Posts Tagged With: Cúpula Celac no México

Cúpula Celac no México, a utopia da integração regional

Por: Cecilia González

O México assumirá a presidência da Comunidade de Estados da América Latina e do Caribe (Celac) em meio às divisões ideológicas e crises internas existentes na região e à preocupação global gerada pelo renovado confronto entre os Estados Unidos e o Irã.

A cúpula do Celac, que será realizada na próxima quarta-feira na Cidade do México, será mais uma tentativa de fortalecer a América Latina em um ano em que Donald Trump pretende se reeleger como presidente, mesmo à custa de uma nova guerra no Oriente Médio.

A reunião será liderada por Andrés Manuel López Obrador, presidente que não viaja para o exterior e deixou completamente a diplomacia internacional nas mãos de seu ministro das Relações Exteriores, Marcelo Ebrard, que em setembro passado fez o México suceder à Bolívia na presidência pro tempore do Celac. Evo Morales ainda governou e a possibilidade de um golpe contra ele nem apareceu no horizonte. Na Argentina e no Uruguai, as eleições presidenciais não foram realizadas. E o Chile, ainda sem protestos em massa, continuou sendo o exemplo favorito do neoliberalismo. Na Colômbia, o resultado das eleições regionais em outubro era desconhecido.

Nestes escassos quatro meses, o cenário regional mudou completamente.

Morales foi deposto em novembro e está isolado na Argentina, depois de passar um mês como refugiado na capital mexicana e em escala médica em Cuba. De Buenos Aires, mantém uma estratégia de superexposição e reconhece que está fazendo campanha com vistas às eleições programadas para 3 de maio. Ele confia no triunfo do Movimento do Partido Socialista (MAS), mas sem ele como candidato.

Cecilia González, jornalista e escritora.
Cecilia González, jornalista e escritora.
O apoio que Fernández e López Obrador prestaram a Evo Morales ganhou dois presidentes críticos de setores da oposição que, ansiosos por repudiar qualquer medida, validaram a violenta interrupção de um governo democrático.
Na Argentina, o candidato peronista Alberto Fernández venceu as eleições com um discurso progressista contrário ao seu antecessor, o conservador Mauricio Macri. No Uruguai, aconteceu o contrário: o candidato Luis Alberto Lacalle Pou recuperou para a direita o governo que a esquerda Frente Amplio manteve por 15 anos.

Uma das grandes surpresas foi o surto social no Chile, que terminou com a miragem construída em todo o país por tantos anos. Encurralado, com alegações de crimes contra a humanidade envolvidos, e na tentativa de impedir a queda precoce de seu governo, o Presidente Sebastián Piñera convocou um plebiscito a ser realizado em 26 de abril, apenas uma semana antes das eleições presidenciais. da Bolivia. Nesse dia, os chilenos terão que decidir se querem uma nova Constituição.

Na Colômbia, o mapa político foi reconfigurado após as eleições regionais, que demonstraram o cansaço dos cidadãos com a classe política tradicional. Hoje, Bogotá é governado pela primeira vez por uma mulher, Claudia López, que também é a primeira prefeita abertamente gay da América Latina. Sua nova posição e seu casamento com a senadora Angélica Lozano se tornaram um símbolo poderoso para neutralizar o progresso de grupos conservadores que têm no Jair Bolsonaro brasileiro e no governo de fato da Bolívia liderado por Jeanine Añez a duas de suas máximas e Expressões mais perigosas.

Lances
No rearranjo do conselho regional, as propostas que precedem a cúpula do Celac estão na ordem do dia.

Alberto Fernández e Andrés Manuel López Obrador criaram uma aliança de governos progressistas no extremo norte e sul da América Latina que tiveram seu primeiro resultado concreto e positivo na ajuda prestada a Evo Morales, desde as alegações de anomalias e supostas fraudes em A eleição boliviana não poderia justificar o golpe contra ele. Esse apoio rendeu aos dois presidentes críticos dos setores da oposição que, ansiosos por repudiar qualquer medida, validaram a violenta interrupção de um governo democrático.

Cecilia González, jornalista e escritora.
Cecilia González, jornalista e escritora.
A Venezuela é outra questão de conflito permanente em que México e Argentina promovem uma terceira posição: nem apoio a Nicolás Maduro, nem intervenção estrangeira para a resolução da já longa e complexa crise social, política, econômica e humanitária naquele país.
Também lhes rendeu perguntas por parte de Trump, que, com a habitual posição intervencionista dos EUA, agora quer condicionar acordos políticos e comerciais com o México e a Argentina, porque está insatisfeito com o apoio de Morales a esses países.

A Venezuela é outra questão de conflito permanente em que México e Argentina promovem uma terceira posição: nem apoio a Nicolás Maduro, nem intervenção estrangeira para a resolução da já longa e complexa crise social, política, econômica e humanitária naquele país.

A estratégia foi evidenciada após as irregularidades sofridas ontem na Assembléia Nacional, que tiveram que se reunir fora dos muros para reeleger Juan Guaidó, o autoproclamado presidente da Venezuela, como líder do corpo legislativo, posição que o chavista Luis Parra havia assumido algumas horas antes . É apenas uma das muitas anomalias institucionais de um Estado em que a democracia há muito tempo é desconsiderada.

Em resposta, a maioria dos países do Grupo Lima, cujo monotema é a Venezuela, denunciou novamente o “regime ditatorial de Maduro”. Argentina e México não assinaram essa declaração e escolheram pronunciamentos individuais que surpreenderam seu tom crítico, mas sem obedecer à narrativa condenatória imposta pela chamada “comunidade internacional” em torno da Venezuela.

O Ministério das Relações Exteriores do México fez votos para que a Assembléia Nacional possa eleger democraticamente seu Conselho de Administração e alertou que “o funcionamento legítimo do Poder Legislativo é um pilar inviolável das democracias”. O Ministério das Relações Exteriores da Argentina, entretanto, considerou o que aconteceu ontem como “inadmissível para a coexistência democrática” e pediu a recuperação da “normalidade democrática” e da proteção da independência de poderes na Venezuela o mais rápido possível. A Argentina reconheceu, assim, tacitamente, que o governo de Maduro não é democrático. Por ser candidato, Alberto Fernández já o qualificou como “autoritário”, sem ceder à pressão de chamá-lo de “ditadura”.

Cecilia González, jornalista e escritora.
Cecilia González, jornalista e escritora.
O cenário internacional é atravessado pela incerteza de uma nova guerra com a qual Trump aspira a ganhar votos suficientes para ser reeleito e pelo medo da resposta do Irã e de seus aliados.
Como se a turbulência regional não fosse suficiente, o mundo ficou chocado na semana passada depois que os Estados Unidos mataram com drones, em uma operação em Bagdá, Qasem Soleimani, o mais poderoso líder militar e político do Irã depois do aiatolá Ali Khamenei. Hoje, o cenário internacional é atravessado pela incerteza de uma nova guerra com a qual Trump aspira a ganhar votos suficientes para ser reeleito e pelo medo da resposta do Irã e de seus aliados.

Além dos discursos públicos e oficiais, a cúpula do Celac também será manchada não oficialmente pela grade diplomática em torno da eleição da nova Secretaria-Geral da Organização dos Estados Americanos, que ocorrerá em 20 de março e em que o uruguaio Luis Almagro busca a reeleição. Tem a aprovação dos governos que receberam seu apoio ao golpe na Bolívia. Oposto é a equatoriana María Fernanda Espinosa e o peruano Hugo de Zela. Os votos de hoje ainda não marcam uma tendência decisiva.

Por outro lado, uma das principais ausências será a da Bolívia. O governo de fato já anunciou que não terá um representante na reunião do Celac. O relacionamento com o México é interrompido pela ajuda de López Obrador a Morales e o cerco da polícia e militares à embaixada mexicana em La Paz.

É outro sintoma da tensão que cobre os vínculos entre os países membros de uma organização nascida em 2010 em Playa de Carmen (México) com a intenção de fortalecer alianças que darão à América Latina e ao Caribe uma voz forte, protagonista e influente no debate global. Naquela época, era muito mais fácil criá-lo, porque os governos progressistas, geralmente resistentes à dependência americana à qual o direito é mais propenso, ainda eram maioria na América do Sul.

Mas o cenário mudou. E agora a Celac, com seus 33 países membros que representam 8,6% da população mundial e geram 7,1% do PIB global, novamente fará um novo compromisso com a integração regional no México. Essa utopia eterna.

Categories: #COLOMBIA#MéxicoCarlos MesaComandante Che GuevaraCompañía Minera Huanchaca, AMLO, Andrés Manuel López Obrador, estados unidos, México, zona franca, CELAC, Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC), Cuba, Organización de Estados Americanos (OEA), Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), MEXICO, presidência pró-tempore #Celac, Presidente do Mexico, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

<span>%d</span> bloggers like this: