os líderes Ho Chi Minh e Fidel Castro e Raúl Castro.

Vu Chien Thang solicitou enviar uma saudação ao Primeiro Secretário do PCC e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, em nome da liderança de seu Partido e de seu Governo. Ratificou também a posição de continuar a fortalecer as relações exemplares de fraternidade, amizade tradicional e solidariedade fiel.

A delegação vietnamita cumpre uma intensa agenda de trabalho, que começou em 19 de setembro, com uma homenagem ao herói Ho Chi Minh, no parque de Havana com o mesmo nome, e até amanhã visita locais de interesse socioeconômico.

Foto: Ariel Cecilio Lemus
Foto: Ariel Cecilio Lemus

granma

Outro do bloqueio: os Estados Unidos obrigam os portadores de visto europeu que visitam Cuba a solicitar um visto daquele país

Europeus e cubanos com dupla nacionalidade que tenham viajado a Cuba devem solicitar um visto de entrada antes de visitar os Estados Unidos, de acordo com as disposições do governo daquele país.

Os cidadãos da União Europeia estão geralmente isentos de visto e só precisam de uma autorização de entrada que podem solicitar no
linha no portal do Sistema Eletrônico de Autorização de Viagem (ESTA, na sigla em inglês).

No entanto, como parte das ações para reforçar a hostilidade e o bloqueio contra Cuba, uma visita ao país caribenho complicaria o processo.
“Se for constatado que um viajante visitou um país designado como Estado Patrocinador do Terrorismo, o viajante não será mais elegível para participar do Programa de Isenção de Vistos e deverá solicitar um visto para entrar nos Estados Unidos”, alerta o portal. da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA (CBP).

Recentemente, o Ministério das Relações Exteriores da Espanha compartilhou informações relevantes sobre a medida pouco conhecida. Seu site diz que os requisitos são “aplicáveis ​​mesmo para viagens feitas a Cuba e aos EUA separadamente e de maneiras diferentes”.
momentos”.

O Ministério informou que as pessoas devem solicitar um visto no Consulado Geral ou Seção Consular da Embaixada dos Estados Unidos em seu local de residência. Turistas da Espanha, Alemanha, França e Itália fazem parte do maior fluxo de viajantes europeus que Cuba recebe, segundo os dados mais recentes publicados pela Tourism Analytics.

A medida que impacta o turismo norte-americano se deve ao fato de Cuba ter sido falsamente designada como Estado Patrocinador do Terrorismo pelo
administração do ex-presidente Donald Trump. O governo de Joe Biden, em maio passado, voltou a incluir a ilha na lista negra junto com países como Venezuela, Irã, Coreia do Norte e Síria.

A classificação recebeu duras críticas de cidadãos e figuras políticas cubanas. “Mesmo conversando com funcionários do
(EUA), eles não vêem razão para que Cuba esteja na lista. Afirmam que é politicamente difícil para eles”, alegou o
Vice-ministro das Relações Exteriores de Cuba, Carlos Fernández de Cossío, referindo-se ao governo dos EUA

(Com informações)

Lula tem camisa de futebol de Cuba

Lula da Silva com a camisa do futebol cubano. Foto: Jit

O ex-presidente do Brasil e candidato novamente ao cargo, Luiz Inácio Lula da Silva, recebeu uma camisa do time de futebol cubano enviada pelo Primeiro Secretário do Partido Comunista e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez.

A peça, também apresentada em nome do Inder e da Associação Cubana de Futebol (AFC), foi entregue por Marcos Bocatto, experiente técnico do Sindicato dos Treinadores do Brasil.

Conforme relatado por Jit, Bocatto ministrou vários cursos em Cuba em maio passado, como parte de um grupo de especialistas. Este projeto foi patrocinado pelo Landless Movement, da gigante sul-americana.

“O gesto nada mais é do que um gesto de agradecimento a Lula, ao qual se une estreitas relações de amizade com Cuba”, reconheceu a Jit o presidente da AFC, Oliet Rodríguez Méndez.

«Para nós é muito significativo que Lula tenha uma camisa nossa. Estamos honrados por você ter recebido com prazer e gostaríamos que você o guardasse como um ato de gratidão, depois da ajuda oferecida e da troca para melhorar o futebol cubano”, acrescentou o técnico.

Granma

Cuba prioriza a eliminação de substâncias nocivas da camada de ozônio

Foto: Ilustrativa

Autor: Orfilio Peláez

O Dr. Nelson Espinosa Pena, diretor do Escritório Técnico de Ozônio (OTOZ), pertencente ao Centro de Gestão da Informação e Desenvolvimento Energético (Cubaenergía), da Agência de Energia Nuclear e Tecnologias Avançadas, disse ao Granma que, desde 2021, o país entrou a fase final do programa que visa a eliminação progressiva dos hidroclorofluorcarbonos

Signatária da Convenção de Viena e do Protocolo de Montreal (que os ratificou em 1992), e suas emendas posteriores, incluindo a mais recente Kigali, em 2019, Cuba cumpre rigorosamente os compromissos de reduzir gradualmente o uso de substâncias que destroem a camada de ozônio.

Com conclusão prevista para 2030, a sua implementação exige a procura de gases refrigerantes alternativos sem HCFC, juntamente com a introdução e generalização de novas tecnologias.

A Dra. Espinosa Pena destacou que o país conseguiu a substituição completa do gás refrigerante R-141b, na produção de espumas de poliuretano, utilizadas na fabricação de painéis isolantes para construção civil, equipamentos de refrigeração e recipientes de medicamentos que requerem manutenção de certa temperatura, o que contribui para a proteção da camada de ozônio.

Para isso, afirmou, foi necessário levar a cabo um processo de reconversão tecnológica nas cinco fábricas dedicadas a esta linha produtiva, conseguindo erradicar o consumo de 121,33 toneladas de R-141b no ano passado ano

Isso representa parar a emissão de grandes quantidades de dióxido de carbono para a atmosfera, um dos gases que mais contribui para o aumento da temperatura média da Terra e para a acidificação dos oceanos.

As plantas beneficiadas com o referido investimento são a unidade básica de negócios (UEB) 5, da Companhia Refrigeração Caribe, a UEB Laminado Cometal (Lamcomet), a Companhia de Produção de Equipamentos de Refrigeração, a Companhia de Produção de Aparelhos Industriais e o Centro de Desenvolvimento Automotivo, da do Ministério da Indústria do Ferro e do Aço.

Também destacam a eliminação total dos clorofluorcarbonos na refrigeração doméstica e comercial, a substituição desses compostos na fabricação de aerossóis farmacêuticos e a supressão completa do brometo de metila na fumigação de canteiros de tabaco, hortaliças protegidas, flores, plantas ornamentais e café viveiros.

Também foi excluída a sua utilização para o mesmo fim em armazéns e instalações da indústria de moagem, que armazenam arroz, feijão e outros produtos alimentares.

O Dr. Espinosa Pena destacou que, até o momento, mais de 4.000 técnicos e mecânicos foram treinados em todo o país em boas práticas de refrigeração, incluindo alunos de escolas tecnológicas, enquanto o número de fiscais alfandegários treinados em manuseio de refrigeração está aumentando. no país para a importação e exportação de substâncias nocivas.

Cuba é um dos poucos países em desenvolvimento que possui uma planta de destruição de substâncias que destroem a camada de ozônio, instalada na fábrica de cimento Siguaney, na província de Sancti Spíritus. Este esforço é também um reconhecimento do Dia Mundial da Proteção da Camada de Ozono, celebrado ontem.

Granma

Cuba concentra esforços no avanço de candidatos a vacina contra dengue

Foto: Retirada do Facebook da Biocubafarma

Cuba concentra esforços no avanço de candidatos a vacinas que induzam a resposta imune celular contra os quatro sorotipos do vírus da dengue, estratégia que foi verificada ontem no Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB) por Eduardo Martínez Díaz, presidente da BioCubaFarma, segundo o perfil do Facebook dessa organização.

Martínez Díaz havia dito ao Granma que, no caso dessas vacinas, como existem quatro sorotipos, é importante que protejam contra todos eles, o que dificulta um pouco sua efetiva realização, embora se trabalhe em várias linhas e estratégias de desenvolvimento .

Há muito que se trabalham vários projetos relacionados com esta doença, que, explicou o responsável, têm sido acelerados a pedido do Primeiro Secretário do Partido e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez.

O especialista explicou que a pesquisa está sendo realizada pelo cigb com o Instituto Pedro Kourí de Medicina Tropical (IPK), e destacou que eles têm trabalhos baseados em bioinformática e no estudo da interação do vírus com seu receptor. É a partir desse conhecimento que estão sendo desenhadas moléculas com efeito antiviral específico contra a dengue; que impedem, por exemplo, a entrada do vírus na célula.

Em uma recente reunião do grupo de trabalho temporário para a prevenção e controle da COVID-19 e da dengue, a doutora em ciências María Guadalupe Guzmán Tirado, diretora do Centro de Pesquisas IPK, destacou que os cientistas cubanos dedicaram décadas de trabalho a essa doença e fizeram contribuições para o mundo na luta contra a doença.

Ele acrescentou que as Grandes Antilhas tiveram um papel fundamental na nova classificação feita pela Organização Mundial da Saúde (OMS) da dengue, com e sem sinais de alerta, visando evitar que o paciente piore.

granma

Assembleia Nacional do Equador aprova resolução condenando bloqueio dos EUA contra Cuba

A Assembleia Nacional do Equador rejeita o bloqueio dos EUA contra Cuba. Com 75 votos a favor, 28 contra e 17 abstenções, os legisladores aprovaram uma resolução que condena este embargo econômico, comercial e financeiro. Além disso, exortam Washington a cessar imediatamente todas as medidas impostas contra Havana que descreveram como “a expressão máxima de uma política cruel e desumana”.

RT

O sinistro Matanzas e os abutres da internet

Foto: Vladimir Zayas

Enquanto continuam chegando mensagens de solidariedade e condolências de todo o mundo pelo terrível incidente ocorrido em Matanzas, os abutres do ódio contra Cuba, baseados em Miami ou Madri, desencadeiam sua nova campanha de terrorismo midiático contra Cuba.

Como era de esperar, e embora insistam em provar o contrário, não se preocupam com a dor dos familiares dos desaparecidos e das centenas de feridos, nem com o choque que o acontecimento causou na alma de toda a Ilha.

Os funcionários da Força-Tarefa, criada em 2018 pelo governo dos Estados Unidos para a subversão da internet contra Cuba, só estão interessados ​​em repetir, como um coro de papagaios, a essência da política editorial de sua mídia: culpar o governo revolucionário por todos os males e incitar —com apelos incessantes— a sair às ruas, ou o que dá no mesmo, ao caos social.

Os urubus da Internet, muitos deles formados por pessoas das universidades da “terrível ditadura” cubana, agora questionam, através da manipulação de vídeos e dos sentimentos reais de parentes, o heroísmo dos “jovens e inexperientes” bombeiros cubanos, que, afirmam, foram obrigados pela “ditadura” a enfrentar um incêndio de tal magnitude.

A mesma estratégia foi usada durante a campanha #SOSMatanzas, que levou aos motins do 11J, com estudantes de medicina que, segundo sua propaganda, o “regime” enviou vítimas de contágio pela pandemia para morrer.

O oportunismo covarde não respeita fronteiras éticas. Após o fracasso em usar uma pandemia global como arma de guerra contra uma ilha bloqueada pelo império mais poderoso da história, eles agora tentam fazer o mesmo com a tragédia que ocorreu na base do superpetroleiro Matanzas.

%d bloggers like this: